SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Equação do tempo 1
Equação do tempo
Evolução diária da diferença entre o tempo solar aparente e o tempo solar médio.
A equação do tempo é a diferença, ao
longo de um ano, entre o tempo lido a
partir de um relógio de sol e o tempo
civil, ou seja, a diferença entre o tempo
solar aparente e o tempo solar médio.
Representa a evolução anual da
diferença entre a posição real em cada
momento do Sol no firmamento e a
posição que ele ocuparia nesse
momento se o eixo da Terra fosse
perpendicular à eclítica e a órbita
terrestre circular.
Causas e consequências
A equação do tempo resulta da
combinação do efeito da excentricidade da órbita terrestre com a inclinação do eixo de rotação da Terra em relação à
eclítica. Em termos práticos, a equação do tempo reflecte a diferença entre a hora marcada por um relógio solar, isto
é a hora estimada a partir da posição do Sol no firmamento, ou tempo solar aparente, e a hora sideral (ou a hora
civil), determinada pelo tempo solar médio.
Durante o decurso do ano, a diferença entre aquelas horas pode variar entre um avanço da posição do Sol em relação
ao tempo solar médio de 16 min 33 s (por volta de 31 de Outubro–1 de Novembro) e um atraso de 14 min 6 s (por
volta de 11–12 de Fevereiro).
A equação do tempo é uma descrição das características horizontais do analema da Terra, uma curva em forma de 8
assimétrico que representa graficamente a posição do Sol no céu à mesma hora em cada dia do ano, quando vista da
Terra.
Equação do tempo 2
Tempo solar aparente e tempo solar médio
Relógio de sol (em Maiorca) com correcção analemática por forma a permitir ler a hora
civil.
A rotação da Terra fornece um relógio
natural adequado para a maioria das
actividades humanas, já que o tempo
despendido em cada revolução apenas
varia umas fracções de segundo em
cada ano, tornando-o, para a maioria
dos efeitos práticos, num valor
constante. Para medir o tempo pela
rotação da Terra é apenas necessário
determinar um ponto de referência a
partir do qual iniciar a contagem. A
escolha pode recair sobre uma estrela,
com o inconveniente de apenas poder
ser observada à noite, ou, com maior
facilidade, recorrendo à evolução da
posição do Sol no firmamento.
A facilidade de observar o Sol levou,
desde a antiguidade, à construção de relógios de sol, nos quais, através da projecção da sombra de um objecto
adequado (o gnómon) sobre uma escala construída com base na observação diária do Sol, é possível determinar com
alguma exactidão a hora. Esta hora, determinada com base na posição do Sol no firmamento, é chamada tempo solar
aparente.
Observando a evolução anual da sombra, e comparando a hora assim determinada com a hora estimada por outros
meios, tornou-se patente que a hora solar aparente e o tempo solar médio, aquele que é utilizada para determinar de
forma uniforme o tempo civil, nem sempre coincidiam. A invenção dos relógios mecânicos, cuja hora não depende
directamente da posição do Sol, veio tornar ainda mais clara essa diferença.
As razões que determinam a diferença entre os tempos solares aparente e médio prendem-se com o facto da posição
do Sol não ser determinada apenas pelo movimento de rotação da Terra em torno do seu eixo, mas também pela
translação da Terra em torno do Sol. A explicação seguinte demonstra como a interacção entres estes dois
movimentos, e deles com a inclinação do eixo de rotação da Terra em relação ao plano da respectiva órbita em torno
do Sol, causam a diferença apontada.
Variação da velocidade angular média aparente do Sol
Se a órbita da Terra fosse circular e o eixo da Terra fosse perpendicular à elíptica, entre o meio-dia de dois dias
consecutivos, observados num relógio solar decorriam exactamente 24 horas, ou seja 86 400 s, já que:
Tendo em conta que o diâmetro do disco solar, conforme visto da superfície da Terra projectado sobre a esfera
celeste, excluindo os efeitos atmosféricos, cobre cerca de 1/2 grau, ou seja 30’ (minutos de grau), a velocidade
angular do movimento aparente do Sol seria constante e equivalente a metade do seu diâmetro (raio aparente do Sol
= 1/4º) em cada 1 minuto, já que:
No entanto, como a velocidade da Terra varia e o seu eixo está inclinado em relação ao plano da elíptica, a
velocidade angular média aparente do Sol varia durante o ano.
Equação do tempo 3
Relação entre o período de rotação da Terra e o dia solar
Como a Terra está em movimento em volta do Sol, não basta uma rotação completa para o Sol voltar a ficar no
zénite. Como a Terra mudou de posição e «avançou» uns 2500 milhares de quilómetros o planeta ainda tem que
rodar alguns graus extra para que o Sol apareça de novo na mesma posição. É por isso que a Terra tem de rodar 366
vezes para que o Sol nasça e se ponha as 365 vezes correspondentes aos dias do ano. Para ganhar esta volta extra,
cada dia sideral tem de ser mais curto que o dia solar médio exactamente 1/366 do dia, ou seja:
Portanto, o período de rotação da Terra em torno do seu eixo não é em média de 24 h, tal como está definido para o
dia civil, mas sim de 23 h 56 min 4 s.
Efeito da obliquidade do eixo da Terra
Evolução diária da diferença entre o tempo solar aparente e o tempo solar médio.
Para complicar a situação, é preciso
não perder de vista que este valor é
apenas uma média anual, já que o eixo
de rotação da Terra não é
perpendicular ao plano da sua órbita
torno do Sol, antes faz com este um
ângulo de 23º 27'. Isto faz com que o
movimento do Sol não cubra ângulos
iguais em tempos iguais em relação ao
equador celeste. A sua projecção sobre
o equador tem um máximo quando o
seu movimento aparente é paralelo ao
equador celeste nos solstícios e um
mínimo nos equinócios.
Como a componente vertical do movimento aparente do Sol não afecta a hora a que ocorre o meio-dia solar, é apenas
a componente horizontal que a afecta. Como a elíptica está inclinada em relação ao equador celeste, a componente
horizontal é maior nos solstícios quando vemos os deslocamentos do Sol como sendo quase horizontais. Por isso, os
deslocamentos do Sol perto dos equinócios são menores, ou seja, o Sol parece aproximar-se e afastar-se lentamente
da sua posição dos equinócios e mais rapidamente da sua posição nos solstícios. A sua velocidade média aparente
corresponde à velocidade constante que teria (se a órbita da Terra não fosse excêntrica) se o seu movimento se desse
no plano do equador celeste, caso em que o meio dia solar não sofreria deslocamentos.
Equação do tempo 4
Sol e planetas ao meio-dia solar (Eclíptica a
vermelho, Sol e Mercúrio a amarelo, Vénus a
branco, Marte a vermelho, Júpiter a amarelo com
mancha vermelha, Saturno a branco com aneis).
Assim, a velocidade angular do Sol aparenta ser cerca de 9% maior
nos solstícios, pelo que os 3 min e 56 s de diferença entre o dia sideral
e o dia solar variam por um factor de 1,09, passando a ser 4 min e 17
s. Obviamente, nos restantes períodos do ano, uma correspondente
redução deve ocorrer, passando, próximo dos equinócios, a diferença a
ser apenas 3 min 17 s. Este ciclo é repetido duas vezes por ano, com a
aproximação de cada equinócio ou solstício.
Daqui se conclui que devido à inclinação do eixo da Terra, o tempo
solar, medido pela passagem meridiana do Sol, pode ganhar ou perder
20,3 s/dia, dependendo da época do ano. Embora pareça pouco,
tenha-se em conta que se os tempos solar e civil estiverem
sincronizados num dia, passado mês e meio terá sido acumulado um
significativo erro de 9,8 minutos.
Em consequência destas diferenças de velocidade angular aparente, na
Primavera e no Outono, ou seja em torno dos equinócios, a hora civil
está adiantada em relação à hora solar aparente. Pelo contrário, no
Verão e no Inverno, isto é, em torno dos solstícios, está atrasada.
A linha verde na figura em cima à direita mostra a contribuição da
obliquidade do eixo terrestre para o desvio horário total. Note-se que a
curva é sinusoidal, com um período aproximado de 6 meses.
Efeito da elipticidade da órbita da Terra
Outro factor importante, embora quantitativamente menos significativo, que contribui para a diferença entre o tempo
solar aparente e o tempo civil é a excentricidade da órbita da Terra. O nosso planeta, como todos os astros em órbitas
fixas em torno de outros, tem de obedecer às leis de Kepler. Em resultado, a velocidade da Terra no seu movimento
de translação não é constante, variando em função da sua distância ao Sol.
No seu periélio, a 3–4 de Janeiro, a Terra está 1,67% mais próxima do Sol que a sua distância média. Para permitir a
conservação do momento angular, o planeta sofre um aumento na velocidade angular de 3,37% em relação à
velocidade média. Esse aumento de velocidade implica que, naquela data, o dia solar seja cerca de 7,9 s mais longo
que o dia sideral, pois:
Assim, no decurso das 13 semanas em torno do periélio, o desvio entre o tempo solar e o tempo civil cresce até aos
7,6 minutos.
Em torno do afélio, que a Terra atinge, consoante o ano, de 3 a 6 de Julho, o efeito contrário ocorre, com o
correspondente abrandamento da velocidade angular e encurtamento do dia solar. Daí que a contribuição da
elipticidade para a equação do tempo, a azul na figura do canto superior direito, seja também sinusoidal, mas com
período anual (na realidade um pouco maior do que o ano devido à precessão do periélio da Terra).
Equação do tempo 5
A equação do tempo
A equação do tempo, representada pela curva a vermelho na figura acima à direita, é assim o somatório das
diferenças entre a hora solar aparente e a hora civil resultantes da combinação de dois efeitos:
• O efeito da obliquidade do eixo da Terra (a verde na figura), uma sinusóide com período semestral e amplitude
máxima aproximada de 9,7 minutos. Este efeito é dominante, impondo o andamento e forma geral da equação do
tempo.
• O efeito da elipticidade da órbita terrestre (a azul na figura), uma sinusóide com período pouco mais longo do que
o ano e uma amplitude máxima aproximada de 7,6 minutos.
A soma dos dois efeitos, como aliás acontece com quaisquer fenómenos com carácter periódico, leva a que em certas
épocas do ano, quando estão em fase, se reforcem mutuamente, aumentando a amplitude da resultante, enquanto
noutras épocas se atenuam, reduzindo a amplitude do fenómeno.
Note que a aparência do gráfico da equação do tempo pode ser deduzida directamente da evolução temporal da
projecção sobre o equador celeste da trajectória em forma de 8 assimétrico do analema da Terra.
Máximos e mínimos
Dessa combinação de amplificação e atenuação resulta o seguinte andamento geral da curva, expresso em termos do
desvio entre o tempo solar aparente e o tempo solar médio (hora civil):
• 4 pontos nulos (desvio = 0 minutos) — 15 de Abril, 13 de Junho, 1 de Setembro e 25 de Dezembro;
• 2 máximos — a 14 de Maio (cerca de + 4 minutos) e a 3 de Novembro (cerca de + 16 minutos);
• 2 mínimos — a 12 de Fevereiro (− 14,5 minutos) e a 25 de Julho (− 6,5 minutos).
Formulação matemática da curva (I)
A equação do tempo, sendo a soma de duas curvas sinusoidais não síncronas, com um período seis meses e de um
ano, respectivamente, pode ser aproximado pela seguinte expressão:
onde é expresso em minutos, e
se o e forem expressos em graus;
ou
se o e forem expressos em radianos,
e onde é o número do dia, isto é, para 1 de Janeiro, para 2 de Janeiro, e assim por diante.
A expressão apenas fornece uma aproximação do valor real, mas produz erros inferiores a 1 minuto, pelo que pode
ser utilizada para a maioria dos fins comuns.
Formulação matemática da curva (II)
A seguinte é uma formulação alternativa, mais fácil de utilizar recorrendo a uma calculadora de bolso ou uma folha
de cálculo, sendo que nela é o valor da equação do tempo para o dia , sendo este um qualquer dia do ano
representado no intervalo 0 a 364 (0 é 1 de Janeiro; 1 é 2 de Janeiro, e assim por diante):
onde o valor das constantes, de acordo com a literatura
[1]
, é:
Equação do tempo 6
A formulação é também aproximada e produz valores com um grau de precisão semelhante à anterior.
Ligações externas
• Tabela fornecendo a Equação do Tempo e a declinação do Sol em cada dia do ano
[2]
• Relógios solares na Internet
[3]
• A Equação do Tempo na página oficial do Royal Greenwich Observatory.
[4]
• Página especializada na Equação do Tempo
[5]
• The Equation of Time and the Analemma, por Kieron Taylor (em inglês)
[6]
• Artigo de Brian Tung, contendo um programa para cálculo da Equação do Tempo e do analema
[7]
.
• Cálculo da equação do tempo com uma calculadora de bolso (regressão chi2 da cuva).
[1]
• planilha para cálculo de um relógio de sol
[8]
(em português)
Referências
[1] http://lexikon.astronomie.info/zeitgleichung/
[2] http://freepages.pavilion.net/users/aghelyar/sundat.htm
[3] http://www.sundials.co.uk/equation.htm
[4] http://www.nmm.ac.uk/site/request/setTemplate:singlecontent/contentTypeA/conWebDoc/contentId/351
[5] http://www.analemma.com/
[6] http://myweb.tiscali.co.uk/moonkmft/Articles/EquationOfTime.html
[7] http://astro.isi.edu/games/analemma.html
[8] http://paginas.terra.com.br/lazer/zeca/sc/sci.htm
Fontes e Editores da Página 7
Fontes e Editores da Página
Equação do tempo  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?oldid=32563965  Contribuidores: Angrense, Complex (de), Jic, Jorunn, OS2Warp, Tó campos, Vitor Mazuco, 19 edições
anónimas
Fontes, Licenças e Editores da Imagem
Ficheiro:equacao do tempo.gif  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Equacao_do_tempo.gif  Licença: Public Domain  Contribuidores: Marcus M Bezerra
Ficheiro:Sunclockllaurp.jpg  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Sunclockllaurp.jpg  Licença: Creative Commons Attribution-Sharealike 2.5  Contribuidores: Anton,
Till.niermann, 1 edições anónimas
Ficheiro:equacao do tempo.png  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Equacao_do_tempo.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: António Miguel de Campos -
en:User:Tó campos
Ficheiro:Middaysun.gif  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Middaysun.gif  Licença: Public Domain  Contribuidores: António Miguel de Campos - en:User:Tó campos
Licença
Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported
//creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MOVIMENTOS DO PLANETA TERRA
MOVIMENTOS DO PLANETA TERRAMOVIMENTOS DO PLANETA TERRA
MOVIMENTOS DO PLANETA TERRAAlice Ramos
 
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAISTERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAISFábio Ribeiro
 
Mov terra
Mov terraMov terra
Mov terraUSP
 
Rotação e Translação
Rotação e TranslaçãoRotação e Translação
Rotação e Translaçãohsjval
 
Geografia 1 ANO EM - Orientação Espacial
Geografia  1 ANO EM - Orientação Espacial Geografia  1 ANO EM - Orientação Espacial
Geografia 1 ANO EM - Orientação Espacial Isabela Gaspar
 
Geografia Movimento de translação e rotação
Geografia Movimento de translação e rotaçãoGeografia Movimento de translação e rotação
Geografia Movimento de translação e rotaçãoDorinha Matias
 
Geografia os movimentos da terra
Geografia   os movimentos da terraGeografia   os movimentos da terra
Geografia os movimentos da terraGustavo Soares
 
Movimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e RotaçãoMovimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e RotaçãoIvaildo
 
Terra movimentos e características
Terra movimentos e característicasTerra movimentos e características
Terra movimentos e característicasFernanda Lopes
 
CFQ-O movimento de translação da terra
CFQ-O movimento de translação da terraCFQ-O movimento de translação da terra
CFQ-O movimento de translação da terrastarstruck123
 
Geografia 1 bimestre formato movimentos
Geografia   1 bimestre formato movimentosGeografia   1 bimestre formato movimentos
Geografia 1 bimestre formato movimentosAna Paula Alves
 
Movimentos da terra 7ºano
Movimentos da terra 7ºanoMovimentos da terra 7ºano
Movimentos da terra 7ºanodoismilequinze
 
A terra e seus movimentos cap 1
A terra e seus movimentos cap 1A terra e seus movimentos cap 1
A terra e seus movimentos cap 1J R Messias
 
Rotação e translação
Rotação e translaçãoRotação e translação
Rotação e translaçãonacirbertini
 

Mais procurados (20)

Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1
 
MOVIMENTOS DO PLANETA TERRA
MOVIMENTOS DO PLANETA TERRAMOVIMENTOS DO PLANETA TERRA
MOVIMENTOS DO PLANETA TERRA
 
Aulacomslaids
AulacomslaidsAulacomslaids
Aulacomslaids
 
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAISTERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
TERRA : CONCEITOS FUNDAMENTAIS
 
Mov terra
Mov terraMov terra
Mov terra
 
Rotação e Translação
Rotação e TranslaçãoRotação e Translação
Rotação e Translação
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Geografia 1 ANO EM - Orientação Espacial
Geografia  1 ANO EM - Orientação Espacial Geografia  1 ANO EM - Orientação Espacial
Geografia 1 ANO EM - Orientação Espacial
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
 
Geografia Movimento de translação e rotação
Geografia Movimento de translação e rotaçãoGeografia Movimento de translação e rotação
Geografia Movimento de translação e rotação
 
Geografia os movimentos da terra
Geografia   os movimentos da terraGeografia   os movimentos da terra
Geografia os movimentos da terra
 
Movimentos da terra
Movimentos da terraMovimentos da terra
Movimentos da terra
 
Interação terra lua
Interação terra luaInteração terra lua
Interação terra lua
 
Movimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e RotaçãoMovimento de Translação e Rotação
Movimento de Translação e Rotação
 
Terra movimentos e características
Terra movimentos e característicasTerra movimentos e características
Terra movimentos e características
 
CFQ-O movimento de translação da terra
CFQ-O movimento de translação da terraCFQ-O movimento de translação da terra
CFQ-O movimento de translação da terra
 
Geografia 1 bimestre formato movimentos
Geografia   1 bimestre formato movimentosGeografia   1 bimestre formato movimentos
Geografia 1 bimestre formato movimentos
 
Movimentos da terra 7ºano
Movimentos da terra 7ºanoMovimentos da terra 7ºano
Movimentos da terra 7ºano
 
A terra e seus movimentos cap 1
A terra e seus movimentos cap 1A terra e seus movimentos cap 1
A terra e seus movimentos cap 1
 
Rotação e translação
Rotação e translaçãoRotação e translação
Rotação e translação
 

Destaque

What's wrong with advertising?
What's wrong with advertising?What's wrong with advertising?
What's wrong with advertising?Paulo Pinto Silva
 
Comunicado 03 septiembre 2012 - empresa vigilancia cooperativa los arcangel y...
Comunicado 03 septiembre 2012 - empresa vigilancia cooperativa los arcangel y...Comunicado 03 septiembre 2012 - empresa vigilancia cooperativa los arcangel y...
Comunicado 03 septiembre 2012 - empresa vigilancia cooperativa los arcangel y...Antonio Cazorla
 
La fidélisation au cœur de votre stratégie eCommerce
La fidélisation au cœur de votre stratégie eCommerce  La fidélisation au cœur de votre stratégie eCommerce
La fidélisation au cœur de votre stratégie eCommerce Absolunet
 
Roboterwettbewerb 2011: Teilnahmebedingungen
Roboterwettbewerb 2011: TeilnahmebedingungenRoboterwettbewerb 2011: Teilnahmebedingungen
Roboterwettbewerb 2011: Teilnahmebedingungenzukunft-durch-innovation
 
KUG Praxisbericht - 'Betrieb einer Recherche-Infrastruktur'
KUG Praxisbericht - 'Betrieb einer Recherche-Infrastruktur'KUG Praxisbericht - 'Betrieb einer Recherche-Infrastruktur'
KUG Praxisbericht - 'Betrieb einer Recherche-Infrastruktur'flimm
 
ПО "Playbox"
ПО "Playbox"ПО "Playbox"
ПО "Playbox"vita0511
 
Création de l'Univers: origine inconnue
Création de l'Univers: origine inconnueCréation de l'Univers: origine inconnue
Création de l'Univers: origine inconnueclaudiamartinez2013
 
Аварийность на дорогах Украины в 2013 году
Аварийность на дорогах Украины в 2013 годуАварийность на дорогах Украины в 2013 году
Аварийность на дорогах Украины в 2013 годуAutoua
 
Abetka zdorov
Abetka zdorovAbetka zdorov
Abetka zdorovAndrew
 
Clase 16 b desequilibrio acido base
Clase 16 b desequilibrio acido base Clase 16 b desequilibrio acido base
Clase 16 b desequilibrio acido base Anchi Hsu XD
 
Collecting contacts using cardmagic contacts plug-in in rails 2.3.8
Collecting contacts using cardmagic contacts plug-in in rails 2.3.8Collecting contacts using cardmagic contacts plug-in in rails 2.3.8
Collecting contacts using cardmagic contacts plug-in in rails 2.3.8Andolasoft Inc
 
Technik Preise Golf[1]
Technik Preise Golf[1]Technik Preise Golf[1]
Technik Preise Golf[1]guest1c4c90
 
David 1000 basta
David 1000 bastaDavid 1000 basta
David 1000 bastaJulio Gomez
 
Campus M21 | Medienpraxis II: Online - Vorlesung I vom 31.01.2013
Campus M21 | Medienpraxis II: Online - Vorlesung I vom 31.01.2013Campus M21 | Medienpraxis II: Online - Vorlesung I vom 31.01.2013
Campus M21 | Medienpraxis II: Online - Vorlesung I vom 31.01.2013Daniel Rehn
 

Destaque (20)

What's wrong with advertising?
What's wrong with advertising?What's wrong with advertising?
What's wrong with advertising?
 
Comunicado 03 septiembre 2012 - empresa vigilancia cooperativa los arcangel y...
Comunicado 03 septiembre 2012 - empresa vigilancia cooperativa los arcangel y...Comunicado 03 septiembre 2012 - empresa vigilancia cooperativa los arcangel y...
Comunicado 03 septiembre 2012 - empresa vigilancia cooperativa los arcangel y...
 
La fidélisation au cœur de votre stratégie eCommerce
La fidélisation au cœur de votre stratégie eCommerce  La fidélisation au cœur de votre stratégie eCommerce
La fidélisation au cœur de votre stratégie eCommerce
 
Roboterwettbewerb 2011: Teilnahmebedingungen
Roboterwettbewerb 2011: TeilnahmebedingungenRoboterwettbewerb 2011: Teilnahmebedingungen
Roboterwettbewerb 2011: Teilnahmebedingungen
 
KUG Praxisbericht - 'Betrieb einer Recherche-Infrastruktur'
KUG Praxisbericht - 'Betrieb einer Recherche-Infrastruktur'KUG Praxisbericht - 'Betrieb einer Recherche-Infrastruktur'
KUG Praxisbericht - 'Betrieb einer Recherche-Infrastruktur'
 
ПО "Playbox"
ПО "Playbox"ПО "Playbox"
ПО "Playbox"
 
Création de l'Univers: origine inconnue
Création de l'Univers: origine inconnueCréation de l'Univers: origine inconnue
Création de l'Univers: origine inconnue
 
Аварийность на дорогах Украины в 2013 году
Аварийность на дорогах Украины в 2013 годуАварийность на дорогах Украины в 2013 году
Аварийность на дорогах Украины в 2013 году
 
Bewerber - Patentdatenbanken und Fachliteratur als Infoquelle einsetzen
Bewerber - Patentdatenbanken und Fachliteratur als Infoquelle einsetzenBewerber - Patentdatenbanken und Fachliteratur als Infoquelle einsetzen
Bewerber - Patentdatenbanken und Fachliteratur als Infoquelle einsetzen
 
Abetka zdorov
Abetka zdorovAbetka zdorov
Abetka zdorov
 
Clase 16 b desequilibrio acido base
Clase 16 b desequilibrio acido base Clase 16 b desequilibrio acido base
Clase 16 b desequilibrio acido base
 
Museo wurth
Museo wurthMuseo wurth
Museo wurth
 
Robot Mobil
Robot MobilRobot Mobil
Robot Mobil
 
sadsdasd
sadsdasdsadsdasd
sadsdasd
 
Collecting contacts using cardmagic contacts plug-in in rails 2.3.8
Collecting contacts using cardmagic contacts plug-in in rails 2.3.8Collecting contacts using cardmagic contacts plug-in in rails 2.3.8
Collecting contacts using cardmagic contacts plug-in in rails 2.3.8
 
Abf200510pb
Abf200510pbAbf200510pb
Abf200510pb
 
Technik Preise Golf[1]
Technik Preise Golf[1]Technik Preise Golf[1]
Technik Preise Golf[1]
 
David 1000 basta
David 1000 bastaDavid 1000 basta
David 1000 basta
 
Campus M21 | Medienpraxis II: Online - Vorlesung I vom 31.01.2013
Campus M21 | Medienpraxis II: Online - Vorlesung I vom 31.01.2013Campus M21 | Medienpraxis II: Online - Vorlesung I vom 31.01.2013
Campus M21 | Medienpraxis II: Online - Vorlesung I vom 31.01.2013
 
Donnés statistiques
Donnés statistiquesDonnés statistiques
Donnés statistiques
 

Semelhante a Equação do tempo (1)

Movimentos da Terra translação e rotação
Movimentos da Terra translação e rotaçãoMovimentos da Terra translação e rotação
Movimentos da Terra translação e rotaçãoNilcilene Souza
 
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdfMovimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdfAndressaCosta90
 
os movimentos da terra.ppt
os movimentos da terra.pptos movimentos da terra.ppt
os movimentos da terra.pptAna Maria
 
Consequencias do movimento da terra
Consequencias do movimento da terraConsequencias do movimento da terra
Consequencias do movimento da terraGeovana Isabel
 
Terra Lua e Sol.pdf
Terra Lua e Sol.pdfTerra Lua e Sol.pdf
Terra Lua e Sol.pdfnunofq
 
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Thommas Kevin
 
Movimentos e orbitas_dos_planetas
Movimentos e orbitas_dos_planetasMovimentos e orbitas_dos_planetas
Movimentos e orbitas_dos_planetasRosário Duarte
 
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horáriosCartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horáriosColégio Aprov
 
Fusos horarios mmmmm.mm...m.m....mmmmmmm
Fusos horarios mmmmm.mm...m.m....mmmmmmmFusos horarios mmmmm.mm...m.m....mmmmmmm
Fusos horarios mmmmm.mm...m.m....mmmmmmmPauloFernandoAntunes1
 
Movimentos Da Terra
Movimentos Da TerraMovimentos Da Terra
Movimentos Da Terradebora
 
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Thommas Kevin
 
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Thommas Kevin
 

Semelhante a Equação do tempo (1) (20)

Movimentos da Terra translação e rotação
Movimentos da Terra translação e rotaçãoMovimentos da Terra translação e rotação
Movimentos da Terra translação e rotação
 
Unidade 3
Unidade 3Unidade 3
Unidade 3
 
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdfMovimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
Movimento orbital da Terra e estações do Ano.pdf
 
os movimentos da terra.ppt
os movimentos da terra.pptos movimentos da terra.ppt
os movimentos da terra.ppt
 
Consequencias do movimento da terra
Consequencias do movimento da terraConsequencias do movimento da terra
Consequencias do movimento da terra
 
Terra Lua e Sol.pdf
Terra Lua e Sol.pdfTerra Lua e Sol.pdf
Terra Lua e Sol.pdf
 
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
 
Movimentos e orbitas_dos_planetas
Movimentos e orbitas_dos_planetasMovimentos e orbitas_dos_planetas
Movimentos e orbitas_dos_planetas
 
Cartografia básica
Cartografia básicaCartografia básica
Cartografia básica
 
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horáriosCartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Fusos horarios mmmmm.mm...m.m....mmmmmmm
Fusos horarios mmmmm.mm...m.m....mmmmmmmFusos horarios mmmmm.mm...m.m....mmmmmmm
Fusos horarios mmmmm.mm...m.m....mmmmmmm
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
Movimentos Da Terra
Movimentos Da TerraMovimentos Da Terra
Movimentos Da Terra
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
O planeta terra
O planeta terraO planeta terra
O planeta terra
 
Geografia solstícios e equinócios
Geografia   solstícios e equinóciosGeografia   solstícios e equinócios
Geografia solstícios e equinócios
 
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
Astronomia e astrof´+¢sica parte 001
 

Mais de Fausto Fonseca

Argumentarz perfumy 2013_pt
Argumentarz perfumy 2013_ptArgumentarz perfumy 2013_pt
Argumentarz perfumy 2013_ptFausto Fonseca
 
Accoes humanas efeito_energia
Accoes humanas efeito_energiaAccoes humanas efeito_energia
Accoes humanas efeito_energiaFausto Fonseca
 
Guia emprego (1) (1) (1)
Guia emprego (1) (1) (1)Guia emprego (1) (1) (1)
Guia emprego (1) (1) (1)Fausto Fonseca
 
FM GROUP - GOSTA DE PERFUMES, Porto, Emprego - Destak Classificados Gratuitos...
FM GROUP - GOSTA DE PERFUMES, Porto, Emprego - Destak Classificados Gratuitos...FM GROUP - GOSTA DE PERFUMES, Porto, Emprego - Destak Classificados Gratuitos...
FM GROUP - GOSTA DE PERFUMES, Porto, Emprego - Destak Classificados Gratuitos...Fausto Fonseca
 
Aurle. Mais do que um simples cafè
Aurle. Mais do que um simples cafèAurle. Mais do que um simples cafè
Aurle. Mais do que um simples cafèFausto Fonseca
 

Mais de Fausto Fonseca (14)

Argumentarz perfumy 2013_pt
Argumentarz perfumy 2013_ptArgumentarz perfumy 2013_pt
Argumentarz perfumy 2013_pt
 
Gestao tempo (1)
Gestao tempo (1)Gestao tempo (1)
Gestao tempo (1)
 
Marketing de red3
Marketing de red3Marketing de red3
Marketing de red3
 
Marketing de red1
Marketing de red1Marketing de red1
Marketing de red1
 
GOSTAS DE PERFUMES?
GOSTAS DE  PERFUMES?GOSTAS DE  PERFUMES?
GOSTAS DE PERFUMES?
 
B glucanactivept
B glucanactiveptB glucanactivept
B glucanactivept
 
Gosta de perfumes
Gosta de perfumesGosta de perfumes
Gosta de perfumes
 
Accoes humanas efeito_energia
Accoes humanas efeito_energiaAccoes humanas efeito_energia
Accoes humanas efeito_energia
 
FOCUS
FOCUS FOCUS
FOCUS
 
Guia emprego (1) (1) (1)
Guia emprego (1) (1) (1)Guia emprego (1) (1) (1)
Guia emprego (1) (1) (1)
 
Arg makup2013pt
Arg makup2013ptArg makup2013pt
Arg makup2013pt
 
Gosta de perfumes
Gosta de perfumesGosta de perfumes
Gosta de perfumes
 
FM GROUP - GOSTA DE PERFUMES, Porto, Emprego - Destak Classificados Gratuitos...
FM GROUP - GOSTA DE PERFUMES, Porto, Emprego - Destak Classificados Gratuitos...FM GROUP - GOSTA DE PERFUMES, Porto, Emprego - Destak Classificados Gratuitos...
FM GROUP - GOSTA DE PERFUMES, Porto, Emprego - Destak Classificados Gratuitos...
 
Aurle. Mais do que um simples cafè
Aurle. Mais do que um simples cafèAurle. Mais do que um simples cafè
Aurle. Mais do que um simples cafè
 

Equação do tempo (1)

  • 1. Equação do tempo 1 Equação do tempo Evolução diária da diferença entre o tempo solar aparente e o tempo solar médio. A equação do tempo é a diferença, ao longo de um ano, entre o tempo lido a partir de um relógio de sol e o tempo civil, ou seja, a diferença entre o tempo solar aparente e o tempo solar médio. Representa a evolução anual da diferença entre a posição real em cada momento do Sol no firmamento e a posição que ele ocuparia nesse momento se o eixo da Terra fosse perpendicular à eclítica e a órbita terrestre circular. Causas e consequências A equação do tempo resulta da combinação do efeito da excentricidade da órbita terrestre com a inclinação do eixo de rotação da Terra em relação à eclítica. Em termos práticos, a equação do tempo reflecte a diferença entre a hora marcada por um relógio solar, isto é a hora estimada a partir da posição do Sol no firmamento, ou tempo solar aparente, e a hora sideral (ou a hora civil), determinada pelo tempo solar médio. Durante o decurso do ano, a diferença entre aquelas horas pode variar entre um avanço da posição do Sol em relação ao tempo solar médio de 16 min 33 s (por volta de 31 de Outubro–1 de Novembro) e um atraso de 14 min 6 s (por volta de 11–12 de Fevereiro). A equação do tempo é uma descrição das características horizontais do analema da Terra, uma curva em forma de 8 assimétrico que representa graficamente a posição do Sol no céu à mesma hora em cada dia do ano, quando vista da Terra.
  • 2. Equação do tempo 2 Tempo solar aparente e tempo solar médio Relógio de sol (em Maiorca) com correcção analemática por forma a permitir ler a hora civil. A rotação da Terra fornece um relógio natural adequado para a maioria das actividades humanas, já que o tempo despendido em cada revolução apenas varia umas fracções de segundo em cada ano, tornando-o, para a maioria dos efeitos práticos, num valor constante. Para medir o tempo pela rotação da Terra é apenas necessário determinar um ponto de referência a partir do qual iniciar a contagem. A escolha pode recair sobre uma estrela, com o inconveniente de apenas poder ser observada à noite, ou, com maior facilidade, recorrendo à evolução da posição do Sol no firmamento. A facilidade de observar o Sol levou, desde a antiguidade, à construção de relógios de sol, nos quais, através da projecção da sombra de um objecto adequado (o gnómon) sobre uma escala construída com base na observação diária do Sol, é possível determinar com alguma exactidão a hora. Esta hora, determinada com base na posição do Sol no firmamento, é chamada tempo solar aparente. Observando a evolução anual da sombra, e comparando a hora assim determinada com a hora estimada por outros meios, tornou-se patente que a hora solar aparente e o tempo solar médio, aquele que é utilizada para determinar de forma uniforme o tempo civil, nem sempre coincidiam. A invenção dos relógios mecânicos, cuja hora não depende directamente da posição do Sol, veio tornar ainda mais clara essa diferença. As razões que determinam a diferença entre os tempos solares aparente e médio prendem-se com o facto da posição do Sol não ser determinada apenas pelo movimento de rotação da Terra em torno do seu eixo, mas também pela translação da Terra em torno do Sol. A explicação seguinte demonstra como a interacção entres estes dois movimentos, e deles com a inclinação do eixo de rotação da Terra em relação ao plano da respectiva órbita em torno do Sol, causam a diferença apontada. Variação da velocidade angular média aparente do Sol Se a órbita da Terra fosse circular e o eixo da Terra fosse perpendicular à elíptica, entre o meio-dia de dois dias consecutivos, observados num relógio solar decorriam exactamente 24 horas, ou seja 86 400 s, já que: Tendo em conta que o diâmetro do disco solar, conforme visto da superfície da Terra projectado sobre a esfera celeste, excluindo os efeitos atmosféricos, cobre cerca de 1/2 grau, ou seja 30’ (minutos de grau), a velocidade angular do movimento aparente do Sol seria constante e equivalente a metade do seu diâmetro (raio aparente do Sol = 1/4º) em cada 1 minuto, já que: No entanto, como a velocidade da Terra varia e o seu eixo está inclinado em relação ao plano da elíptica, a velocidade angular média aparente do Sol varia durante o ano.
  • 3. Equação do tempo 3 Relação entre o período de rotação da Terra e o dia solar Como a Terra está em movimento em volta do Sol, não basta uma rotação completa para o Sol voltar a ficar no zénite. Como a Terra mudou de posição e «avançou» uns 2500 milhares de quilómetros o planeta ainda tem que rodar alguns graus extra para que o Sol apareça de novo na mesma posição. É por isso que a Terra tem de rodar 366 vezes para que o Sol nasça e se ponha as 365 vezes correspondentes aos dias do ano. Para ganhar esta volta extra, cada dia sideral tem de ser mais curto que o dia solar médio exactamente 1/366 do dia, ou seja: Portanto, o período de rotação da Terra em torno do seu eixo não é em média de 24 h, tal como está definido para o dia civil, mas sim de 23 h 56 min 4 s. Efeito da obliquidade do eixo da Terra Evolução diária da diferença entre o tempo solar aparente e o tempo solar médio. Para complicar a situação, é preciso não perder de vista que este valor é apenas uma média anual, já que o eixo de rotação da Terra não é perpendicular ao plano da sua órbita torno do Sol, antes faz com este um ângulo de 23º 27'. Isto faz com que o movimento do Sol não cubra ângulos iguais em tempos iguais em relação ao equador celeste. A sua projecção sobre o equador tem um máximo quando o seu movimento aparente é paralelo ao equador celeste nos solstícios e um mínimo nos equinócios. Como a componente vertical do movimento aparente do Sol não afecta a hora a que ocorre o meio-dia solar, é apenas a componente horizontal que a afecta. Como a elíptica está inclinada em relação ao equador celeste, a componente horizontal é maior nos solstícios quando vemos os deslocamentos do Sol como sendo quase horizontais. Por isso, os deslocamentos do Sol perto dos equinócios são menores, ou seja, o Sol parece aproximar-se e afastar-se lentamente da sua posição dos equinócios e mais rapidamente da sua posição nos solstícios. A sua velocidade média aparente corresponde à velocidade constante que teria (se a órbita da Terra não fosse excêntrica) se o seu movimento se desse no plano do equador celeste, caso em que o meio dia solar não sofreria deslocamentos.
  • 4. Equação do tempo 4 Sol e planetas ao meio-dia solar (Eclíptica a vermelho, Sol e Mercúrio a amarelo, Vénus a branco, Marte a vermelho, Júpiter a amarelo com mancha vermelha, Saturno a branco com aneis). Assim, a velocidade angular do Sol aparenta ser cerca de 9% maior nos solstícios, pelo que os 3 min e 56 s de diferença entre o dia sideral e o dia solar variam por um factor de 1,09, passando a ser 4 min e 17 s. Obviamente, nos restantes períodos do ano, uma correspondente redução deve ocorrer, passando, próximo dos equinócios, a diferença a ser apenas 3 min 17 s. Este ciclo é repetido duas vezes por ano, com a aproximação de cada equinócio ou solstício. Daqui se conclui que devido à inclinação do eixo da Terra, o tempo solar, medido pela passagem meridiana do Sol, pode ganhar ou perder 20,3 s/dia, dependendo da época do ano. Embora pareça pouco, tenha-se em conta que se os tempos solar e civil estiverem sincronizados num dia, passado mês e meio terá sido acumulado um significativo erro de 9,8 minutos. Em consequência destas diferenças de velocidade angular aparente, na Primavera e no Outono, ou seja em torno dos equinócios, a hora civil está adiantada em relação à hora solar aparente. Pelo contrário, no Verão e no Inverno, isto é, em torno dos solstícios, está atrasada. A linha verde na figura em cima à direita mostra a contribuição da obliquidade do eixo terrestre para o desvio horário total. Note-se que a curva é sinusoidal, com um período aproximado de 6 meses. Efeito da elipticidade da órbita da Terra Outro factor importante, embora quantitativamente menos significativo, que contribui para a diferença entre o tempo solar aparente e o tempo civil é a excentricidade da órbita da Terra. O nosso planeta, como todos os astros em órbitas fixas em torno de outros, tem de obedecer às leis de Kepler. Em resultado, a velocidade da Terra no seu movimento de translação não é constante, variando em função da sua distância ao Sol. No seu periélio, a 3–4 de Janeiro, a Terra está 1,67% mais próxima do Sol que a sua distância média. Para permitir a conservação do momento angular, o planeta sofre um aumento na velocidade angular de 3,37% em relação à velocidade média. Esse aumento de velocidade implica que, naquela data, o dia solar seja cerca de 7,9 s mais longo que o dia sideral, pois: Assim, no decurso das 13 semanas em torno do periélio, o desvio entre o tempo solar e o tempo civil cresce até aos 7,6 minutos. Em torno do afélio, que a Terra atinge, consoante o ano, de 3 a 6 de Julho, o efeito contrário ocorre, com o correspondente abrandamento da velocidade angular e encurtamento do dia solar. Daí que a contribuição da elipticidade para a equação do tempo, a azul na figura do canto superior direito, seja também sinusoidal, mas com período anual (na realidade um pouco maior do que o ano devido à precessão do periélio da Terra).
  • 5. Equação do tempo 5 A equação do tempo A equação do tempo, representada pela curva a vermelho na figura acima à direita, é assim o somatório das diferenças entre a hora solar aparente e a hora civil resultantes da combinação de dois efeitos: • O efeito da obliquidade do eixo da Terra (a verde na figura), uma sinusóide com período semestral e amplitude máxima aproximada de 9,7 minutos. Este efeito é dominante, impondo o andamento e forma geral da equação do tempo. • O efeito da elipticidade da órbita terrestre (a azul na figura), uma sinusóide com período pouco mais longo do que o ano e uma amplitude máxima aproximada de 7,6 minutos. A soma dos dois efeitos, como aliás acontece com quaisquer fenómenos com carácter periódico, leva a que em certas épocas do ano, quando estão em fase, se reforcem mutuamente, aumentando a amplitude da resultante, enquanto noutras épocas se atenuam, reduzindo a amplitude do fenómeno. Note que a aparência do gráfico da equação do tempo pode ser deduzida directamente da evolução temporal da projecção sobre o equador celeste da trajectória em forma de 8 assimétrico do analema da Terra. Máximos e mínimos Dessa combinação de amplificação e atenuação resulta o seguinte andamento geral da curva, expresso em termos do desvio entre o tempo solar aparente e o tempo solar médio (hora civil): • 4 pontos nulos (desvio = 0 minutos) — 15 de Abril, 13 de Junho, 1 de Setembro e 25 de Dezembro; • 2 máximos — a 14 de Maio (cerca de + 4 minutos) e a 3 de Novembro (cerca de + 16 minutos); • 2 mínimos — a 12 de Fevereiro (− 14,5 minutos) e a 25 de Julho (− 6,5 minutos). Formulação matemática da curva (I) A equação do tempo, sendo a soma de duas curvas sinusoidais não síncronas, com um período seis meses e de um ano, respectivamente, pode ser aproximado pela seguinte expressão: onde é expresso em minutos, e se o e forem expressos em graus; ou se o e forem expressos em radianos, e onde é o número do dia, isto é, para 1 de Janeiro, para 2 de Janeiro, e assim por diante. A expressão apenas fornece uma aproximação do valor real, mas produz erros inferiores a 1 minuto, pelo que pode ser utilizada para a maioria dos fins comuns. Formulação matemática da curva (II) A seguinte é uma formulação alternativa, mais fácil de utilizar recorrendo a uma calculadora de bolso ou uma folha de cálculo, sendo que nela é o valor da equação do tempo para o dia , sendo este um qualquer dia do ano representado no intervalo 0 a 364 (0 é 1 de Janeiro; 1 é 2 de Janeiro, e assim por diante): onde o valor das constantes, de acordo com a literatura [1] , é:
  • 6. Equação do tempo 6 A formulação é também aproximada e produz valores com um grau de precisão semelhante à anterior. Ligações externas • Tabela fornecendo a Equação do Tempo e a declinação do Sol em cada dia do ano [2] • Relógios solares na Internet [3] • A Equação do Tempo na página oficial do Royal Greenwich Observatory. [4] • Página especializada na Equação do Tempo [5] • The Equation of Time and the Analemma, por Kieron Taylor (em inglês) [6] • Artigo de Brian Tung, contendo um programa para cálculo da Equação do Tempo e do analema [7] . • Cálculo da equação do tempo com uma calculadora de bolso (regressão chi2 da cuva). [1] • planilha para cálculo de um relógio de sol [8] (em português) Referências [1] http://lexikon.astronomie.info/zeitgleichung/ [2] http://freepages.pavilion.net/users/aghelyar/sundat.htm [3] http://www.sundials.co.uk/equation.htm [4] http://www.nmm.ac.uk/site/request/setTemplate:singlecontent/contentTypeA/conWebDoc/contentId/351 [5] http://www.analemma.com/ [6] http://myweb.tiscali.co.uk/moonkmft/Articles/EquationOfTime.html [7] http://astro.isi.edu/games/analemma.html [8] http://paginas.terra.com.br/lazer/zeca/sc/sci.htm
  • 7. Fontes e Editores da Página 7 Fontes e Editores da Página Equação do tempo  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?oldid=32563965  Contribuidores: Angrense, Complex (de), Jic, Jorunn, OS2Warp, Tó campos, Vitor Mazuco, 19 edições anónimas Fontes, Licenças e Editores da Imagem Ficheiro:equacao do tempo.gif  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Equacao_do_tempo.gif  Licença: Public Domain  Contribuidores: Marcus M Bezerra Ficheiro:Sunclockllaurp.jpg  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Sunclockllaurp.jpg  Licença: Creative Commons Attribution-Sharealike 2.5  Contribuidores: Anton, Till.niermann, 1 edições anónimas Ficheiro:equacao do tempo.png  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Equacao_do_tempo.png  Licença: Public Domain  Contribuidores: António Miguel de Campos - en:User:Tó campos Ficheiro:Middaysun.gif  Fonte: http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Ficheiro:Middaysun.gif  Licença: Public Domain  Contribuidores: António Miguel de Campos - en:User:Tó campos Licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 Unported //creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/