Histórias de Cuba

180 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
180
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Histórias de Cuba

  1. 1. Língua Portuguesa – 5.º BHistórias de Cuba 2011- 12 As Histórias de Cuba selecionadas pelos alunos foram expandidas, em trabalho de pequenos grupos.
  2. 2. O ballet Na vila de Cuba vivia um casal que gostava muito de passear. Ele, o Manel, era um homem muito bem-disposto, e quando saia, levava sempre a suasamarra e o seu chapéu. A sua esposa, a Maria, era muito amiga do divertimento, e também não largava o xaile eo lenço na cabeça, porque costumavam dizer: - O que tapa do frio, tapa do calor. Um dia, resolveram apanhar o comboio e ir até Lisboa. Durante a viagem, iam apreciando a paisagem. Mal chegaram ao seu destinocomeçaram a mirar tudo a sua volta. - Ai Manel, que casas tao altas! – exclamou a mulher. - Ó Maria, e já viste tantos automóveis? – perguntou o marido muito divertido. – Ai homem, até já estou tonta! Enquanto se maravilhavam de tudo que havia em Lisboa, viram um cartaz queanunciava “ Grande ballet às 15:00h no pavilhão de Lisboa” - Ó Maria já viste isto? Nós nunca fomos a nenhum espetáculo de ballet, pois não? - Não, ainda não fomos! Queres ir? Assim até aproveitava e descansava um bocadinho,dói-me tanto as pernas! Como não tinham carro para ir ver o ballet, lembraram-se que podiam ir de metro. Quando começou o espetáculo, a Maria de tão cansada que estava deixou-se dormir eacabou por não ver a primeira parte. - Ai homem eu nem acredito que me deixei dormir, as pessoas deram por mim?- indagoua mulher, estremunhada. - As pessoas não sei,-explicou-lhe o marido- mas as meninas do palco, tão simpáticas,desde que tu começaste a dormir que só andam de bicos nos pés! Deve ser para não teacordarem.
  3. 3. Os avejões Há muitos, muitos anos, segundo contam as pessoas mais velhas, as ruas de Cubaeram pouco iluminadas, quase não havia luz. Os habitantes pouco saiam de casa. Muitos trabalhavam no campo e saiam de casamuito cedo só regressando depois do sol se pôr. Mas também havia um outro motivo e estemuito forte, para se manterem nas suas habitações. É que tinham um medo terrível dosavejões. Andavam vestidos completamente de branco, com a cara tapada, traziam correntesamarradas ao corpo e faziam um barulho tão assustador, tão assustador que o povo, às vezes,até dizia: - Fujam, fujam! Anda ai um avejão. Ao ouvir esta frase, todas as pessoas: homens, mulheres e crianças ficavam cheias demedo e, aterrorizadas, permaneciam nas suas casas, muito em silêncio. E assim ficavam até parar o barulho. Esta situação arrastou-se durante muito tempo e os cubenses cada vez tinham maismedo de sair ao entardecer. Passado algum tempo, alguns habitantes de Cuba pensaram que esta situação nãopodia continuar e resolveram resolver o mistério. Assim, numa noite, cheios de coragem, puseram-se à coca para ver se apanhavam umavejão. Se assim o pensaram melhor o fizeram. Escondidos numa esquina escura, mal ouviramo barulho das correntes, atiraram-se a ele e imediatamente o destaparam. Qual não foi oespanto, quando viram que o tal avejão não era mais nem menos do que um rapazote que logoconfessou porque estava assim disfarçado. É que tinha uma namorada, cujos pais nãoconsentiam no namoro e, disfarçado daquela maneira, podia ir ter com ela, sem serreconhecido. Afinal, os avejões eram alguns rapazes que combinavam ir namorar com algumasraparigas e vestiam-se daquela maneira para afastar as pessoas. A partir de então, de tempos a tempos, ouvia-se dizer nas ruas de Cuba: - Olhe, já nasceu mais um avejanito. E todos se fartavam de rir…
  4. 4. O almoço do pai Há muitos anos, cá na Cuba, o compadre Manuel era muito trabalhador e passava osdias no campo na sua labuta: gradava a terra semeava trigo e girassol, ceifava, podava, tratavadas árvores… enfim fazia todos os trabalhos que havia para fazer no campo. De tão entretido que andava, muitas vezes se esquecia do almoço. Na sua modesta casa, na vila, a sua mulher cuidava dos filhos e tratava da casa. Comojá era hábito chegou a hora do almoço e o marido não aprecia. Os os filhos já estavam cheiosde fome e, já fartos de esperar, a mãe disse para um dos filhos: - Joaquim, vai ao campo levar o almoço ao teu pai! - Tenho fome! Já vou depois de almoçar – respondeu o filho. - Vai já que depois almoças descansado! – Insistiu a mãe. Contrariado, o Joaquim lá foi até ao campo onde o pai andava a limpar a cortiça doschaparros, perto da vila. Como ia cheios de fome, o rapaz, no caminho, não se aguentou e …sentando-se numapedra, destapou a panela e comeu a carne que lá havia, deixando apenas o caldo. Já de barriga cheia, continuou o seu caminho até que avistou o pai. - Pai, pai! Venho-lhe trazer o almoço. Ainda bem Joaquim, estou esfomeado. Dá cá já a panela. Quando o compadre Manel destapou a panela ficou embasbacado pois viu que só láestava o caldo e, muito zangado disse: - Mas o que é isto Joaquim? O que é feito da carne? O filho, muito atrapalhado, tentou explicar, mentindo: - No caminho encalhei numa pedra, deixei cair a panela e caiu a carne toda ficando só ocaldo – desculpou-se o guloso do filho. O pai, duvidando da conversa, deu-lho logo um raspanete: - Ai só ficou o caldo? Duvido seu garganeiro! Pensas que me enganas? E o filho raspou-se direito à vila com medo do que o pai pudesse fazer.

×