Zona sul 6

3.595 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.595
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Zona sul 6

  1. 1. Gávea" (São Conrado?). Até 1575 esses foram os únicos colonos lusitanos proprietários por essas bandas. Nesse ano de 1575 assume o governo da Capitania do Rio de Janeiro e parte sul do Brasil o Governador Antônio de Salema, natural de Alcácer do Sal (152?-1586). Êsse tal Salema era um jurista formado em Coimbra, e que odiava os índios. Antônio Salema, em seu mandato de três anos (1575-1578) descobriu uma lei editada pela Metrópole isentando de impostos por dez anos quem erguesse engenhos de cana de açúcar no Brasil. Inclusive, desde 1573, já existia um pioneiro engenho de cana em Magé, erguido pelo seu antecessor no governo, o Provedor da Fazenda Real Cristóvão de Barros. Salema decidiu pura e simplesmente extinguir os índios tamoios das aldeias da Lagoa para lá erguer seu engenho, que seria movido à água, muito abundante haja vista os inúmeros córregos no local ("Macacos", "Rainha", "Iglésias", etc.). Mandou jogar no mato adjacente à Lagoa diversas mudas de roupas de doentes de varíola. Os índios pegaram as roupas, vestiram, pegaram varíola por contágio e morreram. Foi a primeira guerra bacteriológica nas Américas... . ENGENHO DEL REI Uma vez livre dos índios, Salema deu início ao seu engenho. Pediu 3.000 cruzados de empréstimo ao Rei D. Sebastião de Portugal (1554-1578), enfurnou 2.500 cruzados e fez o engenho todo com 500 cruzados (detalhe: este empréstimo nunca foi pago). Deu-lhe o nome de "Engenho D`El Rei", cuja sede principal ainda existe, mesmo depois de muito alterada. É onde hoje funciona o "Centro de Recepção aos Visitantes no Jardim Botânico", com acesso pela rua Jardim Botânico, no. 1008. O "Engenho D`El Rei", haja vista os parcos recursos empregados, era uma porcaria e não funcionava. Fato que foi denunciado em 1578, depois de seu governo pelo Provedor da Fazenda Real Cristóvão de Barros (o tal fundador do engenho de Magé). A sugestão do Provedor foi privatizar essa "estatal deficitária", decisão tomada em 1584. Em 1598, o "Engenho D`El Rei" foi vendido ao Vereador que autorizou sua alienação, Diogo de Amorim Soares, natural de São Vicente (1558?-1609?) o qual, a única coisa que fez após comprá-lo foi mudar o nome do engenho para o de "Nossa Senhora da Conceição da Lagoa", tendo igualmente erguido na mesma época uma capela dedicada à "Nossa Senhora da Conceição", ermida essa que em 1809 foi designada para sediar a "Freguesia de São João Batista da Lagoa", criada pelo Príncipe D. João. Esse templete existiu até 1826. Hoje no lugar dela está o prédio da "Embrapa", "Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias", na entrada secundária do Jardim Botânico, pelo no. 1008. Amorim Soares não era famoso por sua ética. Em 1599, Antônio Pacheco Calheiros (1569?-1634), genro de André de Leão, casado com sua filha Inês, solicitou à Câmara o aforamento de "todas as terras que houvessem da demarcação de Diogo de Amorim até entestar com as de André de Leão, e quinhentas braças de comprido correndo para a Gávea". O foro foi concedido em duas vidas, pagando Calheiros 100 réis por braça. Em 1603, Calheiros pede enfiteuse pelas mesmas quinhentas braças, bem como toda a terra que houver do engenho de Amorim Soares até a "Costa Brava" (Leblon), correndo até a Gávea(Vidigal). Pacheco pediu à Câmara confirmação de suas posses e as de André de Leão, em 1611 e 1616. A confirmação foi concedida pela Câmara. Parece que seu poderoso vizinho Diogo de Amorim estava derrubando suas cercas. Que desejava ampliar seus domínios não há dúvidas, pois ainda em 27 de novembro de 1608 Amorim aforou mais 300 braças de terras com vertentes para a Tijuca, com foro de 600 réis. 49PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  2. 2. Durante algum tempo a Lagoa foi denominada de "Lagoa de Amorim Soares", por causa de seu latifundiário mais famoso. Não era lá muito querido esse vereador, que por causa de seus escândalos, foi expulso da cidade em junho de 1609. Não sem antes vender seu engenho e terras para seu genro, Sebastião Fagundes Varela (1563-1639), que se casara pouco antes com sua filha, Da. Maria de Amorim Soares (1589-1676). Varela não se contentou só com essas terras, solicitou outras à "Câmara de Vereadores" e, não satisfeito, foi comprando as dos vizinhos e, em alguns casos, invadindo mesmo, derrubando cercas e agindo com alguma violência. Apesar dos protestos da vizinhança, a Câmara se omitiu. Uma das proprietárias, Da. Felipa Gomes, viúva de André de Leão, vendeu as terras a Martim Barbosa em 17 de dezembro de 1612. Compreendia quase toda a atual Marquês de São Vicente. Anos depois, em 1640, Martim Barbosa aforou 200 braças dessas terras à Pantaleão de Oliveira. Como já se disse, Varela vivia solicitando terras à Câmara. Expediu petições neste sentido em 22 e 27 de junho de1609, onde pedia trespasse das terras do sogro e aforamento por 9 anos de terras desde o Pão de Açúcar até a "praia brava" (Leblon), com 400 braças para o sertão. Em 23 de setembro de 1611 e 19 de julho de 1617 solicitava mais terras para aumento de seus pastos. Em 1620 ele já era dono de toda a área que ia do atual bairro do Humaitá ao Leblon, inclusive toda a Lagoa, que nesses tempos passou a ser denominada de "Lagoa de Fagundes Varela" ("Sic Transit Glória Mundi"). Só para se ter uma idéia da extensão de suas terras, elas abrangiam 1.700 braças de testada e 4.500.000 braças de área, incluindo a Lagoa. Ele usava a praia de Copacabana (à época "Praia de Sacopenapan"), obtida por doação da Câmara em 1619, para pasto de seu gado, que ruminava entre cajueiros, pitangueiras e ananases. Em 1609 Varela finalmente ganhou um vizinho que não conseguia intimidar. Nada menos que Martim de Sá (1575-1632), Governador do Rio de Janeiro (1602/08 e 1623/32) e então filho do ex-Governador Salvador Corrêa de Sá, nascido em Barcelos (1542-1631). Martim nesse ano de 1609 obteve trespasso de uma sesmaria obtida em 1606 por Afonso Fernandes e Domingas Mendes. O "Conselho da Cidade" havia aforado essa terra ao casal três anos antes, com foro de 1000 réis, correspondendo a "300 braças começadas a medir do Pão de Açúcar ao longo do mar salgado para a Praia de João de Souza (Botafogo) e para o sertão, costa brava e tudo que houvesse". Em 1609, Da. Domingas, já viúva, trespassou-lhe o aforamento. CAPELA DE NOSSA SENHORA DAS CABEÇAS - RUA FARO Onde hoje está a rua Faro, Martim ergueu um aqueduto em alvenaria, cujas ruínas ainda existem no fundo de alguns terrenos. Lá também se ergue a "Capela de Nossa Senhora das Cabeças", o qual muitos asseveram ser obra dos primórdios do século XVII. Pretendia Martim de Sá alí fundar engenho de cana, o "Engenho de Nossa Senhora das Cabeças", mas parece que algum tempo depois desinteressou-se por ele e o vendeu à Varela. No século XIX a capelinha estava na imensa "Chácara de N. Sra. da Cabeça". Pertenceu por muitos anos à família Tosta, dos "Barões de Muritiba", sendo vendida depois de 1860 ao Dr. Luís Pereira Ferreira de Faro, neto do 1o. Barão do Rio Bonito, Joaquim José Pereira de Faro, Presidente da Província do Rio de Janeiro e grande cafeicultor (1768-1843), filho do 2o. Visconde com Grandeza do Rio Bonito, João Pereira Darrigue Faro (1803-1856), e irmão do 3o. Barão do Rio Bonito, José Pereira de Faro (1832-1899) e sobrinho do Comendador Antônio Martins Lage, do qual depois se falará. Loteada a chácara e nela aberta a rua Faro em 1870, ficou a dita capela nos terrenos da "Casa Maternal Mello Mattos", fundada no final do século XIX por este célebre Juiz de Menores, casado com Da. Francisca "Chiquita" Mattos, que por muitos 50PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  3. 3. anos dirigiu a instituição e preservou com carinho a velha capelinha, hoje tombada pelo “IPHAN” como a relíquia mais vetusta do bairro. Perto dela, em frente ao no. 51, existe hoje enorme figueira bicentenária, tombada pela municipalidade em 1980. Outros engenhos surgiram na Lagoa. Baltazar de Seixas Rabelo, Juiz Ordinário da Câmara, Provedor da Misericórdia, Capitão Mór de São Vicente (1560-1637), aforou 200 braças de terras com um riacho em 1598, entre Felipa Gomes e Diogo de Amorim Soares. Ali abriu seu engenho de cana e rapadura. Por essa época, João Martins Monteiro, pedreiro, traspassou 250 braças de terras na Lagoa para Sebastião Antunes. Essas terras foram antes de Manoel Pinto, ourives, e iam desde um riacho, onde se achava a divisa do engenho de Martim de Sá, com 600 braças de fundo, ao longo do caminho que vem do engenho para a cidade. Deve ser mais ou menos onde hoje se encontra o Parque Lage. Êsse Manoel Pinto, do qual nada se sabe, obtivera essas terras antes de 1606 para nelas fazer um engenho. ENGENHOS DA FONTE DA SAUDADE Mestre Bernardo, arrendou por nove anos 100 braças de terras que estavam devolutas, por carta de 19 de dezembro de 1612. Eram no fim da "praia da Lagoa", onde vi veu Baltazar de Aze vedo, até junto ao morro da "Saudade", vindo da Lagoa para a cidade. É onde hoje existe a região denominada "Fonte da Saudade". A "Fonte da Saudade" era assim chamada porque no princípio do século XIX alí lava vam roupa lavadeiras portuguesas, que cantavam fados relembrando com saudades a terra distante. Há referências diminutas a outros engenhos na Lagoa, todos de localização imprecisa e escassas informações. Segundo Mello Moraes, possuíam também engenhos na região: Martim Gonçalves, rico comerciante com casas na rua da Alfândega; Pedro de Souza e Brito, Capitão de Infantaria (1584-16??), era filho de João Pereira de Souza Botafogo (1540?-1590), dono do que é hoje o bairro de Botafogo; e Pedro Fernandes de Mello. Todos os seus engenhos foram de efêmera duração. Em 06 de maio de 1614, Francisco Gomes requereu aforamento de mais terras ao "Conselho da Câmara" para ter mais largura que as que possuía Antônio de Almeida, porquanto tinha feito casas, roças, canaviais e um engenho de cana. Parece que esse Francisco Gomes devia alguma, pois os "Oficiais da Câmara" foram à sua fazenda e botaram tudo abaixo, derrubando o engenho, com pena de seis cruzados de o levantar de novo. Foi-lhe proibido de plantar cana e dado um prazo de um ano para se mudar. A 24 de dezembro de 1616, Francisco Caldas, "Cavaleiro Fidalgo D`El Rei", requereu ao "Conselho da Câmara" aumento de terreno para acréscimo do engenho de açúcar que ele fundou nas terras da Lagoa. A Câmara deu o aforamento, mas tudo leva a crer que o engenho não foi adiante e logo tornou-se mais uma extensão das terras de Varela. FONTE DA SAUDADE – RESUMO HISTÓRICO No século XVI, a área em questão era parte da sesmaria de Antônio Francisco Velho, Mordomo da Confraria de São Sebastião, e que recebeu a doação ainda em 1565 do Governador Estácio de Sá. Em 1590, as terras passaram, por compra, ao juiz João Pereira de Souza Botafogo, que as manteve até 1605. Alienada a parte da lagoa neste último ano, tentou-se ali erguer um engenho de cana, mas em 1620 os terrenos caíram em mão de Sebastião Fagundes Varela, cuja família manteve a posse, através de seus herdeiros, até a chegada da Côrte, em 1808. A única construção notável erguida na região durante o período colonial foi feita pelo Vice-Rei Luís de Vasconcellos, que mandou o engenheiro militar Jean Jacques 51PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  4. 4. Funck erguer em 1786 um forte no final da rua São Clemente, onde hoje está o CIEP de Humaitá, com linhas amuralhadas por toda a Fonte da Saudade, em áreas onde em época recente se abriu a rua Bogari. O que restava do dito forte foi demolido em 1983 para a construção do preclarado CIEP de Humaitá. Aí por volta de 1808, quando as terras foram alienadas, surgiram as primeiras referências à existência de uma fonte de água potável, onde lavadeiras portuguesas lavavam as roupas dos nobres de Botafogo (fonte desenhada por Maria Graham, em 1823). Elas cantavam fados de saudade à terra distante, surgindo daí a poética denominação de “Fonte da Saudade” (isso consta em A. J. Mello Moraes, “Crônica Geral e Minuciosa do Império do Brasil”, Rio, 1879), a nomenclatura foi depois aplicada ao morro e praia lindeira (desenho de Thomas Ender, de 1817). Essa fonte ainda sobrevive, com outra arquitetura, no pátio ajardinado fronteiro do prédio no. 111 da rua Fonte da Saudade. As condições de péssima salubridade da lagoa, com freqüentes mortandades de peixes e falta total de saneamento, impediu qualquer ocupação de porte no local. Em volta da lagoa, surgiram em fins do Império quatro fábricas de tecidos: uma, o Cotonifício São Félix, na rua Marquês de São Vicente; a segunda, a Fábrica de Tecidos Corcovado, onde aproximadamente hoje se ergue o Hospital da Lagoa; a terceira, a Fábrica Carioca, na rua Pacheco Leão, e a quarta, uma pequena fábrica no Humaitá. Esta ocupação fabril gerou a existência de vilas operárias, casas de cômodos e pensões, algumas ainda existentes nos bairros de Botafogo, Jardim Botânico e Gávea. No primeiro recenseamento predial realizado na rua da “Praia da Saudade” (não confundir com o logradouro de idêntico nome, na Urca, onde hoje existe o Iate Clube do Rio de Janeiro) em 1879 por J. Cruvello Cavalcanti, constatou a existência de apenas sete casas térreas, um telheiro e duas ruínas. Decidido a reverter essa situação e conquistar essa importante área para a burguesia crescente da cidade, o Prefeito Carlos Sampaio mandou realizar importantes obras de saneamento na Lagoa Rodrigo de Freitas entre os anos de 1920/22, trabalho o qual foi encarregado o escritório técnico do competente engenheiro Saturnino de Britto, que realizou extensas obras de aterro das margens da Lagoa, canalização de rios, dentre outras. Na área da Fonte da Saudade, fez-se grande aterro de pântanos, o qual resultou toda a área que vai do lado par da rua Fonte da Saudade (até então somente existia o lado ímpar. O lado par era a praia) até a av. Epitácio Pessoa, concluída nessa época. A rua Fonte da saudade possuía, segundo o recenseamento geral de 1920, 87 casas térreas (no lado ímpar), todas residenciais e ocupadas, dois sobrados, sendo um uma pensão e o outro uma casa-de-cômodos. Existia igualmente, como único comércio, uma padaria. Como resultado dessas importantes obras, começou a ocupação da região por construções de melhor porte, bem como o surgimento das primeiras ruas transversais à rua Fonte da Saudade. Em 1928, surgiam as ruas Cássias e Madressilva, hoje, respectivamente ruas Carvalho Aze vedo e Resedá. Em 1935, é fundada a empresa loteadora DARKE S/A, criada pelo Sr. Jorge Bhering de Oliveira Mattos e outros, com o fito de lotear dois grandes terrenos onde os Srs. Jorge e seu finado irmão Darke haviam erguido em 1928/29 dois imensos palacetes. Foi então elaborado um plano de arruamento e loteamento em duas folhas de papel ozalid, pelo Consultório Técnico do engenheiro Washington de Aze vedo, aprovado em 29 de maio de 1935 pelo Prefeito Pedro Ernesto Batista, e que tomou o número 2396. Desse loteamento resultou a abertura das ruas “A”, hoje Ferreira de Resende; “B”, hoje ruas Almirante Guilhobel e Vitória Régia; “C”, hoje rua Almeida 52PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  5. 5. Godinho; “D”, hoje Negreiros Lobato e “I”, hoje rua Sacopã. Não foram aprovadas as ruas “E”, “F”, “G” e “H”. Em 1938 Da. Maria Augusta Nunes Fleury decidiu lotear sua chácara, surgindo assim, com o novo projeto de arruamento, aprovado pelo Prefeito Henrique Dodsworth, a rua Baronesa de Poconé. Finalmente, nos terrenos da antiga Fábrica David de papéis pintados, de propriedade de David e Cia., foi aberta em 1940, com o arruamento aprovado pelo mesmo Prefeito Dodsworth, a rua Alfredo Barcelos, hoje Ildefonso Simões Lopes. Com o acentuado crescimento populacional da Lagoa, foi criada em 1936 a Paróquia de Santa Margarida Maria, cuja bela igreja foi projetada anos depois por Fernando I. Lemos, arquiteto. Foi concluída em 1958 e é ainda o cartão de visitas do bairro. A ocupação desordenada da lagoa por prédios de alto gabarito e a abertura do Túnel Rebouças em 1965 transformaram a Fonte da Saudade em bairro de passagem, tendo sido demolidas nessa última data a maioria das casas originais da av. Epitácio Pessoa e rua Fonte da Saudade, com visível queda de qualidade de vida. A luta pela preservação dos poucos remanescentes da ocupação original da Fonte da Saudade, impõe-se desde já e é plenamente justificada por consenso popular, mobilizando a população e associações de bairro. Tanto isso é verdade que a própria Prefeitura já tombou, em tempos idos, o Espelho da Lagoa Rodrigo de Freitas (em 1988), o Monumento a Quintino Bocayúva, inaugurado em 1944 na Praça Álcio Souto, antiga Praça da Piaçava; a Obra do Berço, a primeira construção de porte do arquiteto Oscar Niemeyer, erguida em 1937; e, mais recentemente, tombou, a nível provisório, a obra da Pequena Cruzada, construída em 1947 por Raul Penna Firme. PALACETE TAVARES – RUA ALMIRANTE GUILHOBEL, 5 – LAGOA O bairro da Fonte da Saudade, onde se insere a rua Almirante Guilhobel, foi criado a partir do Projeto de Alinhamento no. 2396, de 29 de maio de 1935, aprovado pelo Prefeito Pedro Ernesto. O projeto foi elaborado em duas folhas de papel Ozalid pelo Consultório Técnico Washington de Azevedo para a Empresa Darke S/A, proprietária do terreno em questão. O Decreto 5699, de 24 de janeiro de 1936, assinado pelo próprio Pedro Ernesto, reconheceu as ruas e a denominação. Segundo José Teixeira Júnior, Diretor Financeiro da Darke S/A e único funcionário ainda vivo desta empresa, neste mesmo ano o Sr. Jacy Ta vares adquiriu os lotes 1, 3 e 5 da mesma rua, em posição privilegiada, com fachada confrontante tanto para a rua Almirante Guilhobel quanto para a rua Fonte da Saudade. O Sr. Jacy Ta vares era comerciante, dono da Farmácia Jesus, na rua do Catete, com alto prestígio no mercado, chegando a fornecer por vezes, medicamentos ao Palácio do Catete. Em 1936 foi erguida esta sua residência apalacetada, em estilo eclético, com inspiração na idade média italiana. Nela residiu por mais de 40 anos, quando então foi alugada para sediar uma clínica, atividade que manteve por mais de dez anos. Sofreu então algumas reformas que não a desfiguraram. Presentemente, encontra-se desocupada. A casa ainda possui rica serralheria em estilo medieval, em ferro batido e fundido, com brasões heráldicos e raros motivos zoomorfos de dragões. Dentre os detalhes de serralheria mais interessantes, podemos ressaltar o gradil externo, ainda original e intacto; as arandelas existentes no hall principal e superior, com motivos de dragões, o guarda corpo das escadas, em motivos florais e os dois grandes lustres, feitos especialmente para a casa. Os estuques que formam uma sanca em torno dos ambientes nobres, em motivos fitomorfos acompanham o estilo da casa. O vão da escada ainda possui rico vitral com cena de gênero, não assinada, mas contemporânea 53PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  6. 6. da construção da casa. Outros acabamentos em vitral, no banheiro e cômodos nobres ainda estão intactos. As portas em marcenaria de estilo ainda estão nos vãos originais, bem como a maioria das janelas antigas. A casa possui ainda dois pequenos chafarizes com seus tanques, um externo, em azulejo e pedra, faltando a carranca em metal onde jorrava água. O outro, no patamar da escada, em mármore branco e carranca de bronze, está intacto. Os banheiros foram reformados em data posterior à construção, mas manteve-se o ambiente estilo “anos” 40. A casa em geral está em bom estado de conservação, necessitando de algumas obras de manutenção, poucas, haja vista a excepcional qualidade dos materiais empregados. A garagem e a residência de empregados, nos fundos, são obras recentes e improvisadas, destoando do resto da construção. UM CERTO CAPITÃO RODRIGO O castigo de Varela veio literalmente "à cavalo". Em 1702 era herdeira legítima de suas terras sua única bisneta, Da. Petronilha Fagundes (1671-1717), filha de Isabel Fagundes (1639-167?) e de Manuel Telles Barreto (1634-1707). Isabel, por sua vez, era filha de João Fagundes Paris (1605-1662) e de Da. Petronilha Fagundes (1614-1668), esta filha mais velha de Varela. Sua bisneta era uma solteirona com cerca de 31 anos, o que a fazia uma valetudinária naqueles tempos, onde a idade de casamento das mulheres ia dos 12 aos 18 anos, sendo que o limite de vida das jovens mal chegava aos 40 anos. Nesse mesmo ano de 1702 chegou ao Rio de Janeiro um jovem "Capitão de Cavalos" chamado Rodrigo de Freitas de Carvalho (1686-1748), natural de Suariba, Freguesia de Sam Payo de Visella, Têrmo da Vila de Guimarães, Arcebispado de Braga, e que aos 16 anos logo se casou com a Da. Petronilha (êle mudou seu nome após o casamento para Rodrigo de Freitas Castro). Foi o "golpe do baú" mais bem dado em terras do Brasil. A partir daquela época, o engenho passou a chamar-se de "Rodrigo de Freitas", e idem quanto à Lagoa. Rodrigo autodenominava-se "Senhor do Engenho de Nossa Senhora da Conceição da Lagoa de Rodrigo de Freitas e da própria Lagoa", como pomposamente se titulava. Em setembro de 1710 o engenho foi duramente saqueado pelas tropas invasoras francesas chefiadas por Jean François Duclerc (16??-1711), corsário francês à serviço do Rei Luís XIV (encontramos muita louça de Duclerc nas escavações arqueológicas que realizamos na sede do engenho em 1991) e, após 1717, depois de viúvo, Rodrigo de Freitas arrendou o engenho e casas a um particular e mudou-se para Portugal, onde passou a viver das rendas de suas terras, indo morar em sua "Quinta" em Suariba, no Alto Minho, onde morreu em 1748, aos 61 anos, viúvo e muito rico. Herdou suas terras e casas seu filho João de Freitas Castro (1704-1779), casado com Da. Leonor Maria de Mello Pereira Sampaio (1714-177?). Seu primogênito, Rodrigo de Freitas Mello e Castro (1740-1803), morava em Guimarães, onde casou-se em 1770 com Da. Josefa Margarida Soares Tomásia Cardoso e Menezes (1750-18??). Foram pais de Ayres de Freitas Mello e Castro (1771-1811), que morreu solteiro, e Da. Maria Leonor de Freitas Mello e Castro (1773-183?), que sobreviveu ao irmão muitos anos. CHINESES NA ORIGEM DO JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE J ANEIRO O engenho de cana da Lagoa de Rodrigo de Freitas, fundado em 1575, decaiu muito durante o século XVIII, só produzindo rapadura e cachaça. Por Decreto Régio de 13 de junho de 1808, suas terras, que abrangiam os atuais bairros de Copacabana, Ipanema, Leblon, Gávea, Jardim Botânico e Lagoa, foram desapropriadas pelo Príncipe D. João. Recém chegado com sua Côrte ao Brasil, tencionava nelas instalar uma fábrica de pólvora. D. João visitou a primeira vez o local em janeiro de 1809, chegando numa 54PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  7. 7. canoa pela Lagoa, condução apanhada no Morro da Saudade, pois o Príncipe tinha muito medo de ir por terra, temendo que uma pedra próxima ao caminho, uma tal de Pedra Santa, lhe caísse pela cabeça (essa pedra foi removida em 1837). Ao chegar ao engenho, foi D. João mal recebido pelo feitor do arrendatário do engenho, o qual fez com que os escravos da casa virassem de costas e abaixassem suas calças quando da passagem do Príncipe. D. João ficou furioso e, por ordem escrita ao Ministro da Guerra, Dom Rodrigo de Souza Coutinho, Conde de Linhares, mandou prender o feitor e os escravos pelo "inaudito atentado" e fazê-los perder todas as graças e mercês régias. Procedeu-se a avaliação da propriedade e a indenização de todas as terras, cujos valores foram arbitrados por muito abaixo do real. Julgado a adjudicação por sentença de 30 de janeiro de 1810, foi paga a pequena indenização. Após a desapropriação, a família Freitas entrou na justiça para lutar por seus direitos, nada conseguindo. Basta dizer que a indenização só foi paga em 1826, por D. Pedro I, à herdeira de Rodrigo de Freitas, Da. Maria Leonor de Freitas Mello e Castro, filha do titular. Ela recebeu, finalmente, a indenização no valor de R$: 42:193$430 contos de réis. Após todos esses trâmites, as terras foram incorporadas aos próprios nacionais com as formalidades da lei de 28 de setembro de 1835. Os terrenos pertencentes ao Engenho da Lagoa pagavam de foro ao Senado da Câmara 6$400 réis. O pagamento continuou a ser feito à Ilustríssima Câmara Municipal até 1869. Apesar do episódio do feitor, D. João enamorou-se pelo local, mandando ali erguer uma casa avarandada para sua estadia pessoal, construção esta não mais existente. Lá passava longas temporadas. Em julho de 1809 mandou plantar uma palmeira nas cercanias do engenho, cuja semente chegou às suas mãos por meios rocambolescos. O Chefe de Divisão português Luís de Abreu Vieira e Silva caíra prisioneiro dos franceses após o naufrágio de seu navio Princesa do Brasil, perto de Goa, na Índia, em 1808. Levado para Ilha Maurícia, no arquipélago de Madagascar, foi libertado algum tempo depois, junto com outros duzentos prisioneiros lusitanos após a dita ilha cair em mãos dos ingleses, aliados dos portugueses. Luís viajou então para o Brasil, não sem antes aproveitar e roubar sementes de moscadeiro, canforeira, abacate, lechia, mangueira, cravo da índia, palmeira, noz moscada e outras especiarias (num total de 20 caixotes de sementes) do Jardim Gabrielle, o maior jardim botânico de Madagascar. Luís de Abreu retornou a bordo do veleiro La Ville d`Autun. Ao chegar ao Rio de Janeiro, ofertou tais dádivas em junho de 1809 à D. João, o qual aceitou as ditas sementes com muito grado, e iniciou o plantio pela palmeira no mês seguinte. Depois de crescida, ficou conhecida pelo apelido de Palma Máter (Palmeira-mãe), haja vista que foi a primeira Palmeira Real (Palmácea Oleodora Olerácea) do futuro Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Em 1909, o Diretor do Jardim Botânico João Barbosa Rodrigues, mandou erguer um busto em bronze de D. João VI, esculpido por Rodolfo Bernardelli, defronte ao vegetal. O Dr. Guilherme Guinle doou em 1934 o belo gradil que a cerca. A Palma Máter sobreviveu a tudo e a todos, sendo morta por um raio em outubro de 1972, e abatida finalmente em janeiro de 1973 para não cair. Na ocasião, a árvore já atingia altura de 35 metros. Em seu lugar o Diretor Dr. Leonan de Azeredo Penna mandou plantar em 1973 uma Palma Filia, que já atingiu presentemente considerável altura. Além do plantio oriundo das aventuras de Luís de Abreu, D. João mandou vir de Caiena mais sementes de especiarias e plantas medicinais, e do Ceará a planta indígena chamada Carnaúba, em 1810. 55PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  8. 8. A Administração da Fábrica de Pólvora da Lagoa foi entregue ao Marechal Carlos Antônio Galani Napione, nascido em Turim (1758-1814), sendo sua Direção entregue ao esperto Luís de Abreu Vieira e Silva. Foi esse homem que sugeriu a D. João o aproveitamento dos terrenos devolutos para ali instalar um Horto Botânico, com o fito de implementar espécimes vegetais estrangeiros na agricultura brasileira. O Ministro Conde de Linhares, solicitou então ao Senador de Macau Rafael Botado e Almeida que mandasse vir agricultores chineses, bem como sementes de chá, noz moscada e fruta pão, além de outras especiarias para plantarem aqui. Com a chegada de 300 chineses em princípios de 1811, foi emitido o Alvará Régio no. 5, datado de 11 de março de 1811, pelo qual D. João mandou criar e instalar o Real Horto Botânico da Lagoa, origem do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. As coisas não deram muito certo no início. O Conde de Linhares, principal animador do projeto, morreu de uma bengalada dada por D. João, durante uma admoestação, em 1811. Seu sucessor, Antônio de Araújo e Aze vedo, Conde da Barca (falecido em 1817), não se interessou muito pelo projeto. Por outro lado, em vez dos portugueses mandarem vir agricultores especializados da China, vieram, sim, todos os bandidos das prisões de Macau. Eles não plantavam quase nada, vendiam as mudas e sementes como camelôs pelas ruas da cidade e, com o dinheiro arrecadado, compravam ópio nas boticas, o qual fumavam no rancho onde dormiam no Alto da Boa Vista. Os portugueses não entendiam porque esses chineses ficavam horas e horas a fio sentados ao chão, lá no Alto da Boa Vista, com aquele cachimbo enorme na boca, olhando para a paisagem. Pensavam que eles ficavam ali admirando a beleza do lugar e, por esse motivo, batizaram o rancho onde viviam como Vista dos Chins, ou Vista Chinesa, nome que pegou e foi dado à primeira "boca-de- fumo" do Rio de Janeiro (e que ainda o é...). Em 1905/6, o Prefeito Pereira Passos, em lembrança a esses chineses, construiu um quiosque de ferro fundido no local. Uma tentativa de aproveitar esses chineses na Real Fazenda de Santa Cruz, bem como no Arsenal Real de Marinha não logrou sucesso. Muitos se suicidaram de saudades. Pior, não tinham mulheres. Um deles se casou com uma índia. Apesar de todos os percalços, o plantio de chá prosperou, e em 1817 já atendia a demanda nacional do produto. Em 1819, sementes e agricultores foram levados à São Paulo, pelo engenheiro Varnhagen, e lá a planta prosperou bem. Entretanto, os ingleses não gostaram nada da notícia do Brasil produzir seu próprio chá e intimaram D. João a acabar com nossa produção. O Rei obedeceu e assim terminou nossa experiência com o chá. PRIMEIROS DIRETORES DO J ARDIM BOTÂNICO Os primeiros diretores do Jardim Botânico foram políticos: Dr. João Gomes da Silveira Mendonça, Visconde de Fanado e Marquês de Sabará (1781-1826), Brigadeiro; Membro do Conselho de Estado (1822); Deputado por Minas Gerais (1823); Ministro da Guerra (1823); Diretor da Fábrica de Pólvora da Estrela (1825); Senador por Minas Gerais; possuía parcos conhecimentos de botânica, dirigindo o Jardim de 1811 a 1819. Foi sucedido por Dr. João Severiano Maciel da Costa, Marquês de Queluz (1769-1833), Magistrado; Deputado Constituinte (1823); Membro do Conselho de Estado (1823); Ministro do Império (1823/24); Presidente da Província da Bahia (1825); Senador pela Paraíba (1826); Ministro dos Estrangeiros (1826/27); dirigiu o Jardim de 1819 a 1824. Ambos eram mineiros. FREI LEANDRO DO SACRAMENTO 56PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  9. 9. Após a Independência, D. Pedro I nomeou o terceiro diretor e primeiro botânico para ocupar o cargo, Frei Leandro do Sacramento (1779-1829), pernambucano, frade carmelita e primo de Tiradentes (1746-1792); "Professor de Botânica na "Escola Anatômica, Cirúrgica e Médica"; Membro das academias de ciências de Munique e Londres; Membro da "Sociedade de Agricultura de Gand". Dirigiu o estabelecimento de 1824 a 29. Foi quem deu a configuração atual do Jardim Botânico. Frei Leandro mandou abrir o lago que depois se chamou "Frei Leandro", onde estão as famosas Vitórias Régias e Nenúfares, e com a terra retirada fez um morrote e mirante, a "Casa dos Cedros", ambos ainda lá. Foi com Frei Leandro que o Jardim Botânico foi franqueado pela primeira vez ao público, em 1824. Inicialmente a visita era muito restrita pela proximidade da Fábrica de Pólvora, que de vez em quando teimava em explodir. Faleceu Frei Leandro em plena atividade no seu Jardim Botânico. A jaqueira onde descansava e fiscalizava as obras ainda hoje se ergue na proximidade da "Casa dos Cedros" (e ainda dá jacas). Outro que igualmente faleceu de comoção cerebral quando passeava no Jardim Botânico foi o historiador Monsenhor José de Souza Azevedo Pizarro e Araújo, autor das "Memórias Históricas do Rio de Janeiro", morto em 14 de maio de 1830 após comer uma carambola. JOAQUIM SERPA BRANDÃO O quarto diretor, Dr. Bernardo Joaquim de Serpa Brandão, que dirigiu de 1829 a 1851, plantou as duas primeiras aléias de Palmeiras Reais em 1842, as quais ambas ainda sobrevivem praticamente intactas (chamam-se, respectivamente "Cândido Baptista" e "Barbosa Rodrigues"). Inicialmente as sementes de "Palmeira Real" foram colhidas pela primeira vez em 1822 e desde 1829 constituíam um monopólio do Estado. Mandavam queimar as que não se usassem para o plantio no Jardim. Mas, naquela época, os interessados subornavam os escravos que tratavam do plantio e logo todo palacete particular passou a ostentar seu vigoroso renque de "Palmeiras Reais" nos jardins... . A proibição caiu por terra no “Segundo Império”, após a administração de Serpa Brandão. As aléias foram restauradas em 1951 pelo Diretor Paulo de Campos Pôrto. A "Fábrica de Pólvora da Lagoa" começou a funcionar por Decreto de 13 de maio de 1813 e, desde o princípio, era muito insegura, e conta-se ter sofrido três grandes explosões. Já a 23 de outubro de 1824 era formada uma comissão para escolha de um novo local para a fábrica. Em 1826, quando era dirigida pelo Major Graduado Manuel Joaquim Pardal, houve tal explosão que D. Pedro I preferiu transferi-la para a Serra da Estrela, em Magé, onde ainda existe funcionando como "Fábrica de Pólvora da Estrela", agora arrendada pelo exército brasileiro a particulares. CONSELHEIRO CÂNDIDO BAPTISTA DE OLIVEIRA Depois de transferida a fábrica, em suas abandonadas instalações, foi fundado nelas uma fábrica de “Chapéus do Chile” pelo quinto diretor do Jardim Botânico, Conselheiro Cândido Batista de Oliveira, natural do Rio Grande do Sul(1801-1865), “Lente de Matemática da Escola Militar”; “Ministro da Fazenda e Estrangeiros”(1839); Senador pelo Ceará(1848); Concessionário de Linha de Bondes(1856-62); “Presidente do Banco do Brasil”(1859-62); dirigiu o Jardim Botânico de 1851 a 59. Esse tal de "Chapéu do Chile" eram uns chapéus finos, que se podiam dobrar e colocar no bolso, e que usava como matéria prima as folhas de palmeira "Bombonassa", do Peru. Não funcionou por muito tempo. Inaugurada em 1855, fechou em 1859. 57PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  10. 10. Hoje, no prédio principal da velha "Fábrica de Pólvora", está o museu arqueológico "Casa dos Pilões", criado pelo "SPHAN" em 1996, instalado na administração Sérgio Bruni, e contendo maquete das antigas máquinas, bem como cacos de antigas louças encontradas nas escavações, cachimbos de escravos, etc. O depósito da pólvora com seu belo portal colonial hoje abriga um play ground ecológico e a seção do Jardim Botânico que pesquisa o plantio e o poder curativo de ervas medicinais. ADMINISTRAÇÃO DO JARDIM BOTÂNICO Se D. João VI apreciava seu Jardim Botânico, a ponto de ampliá-lo de muito, por Decreto Régio datado de 11 de maio de 1819, que também regularizava seu funcionamento; D. Pedro I(1798-1834); Da. Leopoldina(que estudava botânica), sua esposa(1797-1826); e D. Pedro II(1825-1891) muito freqüentaram-no, sendo que o último fazia concorridos piqueniques lá com as irmãs Francisca e Januária, onde usava para seus convescotes uma mesa de cimento que ainda existe atrás da "Casa dos Cedros". O Jardim foi inicialmente uma dependência do "Museu Real", fundado em 1818 por D. João VI no Campo de Santana. Ambos pertenciam administrativamente ao "Ministério de Estado e Negócios do Reino", quando era seu titular Tomás Antônio de Vilanova Portugal(1745-1839), que era também encarregado da "Presidência do Real Erário"(1817-1821). O Decreto de 22 de fevereiro de 1822 sujeitou o Jardim à "Secretaria de Estado dos Negócios de Interior" e, depois da Independência, ao "Ministério do Império". Em 1860, com a criação do "Ministério da Agricultura e Obras Públicas", foi para lá sua administração. Em 1861 o Jardim Botânico foi anexado ao "Imperial Instituto Fluminense de Agricultura", fundado ano anterior, onde ficou até sua desanexação, já na República, por Portaria do Ministro da Agricultura, General Francisco Glicério, assinada a 25 de março de 1890. Essa anexação foi feita não sem protestos do então diretor, o Frade Carmelita Frei Custódio Alves Serrão, nascido em Alcântara(1799-1873), e que administrou de 1859 a 1861. Ele pediu e obteve sua exoneração. Por sua vez, o "Instituto Fluminense" substituiu o trabalho escravo no Jardim Botânico por aprendizes livres, geralmente crianças carentes recuperadas pela escola do Instituto. Parte da mão de obra e do trabalho especializado era ocupado por aprendizes egressos de orfanatos da “Santa Casa de Misericórdia”. Entretanto, uma das conseqüências negativas dessas mudanças administrativas foi a diminuição dos trabalhos de pesquisa, transformando-se o Jardim Botânico em área de piqueniques e festas, assim permanecendo durante todo o "Segundo Império". Segundo relatos de 1865, estava o Jardim Botânico muito mal cuidado. Em 1869, o "Governo Imperial" comprou por escritura de 18 de dezembro de 1869, por 50 apólices à "Ilustríssima Câmara Municipal" o domínio direto de todas as terras do Jardim Botânico, deixando assim de pagar os foros tal como se fazia desde o século XVI. O JARDIM BOTÂNICO NA REPÚBLICA Somente em 1890 foram as pesquisas retomadas pelo Diretor Barbosa Rodrigues, que proibiu os piqueniques e deu um caráter de centro de estudos à instituição. Para se ter uma idéia do que se haviam transformado seus jardins, basta dizer que um cronista de época informa que, das 5 da manhã às 7 da noite, o Jardim Botânico assemelhava-se à um "saguão de hotel", haja vista as inúmeras famílias que para lá se deslocavam a fazer piqueniques. 58PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  11. 11. Pelo Decreto no. 1142, assinado pelo Marechal Floriano Peixoto em 22 de novembro de 1892, os serviços do "Ministério da Agricultura" foram transferidos para o "Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas". O Decreto no. 1606, assinado pelo Presidente Afonso pena em 29 de dezembro de 1906, recriou o "Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio", para lá sendo transferido o Jardim Botânico. Depois de muitas peripécias, foi o Jardim, já nos idos de 1961, subordinado ao Parque Nacional da Tijuca e ao "Instituto Brasileiro de Defesa Florestal". Em 1989, o "IBDF" foi substituído pelo "IBAMA", sendo este subordinado à uma Secretaria de Govêrno. No ano de 1992, sob impacto da "Conferência Internacional de Meio Ambiente", realizada no Rio de Janeiro, foi criado o "Ministério do Meio Ambiente", ao qual o "IBAMA" e o Jardim Botânico do Rio de Janeiro foram anexados. TRANSPORTES COLETIVOS NA ZONA SUL Os primeiros transportes coletivos para a zona sul logo vislumbraram aos homens empreendedores a possibilidade de transportar pessoas de outros arrabaldes para o Jardim Botânico e vice-versa, haja vista a potencialidade de lazer que o jardim oferecia, tão rara no Rio de então. Ainda no ano de 1837, foi dada concessão ao francês Jean Lecoq para fazer funcionar no Rio de Janeiro uma “Companhia de Omnibus” puxados à cavalos, com capacidade de transportar 20 a 24 passageiros. O tráfego foi inaugurado em julho de 1838 com quatro carros. Logo inaugurou-se uma linha para Botafogo em janeiro de 1839. Em 1847 alugavam-se “omnibus” extraordinários para o Jardim Botânico e outros arrabaldes. Em 1868, com o sucesso do bonde, extinguem-se todas as linhas do centro, só sobrevivendo uma linha da Praia de Botafogo ao “Largo das Três Vendas”, hoje Praça Santos Dumont. Em 1882 a “Companhia de Omnibus” era vendida à “Botanical Garden Rail Road Company”. No ano de 1838 foi fundada a “Companhia das Gôndolas Fluminenses”, que era, em verdade, uma carrimpana fechada com nove lugares, menor que o “omnibus”, porém mais rápida. Em 1865 foi criada uma linha de “Gôndolas que passava pela Praia de Botafogo, Rua São Clemente, “Rua Berquó”, atual General Polidoro, e Jardim botânico. Essa linha manteve-se até a década de 1870, quando acabou pela concorrência com os bondes da “Jardim Botânico”. Uma grande linha de “diligências” foi criada em 1854, ligando o centro comercial ao Jardim Botânico. Era a “Companhia Sociedade Lagoense”, criada pelos diretores Antônio de Pádua e Silva e José Maria Targine. BONDES PARA A ZONA SUL Ainda em 12 de março de 1856, o Diretor do Jardim Botânico, Conselheiro Cândido Baptista de Oliveira e seu filho Luiz Plínio de Oliveira, obtiveram do “Governo Imperial” a primeira concessão de uma linha de carris puxados à burro no Rio de Janeiro pelo decreto no. 1733. Essa linha passaria defronte de seu Jardim Botânico, aumentando a freqüência. Entretanto, nomeado Diretor do Banco do Brasil em 1859, Cândido repassou essa concessão por quarenta contos de réis pelo decreto no. 2927, de 21 de maio de 1862 ao seu amigo Ireneu Evangelista de Souza, Barão e depois Visconde de Mauá(1813-1889) e este, por cem contos de réis pelo decreto no. 3738, de 21 de novembro de 1866 ao engenheiro americano Charles B. Greenough(1825-1880). Conseguindo apoio financeiro nos Estados Unidos, rodava já em 09 de outubro de 1868 a linha de bondes da "Cia. Botanical Garden Rail Road", fundada pelo tal engenheiro Greenough que inaugurou seus serviços de transportes coletivos para a Zona Sul, indo a primeira linha da rua Gonçalves Dias, no Centro, até o Largo do 59PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  12. 12. Machado. Logo foi extendida até a rua “Nova de São Joaquim” (Voluntários da Pátria), em Botafogo e, em 1o. de janeiro de 1871, passou a circular pela rua Jardim Botânico, com ponto na porta do Jardim, aumentando de muito a freqüência à instituição e a popularização do Bairro, já chamado assim(em 1o. de abril de 1873, o bonde chegaria até a “Olaria”, na rua Marquês de São Vicente). A rua Jardim Botânico foi retificada, sendo um trecho tortuoso dela cortado por um atalho. Esse trecho ficou conhecido como "Estrada Velha do Jardim". Foi depois a rua Frei Leandro, em 1922 incorporada ao "Jocquei Clube". A atual rua Frei Leandro resulta de um loteamento feito em 1921/22. Em frente ao portão principal do Jardim Botânico foi construída uma estação de bondes em 1874 para conforto dos visitantes. O portão original do Jardim Botânico foi projetado em 1848 pelo arquiteto da "Missão Artística Francesa" e professor da "Academia Imperial de Belas Artes", Auguste Henry Victor Grandjean de Montigny(1776- 1850), que morava na Gávea, em chácara ainda existente dentro do Campus da PUC. Mas o artístico portão foi demolido no século XX, substituído pelo atual em 1908. Para se fazer o novo portão, foi necessário que o Diretor Barbosa Rodrigues ordenasse o abate de uma árvore "Carrapateiro", ou "Itó", que contava mais de duzentos anos. Seria tal o crescimento populacional ocasionado pelo bonde, que por Decreto Legislativo no. 2297, de 18 de junho de 1873, foi criada a "Freguesia da Gávea", separando-a da "Lagoa", que datava ainda de 13 de maio de 1809, com sede na Capela de N. Sra. da Conceição, erguida em 1852/56 pelo Capitão Manuel dos Anjos Vitorino do Amaral no princípio da rua "da Boa Vista da Lagoa", atual Marquês de São Vicente. Foi seu primeiro Vigário Monsenhor Francisco Martins do Monte (183?-1909), e que era também Vigário da "Freguesia da Lagoa" e modesto acionista da "Botanical Garden Rail Road Company". Quanto à companhia de bondes, seria nacionalizada em 1883, quando passou a ter razão social de "Companhia Ferro Carril do Jardim Botânico" e continuou a prestar bons serviços por muitos anos ao Rio de Janeiro. Em 1909 foi parcialmente arrendada por contrato à "Light", empresa fundada dois anos antes por um grupo canadense e que ficou responsável pelo fornecimento de energia elétrica à cidade. Entretanto, continuou a companhia de bondes funcionando independentemente até 1946, quando foi definitivamente incorporada à "Light". Depois de 1950 desinteressou-se a companhia canadense pelos bondes, cujo serviço foi decaindo até sua extinção definitiva em 1963 pelo Governador Carlos Lacerda. Em 1890 surgiu o projeto mais curioso, proposto pela "Companhia Melhoramentos da Lagoa Rodrigo de Freitas e Botafogo", que projetava, dentre outros melhoramentos, uma "Estrada de Ferro Elevada", partindo da Lagoa e terminando na rua Primeiro de Março. No Leblon seria erguido um cemitério, proposto por André Rebouças, idéia logo enterrada. Anos depois, nas terras do comerciante português José Guimarães Seixas, próximo ao Morro dos Dois Irmãos, foi proposto um prado de corridas, idéia que não andou. A companhia foi encampada pelo Governo Federal em 1891. OBRAS DE ARTE NO JARDIM BOTÂNICO De 1890 a 1909 dirigiu o Jardim Botânico o cientista João Barbosa Rodrigues, mineiro(1842-1909), que era também historiador e esteta, pois usou de sua influência pessoal junto ao Govêrno da República para levar ao seu Jardim Botânico, várias estátuas, monumentos e chafarizes que estavam abandonados pela prefeitura nas ruas da cidade do Rio de Janeiro. Foi ele quem levou para a "Aléia Barbosa Rodrigues" o velho chafariz francês em ferro fundido comprado por D. Pedro II e que desde 1878 60PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  13. 13. estava esquecido no "Largo da Lapa". Também levou para o Jardim as duas estátuas em liga de bronze feitas por Mestre Valentim da Fonseca e Silva(1745-1813), que haviam sido fundidas para o "Chafariz das Marrecas" em 1785. A "Ninfa Eco" e o "Caçador Narciso", pois o dito artístico chafariz fôra demolido impiedosamente em 1896 para se ampliar um quartel na rua dos "Barbonos"(atual Evaristo da Veiga). Em época recente(1992) o chafariz pôde ser reconstituído pelo arquiteto Glauco Campello, do "IPHAN", junto à "Aléia de Paus Mulatos". No ano de 1938, recebeu o Jardim seu último presente, o Pórtico Neoclássico em mármore e estuque da antiga "Academia Imperial de Belas Artes", projetada por Grandjean de Montigny em 1816/26 na "Travessa das Belas Artes", próxima ao "Largo do Rossio"(Praça Tiradentes) e burramente demolida em 1938, quando nela já funcionava desde 1908 o "Ministério da Fazenda". Foi colocado no final da "Aléia Barbosa Rodrigues", pelo arquiteto do "IPHAN", Dr. José de Souza Reis. Em 1922 sofreu o Jardim Botânico seu maior atentado. O Presidente da República, Epitácio da Silva Pessôa(1919-1922), mandou desapropriar grande parte do lado ímpar da rua Jardim Botânico, abrangendo parte dos terrenos onde continuava o Jardim Botânico, que naquele trecho margeava a Lagoa. Lá ficavam as plantas da Região Amazônica. Tudo resultou de uma consulta feita pelo Dr. Linneu de Paula Machado ao engenheiro Eugênio Dodsworth, encarregado do atêrro das margens da Lagoa, sobre a possibilidade de alí se instalar o prado de corridas do Jocquei Clube, então ocupando terras no Maracanã. Dodsworth deu carta branca e Linneu usou de sua influência e amizade junto aos Presidente e Prefeito, obtendo permuta com a Prefeitura, que ficava com as terras do velho prado, levando Linneu o trecho mais nobre da Lagoa como "troca". A destruição de parte do Jardim teve a justificativa oficial que as plantas dalí atraíam muitos mosquitos, tornando a Gávea inabitável. O terreno que foi permutado ao seu amigo particular, Dr. Linneu de Paula Machado, Vice-Presidente do "Jocquei Clube do Rio de Janeiro"(1880-1942), e seu Presidente depois de 1921. Foi onde se ergueu de 1919 a 1926 o conjunto monumental do "Jocquei Clube", sob projeto dos arquitetos Prof. Archimedes Memória e Francisco Cuchet, com supervisão do engenheiro Mário Aze vedo Ribeiro e apoio irrestrito do Prefeito Carlos César de Oliveira Sampaio(1920-1922), que permitiu, inclusive, um grande aterro na Lagoa com terras oriundas do arrazado "Morro do Castelo" e de obras que realizara na cidade, matando os manguezais. Isso deu tal desgosto ao Diretor do Jardim Botânico, Dr. Antônio Pacheco Leão, nascido no Rio(1872-1931, e que dirigiu o Jardim de 1915 a 1931. Tal destruição marcou sua vida que, afirma sua família, acabou matando-o de desgosto em 1931. Hoje a área do Jardim Botânico é de 117 hectares. Eram originalmente 171! Depois da vitória de Vargas em 1930, foi o Jardim Botânico tratado com melhor respeito. Em 1934 foi nomeado o botânico Paulo de Campos Pôrto, neto de João Barbosa Rodrigues, que em sua longa administração, conseguiu restituir de muito a grandeza perdida, restaurando danos que já haviam ocorrido em muitos anos(1934 a 1938, e depois voltou a administrar de 1951 a 1961). Vale aqui assinalar a curiosidade que em 1963, o paisagista Roberto Burle Marx, conhecedor da história da mutilação do Jardim e visivelmente inspirado nos anseios de Pacheco Leão e, doutro modo, impossibilitado de corrigir as amputações praticadas de 1922 em diante, projetou uma ilha à ser construída no centro da Lagoa, constituída de ripado e cultivo para as espécies de plantas marginais lacustres e aquáticas da flora brasileira, juntamente com instalações laboratoriais para estudo e controle da ictiologia. SANEAMENTO DA LAGOA RODRIGO DE FREITAS 61PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  14. 14. Durante o século XIX, a ocupação do bairro restringia-se a poucas chácaras na rua Jardim Botânico, outras tantas na Dona Castorina, ficando a população com a preferência por Botafogo e Gávea. Nem a chegada do bonde interferiu nessa escolha para moradia, haja vista que a Lagoa Rodrigo de Freitas era considerada insalubre. Dominava a idéia de que a persistência da febre amarela no Rio de Janeiro estava intimamente ligada às exalações miasmáticas. Dentro dessa perspectiva, sanear a Lagoa Rodrigo de Freitas era obra prioritária. Mas os altos custos da empreitada e o pouco estudo científico realizado para solucionar o problema das águas estagnadas da Lagoa não justificavam o investimento em tão avultadas obras. Assim, nada foi feito para melhorar as condições da Lagoa Rodrigo de Freitas. Data de 1880 o primeiro estudo realizado para saneamento da Lagoa, executado pelo engenheiro Antônio Luís Von Honholtz, Barão com Grandeza de Teffé(1837-1921). Propunha ele renovar a água da Lagoa por uma comporta e uma bateria de 40 bombas acionadas por moinhos de vento. Seguiram-se vários projetos de engenheiros contemporâneos, todos pecando pela falta de suporte científico para suas conclusões. Uns propunham tornar a água da Lagoa doce, eliminando o canal de ligação com o oceano, deixando para os rios adjacentes a tarefa de manter o nível do espelho d`água. Outros pregavam o contrário, propondo o desvio dos rios para o oceano e a ampliação do canal de ligação entre a Lagoa e o oceano. Até 1893, a limpeza da Lagoa era feita de forma muito deficitária pela União. Nesse ano, a municipalidade assumiu essa incumbência, mas em 1896, ela foi repassada para a "Companhia de Melhoramentos da Lagoa e Botafogo", que continuou os serviços de forma rudimentar por alguns anos. Em 1920/1922, foi a orla da Lagoa saneada por ordem do Prefeito Carlos Sampaio, tendo o engenheiro Francisco Saturnino de Brito, após criterioso estudo das condições locais, canalizado os rios e retificado o canal da Lagoa com o oceano(hoje Jardim de Alah), criando duas ilhas artificiais para regularização das correntes ("Piraquê" e "Caiçaras"), eliminando por muitos anos a mortandade de peixes e as cheias que assolavam o bairro durante as grandes chuvas. Passou então a Lagoa a possuir água salobra, já que antes era doce. CIDADE J ARDIM CORCOVADO Foi feito em 1921/22 o loteamento desses terrenos saneados, surgindo as ruas que vão do Humaitá ao "Jócquei Clube". Como a idéia vingou, logo muitas dessas antigas chácaras foram loteadas, surgindo pitorescos arruamentos. Em 1926, num deles, o "Cidade Jardim Corcovado", resultou nas ruas Frei Veloso, Getúlio das Neves, Professor Saldanha e Eurico Cruz. Como logo se venderam, o projetista J. O. Sabóia Ribeiro traçou no mesmo ano de 1926 uma extensão pelas faldas do Corcovado, que resultou nas ruas Engenheiro Alfredo Duarte, Ministro Arthur Ribeiro, Senador Lúcio Bitencourt, Caio de Melo Franco, Ministro João Alberto, e Praça Luís Mignone. Alguns lotes estavam em terrenos de tal inclinação que receberam críticas ferinas do Engenheiro José de Oliveira Reis, Diretor do Plano da Cidade, para que não fossem mais autorizados arruamentos em áreas como esta, em perigo potencial de desbarrancamento. AVENIDA EPITÁCIO PESSOA Na ocasião foi completada a avenida que margeava a Lagoa, a qual inicialmente denominou-se Epitácio Pessôa em toda a extensão. Nos anos 60, o trecho do Jócquei foi batizado de Borges de Medeiros, em homenagem ao político gaúcho Antônio Augusto Borges de Medeiros (1863-1961). Novos aterros nos anos 30, durante a 62PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  15. 15. administração do Prefeito Henrique Dodsworth (1937/1945) deram origem à "Vila Hípica" e ao "Clube Militar". Uma das curiosidades da Lagoa nessa época é que em idos de 1935, o arquiteto Lúcio Costa chegou a sugerir ao Ministro da Educação Cultura e Saúde Pública, o mineiro Gustavo Capanema, a construção da "Universidade do Brasil" na Lagoa Rodrigo de Freitas, não nas margens, mas no próprio espelho d`agua, com prédios flutuantes! Claro, tudo não passou de uma sugestão, logo esquecida... EPITÁCIO DA SILVA PESSOA – DADOS BIOGRÁFICOS Magistrado, jurista e político, nasceu em Umbuzeiro, Paraíba, em 1865. Bacharelou-se pela Faculdade de Direito do Recife. Foi promotor público e secretário geral do Governo em seu Estado. Em 1890, elegeu-se deputado à Assembléia Constituinte e à primeira legislatura ordinária da Câmara Federal. No Governo Campos Sales, ocupou a Pasta da Justiça e Negócios Interiores, presidindo à elaboração dos projetos do Código Cível e do Código do Ensino. Foi Ministro do Supremo Tribunal Federal e procurador geral da República, presidente da comissão incumbida de preparar o projeto de Código de Direito Internacional Público, senador pelo seu Estado natal e chefe da delegação brasileira ao Congresso de Paz de Versalhes. Em 1919, sucedendo a Delfim Moreira, elegeu-se presidente da República, e governou o país até 1922. A partir de 1924, foi membro da Corte de Justiça Internacional de Haia. Nesse mesmo ano, voltou a eleger-se senador pela Paraíba, exercendo o mandato até 1930. Cassado pela Revolução, retirou-se à vida privada e passou a residir no Alto da Boa Vista, alternando-se com sua casa em Petrópolis, onde, aliás, veio a falecer em 1942. Quando Presidente da República, o Prefeito do Rio de Janeiro André Gustavo Paulo de Frontin abriu a famosa avenida que circunda a Lagoa Rodrigo de Freitas, batizada em seu nome. UNIVERCIDADE – CAMPUS IPANEMA – AVENIDA EPITÁCIO PESSOA, 1.664 - IPANEMA Os alunos da Unidade Ipanema, às margens da Lagoa Rodrigo de Freitas, usufruem da localização privilegiada em um dos pontos mais valorizados da Zona Sul do Rio de Janeiro. Com três prédios, situados próximos ao centro do bairro, onde estão localizadas livrarias, cinemas e teatros, a UniverCidade dá a seus alunos a vantagem de passarem horas em uma das áreas de maior efervescência cultural da cidade do Rio de Janeiro. BAR LAGOA – AVENIDA EPITÁCIO PESSOA, 1.674 – LAGOA Em 1934, o arquiteto e pintor Eugênio de Proença Sigaud, formado dois anos antes pela Escola Nacional de Belas Artes; projetou e construiu um pequeno edifício residencial com três pavimentos em estilo art-déco na orla da Lagoa Rodrigo de Freitas. Era à época, uma das primeiras habitações multifamiliares do bairro. No térreo, projetado com esmerado acabamento em mármore de Carrara nas paredes para sediar um estabelecimento comercial, se instalou no mesmo ano o Bar Berlim, fundado por alemães, o primeiro do lugar. Antes dele, só existia uma padaria metida a bar, a Sacopam, e mesmo assim próxima do Humaitá. O bar deu certo e passou a contar com seleta freguesia que ali podia experimentar um bom chope, cerveja e a típica culinária alemã. Com a entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial, em 1942, o bar foi fechado, sendo reaberto dois anos depois com o novo e imparcial nome de Bar Lagoa. Naquela época, num mezzanino especialmente projetado para isso, dava espetáculos noturnos 63PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  16. 16. um quarteto de cordas. A contrário de muitos bares, a freguesia sempre foi familiar devido à pequena e seleta vizinhança. Em 1957 os donos alemães fizeram sociedade com um brasileiro, que é o atual dono. Nos anos 60 e 70 foi muito freqüentado pelos ícones da Bossa Nova e do Tropicalismo, como Ton Jobim, Vinícius de Morais, Chico Buarque de Hollanda, Miúcha, etc. Mas nem a decoração art-déco, os lustres modernistas, a sacada interna superior, nem o grande balcão no fundo do salão ou o mármore de Carrara nas paredes, nada dessa estrutura física, tombada desde 9 de setembro de 1987 pela Prefeitura, é mais importante que o patrimônio palatável do Bar Lagoa. Entre todas as muitas qualidades do Lagoa, nada do que se diga ou escreva é mais marcante do que o sabor de seu chopp, um dos melhores da cidade. Tirado com maestria desde 1982 pelo competente Fernando, o chopp do Lagoa é uma instituição. Sempre na temperatura certa, com espuma consistente e frescor incomparável, o chopp jorra ao final de uma serpentina de quarenta metros, o que, de uma vez por todas, prova que tamanho não é documento. Nas mesas da aconchegante varanda ou do histórico salão, o chopp chega trazido por garçons, alguns com quase 30 anos de serviço, cuja fama de rabugentos é muitas vezes produto de um excesso de fregueses ávidos pelo precioso líquido. VIADUTO AUGUSTO FREDERICO SCHMIDT – CORTE DO CANTAGALO – LAGOA Em 1938, o Prefeito Henrique Dodsworth mandou abrir uma via de comunicação entre os bairros de Copacabana e Lagoa Rodrigo de Freitas pelo Morro do Cantagalo. A obra, apelidada à época de Corte do Cantagalo e hoje de Avenida Henrique Dodsworth, resolveu o problema de forma satisfatória. Entretanto, o crescimento dos bairros de Copacabana e Lagoa levou ao surgimento de um ponto de estrangulamento de tráfego, justamente no entroncamento das avenidas Henrique Dodsworth e Epitácio Pessoa. Para resolver o problema, a Superintendência de Urbanização e Saneamento do Estado da Guanabara (SURSAN), elaborou, em 1966, o projeto de um viaduto em concreto protendido, criando um trevo rodoviário. Inaugurado em 1967 pelo Governador Francisco Negrão de Lima, o viaduto com 94 metros, eliminou o cruzamento à saída do Cantagalo, facilitou e deu fluidez ao tráfego em torno da Lagoa Rodrigo de Freitas. AUGUSTO FREDERICO SCHMIDT – DADOS BIOGRÁFICOS Editor, comerciante, industrial, jornalista e poeta, Augusto Frederico Schmidt nasceu no Rio de Janeiro, a 18 de abril de 1906. Fez seus estudos primários na Suíça e o secundário no Brasil. Trabalhou desde cedo no comércio e mais tarde, no decênio de 1930, fundou uma casa editora que se distinguiu pela qualidade das publicações. Como editor, lançou os livros de estréia de alguns de nossos melhores escritores modernos, como Lúcio Cardoso e Graciliano Ramos. A seguir dedicou-se também aos negócios, em empresas mais vastas, tornando-se um homem importante na política e nas finanças do país, em cujo desenvolvimento teve oportunidade de colaborar, sem nunca ter, no entanto, abandonado a composição dos poemas que o tornaram um verdadeiro poeta e um legítimo representante de uma das linhas permanentes da poesia brasileira. Como poeta, foi acentuada a sua importância na segunda fase do Modernismo, quando se voltou contra o pitoresco e o malabarismo, buscando uma poesia quase direta, espontânea e espiritualista, de aparente simplicidade, que exerceu grande influência no decênio de 1930 e parte do de 1940. Dele procede o verso livre amplo e melodioso, com um toque bíblico, cheio de ressonância, marcado pela repetição quase obsessiva, que assalta e domina a sensibilidade do leitor. 64PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  17. 17. Obras: Poesia: Canto do Brasileiro (1928); Canto do Liberto (1928); Navio Perdido (1929); Pássaro Cego (1930); Desaparição da Amada (1931); Canto da Noite (1934); Estrela Solitária (1940); Mar Desconhecido (1942); Poesias Escolhidas (1946); Fonte Invisível (1949); Mensagem aos Poetas Novos (1950); Poesias Completas (1956); Aurora Lívida (1958); Babilônia (1959). Prosa: Ensaio sobre Mauriac (1931); O Galo Branco (1948); Paisagens e Seres (1950); Discurso aos Jovens Brasileiros (1956); As Florestas (1958). Schmidt foi representante do Brasil na Operação Pan-Americana e presidente do Conselho dos 21, na Conferência de Bogotá. O poeta faleceu a 8 de fevereiro de 1965. MONUMENTO A JOSÉ DE SAN MARTÍN – LAGOA Monumento eqüestre de grandes proporções, representa o autor da independência da Argentina, Chile e Peru sobre um cavalo empinado, e apontado para oeste, direção tomada pelo “Libertador” após o início da marcha triunfal sobre os espanhóis. A estátua foi doada pelo Banco Municipal da Cidade de Buenos Aires. Obra dos artistas argentinos Sarubbi Y Barili de Buenos Aires. Erguida no sítio definitivo em 1971, pela Companhia Construtora Pederneiras, foi oficialmente inaugurada a 13 de março de 1972, com a presença do Governador do Estado da Guanabara, Chagas Freitas, bem como representantes dos presidentes do Brasil e Argentina. Mesmo sendo a Argentina uma antiga e tradicional inimiga política do Brasil, os generais portenhos procuravam, com essa estátua, selar um acordo de respeito mútuo entre os governos militares da Argentina (General Alejandro Lanusse) e Brasil (General Emílio Médici). Entretanto, a eleição de Hector Cámpora no mesmo ano, seguida logo depois pela chegada de Juan Perón ao poder na Casa Rosada, reacendeu a velha inimizade, hoje mantida principalmente no futebol. SAN MARTÍN – DADOS BIOGRÁFICOS Militar e autor da Independência da Argentina. José de San Martín nasceu a 25 de fevereiro de 1778 em Yapeyu, povoado jesuítico, às margens do Rio Uruguay, na atual Província de Corrientes. De família nobre espanhola, San Martín atendeu às exigências de sua casta e, em plena adolescência, seguiu para a Espanha, sentando praça no exército espanhol e incorporando-se ao Regimento de Múrcia. Ainda jovem, combateu na África e, duas décadas após, trava sua última batalha em Alvuera, onde espanhóis, ingleses e portugueses derrotam as forças francesas. Abandonou então o exército espanhol, no posto de tenente-coronel, e rumou para Buenos Aires, onde em, 1813, com sua experiência militar conquistada na cavalaria, fundou o Corpo de Granaderos a Caballo. Quando eclodiu a luta pela independência portenha, em maio, San Martín partiu com essa unidade do quartel de Retiro, em Buenos Aires, e percorreu parte do continente em triunfo, vencendo em várias batalhas os exércitos espanhóis, alcançando até Quito, capital do Equador. São os Granaderos a Caballo que selaram o fim do jugo. Compreendeu San Martín que, para vencer o domínio estrangeiro, seria preciso formar um verdadeiro exército, nas províncias de Cuyo. Uma vez conseguido seu intento, partiu, cruzando os Andes para socorrer o Chile, e prosseguindo, pelo mar, até o Peru, onde faria desabar o último vice-reinado de Espanha na América. Em 1824, após grave crise política, San Martin renunciou aos seus encargos e exilou-se voluntariamente. Viajou, então, para a França, onde passou a residir, afastado da vida militar. 65PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  18. 18. A 17 de agosto de 1850, em Boulogne-Sur-Mer, França, morria Dom José de San Martín, general de brigada das Províncias Unidas do Rio da Prata; capitão-general da República do Chile, e generalíssimo do Exército do Peru. Seu corpo hoje repousa na Catedral Metropolitana de Buenos Aires. PARQUE MARCOS TAMOYO (PARQUE DA CATACUMBA) - LAGOA Situado na avenida Epitácio Pessoa, entre o Corte do Cantagalo e a Curva do Calombo, o parque foi criado em 1975, sob projeto de Lúcio Costa e Roberto Burle Marx, no local da antiga Favela da Catacumba (erradicada em 1969), e ocupa uma área de 300 mil m2. Com uma belíssima vista da Lagoa Rodrigo de Freitas, o local é cercado por uma vegetação tropical, com árvores frutíferas e 29 esculturas de consagrados artistas contemporâneos, como Bruno Giorgi, Roberto Moriconi, Caribé, Franz Weismann, Franz Caribé; bem como uma antiga escultura de H. Peyrol. No local também há constantes apresentações de grupos musicais e existe a sede da subprefeitura da Grande Lagoa, criada em 1992. PAVILHÃO VICTOR BRECHERET - PARQUE DA CATACUMBA - LAGOA O Parque da Catacumba foi resultado da erradicação na década de 60, da imensa favela que cobria a área, motivada por interesses imobiliários. Todo o entorno e áreas vizinhas foram liberados para empreendimentos imobiliários, e a parte central entregue ao Departamento de Parques e Jardins, que ativou a criação de uma área verde com espaços voltados para o lazer e convívio cultural. O Pavilhão Victor Brecheret foi projetado em 1979 pelo arquiteto Carlos Porto para atender às atividades culturais e de vigilância do próprio parque e recebeu prêmio na categoria Edificações para Fins Culturais na XVII Premiação do IAB/RJ, em 1980. O perfil do terreno sugeriu a conformação do traçado do muro de arrimo, resolvendo o programa em dois níveis: no inferior, com acesso independente, estão as dependências de serviço(vestiários, depósitos e sanitários) e no patamar superior o setor de conservação, depósito e copa; e o salão, administração e sanitários, acessíveis pela rampa de entrada. O maior interesse plástico do projeto reside na cobertura, que adota um aspecto dinâmico devido à movimentação dos planos que propiciam iluminação e aeração adequadas ao interior. Em época recente, foi instalada neste pavilhão a Subprefeitura da Grande Lagoa, desvirtuando o objetivo inicial da construção. POSTO DE ABASTECIMENTO CATACUMBA- AV. EPITÁCIO PESSOA No final da década de 60 a Petrobrás se lançou no competitivo mercado de fornecimento de combustível. A programação visual da empresa foi entregue a Aloísio Magalhães, e os projetos dos postos confiados a equipe de arquitetos Dilson Gestal Pereira, Waldyr A . Figueiredo, Paulo Roberto M. de Souza e Alfredo Lemos, com total liberdade de criação. A idéia era associar à nova subsidiária uma imagem dinâmica e moderna, utilizando cores e formas de impacto para atrair clientela. O posto da Catacumba, de 1968, foi um dos primeiros projetos elaborados com esta finalidade e foi premiado na Universidade de Munique, Alemanha, em 1970. A localização do terreno, numa faixa central da av. Epitácio Pessoa, cercado por vegetação e emoldurado pela Lagoa Rodrigo de Freitas, foi determinante para o partido adotado. O elemento dominante da composição é a cobertura, uma casca em concreto aparente, de grande plasticidade, com as quatro extremidades pousadas sobre pequenos espelhos d`água, cercados por jardins. Para abrigar setores de escritório e vendas foi criada uma caixa de vidro elevada em relação ao nível do terreno, e sob a qual se localiza, semi-enterrado, o 66PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  19. 19. pavimento de serviço com depósito, sanitários, vestiários e casa de bombas. Posteriormente foram feitas reformas, para abrigar salão de exposições, escritório e depósito. EDIFÍCIOS SONATA DA LAGOA E RAPSODY - AV. EPITÁCIO PESSOA A produção arquitetônica dos irmãos Edison e Edmundo Musa, centralizada no eixo Rio-São Paulo, compreende programas os mais diversificados. Sem dúvida, é no campo imobiliário, com edifícios residenciais destinados às classes média e alta, que se concentra o maior número de obras desses arquitetos gaúchos radicados no Rio. Este conjunto de dois blocos de apartamentos, situado num terreno de 10.800m2 na orla da Lagoa Rodrigo de Freitas, evidencia uma preocupação funcional e plástica característica de seus projetos. A implantação, a volumetria e os materiais adotados procuram resolver o espaço vazio criado por uma antiga pedreira. Compreendendo quatro apartamentos por andar, o projeto, de 1983, tira partido da vista privilegiada, voltando todas as salas para a Lagoa. As varandas, nas quatro fachadas, funcionam como proteção à insolação e ao ruído provocado pelo tráfego intenso da av. Epitácio Pessoa. É interessante a solução criada para o embasamento dos edifícios, onde se localizam quatro pavimentos de garagem, que foram recuados e fechados por “curtain-wall” de 10m de altura. Os elevadores foram posicionados de modo a se tornarem panorâmicos nos primeiros pavimentos. Todas as fachadas receberam tratamento semelhante, com esquadrias em alumínio anodizado, vidro bronze e composição de granito Juparanã lustrado e pastilhas cerâmicas. CHÁCARAS NA ORLA DA LAGOA Existiram chácaras famosas na rua Jardim Botânico, se bem que poucas. Próximo ao "Largo das Três Vendas" (depois N. Sra. da Conceição, Ferreira Viana, Arthur Bernardes, atualmente Praça Santos Dumont), era o local da enorme chácara do Comendador paulista Joaquim José de Souza Breves, o "Rei do Café"(1804-1889), amigo de D. Pedro I, grande produtor de café, dono de 37 fazendas e 27 chácaras, cujas terras iam de Sepetiba às Minas Gerais. Morava normalmente em São Cristóvão, próximo ao palácio. Usava eventualmente a casa do Jardim Botânico, principalmente depois de 1863, quando caiu em desgraça perante o imperador, haja vista que mantinha empresa clandestina de importação de escravos da África, atividade desbaratada neste ano. Breves igualmente controlava a "Empresa de Navegação da Piedade", com escritório na rua São Bento, 22. Todas sua fortuna, oriunda de seus cafezais, despencou quando da "Abolição da Escravatura", em 1888. Hoje, os terrenos de sua demolida chácara estão incorporados aos do "Jocquei Clube". PARQUE LAGE A chácara do "Parque Lage" também tem história. Em meados do século XIX era essa chácara, então uma casa assobradada, possuindo o número 10 da rua Jardim Botânico, com bonito parque arborizado projetado pelo arquiteto paisagista inglês John Tyndale (cujo projeto do jardim substituiu um outro, feito por um pintor inglês, que não vingou), quando foi adquirida pelo Comendador Antônio Martins Lage Júnior, armador, Diretor da "Empresa de Barcas Ferry", da qual assumiu o controle em 1877. As atividades da família Lage começaram em 1822, quando o patriarca Comendador Antônio Martins Lage montou negócios com armazéns de carvão de pedra e pequena oficina de reparos de embarcações na "Ilha das Enxadas". Ele arrendou essa ilha de 1825 a 1832, comprando-a em 1840. Nesse mesmo ano, Lage ganhou a "Ilha do Viana" numa rifa e, quando a Marinha requisitou a "Ilha das Enxadas" para nela instalar a 67PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  20. 20. "Escola Naval", Lage arrendou "Enxadas" para a Marinha e mudou-se para sua nova ilha com suas instalações em 1845. Posteriormente, a Marinha compraria a Ilha das Enxadas em 1870, lá instalando um hospital e hoje uma academia. Quando morreu, sua viúva fundou a "Empresa Viúva Lage & Campos", até que o filho Antônio Martins Lage Júnior (1850?-1900?), homônimo do pai e igualmente "Comendador da Ordem da Rosa", pudesse tomar rumo dos negócios. Foi Antônio Júnior quem instituiu em 1881 o serviço regular de barcas para Paquetá, pois lá possuía moradia desde 1878, num palacete da "Praia Grossa", onde hoje se ergue o "Hotel Flamboyant". Em 1884 torna-se, enfim, o Presidente dessa Companhia, constituindo em 1889 sociedade com o Ministro Manuel Buarque de Macedo, quando então fundaram a "Companhia Cantareira", da qual o Comendador Lage era Diretor. Foi casado desde 1878 com Da. Cecília Braconnot Lage (1859-192?), filha do famoso engenheiro de máquinas, o Capitão-de-Fragata e Comendador Carlos Braconnot (1831-1894). Cecília era famosa por seu comportamento extrovertido, cantando e dando récitas em italiano e francês nas festas em casa do Barão de Cotegipe. Como extravagância, usava uma tornozeleira no pé esquerdo, atributo incomum para mulheres de família, tendo causado na época algum escândalo. Tiveram quatro filhos: Antônio (vulgo "Antonico"), Henrique, Renaud e Jorge, sendo que "Antonico" e Jorge morreram em 1918 da "Gripe Espanhola". Antônio Júnior fundou a "Empresa Lage & Filhos", depois de sua morte rebatizada para "Lage & Irmãos". A Antônio e seu filho "Antonico" também são devidas a reconstrução da "Matriz do Bom Jesus do Monte", em Paquetá (1898-1900), bem como outras melhorias na Ilha. A chácara do "Parque Lage" foi herdada em fins do século XIX pelo seu filho Antônio "Antonico" Martins Lage, nascido no Rio (1879-1918), casado com Da. Eugênia Noêmia de Sá Azevedo "Baby" (1886-194?). Tiveram quatro filhos. Moravam na Ilha do "Viana", só usando a chácara do Jardim Botânico eventualmente. Com o falecimento prematuro de "Antonico", em 1918, ficou com a chácara do Jardim Botânico seu irmão e herdeiro, Henrique Lage (1881-1941), que então morava em casa modesta na rua São Clemente, onde hoje é o prédio da "Fiat Lux". Era Henrique, rico armador como seu irmão, pai e avô, dono da "Empresa Henrique Lage", sucessora da "Lage & Irmãos", onde herdou a "Companhia Nacional de Navegação Costeira". Dono de verdadeiro império, fundou e dirigiu 23 empresas que incluíam o "Banco Sul do Brasil", companhia de seguro, companhia de navegação, dois estaleiros, empresa de exploração de carvão de pedra, "Empresa Docas de Imbituba", transporte de combustíveis, "Empresa Sociedade Anônima Gaz de Niterói"(1925), usina siderúrgica no sul de Minas Gerais, fábrica de cerâmica em Santa Catarina e fábrica de aviões(a primeira da América Latina) e outras. Além de tudo, homem patriota(fez doações à "Escola de Guerra", ganhando por isso o título de "Cadete no. 1"), foi fundador do "Hospital Central dos Acidentados" e da "Companhia Nacional Civilidro", para construções civis e hidráulicas. Amante e cultor do "bel canto”, apaixonou-se pela cantora lírica, a contralto italiana Gabriela Bezanzoni, que viera pela primeira vez ao Brasil, no Teatro Municipal ainda em 1918, integrando a "Companhia Lírica da Empresa La Teatral", do empresário italiano Walter Mocchi. Não fez sucesso nessa primeira apresentação, pois ficou com papéis secundários. Retornou ao Brasil em 1922 pela mesma companhia, onde Gabriela "arrasou" no papel principal da ópera "Carmem". Foi quando Henrique apaixonou-se por ela. Quando Gabriela retornou pela terceira vez ao Brasil em 1924, para outra temporada, ficou de vez. Henrique não mediu gastos para satisfazer os caprichos de sua amada, a qual, de certa forma, lembrava um pouco sua finada mãe. Para ela, 68PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com
  21. 21. mandou fazer o magnífico palacete eclético italiano, encomendado em 1924 ao arquiteto italiano Mário Vodred. Também levantou suntuária residência na "Ilha de Santa Cruz" e, rompendo com tradição familiar, vendeu em 1930 a chácara que seu avô erguera em Paquetá ao Conde Modesto Leal (1860?-1936). Henrique largou sua primeira esposa, uma pianista italiana, passando a residir em Laranjeiras até ficar pronto o palácio no Jardim Botânico. Lá, na nova casa, cercada de explêndidos jardins, foram dadas inúmeras festas, onde Henrique, muito tímido, pouco aparecia (dizia-se que ele sofria de grave doença de pele, o que só piorou sua introspecção). Henrique foi Deputado à Assembléia Constituinte de 1934, e morreu em 1941. Deixou fortuna avaliada em 1 bilhão de cruzeiros, não sem antes colocar à disposição do governo Vargas seu império industrial para o esforço de guerra. Entretanto, o Governo Vargas declarou guerra ao "Eixo" ano seguinte e, temeroso de que tantas e importantes indústrias caíssem no controle de uma italiana, cujo país natal estava em guerra com o Brasil, interpretou literalmente o último desejo de Henrique e confiscou o império industrial dos Lage por Decreto Lei, assinado pelo Presidente Getúlio Vargas em 1942. A administração federal foi desastrosa, bastando dizer que todas as empresas confiscadas davam lucro em 1941 estavam falidas em 1943. Gabriela, muito ressentida, vendeu em 1945 as empresas que não tinham sido confiscadas ao Governo, retornando anos depois à Itália, onde faleceu nos idos de 1960. Como não tiveram filhos, a casa ficou fechada alguns anos. Nos anos 60, o terreno da chácara foi cobiçado pela "Ordem Terceira do Carmo", que alí pretendia fazer seu "cemitério vertical". Outro que também cobiçou tais chãos foi o empresário das comunicações jornalista Roberto Marinho (1908-2.003), que chegou a negociar com a família o terreno, para nele instalar a "Rede Globo", que estava sendo criada (1965). Mas o Governador do “Estado da Guanabara”, jornalista Carlos Lacerda (1914-1977), desafeto de Roberto Marinho, tomou a dianteira e desapropriou tudo, pagou indenização irrisória de um cruzeiro a Marinho, e transformou a chácara em formoso parque, dependência do Jardim Botânico. No palacete, o cineasta Gláuber Rocha filmou em 1967 sua obra prima: "Terra em Transe", com Paulo Autran, Glauce Rocha, Jardel Filho, José Lewgoy e Paulo Gracindo. Alí era o país "Eldorado", cercado de políticos corruptos, onde as analogias eram óbvias. Foi no palacete Lage que acabou se instalando em 1971 a "Escola de Artes Visuais do Parque Lage", hoje um importante estabelecimento cultural da cidade. SOLAR DO MONJOPE Em frente ao “Parque Lage”, existiu até os idos de 1977 o casarão do "Solar do Monjope". Era a antiga "Chácara da Bica", que pertenceu em meados do século XIX ao Comendador português Ribeiro de Carvalho, casado com Da. Umbelina Luiza de Medeiros Guimarães, irmã do Barão de Oliveira Castro. Foram pais do célebre Dr. Miguel Joaquim Ribeiro de Carvalho, Provedor da “Santa Casa de Misericórdia” em 1902/38. A chácara foi vendida no princípio da década de vinte ao médico e crítico de arte José Mariano Carneiro da Cunha Filho(vulgo "Yoyô"), nascido em Pernambuco (1887-1948), fundador do "Instituto Central de Arquitetos" defensor da arte colonial brasileira e seu grande divulgador, irmão do poeta Olegário Mariano. Foi a casa extensamente reconstruída, ganhando azulejos portugueses, chafarizes coloniais e estátuas antigas, frutos da paixão de colecionador de José Mariano. Reformou o belo casarão em 1928 o arquiteto Lúcio Costa(1902-1998), então em princípio de carreira, para que parecesse uma fazenda colonial. Após sua morte, a viúva, filhos e netos continuaram a habitá-lo até a década de setenta. Foi destruída sem piedade em 1976 69PDF Creator - PDF4Free v2.0 http://www.pdf4free.com

×