Consórcio de Pesquisa e Inovação
Aeroespacial do Quebec – um
modelo de referência para a
indústria aeroespacial brasileira...
Contexto do artigo
Parte de pesquisa colaborativa entre Escola
Politécnica da USP e École Polytechnique de
Montréal para a...
Esquema da apresentação
Análise da aplicabilidade do modelo do
CRIAQ para a realidade da indústria brasileira
Apresentação...
Sistemas de inovação e
inovação aberta
PARTE I
Elementos e histórico da teoria de sistemas de inovação
5
Sistema nacional de política econômica
Friedrich List (1789-1846...
Inovação aberta
6
Fonte: Gassmann et Enkel, 2004
Fonte: De Jong (2007) apud De Backer, 2008.
Fonte: OECD, 2008.
“Open Inno...
Comparação: inovação aberta e sistemas de inovação
Literatura sobre inovação aberta Literatura sobre sistemas de inovação
...
CRIAQ
Consortium de recherche et d'innovation en
aérospatiale au Québec
PARTE II
Histórico do consórcio (1)
9
2000
• Idealização do consórcio por três professores da Université de Sherbrooke
- Tecnologia...
Histórico do consórcio (2)
10
2001
• Nascimento do consórcio, com adesão de agentes importantes nos três vértices da
trípl...
Histórico do consórcio (3)
11
2001
• Primeira rodada de projetos (2001-2006)
• Subvenção de CAN$ 6,5 milhões por parte do ...
Histórico do consórcio (4)
12
2004
• Segunda rodada de projetos (12 projetos, 8 áreas de conhecimento)
2006
• Governo inve...
Histórico do consórcio (5)
13
2007
• Primeiro acordo de cooperação internacional (com a Índia)
Fonte: Bazergui, 2007.
Histórico do consórcio (6)
14
2008
• Quarta rodada de projetos (34 novos projetos)
2010
• Quinta rodada de projetos (48 pr...
Fóruns de inovação
• Mecanismo para levantamento de propostas de projetos;
• Não é necessário ser membro do consórcio para...
Estudo de caso: CRIAQ
Sigla Tema
ACOU Vibro acústica e controle de ruído
AVIO Aviônicos e controle
COMP Materiais compósit...
Estudo de caso: CRIAQ
• Boa receptividade por parte da academia;
• Adesão das grandes empresas do setor;
• Oportunidade de...
Análise de aplicabilidade do
modelo no Brasil
PARTE III
Brasil: forte pesquisa acadêmica…
0
4.000
8.000
12.000
16.000
1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002
...
... mas pouca pesquisa na empresa
0 20 40 60 80
EUA
Japão
Alemanha
França
Inglaterra
Itália
Canadá
Coréia
Brasil
Cientista...
Aplicabilidade do modelo no contexto da indústria brasileira
21
• Marco regulatório para a inovação no Brasil: Lei de inov...
Conclusões
22
• CRIAQ – modelo de sucesso de colaboração universidade-empresa com suporte
governamental;
• Dinâmica que ao...
Agradecimentos
23
Prof. Dr. Catherine Beaudry
Departamento de Matemática e Engenharia Industrial
Prof. Dr. Clément Fortin
...
Referências citadas na apresentação (1)
BAZERGUI, A. (2007) CRIAQ, a Winning Model for Industry-led Collaborative Research...
Referências citadas na apresentação (2)
GASSMANN, O.; ENKEL, E. (2004) Towards a theory of open innovation: three core pro...
Fabiano Armellini
farmellini@usp.br
Paulo Carlos Kaminski
pckamins@usp.br
Escola Politécnica da USP
Departamento de Engenh...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a reference model for the Brazilian aerospace industry

532 visualizações

Publicada em

Oral presentation of paper at the CBGDP congress, which was later on selected for publication in the Product: Management & Development.

http://pmd.hostcentral.com.br/revistas/vol_09/nr_2/v9n2a02.pdf

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
532
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Consortium for research and innovation in aerospace in Quebec, Canada – a reference model for the Brazilian aerospace industry

  1. 1. Consórcio de Pesquisa e Inovação Aeroespacial do Quebec – um modelo de referência para a indústria aeroespacial brasileira Fabiano Armellini e Paulo Carlos Kaminski Departamento de Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade de São Paulo
  2. 2. Contexto do artigo Parte de pesquisa colaborativa entre Escola Politécnica da USP e École Polytechnique de Montréal para análise do impacto da inovação no desenvolvimento de produtos no setor aeroespacial no Brasil e no Canadá Realização de entrevistas no Quebec durante intercâmbio acadêmico no segundo semestre de 2010 2
  3. 3. Esquema da apresentação Análise da aplicabilidade do modelo do CRIAQ para a realidade da indústria brasileira Apresentação do CRIAQ: modelo de sucesso de consórcio para parceria ICT-empresa no setor aeroespacial no Quebec (Canada) Revisão conceitual sobre SNIs, inovação aberta e a relação entre os conceitos 3
  4. 4. Sistemas de inovação e inovação aberta PARTE I
  5. 5. Elementos e histórico da teoria de sistemas de inovação 5 Sistema nacional de política econômica Friedrich List (1789-1846) (Freeman, 1995) Tríplice Hélice (Sábato et Botana, 1968) Estudos iniciais de sistemas de inovação (Lundvall, 1985; Freeman,1987; Nelson, 1988) Estudos descritivos e explanatórios consolidam teoria (Lundvall, 1992; Nelson, 1993; OECD,1997)
  6. 6. Inovação aberta 6 Fonte: Gassmann et Enkel, 2004 Fonte: De Jong (2007) apud De Backer, 2008. Fonte: OECD, 2008. “Open Innovation is a paradigm that assumes that firms can and should use external ideas as well as internal ideas, and internal and external paths to market.” (CHESBROUGH, 2003)
  7. 7. Comparação: inovação aberta e sistemas de inovação Literatura sobre inovação aberta Literatura sobre sistemas de inovação Empresas obtêm melhores resultados se estas abrirem seus processos de inovação, isto é, envolver o mundo externo. Inovação é o resultado de interações complexas e intensas entre diversos atores. A inovação não está mais no domínio do departamento interno de P&D; os modelos tradicionais em stage-gate ilustram de forma incompleta como as inovações devem ser organizadas. O modelo linear no qual atividades relacionadas com conhecimento são divididas por oferta e demanda não é mais sustentável. As empresas podem se beneficiar de fluxos intencionais de entrada e saída de conhecimento. Os spillovers de conhecimento podem ser fonte de oportunidades e não devem ser vistos apenas como uma ameaça. Os spillovers de conhecimento são essenciais para o funcionamento de um sistema de inovação, e são muito desejáveis. As empresas precisam tanto de competências de inovação internas (não só P&D) quanto de competências para conectar atores externos para obterem sucesso. O funcionamento de sistemas de inovação pode ser dificultado por falhas de capacidade e de relacionamento. Como as empresas estão cada vez mais dependentes de fontes externas, arranjos de infra-estrutura e outras condições estruturais se tornam mais importantes. O funcionamento de sistemas de inovação pode ser dificultado por falhas institucionais ou estruturais. A maior mobilidade de mão de obra e a maior disponibilidade de força de trabalho treinada são fatores importantes que contribuíram para a erosão do modelo fechado de inovação. O capital social e humano constituem o elemento “lubrificante” dos sistemas de inovação. Se as empresas inovadoras não puderem se beneficiar de inovações geradas internamente, outras empresas talvez possam. Os benefícios sociais da inovação excedem aos dos atores individuais. 7Fonte: De Jong et al., 2008.
  8. 8. CRIAQ Consortium de recherche et d'innovation en aérospatiale au Québec PARTE II
  9. 9. Histórico do consórcio (1) 9 2000 • Idealização do consórcio por três professores da Université de Sherbrooke - Tecnologias pré competitivas - Colaboração ICT-empresa - Financiamento público Fonte: Bazergui, 2007.
  10. 10. Histórico do consórcio (2) 10 2001 • Nascimento do consórcio, com adesão de agentes importantes nos três vértices da tríplice hélice Bell Helicopter Textron Bombardier Aéronautique CAE Pratt&Whitney Canada CMC Életronique EMS Technologies Todas as universidades (exceto UdQ) École de Technologie Supérieure (ETS) Centre des Technologies de Fabrication en Aérospatiale (CTFA) MDEIE, FQRNT e MELS (Governo do Québec) Fonte: Adaptado de Fortin, 2010.
  11. 11. Histórico do consórcio (3) 11 2001 • Primeira rodada de projetos (2001-2006) • Subvenção de CAN$ 6,5 milhões por parte do governo; • 25% de contrapartida por parte das empresas participantes; • 13 projetos, em sete (07) áreas de conhecimento distintas; • Definição da estrutura organizacional dos projetos: Fonte: Bazergui, 2007.
  12. 12. Histórico do consórcio (4) 12 2004 • Segunda rodada de projetos (12 projetos, 8 áreas de conhecimento) 2006 • Governo investe mais CAN$ 8,6 milhões em pesquisas até o ano de 2010 2006 • Campanha de divulgação para adesão de PMEs ao consórcio 2006 • Terceira rodada de projetos (11 projetos, 6 áreas de conhecimento) 2006 • CRIAQ passa a ser citado como eixo estratégico do governo do Quebec para promover a inovação na indústria aeroespacial local (MDEIE, 2006)
  13. 13. Histórico do consórcio (5) 13 2007 • Primeiro acordo de cooperação internacional (com a Índia) Fonte: Bazergui, 2007.
  14. 14. Histórico do consórcio (6) 14 2008 • Quarta rodada de projetos (34 novos projetos) 2010 • Quinta rodada de projetos (48 projetos potenciais) • 42 membros na indústria (27 PMEs); • 15 ICTs; • Apoio institucional do governo e de associações de indústria; • 58 projetos ativos, 21 projetos finalizados. Atualmente (dez/2010)
  15. 15. Fóruns de inovação • Mecanismo para levantamento de propostas de projetos; • Não é necessário ser membro do consórcio para participar do fórum; • Projetos só são efetivados se houver pelo menos duas empresas interessadas e duas universidade envolvidas; • Objetivo: levantar ideias de projetos que sejam solução de problemas da indústria como um todo, e não problemas particulares de uma empresa. Fórum 3º Forum (2006) 4º Forum (2008) 5º Forum (2010) Participantes da indústria (empresas representadas) 225 (90) 290 (100) 395 (142) Projetos 14 novos projetos 34 novos projetos 48 projetos potenciais 15 Fonte: Adaptado de CRIAQ, 2010.
  16. 16. Estudo de caso: CRIAQ Sigla Tema ACOU Vibro acústica e controle de ruído AVIO Aviônicos e controle COMP Materiais compósitos DPHM Diagnóstico, prognóstico, monitoração do estado de componentes e ensaios não destrutivos ENV Meio-ambiente, segurança e adequação climática INTD Projeto de interiores de cabine LEAN Otimização, produção enxuta MANU Fabricação MDO Modelamento, simulação, otimização e integração de sistemas PLM Gestão do ciclo de vida SPLY Cadeia de fornecimento Áreas de pesquisa 16 Fonte: Adaptado de Fortin, 2010.
  17. 17. Estudo de caso: CRIAQ • Boa receptividade por parte da academia; • Adesão das grandes empresas do setor; • Oportunidade de pesquisa e de relacionamento para PMEs; • Apoio governamental e financeiro não se restringe apenas aos interesses das empresas de capital canadense, mas a todas as empresas residentes que realizem P&D no Quebec; • Forte estrutura de PI; • Conselho administrativo rotativo (cargos de um ano) e eleito por Assembleia; • Foco em tecnologias pré competitivas; • Fóruns de inovação como ferramenta de discussão e levantamento de propostas de projetos de interesse comum; • Alta adesão empresarial nos fóruns, incluindo não membros. Pontos positivos • Histórico de rivalidade Quebec com o resto do Canadá dificulda difusão do modelo para outras províncias do país; • Necessária estrutura de P&D prévia para participação no consórcio; • Falta de modelo de negócio sustentável para projetos de pesquisa em tecnologias mais maduras; • Falta de modelo de negócio sustentável para viabilização de projetos de colaboração indústria-indústria. Pontos negativos 17
  18. 18. Análise de aplicabilidade do modelo no Brasil PARTE III
  19. 19. Brasil: forte pesquisa acadêmica… 0 4.000 8.000 12.000 16.000 1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 Artigoscientíficos 0,00% 0,40% 0,80% 1,20% 1,60% Porcentagemdototalmundial Artigos publicados Porcentagem do total mundial 19 Doutores formados 0 2500 5000 7500 1981 1984 1987 1990 1993 1996 1999 2002 Fonte: C.H. Brito Cruz, pol_c&T&i.ppt; © CH Brito Cruz e Unicamp
  20. 20. ... mas pouca pesquisa na empresa 0 20 40 60 80 EUA Japão Alemanha França Inglaterra Itália Canadá Coréia Brasil Cientistas (%) Univ. e outros Governo Indústria 20 Fonte: C.H. Brito Cruz, pol_c&T&i.ppt; © CH Brito Cruz e Unicamp
  21. 21. Aplicabilidade do modelo no contexto da indústria brasileira 21 • Marco regulatório para a inovação no Brasil: Lei de inovação 10.973/04; • Diversas iniciativas e programas de subvenção e financiamento têm sido criados para fomentar a inovação no país desde então; • Setor aeroespacial é visto pelo governo como um setor de desenvolvimento estratégico para o país; Da parte do governo: • Alta produtividade da academia brasileira; • Crescentes números de produção científica universitária; • Ampla estrutura de pesquisa aeroespacial: CTA, ITA, INPE etc; • Cerca de 70% dos pesquisadores brasileiros encontram-se na academia; Em relação às universidades: • Poucos pesquisadores na indústria; • Polo industrial altamente dependente de tecnologia estrangeira; • Pouca estrutura de P&D, especialmente nas PMEs. Nas empresas:
  22. 22. Conclusões 22 • CRIAQ – modelo de sucesso de colaboração universidade-empresa com suporte governamental; • Dinâmica que ao mesmo atrai o interesse das empresas e não fere a missão universitária de formadora de pessoas e geradora de conhecimento: – Tecnologias pré competitivas; – Parceria com empresas (no mínimo duas) e universidades (no mínimo duas), sob a coordenação do CRIAQ; • Membros adotam uma postura correta com relação ao conhecimento que pode ser gerado por uma universidade: o conhecimento universitário não é algo passível de “capitalização” ou “privatização”; pesquisador universitário não é visto como uma alternativa ao P&D interno da empresa, mas como outra fonte que fornece um outro tipo de conhecimento, menos maduro em termos de sua aplicação a produtos ou processos, mas que serve de base para a inovação em médio e longo prazo. • Principal empecilho para a implantação de um modelo semelhante no Brasil é a falta de P&D interno nas empresas brasileiras do setor.
  23. 23. Agradecimentos 23 Prof. Dr. Catherine Beaudry Departamento de Matemática e Engenharia Industrial Prof. Dr. Clément Fortin Presidente do CRIAQ – gestão 2010-11 Bolsas de estudo:
  24. 24. Referências citadas na apresentação (1) BAZERGUI, A. (2007) CRIAQ, a Winning Model for Industry-led Collaborative Research in Aerospace, and its Role within Aéro Montréal. Apresentação feita para o Forum Innovation Aérospatiale 2007. Disponível em: http://www.aeromontreal.ca. Acesso em: 24/Nov/2011. BRITO CRUZ, C.H. (2004) A Universidade, a empresa e a pesquisa, Universidade de Campinas. Versão atualizada e ampliada de artigo com mesmo título publicado na Revista Humanidades, Vol. 45 pp.15-29, 1999. CHESBROUGH, H.W. (2003) Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology, Harvard Business School Press. CRIAQ (2010) Dépliant du CRIAQ, Consortium de Recherche et d'Innovation en Aérospatiale au Québec, mai/2010. Disponível em: http://www.criaq.aero/Presentation/100527_depliant_fr.pdf. Acesso em 10/Mai/2011. DE BACKER, K. (2008) Open innovation in a global scale: main findings, OECD, Business Simposium, Copenhagen, February 25th. DE JONG, J.P.J; VANHAVERBEKE, W.; KALVET, T.; CHESBROUGH, H.W. (2008) Policies for open innovation: theory, framework and cases, Research project funded by VISION Era-Net. FORTIN, C. (2010) Presentation du consortium de recherche et d'innovation en aérospatiale au Québec, Forum des Étudiants en Aérospatiale FEA 2010, École Polytechnique de Montréal, 14/Out. FREEMAN, C. (1987) Technology and economic performance: Lessons from Japan, Pinter, London. FREEMAN, C. (1995) The 'National System of Innovation' in historical perspective, Cambridge Journal of Economics, Vol. 19, pp.5-24. 24
  25. 25. Referências citadas na apresentação (2) GASSMANN, O.; ENKEL, E. (2004) Towards a theory of open innovation: three core process archetypes, Proceedings of the R&D Management Conference, Lisbon, Portugal, July 6–9, 2004. LUNDVALL, B.Å. (ed.) (1985) Product innovation and user-producer interaction, Industrial Development Research Series No. 31, Aalborg University Press. LUNDVALL, B.Å. (ed.) (1992) National innovation systems: towards a theory of innovation and interactive learning, Pinter Publishers. MDEIE (2006) Stratégie de développement de l'industrie aéronautique québécoise, Ministère du Développement économique, de l’Innovation et de l’Exportation du Québec. Disponível em: http://www.criaq.aero/Donnees/2006_MDEIE_Strategie.pdf. Acesso em 14/Out/2010. NELSON, R.R. (1988) Institutions supporting technical change in the United States. In: Dosi, G., Freeman, C., Nelson, R., Silverberg, G.; Soete, L. (eds.) (1988) Technical Change and Economic Theory, Pinter Publishers, pp.312-29. NELSON, R.R. (ed.) (1993) National Innovation Systems: A Comparative Analysis, Oxford University Press. OECD (1997) National innovation systems, Organization for Economic Co-operation and Development. OECD (2008) Open innovation in global networks, Organization for Economic Co-operation and Development. SÁBATO J.A.; BOTANA N. (1968) La ciencia y la tecnología en el desarrollo futuro de América Latina, Revista de la Integración, INTAL, Vol.1, No.3, pp. 15-36. 25
  26. 26. Fabiano Armellini farmellini@usp.br Paulo Carlos Kaminski pckamins@usp.br Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecânica Av. Prof. Luciano Gualberto - Trav. 3, 380 São Paulo – SP 05508-970 Cidade Universitária Tel.: +55 11 3091-5332 Fax: +55 11 3091-9883 Obrigado! Thank you!

×