1
FARMÁCIA INFORMATIVA
- BOLETIM INFORMATIVO -
2ª Edição, Agosto/ 2013
Automedicação
Por: Thaís Vieira de Souza
O que é au...
2
levar a uma série de conseqüências ao
paciente, como por exemplo,
enfermidades iatrogênicas (alterações
patológicas gera...
3
que necessitam de prescrição são os
antibióticos, anti-hipertensivos, anti-
inflamatórios, antipsicóticos e os
antidepre...
4
Considerações Finais
A automedicação é uma prática
universal, antiga e de grandes
proporções.
A problemática associada à...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Boletim Informativo Automedicação

1.887 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Boletim Informativo Automedicação

  1. 1. 1 FARMÁCIA INFORMATIVA - BOLETIM INFORMATIVO - 2ª Edição, Agosto/ 2013 Automedicação Por: Thaís Vieira de Souza O que é automedicação? A automedicação é a administração de medicamentos por conta própria ou por indicação de pessoas não habilitadas, para tratamento de doenças onde os sintomas são “visualizados” pelo usuário, sem nenhuma avaliação prévia de um profissional de saúde (ANVISA, 2013). Para facilitar a obtenção do alívio recorrente a incômodos que o afligem, na maioria das vezes, diante de quaisquer sintomas, principalmente os mais comuns, como por exemplo, viroses e infecções, o brasileiro acaba sendo impulsionado a se automedicar. Dentre as aplicações mais populares, destacam-se medicamentos para gripe, dor de garganta e febre, dentre outros. Também é elevada a tendência a procurar inicialmente orientação com amigos e parentes em busca de uma solução medicamentosa (CARAMELLI, 2001). Uma prática extremamente prejudicial à saúde é o ato de automedicar-se, pois nenhum medicamento é considerado inofensivo. (FERRACINI et al., 2010). Mesmo parecendo uma prática aparentemente sem conseqüências, a automedicação pode promover um grande risco à saúde. Por exemplo, uma pessoa ao administrar uma dose do medicamento acima da indicada ou por uma via inadequada, pode levar a efeitos drásticos. Dessa forma, o paciente deve sempre buscar a orientação de um profissional de saúde qualificado (FERRACINI et al., 2010). Medicamentos utilizados O uso incorreto de substâncias mais simples pela população, caso dos medicamentos de venda livre, como analgésicos, antiácidos, antitérmicos, vitaminas, expectorantes, colírios e alguns produtos dermatológicos pode
  2. 2. 2 levar a uma série de conseqüências ao paciente, como por exemplo, enfermidades iatrogênicas (alterações patológicas geradas por efeitos colaterais dos medicamentos), efeitos indesejáveis e mascaramento de doenças evolutivas (FERRACINI et al., 2010). A prática de automedicar-se não está relacionada somente a medicamentos industrializados, mas também a produtos fitoterápicos, ervas e chás, principalmente no Brasil. É comum achar que “por ser natural não faz mal”, pensamento de fato incorreto. Assim, a orientação de um profissional de saúde capacitado torna-se essencial no sucesso do tratamento. Como exemplos de plantas empregadas e comercializadas livremente destacam-se boldo-do-chile, camomila, cidreira e erva-doce (FERRACINI et al., 2010). A Tabela 1 mostra alguns exemplos de agentes empregados na automedicação e alguns dos possíveis efeitos adversos que podem gerar. Dentre as inúmeras preocupações frente à automedicação e ao uso indiscriminado de medicamentos é o alto risco de intoxicação associado a essas práticas (ANVISA, 2013). O ato que ocupa o primeiro lugar dentre as causas de intoxicação, já registradas em todo o país, é a intoxicação por medicamentos, ficando à frente de intoxicação por produtos de limpeza, alimentos deteriorados e agrotóxicos (ANVISA, 2013). Tabela 1: Exemplos de automedicação Exemplos de Automedicação Efeito Terapêutico Efeitos Adversos Plantas Medicinais Babosa (A. vera) laxante diarréia Camomila (M. recutita) anti- inflamatório reação alérgica Boldo-do-chile (P. boldus) cólicas e congestões irritação da mucosa gástrica Medicamentos Industrializados Amoxicilina antibiótico náuseas Azitromicina antibiótico reações alérgicas AAS (ácido acetil salicílico) analgésico irritação no estômago Segundo a ANVISA, analgésicos, antitérmicos e anti- inflamatórios fazem parte dos medicamentos que mais intoxicam no Brasil e são bastante empregados na automedicação. Dessa forma, a agência vem exercendo um maior controle acerca deste tema (ANVISA, 2013). Exemplos de medicamentos bastante utilizados pela população brasileira na prática da automedicação e
  3. 3. 3 que necessitam de prescrição são os antibióticos, anti-hipertensivos, anti- inflamatórios, antipsicóticos e os antidepressivos (FERRACINI et al., 2010). A receita médica de anti- inflamatórios não esteróides inibidores da COX-2 é retida nas farmácias devido a uma determinação da ANVISA, com o objetivo de reduzir o uso indevido desses medicamentos (ANVISA, 2013). Outro caso de intervenção da ANVISA são os antibióticos, que requerem um acompanhamento rigoroso por parte dos profissionais de saúde para tratamento eficaz dos pacientes (FERRACINI et al., 2010). Devido ao seu uso irracional, através da automedicação, houve um aumento da resistência aos antibióticos, ocasionando um problema de saúde pública (FERRACINI et al., 2010). Assim, a ANVISA determinou a compra dos antibióticos somente com a retenção da prescrição médica, de forma a reduzir a automedicação e os efeitos drásticos relacionados a essa prática (ANVISA, 2013). Interações medicamentosas As interações medicamentosas consistem em um evento clínico, no qual os efeitos de um medicamento são alterados pela presença de outro, usado concomitantemente (PORTAL SAÚDE, 2013). Essa interação ocorre quando dois medicamentos são administrados em um mesmo período por um paciente, podendo levar a um aumento ou a uma diminuição de efeito terapêutico ou tóxico (PORTAL SAÚDE, 2013). Dessa forma, o paciente ao desconhecer a ação de uma determinada substância e, através da prática da automedicação, administrar outro medicamento, e até mesmo um fitoterápico, concomitantemente, poderá ter o efeito terapêutico diminuído ou aumentado, o que poderia levar a um efeito tóxico (PORTAL SAÚDE, 2013). O tema interações medicamentosas será abordado com mais detalhes em um próximo boletim informativo.
  4. 4. 4 Considerações Finais A automedicação é uma prática universal, antiga e de grandes proporções. A problemática associada à automedicação deve ser divulgada através de trabalho informativo realizado por profissionais e estudantes da área de saúde. Importante ressaltar que para maior segurança, o paciente deve sempre procurar a ajuda um profissional de saúde capacitado, que indique o medicamento mais indicado para cada caso e o oriente quanto à forma de administração e demais informações relevantes ao tratamento. Referências FERRACINI, F. T.; et al. Prática farmacêutica no ambiente hospitalar: do planejamento à realização. São Paulo: Atheneu, 2010. CARAMELLI, B. Automedicação. Rev. Assoc. Med. Bras., v.47, nº4, São Paulo, 2001. ANVISA. Uso Indiscriminado de medicamentos. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/propaganda/f older/uso_indiscriminado.pdf. Acessado em 05/07/2013. PORTAL SAÚDE. Interações medicamentosas. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivo s/multimedia/paginacartilha/docs/intMe d.pdf. Acessado em 05/07/2013.

×