1° relatório analise de custos

5.468 visualizações

Publicada em

relatório analise de custos

Publicada em: Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

1° relatório analise de custos

  1. 1. 6º SEMESTRE PROBLEMA: ADMINISTRAÇÃO E ANÁLISE DE CUSTOS 1º Relatório da aula de laboratório I do Curso Bacharel em Administração, orientado pelo Prof.º Demerson M. Tavares. VALDEIR LEITE TOMÁS Águas Lindas, 22 de August de 2013.
  2. 2. 2 SUMÁRIO 1.APRESENTAÇÃO......................................................................................................2 2.PROBLEMA................................................................................................................3 3.CUSTOS INDIRETOS DE CADA DEPARTAMENTO...............................................4 4.Bibliografia................................................................................................................13 1. APRESENTAÇÃO Um laboratório farmacêutico produz dois medicamentos genéricos, A1 e B2, num ambiente de produção composto por quatro departamentos: manipulação, embalamento, planejamento e controle de produção (PCP) e manutenção, este relatório consiste em efetuar o levantamento dos custos indiretos de cada
  3. 3. 3 medicamento descrito acima, para isso será necessário efetuar um controle dos custos de cada órgão envolvido em cada etapa de produção desses medicamentos, devemos então saber primeiramente o que são custos; Custo é gasto relacionado com bem ou serviço empregado na produção de outro bem ou serviço, (GONÇALVES e BAPTISTA, 1993). 2. PROBLEMA A empresa necessita que haja um levantamento dos seus custos indiretos relacionado a fabricação de cada um dos medicamentos, neste caso; deverá ser esboçado a planilha contendo todos os custos de cada setor, em seguida poderemos calcular o custo total de cada produto para somente então calcular o valor unitário de cada medicamento. É importante ressaltar que esse custo final não
  4. 4. 4 será o preço de venda, veremos a seguir a resolução do problema proposto e seus principais índices de desempenho da empresa. 3. CUSTOS INDIRETOS DE CADA DEPARTAMENTO Na planilha a seguir podemos verificar cada um dos departamentos da empresa e os custos indiretos relativos a aluguel, energia, custo do funcionário da supervisão e o custo do departamento de manutenção, como também seus respectivos valores descriminados dentro da tabela. Custos indiretos relativos a cada departamento Custos indiretos Manipulação Embalamento Manutenção PCP Total
  5. 5. 5 Aluguel 30000 21000 3000 600 0 60000 Energia 3510 4410 450 630 9000 Custo do funcionário 657,21 730,23 182,56 157 0 3140,00 Custo dep Manutencão 1296 1440 360 309 6 6192 Para podermos entender como funciona esses custos devemos ver a definição de alguns deles primeiro, pois segundo portal da contabilidade; Despesas ou Custos fixos são aqueles que não sofrem alteração de valor em caso de aumento ou diminuição da produção. Independem portanto, do nível de atividade, conhecidos também como custo de estrutura. E custos ou despesas variáveis são aqueles que variam proporcionalmente de acordo com o nível de produção ou atividades. Seus valores dependem diretamente do volume produzido ou volume de vendas efetivado num determinado período. (Portal da contabilidade, acesso em 08/2013). Dessa forma podemos verificar que os valores podem variar mensalmente de cada departamento, porém terão que ser repassados de algum modo, esses valores tem definição de fixos e variáveis por sempre constarem no exercício da organização, são fixos também os impostos da empresa e variáveis as matérias- primas utilizadas, entre outros. Porém nesse caso devemos apenas avaliar os custos indiretos dessa organização relacionados a energia e aluguel respectivamente variável e fixo. 3.1 O Aluguel da empresa Podemos verificar no caso do aluguel um maior percentual em relação aos outros departamentos no setor de Manipulação e depois embalamento, dessa forma, podemos constatar também uma grande porcentagem relacionada a energia desses setores, se relacionarmos os dois departamentos poderemos verificar que a área construída utilizada por eles é maior do que as demais áreas da empresa. Essa diferença entre os custos de cada departamento se deve também a produção dos medicamentos dentro dessas áreas e ao manuseio dos mesmos, utilizando-se de energia e uma maior área aproveitada para colocação dos equipamentos
  6. 6. 6 responsáveis pela produção, A seguir veremos os gráficos que melhor identificam a ocupação de cada área dividido por cada um dos setores. Como podemos observar acima, as áreas já mencionadas, possuem uma maior utilização pelos departamentos da empresa, elevando assim os custos de alguel e ocupação de área refletidos diretamente no preço final do medicamento. A empresa poderia reverter a maior parte desses custos adquirindo um imóvel proprio para instalação das suas maquinas e equipamentos envolvidos, poderia-se também investir em novas tecnologias proporcionando uma redução do espaço utilizado e sendo assim redução dos custos. Custos indiretos Manipulaçã o Embalamento Manutençã o PCP Total Aluguel 30000 21000 3000 6000 60000 Para entendermos melhor como funciona o cálculo que representa cada setor mencionado no gráfico acima para descobrirmos a porcentagem de cada um e quais estabelecem um maior consumo de espaço e custo, basta aplicarmos uma regra de três simples e colocarmos cada valor em percentuais, dessa forma temos: Valor total/ % 60.000  100% = Valor percentual%
  7. 7. 7 Valor Setor  x Aplicando a formula acima na tabela abaixo podemos obter os percentuais de cada setor, comprovando assim o valor percentual dos dois setores de Manipulação e Embalamento representam um gasto com aluguel de 85% de todo custo, isso significa dizer que se a empresa possuir 1000 metros de área e utilizar os 100% para sua produção esse percentual de custo representará os 850 metros da empresa. Custos indiretos % Manipulaçã o Embalament o Manutençã o PCP Total Aluguel 50,00% 35,00% 5,00% 10,00% 100,00% 3.2 A energia gasta pela organização A energia gasta nesse processo, também é fator relevante a ser levado em consideração, reduzindo o espaço, também poderiamos refletir diretamente no consumo de energia da empresa, o grafico abaixo mostra os níveis de consumo de energia de cada departamento, nesse caso, a área de embalamento é onde há o maior consumo de energia da organização, em contraste com o gráfico de área acima, verificamos que o setor onde a maior utilização de energia é menor que o setor de manipulação da empresa, sendo assim constatamos que nem sempre um maior espaço ocupado será responsável pelo maior consumo de energia elétrica, essa hipotese leva em consideração a não utilização de determinados espaços gerando apenas o custo de aluguel.
  8. 8. 8 No gráfico, podemos verificar que os dois setores que utilizam a maior parte da energia consumida são justamente os responsáveis pela produção do medicamento, esses dois órgãos são responsáveis por aproximadamente 88% do consumo de energia elétrica, fazendo assim com que o preço do medicamento seja elevado em função do gasto com sua manipulação e embalamento, esse desnível em relação aos outros departamentos torna-se constante se não houver modificações ou melhorias tecnológicas em ambos os setores. Se seguirmos o mesmo raciocínio no caso do aluguel, podemos estipular valores percentuais para o calculo da energia gasta pela empresa, seguindo a tabela abaixo temos: Custos indiretos Manipulação Embalamento Manutenção PCP Total Energia 3510 4410 450 630 9000 Seguindo a mesma formula para calculo dos percentuais chegamos a seguinte conclusão: Custos indiretos % Manipulação Embalamento Manutenção PCP Total Energia 39,00% 49,00% 5,00% 7,00% 100,00% Ou seja, os setores de Manipulação e Embalamento são responsáveis pelo que descrevemos anteriormente 88% do consumo de energia das Áreas pesquisadas.
  9. 9. 9 Se relacionarmos os dois custos de aluguel e energia, chegamos a conclusão que os percentuais de cada setor apresentam o desnível muito baixo um em relação ao outro, podemos afirmar então que o consumo de energia é proporcional a área utilizada pela empresa, nesse caso, reforçamos que a redução dos equipamentos com investimentos em tecnologia ou a compra de um prédio próprio da organização poderia diminuir significativamente os custos com estes dois fatores. 3.3 Custos do funcionário da empresa Os custos indiretos são aqueles que não tem ligação direta com a produção de determinado bem, nesse caso podemos estabelecer um desses custos o salário do funcionário da supervisão da produção, pois não tem ligação direta com a produção, porém tem como principal ativo a necessidade da fiscalização dos setores da produção, por isso atribui-se como custo indireto. O salário do profissional responsável pela supervisão, também deverá ser levado em conta, pois os custos com esse profissional estão incluídos na tabela. Desse modo temos: Custos indiretos Manipulaçã o Embalament o Manutençã o PCP Total Custo do funcionário 657,21 730,23 182,56 1570 3140,00 Quando analisamos os dados podemos perceber um maior diferencial do PCP em relação as outras áreas. Dessa forma devemos atribuir um gráfico para melhor percepção das diferenças existentes em cada departamento e só então entendermos o total representado nesta tabela, portanto ficamos assim:
  10. 10. 10 Agora temos possuímos alguns dados para continuar nossa pesquisa. Neste gráfico fica bem claro a diferença entre cada departamento da organização, podemos ver que os setores que atribuem mais tarefas ao nosso funcionário e portanto é responsável pelo um maior custo, são respectivamente o de PCP seguido de embalamento, os dois representam 73% do custo desse funcionário. Podemos assim definir que seus custos devem ser proporcionais a sua contribuição para a empresa, pois não sendo, representariam apenas prejuízo para essa organização. Incorre que, o PCP representa 50% desse total, de acordo com nosso estudo podemos perceber que esse departamento representa de forma geral os outros, pois o restante do percentual é igualitário se relacionarmos ao mesmo, sendo assim terá que ser colocado uma responsabilidade maior dentro desse departamento. 3.4 Custos do departamento de manutenção da empresa Se fizermos um gráfico representando os custos esboçados na nossa primeira planilha vamos perceber que esse é o segundo menor custo que temos dentro da empresa, o Departamento de manutenção dos equipamentos representa apenas uma terça parte do custo total da empresa. Essa área é responsável pelos reparos das maquinas da produção, não sendo possível, portanto o fluxo de produção da empresa sem o funcionamento desse setor. É, portanto possível outra alternativa, a terceirização da mão de obra responsável pelas ocorrências da empresa. É interessante para organização, manter um representante que preste serviço exclusivo para sua organização, evitando assim uma diminuição da produção, abaixo temos o gráfico representando o total de custos da empresa.
  11. 11. 11 4 CUSTOS TOTAIS E UNITÁRIOS DE CADA PRODUTO Chegamos então, nos custos finais relativos aos produtos. É interessante lembrar que a empresa em análise possui dois de produtos que deverão ser analisados separadamente, pois seus custos são diferentes. Portanto temos: Custos total e unitário de cada produto Medicamento s Custo unitário Custo total A1 13,06 78332,00B2 19,58 4.1 Analise de custos do produto A1 e B2 Ao procedermos com a analise dos custos dos determinados produtos da empresa é necessário entendermos como funciona as demanda de mercado, necessariamente temos: Demanda é tudo aquilo que um consumidor almeja adquirir em determinado espaço de tempo. Temos que entender que é somente o desejo de adquirir certo bem, e não a consumação de tal, que seria caracterizado como consumo. Oferta é a quantidade de bens ou serviços que os produtores dos mesmos desejam vender em determinado espaço de tempo. Assim, podemos ver que quanto há o aumento do preço de um produto, maior é o estimulo para a fabricação deste bem. Quando a quantidade deste bem se normaliza no mercado, há a redução de seu preço, estimulando a demanda e desestimulando a vontade dos fabricantes de produzi-lo. (Infoescola, acesso em 08/2013, ás 17:59) Nesse conceito entendemos então que o produto A1 teve uma diminuição do preço em relação ao produto B2 em função da sua maior produção, quando consideramos que os custos foram exatamente os mesmo para os dois produtos e o preço de um oscilou em função do outro, houve a necessidade de entender essa diferença, dessa forma utilizamos a Lei da oferta e da procura para mostrarmos como os valores puderam variar em função da quantidade produzida, desse modo temos:
  12. 12. 12 Medicamentos % Custo unitário Custo A e B Diferença A1 40% 100% 20% B2 60% Nesta tabela torna-se bem claro os percentuais de um produto em relação ao outro, O custo do medicamento A1 é 20% a menos que o outro medicamento B2 e ambos totalizam 100% do valor de custo de fabricação. É interessante ressaltarmos que esses valores não serão o preço de venda destes medicamentos, é preciso que se tenha cuidado ao interpretar essas informações para evitar prejuízos futuros, neste caso; com base nessas tabelas e gráficos torna-se mais fácil tomar certas decisões, assim como estabelecer um melhor preço de mercado, respeitando também a livre concorrência entre as organizações.
  13. 13. 13 4. Bibliografia GONÇALVES, Eugênio Celso e BAPTISTA, Antônio Eustáquio. Contabilidade Geral. São Paulo, Atlas 1993. http://www.portaldecontabilidade.com.br/tematicas/custo-fixo-variavel.htm Acesso em; 08/2013 às 16:00. http://www.infoescola.com/economia/lei-da-oferta-e-da-procura-demanda-e-oferta/ Acesso em 08/2013, ás 17:59.

×