A Inaudita Guerra da avenida       Gago Coutinho            Trabalho
Ficha técnica Titulo: A INAUDITA GUERRA DA AVENIDA    GAGO COUTINHO   Autor: Mário de Carvalho   Editora: Caminho 1992...
Bibliografia
A vida Mário Costa Martins de Carvalho conjuga a profissão  de advogado com a atividade literária, escreve  romances e co...
A vida Em 1971 foi preso pela PIDE durante a instrução  militar. Foi submetido a 11 dias de privação de sono e  acabou a ...
Grupos temáticos Um grupo que privilegia o fantástico, o fabulário, o  absurdo, a conciliação e o cruzamento de  temporal...
Grupos temáticos O outro grupo é bastante mais realista e as obras são  essencialmente narrativas mais extensas como a  n...
As obras 1981-Casos do Beco das Sardinheiras 1982-O Livro Grande de Tebas, Navio e Mariana 1983-A Inaudita Guerra da Av...
As obras 1992-Água em Pena de Pato- Teatro do quotidiano 1994-Um Deus Passeando na Brisa da Tarde 1995-Era Bom Que Troc...
 Mário de Carvalho tem recebido  inúmeros prémios ao longo da sua          carreira literária. A obra mais premiada foi ...
Relação titulo obra O titulo desta coletânea A Inaudita Guerra da  Avenida Gago Coutinho está relacionado com o 3º  conto...
Relação titulo obra Inaudita significa “nunca ouvida”. Este termo remete-nos para algo de extraordinário e desconhecido d...
Relação titulo obra O absurdo instala-se a partir deste momento. Como é  que uma guerra pode passar despercebida ao ponto...
Relação titulo obra Por que motivo Avenida Gago Coutinho? Gago Coutinho foi almirante da armada portuguesa,  historiador...
Relação titulo obra Penso que a escolha do campo de batalha Avenida Gago Coutinho foi intencional para uma guerra inaudit...
Resumo
O ADORMECER DA MUSA Clio, a Musa da História, aborrecida com a tapeçaria  milenária que tinha a seu cargo, adormeceu por ...
O ESTRANHO ENCONTRO(1148 e1984) Os automobilistas que, na manhã de 29 de Setembro, circulavam na Avenida Gago Coutinho ap...
O ESTRANHO ENCONTRO(1148 e1984) Um exército de mais de mil homens, berberes  azenegues e árabes sob o comando do Almóada ...
A COMUNICAÇÃO DA “MANIFESTAÇÃO” O agente da PSP Manuel Reis Tobias que ficou  surpreendido e assustado, pensou que se tra...
A INTERVENÇÃO DAS FORÇAS MILITARES Tudo se complicou quando Manuel da Silva Lopes  que conduzia um camião carregado de ce...
A INTERVENÇÃO DAS FORÇAS MILITARES O Comissário Nunes que estava a chegar à Alameda,  achou que eram os manifestantes a d...
A INTERVENÇÃO DAS FORÇAS MILITARES Os blindados do Ralis receberam ordens para entrar em ação , mas acabaram por ficar re...
A RENDIÇÃO “ACENAR COM O TRAPO                BRANCO” O Capitão Aurélio, com a sua companhia, conseguiu fugir ao trânsito...
A RENDIÇÃO “ACENAR COM O TRAPO                BRANCO” Ibn-el-Muftar dirigiu-se ao Capitão Soares e bateu com a mão no pei...
O DESPERTAR DA MUSAClio desperta no preciso momento em que oCapitão Aurelio Soares e Ibn-el-Muftar estãofrente a frente .C...
AS PUNIÇÕES (…) PARA ALGUNS! Zeus castigou Clio pelo seu erro e privou-a de  ambrósia durante quatrocentos anos. O Comis...
A MINHA OPINIÃO Á OBRA É uma obra muito interessante que nos remete para  um universo extraordinário onde há um cruzament...
BIBLIOGRAFIA Wikipedia.com O cantinho 8ºA blogspot.com À descoberta da Língua Portuguesa 8º ano edições ASA1999. Traba...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A inaudita guerra da avenida gago coutinho francisco martinho

4.856 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.856
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
160
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A inaudita guerra da avenida gago coutinho francisco martinho

  1. 1. A Inaudita Guerra da avenida Gago Coutinho Trabalho
  2. 2. Ficha técnica Titulo: A INAUDITA GUERRA DA AVENIDA GAGO COUTINHO Autor: Mário de Carvalho Editora: Caminho 1992 Local da edição: Tipografia Lousanense, Lda Edição: Março de 2008
  3. 3. Bibliografia
  4. 4. A vida Mário Costa Martins de Carvalho conjuga a profissão de advogado com a atividade literária, escreve romances e contos, e é dramaturgo e argumentista de cinema e televisão. Filho de pais alentejanos, nasceu em Lisboa a 25 de Setembro de 1944. O pai foi preso pela PIDE, o que o levou desde muito cedo a fazer parte da resistência contra o regime de Salazar.
  5. 5. A vida Em 1971 foi preso pela PIDE durante a instrução militar. Foi submetido a 11 dias de privação de sono e acabou a cumprir 14 meses de prisão nas cadeias políticas de Caxias e Peniche. Saiu ilegalmente do país em 1973 e exilou-se na Suécia e em França onde obteve asilo político. Regressou a Portugal depois do 25 de Abril de 1974 e, após agitado envolvimento político, dedicou-se à advocacia de causas e à atividade literária.
  6. 6. Grupos temáticos Um grupo que privilegia o fantástico, o fabulário, o absurdo, a conciliação e o cruzamento de temporalidades históricas e míticas. As obras que se enquadram neste grupo temático são contos curtos como por exemplo Os contos da sétima esfera, caso do Beco das Sardinheiras e a Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho.
  7. 7. Grupos temáticos O outro grupo é bastante mais realista e as obras são essencialmente narrativas mais extensas como a novela e o romance. Dentro deste grupo temático podemos incluir obras como A Paixão do Conde de Frois, O Conde Jano e Um Deus Passeando na Brisa da Tarde.
  8. 8. As obras 1981-Casos do Beco das Sardinheiras 1982-O Livro Grande de Tebas, Navio e Mariana 1983-A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho 1984-Fabulário 1986-A Paixão do Conde de Frois 1989-Os Alferes 1991-Quatrocentos Mil Sestércios 1991-O Conde Jano
  9. 9. As obras 1992-Água em Pena de Pato- Teatro do quotidiano 1994-Um Deus Passeando na Brisa da Tarde 1995-Era Bom Que Trocássemos Umas Ideias Sobre o Assunto 1999-Apuros De um Pessimista em Fuga 1999-Se Perguntarem por Mim Não Estou 1999-Haja Harmonia 2000-Contos Vagabundos 2003- Fantasia para Dois Coronéis e Uma Piscina 2008-A Sala Magenta
  10. 10.  Mário de Carvalho tem recebido inúmeros prémios ao longo da sua carreira literária. A obra mais premiada foi Um Deus Passeando na Brisa da Tarde.
  11. 11. Relação titulo obra O titulo desta coletânea A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho está relacionado com o 3º conto que tem o mesmo nome. O titulo remete-nos para o principal acontecimento do conto. A guerra
  12. 12. Relação titulo obra Inaudita significa “nunca ouvida”. Este termo remete-nos para algo de extraordinário e desconhecido de que não há memoria.
  13. 13. Relação titulo obra O absurdo instala-se a partir deste momento. Como é que uma guerra pode passar despercebida ao ponto de nunca se ouvir falar dela ? Penso que não se ouviu falar desta guerra porque Clio borrifou os intervenientes com água do rio Letes.
  14. 14. Relação titulo obra Por que motivo Avenida Gago Coutinho? Gago Coutinho foi almirante da armada portuguesa, historiador, matemático e geógrafo. Inventou o sextante Juntamente com Sacadura Cabral fez a primeira travessia aérea do Atlântico Sul em 30 de Março de 1922
  15. 15. Relação titulo obra Penso que a escolha do campo de batalha Avenida Gago Coutinho foi intencional para uma guerra inaudita só mesmo um campo de batalha cujo o nome perpetua um acontecimento que na época 1922 foi considerado Inaudito.
  16. 16. Resumo
  17. 17. O ADORMECER DA MUSA Clio, a Musa da História, aborrecida com a tapeçaria milenária que tinha a seu cargo, adormeceu por momentos enleando dois fios e no desenho surgiu um nó que veio dar origem a uma grande confusão. Misturaram-se as datas de 4 de Junho de 1148 durante a uma invasão a Lixbuna e de 29 de Setembro de 1984.
  18. 18. O ESTRANHO ENCONTRO(1148 e1984) Os automobilistas que, na manhã de 29 de Setembro, circulavam na Avenida Gago Coutinho apanharam um enorme susto, no meio do ruído infernal do trânsito matinal misturam-se relinchos de cavalos e gritos de guerreiros mouros.
  19. 19. O ESTRANHO ENCONTRO(1148 e1984) Um exército de mais de mil homens, berberes azenegues e árabes sob o comando do Almóada Ibn- el Muftar surge do nada para reconquistar Lixbuna. Os árabes assustam-se não percebendo o que se está a passar. Interrogaram-se se se trataria de uma feitiçaria Cristã
  20. 20. A COMUNICAÇÃO DA “MANIFESTAÇÃO” O agente da PSP Manuel Reis Tobias que ficou surpreendido e assustado, pensou que se tratava de uma manifestação não autorizada e por isso enviou a seguinte mensagem ao Posto de Comando “ Uma multidão indeterminada de indivíduos do sexo masculino a maior parte portadores de armas brancas e outros objetos contundentes...com bandeiras e em trajes de carnaval…invadiram a Avenida Gago Coutinho…parecendo haver insegurança para a circulação de pessoas e bens…aguardo ordens”. Foi-lhe respondido que os reforços seriam enviados e que até à sua chegada se limitasse a observar.
  21. 21. A INTERVENÇÃO DAS FORÇAS MILITARES Tudo se complicou quando Manuel da Silva Lopes que conduzia um camião carregado de cerveja, saiu do veículo e atirou um calhau que acertou num beduíno. Chefe Mouro ordenou imediatamente a vinte archeiros que atirassem para o céu. os automobilistas, assustadíssimos, entraram para os carros, procuraram abrigo nos prédios vizinhos e atrás dos camiões.
  22. 22. A INTERVENÇÃO DAS FORÇAS MILITARES O Comissário Nunes que estava a chegar à Alameda, achou que eram os manifestantes a desafiar a polícia e à bastonada tentou varrer tudo até ao Areeiro. Ibn-el-Muftar ficou muito irritado e ordenou o ataque. Galoparam por cima de tudo o que lhes apareceu à frente em direção aos homens do Comissário Nunes, que resolveram bater em retirada e refugiaram-se atrás do balcão da Cervejaria Munique.
  23. 23. A INTERVENÇÃO DAS FORÇAS MILITARES Os blindados do Ralis receberam ordens para entrar em ação , mas acabaram por ficar retidos no meio de um engarrafamento com camiões TIR.
  24. 24. A RENDIÇÃO “ACENAR COM O TRAPO BRANCO” O Capitão Aurélio, com a sua companhia, conseguiu fugir ao trânsito e depois de afastar os civis com uma grande gritaria, conseguiu aproximar-se dos milhares de Mouros e do seu chefe. Tinha ordens para agir com moderação acenou com um pano branco e esperou para ver o que acontecia.
  25. 25. A RENDIÇÃO “ACENAR COM O TRAPO BRANCO” Ibn-el-Muftar dirigiu-se ao Capitão Soares e bateu com a mão no peito saudou-o dizendo “Salam aleikum” e o Capitão Aurélio Soares respondeu “Aleikum Salam”
  26. 26. O DESPERTAR DA MUSAClio desperta no preciso momento em que oCapitão Aurelio Soares e Ibn-el-Muftar estãofrente a frente .Corrige o seu erro devolvendo os intervenientesao seu tempo histórico.Borrifa-os com água do rio Letes paraesquecerem o que aconteceu.
  27. 27. AS PUNIÇÕES (…) PARA ALGUNS! Zeus castigou Clio pelo seu erro e privou-a de ambrósia durante quatrocentos anos. O Comissário Nunes, o Capitão Soares e o Coronel Rolão foram a tribunal marcial para explicarem porque se encontravam armados com os seus exércitos naquela manhã na Avenida Gago Coutinho. Os Árabes aproveitaram o caminho de regresso para conquistarem algumas terras nas margens do Tejo.
  28. 28. A MINHA OPINIÃO Á OBRA É uma obra muito interessante que nos remete para um universo extraordinário onde há um cruzamento de temporalidades históricas. O final desta guerra fica por conta da nossa imaginação pois termina (com o despertar de Clio) no momento que Ibn-el-Muftar e o capitão Soares ficam frente a frente. No meu entender a obra critica as forças policiais e militares da década de oitenta.
  29. 29. BIBLIOGRAFIA Wikipedia.com O cantinho 8ºA blogspot.com À descoberta da Língua Portuguesa 8º ano edições ASA1999. Trabalho realizado por: Francisco Martinho

×