SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
Governo do Estado da Bahia
          Secretaria de Educação
          Colégio Polivalente de
              Alagoinhas- BA




Proposta Curricular de Biologia

        Ano Letivo 2010




            Alagoinhas,

          Dezembro de 2010
Proposta Curricular



I – Dados de Identificação


Colégio: Polivalente de Alagoinhas
Diretora: Glória Cristina L. N. da Mata
Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.
Componente Curricular: Biologia                     Carga Horária: 02 aulas semanais.
Professor orientador: Cláudia Regina de Souza
Estagiários: Edilândia, Camila, Alana, Gabriel, Marcilia
Curso: Formação Geral         Segmento: Ensino Médio         Séries: 1ª e 2ª

.


II - Justificativa

       Pensando-se na necessidade de se construir uma referência para o ensino do
Componente Curricular Biologia no Ensino Médio, surge então a Proposta Curricular,
que visa garantir a todos os alunos o direito de acesso a conhecimentos imprescindíveis
para a construção cidadã. Desta forma, faz-se necessário atentar para o papel educativo
que o espaço escolar almeja construir. Os objetivos do ensino e da aprendizagem são
mediados através da função ativa imbuída na proposta curricular mediante também da
participação social.
    Segundo o Artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional o Ensino
Médio é a“etapa final da educação básica”. Logo, o Ensino Médio passa a ter a
característica da terminalidade, o que significa assegurar a todos os cidadãos a
oportunidade de consolidar e aprofundar os conhecimentos adquiridos no Ensino
Fundamental. É, portanto, a etapa finalizadora de uma educação de caráter geral,
afinada com a construção de competências básicas, que situem o educando como sujeito
produtor de conhecimento e participante do mundo do trabalho.
    É nessa etapa, que o estudante, com maior maturidade, mais apto, crítico e integrado à
sociedade pode contar com compreensão e responsabilidades tanto em termos da natureza
das informações tratadas, dos procedimentos e atitudes envolvidas, como em termos das
habilidades, competências e dos valores desenvolvidos, aprendendo desta forma a
considerar seus objetivos educacionais e formativos.
   Os objetivos do Ensino Médio em cada área do conhecimento devem envolver, de
forma combinada, o desenvolvimento de conhecimentos práticos, contextualizados, que
respondam às necessidades da vida contemporânea, e de conhecimentos mais amplos e
abstratos, que correspondam a uma cultura geral e a uma visão abrangente de mundo.
   De acordo com o (Art.35, incisos I a IV) deve-se aprimorar o educando como pessoa
humana; garantir a preparação básica para o trabalho e a cidadania; possibilitar o
prosseguimento de estudos; dotar o educando dos instrumentos que o permitam
“continuar aprendendo”, tendo em vista o desenvolvimento da compreensão dos
“fundamentos científicos e tecnológicos dos processos produtivos”.
   A história do ensino Médio no Brasil vem sofrendo mudanças a partir das
legislações e das questões curriculares de cada área.       A consolidação do Estado
democrático, as novas tecnologias e as mudanças na produção de bens, serviços e
conhecimentos exigem que a escola possibilite aos alunos um circuito de maior
integração ao mundo contemporâneo nas dimensões fundamentais da cidadania e do
trabalho.
       A Biologia enquanto componente curricular consegue fazer parte de um circuito
dinâmico de ensino-aprendizagem, devido incorporar em seus conteúdos, o estudo do
cotidiano do aluno, o estudo geral da vida e do ambiente que o permeia. O
conhecimento biológico orientado nas escolas torna-se indubitavelmente relevante para
o comportamento individual e coletivo do educando.
       No entanto, nem sempre as aulas de Biologia atendem a essas expectativas,
principalmente se a disciplina assume um caráter meramente descritivo: uma lista de
nomes, conceitos e fenômenos que, via regra, precisam ser apenas memorizadas, sem
que os alunos ampliem sua compreensão dos assuntos pelos quais se interessavam ou se
interessam. Assim, o encanto se quebra, e pouco resta do interesse e motivação para
aprender Biologia.
       As diretrizes estabelecidas nos PCN/99 e PCN+/02 orientam para a produção de
um conhecimento interdisciplinar e contextualizado. Sugerem estratégias diversificadas
que mobilizam menos a memória e mais o raciocínio, centrado nas interações estudante-
professor e estudante-estudante na construção de conhecimentos coletivos. Há de se
considerar o interesse dos estudantes pelos temas e a problematização de situações para
o desenvolvimento dos conteúdos. A contextualização é um recurso importante para
retirar o aluno da condição de espectador passivo, permitindo uma aprendizagem
significativa, uma compreensão atualizada não apenas da teoria, como também apto a
compreender situações práticas. Desta forma, a proposta elege conteúdos por série,
distribuídos nas quatro unidades letivas, mostradas no quadro a seguir.




III – Objetivos Gerais

    Relacionar o conhecimento interdisciplinar para o entendimento de fatos ou
     processos biológicos.

    Estimular o aluno a pensar de maneira lógica sobre os fatos do cotidiano.
    Observar a prática cotidiana como objeto de pesquisa, proporcionando
     oportunidades de troca de idéias entre os educando e educadores;

    Apresentar de forma organizada o conhecimento biológico aprendido.

    Visualizar que cada ser vivo apresenta ciclo de vida com etapas e características
         específicas, portanto, muitas vezes distintas uma das outras.



IV - Programa de Disciplina



                  Estrutura Curricular para a 1ª Série Ensino Médio



Ementa

Temas:

    Introdução a Biologia e Origem da vida. Características dos seres vivos.
     Qualidade de vida. Desequilíbrios ambientais. Doenças. Citologia. Composição
     química das células. Processos de obtenção de energia dos sistemas vivos.
Objetivos Específicos



→ Validar a profunda interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente e como o homem
pode interferir de modo a contribuir com sua preservação ou destruição, o que possibilitará o
desenvolvimento de uma consciência ecológico;

→ Identificar diferentes explicações para origem dos seres vivos, confrontando concepções
mitológicas, científicas e religiosas.

→ Reconhecer a célula como menor parte de um ser vivo, distinguindo sua estrutura, organelas
e funções.

→ Conhecer as diferentes composições químicas da célula, substâncias orgânicas e
inorgânicas.

→ Comparar a organização e o funcionamento de diferentes tipos de célula para
estabelecer a identidade entre elas.

→ Analisar o transporte através das membranas e envoltórios celulares.

→ Analisar os processos de obtenção de energia pelos seres vivos.

→ Descrever o mecanismo básico de reprodução de células de todos os seres vivos
(mitose).

→ Identificar a natureza do material hereditário em todos seres vivos, analisando sua estrutura
química para avaliar a universalidade dessa molécula no mundo vivos.

→ Analisar esquemas que relacionam os diferentes tipos de ácidos nucléicos, as organelas
celulares e o mecanismo de síntese de proteínas, bem como o processo de divisão celular para a
constituição dos tecidos.

→ Identificar e caracterizar os tipos de tecidos que constitui os seres vivos;
Conteúdos Programáticos por Unidade.

I Unidade                                     II Unidade
 1. Origem dos seres vivos;                      1. A composição química das células.
 2. Geração espontânea ou abiogênese;            2. Água
    biogênese X abiogênese;                      3. Os sais minerais.
 3. Hipóteses sobre a origem da vida.            4. Vitaminas
 4. Hipótese de Oparin e Haldane                 5. Carboidratos.
 5. O experimento de Müller.                     6. Lipídeos
 6. A evolução do metabolismo.                   7. Proteínas
 7. Origem da vida: Os primeiros seres           8. Enzimas
    vivos: as bactérias                          9. Ácidos nucléicos.
 8. Surgimento      das    células    mais       10. Os envoltórios celulares.
    complexas: as eucarióticas.                  11. Processos de troca entre a célula e o meio externo.
 9. O tempo geológico.                           12. Concentração de uma solução; difusão; osmose;
 10. A biosfera.                                    difusão facilitada; transporte ativo; fagocitose e
 11. Os reinos dos seres vivos.                     pinocitose.


III Unidade                                   IV Unidade

 1. Citoplasma.                                  1. As divisões celulares (mitose e meiose).
 2. Citoesqueleto.                               2. Reprodução (sexuada e assexuada).
 3. Plastos.                                     3. Gametas (espermatozóides e óvulos).
 4. Mitocôndrias.                                4. Sistema genital masculino e feminino.
 5. Metabolismo energético das células           5. Fecundação.
    (fotossíntese,          quimiosíntese,       6. DSTs.
    respiração     aeróbia,      respiração      7. Desenvolvimento       embrionário      (segmentação,
    anaeróbia e fermentação).                       gastrulação, organogênese, anexos embrionários,
 6. Núcleo e síntese protéica (carioteca,           placenta).
    cromatina, nucleoplasma, nucléolo,           8. Desenvolvimento embrionário humano.
    cromossomos, genes)                          9. Histologia (tecido epitelial, conjuntivo, muscular e
 7. DNA, duplicação do DNA.                         nervoso).
 8. RNA (síntese, transcrição e tradução).
Estrutura Curricular para a 2ª Série Ensino Médio



Ementa

Reprodução celular. Reprodução humana. DSTs. Desenvolvimento embrionário.
Histologia. Taxonomia. Evolução e diversidade dos seres vivos. Regras de
nomenclatura. Estudo dos vírus. Reinos (Monera, Protista, Fungi, Plantae e Animalia);
Fisiologia humana (Sistema digestivo; Sistema respiratório; Sistema Cardiovascular e
Sistema excretor).




Objetivos Específicos



    Reconhecer a reprodução sexuada e o processo meiótico como fonte de
       variabilidade genética;
    Descrever o mecanismo básico de reprodução de células de todos os seres vivos
       (mitose), a partir de observações ao microscópio ou de suas representações;
        Associar o processo de reprodução celular com a multiplicação celular.
    Identificar a seqüência de eventos que ocorrem no desenvolvimento embrionário
       até a formação de um novo ser;

    Representar diferentes tipos de células;

    Identificar e caracterizar os tipos de tecidos que constitui os seres vivos;

    Reconhecer a importância da classificação biológica para a organização e
       compreensão da enorme diversidade de seres vivos;

      Conhecer e utilizar os principais critérios de classificação, regras de
       nomenclatura e categorias taxonômicas reconhecidas atualmente.

      Reconhecer as principais características dos representantes de cada um dos cinco
       reinos, identificando especificidades relacionadas às condições ambientais.

      Analisar as diferentes doenças virais, bacterianas e protistas e reconhecer as suas
       importâncias diante da sociedade.
   Identificar e localizar as estruturas que compõe o sistema digestivo, respiratório,
       cardiovascular e excretor.

      Descrever o funcionamento do corpo humano e reconhecer sua importância para nossa
       sobrevivência.

      Conhecer as principais doenças que comprometem o funcionamento do corpo e
       incentivar a valorização do autocuidado com a saúde.




                        Conteúdos programáticos por Unidade

I Unidade                              II Unidade

 1. As divisões celulares (mitose          1.Taxonomia – Sistema de classificação dos
    e meiose).                                 Seres Vivos.
   2. Reprodução (sexuada e                     Histórico
     assexuada).                                Táxons
   3. Gametas (espermatozóides                  Regras de classificação para espécie.
     e óvulos).                                 Cinco Reinos – visão geral
   4. Sistema genital masculino e             - Classificação filogenética ou cladística
     feminino.
   5. Fecundação.                          2. Reino Monera, Protista e Fungi; Os Vírus.
   6. DSTs.
   7. Desenvolvimento                                 Características
     embrionário (segmentação,                        Classificação/Estruturas       dos
     gastrulação, organogênese,                        seres/Exemplos.
     anexos         embrionários,                     Benefícios.
     placenta).                                       Prejuízos/Doenças
   8. Desenvolvimento
     embrionário humano.
   9. Histologia (tecido epitelial,
     conjuntivo,    muscular     e
     nervoso).


III Unidade                            IV Unidade

     1. Reino Vegetal                         1. Reino Animal
         Divisões:      Talófitos,             Filos:     Poríferos,    Celenterados,
          Briófitas,  Pteridófitas,              Platelmintos, Asquelmintos, Anelídeos,
          Gimnospermas            e              Artrópodes, Moluscos, Equinodermos e
          Angiospermas.                          Cordados.
         (Estruturas    evolutivas,              - (Anatomia, fisiologia e evolução das
adaptação, funções dos órgãos e                  espécies).
utilidades).
                                              2. Fisiologia humana
2. A fotossíntese.                          -     Sistema      digestivo;  Sistema
                                               respiratório; Sistema Cardiovascular e
                                               Sistema excretor.




                 Estrutura Curricular para a 3ª Série Ensino Médio



Ementa

Temas:

    Genética. Biotecnologia. Evolução Humana . Ecologia.



Objetivos Específicos



→ Discutir a hipótese da pangênese de hipócrates e confrontar os aspectos que a tornam
irreal;

→ Identificar os trabalhos de Mendel referente à segregação dos cromossomos
homólogos, discutindo as bases celulares para essa separação;

→ Conceituar genótipo e explicar sua relação com o fenótipo, caracterizando os termos
genéticos voltados a estes conceitos;

→ Reconhecer o sistema de grupos sanguíneos ABO, compreendendo os princípios
envolvidos na incompatibilidade entre certos tipos de sangue;

→ Aplicar conhecimentos relativos à segregação independente de dois pares de alelos e
à probabilidade na resolução de problemas que envolvem cruzamentos genéticos;

→ Reconhecer a estrutura do DNA, compreendendo a maneira pela qual essa molécula
armazena informações genéticas;

→ Analisar como os conhecimentos genéticos podem ser aplicados na biotecnologia;

→ Reconhecer os principais fatores evolutivos responsáveis pela variedade genética
atual;

→ Identificar as formas pelas quais o fluxo de energia e de matéria ocorrem nos
ecossistemas, utilizando dos conceitos básicos da ecologia;

→ Discutir os diversos tipos de relações ecológicas, identificando-as;
→ Reconhecer os principais problemas decorrentes da exploração dos recursos naturais
e do desenvolvimento tecnológico, formando possíveis maneiras de melhorar a
qualidade de vida das gerações futuras.



                           Conteúdos Programáticos por Unidade.

I Unidade                                   II Unidade
 1. Origens da genética;                       1. 2ª lei de Mendel;
 2. 1ª lei de Mendel;                          2. Interação gênica.
 3. Genótipo x Fenótipo;
 4. Heredograma;
 5. Alelos múltiplos – Grupos sanguíneos.


III Unidade                                 IV Unidade

 1. Gene;                                      1. Níveis de organização;
 2. Transcrição gênica;                        2. Habitat e Nicho ecológico;
 3. Biotecnologia: manipulação gênica;         3. Cadeia e teia alimentar;
 4. Evolução humana.                           4. Relações ecológicas;
                                               5. Problemas ambientais.




V – Procedimentos Metodológicos



       Fundamental para que haja um circuito interativo entre professor e aluno, é a
maneira como o conteúdo é trabalhado em sala de aula. A educação necessita de
profissionais comprometidos com uma pedagogia de aprimoramentos de conceitos e
atuantes em práticas que assegurem um melhor aprendizado e postura diante dos fatos.
       É importante que mediante conteúdo, o aluno sinta-se estimulado a investigar a
natureza e a ele próprio, despertando tanto o raciocínio interpretativo e lógico, quanto o
senso de observação e o senso crítico.
       O processo de ensino-aprendizagem é bilateral, dinâmico e coletivo, portanto é
necessário que se estabeleçam parcerias entre o professor e os alunos e dos alunos entre
si. Alguns procedimentos metodológicos servem de estratégias e podem ser seguidos
variando de acordo com a necessidade da turma trabalhada, visando melhor
aprendizagem doas alunos, de atendendo, sobretudo as particularidades de cada turma.

Avaliação da participação do aluno em sala de aula: Considera o interesse do aluno
além da formulação de hipótese e seus conhecimentos prévios.
Jogos: Permite o desenvolvimento espontâneo e criativo dos alunos além de oferecer
um aprendizado lúdico e prazeroso.
Trabalhos individuais de pesquisa: A quantidade de informações hoje disponíveis e
da velocidade com que elas surgem, é uma ferramenta útil para o aprendizado e
posterior uso cotidiano.

Seminários: Permite que o aluno aprenda a organizar idéias, consiga expor e defende-
las perante um público que assiste. O método possibilita o aluno a tornar-se seguro, e
estimula a criatividade na preparação dos materiais utilizados na apresentação.
Experiências: Devem ser práticas e levantar problemas, relacionando-os a uma
situação real, aplicando princípios teóricos para sua resolução; concilia teoria / prática
(Demonstração didática e/ou aulas práticas).
Aulas práticas: Criam novas perspectivas para que o aluno possa expor verdadeiras
questões, permitindo-lhe progredir.
Textos informativos: Cria oportunidade de interdisciplinaridade, posto que envolve
compreensão, comentários e interpretação das informações recebidas.
Estudo dirigido: estimula o educando a seguir orientações didáticas, possibilitando o
aluno a aprender interpretar, tornando-o mais independente.
Resumo / esquemas: Cria o hábito de estudar fazendo anotações que poderão ser
utilizadas para tirar dúvidas posteriores.
Visita a laboratórios: estimula a capacidade de assimilação, a curiosidade científica,
etc.
Leituras diversas: Estimula o raciocínio e amplia o vocabulário.




VI – Avaliação



       A avaliação é um instrumento fundamental para se obter informações sobre o
processo de ensino-aprendizagem. Necessariamente, deve estar vinculado aos objetivos
da aprendizagem. Além disso, têm a finalidade de revelar fragilidades e lacunas, pontos
que necessitam de reparo e modificação por parte do professor. Ou seja, a avaliação
deve estar centrada tanto no julgamento dos resultados apresentados pelos alunos
quanto na análise do processo de aprendizado.
Geralmente, as escolas adotam a norma de avaliação mais tradicional a
somatória no qual é obrigatório a realização de uma prova no valor de 5,0 pontos,
enquanto os outros 5,0 pontos são distribuídos a critério do professor. Essa forma de
avaliação possibilita que o aluno possa compreender o assunto como também perceber a
importância de atitudes e comportamentos dentro da sala
       As avaliações são diversas, podem ser avaliações processuais, com participação
do aluno em sala de aula, realizações de trabalhos de pesquisa, trabalhos em grupo,
auto-avaliação ou mesmo prova classificatória. Cabe o professor observar as
características da turma, suas particularidades e escolher a melhor maneira para avaliar
seus alunos, aproveitando ao máximo o que cada aluno tem de melhor.
       A recuperação que a escola propõe é uma única prova realizada ao final da 4º
Unidade quando o aluno não consegue obter a média 5,0. A prova de recuperação tem o
valor de 10,0 sendo aprovado o aluno que obter a média.
       De acordo com a Lei de diretrizes e Bases (LDB) a avaliação deve ser contínua e
priorizar a qualidade e o processo de aprendizagem, proporcionando a verificação do
desempenho do aluno ao longo de todo o ano e não apenas em uma prova ou um
trabalho, ou seja, avaliação formativa a qual considera que cada aluno tem um ritmo
próprio de aprendizagem.




VII – Recursos:



    Data-show, sala ambiente, caixa amplificada.
    Aparelho de DVD;
    Vídeo;
    Televisão;
    Mídias de DVDs;
    Quadro branco;
    Piloto, apagador;
    Livro texto do aluno e outros; Módulos, textos.
    Informes de revistas;
    Retroprojetor;
    Transparências;
 Material de laboratório e outros;
    Lápis de cor; lápis cera, hidrocor.
    Espaço da sala de aula, Sala de ciências.
    Maquetes diversas;
    Computador;
    Multifuncional;
    Máquina de xérox;
    Material de papelaria.




VIII – Referências Bibliográficas:


LOPES, S., Biologia – volume único / Sônia Lopes, Sérgio Rosso. – 1. Ed – São Paulo:
Saraiva, 2005.

MENEGOLLA, M. Por que planejar? Como Planejar? Petrópolis. Rio de Janeiro:
Vozes, 1996.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Parâmetros Curriculares Nacionais.
Rio de Janeiro: 1998. 52

Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências. Versão preliminar. Secretaria de ensino
Fundamental – MEC, 1995.

PAULINO. Biologia. Série Novo Ensino Médio. Ed. Ática, São Paulo, SP, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017Diogo Santos
 
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-11554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1KetlenBatista
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celularNara Silva
 
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieira
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieiraProposta curricular de biologia 2010 severino vieira
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieirafamiliaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010familiaestagio
 
Plano de aula deiseane 03
Plano de aula deiseane 03Plano de aula deiseane 03
Plano de aula deiseane 03familiaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeirofamiliaestagio
 
Proposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieiraProposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieiraLorenabiologia
 
Coleção explorando o ensino médio biologia
Coleção explorando o ensino médio   biologiaColeção explorando o ensino médio   biologia
Coleção explorando o ensino médio biologianetoalvirubro
 
Plano semanal 4 e 5
Plano semanal 4 e 5Plano semanal 4 e 5
Plano semanal 4 e 5wil
 
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017Diogo Santos
 

Mais procurados (16)

Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 1 2014 2017
 
Otm biologia
Otm biologiaOtm biologia
Otm biologia
 
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-11554500699 apostila biologia-enem-volume-1
1554500699 apostila biologia-enem-volume-1
 
Biologia celular
Biologia celularBiologia celular
Biologia celular
 
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieira
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieiraProposta curricular de biologia 2010 severino vieira
Proposta curricular de biologia 2010 severino vieira
 
Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010Proposta curricular de biologia 2010
Proposta curricular de biologia 2010
 
Plano de aula deiseane 03
Plano de aula deiseane 03Plano de aula deiseane 03
Plano de aula deiseane 03
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
 
Proposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieiraProposta curricular severino vieira
Proposta curricular severino vieira
 
Teoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelulaTeoria microscopiocelula
Teoria microscopiocelula
 
Plano de curso 7ano
Plano de curso 7anoPlano de curso 7ano
Plano de curso 7ano
 
Plano de aula III
Plano de aula IIIPlano de aula III
Plano de aula III
 
Coleção explorando o ensino médio biologia
Coleção explorando o ensino médio   biologiaColeção explorando o ensino médio   biologia
Coleção explorando o ensino médio biologia
 
Plano semanal 4 e 5
Plano semanal 4 e 5Plano semanal 4 e 5
Plano semanal 4 e 5
 
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
Caderno do aluno biologia 2 ano vol 2 2014 2017
 
Plano de aula 6 alana
Plano de aula 6   alanaPlano de aula 6   alana
Plano de aula 6 alana
 

Semelhante a Proposta curricular

Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoDiana Costa
 
Proposta curricular tais, paula e charlene
Proposta curricular tais, paula e charleneProposta curricular tais, paula e charlene
Proposta curricular tais, paula e charlenefamiliaestagio
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeirofamiliaestagio
 
Proposta curricular cetepa adailton, hiplito, rondinelle,tereza
Proposta curricular cetepa adailton, hiplito, rondinelle,terezaProposta curricular cetepa adailton, hiplito, rondinelle,tereza
Proposta curricular cetepa adailton, hiplito, rondinelle,terezafamiliaestagio
 
Proposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,tereza
Proposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,terezaProposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,tereza
Proposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,terezafamiliaestagio
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiafamiliaestagio
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netofamiliaestagio
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiafamiliaestagio
 
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasPc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasfranciele_regina
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022dibugiu
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprpfamiliaestagio
 
Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10luziabiologa2010
 
Conecte biologia -
Conecte   biologia - Conecte   biologia -
Conecte biologia - Sônia Lopes
 
Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012Linna Braga
 
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestreGuia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestreCEPI-INDEPENDENCIA
 
a origem da biologia e as bases do pensamento
a origem da biologia e as bases do pensamento a origem da biologia e as bases do pensamento
a origem da biologia e as bases do pensamento Gisleno Alves
 
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL neivaldolucio
 

Semelhante a Proposta curricular (20)

Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de curso
 
Proposta curricular tais, paula e charlene
Proposta curricular tais, paula e charleneProposta curricular tais, paula e charlene
Proposta curricular tais, paula e charlene
 
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiroProposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
Proposta curricular de biologia 2010 pedro ribeiro
 
Proposta curricular cetepa adailton, hiplito, rondinelle,tereza
Proposta curricular cetepa adailton, hiplito, rondinelle,terezaProposta curricular cetepa adailton, hiplito, rondinelle,tereza
Proposta curricular cetepa adailton, hiplito, rondinelle,tereza
 
Proposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,tereza
Proposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,terezaProposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,tereza
Proposta curricular cetepa adailton, hipólito, rondinelle,tereza
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
Proposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães netoProposta curricular magalhães neto
Proposta curricular magalhães neto
 
Proposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologiaProposta curricular de biologia
Proposta curricular de biologia
 
Expensbio
ExpensbioExpensbio
Expensbio
 
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_cienciasPc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
Pc sc fundamentos-teoricos_metodologicos_ensino_ciencias
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 1º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 1º ano matutino - 2022
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
 
Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10Plano de luzia alterado 10
Plano de luzia alterado 10
 
Conecte biologia -
Conecte   biologia - Conecte   biologia -
Conecte biologia -
 
Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012Ensino m edio 2012
Ensino m edio 2012
 
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestreGuia de aprendizagem   biologia - 1º ano - 3º bimestre
Guia de aprendizagem biologia - 1º ano - 3º bimestre
 
a origem da biologia e as bases do pensamento
a origem da biologia e as bases do pensamento a origem da biologia e as bases do pensamento
a origem da biologia e as bases do pensamento
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL EJA PLANEJAMENTO ANUAL
EJA PLANEJAMENTO ANUAL
 

Mais de familiaestagio

Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidadefamiliaestagio
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidadefamiliaestagio
 
Planos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidoPlanos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidofamiliaestagio
 
Planos de aulas o correto
Planos de aulas  o corretoPlanos de aulas  o correto
Planos de aulas o corretofamiliaestagio
 
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesPlano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesfamiliaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiiPlano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiifamiliaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)familiaestagio
 
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)familiaestagio
 
Plano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivPlano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivfamiliaestagio
 

Mais de familiaestagio (20)

Portfólio ulisses
Portfólio   ulissesPortfólio   ulisses
Portfólio ulisses
 
Portfólio daniel
Portfólio   danielPortfólio   daniel
Portfólio daniel
 
Plano de aula 05
Plano de aula 05Plano de aula 05
Plano de aula 05
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
 
Plano de aula 04
Plano de aula 04Plano de aula 04
Plano de aula 04
 
Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]Plano de aula_03[1]
Plano de aula_03[1]
 
Plano de aula 02
Plano de aula 02Plano de aula 02
Plano de aula 02
 
Plano de aula 01
Plano de aula 01Plano de aula 01
Plano de aula 01
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
 
Cronograma cetep iv unidade
Cronograma  cetep iv unidadeCronograma  cetep iv unidade
Cronograma cetep iv unidade
 
Cronograma
CronogramaCronograma
Cronograma
 
Planos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigidoPlanos de unidade corrigido
Planos de unidade corrigido
 
Planos de aulas o correto
Planos de aulas  o corretoPlanos de aulas  o correto
Planos de aulas o correto
 
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meirelesPlano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
Plano de unidade adriana fernanades e deiseane meireles
 
Plano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viiiPlano de aula adriana fernandes viii
Plano de aula adriana fernandes viii
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
 
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
Plano de aula adriana fernandes vii (prova)
 
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
Plano de aula adriana fernandes vi ( estudo dirigido)
 
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)Plano de aula adriana fernandes v (teste)
Plano de aula adriana fernandes v (teste)
 
Plano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes ivPlano aula adriana fernandes iv
Plano aula adriana fernandes iv
 

Proposta curricular

  • 1. Governo do Estado da Bahia Secretaria de Educação Colégio Polivalente de Alagoinhas- BA Proposta Curricular de Biologia Ano Letivo 2010 Alagoinhas, Dezembro de 2010
  • 2. Proposta Curricular I – Dados de Identificação Colégio: Polivalente de Alagoinhas Diretora: Glória Cristina L. N. da Mata Área de conhecimento: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Componente Curricular: Biologia Carga Horária: 02 aulas semanais. Professor orientador: Cláudia Regina de Souza Estagiários: Edilândia, Camila, Alana, Gabriel, Marcilia Curso: Formação Geral Segmento: Ensino Médio Séries: 1ª e 2ª . II - Justificativa Pensando-se na necessidade de se construir uma referência para o ensino do Componente Curricular Biologia no Ensino Médio, surge então a Proposta Curricular, que visa garantir a todos os alunos o direito de acesso a conhecimentos imprescindíveis para a construção cidadã. Desta forma, faz-se necessário atentar para o papel educativo que o espaço escolar almeja construir. Os objetivos do ensino e da aprendizagem são mediados através da função ativa imbuída na proposta curricular mediante também da participação social. Segundo o Artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional o Ensino Médio é a“etapa final da educação básica”. Logo, o Ensino Médio passa a ter a característica da terminalidade, o que significa assegurar a todos os cidadãos a oportunidade de consolidar e aprofundar os conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental. É, portanto, a etapa finalizadora de uma educação de caráter geral, afinada com a construção de competências básicas, que situem o educando como sujeito produtor de conhecimento e participante do mundo do trabalho. É nessa etapa, que o estudante, com maior maturidade, mais apto, crítico e integrado à sociedade pode contar com compreensão e responsabilidades tanto em termos da natureza das informações tratadas, dos procedimentos e atitudes envolvidas, como em termos das
  • 3. habilidades, competências e dos valores desenvolvidos, aprendendo desta forma a considerar seus objetivos educacionais e formativos. Os objetivos do Ensino Médio em cada área do conhecimento devem envolver, de forma combinada, o desenvolvimento de conhecimentos práticos, contextualizados, que respondam às necessidades da vida contemporânea, e de conhecimentos mais amplos e abstratos, que correspondam a uma cultura geral e a uma visão abrangente de mundo. De acordo com o (Art.35, incisos I a IV) deve-se aprimorar o educando como pessoa humana; garantir a preparação básica para o trabalho e a cidadania; possibilitar o prosseguimento de estudos; dotar o educando dos instrumentos que o permitam “continuar aprendendo”, tendo em vista o desenvolvimento da compreensão dos “fundamentos científicos e tecnológicos dos processos produtivos”. A história do ensino Médio no Brasil vem sofrendo mudanças a partir das legislações e das questões curriculares de cada área. A consolidação do Estado democrático, as novas tecnologias e as mudanças na produção de bens, serviços e conhecimentos exigem que a escola possibilite aos alunos um circuito de maior integração ao mundo contemporâneo nas dimensões fundamentais da cidadania e do trabalho. A Biologia enquanto componente curricular consegue fazer parte de um circuito dinâmico de ensino-aprendizagem, devido incorporar em seus conteúdos, o estudo do cotidiano do aluno, o estudo geral da vida e do ambiente que o permeia. O conhecimento biológico orientado nas escolas torna-se indubitavelmente relevante para o comportamento individual e coletivo do educando. No entanto, nem sempre as aulas de Biologia atendem a essas expectativas, principalmente se a disciplina assume um caráter meramente descritivo: uma lista de nomes, conceitos e fenômenos que, via regra, precisam ser apenas memorizadas, sem que os alunos ampliem sua compreensão dos assuntos pelos quais se interessavam ou se interessam. Assim, o encanto se quebra, e pouco resta do interesse e motivação para aprender Biologia. As diretrizes estabelecidas nos PCN/99 e PCN+/02 orientam para a produção de um conhecimento interdisciplinar e contextualizado. Sugerem estratégias diversificadas que mobilizam menos a memória e mais o raciocínio, centrado nas interações estudante- professor e estudante-estudante na construção de conhecimentos coletivos. Há de se considerar o interesse dos estudantes pelos temas e a problematização de situações para o desenvolvimento dos conteúdos. A contextualização é um recurso importante para
  • 4. retirar o aluno da condição de espectador passivo, permitindo uma aprendizagem significativa, uma compreensão atualizada não apenas da teoria, como também apto a compreender situações práticas. Desta forma, a proposta elege conteúdos por série, distribuídos nas quatro unidades letivas, mostradas no quadro a seguir. III – Objetivos Gerais  Relacionar o conhecimento interdisciplinar para o entendimento de fatos ou processos biológicos.  Estimular o aluno a pensar de maneira lógica sobre os fatos do cotidiano.  Observar a prática cotidiana como objeto de pesquisa, proporcionando oportunidades de troca de idéias entre os educando e educadores;  Apresentar de forma organizada o conhecimento biológico aprendido.  Visualizar que cada ser vivo apresenta ciclo de vida com etapas e características específicas, portanto, muitas vezes distintas uma das outras. IV - Programa de Disciplina Estrutura Curricular para a 1ª Série Ensino Médio Ementa Temas:  Introdução a Biologia e Origem da vida. Características dos seres vivos. Qualidade de vida. Desequilíbrios ambientais. Doenças. Citologia. Composição química das células. Processos de obtenção de energia dos sistemas vivos.
  • 5. Objetivos Específicos → Validar a profunda interdependência entre os seres vivos e o meio ambiente e como o homem pode interferir de modo a contribuir com sua preservação ou destruição, o que possibilitará o desenvolvimento de uma consciência ecológico; → Identificar diferentes explicações para origem dos seres vivos, confrontando concepções mitológicas, científicas e religiosas. → Reconhecer a célula como menor parte de um ser vivo, distinguindo sua estrutura, organelas e funções. → Conhecer as diferentes composições químicas da célula, substâncias orgânicas e inorgânicas. → Comparar a organização e o funcionamento de diferentes tipos de célula para estabelecer a identidade entre elas. → Analisar o transporte através das membranas e envoltórios celulares. → Analisar os processos de obtenção de energia pelos seres vivos. → Descrever o mecanismo básico de reprodução de células de todos os seres vivos (mitose). → Identificar a natureza do material hereditário em todos seres vivos, analisando sua estrutura química para avaliar a universalidade dessa molécula no mundo vivos. → Analisar esquemas que relacionam os diferentes tipos de ácidos nucléicos, as organelas celulares e o mecanismo de síntese de proteínas, bem como o processo de divisão celular para a constituição dos tecidos. → Identificar e caracterizar os tipos de tecidos que constitui os seres vivos;
  • 6. Conteúdos Programáticos por Unidade. I Unidade II Unidade 1. Origem dos seres vivos; 1. A composição química das células. 2. Geração espontânea ou abiogênese; 2. Água biogênese X abiogênese; 3. Os sais minerais. 3. Hipóteses sobre a origem da vida. 4. Vitaminas 4. Hipótese de Oparin e Haldane 5. Carboidratos. 5. O experimento de Müller. 6. Lipídeos 6. A evolução do metabolismo. 7. Proteínas 7. Origem da vida: Os primeiros seres 8. Enzimas vivos: as bactérias 9. Ácidos nucléicos. 8. Surgimento das células mais 10. Os envoltórios celulares. complexas: as eucarióticas. 11. Processos de troca entre a célula e o meio externo. 9. O tempo geológico. 12. Concentração de uma solução; difusão; osmose; 10. A biosfera. difusão facilitada; transporte ativo; fagocitose e 11. Os reinos dos seres vivos. pinocitose. III Unidade IV Unidade 1. Citoplasma. 1. As divisões celulares (mitose e meiose). 2. Citoesqueleto. 2. Reprodução (sexuada e assexuada). 3. Plastos. 3. Gametas (espermatozóides e óvulos). 4. Mitocôndrias. 4. Sistema genital masculino e feminino. 5. Metabolismo energético das células 5. Fecundação. (fotossíntese, quimiosíntese, 6. DSTs. respiração aeróbia, respiração 7. Desenvolvimento embrionário (segmentação, anaeróbia e fermentação). gastrulação, organogênese, anexos embrionários, 6. Núcleo e síntese protéica (carioteca, placenta). cromatina, nucleoplasma, nucléolo, 8. Desenvolvimento embrionário humano. cromossomos, genes) 9. Histologia (tecido epitelial, conjuntivo, muscular e 7. DNA, duplicação do DNA. nervoso). 8. RNA (síntese, transcrição e tradução).
  • 7. Estrutura Curricular para a 2ª Série Ensino Médio Ementa Reprodução celular. Reprodução humana. DSTs. Desenvolvimento embrionário. Histologia. Taxonomia. Evolução e diversidade dos seres vivos. Regras de nomenclatura. Estudo dos vírus. Reinos (Monera, Protista, Fungi, Plantae e Animalia); Fisiologia humana (Sistema digestivo; Sistema respiratório; Sistema Cardiovascular e Sistema excretor). Objetivos Específicos  Reconhecer a reprodução sexuada e o processo meiótico como fonte de variabilidade genética;  Descrever o mecanismo básico de reprodução de células de todos os seres vivos (mitose), a partir de observações ao microscópio ou de suas representações;  Associar o processo de reprodução celular com a multiplicação celular.  Identificar a seqüência de eventos que ocorrem no desenvolvimento embrionário até a formação de um novo ser;  Representar diferentes tipos de células;  Identificar e caracterizar os tipos de tecidos que constitui os seres vivos;  Reconhecer a importância da classificação biológica para a organização e compreensão da enorme diversidade de seres vivos;  Conhecer e utilizar os principais critérios de classificação, regras de nomenclatura e categorias taxonômicas reconhecidas atualmente.  Reconhecer as principais características dos representantes de cada um dos cinco reinos, identificando especificidades relacionadas às condições ambientais.  Analisar as diferentes doenças virais, bacterianas e protistas e reconhecer as suas importâncias diante da sociedade.
  • 8. Identificar e localizar as estruturas que compõe o sistema digestivo, respiratório, cardiovascular e excretor.  Descrever o funcionamento do corpo humano e reconhecer sua importância para nossa sobrevivência.  Conhecer as principais doenças que comprometem o funcionamento do corpo e incentivar a valorização do autocuidado com a saúde. Conteúdos programáticos por Unidade I Unidade II Unidade 1. As divisões celulares (mitose 1.Taxonomia – Sistema de classificação dos e meiose). Seres Vivos. 2. Reprodução (sexuada e  Histórico assexuada).  Táxons 3. Gametas (espermatozóides  Regras de classificação para espécie. e óvulos).  Cinco Reinos – visão geral 4. Sistema genital masculino e - Classificação filogenética ou cladística feminino. 5. Fecundação. 2. Reino Monera, Protista e Fungi; Os Vírus. 6. DSTs. 7. Desenvolvimento  Características embrionário (segmentação,  Classificação/Estruturas dos gastrulação, organogênese, seres/Exemplos. anexos embrionários,  Benefícios. placenta).  Prejuízos/Doenças 8. Desenvolvimento embrionário humano. 9. Histologia (tecido epitelial, conjuntivo, muscular e nervoso). III Unidade IV Unidade 1. Reino Vegetal 1. Reino Animal  Divisões: Talófitos,  Filos: Poríferos, Celenterados, Briófitas, Pteridófitas, Platelmintos, Asquelmintos, Anelídeos, Gimnospermas e Artrópodes, Moluscos, Equinodermos e Angiospermas. Cordados. (Estruturas evolutivas, - (Anatomia, fisiologia e evolução das adaptação, funções dos órgãos e espécies). utilidades). 2. Fisiologia humana
  • 9. 2. A fotossíntese. - Sistema digestivo; Sistema respiratório; Sistema Cardiovascular e Sistema excretor. Estrutura Curricular para a 3ª Série Ensino Médio Ementa Temas:  Genética. Biotecnologia. Evolução Humana . Ecologia. Objetivos Específicos → Discutir a hipótese da pangênese de hipócrates e confrontar os aspectos que a tornam irreal; → Identificar os trabalhos de Mendel referente à segregação dos cromossomos homólogos, discutindo as bases celulares para essa separação; → Conceituar genótipo e explicar sua relação com o fenótipo, caracterizando os termos genéticos voltados a estes conceitos; → Reconhecer o sistema de grupos sanguíneos ABO, compreendendo os princípios envolvidos na incompatibilidade entre certos tipos de sangue; → Aplicar conhecimentos relativos à segregação independente de dois pares de alelos e à probabilidade na resolução de problemas que envolvem cruzamentos genéticos; → Reconhecer a estrutura do DNA, compreendendo a maneira pela qual essa molécula armazena informações genéticas; → Analisar como os conhecimentos genéticos podem ser aplicados na biotecnologia; → Reconhecer os principais fatores evolutivos responsáveis pela variedade genética atual; → Identificar as formas pelas quais o fluxo de energia e de matéria ocorrem nos ecossistemas, utilizando dos conceitos básicos da ecologia; → Discutir os diversos tipos de relações ecológicas, identificando-as;
  • 10. → Reconhecer os principais problemas decorrentes da exploração dos recursos naturais e do desenvolvimento tecnológico, formando possíveis maneiras de melhorar a qualidade de vida das gerações futuras. Conteúdos Programáticos por Unidade. I Unidade II Unidade 1. Origens da genética; 1. 2ª lei de Mendel; 2. 1ª lei de Mendel; 2. Interação gênica. 3. Genótipo x Fenótipo; 4. Heredograma; 5. Alelos múltiplos – Grupos sanguíneos. III Unidade IV Unidade 1. Gene; 1. Níveis de organização; 2. Transcrição gênica; 2. Habitat e Nicho ecológico; 3. Biotecnologia: manipulação gênica; 3. Cadeia e teia alimentar; 4. Evolução humana. 4. Relações ecológicas; 5. Problemas ambientais. V – Procedimentos Metodológicos Fundamental para que haja um circuito interativo entre professor e aluno, é a maneira como o conteúdo é trabalhado em sala de aula. A educação necessita de profissionais comprometidos com uma pedagogia de aprimoramentos de conceitos e atuantes em práticas que assegurem um melhor aprendizado e postura diante dos fatos. É importante que mediante conteúdo, o aluno sinta-se estimulado a investigar a natureza e a ele próprio, despertando tanto o raciocínio interpretativo e lógico, quanto o senso de observação e o senso crítico. O processo de ensino-aprendizagem é bilateral, dinâmico e coletivo, portanto é necessário que se estabeleçam parcerias entre o professor e os alunos e dos alunos entre si. Alguns procedimentos metodológicos servem de estratégias e podem ser seguidos variando de acordo com a necessidade da turma trabalhada, visando melhor aprendizagem doas alunos, de atendendo, sobretudo as particularidades de cada turma. Avaliação da participação do aluno em sala de aula: Considera o interesse do aluno além da formulação de hipótese e seus conhecimentos prévios.
  • 11. Jogos: Permite o desenvolvimento espontâneo e criativo dos alunos além de oferecer um aprendizado lúdico e prazeroso. Trabalhos individuais de pesquisa: A quantidade de informações hoje disponíveis e da velocidade com que elas surgem, é uma ferramenta útil para o aprendizado e posterior uso cotidiano. Seminários: Permite que o aluno aprenda a organizar idéias, consiga expor e defende- las perante um público que assiste. O método possibilita o aluno a tornar-se seguro, e estimula a criatividade na preparação dos materiais utilizados na apresentação. Experiências: Devem ser práticas e levantar problemas, relacionando-os a uma situação real, aplicando princípios teóricos para sua resolução; concilia teoria / prática (Demonstração didática e/ou aulas práticas). Aulas práticas: Criam novas perspectivas para que o aluno possa expor verdadeiras questões, permitindo-lhe progredir. Textos informativos: Cria oportunidade de interdisciplinaridade, posto que envolve compreensão, comentários e interpretação das informações recebidas. Estudo dirigido: estimula o educando a seguir orientações didáticas, possibilitando o aluno a aprender interpretar, tornando-o mais independente. Resumo / esquemas: Cria o hábito de estudar fazendo anotações que poderão ser utilizadas para tirar dúvidas posteriores. Visita a laboratórios: estimula a capacidade de assimilação, a curiosidade científica, etc. Leituras diversas: Estimula o raciocínio e amplia o vocabulário. VI – Avaliação A avaliação é um instrumento fundamental para se obter informações sobre o processo de ensino-aprendizagem. Necessariamente, deve estar vinculado aos objetivos da aprendizagem. Além disso, têm a finalidade de revelar fragilidades e lacunas, pontos que necessitam de reparo e modificação por parte do professor. Ou seja, a avaliação deve estar centrada tanto no julgamento dos resultados apresentados pelos alunos quanto na análise do processo de aprendizado.
  • 12. Geralmente, as escolas adotam a norma de avaliação mais tradicional a somatória no qual é obrigatório a realização de uma prova no valor de 5,0 pontos, enquanto os outros 5,0 pontos são distribuídos a critério do professor. Essa forma de avaliação possibilita que o aluno possa compreender o assunto como também perceber a importância de atitudes e comportamentos dentro da sala As avaliações são diversas, podem ser avaliações processuais, com participação do aluno em sala de aula, realizações de trabalhos de pesquisa, trabalhos em grupo, auto-avaliação ou mesmo prova classificatória. Cabe o professor observar as características da turma, suas particularidades e escolher a melhor maneira para avaliar seus alunos, aproveitando ao máximo o que cada aluno tem de melhor. A recuperação que a escola propõe é uma única prova realizada ao final da 4º Unidade quando o aluno não consegue obter a média 5,0. A prova de recuperação tem o valor de 10,0 sendo aprovado o aluno que obter a média. De acordo com a Lei de diretrizes e Bases (LDB) a avaliação deve ser contínua e priorizar a qualidade e o processo de aprendizagem, proporcionando a verificação do desempenho do aluno ao longo de todo o ano e não apenas em uma prova ou um trabalho, ou seja, avaliação formativa a qual considera que cada aluno tem um ritmo próprio de aprendizagem. VII – Recursos:  Data-show, sala ambiente, caixa amplificada.  Aparelho de DVD;  Vídeo;  Televisão;  Mídias de DVDs;  Quadro branco;  Piloto, apagador;  Livro texto do aluno e outros; Módulos, textos.  Informes de revistas;  Retroprojetor;  Transparências;
  • 13.  Material de laboratório e outros;  Lápis de cor; lápis cera, hidrocor.  Espaço da sala de aula, Sala de ciências.  Maquetes diversas;  Computador;  Multifuncional;  Máquina de xérox;  Material de papelaria. VIII – Referências Bibliográficas: LOPES, S., Biologia – volume único / Sônia Lopes, Sérgio Rosso. – 1. Ed – São Paulo: Saraiva, 2005. MENEGOLLA, M. Por que planejar? Como Planejar? Petrópolis. Rio de Janeiro: Vozes, 1996. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Parâmetros Curriculares Nacionais. Rio de Janeiro: 1998. 52 Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências. Versão preliminar. Secretaria de ensino Fundamental – MEC, 1995. PAULINO. Biologia. Série Novo Ensino Médio. Ed. Ática, São Paulo, SP, 2002.