Portifolio 2010.2

12.762 visualizações

Publicada em

1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seu potfolio me ajudou muito, pois não sabia como fazer . Agora posso montar o meu.

    Muito obrigado. Beijos.............
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.762
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
160
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portifolio 2010.2

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - CAMPUS II DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - DCET CAMPUS II - ALAGOINHAS ELIANE MARIA DE SANTANA ALAGOINHAS 2011
  2. 2. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - CAMPUS II DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - DCET CAMPUS II - ALAGOINHAS ELIANE MARIA DE SANTANA Portfólio apresentado ao curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade do Estado da Bahia como requisito para conclusão do Estágio Supervisionado II sob a regência da Prof. Cláudia Regina Teixeira de Souza ALAGOINHAS 2011
  3. 3. REFLEXÃO... <ul><li>“ (...) Valeu a pena? Tudo vale a pena. </li></ul><ul><li>Se a alma não é pequena. </li></ul><ul><li>Quem quer passar além do Bojador. </li></ul><ul><li>Tem que passar além da dor”. </li></ul><ul><li>(Fernando Pessoa) </li></ul>
  4. 4. O ESTÁGIO <ul><li>O Estágio é um processo muito importante na formação de educadores, sendo uma das etapas de aspectos indispensáveis para a formação da construção de identidade em que o graduando pode vivenciar experiências, conhecendo melhor sua área de atuação a fim de adequar-se às expectativas do mercado de trabalho. Deste modo, o estágio dá oportunidade de conectar a relação teoria e prática baseado-se no processo metodológico para o desenvolvimento de competência profissional utilizando os conhecimentos adquiridos. </li></ul><ul><li>A proposta de estágio foi aplicada a partir da elaboração de planos semanais contendo seqüências didáticas que busquem potencializar as relações interativas em sala de aula e acompanhadas de proposta de avaliação que seja viável a realidade dos estudantes. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>O período de estágio que envolveu as fases de observação e regência que é parte complementar do Estágio Supervisionado II, ministrado pela docente Cláudia Regina Teixeira de Souza correspondente ao 8º semestre do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade do Estado da Bahia – UNEB, foi realizado entre 13 de setembro a 10 de dezembro de 2010. Este foi realizado no Colégio Estadual de Alagoinhas, na modalidade EJA, na sala do EIXO VII 3M1 do Ensino Médio no turno matutino com a presença de vinte e nove alunos e que teve como regente a professora Sandra Ribeiro. </li></ul><ul><li>As aulas eram sempre as segundas-feiras o primeiro e segundo horários e as sextas-feiras o quarto e quinto horários com uma carga horário de quatro horas semanais. </li></ul>
  6. 6. A ESCOLA <ul><li>O Colégio Estadual de Alagoinhas, está localizado na Praça Alcindo Camargo s/n Centro, na modalidade de ensino EJA Fundamental e Médio.  </li></ul>A função principal da Escola, é a socialização do conhecimento, via currículo, sendo o professor que exerce tal função e, junto a seus alunos é o mediador do processo de socialização e (re) construção desse conhecimento. (Barreto, 1991)
  7. 7. <ul><li>A educação de jovens e adultos é uma modalidade de ensino, amparada por lei e voltada para pessoas que não tiveram acesso, por algum motivo, ao ensino regular na idade apropriada. Porém são pessoas que têm cultura própria. Sabe-se que o papel docente é de fundamental importância no processo de reingresso do aluno às turmas de EJA. O perfil do professor da EJA é muito importante para o sucesso da aprendizagem do aluno adulto que vê seu professor como um modelo a seguir. </li></ul><ul><li>A direção é representada por Ana Rita Carneiro Marciel de Faro e pela vice-diretora professora Sandra Ribeiro. </li></ul><ul><li>A escola conta com dez funcionários, onde três são da merenda escolar, dois da limpeza, dois da portaria e três auxiliar administrativo, e uma secretária escolar.  A escola possui oito salas de aula que são bem iluminadas, arejadas por meio de grandes janelas e em algumas salas contem ventiladores e outras ar-condicionado , um sala de professores com banheiro, um cozinha, um secretaria, apenas dois minúsculos banheiros, não possui biblioteca, cantina, área de lazer, laboratório, auditório, sala de informática, nem área coberta. </li></ul><ul><li>Possui como recurso áudio-visual TV Pen drive e aparelhos de DVD . </li></ul>
  8. 8. A TURMA <ul><li>Na realização do estágio o que me deixa mais ansiosa é a turma, o modo de como eles irão me receber, e não saber qual o perfil dos alunos. Mais essa ansiedade foi passando no decorrer do período de observação onde fui esboçando um perfil dos alunos. A partir do momento em que comecei a conhecer a turma do EIXO VII 3M1 da modalidade EJA, na qual realizei meu estágio fui percebendo que a turma era muito educada e tranqüila. </li></ul><ul><li> A turma era composta por vinte e nove alunos, formadas por jovens e adultos, com distorção série/idade, os mesmos são oriundos da zona rural e de bairros pobres da zona urbana. Alguns alunos são trabalhadores, donas de casa com filhos e companheiros, jovens e adultos (senhores e senhoras) buscando espaço no mercado de trabalho que retomaram seus estudos. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>A principal dificuldade apresentada no processo ensino- aprendizagem é a deficiência na leitura e escrita. </li></ul><ul><li>Esta turma foi muito especial pois aprendi com eles muitas coisas boas, me fizeram ter momentos únicos dos quais não havia ainda vivenciado em um estágio, eles eram bastantes compreensivos e amigos todo tempo. Aos poucos fui conquistando o carinho de todos o que tornou o estágio até prazeroso. </li></ul><ul><li>A proximidade entre o professor e o aluno proporciona inúmeras formas de interação, na qual possibilita diálogos intensos criando infinitas maneiras de auxiliar os alunos, caracterizando uma forma de demonstração de atenção bastante eficiente e facilmente notada por eles. </li></ul><ul><li>Toda aprendizagem está impregnada de afetividade, já que ocorre a partir das interações sociais, num processo vincular. (FERNÁNDEZ, 1991) </li></ul>A interação e comunicação entre educador e educando tem uma relevância tal que pode favorecer ou não o desenvolvimento da aprendizagem dos alunos da EJA. (Oliveira, 1999)
  10. 10. A PROFESSORA <ul><li>A professora Sandra Ribeiro graduada em Ciências Biológicas na Universidade do Estado da Bahia - UNEB leciona em diversas turmas nesta escola. Foi receptiva, e aceitou sem maiores receios, vontade em ter uma estagiária. Mantém bom relacionamento com os demais professores, com a direção e a coordenação, sendo muito agradável e receptiva durante todo o período do estágio. </li></ul><ul><li>No período de observação pude presenciar que a mesma apresentava um excelente domínio de classe, segurança na realização das aulas na qual estava sempre relacionando o assunto ao cotidiano, compreendendo a necessidade dos alunos respeitando a pluralidade cultural, as identidades, as questões que envolvem classe, raça, saber e linguagem, a mesma sempre solicitando a participação dos alunos tanto nas aulas como na resolução das atividades. </li></ul><ul><li> Me senti muito à vontade com a professora Sandra Ribeiro. Por ela ser bastante compreensiva e está sempre disposta ajudar quando necessário, o que me fez realizar um bom estágio. </li></ul>O professor é um profissional do humano que ajuda o desenvolvimento pessoal e intersubjetivo do aluno, sendo um facilitador de seu acesso ao conhecimento. (PIMENTA E LIMA 2004).
  11. 11. LIVRO DIDÁTICO <ul><li>Livro Didático: é fundamental para o processo de ensino-aprendizado, pois é um instrumento pelo qual os alunos são introduzidos na aprendizagem de uma disciplina. </li></ul><ul><li>O livro utilizado durante o estágio foi Bio, volume único de Sônia Lopes e Sérgio Rosso 2006, este foi disponibilizado pela escola para os alunos para que servisse como suporte nas aulas, sendo que não havia quantidade suficiente para todos os alunos, assim os mesmos só o utilizavam na escola. </li></ul><ul><li>Gostei muito do livro pois apresentava leitura de fácil entendimento com uma enorme diversidade de imagens, o mesmo serviu como um ótimo aliado para a realização das aulas, o qual sempre estava procurando utilizar para que os alunos treinassem a leitura. Me senti muito a vontade com este recurso pois acho que é um recurso muito importante para o aprendizado dos educandos. </li></ul><ul><li> Porém utilizei outros recursos tais como: o quadro branco, material impresso, TV Pen drive, estudo dirigido, quadro comparativo, etc., para que fosse possível ampliar as probabilidades de aprendizado e contextualização. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Os materiais didáticos utilizados foram de extrema importância para a realização das aulas. </li></ul>Mesmo com o avanço tecnológico e científico, a necessidade do livro didático é indiscutível, sendo ainda o principal instrumento de direcionamento de professores e alunos em suas atividades de sala de aula. Sendo que este sempre será um dos materiais educativos mais utilizados na escola. Além de auxiliar o professor no exercício de sua prática pedagógica também representa muitas vezes para o aluno da escola pública, a única fonte de informação científica (CARMAGNANI 1999). O professor tem a liberdade de escolher as obras didáticas para seus alunos em função do conhecimento que tem dos livros, da escola e dos alunos. Pode ainda usar de materiais impressos para o ensino de sua disciplina: dicionários, revistas, jornais e outros e, até mesmo, elaborar seus próprios textos, incentivando assim as muitas formas de ler. (CAMPOS, 1987)
  13. 13. OBSERVAÇÃO <ul><li> A Observação compõe a primeira etapa do Estágio Supervisionado I, momento da concretização e de diagnóstico local, onde é possível verificar como ocorre à prática e a rotina escolar. </li></ul><ul><li>Em minha primeira visita ao colégio, fui recebida pela professora Sandra Ribeiro que me tratou muito bem a qual informou sobre os horários das aulas. Esta foi realizada em três semanas compreendendo o período de 13/09/2010 a 27/09/2010 no Colégio Estadual de Alagoinhas, em uma turma de EJA EIXO VII 3M1 do Ensino Médio, no turno matutino, sob a regência da profª. Sandra Ribeiro. Nessas aulas, a professora regente me apresentou aos alunos, sentei-me no fundo da sala e prossegui minha observação. Os alunos ficaram um pouco tímidos, mas não deixaram de conversar com os colegas. As aulas começaram no horário, indo sempre até o último minuto da aula. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>O período que ocorreu a observação foi o tempo suficiente para que eu conhecesse um pouco a turma, visualizando o perfil de cada um. Me senti bastante confortável na sala, os alunos foram muito receptivos me deixando muito à vontade como se já me conhecessem a muito tempo. </li></ul><ul><li>Durante as aulas observadas, a professora regente não utilizou recursos além do quadro branco, piloto e livros didáticos. A turma era composta por vinte e nove alunos, mas alguns não participam regularmente. Nem todos participavam da aula questionando ou resolvendo os exercícios. </li></ul><ul><li>Por trás das propostas metodológicas se escondem valores e idéias em relação aos processos de ensinar e aprender. ( ZABALA, 1998) </li></ul>
  15. 15. COMO É SER PROFESSOR... <ul><li>Notei que ser professor é uma tarefa bem difícil, pois precisa se dedicar, e muito, aos estudos, a pesquisa, ao seu desenvolvimento profissional e aos seus alunos, onde encontramos desafios todos os dias, como ensinar o aluno a pensar, a pesquisar, etc. As aulas de observação serviram para que eu percebesse como seria a turma que eu ira assumir como professora nas próximas semanas. </li></ul>O professor é um profissional do humano que ajuda o desenvolvimento pessoal e intersubjetivo do aluno, sendo um facilitador de seu acesso ao conhecimento. (PIMENTA E LIMA 2004)
  16. 16. <ul><li>No início a regência foi um pouco difícil, sendo que estava vivendo uma nova experiência, onde logo consegui me adaptar na condição da qual passei de aluna para professora, e pude desenvolver bem meu trabalho com os alunos. Durante o período de regência, fiz o possível para que os alunos se sentissem construtores de seu aprendizado e não apenas identificadores de conceitos, buscando sempre uma interação entre aluno-professor e que valorizasse o conhecimento prévio de cada um deles. </li></ul>
  17. 17. REGÊNCIA 1ª SEMANA <ul><li>Na primeira aula que ocorreu no dia 13/10/2010, transcorreu tudo bem de início foi realizada uma dinâmica para descontração do aluno com o professor. Nesta dinâmica os alunos apresentavam os colegas e davam-lhes alguma qualidade como se fossem eles mesmos, alguns demonstraram uma certa timidez só falando o próprio nome, mais foi bem divertido. Alguns comentaram que gostavam da disciplina, enquanto outros afirmarem que não gosta nenhum pouco da disciplina. </li></ul><ul><li>Logo após a dinâmica houve aula dialogada e expositiva com o uso do dorso humano visualizando os componentes do sistema respiratório, onde foram feitas perguntas para saber dos conhecimentos prévios dos alunos. </li></ul><ul><li>No decorrer da aula grande parte dos alunos apreciou e participou fazendo perguntas e respondendo os questionamentos que a discente fez. E posteriormente foi solicitada uma pesquisa sobre doenças relacionadas com o aparelho respiratório. </li></ul><ul><li>Nesta primeira semana de aula acho que como todo mundo senti aquele friozinho na barriga, pela ansiedade de como seria minha primeira aula, de início fiquei um pouco nervosa, mais os alunos foram bastante compreensivos me dizendo que eu ficasse tranqüila que eles entediam, o que foi me fazendo ficar mais calma assim conseguindo realizar bem a aula. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>O inter-relacionamento dinâmico de todas essas dinâmicas entre si e com todo do qual são partes é o grande desafio do processo de ensino e de aprendizagem. (Macedo1998) </li></ul><ul><li>Se professores e alunos são indivíduos interativos que vivem em determinado espaço-tempo histórico, em conseqüência temos para cada um deles um “conjunto de relações sociais” que necessitam ser compartilhadas na sala de aula em um trabalho teórico/prático, histórico/social, técnico/político que contribua para formar cidadãos que possam produzir não só o mundo dos bens materiais e culturais, mas também o próprio modo de ser e agir de cada um. </li></ul>A relação pedagógica não pode se resumir à simples transmissão de um conhecimento, é o encontro de sujeitos que pensam dentro de afetos”, portanto, na relação entre professor e aluno deve se permitir tocar e ser tocado. O professor precisa estar atento e sensível às carências e necessidades dos alunos. (Costa, 1999)
  19. 19. REGÊNCIA 2ªSEMANA <ul><li>Na aula no dia 18/10/2010, continuação do assunto sistema respiratório com formação de grupos pra discussão de textos distintos distribuídos para construção de quadro comparativo sobre doenças relacionadas ao sistema respiratório, mais sendo que todos responderam individualmente, e posteriormente um representante de cada grupo falou sobre seu tema para os outros grupos. A aula aconteceu tranqüila, e pude observar a coletividade dos mesmos na realização da atividade. </li></ul><ul><li> Esta aula foi bastante legal, eu estava mais tranqüila, me senti mais à vontade com a turma, e percebi e eles curtiram bastante essa aula me deixando mais segura. </li></ul><ul><li>Conversar com o outro pressupõe a abertura para mudar junto com o outro; de uma conversa bem-sucedida ocorrerá alguma mudança no pensar, no perceber, no sentir ou no agir dos envolvidos. (OSÓRIO, 2003) </li></ul>
  20. 20. Na aula do dia 22/10/2010 os alunos forma convidados para uma Feira de Ciências no Colégio Ênfase, onde puderam ver assuntos interessantes como sobre o biodiesel, eletricidade e robótica, sendo tudo devidamente fotografado. Numa atividade grupal de ensinagem, os docentes precisam ter domínio dos determinantes dessas estratégias. O professor precisa estar atento e disponível, conversando e acompanhando os processos e os grupos na sala de aula. Gostei muito deste dia, pois foi um momento onde me senti feliz, por saber da responsabilidade que eu estava tendo a partir do momento em que estava levando meus alunos a outra escola para que pudessem participar de um evento.
  21. 21. REGÊNCIA 3ªSEMANA <ul><li>Nesta aula do dia 25/10/2010, começamos com o assunto do sistema circulatório onde os alunos conheceram os elementos que compõem o sistema. A aula foi explanada com o auxilio da TV Pen drive para visualização imagens do sistema circulatório, os alunos prestaram atenção, apreciaram a aula já que não utilizam constantemente esse recurso e participaram fazendo perguntas. Em seguida foi realizada a resolução de atividade digitalizada e posteriormente houve a correção. Que aconteceu de maneira bem tranqüila. </li></ul><ul><li>Nesta aula me senti tranqüila, pois já estava me adaptando a turma, consegui transmitir o assunto com clareza, passando segurança sobre o assunto. </li></ul><ul><li>O vídeo só deve ser utilizado como estratégia quando for adequado, quando puder contribuir significativamente para o desenvolvimento do trabalho. (MANDARINO, 2002) </li></ul>
  22. 22. REGÊNCIA 4ªSEMANA <ul><li>A aula do dia 03/11/2010, foi muito produtiva onde foi realizada aula prática de tipagem sangüínea, na qual foi solicitada a formação de grupos de 4 a 5 pessoas e que o grupo escolheu um voluntário, para realização da coleta de sangue para aula prática. Todos queriam participar. Os alunos prestaram atenção na explicação de como seria realizada a aula prática, todos participaram com atenção e demonstraram que gostaram muito da aula. Tudo ocorreu de maneira bem tranqüila e com todos os alunos participando. Em seguida foi solicitado uma atividade para melhor compreensão. </li></ul><ul><li>Esta aula foi muito gratificante, me senti muito feliz por poder trabalhar com eles uma das coisas bem legais que aprendi na minha vida acadêmica, me senti com a sensação de dever cumprido e por ver os alunos participando sem exceção com eles contribuindo pra uma aula diferente pois para eles era tudo uma novidade já que eles ainda não haviam tido uma aula prática. </li></ul>
  23. 23. AULA PRÁTICA
  24. 24. <ul><li>Não houve aula no dia 05/11/10, pois quando cheguei a escola os alunos já haviam ido embora com a desculpa de que só tinha quatro alunos na sala pois os alunos que moram na zona rural da cidade estão sem transporte para virem à escola e por isso os alunos que moram na cidade aproveitaram também para não comparecerem à escola. </li></ul><ul><li>Neste dia eu me senti um pouco constrangida ao chegar ao colégio, e não encontrei meus alunos, pensei um monte de besteiras, do tipo que eles não estavam gostando de mim nem da minha aula por isso não estava na escola, mais a resposta veio quando me dirigi a secretária e fui informada que os alunos realmente não haviam comparecido devido a falta do transporte, aí me tranqüilizei e voltei pra casa. </li></ul>A construção de conhecimento como fruto das interações com objetos ou pessoas, cria do ponto de vista teórico, a possibilidade de explicar como qualquer conhecimento já produzido pode ser construído por um sujeito. Basta criar um ambiente com objetos e pessoas com as quais o aprendiz possa interagir e, com isto, construir seu conhecimento. (PIAGET 1978)
  25. 25. REGÊNCIA 5ªSEMANA <ul><li>No dia 08/11/2010, comecei a aula recolhendo as redações sobre a aula prática de tipagem sanguínea. Logo em seguida, explanei a aula com o auxilio de slides e livro didático após a explicação do assunto foi solicitado aos alunos a resolução de atividade complementar. </li></ul><ul><li>A aula foi tranqüila, mais alguns alunos se encontravam muito agitados. Mais depois se acalmaram, responderam a atividade e posteriormente houve a correção da atividade. </li></ul><ul><li>Esta aula me senti bem, a cada aula que passava eu estava gostando mais e mais, pois estou conseguindo ter domínio sobre a turma os quais me respeitavam muito apesar de serem quase da mesma idade que eu. </li></ul>
  26. 26. O material didático colabora para a transformação social na medida em que favorece a elaboração constante do conhecimento como resultado de experiências interativas. (BROMBERG, 2007) Na aula do dia 12/11/2010, iniciei explanando o assunto sobre o Sistema Nervoso, através de slides e cartaz, depois solicitei aos alunos a resolução de uma atividade complementar do assunto com auxilio do livro didático. Nesta aula os alunos se encontravam agitados mais quando comecei a explanar o assunto todos se acalmaram e prestaram atenção, participaram fizeram perguntas em seguida foi realizada uma atividade voltada ao assunto dado, logo mais os mesmos queriam ser liberados argumentaram que era sexta-feira, e que se fosse a professora Sandra que ela liberava, que tinham outras coisas pra fazer. Mais eu consegui fazer com que eles permanecessem na sala ate o final da aula. Essa aula foi fantástica, amei porque eu sabia bastante o assunto, citei muitos exemplos e até aqueles alunos que não eram tão próximos a mim, comentaram que a cada aula que se passando eu estava melhorando e me sentindo mais segura. Eu sai da sala sorrindo com as flores pelo meu ótimo desempenho neste dia!!
  27. 27. REGÊNCIA 6ªSEMANA <ul><li>O DIA EM QUE FUI OBSERVADA </li></ul><ul><li>Na aula do dia 19/11/2010, me senti tensa pelo fato de saber que a professora Cláudia Regina Teixeira de Souza estava me observando, não me senti confortável com a sua presença, pois fiquei muito nervosa e insegura, mais ela foi compreensiva me deixando à vontade. </li></ul><ul><li>Comecei explanando o assunto sobre o sistema endócrino através de slides, e ao termino da explanação do assunto solicitei a construção de um quadro comparativo sobre as glândulas endócrinas, onde mostraria os tipos de glândulas com seus respectivos hormônios e suas funções hormonais. </li></ul><ul><li>Os alunos ficaram se comportaram muito bem, e logo após a saída da professora Cláudia Regina, fiquei mais tranqüila os alunos responderam a atividade e posteriormente houve a correção da atividade. </li></ul>
  28. 28. <ul><li> Neste dia cheguei a escola tranqüila,com a sensação de que esta aula seria maravilhosa como a aula passada, mais ao chegar na sala dos professores que encontrei com a professora Cláudia Regina comecei a ter um misto de sensações de nervosismo, só de pensar que ela iria me observar. Quando fomos pra sala de aula que ela começou a me observar eu comecei a atropelar o assunto, me senti muito insegura, por pensar que ela sabia mais do que eu e poderia me interromper a qualquer momento dizendo que eu estava ensinando tudo errado, mais em momento algum ela me interrompeu pra criticar, apenas compartilhou em alguns detalhes. No mais foi até bom. </li></ul><ul><li>A influência do professor e da sua intervenção pedagógica é o que faz da atividade do aluno uma atividade auto-estruturante ou não .(COLL, 1996) </li></ul>Para a necessidade de professores-alunos investigarem a própria atividade pedagógica e, com isso, transformarem seu saber fazer docente numa contínua construção e reconstrução de suas identidades a partir da significação social da profissão, bem como pelo significado que cada professor confere à docência em seu cotidiano. ( PIMENTA, 2004)
  29. 29. REGÊNCIA 7 ªSEMANA <ul><li>Nesta aula do dia 22/11/2010, iniciei explanando o assunto falando sobre o esqueleto humano e com auxilio de slides contendo imagens do esqueleto humano. Citei a importância de fazer exercícios musculares. A aula foi bastante produtiva, pois os alunos prestaram atenção, fizeram perguntas. Realizaram a atividade do esqueleto humano. </li></ul><ul><li>Gostei muito desta aula, pois foi muito dinâmica onde fiquei tranqüila e consegui mostrar segurança e domínio sobre o assunto, me senti feliz por envolver os alunos na aula citando-os como exemplo, foi bem divertida. No mais foi uma aula muito produtiva. </li></ul>Diversidade dos alunos como eixo estruturador do enfoque pedagógico e pela qual devemos dar atenção e ousa ao propor a adequação dos desafios de aprendizagem enfrentados pelos alunos de forma individual, embora, ao final do discurso, ele retorne à sua postura cautelosa e afirme reconhecer as dificuldades que há em conhecer os diferentes graus de conhecimento de cada menino e menina.(COLL, 1994)
  30. 30. REGÊNCIA 8 ª SEMANA <ul><li>Nesses nos dias 24/11/2010 e 26/11/2010 ,a professora regente Sandra Ribeiro pediu que começasse a construção dos seminários pois seria para semana seguinte, então solicitei a formação das equipes para confecção de seminários. Onde os temas abordados seriam: Resíduos sólidos: lixo; Agricultura familiar e Cooperativismo como prática solidária. Discutimos sobre o que fazer para o seminário tais como confeccionar folder, a parte escrita para ser entregue impresso no dia da apresentação e qual seria a função de cada componente na organização do trabalho e apresentação oral do seminário. </li></ul>
  31. 31. <ul><li>De início houve alguns rumores tais como: que a professora Sandra não podia utilizar a aula de outra professora para realizar outras atividade, mais eu relatei que a aula seria para construção do seminário, onde uma delas ainda tentou protestar mais depois se conscientizou e então eu expliquei qual a proposta do seminário e como deveria ser realizada cada etapa do seminário. A aula transcorreu tranqüila os alunos estavam bastante empolgados com a construção do seminário para que tudo saísse perfeito. </li></ul><ul><li>Neste dia não estava muito com vontade de ir a escola, estava me sentindo muito insegura com a sensação de medo mais não sei o porque mais ao chegar lá melhorei eu estava consegui orientá-los na confecção dos seminários o que me deixou muito feliz. </li></ul><ul><li>O bom professor é o que consegue, enquanto fala, trazer o aluno até a intimidade do movimento do seu pensamento. ( FREIRE, 1996) </li></ul>
  32. 32. REGÊNCIA 9ª SEMANA <ul><li>A aula do dia 29/11/10 foi bastante produtiva pois foi a realização dos seminários. Todos alunos participaram, mostraram segurança na apresentação, no que ficou bastante visível o ótimo desempenho dos mesmos. Até os que pareciam mais tímidos deram um show na apresentação. </li></ul><ul><li>A relação professor-aluno não pode ser deslocada do contexto onde se manifesta mais sistematicamente: a sala de aula. Neste espaço existe entre alunos e professores um jogo de expectativas relativas ao respectivo desempenho, tanto em relação ao conhecimento, quanto ao modo de agir, ou seja, tanto em relação ao conteúdo como em relação à forma que assume o processo de ensino/aprendizagem. </li></ul><ul><li>Nessa aula com a apresentação dos seminários, senti a sensação de missão cumprida pois a turma se saiu muito bem nesta atividade, a qual eu tive o prazer de orientar com os meus conhecimentos. As apresentações foram sensacionais. </li></ul>
  33. 33. O seminário é uma técnica de ensino socializado, na qual os alunos se reúnem em grupo com o objetivo de estudar, investigar, um ou mais temas, sob a direção do professor. Um cuidado necessário é não confundir seminário com monólogo, mera substituição da aula dada tradicionalmente pelo professor. (VEIGA, 1991)
  34. 34. <ul><li>Na aula do dia 03/12/2010, houve a explanação do assunto sistema reprodutor masculino e feminino. Foi uma aula bastante interativa onde todos alunos sem exceção participaram. Entreguei uma caixa de sapato vazia para circular pela sala e colocarem as perguntas que tinham vontade de fazer e tinham vergonha, isso os deixou mais a vontade e o que não faltou foram perguntas de todas as maneiras, discutimos também textos complementares sobre o assunto. Posteriormente a explanação do assunto foi realizada uma revisão para atividade avaliativa que seria na semana seguinte com o auxilio de um estudo dirigido onde foi possível esclarecer algumas dúvidas dos assuntos anteriores. </li></ul><ul><li>No início da aula me senti um pouco acanhada com para explanar sobre o assunto, mais ao passar a caixa de sapato vazia pra recolher as perguntas tanto eu quanto os alunos nos sentimos mais à vontade para debatermos sobre os assuntos que envolviam o sistema reprodutor masculino e feminino e a aula tornou-se bastante produtiva. </li></ul>
  35. 35. <ul><li>Quando aprende, o aluno constrói significados, e isso ocorrerá quando ele for capaz de estabelecer relações substantivas e não arbitrárias entre aquilo que aprende e o que já conhece. </li></ul>O estudo dirigido predispõe o aluno à criatividade, uma vez que a sua finalidade principal está voltada à atividade da reflexão, e o pensamento reflexivo, de acordo com as circunstâncias do indivíduo, provoca a necessidade de inventar, buscar modos pessoais de operar com inteligência e resolver o que lhe foi proposto. (Marion 1999),
  36. 36. REGÊNCIA 10ª SEMANA <ul><li>Na aula do dia 06/12/2010, foi realizada a atividade avaliativa, todos ao alunos estavam presentes e muito ansiosos. Avaliação transcorreu tranquilamente, alguns ficaram até o ultimo minuto da avaliação. </li></ul><ul><li>No dia em que ocorreu a avaliação eu me senti bem tranqüila, pois sabia que tudo que estava na avaliação foi dado e revisado em sala a minoria sentiu um pouco de dificuldade mais assumiram que não estudaram mais mesmo assim conseguiram responder a avaliação relembrando das aulas dadas o que me deixou satisfeita. </li></ul>Quando falamos de avaliação não estamos a falar de um fato pontual ou de um ato singular, mas de um conjunto de fases que se condicionam mutuamente. Esse conjunto de fases ordenam-se sequencialmente e atuam integradamente. Por sua vez a avaliação não é algo separado do processo de ensino-aprendizagem, não é um apêndice independente do referido processo e joga um papel específico  em relação ao conjunto de componentes que integram o ensino como um todo .(ZABALZA, 1995)
  37. 37. No dia 10/12/2010, houve uma Feira de Matemática na escola onde todos as turmas participaram realizando atividades dinâmicas voltadas para matemática no cotidiano. Os alunos estão de parabéns por realizarem uma Feira de Matemática com muita clareza e interatividade. Ao final da Feira de Matemática como meu último dia de estágio entreguei as avaliações. Nesta minha última aula me senti muito feliz com o carinho que me demonstraram, agradeci muito pela compreensão e colaboração de todos que foi muito gratificante, pois tive um bom relacionamento com todos. E saí da escola com a sensação de dever cumprido e que todos os alunos obtiveram um ótimo desempenho durante o meu período de regência. A transmissão de informação e uma abordagem que enfatiza o desenvolvimento de projetos e a construção de conhecimento coloca os educadores entre dois pólos que não podem ser vistos como antagônicos (PIAGET, 1978).
  38. 38. CONSIDERAÇÕES FINAIS <ul><li>Com este estágio adquiri conhecimento que me propiciou o aprendizado de grande importância para um contato com os alunos, professores e escola, pois pude vivenciar experiências inovadoras, que me trouxeram a realidade da sociedade, da educação na Rede Pública de ensino. Foi possível notar problemas comuns na atuação do professor em sala de aula, como dificuldade para obter domínio de classe, falta de recursos, falta de interesse dos alunos, entre outros. </li></ul><ul><li>Sei que não é fácil ser um educador, mas sem dúvida alguma o meu aprendizado foi imenso, mesmo com alguns pontos positivos e também pelos negativos foi uma experiência inesquecível. Mas enfim, tenho a certeza de que consegui alcançar os objetivos traçados neste estágio, por vencer as dificuldades encontradas e, sobretudo, conquistar se não todos os alunos, pelo menos uma boa parte deles. </li></ul>
  39. 39. AGRADECIMENTOS <ul><li>A Deus por me dá sabedoria nos momentos de apreensão. </li></ul><ul><li>Ao Colégio Estadual de Alagoinhas – CEA pela diretora Ana Rita Carneiro Marciel de Faro pela consentimento de poder fazer parte dessa instituição. </li></ul><ul><li>A professora Sandra Ribeiro pela confiança, calma e ajuda nos momentos difíceis durante o estágio. </li></ul><ul><li>A professora orientadora Cláudia Regina Teixeira de Souza pelos conselhos e ensinamentos essenciais para o meu desenvolvimento(amadurecimento). </li></ul><ul><li>A turma do EJA EIXO VII 3M1 pela compreensão e colaboração durante os momentos de nervosismo durante o estágio. </li></ul><ul><li>A minha amiga Ana Carine do Nascimento pela amizade, paciência, motivação e colaboração nas realizações dos planejamentos. </li></ul>
  40. 40. REFERÊNCIAS <ul><li>BARRETO, A. L. V. A dinâmica da sala de aula e a relação professor-aluno CEAP – Revista de Educação nº. 10. </li></ul><ul><li>BROMBERG, M. C. O MATERIAL DIDÁTICO E SUA IMPORTÂNCIA 16/01/2007 http://www.hiperatividade.com.br/article.php?sid=90 </li></ul><ul><li>CAMPOS, Dinah M. Sousa.  Psicologia da aprendizagem .  Petrópolis – RJ: Vozes, 1987. </li></ul><ul><li>CARMAGNANI, M. 1999. A concepção de Professor e de aluno no livro didático e o Ensino de Redação em LM e LE. In: Interpretação, autoria e legitimação do Livro Didático . Org: Coracini, M. Campinas, SP: Ed. Pontes. </li></ul><ul><li>COLL, C. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento . Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. </li></ul><ul><li>COLL, C. et. al . O construtivismo na sala de aula. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. </li></ul><ul><li>COSTA, M. A. C. Paixão de formar/ aprender com paixão: reflexões em torno dos aspectos motivacionais na prática pedagógica. Revista de Educação CEAP, n.25, p. 16-23, Salvador, jun. 1999. </li></ul>
  41. 41. <ul><li>FERNANDÉZ, A. (1991) A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas. </li></ul><ul><li>Lopes, S.P., Sousa L. S. EJA:UMA EDUCAÇÃO POSSÍVEL OU MERA UTOPIA? Disponível em:http://eja-umaeducaopossveloumerautopia.pdf. Acesso em: 03 de fev.2011 </li></ul><ul><li>MACEDO, M. do S.A.N. &quot; A dinâmica discursiva na sala de aula e a apropriação da escrita&quot;. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, UFMG. Belo Horizonte, 1998. </li></ul><ul><li>MANDARINO, M. C. Freire. Organizando o trabalho com vídeo em sala de aula . Revista Eletrônica em Ciências Humanas. Ano 01, n.1, 2002. </li></ul><ul><li>MARION, José Carlos; GARCIA, Elias; CORDEIRO, Moroni. A discussão sobre a metodologia de ensino aplicável à contabilidade. Disponível em: <http://www.classecontabil.com.br/servlet_art.php?id=158>. Acesso em: 01 fev. 2011. </li></ul><ul><li>OLIVEIRA, Marta Kohl de.  Jovens e Adultos como Sujeitos de conhecimento e aprendizagem . Revista Brasileira de Educação, n°12, set- dez, ANPED, 1999. </li></ul>
  42. 42. <ul><li>Papert, S. (1980). Mindstorms: Children, Computers and Powerful Ideas . New York: Basic Books. Traduzido para o Português em 1985, como Logo: Computadores e Educação. São Paulo: Editora Brasiliense. </li></ul><ul><li>Piaget, J. (1978). Fazer e Compreender . São Paulo: Edições Melhoramentos e Editora da Universidade de São Paulo. </li></ul><ul><li>PILETTI, N. Sociologia da educação. 178ª edição. Editora Ática, SP. 1998. </li></ul><ul><li>PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. 2004. Estágio e Docência . 2. ed. São Paulo: Cortez. </li></ul><ul><li>Veiga I P A . O seminário como técnica de ensino socializado em Técnicas de Ensino: Por que não? Ilma Passos Alencastro Veiga (org) - Campinas, SP, Papírus, 1991. </li></ul><ul><li>ZABALA, A. A Prática Educativa – Como ensinar . Porto Alegre: Artmed, 1998. 224p. </li></ul><ul><li>Zabalza, M. (1995).  Diseño y desarrollo curriclular   (6ª ed.). Madrid: Narcea. </li></ul>

×