1
O CASO SNOWDEN E O AVANÇO DO FASCISMO NOS ESTADOS UNIDOS
Fernando Alcoforado*
Acusado criminalmente de espionagem pelo g...
2
dispositivos pró-fascistas entrassem em ação nos Estados Unidos. Para uso interno, já
havia sido elaborada uma lei com c...
3
nos Estados Unidos. O caso Snowden mostra apenas uma faceta do fascismo que se já
se constitui em prática de governo nos...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O caso snowden e o avanço do fascismo nos estados unidos

240 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O caso snowden e o avanço do fascismo nos estados unidos

  1. 1. 1 O CASO SNOWDEN E O AVANÇO DO FASCISMO NOS ESTADOS UNIDOS Fernando Alcoforado* Acusado criminalmente de espionagem pelo governo dos Estados Unidos, Edward Snowden, ex-técnico da CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos), revelou segredos de segurança do governo norte-americano. Snowden revelou a existência de programas de vigilância do governo americano contra a população com a utilização de servidores de empresas como Google, Apple e Facebook e também contra diplomatas e governos da União Europeia e outros países. Estas revelações foram publicadas no início de junho deste ano nos jornais “The Guardian” e “Washington Post”, fato este que levou Snowden a ser ostensivamente procurado pelas autoridades norte-americanas. O Brasil é um dos alvos prioritários da espionagem feita pela Agência de Segurança Nacional do EUA, com o monitoramento de centenas de milhares de ligações e mensagens de pessoas e empresas no país, segundo revelou o jornal "O Globo". O jornal diz ter tido acesso a documentos que comprovam a espionagem, coletados por Edward Snowden. Para a coleta de informações no Brasil, diz o texto, o programa usado foi o Fairview, desenvolvido pela NSA em parceria com gigantes privados de telecomunicações (Ver texto sob o título EUA espionaram milhões de mensagens no Brasil disponível no website <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/117751-eua- espionaram-milhoes-de-mensagens-no-brasil-diz-jornal.shtml>). Toda esta situação de espionagem da população e do governo de diversos países pelo governo norte-americano mostra uma das facetas do avanço do fascismo nos Estados Unidos. A ascensão ao poder de George W. Bush possibilitou que um aglomerado de políticos e militares de alta patente, analistas e estrategistas profissionais, representantes das grandes finanças e do “complexo industrial-militar” se envolvesse nas grandes decisões governamentais após o atentado ao World Trade Center. O círculo de intelectuais de direita reunidos sob o rótulo neoconservadores ou “neocons”, sempre presente na história do país, rapidamente consolidou-se passando a ditar as políticas do governo norte-americano com a ascensão ao poder de George Bush. Uma das características dos “neocons” é o desprezo pelas leis e práticas já consolidadas e consagradas entre países e organizações. Na política externa, uma nova doutrina substituiu os velhos conceitos de autodeterminação dos povos, não agressão, respeito às leis internacionais e à autoridade da ONU, etc. com a criação de monstrengos pseudojurídicos como a proposta das “guerras preventivas”, agressão a países em desobediência às decisões do Conselho de Segurança da ONU e a poderes que ameaçassem ou remotamente pudessem vir a ameaçar a hegemonia dos Estados Unidos no mundo, cujos círculos dominantes encarregam-se de enquadrar como amigos e inimigos conforme seus interesses. Outra característica do discurso e da prática dos “neocons” integrantes do governo dos Estados Unidos é a fabricação da verdade com base em ilações, omissões e mentiras. Esta foi a forma encontrada para basear a decisão de invadir o Iraque, o Afeganistão e a Líbia. O ataque ao World Trade Center e ao Pentágono realizado por combatentes sauditas comandados por Osama bin Laden em 11/09/2001, foi o acontecimento necessário (equivalente ao incêndio do Reichstag alemão na Alemanha hitlerista) para que os
  2. 2. 2 dispositivos pró-fascistas entrassem em ação nos Estados Unidos. Para uso interno, já havia sido elaborada uma lei com centenas de artigos, a Patriot Act, com aprovação quase unânime do Congresso, que aboliu as principais conquistas democráticas do país. Entre outras medidas, criou-se, além dos já fartamente existentes aparatos de repressão, uma estrutura de segurança interna, o Department of Homeland Security, para repressão a terroristas e ameaças internas à ordem, com orçamento em 2008 de 52 bilhões de dólares. Para comparação, os cinco maiores orçamentos militares globais do mundo em dólares são: Estados Unidos: mais de 1 trilhão no total; China: 65 bilhões; Rússia: 50 bilhões; França: 45 bilhões; e Reino Unido, 43 bilhões. O orçamento militar dos Estados Unidos, sozinho, é maior que a soma de todos os orçamentos de todos os países do planeta. Não bastasse isso, a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências, FEMA, que atende a emergências como acidentes de gravidade, enchentes, terremotos e furacões, catástrofes naturais ou provocadas, etc,, também militarizou-se, estando hoje submetida à autoridade do Department of Homeland Security. Da mesma forma, a Guarda Nacional de um estado agora pode ser deslocada para qualquer outro estado, sem consulta ao governo local ou aos cidadãos. Desde o governo Bush e mantido pelo governo Obama, generalizou-se a violação do sigilo da comunicação e a vigilância intrusa na vida das pessoas; obrigou-se cada biblioteca a informar ao FBI a lista de livros solicitados, regra que vale inclusive para universidades; e criou-se uma lista de inimigos internos, que, por exemplo, não podem fazer viagens aéreas, e que hoje reúne dezenas de milhares nomes (fala-se em torno de 100 mil), boa parte de dissidentes universitários, pacifistas etc. Listas como estas, são típicas de regimes totalitários. Aos poucos se fecha o cerco a jornalistas, professores, pastores, ativistas e dezenas de outros. Extinguiu-se na prática o direito universal do habeas corpus. Na ótica da Patriot Act, uma passeata em prol da paz é terrorista, já que o país se acha em guerra contra o terror e mesmo uma manifestação que atrapalhe o trânsito pode ser enquadrada como grave perturbação da ordem. As forças do governo têm autorização para prender qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo (CIA e militares) e também no país, sem nenhuma justificativa, mantê-la presa sem comunicação com familiares ou advogados e sem acusação por tempo indeterminado, e movê-la para qualquer das suas prisões, conhecidas ou secretas, em vários países, ou mesmo alguns navios-prisão, todos esses locais em que se tortura e assassina com a mais absoluta impunidade, como vem sendo documentado nas prisões da base de Baghram, no Afeganistão, Abu Ghraib, no Iraque, e na infame prisão de segurança máxima de Guantánamo, no extremo oriental de Cuba. Trata-se de um conjunto de disposições fascistas de fazer inveja ao aparelho de terror de Hitler. Noam Chomsky, filósofo e professor no MIT (Massachusets Institute of Technology), advertiu recentemente que o fascismo poderia vir a acontecer nos Estados Unidos. Chomsky traçou um paralelo entre a República de Weimar na Alemanha com os Estados Unidos da atualidade. A República de Weimar foi esmagada pelo nazismo em 1933 com a ascensão de Hitler ao poder. (Ver o artigo Chomsky Warns Of Risk Of Fascism In America! publicado no website <http://socioecohistory.wordpress.com/2010/04/16/chomsky-warns-of-risk-of-fascism- in-america/>). Os fatos da realidade demonstram que o fascismo já está acontecendo
  3. 3. 3 nos Estados Unidos. O caso Snowden mostra apenas uma faceta do fascismo que se já se constitui em prática de governo nos Estados Unidos. *Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros.S .

×