1
O BRASIL RUMO AO INEVITÁVEL CONFRONTO POLÍTICO E SOCIAL?
Fernando Alcoforado*
Guardadas as devidas proporções, é muito g...
2
nazistas se aproveitaram da crise política do país e fizeram de Hitler o Chanceler da
Alemanha, em 1933. Neste mesmo ano...
3
A continuidade da situação vivida atualmente pelo Brasil é, portanto, insustentável
abrindo caminho para um tempo de cat...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O brasil rumo ao inevitável confronto político e social

309 visualizações

Publicada em

A continuidade da situação vivida atualmente pelo Brasil é, portanto, insustentável abrindo caminho para um tempo de catástrofe no País. Só há um caminho para evitar a convulsão política e social no Brasil que seria a destituição ou a renúncia conjunta de Dilma Rousseff e Michel Temer e a formação de um governo provisório composto por respeitáveis figuras públicas que teria a incumbência de convocar uma nova Assembleia Constituinte para reordenar a vida nacional, buscar o consenso do País na solução da crise econômica e social, evitar a escalada da violência no Brasil e realizar novas eleições gerais no País. Este seria o caminho para evitar uma luta fratricida ou uma guerra civil no Brasil.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
309
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O brasil rumo ao inevitável confronto político e social

  1. 1. 1 O BRASIL RUMO AO INEVITÁVEL CONFRONTO POLÍTICO E SOCIAL? Fernando Alcoforado* Guardadas as devidas proporções, é muito grande a semelhança entre o Brasil atual e a Alemanha da República de Weimar de 1919 a 1933 no que concerne à gravidade das crises econômica, política e social. Cabe observar que a República de Weimar, celebrada na cidade de Weimar em 1919, foi o período da história alemã compreendido entre o fim da 1ª Guerra Mundial e a ascensão do partido nazista ao poder. Os acontecimentos históricos deste período resultaram da reação de setores da sociedade alemã à derrota na 1ª Guerra Mundial e influenciaram a eclosão da 2ª Guerra Mundial. A existência da República de Weimar pode ser dividida em três fases: 1) uma fase de instabilidade política e econômica, entre 1919 e 1923; 2) uma fase de recuperação e estabilização, entre 1923 e 1929; e, 3) uma nova fase de crise devastadora, decorrente da quebra da Bolsa de Nova Iorque em 1929 que levou à ascensão do nazismo, entre 1929 e 1933. Na primeira fase, em substituição ao Kaiser Guilherme II, que renunciou após a derrota alemã na 1ª Guerra Mundial, sobe ao poder Friedrich Ebert, do Partido Social Democrata, que tem como primeira grande tarefa impedir que a Alemanha não se fragmente em meio a várias revoltas locais. Na Alemanha, há entre o povo sentimentos de revolta, desânimo, desespero e desilusão provocados pelas absurdas exigências de compensação feitas pelos países vitoriosos na 1ª Guerra Mundial e a consequente crise econômica, social e política delas resultantes. O país perdeu todo seu império ultramarino na África, Ásia e Oceania, partes de seu próprio território e ficou impedido de reconstituir suas forças armadas. Além disso, teve importantes recursos econômicos tomados, como as minas da região do Ruhr e ainda foi forçado a pagar dívidas de guerra de um montante absurdo. Para piorar a situação, uma crise econômica sem precedentes explode em meados da década de 1920, resultando em um cenário de hiperinflação e desemprego generalizado. Paralelamente a esta situação, ocorreu a Revolução Alemã de 1918-1919 com o objetivo de formar uma República Socialista nos moldes soviéticos. Soldados e trabalhadores alemães tentaram tomar o poder em Berlim sob a liderança dos comunistas Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht. As forças revolucionárias foram esmagadas e vários líderes foram presos e executados, inclusive Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht. Ainda nesta primeira fase houve uma série de tentativas de golpe de Estado devido à instabilidade política. Na segunda fase, a partir de 1923, a Alemanha vivenciou um período de estabilidade política e econômica graças à aproximação com grupos capitalistas norte-americanos, que passaram a investir na Alemanha. A estabilidade econômica alcançada melhorou os salários dos trabalhadores, além de diminuir as taxas de desemprego. Porém, como estes investimentos atrelavam a economia alemã à Bolsa de Nova Iorque, a crise de 1929 atingiu profundamente a Alemanha. Na terceira fase, iniciada em 1929, a débâcle econômica resultante do “crack” da Bolsa de Nova Iorque, fez com que o número de desempregados atingisse na Alemanha 5 milhões de trabalhadores. Esta situação levou ao descrédito os socialdemocratas que governavam a Alemanha, fato este que abriu o caminho nas eleições de 1932 para a ascensão dos nazistas. Uma das características desta fase são os constantes conflitos de rua entre nazistas e comunistas. Com o apoio de capitalistas industriais, que se opunham aos comunistas, os
  2. 2. 2 nazistas se aproveitaram da crise política do país e fizeram de Hitler o Chanceler da Alemanha, em 1933. Neste mesmo ano, com o incêndio do Reichstag sendo apontado como ação dos comunistas, Hitler pôs na ilegalidade o Partido Comunista e depois o Partido Social Democrata. A morte do então presidente Hindenburg, em 1934, contribuiu para a ascensão de Adolf Hitler ao poder como chefe único do Estado e do governo, o Führer, iniciando desta forma a organização do Terceiro Reich. O filme “Ovo da Serpente” (1977), de Ingmar Bergman é a melhor reprodução cinematográfica do surgimento do nazismo na Alemanha. A obra retrata uma sociedade à beira do caos econômico e político e demonstra como, sob essas circunstâncias, é possível ver os contornos do nascente movimento nazista. O filme “O Ovo da Serpente” retratou com muita fidelidade os primeiros passos da sociedade alemã que, já dividida, desembocaria nas mãos do nazismo a partir de 1933. No filme “O Ovo da Serpente” já se podia ver, dez anos antes da subida dos nazistas ao poder, um fantasma rondando a Alemanha e pressupor que em meio à desordem, à crise econômica e ao vácuo político, uma semente de radicalismo e violência estava para surgir. Muitas vezes o ovo da serpente foi utilizado como metáfora para exprimir a constatação de um mal em processo de elaboração, em incubação. Nele, no ovo da serpente, no seu desenvolvimento, pode-se acompanhar a lenta e inexorável evolução do monstro que estava sendo criado, o nazismo. Guardadas as devidas proporções, pode-se afirmar que a crise econômica, política e social que enfrenta o Brasil na atualidade é bastante semelhante à que ocorreu na Alemanha da República de Weimar. Como a Alemanha de Weimar, o Brasil vive uma crise econômica devastadora, está em desintegração como organização econômica, social e política, é um país dividido, está em desordem e existe um vazio de poder graças à falência e desmoralização das instituições políticas. A incapacidade do governo brasileiro e das instituições políticas em geral de oferecer respostas eficazes para superação das crises econômica, política e social em que se debate a nação brasileira já está contribuindo para o aumento da violência política no Brasil. Da mesma forma que as SA (milícias nazistas) e grupos paramilitares comunistas surgiram e se confrontaram com extrema violência na Alemanha durante a República de Weimar após a 1ª Guerra Mundial, o mesmo já está acontecendo no Brasil no momento atual como o que ocorreu no dia de hoje (17/02/2016) no Fórum da Barra Funda em São Paulo onde se confrontaram partidários do lulopetismo e seus oponentes. As milícias petistas já existem, denominadas por Lula como o “exército” de Stédile, líder do MST, para combater seus inimigos políticos com o uso da violência nos moldes das milícias chavistas que estão aterrorizando a Venezuela. O Brasil já está vivenciando, infelizmente, a anarquia descrita por Ralf Dahrendorf em seu livro, que escreveu em 1985, chamado A Lei e a Ordem (Editora Instituto Liberal, 1997). Ralf Dahrendorf afirmou que anarquia é definida como ausência generalizada de respeito às normas sociais que costuma anteceder os regimes totalitários. O Brasil caminha, infelizmente, para a anarquia descrita por Ralf Dahrendorf. A incapacidade do governo brasileiro e das instituições políticas em geral de oferecer respostas eficazes para superação das crises econômica, política e social em que se debate a nação brasileira contribui para o desrespeito às normas sociais e para o aumento da violência política no Brasil. Sem a solução desses problemas, o País entrará em convulsão política e social abrindo caminho para o estabelecimento de regimes de exceção.
  3. 3. 3 A continuidade da situação vivida atualmente pelo Brasil é, portanto, insustentável abrindo caminho para um tempo de catástrofe no País. Só há um caminho para evitar a convulsão política e social no Brasil que seria a destituição ou a renúncia conjunta de Dilma Rousseff e Michel Temer e a formação de um governo provisório composto por respeitáveis figuras públicas que teria a incumbência de convocar uma nova Assembleia Constituinte para reordenar a vida nacional, buscar o consenso do País na solução da crise econômica e social, evitar a escalada da violência no Brasil e realizar novas eleições gerais no País. Este seria o caminho para evitar uma luta fratricida ou uma guerra civil no Brasil. * Fernando Alcoforado, 76, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012) e Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015).

×