O avanço do conhecimento científico e o pensamento complexo

709 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
709
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O avanço do conhecimento científico e o pensamento complexo

  1. 1. 1 O AVANÇO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E O PENSAMENTO COMPLEXO Fernando Alcoforado* O fim das certezas e da conexão necessária entre causa e efeito, bem como a insuficiência do método cartesiano de lidar com a ciência, contribuiu para o advento de uma crise profunda do pensamento clássico no campo científico que ocorreu durante o século XX. O fim das certezas (São Paulo: Unesp,1996) é o título de um livro de Ilya Prigogine. Nele, Prigogine aborda, entre outras coisas, o fim da certeza a respeito da noção do tempo (e do espaço), característico do racionalismo da época de Descartes e Newton que não concebiam o tempo múltiplo. Immanuel Kant na Crítica da razão pura (Petrópolis: Vozes, 2010) defendia a tese de que o tempo possui apenas uma dimensão e que fragmentos de tempo ocorrem sucessivamente um depois do outro. Essa concepção, que está ligada a uma visão de mundo racionalista, determinista e euclidiana, foi modificada posteriormente. No que concerne a Prigogine, ele aborda também a irreversibilidade do tempo, através do que chamou de “estruturas dissipativas” contrariando a lei da conservação da matéria. Outro fator que levou ao fim das certezas, no campo das ciências (e por extensão no campo das humanidades como um todo), foi o questionamento da teoria da causalidade. Desde Aristóteles, “conhecer é conhecer pela causa”. Esse pressuposto foi assumido por muitos séculos, até o final do século XIX e começo do século XX. O primeiro golpe foi desferido por David Hume, o filósofo escocês que mostrou que raciocinávamos apenas por hábito, e dizíamos conhecer a causa quando nos limitávamos a relacionar algo que ocorria antes com o que vinha depois, mas sem podermos demonstrar a conexão necessária entre causa e efeito (Ver o artigo David Hume publicado no website <http://www.filosofia.com.br/historia_show.php?id=81>). Mas a causalidade demorou a ser deixada de lado pela Ciência, o que só irá ocorrer com o início da teoria quântica. Particularmente interessante é a descoberta do Princípio da incerteza, por Werner Heisenberg. Já antes da formulação desse princípio, ele descobrira novas propriedades matemáticas relacionadas à Física Quântica. Em março de 1927, Heisenberg publicou seu famoso Princípio da incerteza. Nele, mostrou que no reino do quantum havia certos pares de propriedades das quais, quanto mais se sabe a respeito de uma, menos é possível saber sobre a outra. Quanto mais formos capazes de medir a velocidade de uma partícula, menos seguros estaremos de sua posição; e o mesmo acontece com diversas outras quantidades interligadas. Em outros termos, há um limite genuíno, absoluto, para o conhecimento humano. Esse foi o golpe final que Einstein temia desde o início, quando percebeu que os processos quânticos ameaçavam a causalidade. Outro desenvolvimento que irá abalar o mundo das certezas estabelecidas é o fracasso da Lógica clássica, ou aristotélica, em explicar as contradições reais. Para Aristóteles, a lógica não é ciência e sim um instrumento para o correto pensar. O objeto da lógica é o silogismo que nada mais é do que um argumento constituído de proposições das quais se infere (extrai) uma conclusão. Assim, não se trata de conferir valor de verdade ou falsidade às proposições (frases ou premissas dadas) nem à conclusão, mas apenas de observar a forma como foi constituído. É um raciocínio mediado que fornece o conhecimento de uma coisa a partir de outras coisas (buscando, pois, sua causa). O
  2. 2. 2 grande abalo, nesse sentido, foi provocado pelo famoso Teorema de Gödel, que mostra que um sistema não pode se autojustificar. No Congresso Internacional de Matemática de Paris, em 1900, o jovem e genial David Hilbert, imbuído das ideias correntes, apresentou um surpreendente trabalho resumindo as 23 questões ainda "em aberto", as quais, após resolvidas, completariam todo o escopo da matemática. Em 1931, quando ainda vigorava a proposta de Hilbert de obter a completa construção da teoria matemática através da lógica formal, Gödel publicou o seu trabalho "Sobre as Proposições Indecidíveis", pondo fim a essa expectativa. O primeiro teorema da incompletude de Gödel apareceu como “Teorema VI” no artigo de Gödel chamado On Formally Undecidable Propositions in Principia Mathematica and Related Systems I no qual afirmou que “Qualquer teoria efetivamente gerada capaz de expressar a aritmética elementar não pode ser tanto consistente quanto completa. Em particular, para qualquer teoria formal consistente e efetivamente gerada que prova certa verdade da aritmética básica, existe uma afirmação aritmética que é verdade, mas não demonstrável na teoria” (Nagel, Ernest; Newman, James R. A prova de Gödel. Trad. Gita K. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 1973). Em um mundo cada vez mais complexo em que vivemos, as ciências continuam a compartimentalizar ou departamentalizar as informações, de maneira cartesiana, o que as impede de desenvolver uma compreensão global dos fenômenos científicos. Este problema só será resolvido com o uso do pensamento complexo. Isto não significa simplesmente abandonar as fronteiras disciplinares, ou tornar a tarefa mais difícil obrigando o pesquisador a dar conta de todos os assuntos. Não significa o pesquisador sair de sua área de especialidade, mas o obriga a trabalhar em grupo reconhecendo que ninguém pode mais pesquisar sozinho. A crescente complexidade das questões científicas da era contemporânea está levando à convicção que só pode haver avanço no conhecimento com o trabalho em grupo entre pesquisadores. Existe uma visão generalizada na sociedade em que vivemos que a pergunta sobre qualquer questão deve ser respondida pelo especialista. É muito comum, por exemplo, na emergência de problemas econômicos que afetam a vida de um país ou do mundo, a mídia procurar um economista para obter respostas às questões formuladas. No entanto, os problemas da economia envolvem várias áreas de conhecimento como, por exemplo, ciência política, sociologia, infraestrutura, educação, saúde, entre outras que exigiriam a opinião de outros especialistas para responderem às questões formuladas. Os problemas da economia de um país ou do mundo não pode se resumir a questões que dizem respeito a crescimento econômico, inflação, desemprego e outras variáveis econômicas. Para a adequada compreensão dos problemas econômicos de um país ou do mundo, é preciso ouvir a opinião de vários especialistas, se possível, em uma mesa redonda. Diferentemente da tese defendida pelo grande economista John Maynard Keynes, a Universidade busca formar, de modo geral, o especialista em economia, da mesma forma que o engenheiro especialista, médico especialista, etc. Keynes afirmou que “(...) o mestre economista deve possuir uma rara combinação de talentos. Ele deve ser matemático, historiador, estadista, filósofo em certo grau. Deve compreender símbolos e expressar-se com palavras. Deve contemplar o particular em termos do geral e tocar o abstrato e o concreto no mesmo voo de pensamento. Deve estudar o presente à luz do passado para os propósitos do futuro. Nenhum aspecto da natureza ou instituições humanas deve ficar inteiramente fora de seu interesse. Deve ser objetivo e
  3. 3. 3 desinteressado de uma forma simultânea; tão distanciado e incorruptível quanto um artista e às vezes tão perto da terra quanto um político” (Keynes, John Maynard, Essays in biography, p. 140-141, apud Heilbroner, Robert. A história do pensamento econômico. 6a ed. São Paulo: Nova Cultural, 1996, p. 265). Em O pensar complexo (Rio: Garamond, 1999), Edgar Morin afirma que, para superar as limitações do pensamento clássico no campo das ciências, impõe-se a adoção do pensamento complexo que procura trabalhar entre a certeza e a incerteza. Em outras palavras, os pesquisadores precisam trabalhar não só dentro do campo de suas especialidades, mas, a partir delas, interagir com outras áreas do conhecimento, pois o conhecimento humano é um todo, que é mais do que a mera soma de suas partes. Dada essa necessidade de interação, o trabalho de pesquisa, agora, deve operar-se em grupo, e não mais somente individualmente. Já Bachelard o dizia, em seu complexo O novo espírito científico (São Paulo: Abril Cultural, 1978): “Eis doravante o guia do pensamento teórico: o grupo”. Voltando a Edgar Morin, este afirma que o pensamento complexo não visa pura e simplesmente substituir o antigo pensamento racionalista, determinista. O pensamento complexo é o pensamento que se esforça para unir, não na confusão, mas operando diferenciações. Portanto, o pensamento complexo visa estimular a comunicação entre áreas até então separadas. Urge acabar essa segmentação. Não se pode mais desquali- ficar o interlocutor, com argumentos, dizendo que estes são de outra área, ou disciplina, que não a sua. O pensamento complexo indica que o filósofo, o economista, o sociólogo, o engenheiro, o físico, o químico ou o biólogo, entre outros especialistas, têm que ter também, em alguma medida, o conhecimento da área de saber dos demais. *Fernando Alcoforado, 74, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros.

×