Livro energia no mundo e no brasil

1.031 visualizações

Publicada em

Apresentação do conteúdo do livro de Fernando Alcoforado em seu lançamento na Livraria Saraiva de Salvador/ Bahia em 08/05/2015

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.031
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro energia no mundo e no brasil

  1. 1. Livro ENERGIA NO MUNDO E NO BRASIL ENERGIA E MUDANÇA CLIMÁTICA CATASTRÓFICA NO SÉCULO XXI Apresentação do conteúdo do livro em seu lançamento na Livraria Saraiva em 08/05/2015 Fernando Alcoforado
  2. 2. CAPÍTULOS DO LIVRO 1. INTRODUÇÃO 2. CENÁRIOS DE ENERGIA NO MUNDO 3. CENÁRIOS DE ENERGIA NO BRASIL 4. ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL 5. CONCLUSÕES SOBRE O SISTEMA DE ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL E PARA O MUNDO SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
  3. 3. CAP. 2- CENÁRIOS DE ENERGIA NO MUNDO 2.1- Os cenários energéticos mundiais e efeito estufa 2.2- O petróleo e seu impacto ambiental 2.3- Os conflitos mundiais pelo petróleo 2.4- Nova crise do petróleo ameaça a economia mundial 2.5- A questão nuclear pós terremoto e tsunami no Japão 2.6- O sistema energético sustentável para o mundo 2.7- O sistema mundial de energia requerido para combater o aquecimento global
  4. 4. CAP. 3- CENÁRIOS DE ENERGIA NO BRASIL 3.1- Os absurdos do Plano Nacional de Energia 2030 no Brasil 3.2- O futuro energético necessário ao Brasil 3.3- A política energética sustentável requerida para o Brasil até 2050 3.4- Os apagões no sistema elétrico brasileiro 3.5- Os “apagões” e a incompetência da operação do sistema elétrico no Brasil 3.6- Apagão elétrico: resultado de fenômeno meteorológico ou crise de estratégia? 3.7- Não a centrais elétricas nucleares no Brasil e no mundo 3.8- Pré-sal e aquecimento global 3.9- Privatização do campo de libra do pré-sal é crime de lesa pátria 3.10- Gás de xisto no Brasil e no mundo: crime ambiental hediondo 3.11- Desabastecimento de combustíveis - sinal de incompetência gerencial e falta de planejamento eficaz do governo federal no setor petrolífero
  5. 5. CAP. 4- ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL 4.1- Hidroelétricas 4.2- Etanol 4.3- Biodiesel 4.4- Biomassa 4.5- Energia eólica 4.6- Energia solar 4.7- Pilhas combustíveis 4.8- Programas de incentivo às energias renováveis no Brasil
  6. 6. CAP. 5 - CONCLUSÕES SOBRE O SISTEMA DE ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL E PARA O MUNDO SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 5.1- O sistema de energia requerido para o Brasil 5.2- O sistema energético requerido para o mundo
  7. 7. ENERGIA NO MUNDO
  8. 8. Participação das Fontes de Energia no Mundo- 1990/ 2010/ 2030 Fonte de Energia Participação (%) 1990 2010 2030 Petróleo 38 34 32 Carvão 24 26 22 Gás Natural 20 22 26 Nuclear 5,5 6 7 Hidráulica 2 2 2 Biomassa 10 9 8 Outras renováveis 0,5 1 3 Fonte: Costamilan, Luiz, Futuro da Energia no Mundo. www.ibp.org.br/services/.../FileDownload.EZTSvc.asp?...2848.
  9. 9. Os gases-estufa no mundo e sua contribuição de 1880 a 1980 Gases Contribuição (%) Dióxido de carbono 66 Metano 15 CFC-11 e CFC-12 8 Óxido nitroso 3 Diversos 8 Fonte: Lashof, D.A. & Tirpak, D.A.orgs. Policy options for stabilizing global climate, Washington, DC, Environmental Protection Agency, 1989.
  10. 10. Principais causas do efeito-estufa na atmosfera Fatores causadores do efeito estufa Contribuição (%) Uso e produção de energia 57 CFC 17 Práticas agrícolas 14 Desmatamento 9 Outras atividades industriais 3 Fonte: Lashof, D.A. & Tirpak, D.A., n.2
  11. 11. Efeito Estufa
  12. 12. Incremento da temperatura média global e concentração do dióxido de carbono
  13. 13. Países industrializados emitiram a maior parte do CO2 antropogênico Área proporcional às emissões históricas de CO2 a partir da queima de combustíveis fósseis (1900-1999)
  14. 14. Variação dos níveis de CO2 e sua relação com o incremento da temperatura média global de 1860 a 2004
  15. 15. Variações da temperatura na superfície da Terra: 1000 a 2100
  16. 16. Temperatura média global e projeções até 2100
  17. 17. Algumas consequências do aquecimento global • 2 a 4,5 °C é a faixa de elevação que deve sofrer a temperatura média global até o final deste século • A calota polar norte já desapareceu quase por completo • Até 2100, nível do mar pode aumentar em cerca 3 metros • 40% das árvores da Amazônia podem desaparecer antes do final do século, caso a temperatura suba de 2 a 3 graus • De 9 a 58% das espécies em terra e no mar vão ser extintas nas próximas décadas, segundo diferentes hipóteses • Cerca de 20% a 30% de todas as espécies enfrentarão um "alto risco de extinção" • Os padrões de secas e chuvas serão alterados em todo o planeta. • 2.000 quilômetros quadrados se transformarão em deserto devido à falta de chuvas • Várias áreas do globo terrestre poderão ficar alagadas por causa da superabundância de precipitações, resultando em extensas inundações • O fluxo dos rios poderá diminuir em 50% ou mais podendo alguns deles secarem completamente • Importantes lençóis freáticos poderão ficar seriamente reduzidos, fazendo com que os poços de irrigação sequem
  18. 18. Projeções das emissões de CO2 • Segundo a IEA-International Energy Agency, as emissões mundiais de carbono pela queima de combustíveis fósseis, que correspondiam em 1973 a 16,2 bilhões de toneladas anuais de CO2, atingiram 22,7 bilhões de toneladas anuais em 1998. • Se as projeções de suprimento de energia da IEA se confirmarem, o valor das emissões de carbono deveriam alcançar 27,5 e 32,8 toneladas anuais de CO2 em 2010 e 2020, respectivamente. • O mundo está diante de um desafio que é o de não permitir um aquecimento global no século XXI superior a dois graus centígrados. • Para evitar um aquecimento do planeta superior a 2º C, seria preciso estabilizar as concentrações de dióxido de carbono (e equivalentes) em 450 PPM (partes por milhão). Para isso, as emissões mundiais terão que ser reduzidas abaixo de seus níveis de 1990.
  19. 19. Conceito de desenvolvimento sustentável • O desenvolvimento sustentável é aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem a suas próprias necessidades.
  20. 20. O SISTEMA ENERGÉTICO MUNDIAL SUSTENTÁVEL REQUERIDO EM 2030 Fonte de Energia 1989 2030 Energia (Mtep) CO2 (milhões de ton.) Energia (Mtep) CO2 (milhões de ton.) Petróleo 3.098 2.393 1.500 1.160 Carvão 2.231 2.396 240 430 Gás Natural 1.707 975 1.750 1.000 Renováveis 1.813 - 7.000 - Nuclear 451 - 0 0 Total 9.300 5.764 10.490 2.590 Fonte: Worldwatch Institute. Consumo Mundial de Energia e Emissões de CO2 em 1989 e 2030.
  21. 21. O SISTEMA ENERGÉTICO MUNDIAL SUSTENTÁVEL REQUERIDO EM 2030 • De 1989 a 2030, a produção de petróleo deveria ser reduzida à metade e a de carvão de 90%, enquanto a de fontes de energia renováveis deveria crescer quase 4 vezes. • No ano 2030, as energias renováveis deveriam ser da ordem de 70% da produção total de energia do planeta. • Estes são os requisitos de um sistema energético sustentável em todo o mundo.
  22. 22. ENERGIA NO BRASIL
  23. 23. Oferta interna de energia elétrica no Brasil por fonte em 2009 e 2030 (%) hidráulica 77% carvão e derivados 1% nuclear 3% derivados de petróleo 3% gás natural 3% eólica 0% biomassa 5% importação 8% 2009 hidráulica 77% gás natural 9% nucleares 5% carvão 3% cogeração biomassa da cana 3% eólicas 1% resíduos urbanos 1% outras 1% 2030
  24. 24. OFERTA INTERNA DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL POR FONTE EM 2009 E 2030- % FONTE DE ENERGIA 2009 2030 hidráulica 76,9 77,4 derivados de petróleo 2,9 0 gás natural 2,6 8,7 nuclear 2,5 4,9 carvão e derivados 1,3 3 biomassa 5,4 3,2 eólica 0,2 1 resíduos urbanos 0 0,6 outras 0 1,2 importação 8,1 0
  25. 25. O SUPRIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PROGRAMADO ATÉ 2030 FONTE DE ENERGIA GW hidrelétricas 174 PCH´s 8 usinas eólicas 3,3 termelétricas (biomassa) 4,75 termelétricas (resíduos urbanos) 1,3 termelétricas (gás natural) 15,5 térmelétricas (carvão mineral) 6 centrais nucleares 8
  26. 26. CUSTO DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL • Biomassa: R$ 102/MWh • PCH: R$ 116/ MWh • Energia hidroelétrica: R$ 118/ MWh • GNL: R$ 126/ MWh • Carvão importado: R$ 128/ MWh • Carvão nacional: R$ 135/ MWh • Nuclear: R$ 139/ MWh • Gás natural: R$ 140,00/ MWh • Biogás: R$ 191/ MWh • Energia eólica: R$ 197/MWh • Óleo combustível: R$ 330/ MWh • Óleo diesel: R$ 491/ MWh Fonte: ESTUDO DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA COMO FONTE GERADORA DE ENERGIA NO BRASIL de MURILO VILL MAGALHÃES, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA, 2009.
  27. 27. Consumo de petróleo por setor no Brasil em 2009- % consumo na transformação 4% setor energético 5% residencial 6% comercial 0% público 1% agropecuário 6% transportes 51% industrial 13% consumo final não energético 14%
  28. 28. ESTRUTURA ATUAL DA DEMANDA DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS NO BRASIL POR SETOR COMBUSTÍVEL LÍQUIDO DESTINO DO COMBUSTÍVEL LÍQUIDO % querosene Transporte (aeronaves) 98 álcool Transporte (automóveis) 95 gasolina Transporte (automóveis/ caminhões) 100 diesel Transporte (automóveis/ caminhões) 78 Setor Agropecuário 14 Geração de energia elétrica 6 óleo combustível Transporte (navios) 11 Indústria 61 Geração de energia elétrica 10 GLP Residências 80 Serviços 11 nafta Uso não energético 100
  29. 29. Produção de derivados de petróleo no Brasil em 2010 e 2030 (Milhões de litros) DERIVADOS DE PETRÓLEO 2010 2030 Óleo diesel 51.243 97.876 Gasolina 19.580 42.190 GLP 13.866 24.888 Óleo combustível 8.079 9.112 Querosene 3.868 9.902 Total 96.636 183.968
  30. 30. Produção de derivados de petróleo no Brasil em 2010 e 2030 (Milhões de litros) DERIVADOS DE PETRÓLEO 2010 2030 Óleo diesel 51.243 97.876 Gasolina 19.580 42.190 GLP 13.866 24.888 Óleo combustível 8.079 9.112 Querosene 3.868 9.902 Total 96.636 183.968
  31. 31. Oferta interna de energia no Brasil em 2009 e 2030- % Petróleo e derivados 38% Gás natural 9% Carvão mineral 5% Urânio 1% Hidráulica e eletricidade 15% Lenha e carvão vegetal 10% Produtos da cana 18% Outras renováveis 4% 2009 petróleo e derivados 28% gás natural 15% carvão mineral 7% urânio 3% hidráulica e eletricidade 13%lenha e carvão vegetal 6% produtos da cana 19% outras renováveis 9% 2030
  32. 32. OFERTA INTERNA DE ENERGIA NO BRASIL EM 2009 E 2030- % FONTE DE ENERGIA 2009 2030 petróleo e derivados 37,9 28 gás natural 8,7 15,5 carvão mineral 4,7 6,9 urânio 1,4 3 hidráulica e eletricidade 15,2 13,5 lenha e carvão vegetal 10,1 5,5 produtos da cana 18,2 18,5 outras renováveis 3,8 9,1 Total 100 100
  33. 33. Fontes renováveis e não renováveis na matriz energética brasileira- % ANO Fontes renováveis Fontes não renováveis 2005 44,5 55,5 2010 43 57 2020 45,8 54,2 2030 46,6 53,4
  34. 34. Evolução das emissões de CO2 no Brasil
  35. 35. CENÁRIOS DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL EM 2050 CENÁRIO DE REFERÊNCIA 2050 (MME) CENÁRIO INTERMEDIÁRIO 2050 (USP) CENÁRIO REVOLUÇÃO ENERGÉTICA 2050 (GREENPEACE) Geração total: 1639 TWh/ano Geração total: 1166 TWh/ano Geração total: 1077 TWh/ano Eficiência energética: 0 TWh/ano Eficiência energética: 413 TWh/ano Eficiência energética: 413 TWh/ano Hidrelétricas 38% Hidrelétricas 40% Hidrelétricas 38% Gás natural 34% Gás natural 25% Gás natural 12% Biomassa e resíduos 15% Biomassa e resíduos 24% Biomassa e resíduos 26% Eólica 4% Eólica 8% Eólica 20% Nuclear 6% Nuclear 2% Nuclear 0% Diesel e Óleo combustivel 3% Diesel e Óleo combustivel 1% Diesel e Óleo combustivel 0% Carvão 0% Carvão 0% Carvão 0% Painéis fotovoltaicos 0% Painéis fotovoltaicos 0% Painéis fotovoltaicos 4%
  36. 36. PONTOS FRACOS DO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO NO BRASIL 1. Implantação de centrais hidrelétricas na Amazônia de grande porte com sérios impactos ambientais sobre a floresta amazônica e os povos indígenas 2. Implantação de centrais nucleares sujeitas a riscos de acidentes e com problemas de disposição final do lixo atômico 3. Implantação de termelétricas convencionais baseadas em combustíveis fósseis (carvão mineral e gás natural) geradoras da emissão de CO2 para a atmosfera 4. Operação do sistema elétrico interligado de baixa confiabilidade sujeito a “apagões”
  37. 37. A POLÍTICA DE SUPRIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA REQUERIDA PARA O BRASIL • Implantar PCH´s (pequenas centrais hidrelétricas) ou hidroelétricas de médio porte em várias regiões do Brasil ao invés de hidroelétricas de grande porte. • As centrais nucleares deveriam ser abandonadas como alternativa energética por problemas de segurança e disposição final do lixo atômico. • Adotar a política de economia de energia em todos os setores da atividade do país. • Incrementar a cogeração na indústria visando a produção de calor e eletricidade com a utilização de resíduos da produção industrial e do gás natural. • Usar o biogás proveniente dos aterros sanitários na produção de eletricidade. • Utilizar o hidrogênio como fonte geradora de energia a médio e longo prazo. • Elevar a confiabilidade na operação do sistema elétrico para minimizar os efeitos dos “apagões”.
  38. 38. DIRETRIZES DE PROGRAMAS PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE PETRÓLEO COM A SUBSTITUIÇÃO DE ENERGÉTICOS • Substituição da gasolina pelo etanol e do diesel pelo biodiesel a curto prazo no setor de transporte. • Substituição da gasolina e do diesel pelo hidrogênio a médio e longo prazo no setor de transporte. • Substituição do óleo combustível pelo gás natural e biomassa na indústria. • Substituição do carvão mineral pelo gás natural na indústria. • Substituição do diesel pela biomassa e gás natural no setor energético. • Substituição do GLP pelo gás natural no setor residencial.
  39. 39. DIRETRIZES DE PROGRAMAS PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE PETRÓLEO E AÇÕES DE ECONOMIA DE ENERGIA • Produção de vapor e eletricidade na indústria com o uso de sistemas de cogeração. • Incentivo às montadoras de automóveis e caminhões no sentido de elevar a eficiência dos veículos automotores para economizar energia. • Expansão dos sistemas ferroviários e hidroviários para o transporte de carga em substituição aos caminhões. • Expansão do transporte coletivo, sobretudo o transporte de massa de alta capacidade como o metrô ou VLT para reduzir o uso de automóveis nas cidades. • Restrição ao uso de automóveis nos centros e em outras áreas das cidades. • Incentivo à fabricação de máquinas e equipamentos de maior eficiência para economizar energia.

×