1
CRISES POLÍTICAS DE 1954, 1964 E 2015 NO BRASIL
Fernando Alcoforado*
O clamor nacional contra a permanência de Dilma Rou...
2
de Getúlio Vargas que tinha no nacionalismo e na industrialização as bases políticas
para o futuro do Brasil.
A deposiçã...
3
Central do Brasil, no Rio de Janeiro, que reuniu 200 mil trabalhadores em apoio a João
Goulart. Uma semana após, os seto...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Crises políticas de 1954, 1964 e 2015 no brasil

304 visualizações

Publicada em

O clamor nacional contra a permanência de Dilma Rousseff no poder é considerado por políticos ligados ao PT como uma tentativa de golpe de estado comparando o momento atual com a situação vivida pelos presidentes Getúlio Vargas em 1954 e João Goulart em 1964. Trata-se de uma tentativa de salvar um governo moribundo que perdeu totalmente a capacidade de governar a nação haja vista só contar com o apoio de 7% da população de acordo com pesquisa recente. Diferentemente dos governos Vargas e Goulart que pautavam suas ações na defesa dos interesses nacionais e dos trabalhadores, o governo Dilma Rousseff como o de seu antecessor, Lula, se caracterizam pelo descompromisso de ambos os governantes e do PT com as grandes lutas do povo brasileiro levadas avante nos últimos 50 anos, numa incoerência histórica traidora. Pode-se constatar neste artigo que o suposto golpe de estado que estaria sendo articulado para depor Dilma Rousseff não guarda nenhuma semelhança com os golpes que levaram ao suicídio de Getúlio Vargas e à deposição de João Goulart. Ao contrário dos governos Vargas e Goulart, o governo Dilma Rousseff é submisso ao capital financeiro nacional e internacional, além de devastar a economia brasileira.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
304
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Crises políticas de 1954, 1964 e 2015 no brasil

  1. 1. 1 CRISES POLÍTICAS DE 1954, 1964 E 2015 NO BRASIL Fernando Alcoforado* O clamor nacional contra a permanência de Dilma Rousseff no poder é considerado por políticos ligados ao PT como uma tentativa de golpe de estado comparando o momento atual com a situação vivida pelos presidentes Getúlio Vargas em 1954 e João Goulart em 1964. Trata-se de uma tentativa de salvar um governo moribundo que perdeu totalmente a capacidade de governar a nação haja vista só contar com o apoio de 7% da população de acordo com pesquisa recente. Diferentemente dos governos Vargas e Goulart que pautavam suas ações na defesa dos interesses nacionais e dos trabalhadores, o governo Dilma Rousseff como o de seu antecessor, Lula, se caracterizam pelo descompromisso de ambos os governantes e do PT com as grandes lutas do povo brasileiro levadas avante nos últimos 50 anos, numa incoerência histórica traidora. A incoerência dos governos Lula e Dilma Rousseff no plano econômico se manifesta no fato de ambos os governantes terem dado continuidade à política neoliberal e antinacional dos governos Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso seguindo o que estabeleceu o Consenso de Washington na década de 1990. Até mesmo a política de privatização de empresas estatais combatida pelo PT nos seus primórdios está sendo levada avante pelo governo Dilma Roussef. A denominada parceria pública privada (PPP) posta em prática pelo atual governo não é nada mais nada menos do que a nova denominação dada ao processo de privatização de portos, aeroportos, rodovias, etc. Pode-se constatar pelo que está exposto nos parágrafos a seguir, que o suposto golpe de estado que estaria sendo articulado para depor Dilma Rousseff não guarda nenhuma semelhança com os golpes que levaram ao suicídio de Getúlio Vargas e à deposição de João Goulart. Ao contrário dos governos Vargas e Goulart, o governo Dilma Rousseff é submisso ao capital financeiro nacional e internacional, além de devastar a economia brasileira. É oportuno relembrar que, com a ascensão de Getúlio Vargas ao poder com a Revolução de 1930, torna-se vitoriosa a ideologia do nacionalismo: desenvolvimento autônomo com forte base industrial. A industrialização se desenvolveria através do processo de substituição de importações, isto é, produzindo no país o que antes era importado do exterior. A deposição de Vargas em 1945 através de um golpe de estado ocorreu após o fim da Segunda Guerra Mundial, para atender às pressões de setores da sociedade brasileira que consideravam uma incongruência a manutenção do regime ditatorial após a vitória das forças democráticas do mundo inteiro contra a ditadura nazifascista e dos Estados Unidos que desejavam que o Brasil tivesse um governo mais afinado com seus interesses, como o do presidente Eurico Dutra, eleito em 1946. Getúlio Vargas, que galgou o poder pela via eleitoral em 1950, herdou de seu antecessor, Eurico Dutra, um Brasil com grandes dificuldades econômicas e desequilíbrio financeiro no setor público. Ao imprimir ao seu governo a mesma política de caráter populista e nacionalista adotada de 1930 a 1945, Getúlio Vargas passou a ser alvo do governo norte-americano e de seus aliados internos, que o queriam fora do poder. Os ataques ao seu governo vinham tanto da direita sobre a liderança de Carlos Lacerda (UDN) e da esquerda sobre o comando de Luís Carlos Prestes (PCB). Naquela época, existiam dois projetos em disputa pelo poder político, de um lado os liberais- conservadores vinculados aos interesses dos Estados Unidos que usaram diversas maneiras para atacá-lo e insultá-lo. O outro era o getulismo-trabalhismo sob a liderança
  2. 2. 2 de Getúlio Vargas que tinha no nacionalismo e na industrialização as bases políticas para o futuro do Brasil. A deposição de Getúlio Vargas em 1945 e o seu suicídio em 1954 foram consequências desse processo. Naquele momento histórico, em plena Guerra Fria, era de fundamental importância para os Estados Unidos, no seu confronto com a ex-União Soviética, manter sob seu controle suas áreas de influência na América Latina, incluindo o Brasil, e em outras partes do mundo. Por não aceitar sua renúncia ou deposição pelos militares em 1954, o presidente Vargas suicidou-se, tendo sua atitude representado, também, o ato final do primeiro governante do Brasil que pautou sua ação em defesa da soberania nacional. Vários fatores explicam o desencadeamento do golpe de estado que depôs em 1964 o presidente João Goulart. O primeiro está relacionado com o declínio do processo de crescimento econômico do Brasil inaugurado no governo Juscelino Kubitschek (1955- 1960) que agravou as tensões sociais do País. O segundo diz respeito ao aumento das contradições internas existentes no Brasil entre, de um lado, o capital e o trabalho e, de outro, entre os latifundiários e os camponeses. O terceiro concerne ao conflito entre as forças políticas interessadas na emancipação econômica nacional e as forças defensoras da manutenção da subordinação do Brasil ao capital internacional. O quarto fator diz respeito ao conflito mundial entre os sistemas capitalista, liderado pelos Estados Unidos, e o sistema socialista liderado pela União Soviética. Finalmente, o quinto fator diz respeito à crise entre a Presidência da República e as Forças Armadas não solucionada pelo presidente Goulart. Todos estes fatores contribuíram para o golpe de estado de 1964 e a implantação da ditadura militar que teve duração de 21 anos no Brasil. No breve período em que João Goulart governou o país (1961-1964), os conflitos políticos e as tensões sociais se tornaram graves. Durante o governo João Goulart, a contradição entre capital e trabalho cresceu vertiginosamente devido à queda no crescimento econômico, à perda do poder de compra dos trabalhadores resultante do aumento do desemprego e da hiperinflação e à existência de uma classe operária e de um sindicalismo gestado pelo processo de industrialização cada vez mais reivindicante na defesa dos interesses dos trabalhadores. Por sua vez, no campo, aumentaram as tensões entre os proprietários de terras (latifundiários) e os camponeses que organizados através das ligas camponesas reivindicavam a realização da reforma agrária com a desapropriação de terras do latifúndio. Diante dos grandes problemas estruturais vividos pelo Brasil e para fazer frente à crise econômica, política e social existente nos primeiros anos da década de 1960, o governo João Goulart buscou implementar as denominadas Reformas de Base com base no Plano Trienal elaborado pelo então ministro do Planejamento, Celso Furtado. Ao longo de 1963, o país foi palco de agitações sociais que polarizaram as correntes de pensamento de direita e esquerda em torno da condução da política governamental. Em 1964 a situação de instabilidade política agravou-se. O descontentamento do empresariado nacional, das classes dominantes como um todo e de amplos setores da classe média se acentuou contra o governo João Goulart. Por outro lado, os movimentos sindicais e populares pressionavam para que o governo levasse avante as reformas sociais e econômicas que os beneficiassem. Atos públicos e manifestações de apoio e oposição ao governo eclodem por todo o país. Em 13 de março, ocorreu o comício da
  3. 3. 3 Central do Brasil, no Rio de Janeiro, que reuniu 200 mil trabalhadores em apoio a João Goulart. Uma semana após, os setores latifundiários, a burguesia industrial e setores conservadores da Igreja realizaram a “Marcha da Família com Deus e pela Liberdade”, considerada o ápice do movimento de oposição ao governo. Os temores quanto à possibilidade de um eventual golpe de Estado de orientação esquerdista com o apoio de sargentos, cabos, soldados e marinheiros e com a quebra dos princípios de hierarquia e disciplina vigentes nas Forças Armadas se agravaram com a eclosão, no dia 28 de março de 1964, de uma revolta de marinheiros e fuzileiros navais no Rio, concentrados na sede do Sindicato dos Metalúrgicos. Goulart recusou-se a punir os insubmissos o que gerou uma profunda crise entre o governo e setores das Forças Armadas. No dia 30 de março de 1964, Goulart compareceu, na condição de convidado de honra, a uma festa promovida pela Associação dos Sargentos e Suboficiais na sede do Automóvel Clube. Esses eventos precipitaram a deflagração do movimento golpista, iniciado em Minas Gerais na madrugada de 31 de março de 1964 que levou à deposição do presidente João Goulart. Pelo exposto, as razões que levaram à deposição de Getúlio Vargas e João Goulart não são as mesmas que poderão levar à deposição de Dilma Rousseff. * Fernando Alcoforado, 75, membro da Academia Baiana de Educação, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011), Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012) e Energia no Mundo e no Brasil- Energia e Mudança Climática Catastrófica no Século XXI (Editora CRV, Curitiba, 2015).

×