O slideshow foi denunciado.
Professor Adjunto – ESEF/UFPel                                      Membro do:                             European Colleg...
27 de novembro de 2011 - 13:00 - 14:30
3 meses ou mais
Competição principal                                              Pico                     Forma desportiva (2 meses)     ...
NomenclaturaNorte americana/Européia Russa/CubanaPré-temporada           Preparatório Geral e EspecialTemporada           ...
Elaborar treinos sistemáticosDirecionar o planejamentoResultados desejadosControle da carga de treino                     ...
1)   Atendimento na recepção e reconhecimento da academia2)   Apresentação dos professores e das suas qualidades3)   Indic...
Objetivos:             Stone et al., 2000
MacrocicloMesocicloMicrocicloSessão de treino
“de trás pra frente”Da competição para os dia de início!   Meses de Treino (Macrociclo) SemanaSSS de Treino (Mesociclo)   ...
•Fase de Preparação Básica•Fase de Preparação Específica•Fase de Competição•Fase de Transição
PREPARATÓRIO       COMPETITIVO        TRANSIÇÃO      • Halterofilismo e Atletismo • Organização política como respaldo•...
• Tipos de Mesociclos•   Incorporação•   Básico de desenvolvimento•   Básico estabilizador•   Específico de desenvolviment...
(Smith, 2003)
PRIMEIRO PASSO•CONHECER OS OBJETIVOS DO ATLETA–EMAGRECIMENTO ?–AUMENTAR MASSA MUSCULAR ?–DIMINUIR GORDURA E AUMENTAR MASSA...
SEGUNDO PASSO•CONHECER PERFIL DO ATLETA–ANAMNESE CLÍNICA E FÍSICA;–QUAIS EXERCÍCIOS TEM AFINIDADE;–QUAIS PROGRAMAS DE EXER...
TERCEIRO PASSODEFINIR OS OBJETIVOS GERAIS EESPECIAIS EM RELAÇÃOÀS CAPACIDADESFÍSICAS
QUARTO PASSO SELECIONAR OS TESTES QUE DEVERÃO   SER APLICADOS COMO CONTROLE                 (AVALIAÇÃO FÍSICA)–ANTROPOMETR...
QUINTO PASSOIDENTIFICAR A DURAÇÃO DO MACRO, O NÚMERO DE MESOS, MICROS, AS SESSÕES DE TREINO, AS HORAS E OS MINUTOS       E...
SEXTO PASSO DEFINIR O TEMPO DESTINADO PARA           CADA PERÍODO MESES     MARÇO      ABRIL       MAIO     JUNHOPERÍODOS ...
SÉTIMO PASSO DEFINIR O TEMPO DESTINADO PARA             CADA FASE MESES     MARÇO           ABRIL      MAIO        JUNHOPE...
OITAVO PASSO DEFINIR O TEMPO E A CLASSIFICAÇÃO       PARA CADA MESOCICLO MESES         MARÇO             ABRIL        MAIO...
NONO PASSO          CLASSIFICAR OS MICROCICLOS  MESES          MARÇO             ABRIL                MAIO                ...
DÉCIMO PASSODEFINIR O GRAU DE IMPORTÂNCIA DAS CAPACIDADES EM CADA MESOCICLO E                    CALCULAR O VOLUME EM TEMP...
DÉCIMO SEGUNDO PASSO – ELABORAR A SEMANA DE TREINO                            SESSÕES DE TREINO (5ª. SEMANA)SEG   RESISTÊN...
10     9     8     7     6     5     4     3     2     1Semana 1 2 3        4     5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 ...
Aplicações do Modelo Tradicional Iniciantes nas modalidades e atletas de níveis menores   Aplicadas àqueles que estão re...
2009   2010janfev            Xmarabrmai     X     XXjun     X julagoset     Xoutnov     Xdez     X
2007         2008janfev                  Xmar     Xabr     Xmai                  Xjun     X3           X jul              ...
2004     2005janfev              Xmar     X        X            2abr     X                     2mai     X       XXjun     ...
MODELO DE FORÇA-POTÊNCIA (LINEAR)             PERÍODOS DE:   ADAPTAÇÃO ANATÔMICA     1-3 x de 10-12 reps x 45-90 sRESISTÊ...
MODELO DE FORÇA-POTÊNCIA  APLICAÇÃO NA SELEÇÃO DE JUDO DE CAMPINAS FEVEREIRO – JUNHO (JOGOS REGIONAIS - ATIBAIA)FEVEREIRO ...
Proposta de TschieneEsquema estrutural de treinamento de altos              rendimentos     Objetiva manter um alto nível ...
Proposta de Tschiene  Esse sistema prega que competições frequentes são      excelentes para manter o condicionamentoO atl...
Proposta de Tschiene
Defendido por pesquisadores de grande influênciaManutenção de desempenhos regulares ao longo de temporadas mais           ...
MODELO NÃO-LINEAR - RHEA
MODELO NÃO-LINEAR - RHEA
8 semanas2 grupos de 7 atletas cada (26 8 anos)      Linear      Não-linear2 treinos/semanaEspirometria (volume expirado, ...
MODELO DAS CARGAS CONCENTRADAS        YURI VERKOSHANSKY                     PRESSUPOSTO:    Com o aumento do nível de qual...
- Bloco A: Treino Concentrado  - MicroEtapa A1 – Entre 4 e 6 semanas      -Exercícios Técnicos Essenciais      -Exercícios...
- Bloco B: 4 a 8 semanas  - Transferência Específica e Alta Intensidade  - Coordenação e Técnica Desportiva c/ Grande Velo...
45 seg.
MODELO EM BLOCOS              TAEKWONDO              JOGOS REGIONAIS DE 2009 – SÃO ROQUE      Força  Pot. – CP  Pot. – CLV...
EXEMPLO DE BLOCOS (Villani; Gesuale, 2003)3 semanas para cada “orientação”:     1) Resistência e Adaptação anatômica     2...
EXEMPLOS DE BLOCOS - Muay Thai         (Villani; Gesuale, 2003)
EXEMPLOS DE BLOCOS  Judô   (Rosa, 2008)
EXEMPLOS DE BLOCOS  Judô                 SEGUNDO SEMESTRE DE 2009Bloco A       06/07 - 24/07 ==> Microetapa A1 (3 semanas...
MODELO EM BLOCOS              TAEKWONDO - 2011       Campeonato Brasileiro de Taekwondo      Força  Pot. – CP  Pot. – CLVe...
Ok, venceu o brasileiro“Eu me senti menos potente”“As regras mudaram”“Agora temos o sistema de ranquemento”“Sei que estou ...
Copa do Brasil – Fortaleza  Dias 13 e 14 de agosto       Hoje é 25 de julhoSE ELE NÃO ESTÁ SUPLEMENTANDO COM CREATINA, COM...
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate

4.307 visualizações

Publicada em

Curso sobre periodização do treinamento físico. Os esportes de combate são foco da palestra:

Publicada em: Esportes

II Convenção de Artes Marciais e Esportes de Combate

  1. 1. Professor Adjunto – ESEF/UFPel Membro do: European College of Sport Science National Strength and Conditioning Research Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte GTT11 – Treinamento EsportivoGrupo de Estudos e Pesquisas em Lutas, Artes Marciais e Modalidades de Combate – EEFE/USP
  2. 2. 27 de novembro de 2011 - 13:00 - 14:30
  3. 3. 3 meses ou mais
  4. 4. Competição principal Pico Forma desportiva (2 meses) Grau de treinamentoPreparatório Competitivo Transição Adaptado de Bompa (1989)
  5. 5. NomenclaturaNorte americana/Européia Russa/CubanaPré-temporada Preparatório Geral e EspecialTemporada CompetitivoFora de Temporada Transição SESSÃO DE TREINO  Um treino UNIDADE DE TREINO  Um dia de treino(s) MICROCICLO Período entre 7 e 14 dias MESOCICLO Período entre 2 e 6 semanas MACROCICLO Período entre 6 e 12 meses
  6. 6. Elaborar treinos sistemáticosDirecionar o planejamentoResultados desejadosControle da carga de treino GOMES (2002); MONTEIRO (2002); BOMPA (2002)
  7. 7. 1) Atendimento na recepção e reconhecimento da academia2) Apresentação dos professores e das suas qualidades3) Indicação e realização de Avaliação Física4) Conversa privada com o treinador – Vontades, Desejos, Experiências passadas5) Delineamento de objetivos – “Eu quero” do aluno e visão do profissional6) Prescrição do treino – Ajuste de possibilidades, agenda de treino, gostos particulares7) Acompanhamento – Tem de haver nova conversa privada, pelo menos na 2ª, 4ª e 8ª semanas8) Constatação (Reavaliação) – Realizada depois de 12 semanas de treino (3 semanas)
  8. 8. Objetivos: Stone et al., 2000
  9. 9. MacrocicloMesocicloMicrocicloSessão de treino
  10. 10. “de trás pra frente”Da competição para os dia de início! Meses de Treino (Macrociclo) SemanaSSS de Treino (Mesociclo) Semana de Treino (Microciclo) Dia de Treino (interferências) Sessão de Treino (ordem)
  11. 11. •Fase de Preparação Básica•Fase de Preparação Específica•Fase de Competição•Fase de Transição
  12. 12. PREPARATÓRIO COMPETITIVO TRANSIÇÃO • Halterofilismo e Atletismo • Organização política como respaldo• Períodos competitivos bem definidos
  13. 13. • Tipos de Mesociclos• Incorporação• Básico de desenvolvimento• Básico estabilizador• Específico de desenvolvimento• Específico estabilizador• Pré-competitivo• Competitivo• Transição
  14. 14. (Smith, 2003)
  15. 15. PRIMEIRO PASSO•CONHECER OS OBJETIVOS DO ATLETA–EMAGRECIMENTO ?–AUMENTAR MASSA MUSCULAR ?–DIMINUIR GORDURA E AUMENTAR MASSA MUSCULAR ?–RECUPERAÇÃO DE LESÕES?–COMPETIÇÕES DO CALENDÁRIO COMPETITIVO?
  16. 16. SEGUNDO PASSO•CONHECER PERFIL DO ATLETA–ANAMNESE CLÍNICA E FÍSICA;–QUAIS EXERCÍCIOS TEM AFINIDADE;–QUAIS PROGRAMAS DE EXERCÍCIO JÁ FEZ PARTE;–QUAIS GOLPES MAIS USA E SUAS LIMITAÇÕES;–QUAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICO-TÁTICAS
  17. 17. TERCEIRO PASSODEFINIR OS OBJETIVOS GERAIS EESPECIAIS EM RELAÇÃOÀS CAPACIDADESFÍSICAS
  18. 18. QUARTO PASSO SELECIONAR OS TESTES QUE DEVERÃO SER APLICADOS COMO CONTROLE (AVALIAÇÃO FÍSICA)–ANTROPOMETRIA e COMPOSIÇÃO CORPORAL–COMPONENTE AERÓBIO E ANAERÓBIO–FORÇA DINÂMICA E ESTÁTICA–POTÊNCIA MUSCULAR–FLEXIBILIDADE– TESTES ESPECÍFICOS DA MODALIDADE
  19. 19. QUINTO PASSOIDENTIFICAR A DURAÇÃO DO MACRO, O NÚMERO DE MESOS, MICROS, AS SESSÕES DE TREINO, AS HORAS E OS MINUTOS EX. ATLETA IRÁ TREINAR 3 X NA SEMANA COM SESSÕES DE 1 HORA JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ X X OK OK OK OK OK OK OK OK OK X- MACROCICLO 1 MACRO 1 MACRO 2 - 4 MESOS; - 16 MICROS; - 48 SESSÕES DE TREINO; - 48 HORAS; - 2880 MINUTOS (48 HORAS X 60MINUTOS
  20. 20. SEXTO PASSO DEFINIR O TEMPO DESTINADO PARA CADA PERÍODO MESES MARÇO ABRIL MAIO JUNHOPERÍODOS PREPARATÓRIO TRANSITÓRIO
  21. 21. SÉTIMO PASSO DEFINIR O TEMPO DESTINADO PARA CADA FASE MESES MARÇO ABRIL MAIO JUNHOPERÍODOS PREPARATÓRIO TRANSITÓRIO FASES GERAL ESPECIAL MANUTENÇÃO
  22. 22. OITAVO PASSO DEFINIR O TEMPO E A CLASSIFICAÇÃO PARA CADA MESOCICLO MESES MARÇO ABRIL MAIO JUNHOPERÍODOS PREPARATÓRIO TRANSITÓRIO FASES BÁSICA ESPECÍFICA MANUTENÇÃOMESOCICLO INTRODUTÓRIO DESENV. I DESENV. II ESTABILIZADOR
  23. 23. NONO PASSO CLASSIFICAR OS MICROCICLOS MESES MARÇO ABRIL MAIO JUNHO PERÍODOS PREPARATÓRIO TRANSITÓRIO FASES BÁSICA ESPECÍFICA MANUTENÇÃOMESOCICLO INTRODUTÓRIO DESENV. I DESENV. II ESTABILIZADOR SEMANAS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 MICROS C E E E O E O E O O O E C E E EPLANEJADOS MICROSREALIZADOS
  24. 24. DÉCIMO PASSODEFINIR O GRAU DE IMPORTÂNCIA DAS CAPACIDADES EM CADA MESOCICLO E CALCULAR O VOLUME EM TEMPO MESES MARÇO ABRIL MAIO JUNHO PERÍODOS PREPARATÓRIO TRANSITÓRIO FASES BÁSICA ESPECÍFICA MANUTENÇÃO MESOCICLO INTRODUTÓRIO DESENV. I DESENV. II ESTABILIZADOR SEMANAS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 MICROS C E E E O O O E O O O E C E E E PLANEJADOS MICROS REALIZADOS ** ** *** *FORÇA DINÂMICA 35% 45% 70% 20% ** ** * * MOBILIDADE 35% 35% 15% 20% ** * * *** FLEXIBILIDADE 30% 20% 15% 60% TOTAL 100% 100% 100% 100% * Pouco importante ; * * Importante; * * * Muito Importante.
  25. 25. DÉCIMO SEGUNDO PASSO – ELABORAR A SEMANA DE TREINO SESSÕES DE TREINO (5ª. SEMANA)SEG RESISTÊNCIA – 25’ corrida em esteira – método contínuo intervalado (3’- 140 BPM / 2’- 120 BPM) FORÇA – musculação - método alternado por segmento – 8 exercícios - 3x 15 rep com 65% de 1RM FLEXIBILIDADE - alongamento – método passivo estático - 6 exercícios principais grupamentos - 1x15”QUA RESISTÊNCIA – 25’ corrida em esteira – método contínuo intervalado (3’- 140 BPM / 2’- 120 BPM) FORÇA – musculação - método alternado por segmento – 6 exercícios - 3x 15 rep com 65% de 1RM FLEXIBILIDADE - alongamento – método passivo estático - 6 exercícios principais grupamentos - 1x15”SEX RESISTÊNCIA – 25’ corrida em esteira – método contínuo intervalado (3’- 140 BPM / 2’- 120 BPM) FORÇA – musculação - método alternado por segmento – 8 exercícios - 3x 15 rep com 65% de 1RM FLEXIBILIDADE - alongamento – método passivo estático - 6 exercícios principais grupamentos - 1x15”
  26. 26. 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1Semana 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26Meso Incorporação Básico de Desenv. Básico Estabiliz. Específico Desenv Específico Estabil. Pré-competitivo Comp. Este modelo – Tradicional – atende a um número limitado de competições no ano.
  27. 27. Aplicações do Modelo Tradicional Iniciantes nas modalidades e atletas de níveis menores  Aplicadas àqueles que estão retornando à prática - p.ex. Lesões desportivas Quando o calendário competitivo é curto
  28. 28. 2009 2010janfev Xmarabrmai X XXjun X julagoset Xoutnov Xdez X
  29. 29. 2007 2008janfev Xmar Xabr Xmai Xjun X3 X jul Xago X X 3set Xout 2nov XX 3dez X X
  30. 30. 2004 2005janfev Xmar X X 2abr X 2mai X XXjun X X julago XXset Xout Xnov X Xdez X
  31. 31. MODELO DE FORÇA-POTÊNCIA (LINEAR) PERÍODOS DE: ADAPTAÇÃO ANATÔMICA  1-3 x de 10-12 reps x 45-90 sRESISTÊNCIA DE FORÇA (HIPERTROFIA)  1-4 x de 06-12 RM x 45-120 s FORÇA MÁXIMA  1-4 x de 1-5 RM x 2-4 min POTÊNCIA  1-4 x de 5-7 reps x 2-4 min
  32. 32. MODELO DE FORÇA-POTÊNCIA APLICAÇÃO NA SELEÇÃO DE JUDO DE CAMPINAS FEVEREIRO – JUNHO (JOGOS REGIONAIS - ATIBAIA)FEVEREIRO Potência Aeróbia e RMLMARÇO Capacidade Anaeróbia e ForçaABRIL Capacidade Anaeróbia e ForçaMAIO Força, Potência Anaeróbia e Técnico-TáticoJUNHO Potência Anaeróbia e Técnico-Tático
  33. 33. Proposta de TschieneEsquema estrutural de treinamento de altos rendimentos Objetiva manter um alto nível de rendimento durante todo ciclo anual Volume e intensidade altos todo tempo
  34. 34. Proposta de Tschiene Esse sistema prega que competições frequentes são excelentes para manter o condicionamentoO atleta deve manter uma alta capacidade rendimento aolongo do ano esportivo, ao invés de construí-la, mantê-la e depois perdê-la Por isso o autor preconiza intervalos profiláticos (recuperação ativa), assim o atleta descansa sem perder condicionamento
  35. 35. Proposta de Tschiene
  36. 36. Defendido por pesquisadores de grande influênciaManutenção de desempenhos regulares ao longo de temporadas mais demoradas Apresenta maior flexibilidade e é mais adaptável às mudanças de calendário Haff, 2004
  37. 37. MODELO NÃO-LINEAR - RHEA
  38. 38. MODELO NÃO-LINEAR - RHEA
  39. 39. 8 semanas2 grupos de 7 atletas cada (26 8 anos) Linear Não-linear2 treinos/semanaEspirometria (volume expirado, em ml)Impulsão horizontal (em cm)
  40. 40. MODELO DAS CARGAS CONCENTRADAS YURI VERKOSHANSKY PRESSUPOSTO: Com o aumento do nível de qualificação esportiva, a velocidade de aumento da função motora diminui.Utilização de elevado volume de meios condicionantes de preparação especial Alteração profunda e prolongada na homeostase do organismo com redução dos índices funcionais
  41. 41. - Bloco A: Treino Concentrado - MicroEtapa A1 – Entre 4 e 6 semanas -Exercícios Técnicos Essenciais -Exercícios Poliarticulares -Saltabilidade Simples -MicroEtapa A2 – Entre 4 e 6 semanas -Cargas Concentradas em grande volume -Treinamentos de Choque -Saltos Profundos -Ligações técnicas complexas - MicroEtapa A3 – Entre 4 e 6 semanas -Cargas concentradas em menor volume e maior intensidade - Saltos de profundidade - Esforços específicos e “explosivos” - Interconexão para o Bloco B
  42. 42. - Bloco B: 4 a 8 semanas - Transferência Específica e Alta Intensidade - Coordenação e Técnica Desportiva c/ Grande Velocidade- Bloco C: 8 a 12 semanas - Efeito Posterior Duradouro do Treinamento (EPDT) - Aperfeiçoamento técnico tático - Exercício de Força de Alta Intensidade e Escasso volume Interconexão entre os BLOCOS A, B e C A B C
  43. 43. 45 seg.
  44. 44. MODELO EM BLOCOS TAEKWONDO JOGOS REGIONAIS DE 2009 – SÃO ROQUE Força Pot. – CP Pot. – CLVelocidade Capacidade Anaeróbia Potência Anaeróbia
  45. 45. EXEMPLO DE BLOCOS (Villani; Gesuale, 2003)3 semanas para cada “orientação”: 1) Resistência e Adaptação anatômica 2) Força máxima 3) Potência 4) Técnica e rapidez 5) Treino de resistência específica
  46. 46. EXEMPLOS DE BLOCOS - Muay Thai (Villani; Gesuale, 2003)
  47. 47. EXEMPLOS DE BLOCOS  Judô (Rosa, 2008)
  48. 48. EXEMPLOS DE BLOCOS  Judô SEGUNDO SEMESTRE DE 2009Bloco A 06/07 - 24/07 ==> Microetapa A1 (3 semanas) 27/07 - 15/08 ==> Microetapa A2 (3 semanas) 17/08 - 05/09 ==> Microetapa A3 (3 semanas)Bloco B 08/09 - 25/09 ==> 3 semanasBloco C 28/09 – 03/10 - Paulista Sênior 05-18/10 - Jogos Abertos 23-25/10 - Brasileiro Adulto 07/11 - Absoluto por faixas
  49. 49. MODELO EM BLOCOS TAEKWONDO - 2011 Campeonato Brasileiro de Taekwondo Força Pot. – CP Pot. – CLVelocidade
  50. 50. Ok, venceu o brasileiro“Eu me senti menos potente”“As regras mudaram”“Agora temos o sistema de ranquemento”“Sei que estou com baixa aptidão...”Daqui 4 semanas tenho (que ganhar) Copa do Brasil
  51. 51. Copa do Brasil – Fortaleza Dias 13 e 14 de agosto Hoje é 25 de julhoSE ELE NÃO ESTÁ SUPLEMENTANDO COM CREATINA, COMEÇAR AGORA.5g por dia, 30’ pré treino de força, sem interromper e sem fase de saturação. TKD 2ª, 3ª e 5ª feiras Treino de “Musculação” A e B, em dias diferentes

×