SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
PODER JUDICIÁRIO
JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO
Juizado Especial Federal Cível Araçatuba
Avenida Joaquim Pompeu de Toledo, 1534 - Vila Estádio - CEP 16020050
Araçatuba/SP Fone: 18-31170150
TERMO Nr: 6331009033/2015
PROCESSO Nr: 0002600-66.2015.4.03.6331 AUTUADO EM 18/12/2015
ASSUNTO: 010404 - SAÚDE - SERVIÇOS
CLASSE: 1 - PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL
AUTOR: PAULO CEZAR VENDRAME
ADVOGADO(A)/DEFENSOR(A) PÚBLICO(A): SP250741 - EDVALDO ALMEIDA DOS SANTOS
RÉU: UNIAO FEDERAL (AGU) E OUTROS
ADVOGADO(A): SP999999 - SEM ADVOGADO
DISTRIBUIÇÃO POR SORTEIO EM 18/12/2015 09:29:35
DATA: 18/12/2015
DECISÃO
Trata-se de ação por meio da qual o autor, PAULO CEZAR VENDRAME, pleiteia contra
a União Federal (AGU), o Estado de São Paulo e a Universidade do Estado de São Paulo-USP -
Unidade Universitária do Instituto de Química de São Carlos, o fornecimento da substância
fosfoetanolamina sintética, objetivando o tratamento de seu câncer de pulmão com presença de
metástase em outras partes do corpo. Formula pedido de antecipação dos efeitos da tutela para
que a substância seja fornecida liminarmente, sem a prévia oitiva dos corréus.
Em síntese, o autor, com 51 anos de idade, aduz que em agosto de 2015 foi
diagnosticado com câncer de pulmão com metástase óssea, adenocarcinoma metastático,
também conhecida por neoplasia maligna originária no pulmão com metástase para os ossos.
Relata que após o diagnóstico, e devido ao estágio do tumor, foi dado início ao
tratamento convencional à base de quimioterapia. Porém, não obteve nenhuma melhora em seu
quadro. Ao contrário, mesmo com o tratamento, houve evolução da doença, a qual se
disseminou para várias partes de sua coluna vertebral.
Chegou a ser internado no mês de novembro do corrente ano, com fortes dores,
ocasião em que foram utilizados medicamentos para sua amenização.
Durante sua última internação foi solicitado pela médica que prestou o atendimento o
uso da substância “Fosfoetanolamina” para o tratamento da adenocarcinoma metastático,
inclusive mediante prescrição.
Informa que referida substância é produzida em estágio experimental e para fins de
pesquisa somente pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo-USP de São Carlos, e
que, em testes realizados, mostrou-se eficaz na melhora de sintomas de pacientes com câncer,
sendo de baixíssimo custo, mas que, devido a questões concernentes à patente da substância,
ainda não foi obtido registro para sua produção comercial.
Alega que chegou a solicitar seu fornecimento junto à referida entidade, porém, sem
sucesso, já que nesta ocasião, além de obter a informação de que somente seria possível a sua
obtenção por meio de decisão judicial, tomou conhecimento de que a distribuição da substância
foi proibida pela Portaria IQSC nº 1.389/2014.
2015/633100039205-39815-JEF
Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474
Documento Nº: 2015/633100039205-39815
Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef
Sustenta que seu quadro clínico é grave, que o tratamento convencional não tem
dado resultado, infligindo-lhe grande sofrimento, além de expectativa de vida por cerca de seis
meses, e que houve indicação médica para uso da substância como forma de melhorar sua
qualidade de vida, de modo que entende fazer jus a decisão judicial que lhe assegure o
fornecimento da substância, inclusive mediante liminar.
É a síntese do necessário. Fundamento e decido.
Numa análise perfunctória, a partir dos elementos de prova trazidos com a inicial,
entendo presentes os requisitos legais para o acolhimento do pedido de antecipação de tutela
formulado na inicial.
Conforme o disposto no artigo 196 e seguintes da Constituição Federal, a saúde é
direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem
à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e
serviços para sua promoção, proteção e recuperação, sendo de relevância pública as ações e
serviços de saúde, os quais integram uma rede regionalizada e hierarquizada, constituindo um
sistema único (SUS).
No plano infraconstitucional, tem-se a Lei nº 8.080/90, que em seu artigo 4º, dispõe
que o SUS é constituído pelo conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por órgãos e
instituições públicas federais, estaduais e municipais, da Administração direta e indireta e das
fundações mantidas pelo Poder Público, incluídas aí as instituições de pesquisa e de produção de
insumos e medicamentos, dentre outros.
Além disso, nos termos do artigo 6º, inciso I, d e inciso VI, da referida Lei, estão
incluídas no campo de atuação do SUS, a execução de ações de assistência terapêutica integral,
inclusive farmacêutica. Em outras palavras, o fornecimento de medicamentos.
No caso dos autos, a documentação juntada às fls. 44/51 demonstra que o autor, por
estar acometido de câncer de pulmão com metástase óssea, vem sendo submetido a tratamento
quimioterápico convencional, porém, sem melhoras em seu quadro clínico. Os laudos médicos,
em especial os de fls. 49/50, apontam a gravidade de seu quadro, decorrente da deflagração do
processo de metástase por diversas áreas de seu corpo, o que lhe causa dores agudas e a
necessidade do auxílio de aparelho andador para deambular.
Desse contexto, exsurge a imperiosa necessidade de lhe franquear o acesso à referida
substância, embora desprovida de registro junto à ANVISA.
Como é cediço, a comercialização de qualquer medicamento no âmbito do território
nacional pressupõe sua aprovação e registro no Ministério da Saúde, como dispõe o art. 12 da
Lei nº 6.360/76, uma vez que a natureza e a finalidade de certas substâncias exigem o
monitoramento de sua segurança, eficácia e qualidade terapêutica, consoante redação do
dispositivo supramencionado:
“Art. 12 - Nenhum dos produtos de que trata esta Lei, inclusive os importados, poderá
ser industrializado, exposto à venda ou entregue ao consumo antes de registrado no
Ministério da Saúde”.
Esse registro está previsto no art. 3º, inciso XXI, do Decreto nº 79.094/77, na
redação que lhe foi atribuída pelo Decreto nº 3.961/01, a saber:
“XXI - Registro de Medicamento - Instrumento por meio do qual o Ministério da
Saúde, no uso de sua atribuição específica, determina a inscrição prévia no órgão ou
na entidade competente, pela avaliação do cumprimento de caráter jurídico-
administrativo e técnico-científico relacionada com a eficácia, segurança e qualidade
destes produtos, para sua introdução no mercado e sua comercialização ou
consumo;”
2015/633100039205-39815-JEF
Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474
Documento Nº: 2015/633100039205-39815
Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef
Atualmente, essa inscrição compete à ANVISA - Agência Nacional de Vigilância
Sanitária, na forma das disposições da Lei nº 9.782/99 e da Lei nº 6.360/76. Contudo, há
hipóteses em que a necessidade de registro é afastada pela própria lei, como dispõe o artigo 24
da Lei nº 6.360/76:
“Estão isentos de registro os medicamentos novos, destinados
exclusivamente a uso experimental, sob controle médico, podendo, inclusive,
ser importados mediante expressa autorização do Ministério da Saúde”.
Como se vê, a própria legislação regulamentadora da saúde prevê a possibilidade da
ministração de substâncias medicamentosas sem registro, desde que destinadas a uso
experimental e sob controle médico, de maneira a viabilizar a efetiva concretização dos direitos
fundamentais à vida e à saúde, direitos de envergadura constitucional e corolários, em última
instância, do sobreprincípio da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III da CF).
Assim, apesar da regra geral de vedação ao fornecimento de substâncias
medicamentosas que não possuem registro na ANVISA, há que se considerar a flexibilização
dessa norma nas situações excepcionais, onde o risco de morte se faz presente.
É o caso dos autos, em que as terapias convencionais não têm se mostrado capazes
de conter a evolução da doença grave que padece o autor.
Os documentos juntados e as notícias veiculadas junto aos canais de comunicação
(fls. 53 e seguintes) apontam a existência de respeitáveis experimentos médicos e
farmacológicos que concluíram pela eficácia da utilização da substância “fosfoetanolamina
sintética” no tratamento de sintomas de pacientes com câncer, produzida em caráter
experimental, e com exclusividade, a baixo custo, pela Unidade Universitária do Instituto de
Química da USP de São Carlos-SP.
Ademais, a necessidade de ministração da multicitada substância no tratamento da
enfermidade que acomete o autor foi devidamente prescrita por profissional médica que o
avaliou via Sistema Único de Saúde-SUS (fl. 44), de modo a preencher o requisito do controle
médico previsto no art. 24, da Lei nº 6.360/76 para a utilização de substância medicamentosa
sem registro na ANVISA.
Dessarte, tenho que a ausência de registro do medicamento na ANVISA, não afasta a
responsabilidade do Estado e nem obsta o direito do autor de obter a substância requerida, à
medida que a obrigação dos entes públicos de garantir o direito à saúde não se limita ao registro
do fármaco e tampouco ao fornecimento exclusivo de medicamentos registrados, sob pena de
grave afronta às disposições legais e constitucionais supramencionadas.
Ainda que se alegue tratar-se de substância experimental, cujos efeitos no organismo
humano a longo prazo sejam desconhecidos, fato é que o autor está disposto a se sujeitar aos
eventuais efeitos colaterais do tratamento, já que não dispõe de tempo para aguardar a
conclusão de tais pesquisas, diante da gravidade de seu quadro clínico.
Neste sentido, inclusive, a recente decisão proferida pelo E. Supremo Tribunal Federal
em caso análogo, envolvendo o fornecimento da substância “fosfoetanolamina sintética”:
“...Quanto ao periculum, como já se reconheceu no início desta decisão, há evidente
comprovação de que a espera de um provimento final poderá tornar-se ineficaz.
No que tange à plausibilidade, há que se registrar que o fundamento invocado pela
decisão recorrida refere-se apenas à ausência de registro na ANVISA da substância
requerida pela peticionante. A ausência de registro, no entanto, não implica,
necessariamente, lesão à ordem púbica, especialmente se considerado que o tema
pende de análise por este Supremo Tribunal Federal, em sede de repercussão geral
(RE 657.718-RG, Relator Ministro Marco Aurélio, Dje 12.03.2012).
2015/633100039205-39815-JEF
Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474
Documento Nº: 2015/633100039205-39815
Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef
Neste juízo cautelar que se faz da matéria, a presença de repercussão geral (tema
500) empresta plausibilidade jurídica à tese suscitada pela recorrente, a recomendar,
por ora, a concessão da medida cautelar, para suspender decisão proferida pelo
Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, em sede de Suspensão de
Tutela Antecipada 2194962-67.2015.8.26.0000...”. (Pet 5828 MC, Relator(a): Min.
EDSON FACHIN, julgado em 06/10/2015, publicado em PROCESSO ELETRÔNICO DJe-
203 DIVULG 08/10/2015 PUBLIC 09/10/2015).
Outrossim, não se cogita, ao menos por ora, de violação à ordem econômica ou ao
princípio da reserva do possível , ante o noticiado custo módico da produção da substância
“fosfoetanolamina sintética”.
Não obstante o assunto sujeite-se a diversas conjecturas, entendo que a discussão
pode ser postergada, porquanto, frente ao embate de direitos ora posto, tenho que os direitos à
vida e à saúde devem se sobrepor a quaisquer outros.
Alerta-se, contudo, que, por se tratar de substância experimental, cujos efeitos
colaterais e contraindicações são desconhecidos, os riscos decorrentes de sua ministração ficam
restritos ao usuário, que deve se sujeitar ao acompanhamento médico do subscritor da
prescrição apresentada.
De outro lado, este Juízo não ignora que, apesar da urgência que todos os cidadãos
acometidos pelo câncer têm em obter a “fosfoetanolamina sintética”, é cediço que após a
veiculação pela mídia dos efeitos positivos da substância no tratamento dos carcinomas, uma
sucessão de liminares vem sendo concedidas, de modo a obstaculizar seu atendimento em prazo
exíguo pelo Instituto de Química da USP de São Carlos, vez que desprovido de recursos
materiais e humanos para produção da substância em larga escala.
Por fim, destaca-se que esta decisão liminar possui natureza provisória, podendo ser
revista por este Juízo após a vinda das contestações e de novas informações aos autos, nos
termos do art. 273 do CPC.
<#Ante o exposto, defiro a antecipação dos efeitos da tutela, para determinar
que a Universidade do Estado de São Paulo-USP - Unidade Universitária do Instituto de Química
de São Carlos, no prazo de trinta dias, disponibilize a substância “FOSFOETANOLAMINA
SINTÉTICA” à parte autora pessoalmente ou mediante representação por procurador com
poderes específicos para retirar a substância no local, ou ainda por outro meio eventualmente
acordado entre as partes, em quantidade suficiente para garantir o seu tratamento, que deverá
ser indicada pelo Instituto de Química, responsável pela pesquisa e que já a forneceu a
inúmeros pacientes, ficando a posologia a critério do profissional que prescreveu o tratamento.
O fornecimento da quantidade adequada deverá ser renovado a cada cômputo do período para o
qual a quantidade de substância venha a ser prescrita.
Em consequência, ficam suspensos os efeitos da PORTARIA IQSC 1389/2014 em
relação ao autor, editada pelo Diretor do Instituto de Química, exclusivamente quanto à
produção e fornecimento da “FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA”.
Expeça-se o necessário com urgência.
Defiro os pedidos da parte autora de concessão de justiça gratuita, nos termos do art.
5º, inciso LXXIV, da Constituição Federal e do artigo 4º da Lei nº 1.060/50, e de tramitação
prioritária, nos termos do art. 1.211-A do CPC e do art. 71 da Lei nº 10.741/03.
Citem-se os corréus, na pessoa de seus representantes legais, para apresentarem
suas contestações no prazo de sessenta dias.
A citação da União Federal (AGU) será feita mediante a remessa desta decisão ao
portal de intimações.
2015/633100039205-39815-JEF
Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474
Documento Nº: 2015/633100039205-39815
Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef
Publique-se. Intime-se. Cumpra-se.#>
GUSTAVO GAIO MURAD
Juiz Federal substituto
2015/633100039205-39815-JEF
Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474
Documento Nº: 2015/633100039205-39815
Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tutela antecipada em Agravo no Juizado Especial Federal de Minas Gerais
Tutela antecipada  em Agravo no Juizado Especial Federal de Minas GeraisTutela antecipada  em Agravo no Juizado Especial Federal de Minas Gerais
Tutela antecipada em Agravo no Juizado Especial Federal de Minas Geraisfabiomotta747
 
Açao popular nomeacao de secretario e fechamento de unidade de saude - 0020...
Açao popular   nomeacao de secretario e fechamento de unidade de saude - 0020...Açao popular   nomeacao de secretario e fechamento de unidade de saude - 0020...
Açao popular nomeacao de secretario e fechamento de unidade de saude - 0020...Jamildo Melo
 
Administrativo. agravo. ação civil pública. suspensão de tutela antecipada
Administrativo. agravo. ação civil pública. suspensão de tutela antecipadaAdministrativo. agravo. ação civil pública. suspensão de tutela antecipada
Administrativo. agravo. ação civil pública. suspensão de tutela antecipadaInforma Jurídico
 
Decisão. Projeto Mais Médicos
Decisão. Projeto Mais MédicosDecisão. Projeto Mais Médicos
Decisão. Projeto Mais MédicosOsvaldo Simonelli
 
TJPE mantém afastamento de secretária de Saúde que furou fila da vacinação da...
TJPE mantém afastamento de secretária de Saúde que furou fila da vacinação da...TJPE mantém afastamento de secretária de Saúde que furou fila da vacinação da...
TJPE mantém afastamento de secretária de Saúde que furou fila da vacinação da...MatheusSantos699
 
Aco 3451 ANVISA suspensão
Aco 3451 ANVISA suspensãoAco 3451 ANVISA suspensão
Aco 3451 ANVISA suspensãoEditora 247
 
Aasp.novembro.15.códigoeodireito
Aasp.novembro.15.códigoeodireitoAasp.novembro.15.códigoeodireito
Aasp.novembro.15.códigoeodireitoOsvaldo Simonelli
 
O pedido do ministério público federal
O pedido do ministério público federalO pedido do ministério público federal
O pedido do ministério público federalRadar News
 
AASP.novembro.15.processoetico
AASP.novembro.15.processoeticoAASP.novembro.15.processoetico
AASP.novembro.15.processoeticoOsvaldo Simonelli
 
Portaria acompanhamento situação medicamentos em natal
Portaria acompanhamento situação medicamentos em natalPortaria acompanhamento situação medicamentos em natal
Portaria acompanhamento situação medicamentos em natalCarlos França
 
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014Farmacêutico Digital
 
114 cartilha direito_medicamentos
114 cartilha direito_medicamentos114 cartilha direito_medicamentos
114 cartilha direito_medicamentosvisacamacan
 

Mais procurados (19)

Tutela antecipada em Agravo no Juizado Especial Federal de Minas Gerais
Tutela antecipada  em Agravo no Juizado Especial Federal de Minas GeraisTutela antecipada  em Agravo no Juizado Especial Federal de Minas Gerais
Tutela antecipada em Agravo no Juizado Especial Federal de Minas Gerais
 
Açao popular nomeacao de secretario e fechamento de unidade de saude - 0020...
Açao popular   nomeacao de secretario e fechamento de unidade de saude - 0020...Açao popular   nomeacao de secretario e fechamento de unidade de saude - 0020...
Açao popular nomeacao de secretario e fechamento de unidade de saude - 0020...
 
Administrativo. agravo. ação civil pública. suspensão de tutela antecipada
Administrativo. agravo. ação civil pública. suspensão de tutela antecipadaAdministrativo. agravo. ação civil pública. suspensão de tutela antecipada
Administrativo. agravo. ação civil pública. suspensão de tutela antecipada
 
Sentença Judicial
Sentença JudicialSentença Judicial
Sentença Judicial
 
Decisão. Projeto Mais Médicos
Decisão. Projeto Mais MédicosDecisão. Projeto Mais Médicos
Decisão. Projeto Mais Médicos
 
TJPE mantém afastamento de secretária de Saúde que furou fila da vacinação da...
TJPE mantém afastamento de secretária de Saúde que furou fila da vacinação da...TJPE mantém afastamento de secretária de Saúde que furou fila da vacinação da...
TJPE mantém afastamento de secretária de Saúde que furou fila da vacinação da...
 
Recurso especial 1.350.169
Recurso especial 1.350.169Recurso especial 1.350.169
Recurso especial 1.350.169
 
Recurso Especial n. 1.470.643
Recurso Especial n. 1.470.643Recurso Especial n. 1.470.643
Recurso Especial n. 1.470.643
 
Recurso especial n. 1.550.053
Recurso especial n. 1.550.053Recurso especial n. 1.550.053
Recurso especial n. 1.550.053
 
Aco 3451 ANVISA suspensão
Aco 3451 ANVISA suspensãoAco 3451 ANVISA suspensão
Aco 3451 ANVISA suspensão
 
Aasp.novembro.15.códigoeodireito
Aasp.novembro.15.códigoeodireitoAasp.novembro.15.códigoeodireito
Aasp.novembro.15.códigoeodireito
 
Edital TCU 2015
Edital TCU 2015Edital TCU 2015
Edital TCU 2015
 
O pedido do ministério público federal
O pedido do ministério público federalO pedido do ministério público federal
O pedido do ministério público federal
 
AASP.novembro.15.processoetico
AASP.novembro.15.processoeticoAASP.novembro.15.processoetico
AASP.novembro.15.processoetico
 
Responsabilidadeética
ResponsabilidadeéticaResponsabilidadeética
Responsabilidadeética
 
Portaria acompanhamento situação medicamentos em natal
Portaria acompanhamento situação medicamentos em natalPortaria acompanhamento situação medicamentos em natal
Portaria acompanhamento situação medicamentos em natal
 
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
MEDIDA PROVISÓRIA No 653, DE 8 DE AGOSTO DE 2014
 
114 cartilha direito_medicamentos
114 cartilha direito_medicamentos114 cartilha direito_medicamentos
114 cartilha direito_medicamentos
 
Agravo de Instrumento - 2014.027405-5
Agravo de Instrumento - 2014.027405-5Agravo de Instrumento - 2014.027405-5
Agravo de Instrumento - 2014.027405-5
 

Semelhante a Fornecimento substância experimental câncer

Liminar hc uso medicinal da cannabis com tarjas
Liminar hc uso medicinal da cannabis com tarjasLiminar hc uso medicinal da cannabis com tarjas
Liminar hc uso medicinal da cannabis com tarjasJornal do Commercio
 
Decisao monocrativa terminativa que negou seguimento ao Agravo de Instrumento
Decisao monocrativa terminativa que negou seguimento ao Agravo de InstrumentoDecisao monocrativa terminativa que negou seguimento ao Agravo de Instrumento
Decisao monocrativa terminativa que negou seguimento ao Agravo de Instrumentofabiomotta747
 
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013Osvaldo Simonelli
 
Decisão Quinta Vara
Decisão Quinta VaraDecisão Quinta Vara
Decisão Quinta VaraJamildo Melo
 
Joinville lei 0793 Código Sanitário
Joinville lei 0793 Código SanitárioJoinville lei 0793 Código Sanitário
Joinville lei 0793 Código Sanitárioabpvs
 
Supenso Edital Das Os
Supenso Edital Das OsSupenso Edital Das Os
Supenso Edital Das Osguest807668f
 
Tutela Antecipada. Maria Aprecida Ferreira Prefeitua Municipal Ii
Tutela Antecipada. Maria Aprecida Ferreira Prefeitua Municipal IiTutela Antecipada. Maria Aprecida Ferreira Prefeitua Municipal Ii
Tutela Antecipada. Maria Aprecida Ferreira Prefeitua Municipal IiDimasRoque
 
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente LulaTRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente LulaJornal do Commercio
 
Governo Bolsonaro cancelou compra de kit intubação em agosto de 2020
Governo Bolsonaro cancelou compra de kit intubação em agosto de 2020Governo Bolsonaro cancelou compra de kit intubação em agosto de 2020
Governo Bolsonaro cancelou compra de kit intubação em agosto de 2020Luís Carlos Nunes
 
Lei 6360/1976 - Normas para Registro de medicamentos no Brasil
Lei 6360/1976 - Normas para Registro de medicamentos no BrasilLei 6360/1976 - Normas para Registro de medicamentos no Brasil
Lei 6360/1976 - Normas para Registro de medicamentos no BrasilMarcelo Polacow Bisson
 
Parecer 051.2013.agu.maismédicos
Parecer 051.2013.agu.maismédicosParecer 051.2013.agu.maismédicos
Parecer 051.2013.agu.maismédicosOsvaldo Simonelli
 
Desembargador determina soltura de Lula
Desembargador determina soltura de LulaDesembargador determina soltura de Lula
Desembargador determina soltura de LulaR7dados
 
STF libera passaporte de vacina nas universidades
STF libera passaporte de vacina nas universidades STF libera passaporte de vacina nas universidades
STF libera passaporte de vacina nas universidades Aquiles Lins
 
Manifestação contra pl 78 agrotóxicos
Manifestação contra pl 78 agrotóxicosManifestação contra pl 78 agrotóxicos
Manifestação contra pl 78 agrotóxicosCentro De Ambientais
 

Semelhante a Fornecimento substância experimental câncer (20)

Inicial medicamento
Inicial medicamento Inicial medicamento
Inicial medicamento
 
Liminar hc uso medicinal da cannabis com tarjas
Liminar hc uso medicinal da cannabis com tarjasLiminar hc uso medicinal da cannabis com tarjas
Liminar hc uso medicinal da cannabis com tarjas
 
2730653
27306532730653
2730653
 
Recomendacao raio-x-
Recomendacao raio-x-Recomendacao raio-x-
Recomendacao raio-x-
 
Decisao monocrativa terminativa que negou seguimento ao Agravo de Instrumento
Decisao monocrativa terminativa que negou seguimento ao Agravo de InstrumentoDecisao monocrativa terminativa que negou seguimento ao Agravo de Instrumento
Decisao monocrativa terminativa que negou seguimento ao Agravo de Instrumento
 
Decisão Glifosato
Decisão GlifosatoDecisão Glifosato
Decisão Glifosato
 
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
Direito a Saude. AASP. Outubro 2013
 
Decisão Quinta Vara
Decisão Quinta VaraDecisão Quinta Vara
Decisão Quinta Vara
 
Joinville lei 0793 Código Sanitário
Joinville lei 0793 Código SanitárioJoinville lei 0793 Código Sanitário
Joinville lei 0793 Código Sanitário
 
Supenso Edital Das Os
Supenso Edital Das OsSupenso Edital Das Os
Supenso Edital Das Os
 
Apelação cível - 2011.006036-1
Apelação cível - 2011.006036-1Apelação cível - 2011.006036-1
Apelação cível - 2011.006036-1
 
Tutela Antecipada. Maria Aprecida Ferreira Prefeitua Municipal Ii
Tutela Antecipada. Maria Aprecida Ferreira Prefeitua Municipal IiTutela Antecipada. Maria Aprecida Ferreira Prefeitua Municipal Ii
Tutela Antecipada. Maria Aprecida Ferreira Prefeitua Municipal Ii
 
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente LulaTRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
TRF-4 concede habeas corpus ao ex-presidente Lula
 
Governo Bolsonaro cancelou compra de kit intubação em agosto de 2020
Governo Bolsonaro cancelou compra de kit intubação em agosto de 2020Governo Bolsonaro cancelou compra de kit intubação em agosto de 2020
Governo Bolsonaro cancelou compra de kit intubação em agosto de 2020
 
Lei 6360/1976 - Normas para Registro de medicamentos no Brasil
Lei 6360/1976 - Normas para Registro de medicamentos no BrasilLei 6360/1976 - Normas para Registro de medicamentos no Brasil
Lei 6360/1976 - Normas para Registro de medicamentos no Brasil
 
Parecer 051.2013.agu.maismédicos
Parecer 051.2013.agu.maismédicosParecer 051.2013.agu.maismédicos
Parecer 051.2013.agu.maismédicos
 
Desembargador determina soltura de Lula
Desembargador determina soltura de LulaDesembargador determina soltura de Lula
Desembargador determina soltura de Lula
 
Parecer jurídico -
Parecer jurídico - Parecer jurídico -
Parecer jurídico -
 
STF libera passaporte de vacina nas universidades
STF libera passaporte de vacina nas universidades STF libera passaporte de vacina nas universidades
STF libera passaporte de vacina nas universidades
 
Manifestação contra pl 78 agrotóxicos
Manifestação contra pl 78 agrotóxicosManifestação contra pl 78 agrotóxicos
Manifestação contra pl 78 agrotóxicos
 

Mais de fabiomotta747

Turma Recursal de São Paulo afasta decadência na Tese de Melhor Benefício
Turma Recursal de São Paulo afasta decadência na Tese de Melhor BenefícioTurma Recursal de São Paulo afasta decadência na Tese de Melhor Benefício
Turma Recursal de São Paulo afasta decadência na Tese de Melhor Benefíciofabiomotta747
 
Agravo liminar fosfoetanolamina
Agravo liminar fosfoetanolaminaAgravo liminar fosfoetanolamina
Agravo liminar fosfoetanolaminafabiomotta747
 
2ª vara federal franca fgts procedentes
2ª vara federal franca   fgts procedentes2ª vara federal franca   fgts procedentes
2ª vara federal franca fgts procedentesfabiomotta747
 
Liminar deferida contra Serasa SCORE
Liminar deferida contra Serasa SCORELiminar deferida contra Serasa SCORE
Liminar deferida contra Serasa SCOREfabiomotta747
 
Sentença Trabalhista contra Bimbo do Brasil - Pão Pulmman -
Sentença Trabalhista contra Bimbo do Brasil - Pão Pulmman - Sentença Trabalhista contra Bimbo do Brasil - Pão Pulmman -
Sentença Trabalhista contra Bimbo do Brasil - Pão Pulmman - fabiomotta747
 
Liminar contra telexfre2
Liminar contra telexfre2Liminar contra telexfre2
Liminar contra telexfre2fabiomotta747
 
Liminar contra telex free
Liminar contra telex freeLiminar contra telex free
Liminar contra telex freefabiomotta747
 
Feliz aniversário envelheço no judiciário
Feliz aniversário envelheço no judiciárioFeliz aniversário envelheço no judiciário
Feliz aniversário envelheço no judiciáriofabiomotta747
 
Sentença procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
Sentença   procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)Sentença   procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
Sentença procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)fabiomotta747
 
Relatório e voto desaposentação stj
Relatório e voto desaposentação stjRelatório e voto desaposentação stj
Relatório e voto desaposentação stjfabiomotta747
 
Acordão stj desapsoentação
Acordão stj desapsoentaçãoAcordão stj desapsoentação
Acordão stj desapsoentaçãofabiomotta747
 
Corinthians patrocinio-caixa
Corinthians patrocinio-caixaCorinthians patrocinio-caixa
Corinthians patrocinio-caixafabiomotta747
 
Taxa corretagem taxa sati sentença santos
Taxa corretagem taxa sati sentença santosTaxa corretagem taxa sati sentença santos
Taxa corretagem taxa sati sentença santosfabiomotta747
 
Taxa corretagem taxa sati acordão santos
Taxa corretagem taxa sati acordão   santosTaxa corretagem taxa sati acordão   santos
Taxa corretagem taxa sati acordão santosfabiomotta747
 
Não Obrigatoriedade do Advogado numerar folhas do processo. DECISÃO TST
Não Obrigatoriedade do Advogado numerar folhas do processo. DECISÃO TSTNão Obrigatoriedade do Advogado numerar folhas do processo. DECISÃO TST
Não Obrigatoriedade do Advogado numerar folhas do processo. DECISÃO TSTfabiomotta747
 

Mais de fabiomotta747 (20)

Turma Recursal de São Paulo afasta decadência na Tese de Melhor Benefício
Turma Recursal de São Paulo afasta decadência na Tese de Melhor BenefícioTurma Recursal de São Paulo afasta decadência na Tese de Melhor Benefício
Turma Recursal de São Paulo afasta decadência na Tese de Melhor Benefício
 
Liminar negada bh
Liminar negada bhLiminar negada bh
Liminar negada bh
 
Agravo liminar fosfoetanolamina
Agravo liminar fosfoetanolaminaAgravo liminar fosfoetanolamina
Agravo liminar fosfoetanolamina
 
2ª vara federal franca fgts procedentes
2ª vara federal franca   fgts procedentes2ª vara federal franca   fgts procedentes
2ª vara federal franca fgts procedentes
 
Fgts sentença pa
Fgts sentença paFgts sentença pa
Fgts sentença pa
 
Liminar deferida contra Serasa SCORE
Liminar deferida contra Serasa SCORELiminar deferida contra Serasa SCORE
Liminar deferida contra Serasa SCORE
 
Sentença Trabalhista contra Bimbo do Brasil - Pão Pulmman -
Sentença Trabalhista contra Bimbo do Brasil - Pão Pulmman - Sentença Trabalhista contra Bimbo do Brasil - Pão Pulmman -
Sentença Trabalhista contra Bimbo do Brasil - Pão Pulmman -
 
Decisão stf
Decisão stfDecisão stf
Decisão stf
 
Gatoporlebre
GatoporlebreGatoporlebre
Gatoporlebre
 
Liminar contra telexfre2
Liminar contra telexfre2Liminar contra telexfre2
Liminar contra telexfre2
 
Liminar contra telex free
Liminar contra telex freeLiminar contra telex free
Liminar contra telex free
 
Feliz aniversário envelheço no judiciário
Feliz aniversário envelheço no judiciárioFeliz aniversário envelheço no judiciário
Feliz aniversário envelheço no judiciário
 
Sentença procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
Sentença   procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)Sentença   procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
Sentença procedência -Desaposentação 25/06/2013 - santa catarina (1)
 
Relatório e voto desaposentação stj
Relatório e voto desaposentação stjRelatório e voto desaposentação stj
Relatório e voto desaposentação stj
 
Acordão stj desapsoentação
Acordão stj desapsoentaçãoAcordão stj desapsoentação
Acordão stj desapsoentação
 
Ficha final
Ficha finalFicha final
Ficha final
 
Corinthians patrocinio-caixa
Corinthians patrocinio-caixaCorinthians patrocinio-caixa
Corinthians patrocinio-caixa
 
Taxa corretagem taxa sati sentença santos
Taxa corretagem taxa sati sentença santosTaxa corretagem taxa sati sentença santos
Taxa corretagem taxa sati sentença santos
 
Taxa corretagem taxa sati acordão santos
Taxa corretagem taxa sati acordão   santosTaxa corretagem taxa sati acordão   santos
Taxa corretagem taxa sati acordão santos
 
Não Obrigatoriedade do Advogado numerar folhas do processo. DECISÃO TST
Não Obrigatoriedade do Advogado numerar folhas do processo. DECISÃO TSTNão Obrigatoriedade do Advogado numerar folhas do processo. DECISÃO TST
Não Obrigatoriedade do Advogado numerar folhas do processo. DECISÃO TST
 

Fornecimento substância experimental câncer

  • 1. PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO Juizado Especial Federal Cível Araçatuba Avenida Joaquim Pompeu de Toledo, 1534 - Vila Estádio - CEP 16020050 Araçatuba/SP Fone: 18-31170150 TERMO Nr: 6331009033/2015 PROCESSO Nr: 0002600-66.2015.4.03.6331 AUTUADO EM 18/12/2015 ASSUNTO: 010404 - SAÚDE - SERVIÇOS CLASSE: 1 - PROCEDIMENTO DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL AUTOR: PAULO CEZAR VENDRAME ADVOGADO(A)/DEFENSOR(A) PÚBLICO(A): SP250741 - EDVALDO ALMEIDA DOS SANTOS RÉU: UNIAO FEDERAL (AGU) E OUTROS ADVOGADO(A): SP999999 - SEM ADVOGADO DISTRIBUIÇÃO POR SORTEIO EM 18/12/2015 09:29:35 DATA: 18/12/2015 DECISÃO Trata-se de ação por meio da qual o autor, PAULO CEZAR VENDRAME, pleiteia contra a União Federal (AGU), o Estado de São Paulo e a Universidade do Estado de São Paulo-USP - Unidade Universitária do Instituto de Química de São Carlos, o fornecimento da substância fosfoetanolamina sintética, objetivando o tratamento de seu câncer de pulmão com presença de metástase em outras partes do corpo. Formula pedido de antecipação dos efeitos da tutela para que a substância seja fornecida liminarmente, sem a prévia oitiva dos corréus. Em síntese, o autor, com 51 anos de idade, aduz que em agosto de 2015 foi diagnosticado com câncer de pulmão com metástase óssea, adenocarcinoma metastático, também conhecida por neoplasia maligna originária no pulmão com metástase para os ossos. Relata que após o diagnóstico, e devido ao estágio do tumor, foi dado início ao tratamento convencional à base de quimioterapia. Porém, não obteve nenhuma melhora em seu quadro. Ao contrário, mesmo com o tratamento, houve evolução da doença, a qual se disseminou para várias partes de sua coluna vertebral. Chegou a ser internado no mês de novembro do corrente ano, com fortes dores, ocasião em que foram utilizados medicamentos para sua amenização. Durante sua última internação foi solicitado pela médica que prestou o atendimento o uso da substância “Fosfoetanolamina” para o tratamento da adenocarcinoma metastático, inclusive mediante prescrição. Informa que referida substância é produzida em estágio experimental e para fins de pesquisa somente pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo-USP de São Carlos, e que, em testes realizados, mostrou-se eficaz na melhora de sintomas de pacientes com câncer, sendo de baixíssimo custo, mas que, devido a questões concernentes à patente da substância, ainda não foi obtido registro para sua produção comercial. Alega que chegou a solicitar seu fornecimento junto à referida entidade, porém, sem sucesso, já que nesta ocasião, além de obter a informação de que somente seria possível a sua obtenção por meio de decisão judicial, tomou conhecimento de que a distribuição da substância foi proibida pela Portaria IQSC nº 1.389/2014. 2015/633100039205-39815-JEF Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474 Documento Nº: 2015/633100039205-39815 Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef
  • 2. Sustenta que seu quadro clínico é grave, que o tratamento convencional não tem dado resultado, infligindo-lhe grande sofrimento, além de expectativa de vida por cerca de seis meses, e que houve indicação médica para uso da substância como forma de melhorar sua qualidade de vida, de modo que entende fazer jus a decisão judicial que lhe assegure o fornecimento da substância, inclusive mediante liminar. É a síntese do necessário. Fundamento e decido. Numa análise perfunctória, a partir dos elementos de prova trazidos com a inicial, entendo presentes os requisitos legais para o acolhimento do pedido de antecipação de tutela formulado na inicial. Conforme o disposto no artigo 196 e seguintes da Constituição Federal, a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação, sendo de relevância pública as ações e serviços de saúde, os quais integram uma rede regionalizada e hierarquizada, constituindo um sistema único (SUS). No plano infraconstitucional, tem-se a Lei nº 8.080/90, que em seu artigo 4º, dispõe que o SUS é constituído pelo conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais, da Administração direta e indireta e das fundações mantidas pelo Poder Público, incluídas aí as instituições de pesquisa e de produção de insumos e medicamentos, dentre outros. Além disso, nos termos do artigo 6º, inciso I, d e inciso VI, da referida Lei, estão incluídas no campo de atuação do SUS, a execução de ações de assistência terapêutica integral, inclusive farmacêutica. Em outras palavras, o fornecimento de medicamentos. No caso dos autos, a documentação juntada às fls. 44/51 demonstra que o autor, por estar acometido de câncer de pulmão com metástase óssea, vem sendo submetido a tratamento quimioterápico convencional, porém, sem melhoras em seu quadro clínico. Os laudos médicos, em especial os de fls. 49/50, apontam a gravidade de seu quadro, decorrente da deflagração do processo de metástase por diversas áreas de seu corpo, o que lhe causa dores agudas e a necessidade do auxílio de aparelho andador para deambular. Desse contexto, exsurge a imperiosa necessidade de lhe franquear o acesso à referida substância, embora desprovida de registro junto à ANVISA. Como é cediço, a comercialização de qualquer medicamento no âmbito do território nacional pressupõe sua aprovação e registro no Ministério da Saúde, como dispõe o art. 12 da Lei nº 6.360/76, uma vez que a natureza e a finalidade de certas substâncias exigem o monitoramento de sua segurança, eficácia e qualidade terapêutica, consoante redação do dispositivo supramencionado: “Art. 12 - Nenhum dos produtos de que trata esta Lei, inclusive os importados, poderá ser industrializado, exposto à venda ou entregue ao consumo antes de registrado no Ministério da Saúde”. Esse registro está previsto no art. 3º, inciso XXI, do Decreto nº 79.094/77, na redação que lhe foi atribuída pelo Decreto nº 3.961/01, a saber: “XXI - Registro de Medicamento - Instrumento por meio do qual o Ministério da Saúde, no uso de sua atribuição específica, determina a inscrição prévia no órgão ou na entidade competente, pela avaliação do cumprimento de caráter jurídico- administrativo e técnico-científico relacionada com a eficácia, segurança e qualidade destes produtos, para sua introdução no mercado e sua comercialização ou consumo;” 2015/633100039205-39815-JEF Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474 Documento Nº: 2015/633100039205-39815 Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef
  • 3. Atualmente, essa inscrição compete à ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, na forma das disposições da Lei nº 9.782/99 e da Lei nº 6.360/76. Contudo, há hipóteses em que a necessidade de registro é afastada pela própria lei, como dispõe o artigo 24 da Lei nº 6.360/76: “Estão isentos de registro os medicamentos novos, destinados exclusivamente a uso experimental, sob controle médico, podendo, inclusive, ser importados mediante expressa autorização do Ministério da Saúde”. Como se vê, a própria legislação regulamentadora da saúde prevê a possibilidade da ministração de substâncias medicamentosas sem registro, desde que destinadas a uso experimental e sob controle médico, de maneira a viabilizar a efetiva concretização dos direitos fundamentais à vida e à saúde, direitos de envergadura constitucional e corolários, em última instância, do sobreprincípio da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III da CF). Assim, apesar da regra geral de vedação ao fornecimento de substâncias medicamentosas que não possuem registro na ANVISA, há que se considerar a flexibilização dessa norma nas situações excepcionais, onde o risco de morte se faz presente. É o caso dos autos, em que as terapias convencionais não têm se mostrado capazes de conter a evolução da doença grave que padece o autor. Os documentos juntados e as notícias veiculadas junto aos canais de comunicação (fls. 53 e seguintes) apontam a existência de respeitáveis experimentos médicos e farmacológicos que concluíram pela eficácia da utilização da substância “fosfoetanolamina sintética” no tratamento de sintomas de pacientes com câncer, produzida em caráter experimental, e com exclusividade, a baixo custo, pela Unidade Universitária do Instituto de Química da USP de São Carlos-SP. Ademais, a necessidade de ministração da multicitada substância no tratamento da enfermidade que acomete o autor foi devidamente prescrita por profissional médica que o avaliou via Sistema Único de Saúde-SUS (fl. 44), de modo a preencher o requisito do controle médico previsto no art. 24, da Lei nº 6.360/76 para a utilização de substância medicamentosa sem registro na ANVISA. Dessarte, tenho que a ausência de registro do medicamento na ANVISA, não afasta a responsabilidade do Estado e nem obsta o direito do autor de obter a substância requerida, à medida que a obrigação dos entes públicos de garantir o direito à saúde não se limita ao registro do fármaco e tampouco ao fornecimento exclusivo de medicamentos registrados, sob pena de grave afronta às disposições legais e constitucionais supramencionadas. Ainda que se alegue tratar-se de substância experimental, cujos efeitos no organismo humano a longo prazo sejam desconhecidos, fato é que o autor está disposto a se sujeitar aos eventuais efeitos colaterais do tratamento, já que não dispõe de tempo para aguardar a conclusão de tais pesquisas, diante da gravidade de seu quadro clínico. Neste sentido, inclusive, a recente decisão proferida pelo E. Supremo Tribunal Federal em caso análogo, envolvendo o fornecimento da substância “fosfoetanolamina sintética”: “...Quanto ao periculum, como já se reconheceu no início desta decisão, há evidente comprovação de que a espera de um provimento final poderá tornar-se ineficaz. No que tange à plausibilidade, há que se registrar que o fundamento invocado pela decisão recorrida refere-se apenas à ausência de registro na ANVISA da substância requerida pela peticionante. A ausência de registro, no entanto, não implica, necessariamente, lesão à ordem púbica, especialmente se considerado que o tema pende de análise por este Supremo Tribunal Federal, em sede de repercussão geral (RE 657.718-RG, Relator Ministro Marco Aurélio, Dje 12.03.2012). 2015/633100039205-39815-JEF Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474 Documento Nº: 2015/633100039205-39815 Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef
  • 4. Neste juízo cautelar que se faz da matéria, a presença de repercussão geral (tema 500) empresta plausibilidade jurídica à tese suscitada pela recorrente, a recomendar, por ora, a concessão da medida cautelar, para suspender decisão proferida pelo Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, em sede de Suspensão de Tutela Antecipada 2194962-67.2015.8.26.0000...”. (Pet 5828 MC, Relator(a): Min. EDSON FACHIN, julgado em 06/10/2015, publicado em PROCESSO ELETRÔNICO DJe- 203 DIVULG 08/10/2015 PUBLIC 09/10/2015). Outrossim, não se cogita, ao menos por ora, de violação à ordem econômica ou ao princípio da reserva do possível , ante o noticiado custo módico da produção da substância “fosfoetanolamina sintética”. Não obstante o assunto sujeite-se a diversas conjecturas, entendo que a discussão pode ser postergada, porquanto, frente ao embate de direitos ora posto, tenho que os direitos à vida e à saúde devem se sobrepor a quaisquer outros. Alerta-se, contudo, que, por se tratar de substância experimental, cujos efeitos colaterais e contraindicações são desconhecidos, os riscos decorrentes de sua ministração ficam restritos ao usuário, que deve se sujeitar ao acompanhamento médico do subscritor da prescrição apresentada. De outro lado, este Juízo não ignora que, apesar da urgência que todos os cidadãos acometidos pelo câncer têm em obter a “fosfoetanolamina sintética”, é cediço que após a veiculação pela mídia dos efeitos positivos da substância no tratamento dos carcinomas, uma sucessão de liminares vem sendo concedidas, de modo a obstaculizar seu atendimento em prazo exíguo pelo Instituto de Química da USP de São Carlos, vez que desprovido de recursos materiais e humanos para produção da substância em larga escala. Por fim, destaca-se que esta decisão liminar possui natureza provisória, podendo ser revista por este Juízo após a vinda das contestações e de novas informações aos autos, nos termos do art. 273 do CPC. <#Ante o exposto, defiro a antecipação dos efeitos da tutela, para determinar que a Universidade do Estado de São Paulo-USP - Unidade Universitária do Instituto de Química de São Carlos, no prazo de trinta dias, disponibilize a substância “FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA” à parte autora pessoalmente ou mediante representação por procurador com poderes específicos para retirar a substância no local, ou ainda por outro meio eventualmente acordado entre as partes, em quantidade suficiente para garantir o seu tratamento, que deverá ser indicada pelo Instituto de Química, responsável pela pesquisa e que já a forneceu a inúmeros pacientes, ficando a posologia a critério do profissional que prescreveu o tratamento. O fornecimento da quantidade adequada deverá ser renovado a cada cômputo do período para o qual a quantidade de substância venha a ser prescrita. Em consequência, ficam suspensos os efeitos da PORTARIA IQSC 1389/2014 em relação ao autor, editada pelo Diretor do Instituto de Química, exclusivamente quanto à produção e fornecimento da “FOSFOETANOLAMINA SINTÉTICA”. Expeça-se o necessário com urgência. Defiro os pedidos da parte autora de concessão de justiça gratuita, nos termos do art. 5º, inciso LXXIV, da Constituição Federal e do artigo 4º da Lei nº 1.060/50, e de tramitação prioritária, nos termos do art. 1.211-A do CPC e do art. 71 da Lei nº 10.741/03. Citem-se os corréus, na pessoa de seus representantes legais, para apresentarem suas contestações no prazo de sessenta dias. A citação da União Federal (AGU) será feita mediante a remessa desta decisão ao portal de intimações. 2015/633100039205-39815-JEF Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474 Documento Nº: 2015/633100039205-39815 Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef
  • 5. Publique-se. Intime-se. Cumpra-se.#> GUSTAVO GAIO MURAD Juiz Federal substituto 2015/633100039205-39815-JEF Assinado digitalmente por: GUSTAVO GAIO MURAD:10474 Documento Nº: 2015/633100039205-39815 Consulte autenticidade em: http://web.trf3.jus.br/autenticacaojef