RPG Mazzola e Zaparoli
IntroduçãoHá necessidade de reconhecermos que asações estáticas e dinâmicas das unidadesfuncionais e anexos do sistema mús...
Atividades (treinamento) FuncionaisSistema detreinamentofocadonosmovimentosfundamentais dohomemprimitivoequesãoexecutadost...
Atividades (treinamento) FuncionaisFunçãoDesempenhoMuscularControleNeuromuscular/CoodernaçãoEstabilidadeEquilíbrio /Contro...
Estrutura muscular
Introdução“Em termos funcionais, é ilógico tentarconsiderar o músculo como uma estruturaseparada da fáscia, já que ambos s...
Paradigmas
La Lección del Dr. Nicolaes Tulp (1593)(Rembrandt ,1606)
Gunther Von Hagens (Londres 2002)
Pesquisa Científica
O tecido conjuntivo é o componente anatômicoque envolve e une todas as células, estruturas esistemas do Corpo Humano, send...
Embriologia- A gênese  óvulo fecundado.- 3 sistemas funcionais: ectoderma,endoderma e mesoderma- No corpo humano, a posiç...
Fáscia• Fáscia – derivado do latin ``banda´´;• Anatomia - membrana de Tec. Conjuntivo,que envelopa todo o corpo e suas par...
Constituintes do Tecido Conjuntivo
Constituintes do Tecido Conjuntivo• Diferentes tipos decélulas;• Diferentes tipos deFibras;• SubstânciaFundamentalAmorfa.
Constituintes do Tecido ConjuntivoDiferentes tipos de células:• Mesenquimatosas: indiferenciadas;• Fibroblastos: precursor...
• Macrófagos: fagocitam bactérias e corpos estranhos,sintetizam interferon;• Plasmócitos: produção de anticorpos;• Leucóci...
Constituintes do Tecido Conjuntivo• Diferentes tipos decélulas;• Diferentes tipos deFibras;• SubstânciaFundamental Amorfa.
Fibras Colágenas:• Proteínas de curta duração;• Contém 3 cadeias de aminoácidosenrolados (glicina, prolina ehidroxiprolina...
Fibras Colágenas:• Rápida renovação;• Grande força de tração;• Cede apenas 10% do seu tamanho(pouca extensibilidade);• Sin...
Fibras Reticulares:• Colágeno de pequeno calibre;• Finas, frouxas e irregulares;• Ricas em microfilamentos;• Formam redes ...
Fibras Elásticas:• Proteínas de longa duração;• Cadeias de aminoácidosentrelaçadas aleatoriamente(desmosina, isodesmosina,...
Fibras Elásticas:• Cede 150% do seu tamanho;• Sem força de tração;• Pouco renovada;• Sintetizadas pelosfibroblastos, condr...
Constituintes do Tecido Conjuntivo• Diferentes tipos decélulas;• Diferentes tipos deFibras;• SubstânciaFundamental Amorfa.
Substância FundamentalAmorfa• Plasma;• Proteínas(glicosaminoglicanos);• Água (60 a 70% do tec.conjuntivo).Constituintes do...
Constituintes do Tecido Conjuntivo• Características:– Incolor;– Transparente;– Hiperhidratada;– Viscosa ;– Preenche os esp...
Substancia fundamental :• Gel;• Sol.ViscoelasticidadeConstituintes do Tecido Conjuntivo
• Localização Anatômica:– Subcutânea;• Características:– Rica em tecido conjuntivofrouxo e adiposo;– Embebida em linfa int...
• Localização Anatômica:– Abaixo da superficial– Desdobra-se fundindo-secom tendões, ligamentos,ossos, etc.• Característic...
• Localização Anatômica:– Localização profunda– Envolve as membranasserosas que recobrem asvísceras, nervos e vasos• Carac...
Propriedades das fáscias• É ricamente dotada de terminações nervosas;• Tem a capacidade de adaptar-se de maneiraelástica;•...
Propriedades das fáscias• As mudanças fasciais predispõem à congestãocrônica do tecido; articulares e periarticulares;• Ta...
Propriedades das fáscias• A fáscia é a principal arena dos processosinflamatórios;• Os fluidos e processos infecciosos ger...
Propriedades das fáscias• O SNC é cercado pelo tecido fascial (dura-máter)que conecta-se ao osso no crânio, de forma quea ...
Modelo de Tensigridade
Modelo de Tensigridade
Causas de Disfunção• Uso excessivo, incorreto, insuficiente;• Tensões posturais;• Estados emocionais negativos crônicos;• ...
Reação a TensãoQuando o sistema musculoesqulético estásendo utilizado incorretamente, ocorreuma seqüência de eventos que p...
Aumento do Tônus;Detritos metabólicos Falta de O2Edema e isquemiaDor / desconfortoHipertonicidadeReação a Tensão
Inflamação ou irritação crônicaEstímulos nervosos ao SNC – hiper-reatividadeOs macrófagos são ativados, a vascularidade ea...
Aumenta ligação cruzadaDistorções em outros locais(estruturas nervosas, musculares linfáticas e vasos sanguíneos)Mudanças ...
Reação em cadeiaExcesso de tensão  IsquemiasBiomecânica anormalDesequilíbrios e / ou Restrições articulares(restrições fa...
Evolução de hiper-reatividadeO desperdício de energia / fadigaMudanças funcionaisFeedback neurológico / incapacidade de re...
Alterações musculoesqueléticas crônicas e dorNesse estágio, a restauração da formafuncional normal requer uma ação queenvo...
Trilhos Anatômicos
“A fáscia reage ás cargas e tensões de umaforma elástica e ao mesmo tempoplástica; a sua reação depende do tipo,duração e ...
Atividades (treinamento) FuncionaisFunçãoDesempenhoMuscularControleNeuromuscular/CoodernaçãoEstabilidadeEquilíbrio /Contro...
Fábio Mazzola
www.mazzolaezaparoli.com.brFace: RPG Mazzola e Zaparoliwww.balancemiofascialfuncional.com.brFace: Balance Miofascial Funci...
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.

10.610 visualizações

Publicada em

Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.
Aula Ministrada no Congresso de Biomecânica no Fitness Brasil 2013

1 comentário
23 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.610
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
46
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
228
Comentários
1
Gostaram
23
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • CURSO: Encontro Nacional de BiomecânicaMÓDULO: FB ScienceDATA: 31/05HORÁRIO: 10h00 – 12h00CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 8 horas 
  • Fáscia e seus trilhos anatômicos: o que devemos conhecer para realizar atividades funcionais.

    1. 1. RPG Mazzola e Zaparoli
    2. 2. IntroduçãoHá necessidade de reconhecermos que asações estáticas e dinâmicas das unidadesfuncionais e anexos do sistema músculoesquelético, dependem dosconhecimentos dos folhetos, do superficiale do profundo, da morfologia dos tecidose da biomecânica globalizada de todo osistema.
    3. 3. Atividades (treinamento) FuncionaisSistema detreinamentofocadonosmovimentosfundamentais dohomemprimitivoequesãoexecutadostambémno cotidiano do homemmoderno,tendocomocaracterísticarealizar a convergênciadas habilidadesbiomotorasfundamentais,paraprodução de atosmaiseficientes.- Instabilidade;- Core.
    4. 4. Atividades (treinamento) FuncionaisFunçãoDesempenhoMuscularControleNeuromuscular/CoodernaçãoEstabilidadeEquilíbrio /ControlePosturalMobilidade /FlexibilidadeResistênciaCardiopulmonar
    5. 5. Estrutura muscular
    6. 6. Introdução“Em termos funcionais, é ilógico tentarconsiderar o músculo como uma estruturaseparada da fáscia, já que ambos são tãoestreitamente relacionados. Tire a ação dotecido conjuntivo e o músculo que restapareceria uma estrutura gelatinosa, semforma ou capacidade funcional”.
    7. 7. Paradigmas
    8. 8. La Lección del Dr. Nicolaes Tulp (1593)(Rembrandt ,1606)
    9. 9. Gunther Von Hagens (Londres 2002)
    10. 10. Pesquisa Científica
    11. 11. O tecido conjuntivo é o componente anatômicoque envolve e une todas as células, estruturas esistemas do Corpo Humano, sendo o principalresponsável pela forma que temos e por nossacapacidade de adaptação ao campo gravitacional.Tecido Conjuntivo
    12. 12. Embriologia- A gênese  óvulo fecundado.- 3 sistemas funcionais: ectoderma,endoderma e mesoderma- No corpo humano, a posição noespaço físico tridimensional(estrutura física) é determinada porelementos derivados domesênquima, especificamenteosso, músculo, ligamento, tendão efáscia.Tecido Conjuntivo
    13. 13. Fáscia• Fáscia – derivado do latin ``banda´´;• Anatomia - membrana de Tec. Conjuntivo,que envelopa todo o corpo e suas partes,assegurando-lhes sustentação.
    14. 14. Constituintes do Tecido Conjuntivo
    15. 15. Constituintes do Tecido Conjuntivo• Diferentes tipos decélulas;• Diferentes tipos deFibras;• SubstânciaFundamentalAmorfa.
    16. 16. Constituintes do Tecido ConjuntivoDiferentes tipos de células:• Mesenquimatosas: indiferenciadas;• Fibroblastos: precursoras das fibras e G.A.G.s;• Mastócitos: reações imunitárias. Ex: heparina,histamina, dopamina, serotoninae ácido hialurônico;
    17. 17. • Macrófagos: fagocitam bactérias e corpos estranhos,sintetizam interferon;• Plasmócitos: produção de anticorpos;• Leucócitos: defesa patogênica;• Adipócitos: reserva energética, isolante térmico eproteção;• Pigmentares: coloração.Constituintes do Tecido Conjuntivo
    18. 18. Constituintes do Tecido Conjuntivo• Diferentes tipos decélulas;• Diferentes tipos deFibras;• SubstânciaFundamental Amorfa.
    19. 19. Fibras Colágenas:• Proteínas de curta duração;• Contém 3 cadeias de aminoácidosenrolados (glicina, prolina ehidroxiprolina)• Densas e longas;• Arranjadas em feixes ondulados(plissado);• Aspecto estriado.Constituintes do Tecido Conjuntivo
    20. 20. Fibras Colágenas:• Rápida renovação;• Grande força de tração;• Cede apenas 10% do seu tamanho(pouca extensibilidade);• Sintetizadas pelos fibroblastos,osteoblastos, condrócitos e cél.musculares lisas.Constituintes do Tecido Conjuntivo
    21. 21. Fibras Reticulares:• Colágeno de pequeno calibre;• Finas, frouxas e irregulares;• Ricas em microfilamentos;• Formam redes em torno dascélulas e órgãos delicados;• Encontrada também em pequenaquantidade dentro do tec. adiposoe conj. frouxoConstituintes do Tecido Conjuntivo
    22. 22. Fibras Elásticas:• Proteínas de longa duração;• Cadeias de aminoácidosentrelaçadas aleatoriamente(desmosina, isodesmosina,prolina e glicina)• Elos cruzados espaçados;• Finas e longas;• Não estriadas;• Cor amarelada.Constituintes do Tecido Conjuntivo
    23. 23. Fibras Elásticas:• Cede 150% do seu tamanho;• Sem força de tração;• Pouco renovada;• Sintetizadas pelosfibroblastos, condrócitos ecéls. musculares lisasConstituintes do Tecido Conjuntivo
    24. 24. Constituintes do Tecido Conjuntivo• Diferentes tipos decélulas;• Diferentes tipos deFibras;• SubstânciaFundamental Amorfa.
    25. 25. Substância FundamentalAmorfa• Plasma;• Proteínas(glicosaminoglicanos);• Água (60 a 70% do tec.conjuntivo).Constituintes do Tecido Conjuntivo
    26. 26. Constituintes do Tecido Conjuntivo• Características:– Incolor;– Transparente;– Hiperhidratada;– Viscosa ;– Preenche os espaçosentre as células e asfibras do tecidoconjuntivo.• Propriedades:– Preenhimento;– Nutrição;– Defesa;– Facilitar amovimentação dasfibras;Substância Fundamental Amorfa
    27. 27. Substancia fundamental :• Gel;• Sol.ViscoelasticidadeConstituintes do Tecido Conjuntivo
    28. 28. • Localização Anatômica:– Subcutânea;• Características:– Rica em tecido conjuntivofrouxo e adiposo;– Embebida em linfa intersticial;– Espessura variável;– Rica em vasos linfáticos eperiféricos;– Estica-se em qualquer direção.Fáscia superficial
    29. 29. • Localização Anatômica:– Abaixo da superficial– Desdobra-se fundindo-secom tendões, ligamentos,ossos, etc.• Características:– Tecido conjuntivo denso esem gordura– Espessura variável– Firme e rígidaFáscia Profunda
    30. 30. • Localização Anatômica:– Localização profunda– Envolve as membranasserosas que recobrem asvísceras, nervos e vasos• Características:– Tecido conjuntivo variável– Forma a camada fibrosa dasmembranas serosas quecobrem as vísceras ( pleura,peritônio, pericárdio, etc.)Fáscia Subserosa ou Visceral
    31. 31. Propriedades das fáscias• É ricamente dotada de terminações nervosas;• Tem a capacidade de adaptar-se de maneiraelástica;• Oferece uma extensa conexão muscular;• Suporta e estabiliza, enfatizando, assim, oequilíbrio postural do corpo;• As especializações fasciais produzem faixas detensão definidas;
    32. 32. Propriedades das fáscias• As mudanças fasciais predispõem à congestãocrônica do tecido; articulares e periarticulares;• Tal congestão crônica passiva precede a formaçãodo tecido fibroso, que por sua vez desencadeia umaumento na concentração de íons hidrogênio dasestruturas articulares e periarticulares;• A tensão repentina (trauma) sobre o tecido fascialgeralmente resulta em dor do tipo em queimação;
    33. 33. Propriedades das fáscias• A fáscia é a principal arena dos processosinflamatórios;• Os fluidos e processos infecciosos geralmentepercorrem os planos fasciais;• A mudança fascial precede muitas doençascrônicas degenerativas;• Ajuda na economia circulatória, especialmentedos fluidos venoso e linfático;
    34. 34. Propriedades das fáscias• O SNC é cercado pelo tecido fascial (dura-máter)que conecta-se ao osso no crânio, de forma quea disfunção desse tecidos pode ter efeitosprofundos e disseminados;• Responde ao Modelo de Tensigridade.
    35. 35. Modelo de Tensigridade
    36. 36. Modelo de Tensigridade
    37. 37. Causas de Disfunção• Uso excessivo, incorreto, insuficiente;• Tensões posturais;• Estados emocionais negativos crônicos;• Fatores reflexivos;• Fatores congênitos.
    38. 38. Reação a TensãoQuando o sistema musculoesqulético estásendo utilizado incorretamente, ocorreuma seqüência de eventos que pode serresumida da seguinte forma:
    39. 39. Aumento do Tônus;Detritos metabólicos Falta de O2Edema e isquemiaDor / desconfortoHipertonicidadeReação a Tensão
    40. 40. Inflamação ou irritação crônicaEstímulos nervosos ao SNC – hiper-reatividadeOs macrófagos são ativados, a vascularidade ea atividade fibroblástica são aumentadasReação a Tensão
    41. 41. Aumenta ligação cruzadaDistorções em outros locais(estruturas nervosas, musculares linfáticas e vasos sanguíneos)Mudanças nos tecidos elásticos(hipertonicidade muscular)Inibição do seu antagonistaReação a Tensão
    42. 42. Reação em cadeiaExcesso de tensão  IsquemiasBiomecânica anormalDesequilíbrios e / ou Restrições articulares(restrições fasciais)Reação a Tensão
    43. 43. Evolução de hiper-reatividadeO desperdício de energia / fadigaMudanças funcionaisFeedback neurológico / incapacidade de relaxarReação a Tensão
    44. 44. Alterações musculoesqueléticas crônicas e dorNesse estágio, a restauração da formafuncional normal requer uma ação queenvolva as mudanças diversificadas queocorreram.Reação a Tensão
    45. 45. Trilhos Anatômicos
    46. 46. “A fáscia reage ás cargas e tensões de umaforma elástica e ao mesmo tempoplástica; a sua reação depende do tipo,duração e quantidade da carga impostos”Ação sobre a Fáscia
    47. 47. Atividades (treinamento) FuncionaisFunçãoDesempenhoMuscularControleNeuromuscular/CoodernaçãoEstabilidadeEquilíbrio /ControlePosturalMobilidade /FlexibilidadeResistênciaCardiopulmonar
    48. 48. Fábio Mazzola
    49. 49. www.mazzolaezaparoli.com.brFace: RPG Mazzola e Zaparoliwww.balancemiofascialfuncional.com.brFace: Balance Miofascial Funcionalwww.libertypilates.com.brFace: Liberty Pilates

    ×