BRIEF - BRAZIL INFRASTRUCTURE & ENERGY FINANCE    Fórum de Financiamento de Projetos Para os Setores de Energia e Infraest...
   A população deve claramente ser informada com honestidade    técnica-política quanto à escolha dessa ou daquela tecnol...
   Menor o valor da tarifa inclusive na integração entre    modais, visa à redução do nível de exclusão social que no Rio...
Os  investimentos e os custos operacionais do Sistema de Transporte Público se comportam inversamente aos itens ANTERIORE...
   Produto 21: Diagnóstico de Transportes;   Produto 22: Analise Financeira dos Transportes;   Produto 23: Análise Ambi...
   O Equacionamento Matemático que envolve a Minimização do    Investimento Público e a Maximização da Abrangência Social...
MAC DOWELL & EQUIPE
TAVCURVA DE DESEMPENHO
1                                 2   3                                              7,00 m                             m ...
BRT –BUS RAPID TRANSIT                                        Alternativas Tecnológicas   HSST – MAGNETICALY LEVITATED TRA...
PPP-PARCERIA PÚBLICO PRIVADA ,                    MODELO SISTÊMICO DE ENGENHARIA FINANCEIRA                      E AS DIFE...
ANÁLISE SISTÊMICA PARA SOLUÇÃO DOS TRANSPORTES RIO DE JANEIRO  SISTEMA DE TRANSPORTE INTEGRADO DESCENTRALIZADAMENTE       ...
BRT-BOGOTÁ
BRT-BOGOTÁ            FILA            COM          5 ÔNIBUS            CONFLITO DE PASSAGEIROS, POIS                      ...
A ÚNICA VARIÁVEL QUE OS SISTEMAS DE TRANSPORTE DE ÔNIBUS             NO RIO E EM CURITIBA (BRT) TEM EM COMUM:             ...
SISTEMA DE TRANSPORTE DE ÔNIBUS NA CIDADE DO RIO DE JANEIROAno             Total de        Média anual                    ...
Em relação a área                                      do Rio POR ANO                                                     ...
MONORAIL
MONOTR ILHO 0 a V(km/h) e de V a 0( km/h)                                                     100                         ...
   O MONORAIL se desloca    sobre viga-trilho e não    conflita com o tráfego    rodoviário, porque não há    intersecçõe...
VIGA-TRILHO: DIMENSÕES DAS SEÇÕES                 Endview                                             Height at           ...
29
AEROMOVEL E O NOVO DESIGNINOVAÇÃO EM SISTEMA DE TRANSPORTE E ESTÉTICA URBANA COM ARQUITETURA E DESIGN INTEGRADOS          ...
JAKARTA
   Em 1988, o grupo indonésio P.T. Citra    Patenindo Nusa Pratama teve    concedido o direito de empregar a    tecnologi...
Composição:   235 pass   Capacidade: 9.292 pass/hora              328 pass              13.128 pass/horaComposição:   352 ...
MAC DOWELL
ESTAÇÃO BARCAS (CASTELO) DA LINHA 2 DE INTEGRAÇÃO          COM SISTEMA DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO             p/ CARIOCA    ...
AERONAVES: NÚMERO DE OPERAÇÕES/ANO                                                                                        ...
EVOLUÇÃO DA FROTA DE HELICÓPTEROS                              1400                                                       ...
AERÓDROMO DE NOVA IGUAÇU - DISTÂNCIAS
1.200 m30 m                       72 m       830 m               230 m       409 m
AEROPORTO DE JACAREPAGUÁ                                 900 m 30 m 80 m                        700 m 95 m        165 m   ...
FORMAÇÃO DA PONTE AQUAVIÁRIA NA ENTRADA DA BAIAR E S T R IÇ Ã O D E H E A D W A Y          1.760 Navios/ano               ...
CONSIDEROU-SE     NÍVEL DE CONFORTO   NO TREM   4 PASS/m2CONSIDEROU-SE      NÍVEL DE CONFORTONA PLATAFORMA DAS ESTAÇÕES   ...
EIXOS DE MOBILIDADE URBANA: SISTEMAS DE TRANSPORTE DE MASSA               STA.RITA       STA.RITA                         ...
N. I.
EXPANSÃO PRIORITÁRIA DO METRÔ        LINHA 2: ESTÁCIO, CARIOCA E PRAÇA XV                                                 ...
ANÁLISE SISTÊMICA PARA SOLUÇÃO DOS TRANSPORTES NO RIO DE JANEIRO      SISTEMA DE TRANSPORTE INTEGRADO DESCENTRALIZADAMENTE...
1556 m  VENTILAÇÃO                                                                                    SUCÇÃO              ...
EMPUXOS SIMULTÂNEOS DE VENTILAÇÃO (0)E DESUCÇÃO (1556 m) DISTANCIA ENTRE AS FONTES DE                                     ...
DESEMPENHO DO AEROMOVEL FUNÇÃO da ACELERAÇÃO DE    ZERO A VELOCIDADE (V em km/h) E DESACELERAÇÃO DA     VELOCIDADE (V) A Z...
   O Sistema de Controle Toda a operação do    Aeromovel é feita remotamente, de um    Controle Central localizado em uma...
.O sistema proposto contempla uma versão para implantação de uma linha subterrâneasob calçadas e ruas. Esta solução foi de...
SISTEMA AEROMÓVEL                    MAC DOWELL & EQUIPE                    DESIGN ADO AZEVEDO
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Transporte  fernando mac dowell brief 2011
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Transporte fernando mac dowell brief 2011

1.659 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.659
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Transporte fernando mac dowell brief 2011

  1. 1. BRIEF - BRAZIL INFRASTRUCTURE & ENERGY FINANCE Fórum de Financiamento de Projetos Para os Setores de Energia e Infraestrutura SISTEMAS DE TRANSPORTE ENG. FERNANDO MAC DOWELL PROF. Dr. LIVRE DOCENTE EM ENGENHARIA – UFRJ Apresentação: João Fernando Mac DowellMAC DOWELL/11 SÃO PAULO, 12 de ABRIL de 2011
  2. 2.  A população deve claramente ser informada com honestidade técnica-política quanto à escolha dessa ou daquela tecnologia a ser utilizada. É fundamental que a análise técnico-operacional seja sistêmica, para evitar declarações "técnicas" feitas publicamente, que confundem a população pela superficialidade de conhecimento que induz ao partidarismo por essa ou aquela tecnologia Pois, se imagina que "amanhã" ninguém mais lembrará da estupidez técnica proferida, esse tipo de "inteligência curta" já não condiz hoje com a inteligência popular ampla de sabedoria e vontade de entender a solução dos problemas de transporte, até porque é afetada direta e diariamente.
  3. 3.  Menor o valor da tarifa inclusive na integração entre modais, visa à redução do nível de exclusão social que no Rio de Janeiro já abrange 1,9 milhão de pessoas. Menor o tempo de acessibilidade ao ponto de embarque, pois assim não sendo menor será a demanda que o utilizará e menor ainda quando se trata de usuário de automóvel. Menor o tempo de viagem entre a origem e o destino, logo, tanto maior será a demanda a utilizá-lo; ressaltando que quanto maior for à velocidade máxima na linha, tanto maior terá que ser o headway mínimo de segurança. Menor o headway, ou seja, menor o intervalo entre dois veículos consecutivos na mesma linha, tanto maior será a demanda a utilizá-lo. Melhor o nível de regularidade da distribuição dos headways, pois proporciona para o mesmo headway menor tempo de espera no ponto de embarque e por conseqüência, aumento de demanda a utilizar o sistema de transporte. Melhor o nível de conforto no interior do veículo corresponde ao menor tempo de espera no ponto de embarque e a menor taxa de ocupação de passageiro por metro quadrado, que terá que ser tanto menor quanto maior for o tempo de permanência do usuário no veículo, com o objetivo de evitar geração de custo social. MAC DOWELL
  4. 4. Os investimentos e os custos operacionais do Sistema de Transporte Público se comportam inversamente aos itens ANTERIORES relacionados, ensejando a necessidade de satisfazer ao equilíbrio técnico da solução. MAC DOWELL
  5. 5.  Produto 21: Diagnóstico de Transportes; Produto 22: Analise Financeira dos Transportes; Produto 23: Análise Ambiental dos Transportes; Produto 24: Análise Socioeconômica dos Transportes; Produto 25: Análise Gerencial dos Transportes. & • RELATÓRIO SÍNTESE GERENCIAL.
  6. 6.  O Equacionamento Matemático que envolve a Minimização do Investimento Público e a Maximização da Abrangência Social da Rede de Transporte; A Redução do Nível de Exclusão Social com a Redução do Valor da Tarifa para R$1,86/pass (DEZ/2008); O Valor da Tarifa de Integração sem Acréscimo e Mantida a Gratuidade de Lei (idosos, deficientes e estudantes); A Manutenção das Taxas de Ocupação de 4 pass/m2 no Interior dos Veículos e de 2 pass/m2 nas Plataformas das Estações, logo Evitando que o Transporte Público Gere Custo Social (estresse e desmaios de usuários); A Redução na Rede Viária de 3,5 milhões de toneladas de CO2 , CO, NOx, HC, SO2 e MP. O Benefício Econômico e Benefício Liquido Social a Valor Presente Respectivamente de R$ 4,72 bilhões e de R$ 3,8 bilhões, e Relação B/C socioeconômica igual a 5,5. A Manutenção dos Tributos e Impostos Federais; A Taxa Interna de Retorno Privado 17% ao ano, e Social de 41,7% ao ano, mantendo payback privado no 9o ano de operação que corresponde ao 12º ano de Concessão; O Índice de Cobertura do Serviço da Dívida no Máximo de 1.4, mas no PAC cai para 1,2 Ampliando a Participação dos Empréstimos tipo BNDES à Iniciativa Privada.
  7. 7. MAC DOWELL & EQUIPE
  8. 8. TAVCURVA DE DESEMPENHO
  9. 9. 1 2 3 7,00 m m 1,90Foto WILLIAM H.HOSSEL ESTAÇAO SAENS PEÑA 16/01/09
  10. 10. BRT –BUS RAPID TRANSIT Alternativas Tecnológicas HSST – MAGNETICALY LEVITATED TRASNPORTATIONVLT – VEÍCULO LEVE SOBRE TRILHOS AEROMOVEL AEROMOVEL METRÔ MONORAIL DUBAI DUBAI PHOTO: David Michael MAC DOWELL
  11. 11. PPP-PARCERIA PÚBLICO PRIVADA , MODELO SISTÊMICO DE ENGENHARIA FINANCEIRA E AS DIFERENTES TECNOLOGIAS ANALISADAS CORREDOR T-5 Quadro 3.12.1.1 LINHA T5: Resumo dos Resultados da Modelagem PPP para cada Tecnologia PPP-PARCERIA PÚBLICO PRIVADA RESULTADOS DOS RESPECTIVOS MODELOS SISTÊMICOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA DESENVOLVIDOS PARA CINCO SISTEMAS ALTERNATIVOS DE TRANSPORTES DE PASSAGEIROS PARA ATENDER A DEMANDA DO CORREDOR T5 ENTRE A BARRA E A PENHA (CONDIÇÕES ECONÔMICAS DEZ/2008) ITENS BRT AEROMOVEL METRÔ VLT HSST EXTENSÃO DA LINHA (km) 28 28 28 28 28 NÚMERO DE ESTAÇÕES 19 19 19 19 19 DISTANCIA MÉDIA ENTRE ESTAÇÕES (m) 1567 1567 1567 1567 1567 TEMPO MEDIO ENTRE ESTAÇÕES (MIN) 3,53 2,02 1,63 2,08 1,63 TEMPO TOTAL DE VIAGEM 61 44 35 43 35 INVESTIMENTO TOTAL PARA IMPLANTAÇÃO em até 3 anos R$ 420.884,99 R$ 559.192,46 R$ 613.956,10 R$ 881.898,79 R$ 1.429.597,56 RESPONSABILIDADE DO PODER PÚBLICO R$ 400.705,32 R$ 61.406,21 R$ 496.716,32 R$ 757.526,25 R$ 1.009.049,25 RESPONSABILIDADE DO SETOR PRIVADO R$ 20.179,67 R$ 497.786,25 R$ 117.239,78 R$ 124.372,54 R$ 420.548,32 x 1000 CAPITAL PRÓPRIO R$ 2.522,94 R$ 107.390,79 R$ 74.513,98 R$ 21.055,96 R$ 71.638,79 CAPITAL DE TERCEIROS (TIPO BNDES - PAC) R$ 17.656,72 R$ 390.395,46 R$ 42.725,80 R$ 103.316,58 R$ 348.909,53 VALOR DA TARIFA (R$/pass) R$ 1,86 R$ 1,86 R$ 1,86 R$ 1,86 R$ 3,31 ENTRADA DE PASSAGEIROS (pass/dia) 323.783 323.783 323.783 323.783 301.000 PERDA OU GANHO DE DEMANDA DEVIDO A TARIFA 7,57% 7,57% 7,57% 7,57% 0,0%DEMANDA DO TRECHO MAIS CARREGADO NA LINHA (pass/h) 9.591 9.591 9.591 9.591 8.910ELABORADO POR F.MAC DOWELLOBS: ÍNDICE DE COBERTURA DE 1,4 MAC DOWELL/09
  12. 12. ANÁLISE SISTÊMICA PARA SOLUÇÃO DOS TRANSPORTES RIO DE JANEIRO SISTEMA DE TRANSPORTE INTEGRADO DESCENTRALIZADAMENTE INCLUI TAMBÉM TECNOLOGIA BRASILEIRA AEROMOVEL MAC DOWELL & EQUIPE DESIGN ADO AZEVEDO
  13. 13. BRT-BOGOTÁ
  14. 14. BRT-BOGOTÁ FILA COM 5 ÔNIBUS CONFLITO DE PASSAGEIROS, POIS ATRAVESSAM CADA ESTAÇÃOHEADWAY30 segundos !
  15. 15. A ÚNICA VARIÁVEL QUE OS SISTEMAS DE TRANSPORTE DE ÔNIBUS NO RIO E EM CURITIBA (BRT) TEM EM COMUM:  O MESMO VALOR DA TARIFA RIO DE JANEIRO CURITIBA PISTA EXCLUSIVA
  16. 16. SISTEMA DE TRANSPORTE DE ÔNIBUS NA CIDADE DO RIO DE JANEIROAno Total de Média anual Média mensal linhas (1) da frota Diesel operante Viagens Quilometros Passageiros consumido(litr Idade média realizadas percorridos trasnportados os) L / KM(2) I.P.K (3) P.M.M (4) da frota2006 933 7 271 16 708 820 756 044 115 821 748 940 246 204 536 0,33 1,09 7 998 4,552007 962 7 357 16 032 361 719 532 188 791 322 155 ... ... 1,10 8 157 ...FONTE: ARMAZEM DE DADOS PREFEITURA DO RIO DE JANEIROContrapartida corresponde ao plantio arbóre o de 20 mil ha por ano EC NP  1hectare   10000kgf 8 2 NP  1.511 10 m ou 4 NP  2  10 hectare O Sistema exige que se plante 20 mil hectares por ano. Plantio arbóreo para absorção de Carbono 2 hectare/ano/ônibus
  17. 17. Em relação a área do Rio POR ANO CÁLCULO:Critério Metodológico CETESP MATHCAD - 14 MAC DOWELL
  18. 18. MONORAIL
  19. 19. MONOTR ILHO 0 a V(km/h) e de V a 0( km/h) 100 100 90 ACELERAÇÃOVELO CIDAD E (km/h) MO NOTRILH O 6 CARROS 80 DESACELERAÇÃO 70 Vo V1 60 V2 50 V3 40 V4 MONORAIL DUBAI 30 20 10 DUBAI PHOTO: David Michael 0 0 0 100 200 300 400 500 600 700 800 900 1000 1100 1200 1300 1400 1500 1600 0 D( Vo  tx  Ir)  Df ( 60 V1  da)  Df ( 70 V2  da)  Df ( 80 V3  da)  Df ( 90 V4  da) 3 1.5310 DIST A TÉ ATINGIR VELOC. e P A RAR (m) MAC DOWELL/09
  20. 20.  O MONORAIL se desloca sobre viga-trilho e não conflita com o tráfego rodoviário, porque não há intersecções em nível. O headway mínimo de segurança de 2 min considerando a velocidade máxima de 90 km/h, a capacidade de transporte pode atingir de 6160 para trens de 2 carros, ou 12.360 para o de 4 carros ou ainda até 18.540 pass/hora para o de 6 carros. MAC DOWELL/09
  21. 21. VIGA-TRILHO: DIMENSÕES DAS SEÇÕES Endview Height at Type Width Height Locations (to scale) Endpoint .51M .88M 1.02M ** Disneyland- Anaheim, CA (1959) ALWEG 20" 34.5" 40" ** .66M 1.22M 2.03M Walt Disney World, FL Disney-Bombardier (1971) * 26" 48" 80" Las Vegas, NV (1995) Hitachi Type 3 - .7M 1.3M 1.8M Sentosa, Singapore Small * (2006) (USA: CM-110) 27.6" 51.2" 70.9" Fühlingen, Germany (1957) ALWEG Turin, Italy (1961) Inuyama, Japan (1962) Hitachi Type 2 - .8M 1.4-1.6M 2.2M Tokyo-Haneda (1964) Standard * Tokyo Disney, Japan 31.5" 55.1-63" 86.6" (2001) Monorail Malaysia Naha, Okinawa, Japan * (2003) Kuala Lumpur (2003) Kitakyushu, Japan (1985) Hitachi Type 1 - .85M 1.5M 2.0M Osaka, Japan (1990) Large * Tama, Japan (1997) (USA: CM-120) 33.5" 59" 78.7" Chongqing, China (2005)
  22. 22. 29
  23. 23. AEROMOVEL E O NOVO DESIGNINOVAÇÃO EM SISTEMA DE TRANSPORTE E ESTÉTICA URBANA COM ARQUITETURA E DESIGN INTEGRADOS MAC DOWELL & EQUIPE DESIGN ADO AZEVEDO
  24. 24. JAKARTA
  25. 25.  Em 1988, o grupo indonésio P.T. Citra Patenindo Nusa Pratama teve concedido o direito de empregar a tecnologia AEROMÓVEL em um anel de 3,2 km, como licenciado, para ser um projeto piloto na capital Jacarta. Com o suporte de engenheiros brasileiros, os indonésios completaram o sistema em oito meses, uma conquista notável. O sistema consiste de três veículos, compostos de dois carros articulados cada, com capacidade para 300 passageiros, seis estações de passageiros e cinco grupos moto-propulsores. A linha foi inaugurada com sucesso pelo então Presidente da Indonésia, General Soeharto, em 1989.Fonte: PUCRS
  26. 26. Composição: 235 pass Capacidade: 9.292 pass/hora 328 pass 13.128 pass/horaComposição: 352 pass Capacidade: 14.088 pass/hora 492 pass 19.692 pass/horaComposição: 470 pass Capacidade: 18.874 pass/hora 656 pass 26.256 pass/hora MAC DOWELL/10
  27. 27. MAC DOWELL
  28. 28. ESTAÇÃO BARCAS (CASTELO) DA LINHA 2 DE INTEGRAÇÃO COM SISTEMA DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO p/ CARIOCA EMBARQUE ESTAÇÃO CARIOCA DE CORRESPONDÊNCIA: ENTRE A LINHA 1 E A LINHA 2L2 MAC DOWELL
  29. 29. AERONAVES: NÚMERO DE OPERAÇÕES/ANO CRESCIMENTO AEROPORTOS 2009 2010 2010/2009 GALEÃO 119.287 122.945 3,07% SANTOS DUMONT 97.075 126.515 30,33% SUBTOTAL 216.362 249.460 15,30% JACAREPAGUÁ 63.588 70.983 11,63% MACAÉ 57.410 65.149 13,48% SUBTOTAL 120.998 136.132 12,51% TOTAL 337.360 385.592 14,30% FONTE: INFRAERO, ELABORAÇÃO MAC DOWELL/11 MOVIMENTO DOMÉSTICO DE PASSAGEIROS NOS AEROPORTOS GALEÃO E SANTOS DUMONT (EMBARCADOS+DESEMBARCADOS) E TOTAL 18.000 17015 17.000 16.000 15.000 14314 14.000 PASSAGEIROS/ANO (x 1000) 13.000 12161 11388 12.000 11.000 10258 9816 10.000 8402 8739 8026 8632 9.000 7714 8.000 6949 7063 7.000 6290 6367 5470 5116 5538 5110 5482 6.000 4445 5.000 4.000 3.000 2.000 1.000 - 1999 2000 2001 2002 2003 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010MAC DOWELL/2011 SANTOS DUMONT GALEÃO A.C.J.+S.D.
  30. 30. EVOLUÇÃO DA FROTA DE HELICÓPTEROS 1400 1255 1194 1200 1097 H 1011 981 989 E 1000 940 944 N L 897 Ú 841 I 791 M 749 C 800 E Ó 649 R P O 547 T 600 E D R E 400 O S 200 0 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009Maximum Gross Weight: 47,000 lbs.Empty Weight: 19,500 lbs.Cargo Hook Capacity: 25,000 lbs.Fuel Capacity: 1,250 gal.Endurance: 2.5 hrsSpeed (cruise): 104 knotsMaximum Range (nm): 208 w/ 30minute fuel reservePassenger Seats: 0
  31. 31. AERÓDROMO DE NOVA IGUAÇU - DISTÂNCIAS
  32. 32. 1.200 m30 m 72 m 830 m 230 m 409 m
  33. 33. AEROPORTO DE JACAREPAGUÁ 900 m 30 m 80 m 700 m 95 m 165 m 176 m 160 m 176 m
  34. 34. FORMAÇÃO DA PONTE AQUAVIÁRIA NA ENTRADA DA BAIAR E S T R IÇ Ã O D E H E A D W A Y 1.760 Navios/ano 99% de Probabilidade Para que não haja conflito h = 6,85 min Capacidade Catamarans =11.670 pass/h Para tal teriam que ser 3 piers M AC DOW ELL
  35. 35. CONSIDEROU-SE NÍVEL DE CONFORTO NO TREM 4 PASS/m2CONSIDEROU-SE NÍVEL DE CONFORTONA PLATAFORMA DAS ESTAÇÕES 2 PASS/m2
  36. 36. EIXOS DE MOBILIDADE URBANA: SISTEMAS DE TRANSPORTE DE MASSA STA.RITA STA.RITA 19,3 km 7 km EST: 11 EST: 9CABUÇU CENTRAL 4,5 km EST: 8 PAVUNA
  37. 37. N. I.
  38. 38. EXPANSÃO PRIORITÁRIA DO METRÔ LINHA 2: ESTÁCIO, CARIOCA E PRAÇA XV SISTEMA DE TRASNPORTE AQUAVIÁRIO ENTRE RIO E NITER I Ó (CONCESSIONÁRIA BARCAS S.A.) TREM METROPOLITANO MARACANÃ CATAMARAN BACAS 1.300 PASSAGEIROS 2.000 PASSAGEIROS (PRAÇA XV) IPANEMA IPANEMABARRA GÁVEA
  39. 39. ANÁLISE SISTÊMICA PARA SOLUÇÃO DOS TRANSPORTES NO RIO DE JANEIRO SISTEMA DE TRANSPORTE INTEGRADO DESCENTRALIZADAMENTE INCLUI TAMBÉM TECNOLOGIA BRASILEIRA AEROMOVELMAC DOWELL & EQUIPEDESIGN ADO AZEVEDO
  40. 40. 1556 m VENTILAÇÃO SUCÇÃO SISTEMA PROPULSOR Èstação 1 Èstação 2 DISTÂNCIA ENTRE ESTAÇOES mínimo 500 m e máximo 2 KmVENTILAÇÃO SUCÇÃO
  41. 41. EMPUXOS SIMULTÂNEOS DE VENTILAÇÃO (0)E DESUCÇÃO (1556 m) DISTANCIA ENTRE AS FONTES DE AEROMOVEL EMPUXO 1556 m. EMPUXOS LIQUIDOS:VENT & SUCÇÃO (kgf) 1200 3 1.19710 tx1  4 <-- pass/m 2EMPUXO LÍQUIDO NA VENTILAÇÃO E NA SUCÇÃO 1100 D( V tx1 i L)  220.717 Distancia (m) entre 0 e 70 km/h 1000 T( V tx1 i  L)  20.952 Tempo (seg) entre 0 e 70 km/h a( V tx1 i  L)  0.928 Aceleração média entre 0 e 70 km/h 900 Fnet ( V tx  i  LL) Fnet ( V tx  i  1556 LL) sucção tx2  6 <-- pass/m 2 800 D( V tx2 i L)  276.474 Distancia (m) entre 0 e 70 km/h 700 T( V tx2 i  L)  26.217 Tempo (seg) entre 0 e 70 km/h 600 a( V tx2 i  L)  0.742 Aceleração média (m/s 2) entre 0 e 70 km/h ventilação 523.57 500 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 1600 0 LL 3 1.55610 MAC DOWELL/09 DISTANCIA ENTRE ESTAÇÕES (1156 m)
  42. 42. DESEMPENHO DO AEROMOVEL FUNÇÃO da ACELERAÇÃO DE ZERO A VELOCIDADE (V em km/h) E DESACELERAÇÃO DA VELOCIDADE (V) A ZERO, E A DISTÂNCIA PERCORRIDA CORRESPONDENTE AERO DIST. 0 a V(km/h) e de V a 0( km/h) 70 70 60 70 km/h VELOCIDADE (km/h) AEROMÓVEL 50 60 km/h V1 40 V2 50 km/h V3 30 V4 20 10 0 0 0 40 80 120 160 200 240 280 320 360 400 0 D ( V1 tx  i  L)  Df ( 50  V2 da)  Df ( 60  V3 da)  Df ( 70  V4 da) 400 DIST ATÉ ATINGIR VELOC. e PARAR (m) MAC DOWELL/09
  43. 43.  O Sistema de Controle Toda a operação do Aeromovel é feita remotamente, de um Controle Central localizado em uma das estações ou próximo à linha. É baseado na tecnologia de controladores programáveis (PLC) modulares de alta confiabilidade, permitindo ajustar os mais diversos parâmetros operacionais, tais como velocidade, aceleração, frota de veículos, headway e parada nas estações. O controle do Aeromovel compreende um Sistema ATC, com ATP (Automatic Train Protection) e ATO (Automatic Train Operation), e um Sistema ATS (Automatic Train Supervision) para interface com o Operador
  44. 44. .O sistema proposto contempla uma versão para implantação de uma linha subterrâneasob calçadas e ruas. Esta solução foi desenvolvida para regiões de grande adensamentourbano com ruas estreitas ou áreas nobres, onde se elimina totalmente o impacto visualda linha elevada e a necessidade de onerosas desapropriações.MACDOWEL & EQUIPE AEROMÓVEL SUBTERRANEODESIGN ADO AZEVEDO
  45. 45. SISTEMA AEROMÓVEL MAC DOWELL & EQUIPE DESIGN ADO AZEVEDO

×