O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Porque o Biodiesel continuará dependendo das políticas públicas. Um balanço preliminar do PNPB   (Programa Nacional de Pro...
<ul><li>Potencial Brasileiro para agro combustíveis é internacionalmente reconhecido. </li></ul><ul><ul><li>Disponibilidad...
<ul><li>Existe perspectivas do programa ser economicamente sustentável sem depender de política pública? </li></ul>QUESTÃO?
<ul><li>Existe perspectivas do programa ser economicamente sustentável sem depender de política pública? </li></ul><ul><ul...
<ul><li>O Biodiesel não pode ser naturalmente competitivo com o diesel com as tecnologias atuais de produção* </li></ul><u...
Custo de produção do biodiesel =  custo óleo vegetal + Processamento Industrial Conclusão parcial 1 Custo Biodiesel  sempr...
O processamento industrial é simples, bem mais acessível que construir uma usina de bio-etanol. 2do Passo
O processamento industrial é simples, bem mais acessível que construir uma usina de bio-etanol. Existem menos barreiras na...
O processamento industrial é simples, bem mais acessível que construir uma usina de bio-etanol. Existem menos barreiras na...
A  competitividade do biodiesel depende essencialmente dos custos da matéria prima em relação ao diesel.  Não depende do p...
Custo do óleo vegetal  sempre > custo do diesel ? 3ero Passo
Se houver no mercado algum óleo vegetal  qual custo esteja baixo o suficiente para permitir a produção de biodiesel natura...
Neste cenário, a demanda potencial para este óleo vegetal “barato” torna a ser aquela do próprio diesel, ou seja mais de 1...
Ou seja, o biodiesel  faz um verdadeiro  curto-circuito  interconectando  dois mercados  que estavam completamente isolado...
E  para compreender o efeito deste curto circuito precisamos  entender os  tamanhos   relativos dos  mercados de alimentos...
Tamanhos de mercados:  Alimentos  vs  Combustíveis Produção alimentar e produção de petróleo no mundo (em milhões de tonel...
Ou seja <ul><li>A disponibilidade de matéria prima para biodiesel é muito menor do que a demanda potencial para biodiesel ...
<ul><li>Conforme as bases das ciências econômicas: </li></ul><ul><li>Os mercados tendem ao equilíbrio </li></ul><ul><li>Qu...
Neste cenário, a demanda, independentemente de qualquer incentivo, será tão forte que os preços iram subir imediatamente a...
1ero Passo: Custo Biodiesel  sempre > Custo óleo vegetal Recapitulando
1ero Passo: Custo Biodiesel  sempre > Custo óleo vegetal 2do Passo:  O processamento industrial não é um fator limitante R...
1ero Passo: Custo Biodiesel  sempre > Custo óleo vegetal 2do Passo:  O processamento industrial não é um fator limitante 3...
1ero Passo: Custo Biodiesel  sempre > Custo óleo vegetal 2do Passo:  O processamento industrial não é um fator limitante 3...
No contexto mercadológico e tecnológico atual é impossível sustentar programas públicos de biodiesel sem incentivos, isenç...
Vamos verificar na prática... Cotação internacional do óleo de soja versus preço do óleo diesel importado pelo Brasil Font...
Visão que tínhamos em 2004 Fonte: ABIOVE, 2006.
Situação a partir  de 2006
Consequências <ul><li>As margens da indústria de biodiesel baseadas na demanda econômica tendem para zero, caso não exista...
Consequências <ul><li>As margens da indústria de biodiesel baseadas na demanda econômica tendem para zero, caso não exista...
E agora? <ul><li>Considerando que nada daquilo que estou falando é novo, porque o Brasil se lançou em uma aventura tão cus...
<ul><li>As principais metas e justificativas,  explicitas , do PNPB podem ser organizadas em três categorias de justificat...
<ul><ul><li>2- Justificativas de ordem econômica </li></ul></ul><ul><ul><li>Aproveitar o potencial agrícola e climático do...
<ul><ul><li>3- Justificativas de ordem ambientais </li></ul></ul><ul><li>Implementar um programa sustentável, incorporando...
Motivação  implícita  do PNPB :  Mercado da soja no Brasil Participação da soja brasileira na oferta mundial de óleos vege...
Conclusões
Conclusões
Sobre o Impacto na balança comercial Cambio médio (R$/US$) Valor do óleo diesel (R$/l) Valor do óleo vegetal (R$/l) Produç...
Conclusões
Conclusões
Conclusões
Justificativas de ordem ambiental: sobre as emissões de gás de efeito estufa <ul><li>A abordagem integrada do balanço ener...
Conclusões
Conclusões
Conclusões
Conclusões
OBRIGADO ! <ul><li>Thomas Pierre Brieu </li></ul><ul><li>011 9266 5292 </li></ul><ul><li>011 5095 3308 </li></ul><ul><li>[...
Sobre a substituição das importações de diesel <ul><li>A redução das importações de diesel está acompanhada paralelamente ...
Sobre o Impacto na balança comercial Cambio médio (R$/US$) Valor do óleo diesel (R$/l) Valor do óleo vegetal (R$/l) Produç...
Sobre a vocação exportadora de biodiesel do Brasil <ul><li>A possibilidade de se exportar o biodiesel brasileiro constitui...
Sobre a vocação exportadora de biodiesel do Brasil  (cont.) <ul><li>No entanto, apesar de que os países europeus possam te...
Sobre os investimentos em capacidade instalada de produção de biodiesel <ul><ul><li>De acordo com a ANP, foram autorizadas...
Sobre investimentos em capacidade produtiva FONTE: Elaboração própria baseada em dados de BIODIESEL 2020 (2008). 2005 2006...
Justificativas de ordem ambiental: sobre as emissões de gás de efeito estufa <ul><li>A abordagem integrada do balanço ener...
Justificativas de ordem social: O Selo de Combustível Social (SCS) <ul><li>Das 62 empresas autorizadas a produzir biodiese...
Justificativas de ordem social: o Selo de Combustível Social (SCS) –  Cont. <ul><li>Multiplicando-se o percentual mínimo l...
Justificativas de ordem social: o Selo de Combustível Social (SCS) –  Cont. Fonte: MDA, 2009
Justificativas de ordem social: a participação das oleaginosas de cunho social Fonte:  Elaboração própria baseada nas info...
Conclusões (a) <ul><li>Qualquer programa de produção de biodiesel não pode ser economicamente sustentável no longo prazo s...
Conclusões (b) <ul><li>É necessário desenvolver outras oleaginosas como fonte de matéria-prima, por exemplo o dendê, para ...
Conclusões (c) <ul><li>V)   De um lado, o biodiesel brasileiro é um sub-produto do mercado internacional de carne. Do outr...
Anexo A: Potencial Regional
Potencial Regional  (cont.)   Frete da soja versus frete do diesel no Mato Grosso Fonte:  NAPPO (2006)
<ul><li>De acordo com Jean Ziegler (2006), ex-comissário da ONU contra a fome e grande opositor da indústria de massa dos ...
A questão da eficiência alimentar  e energética asdd Emissões de CO2 em toneladas per capita e per annum em determinados p...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Thomas Brieu Biodiesel Congress

944 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Thomas Brieu Biodiesel Congress

  1. 1. Porque o Biodiesel continuará dependendo das políticas públicas. Um balanço preliminar do PNPB (Programa Nacional de Produção de Biodiesel) Thomas Pierre Brieu São Paulo, 22 de Setembro de 2010 [email_address]
  2. 2. <ul><li>Potencial Brasileiro para agro combustíveis é internacionalmente reconhecido. </li></ul><ul><ul><li>Disponibilidade de terras, águas e clima favorável. </li></ul></ul><ul><ul><li>Experiência bem sucedida do programa de bio-etanol. </li></ul></ul><ul><ul><li>Quarto maior consumidor mundial de biodiesel. </li></ul></ul>FATOS
  3. 3. <ul><li>Existe perspectivas do programa ser economicamente sustentável sem depender de política pública? </li></ul>QUESTÃO?
  4. 4. <ul><li>Existe perspectivas do programa ser economicamente sustentável sem depender de política pública? </li></ul><ul><ul><ul><li>E se não for o caso? </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Existem justificativas e benefícios para a sociedade que justificam ajudas públicas? E ainda, no caso do Brasil: o país pode/precisa custear um outro programa de biocombustivél? </li></ul></ul></ul></ul>QUESTÃO?
  5. 5. <ul><li>O Biodiesel não pode ser naturalmente competitivo com o diesel com as tecnologias atuais de produção* </li></ul><ul><ul><ul><li>*transesterificação ou craqueamento/hidrotratamento de óleos vegetais e graxas (H-Bio) </li></ul></ul></ul>Hipótese que vamos demonstrar
  6. 6. Custo de produção do biodiesel = custo óleo vegetal + Processamento Industrial Conclusão parcial 1 Custo Biodiesel sempre > Custo óleo vegetal 1ero Passo
  7. 7. O processamento industrial é simples, bem mais acessível que construir uma usina de bio-etanol. 2do Passo
  8. 8. O processamento industrial é simples, bem mais acessível que construir uma usina de bio-etanol. Existem menos barreiras na entrada a tal ponto que capacidade de produção > a produção efetiva no mundo inteiro. 2do Passo
  9. 9. O processamento industrial é simples, bem mais acessível que construir uma usina de bio-etanol. Existem menos barreiras na entrada a tal ponto que capacidade de produção > a produção efetiva no mundo inteiro. Se considerar a tecnologia H-Bio em todas as refinarias do mundo, a capacidade é infinitamente maior que a disponibilidade de matéria prima. 2do Passo
  10. 10. A competitividade do biodiesel depende essencialmente dos custos da matéria prima em relação ao diesel. Não depende do processo industrial. Conclusão parcial 2
  11. 11. Custo do óleo vegetal sempre > custo do diesel ? 3ero Passo
  12. 12. Se houver no mercado algum óleo vegetal qual custo esteja baixo o suficiente para permitir a produção de biodiesel naturalmente competitivo com o diesel de petróleo, sem a necessidade de subsídios, então Todas as refinarias do mundo equipadas com H-Bio e todas as plantas de produção de biodiesel por transesterificação iram comprar este óleo, certo? Justificativa do passo 3
  13. 13. Neste cenário, a demanda potencial para este óleo vegetal “barato” torna a ser aquela do próprio diesel, ou seja mais de 1 bilhão de toneladas por ano, certo? Justificativa do passo 3
  14. 14. Ou seja, o biodiesel faz um verdadeiro curto-circuito interconectando dois mercados que estavam completamente isolados anteriormente ? Justificativa do passo 3
  15. 15. E para compreender o efeito deste curto circuito precisamos entender os tamanhos relativos dos mercados de alimentos e energia? Justificativa do passo 3
  16. 16. Tamanhos de mercados: Alimentos vs Combustíveis Produção alimentar e produção de petróleo no mundo (em milhões de toneladas anuais) * Cereais, frutas, verduras, açúcar, óleo, raízes, batatas e feijões. Exclui a produção de carnes e peixes. Fonte: Elaboração própria com base em dados da FAO (2006), EBB (2008) e BP (2008) Produção alimentar total* (t. x10 6 ) 4100 - da qual os óleos vegetais representam 129 - dos quais o biodiesel representa 10,5 Produção total de petróleo (t. x10 6 ) 3953 - da qual o petrodiesel representa 1000
  17. 17. Ou seja <ul><li>A disponibilidade de matéria prima para biodiesel é muito menor do que a demanda potencial para biodiesel </li></ul><ul><li>no cenário em que o preço dos óleos vegetais permita a produção de biodiesel abaixo do diesel de petróleo. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Conforme as bases das ciências econômicas: </li></ul><ul><li>Os mercados tendem ao equilíbrio </li></ul><ul><li>Quando o ajuste não é possível pelas quantidades, então acontece pelos preços </li></ul>Lembrando
  19. 19. Neste cenário, a demanda, independentemente de qualquer incentivo, será tão forte que os preços iram subir imediatamente até patamares não competitivos. Conclusão 3
  20. 20. 1ero Passo: Custo Biodiesel sempre > Custo óleo vegetal Recapitulando
  21. 21. 1ero Passo: Custo Biodiesel sempre > Custo óleo vegetal 2do Passo: O processamento industrial não é um fator limitante Recapitulando
  22. 22. 1ero Passo: Custo Biodiesel sempre > Custo óleo vegetal 2do Passo: O processamento industrial não é um fator limitante 3ro Passo: Custo do óleo vegetal sempre > custo do diesel Então Recapitulando
  23. 23. 1ero Passo: Custo Biodiesel sempre > Custo óleo vegetal 2do Passo: O processamento industrial não é um fator limitante 3ro Passo: Custo do óleo vegetal sempre > custo do diesel Então Custo Biodiesel sempre > custo do diesel Recapitulando
  24. 24. No contexto mercadológico e tecnológico atual é impossível sustentar programas públicos de biodiesel sem incentivos, isenção fiscal ou quotas obrigatórias de incorporação. O que precisava demonstrar
  25. 25. Vamos verificar na prática... Cotação internacional do óleo de soja versus preço do óleo diesel importado pelo Brasil Fonte: Elaboração própria com base em dados da ANP e da ABIOVE.
  26. 26. Visão que tínhamos em 2004 Fonte: ABIOVE, 2006.
  27. 27. Situação a partir de 2006
  28. 28. Consequências <ul><li>As margens da indústria de biodiesel baseadas na demanda econômica tendem para zero, caso não existam políticas públicas de incorporação que preservem os investimentos privados. </li></ul>
  29. 29. Consequências <ul><li>As margens da indústria de biodiesel baseadas na demanda econômica tendem para zero, caso não existam políticas públicas de incorporação que preservem os investimentos privados. </li></ul><ul><li>Qualquer programa de produção de biodiesel sempre terá um custo para a sociedade diferentemente do que aconteceu com o etanol no Brasil, que, após alguns anos de aprendizagem, consegue agora justificar-se pela sua competitividade econômica natural com a gasolina, sem subsídios à produção. </li></ul><ul><li>. </li></ul>
  30. 30.
  31. 31. E agora? <ul><li>Considerando que nada daquilo que estou falando é novo, porque o Brasil se lançou em uma aventura tão custosa? </li></ul><ul><li>Ainda mais que é um dos países do mundo com a matriz energética mais limpa e com o melhor sucedido programa de biocombustivél? </li></ul><ul><li>Não seria o biodiesel uma preocupação de primeiro mundo ainda distante para o Brasil que ainda luta para deixar de ser um país em desenvolvimento? </li></ul>
  32. 32. <ul><li>As principais metas e justificativas, explicitas , do PNPB podem ser organizadas em três categorias de justificativas: </li></ul><ul><ul><li>1- Justificativas de ordem social </li></ul></ul><ul><li>Promover a inclusão social através da criação de empregos na indústria, e no campo pela agricultura familiar, através do cultivo de oleaginosas como a mamona e o dendê (que não entram em conflito com matéria prima alimentar) </li></ul>Motivações Institucionais do PNPB
  33. 33. <ul><ul><li>2- Justificativas de ordem econômica </li></ul></ul><ul><ul><li>Aproveitar o potencial agrícola e climático do país, a abundância de terra e água, elementos favoráveis ao cultivo das mais variadas oleaginosas, para: </li></ul></ul><ul><li>-Substituir as importações de diesel de petróleo, </li></ul><ul><li>-Fomentar um novo pólo de exportações, </li></ul><ul><li>-Incentivar o desenvolvimento de novas tecnologias e o investimento privado na capacidade produtiva. </li></ul>Motivações Institucionais do PNPB
  34. 34. <ul><ul><li>3- Justificativas de ordem ambientais </li></ul></ul><ul><li>Implementar um programa sustentável, incorporando um combustível biodegradável, oriundo de fontes renováveis e que permita contribuir para a qualidade do ar e a redução das emissões de gases de efeito de estufa. </li></ul><ul><li>Estruturar um programa que seja uma referência mundial no uso de fontes renováveis e diversificar a matriz energética, na continuação do Proálcool. </li></ul>Motivações Institucionais do PNPB
  35. 35. Motivação implícita do PNPB : Mercado da soja no Brasil Participação da soja brasileira na oferta mundial de óleos vegetais em 2007 Fonte: Elaboração própria com base em dados da MPOB (2008) e CONAB (2008) ÓLEO DE SOJA (19%) SOJA EM GRÃOS FARELO PROT EICO (80%) ALIMENTO ENERGIA CARNES ALIMENTO Produção mundial de óleos vegetais ( milhões t. ) 129,37 100,0% Produção mundial de óleo soja ( milhões t. ) 37,48 29,0% Produção brasileira de soja ( milhões t. ) 60,70 Equivalente de óleo vegetal - 19% ( milhões t. ) 11,53 8,9%
  36. 36.
  37. 37. Conclusões
  38. 38. Conclusões
  39. 39. Sobre o Impacto na balança comercial Cambio médio (R$/US$) Valor do óleo diesel (R$/l) Valor do óleo vegetal (R$/l) Produção de biodiesel ( m 3 ) Impacto na balança comercial (R$) Janeiro 1,77 1,27 1,52 76.784 -19.277.556 Fevereiro 1,73 1,26 1,61 77.085 -26.952.441 Março 1,71 1,32 1,82 63.680 -32.390.819 Abril 1,69 1,36 1,82 64.350 -29.927.310 Maio 1,66 1,57 1,79 75.999 -16.738.087 Junho 1,62 1,70 1,80 102.767 -9.629.585 Julho 1,59 1,79 1,69 107.786 9.954.279 Agosto 1,61 1,72 1,72 109.534 -303.381 Setembro 1,80 1,78 1,93 132.258 -19.706.113 Outubro 2,17 1,76 2,12 126.817 -44.629.292 Novembro 2,27 1,47 1,74 117.295 -31.837.449 Dezembro 2,39 1,12 1,66 109.976 -59.054.876 Total do ano 2008 1.164.332 -280.492.629
  40. 40.
  41. 41. Conclusões
  42. 42.
  43. 43. Conclusões
  44. 44. Conclusões
  45. 45. Justificativas de ordem ambiental: sobre as emissões de gás de efeito estufa <ul><li>A abordagem integrada do balanço energético com a produtividade por hectare pode ser chamada da eficiência fotossintética no sentido de que ela mede a capacidade da planta em transformar a energia solar em biomassa, e, logo, em biocombustível para cada unidade de área e cada unidade de energia fóssil utilizada no processo. </li></ul>Comparação entre a eficiência fotossintética do etanol de cana-de-açúcar, do biodiesel de dendê e do biodiesel de soja Fonte: Elaboração própria com base em dados de Conab (2008), Gazzoni (2006) e Urquiaga et al. (2004).
  46. 46. Conclusões
  47. 47.
  48. 48. Conclusões
  49. 49. Conclusões
  50. 50. Conclusões
  51. 51. OBRIGADO ! <ul><li>Thomas Pierre Brieu </li></ul><ul><li>011 9266 5292 </li></ul><ul><li>011 5095 3308 </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>Trabalho integral e fontes sob demanda </li></ul>
  52. 52. Sobre a substituição das importações de diesel <ul><li>A redução das importações de diesel está acompanhada paralelamente por uma redução das exportações de óleos vegetais que são utilizados na produção do biodiesel. </li></ul><ul><li>Foi apurado mensalmente, durante o ano de 2008, o diferencial de preço médio entre as cotações do óleo de soja e do óleo diesel importado em U$/litro. </li></ul><ul><li>Este valor foi convertido em R$ pela taxa de cambio media do mês e multiplicado pelo volume de produção de biodiesel do mês que é igual ao volume de importações evitadas de diesel. </li></ul><ul><li>Desta forma, foi apurado um prejuízo de R$ 280,5 milhões para a balança comercial em 2008 devido ao fato de que a baixa das exportações de soja em valor (p x q), superaram as importações de diesel evitadas em valor. </li></ul>
  53. 53. Sobre o Impacto na balança comercial Cambio médio (R$/US$) Valor do óleo diesel (R$/l) Valor do óleo vegetal (R$/l) Produção de biodiesel ( m 3 ) Impacto na balança comercial (R$) Janeiro 1,77 1,27 1,52 76.784 -19.277.556 Fevereiro 1,73 1,26 1,61 77.085 -26.952.441 Março 1,71 1,32 1,82 63.680 -32.390.819 Abril 1,69 1,36 1,82 64.350 -29.927.310 Maio 1,66 1,57 1,79 75.999 -16.738.087 Junho 1,62 1,70 1,80 102.767 -9.629.585 Julho 1,59 1,79 1,69 107.786 9.954.279 Agosto 1,61 1,72 1,72 109.534 -303.381 Setembro 1,80 1,78 1,93 132.258 -19.706.113 Outubro 2,17 1,76 2,12 126.817 -44.629.292 Novembro 2,27 1,47 1,74 117.295 -31.837.449 Dezembro 2,39 1,12 1,66 109.976 -59.054.876 Total do ano 2008 1.164.332 -280.492.629
  54. 54. Sobre a vocação exportadora de biodiesel do Brasil <ul><li>A possibilidade de se exportar o biodiesel brasileiro constitui uma oportunidade para o país transferir os custos do programa de produção de biodiesel do consumidor brasileiro para os consumidores dos países importadores. </li></ul><ul><li>Devido a baixa tributação sobre o diesel no Brasil em relação a tributação do diesel na Europa, o preço de venda ao consumidor do diesel brasileiro é relativamente barato em relação ao diesel vendido ao consumidor europeu por exemplo. Por este motivo, existe a perspectiva de que o biodiesel brasileiro possa ser mais competitivo com o diesel europeu do que com o diesel Brasileiro. </li></ul>
  55. 55. Sobre a vocação exportadora de biodiesel do Brasil (cont.) <ul><li>No entanto, apesar de que os países europeus possam ter falta de biodiesel para atingir a meta de incorporação de 5,75% em 2010, tudo indica que tais países não estejam dispostos a importar biodiesel para atingir uma meta de incorporação que é indicativa e não obrigatória. </li></ul><ul><li>Se todavia essa meta prevalecesse, então a União Européia iria preferir importar óleo vegetal e não biodiesel de forma a diminuir a taxa de ociosidade das industrias européias de produção de biodiesel. </li></ul><ul><li>Até finais de 2008, as barreiras às exportações de biodiesel permaneceram muito fortes e não existiu nos quatro primeiro anos de vida do PNPB nenhum resultado concreto no sentido de se obter exportações de biodíesel em volume significativo. </li></ul>
  56. 56.
  57. 57. Sobre os investimentos em capacidade instalada de produção de biodiesel <ul><ul><li>De acordo com a ANP, foram autorizadas 67 plantas de produção de biodiesel até finais de 2008. </li></ul></ul><ul><ul><li>Entretanto deste total, apenas 27 delas produziram 99,6% do total da produção em 2008 </li></ul></ul><ul><ul><li>Existem 19 plantas paradas e 21 plantas que nunca declararam produção para a ANP </li></ul></ul><ul><li>A capacidade produtiva das usinas em funcionamento durante o ano 2008 somou 249.463 Mm 3 /mês, mas a produção media mensal foi apenas de 91.034 Mm 3 /mês, ou seja, 36,5% de taxa de ocupação, um valor muito baixo que indica uma ociosidade acima dos níveis economicamente aceitáveis. </li></ul><ul><li>Conclui-se que os objetivos de alavancar os investimentos privados e implementar uma capacidade instalada nacional foram atingidos, e até ultrapassam a real necessidade do País, porém do ponto de vista do investidor privado não houve os retornos mínimos esperados. </li></ul>
  58. 58. Sobre investimentos em capacidade produtiva FONTE: Elaboração própria baseada em dados de BIODIESEL 2020 (2008). 2005 2006 2007 2008 Capacidade mundial instalada 6,5 12,2 23,1 32,6 Produção mundial 3,6 7,1 10,5 12 Ociosidade 44,0% 41,0% 55,0% 62,0%
  59. 59.
  60. 60. Justificativas de ordem ambiental: sobre as emissões de gás de efeito estufa <ul><li>A abordagem integrada do balanço energético com a produtividade por hectare pode ser chamada da eficiência fotossintética no sentido de que ela mede a capacidade da planta em transformar a energia solar em biomassa, e, logo, em biocombustível para cada unidade de área e cada unidade de energia fóssil utilizada no processo. </li></ul>Comparação entre a eficiência fotossintética do etanol de cana-de-açúcar, do biodiesel de dendê e do biodiesel de soja Fonte: Elaboração própria com base em dados de Conab (2008), Gazzoni (2006) e Urquiaga et al. (2004).
  61. 61. Justificativas de ordem social: O Selo de Combustível Social (SCS) <ul><li>Das 62 empresas autorizadas a produzir biodiesel no Brasil em finais de 2008, 29 eram detentoras do Selo Combustível Social. </li></ul><ul><li>A produção dessas usinas representou 99% do total da produção nacional de biodiesel de 2008. </li></ul><ul><li>Segundo o Ministério de Desenvolvimento Agrario,o selo combustível social permitiu envolver 97 mil famílias. </li></ul>
  62. 62. Justificativas de ordem social: o Selo de Combustível Social (SCS) – Cont. <ul><li>Multiplicando-se o percentual mínimo legal de compra de agricultores familiares pela produção de cada uma das regiões definidas no SCS, deduz-se que 23% do total do biodiesel produzido no país em 2008 é oriundo da agricultura familiar, ou seja, 208 milhões de litros </li></ul><ul><li>Este valor equivale a uma média de 179 litros por família e por mês </li></ul><ul><li>Considerando que o lucro por litro vendido não excede 0,50 R$/litro, então a contribuição do PNPB é de menos de um quarto de salário minimo por família por mês. </li></ul>
  63. 63. Justificativas de ordem social: o Selo de Combustível Social (SCS) – Cont. Fonte: MDA, 2009
  64. 64.
  65. 65. Justificativas de ordem social: a participação das oleaginosas de cunho social Fonte: Elaboração própria baseada nas informações do site BiodieselBR e da ANP. Tipo de matéria-prima utilizadas para a produção de biodiesel no Brasil em 2008 m 3 % Óleo de soja 924.364 79,4% Sebo 215.419 18,5% Óleo de Algodão 21.537 1,85% Óleo de Dendê 2.236 0,19% Óleo de Mamona 154 0,013% Gordura de Porco 542 0,047% Óleo de Fritura Usado 42 0,004% TOTAL 1.164.294 100,0%
  66. 66. Conclusões (a) <ul><li>Qualquer programa de produção de biodiesel não pode ser economicamente sustentável no longo prazo sem subsídios, isenções fiscais e/ou repasse do sobrecusto para o consumidor final. </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Isso porque não há uma estrutura de oferta e demanda que favoreça a aquisição do óleo vegetal, insumo para o biodiesel, abaixo do preço do diesel. </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>Existem externalidades positivas e negativas oriundas da produção do biodiesel que são muito diferente dependendo da matéria-prima que for utilizada. </li></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>As externalidades positivas devido ao uso e consumo do </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>biodiesel são iguais qualquer que seja a fonte da matéria- </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>prima. </li></ul></ul></ul></ul></ul>
  67. 67. Conclusões (b) <ul><li>É necessário desenvolver outras oleaginosas como fonte de matéria-prima, por exemplo o dendê, para que os custos associados à implementação do PNPB sejam plenamente compensados pelas externalidades positivas da produção e do consumo de biodiesel. </li></ul><ul><li>Embora o Brasil tenha a possibilidade de se tornar o primeiro produtor mundial de biodiesel devido à sua produção de soja, o biodiesel de soja não permite atingir algumas das metas e justificativas anunciadas no lançamento do PNPB, quais sejam: </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>o estímulo à agricultura familiar e à inclusão social no semi-árido, </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>a redução significativa das emissões de gases de efeito estufa </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>os ganhos na balança comercial com a substituição das importações. </li></ul></ul></ul></ul>
  68. 68. Conclusões (c) <ul><li>V) De um lado, o biodiesel brasileiro é um sub-produto do mercado internacional de carne. Do outro lado, o crescimento do consumo mundial de carnes têm um impacto bem mais importante no uso das terras do que os biocombustíveis. </li></ul><ul><li>VI) O uso da soja como matéria-prima é uma oportunidade para o programa ganhar escala </li></ul><ul><li>VII) Pode ser mais interessante agregar mais valor a soja brasileira produzindo e consumindo biodiesel no Brasil a partir do seu óleo vegetal do que exportar soja na forma de grão sem beneficiamento nenhum. </li></ul><ul><li>VIII) Se o objetivo principal for a redução das emissões de gás de efeito de estufa, existem outras alternativas muito mais econômicas do que o biodiesel de soja. </li></ul>
  69. 69. Anexo A: Potencial Regional
  70. 70. Potencial Regional (cont.)   Frete da soja versus frete do diesel no Mato Grosso Fonte: NAPPO (2006)
  71. 71. <ul><li>De acordo com Jean Ziegler (2006), ex-comissário da ONU contra a fome e grande opositor da indústria de massa dos biocombustíveis, a produção atual de alimentos é teoricamente suficiente para sustentar 12 bilhões de indivíduos no planeta </li></ul><ul><li>De acordo com SUAU (2008), A alta dos preços dos alimentos não teria origem na produção de biocombustiveis e sim: </li></ul><ul><ul><li>na saída dos governos na gestão estratégica dos estoques de alimentos devido a liberalização dos mercados; </li></ul></ul><ul><ul><li>a especulação nos mercados financeiros e futuros; </li></ul></ul><ul><ul><li>na explosão da demanda na China e na Índia; </li></ul></ul><ul><ul><li>no crescimento da demanda de carne, que utiliza de 5 quilos de cereais para cada quilo de carne produzido; </li></ul></ul><ul><ul><li>dos acidentes climáticos devido ao aquecimento global; </li></ul></ul><ul><ul><li>nos preços baixos dos últimos anos, que desanimaram a produção; </li></ul></ul><ul><ul><li>e em alguns países produtores, que tomaram medidas protecionistas taxando ou impedindo as exportações de arroz e trigo. </li></ul></ul>Anexo C: Competição com alimentos
  72. 72. A questão da eficiência alimentar e energética asdd Emissões de CO2 em toneladas per capita e per annum em determinados países Fonte: Eenergy Informer (2009)

×