Portos luciana

709 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
709
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Portos luciana

  1. 1. A POSSIBILIDADE DE USO DOS PORTOS SECOS
  2. 2. O Grupo Wilson , Sons Um dos maiores operadores integrados de serviços marítimos, MISSÃO & VISÃO portuários e de logística do País Mais de 170 anos de atuação no Brasil Em torno de 5.000 funcionários 74 rebocadores 24 Embarcações OSV (offshore supply vessels) até 2015 10 PSV´s (platform supply vessels) em operação 3 PSV´s (platform supply vessels) em construção (entrega em 2011) 2 terminais de contêineres: Salvador e Rio Grande MISSÃO Desenvolver e prover soluções de alto valor percebido por nossos clientes nas atividades portuária, marítima e de logística, de forma sustentável e inovadora, valorizando o desenvolvimento dos nossos colaboradores. VISÃO Ser a primeira escolha dos colaboradores, clientes e investidores nos segmentos portuário, marítimo e de logística, crescendo de forma arrojada, sinérgica e sustentável.
  3. 3. A Wilson, Sons Logística MISSÃO & VISÃO 1800 funcionários 26 Unidades de Operação MISSÃO Receita Líquida (2009): US$ 75,8 milhões Desenvolver e operar soluções logísticas de alto valor percebido por nossos clientes, de forma Ebitda (2009): US$ 7,1 milhões contínua,sustentável e inovadora, valorizando o Margem Ebitda (2009): 9,3% desenvolvimento de nossos colaboradores. Investimentos (2009): US$ 14,9 milhões VISÃO Ser a primeira escolha dos colaboradores, clientes e Fornecedores, crescendo de forma arrojada, sinérgica e sustentável, em seus segmentos de atuação. Participação dentro do grupo 16% (Elaboração de projetos logísticos e o planejamento de sua implementação)
  4. 4. Portos Secos Definição Portos secos são recintos alfandegados de uso público, situados em zona secundária, nos quais são executadas operações de movimentação, armazenagem e despacho aduaneiro de mercadorias e de bagagem, sob controle aduaneiro.
  5. 5. Portos Secos Zona Primária  Portos, Aeroportos e Fronteiras (1º ponto de Entrada no país) Zona Secundária  Todo o restante.
  6. 6. Portos Secos no Brasil  Início da década de 90 – eram 15 Portos Secos no Total;  Indeferimento de alfandegamento de áreas nas industriais;  Decisão por parte da RF da criação de PS’s para atender a todo país;  Novas Licitações - requisitos básicos:  Empresa de Armazéns Gerais ou Transportadora;  Menor preço x Maior arrecadação de FUNDAF  Instalações próprias ou com contrato de período igual ao da concessão.
  7. 7. Portos Secos no Brasil  Atualmente há 63 Portos Secos;  Posicionados em 14 estados (fora da área portuária, aeroportuária, próximos das áreas de consumo);  27 deles no estado de São Paulo;  Área total de 6 milhões de metros quadrados;  Movimentação de mais de US$ 70 bilhões/ano;  São 20 mil empregos diretos;  Portos Secos são compostos de Posto da Receita Federal, ANVISA e Ministérios da Agricultura.
  8. 8. Portos Secos Definição de Atividades e Limitações  Portaria com normas básicas de funcionamento;  Ordem de Serviço.
  9. 9. Portos Secos Por quê um Porto Seco?  As zonas primárias são área de fluxo de carga, zona de passagem e não para armazenamento Vantagens  Aplicação de Regimes Aduaneiros Especiais e Atípicos  Localização estratégica (consumo)  Personalização da Operação (RF e PS)
  10. 10. Portos Secos Regimes Aduaneiros permitidos  Regime Comum de Importação e Exportação  Entreposto Aduaneiro na Importação e Exportação  Trânsito Aduaneiro  Admissão Temporária  Drawback  Exportação Temporária  DAC  MIC / DTA  Industrialização (IN 241)
  11. 11. Portos Secos Atividades permitidas nos Portos Secos  Atividades comuns relacionadas na IN SRF nº 55/2000:  Estadia de veículos e unidades de carga;  Pesagem;  Limpeza e desinfectação de veículos;  Fornecimento de energia;  Retirada de amostras;  Lonamento e deslonamento;  Colocação de lacres;
  12. 12. Portos Secos Atividades permitidas nos Portos Secos  Expurgo e reexpurgo;  Unitização e desunitização de cargas;  Marcação, remarcação, numeração e renumeração de volumes para identificação comercial;  Etiquetagem, marcação e colocação de selos fiscais em produtos importados, para atender a legislação nacional ou o adquirente;  Consolidação documental.
  13. 13. Portos Secos Vantagens do Porto Seco  Aplicação de Regimes Aduaneiros  Localização estratégica  Enorme mobilidade logística  Custos operacionais mais baixos  Dispensa de montagem de estruturas logística onerosas  Tornam produtos mais competitivos
  14. 14. Portos Secos Vantagens do Porto Seco  As zonas primárias são área de fluxo de carga  Retro-área  Área criada para trânsito, não para armazenamento  Custos altos de imobiliário e infra-estrutura
  15. 15. Legislação – Tabela Comparativa
  16. 16. Soluçõessob medidaem logística. Obrigado! marcelo.darco@wisonsons.com.br +55 11 49769661 josecarlos.rodrigues@wilsonsons.com.br +55 11 49769559

×