12h00 2.a 29.07 leandro trinta (noticias trocar link do banner)

597 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
597
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
115
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

12h00 2.a 29.07 leandro trinta (noticias trocar link do banner)

  1. 1. Ações da ANP naQualidade do Biodiesel 1
  2. 2. Demanda deCombustíveis Líquidos 2
  3. 3. Base Legal 3
  4. 4. Atribuições da SBQ Qualidade dos combustíveis:  estabelecimento das especificações dos combustíveis;  regulação da cadeia de abastecimento;  ações conjuntas com agentes econômicos para mitigar e identificar problemas. Monitoramento da Qualidade: avaliação do perfil de não-conformidades doscombustíveis e lubrificantes comercializados em todo o território nacional (aprox.208.000 amostras em 2010 e 22 instituições contratadas); Grupos de Trabalho: participação junto ao Governo de GTs para redução debarreiras técnicas, bem como de Fóruns internacionais que tratam daespecificação de produto e de sustentabilidade; Normalização internacional: acompanhamento das ações no âmbito dos ComitêsTécnicos da ABNT, ASTM e ISO no âmbito da qualidade de produtos, debiocombustíveis, dos combustíveis aquaviários e de sustentabilidade; 4
  5. 5. Atribuições da SBQ Controle da Qualidade:  aumento da confiabilidade e da rastreabilidade de análise da qualidade de biocombustíveis;  cadastro de laboratórios de biodiesel;  auditoria e registro de laboratórios e promoção de programas inter- laboratoriais; Uso Experimental e Específico: regulação de uso experimental eespecífico de novos combustíveis e acompanhamento dos resultados parasubsidiar o Governo quanto à entrada de novos combustíveis no mercado. Harmonização dos Biocombustíveis: ação integrada com intenção dealinhamento das especificações dos biocombustíveis no âmbito internacional edo Mercosul. 5
  6. 6. Acompanhamento ASTMUso de diesel para aviação + uso de ETBE na GAVD7220 (Fluorescência R-X)  1000 ppm S + FAMEObservação da Europa  Possível B30 (draft para2012)  Previsão testes B50 6
  7. 7. Misturas B6 a B20 Solicitante Autorização Produto UF Uso do produto Consumo mensal (L)Camargo Correa nº 364/2009 B10 SC veículos 20.000 Fetranspor nº 438/2009 B20 RJ ônibus 40.000Carnaval de Salvador 2010 nº 71/2010 B20 BA trios elétricos e veículos 80.000Martin-Brower nº 167/2010 B20 SP veículos e equipamentos 14.500B100 Participações Ltda. nº 170/2010 B20 SP 1871 ônibus 5.732.070Fetranspor nº 172/2010 B20 RJ ônibus 40.000URBS nº 285/2010 B100 PR 12 ônibus 98.640Camargo Corrêa S.A. nº 498/2010 B20 SC 5 equipamentos 20.000Cia. Vale do Rio Doce S.A. nº 188/2011 B25 ES/MG 8 locomotivas 800.000Total: ~11 milhões L Equivalente Autorizado: ~ B22 7
  8. 8. Qualidade do biodiesel 3 Focos principais• Produto especificado: degrada ao longo da cadeia por conta de características próprias  Especificação• Produto não conforme  Ações de Fiscalização• Práticas adequadas de manuseio: sempre foram necessárias para o óleo diesel, o biodiesel potencializa  readequação do mercado / normalização / estudos 8
  9. 9. Especificação do BiodieselRediscussão de características,limites e métodos constantes daespecificação do biodiesel:- Mono, di e triglicerídeos;- Estabilidade à oxidação- PEFF;- Teor de água + Teor de Enxofre. 9
  10. 10. Especificação do Biodiesel  Os limites de mono, di e triacilglicerol serão estabelecidos. Pretende-se limitar os valores dos teores de mono, di e triaciglicerol, considerando, principalmente, estudos têm demonstrado a tendência de aglomeração, formando compostos insolúveis que acarretam a formação de depósitos 44,0% Especificação atual: Anotar 40,0% 36,0% < 0,1 ALTERAÇÃO: 32,0% 0,1 - 0,2 Monoacilglicerol % massa 0,80Percentual em volume 0,2 - 0,3 28,0% 0,3 - 0,4 24,0% 0,4 - 0,5 20,0% 0,5 - 0,6 16,0% 0,6 - 0,7 Dados Declarados - Produtores 0,7 - 0,8 12,0% (2009-2011) 0,9 - 1,0 8,0% > 1,0 4,0% 0,0% Teor de monoacilglicerol 2010 2011 10
  11. 11. Especificação do Biodiesel 44,0% 40,0% Especificação atual: Anotar 36,0% < 0,1 32,0%Percentual em volume 0,1 - 0,2 28,0% 0,2 - 0,3 0,3 - 0,4 ALTERAÇÃO: 24,0% 20,0% 0,4 - 0,5 Diacilglicerol % massa 0,20 0,5 - 0,6 16,0% 0,6 - 0,7 Triacilglicerol % massa 0,20 0,7 - 0,8 12,0% 0,9 - 1,0 8,0% > 1,0 4,0% Teor de triacilglicerol 0,0% 64,0% 2010 2011 60,0% 56,0% Teor de diacilglicerol Percentagem em volume 52,0% 48,0% < 0,1 44,0% 0,1 - 0,2 40,0% 0,2 - 0,3 36,0% 0,3 - 0,4 Dados Declarados - Produtores 32,0% 28,0% 0,4 - 0,5 0,5 - 0,6 (2010-2011) 24,0% 0,6 - 0,7 0,7 - 0,8 20,0% 0,9 - 1,0 16,0% > 1,0 12,0% 8,0% 4,0% 0,0% 11 2010 2011
  12. 12. Especificação do Biodiesel Estabilidade a OxidaçãoA estabilidade a oxidação terá seu limite mínimo ampliado para de 8horas 40,0% 36,0% 32,0% 6,0 - 7,0 7,0 - 8,0 28,0% Percentual em volume 8,0 - 9,0 Dados 24,0% 9,0 - 10,0 Declarados 20,0% 10,0 - 11,0 Produtores 11,0 - 12,0 (2009-2011) 16,0% 12,0 - 13,0 12,0% 13,0 - 14,0 8,0% 14,0 - 15,0 4,0% > 15,0 0,0% 2009 2010 2011 12
  13. 13. Especificação do Biodiesel Teor de enxofreEm atendimento à entrada do óleo diesel com baixo teor de enxofre(S10) Dados Declarados Produtores (2009-2011) 13
  14. 14. Especificação do Biodiesel Ponto de Entupimento de Filtro a FrioProblemas de precipitação de ésteres na cadeia de abastecimento emtemperaturas baixas.Proposta incluir os limites regionais e temporais existentes hoje para oóleo diesel A (Resolução ANP nº 42/2009) Teor de águaProposta de redução para 220 mg/kg, mínimo.Objetivo: Foi constatada, nos Grupos de Trabalho, a importância destacaracterística na estabilidade à oxidação do biodieselÓleo diesel com baixo teor de enxofre pode ser mais crítico 14
  15. 15. Harmonização das especificações Biocombustíveis como Commodities Eliminação das barreiras técnicas é vital para biocombustíveis sustentáveis no mercado mundial. Aceitação dos biocombustíveis no mercado depende da transparência e confiabilidade do combustível, o que é conseguido por padronização. Harmonização de normas deve levar em conta o desenvolvimento de métodos de ensaio apropriados para biocombustíveis a partir de diferentes fontes e para os diferentes limites das propriedades, bem como, sempre que possível, ser compatível com diferentes motores. Harmonização: Favorece o comércio mundial de biocombustíveis 15
  16. 16. Programa Interlaboratorial de Biodiesel O Centro de Pesquisas e Análises Tecnológicas da ANP – CPT, implementou oprograma interlaboratorial de Biodiesel com os principais objetivos: determinar o desempenho individual dos laboratórios para os ensaios propostos; monitorar continuamente o desempenho dos laboratórios; propiciar subsídios aos laboratórios para a identificação e solução de problemas analíticos; agregar valor ao controle da qualidade dos laboratórios e identificar diferençasinterlaboratoriais.  7ª Edição  46 laboratórios 1ª Edição 26 laboratórios 2ª Edição 30 laboratórios 3ª Edição 34 laboratórios 4ª Edição 42 laboratórios 5ª Edição 45 laboratórios 6ª Edição 53 laboratórios 16
  17. 17. Programa Interlaboratorial de BiodieselTERMO DE COOPERAÇÃO ANP – INMETROParceria entre a ANP e INMETRO para a realização de Ensaios deProficiência utilizando amostras com valores de referência certificados peloINMETRO.A ANP disponibilizará as amostras para os diversos laboratóriosparticipantes do programa interlaboratorial que serão certificadas paravárias características aplicadas aos biocombustíveis (etanol e biodiesel),contribuindo para o aumento da confiabilidade e da rastreabilidade dasmedidas. Instituto Nacional de Normalização, Metrologia e Qualidade Industrial 17
  18. 18. Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis 10 B R A S I L 8 6,5 6 3,9% NC 3,8 3,6 3,6 3,4 4 3,1 3,1 2,8 2,6 2,6 2,4 2,3 2,2 2,2 1,9 1,8 1,7 1,4 1,4 2 1,3 0 2005 2006 2007 2008 2009 2010 jan-jun/2011 Gasolina Óleo Diesel Etanol 18
  19. 19. Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis3,6 % 3,4 % 3,2 % 1,7 % 1,4 % 1,5 % 19
  20. 20. Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis CADEIA Somente as plantas Biodiesel AGRÍCOLA autorizadas para comercialização Óleo diesel A Produtores de de são passíveis Biodiesel Biodiesel Refinaria monitoramento. Produtor Rural Biodiesel TRRSementes Óleo diesel B Distribuidor de Combustíveis Óleo Monitoramento Óleo diesel B de Biodiesel Vegetal Produtor de Óleo Pontos de Abastecimento Vegetal (Grandes Consumidores) (Esmagamento) Posto Revendedor Outros Produtos -Ração Óleo diesel B - Proteína Consumidor 20 20
  21. 21. Combustíveis Não- Conformes SBQ / SAB / SRP Denúncias de Agentes Regulados Inteligência ANP/DPF FISCALIZAÇÃO CRC MinistérioMonitoramento Organização Público de Preços Planejamento Organizações Públicas, PMQC de defesa dos consumidores, de tributos e outros Execução 21
  22. 22. Combustíveis Não- Conformes Ações da ANP voltadas aos produtores de biodiesel:• 13 ações de fiscalização em produtores de biodiesel em 5 meses (janeiroa maio de 2011);• Ações direcionadas por denúncias do mercado e pelo Monitoramento daQualidade do Biodiesel;• 19 autuações por infrações identificadas;• 05 autos de interdição;• 01 auto de apreensão. 22
  23. 23. Degradação do Biodiesel Histórico• Relatos de problemas trazidos pela revenda no primeiro semestre de 2010.• Realização de reuniões internas e com agentes externos para avaliação do problema.• Realização de seminário técnico.• Criação de Grupos de Trabalho 23
  24. 24. Seminário Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B• Objetivo: Discutir com o mercado os procedimentos e cuidados necessários no manuseio, transporte e armazenagem de óleo diesel B.• Local: Capitania dos Portos – Marinha do Brasil, no Rio de Janeiro.• Data: 9 de julho de 2010• Participantes: mais de 140 pessoas representando o mercado, o governo e institutos de pesquisa 24
  25. 25. Folheto 25
  26. 26. Folheto 26
  27. 27. Grupos de Estudo• GT-1: Transporte• GT-2: Armazenagem• GT-3: Garantia das Especificações – Grupo 1: Acompanhamento da qualidade do biodiesel e do óleo diesel B, ao longo da cadeia de abastecimento, na região Sul. – Grupo 2: Avaliação das formas de mistura (óleo diesel/biodiesel) empregadas nas bases. – Grupo 3: Similar ao Grupo 1, na região de SP. 27
  28. 28. GT3 - Relatório Final • Levantamento de pontos relevantes: características importantes do biodiesel como higroscopicidade, comportamento ao longo da armazenagem de acordo com a matéria-prima de origem etc. • Propostas: Necessidade de revisão da especificação do biodiesel e de elaboração de uma forma de controle, na distribuição, de características consideradas críticas (teor de água principalmente). • Conclusões: Os problemas originais evidenciados em campo não foram observados nos estudos desenvolvidos pelo GT. Necessidade de continuidade dos estudos. 28
  29. 29. OBRIGADO! Leandro Trinta de FariasSuperintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos Tel: 21 2112 8665 ltfarias@anp.gov.br www.anp.gov.br 29

×