Ministério de Minas e Energia      Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis      Departamento de Comb...
MME: OBJETIVO BIODIESEL          Ampliar   a produção e o uso de         biodiesel Aumento do percentual de mistura obrig...
POR QUE IR ALÉM DO B5?Fatores estratégicos: Diversificação da matriz Ampliação das fontes renováveis Segurança energéti...
O QUE É UM “MARCO REGULATÓRIO”?Conjunto de normas, leis e  diretrizes que regulam ofuncionamento dos setores         econô...
QUAIS AS DIFICULDADES PARA O ALÉM B5? Preço Qualidade     CONSUMIDOR & INFLAÇÃO Garantia Agricultura familiar Regiona...
PREÇO NO PRODUTOR SEM TRIBUTOS                                                                DIESEL INTERNAC. Diesel: R$...
CUSTO DE PRODUÇÃO DO BIODIESEL           20%    remuneração do investimento                  custos administrativos e indu...
QUALIDADE DO BIODIESEL Do “poço” ao posto A qualidade do biodiesel começa na fase agrícolaNecessidades já identificadas:...
GARANTIA DOS VEÍCULOS E MOTORES Garantia é ponto chave para segurança do consumidor Validação da mistura B5 (em 2009) A...
AGRICULTURA FAMILIAR 2009     Como está distribuída a agricultura familiar vinculada ao PNPB?              Nordeste      ...
REGIONALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO
CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA               DE ÓLEOS VEGETAISFonte: MDIC. Sistema Aliceweb. (*) Dados do 1º semestr...
CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA               DE ÓLEOS VEGETAISFonte: MDIC. Sistema Aliceweb. (*) Dados do 1º semestr...
CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA               DE ÓLEOS VEGETAISFonte: MDIC. Sistema Aliceweb. (*) Dados do 1º semestr...
CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA               DE ÓLEOS VEGETAISFonte: MDIC. Sistema Aliceweb. (*) Dados do 1º semestr...
CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA         DE ÓLEOS VEGETAIS            DIVERSIFICAÇÃO    Ainda que a “nova” oleaginosa ...
DISPONIBILIDADE DE ÓLEO DE SOJA           (CENÁRIO HIPOTÉTICO PARA CRESCIMENTO DO BIODIESEL)                              ...
DISPONIBILIDADE DE ÓLEO DE SOJA           (CENÁRIO HIPOTÉTICO PARA CRESCIMENTO DO BIODIESEL)                              ...
CONSIDERAÇÕES FINAIS:            O CAMINHO PARA O “ALÉM B5” Foco no consumidor: preço, qualidade e disponibilidade Preoc...
Boletim Mensal dos Combustíveis Renováveis                        Publicação mensal destinada a                     conso...
Muito Obrigado!
10h45 27.07 1a.ricardo gomes gomide   mme (noticias)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

10h45 27.07 1a.ricardo gomes gomide mme (noticias)

670 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
670
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
139
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

10h45 27.07 1a.ricardo gomes gomide mme (noticias)

  1. 1. Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis Além do B5:Avaliações Necessárias para Aumento com Êxito Ricardo Borges Gomide ricardo.gomide@mme.gov.br São Paulo, 27.07.2011
  2. 2. MME: OBJETIVO BIODIESEL Ampliar a produção e o uso de biodiesel Aumento do percentual de mistura obrigatória Estímulo a novos usos além do obrigatório - Frotas cativas - Iniciativas metropolitanas diversas - Uso agrícola etc Exportação de biodiesel
  3. 3. POR QUE IR ALÉM DO B5?Fatores estratégicos: Diversificação da matriz Ampliação das fontes renováveis Segurança energética Fatores socioeconômicos:  Geração de emprego e distribuição de renda  Agregação de valor às matérias-primas agrícolas  Fortalecimento da indústria nacional  Multiplicidade de empresasFatores ambientais: Redução de emissões poluentes Balanço CO2 e mitigação do aquecimento global Visibilidade internacional do País como uma economia “verde”
  4. 4. O QUE É UM “MARCO REGULATÓRIO”?Conjunto de normas, leis e diretrizes que regulam ofuncionamento dos setores econômicos
  5. 5. QUAIS AS DIFICULDADES PARA O ALÉM B5? Preço Qualidade CONSUMIDOR & INFLAÇÃO Garantia Agricultura familiar Regionalização MOTIVADORES DA CRIAÇÃO DO PNPB Diversificação
  6. 6. PREÇO NO PRODUTOR SEM TRIBUTOS DIESEL INTERNAC. Diesel: R$1,09 / litro (PETROBRAS, julho/2011) US$0,78/litro ≈ R$1,21/litro Biodiesel: R$2,03 / litro (22º leilão, maio/2011) +86% USGulf em 01/07/11 Efeitos macroeconômicos e políticos indesejáveis:  Tarifas de ônibus  Custo do transporte de carga  Inflação
  7. 7. CUSTO DE PRODUÇÃO DO BIODIESEL 20% remuneração do investimento custos administrativos e industriais 80% matéria-prima (óleo vegetal) x Dependência da soja. x Influência de commodity agrícola no mercado interno de combustíveis.
  8. 8. QUALIDADE DO BIODIESEL Do “poço” ao posto A qualidade do biodiesel começa na fase agrícolaNecessidades já identificadas: Evolução da especificação Aprimoramento dos procedimentos de manuseio Alterações nos sistemas de distribuição e revenda Ações de esclarecimento de usuários
  9. 9. GARANTIA DOS VEÍCULOS E MOTORES Garantia é ponto chave para segurança do consumidor Validação da mistura B5 (em 2009) Ainda não existe validação para além do B5 Necessidade de negociação e testes com envolvimento defabricantes de veículos, motores e autopeças
  10. 10. AGRICULTURA FAMILIAR 2009  Como está distribuída a agricultura familiar vinculada ao PNPB? Nordeste ≈ Petrobras SulFonte: MDA.
  11. 11. REGIONALIZAÇÃO DA PRODUÇÃO
  12. 12. CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE ÓLEOS VEGETAISFonte: MDIC. Sistema Aliceweb. (*) Dados do 1º semestre de 2011, anualizados linearmente.
  13. 13. CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE ÓLEOS VEGETAISFonte: MDIC. Sistema Aliceweb. (*) Dados do 1º semestre de 2011, anualizados linearmente.
  14. 14. CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE ÓLEOS VEGETAISFonte: MDIC. Sistema Aliceweb. (*) Dados do 1º semestre de 2011, anualizados linearmente.
  15. 15. CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE ÓLEOS VEGETAISFonte: MDIC. Sistema Aliceweb. (*) Dados do 1º semestre de 2011, anualizados linearmente.
  16. 16. CRESCIMENTO DA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA DE ÓLEOS VEGETAIS DIVERSIFICAÇÃO Ainda que a “nova” oleaginosa não seja usada diretamente na produção, o biodiesel pode funcionar como uma âncora para ampliar a oferta interna e reduzir a dependência do Brasil na importação de óleos vegetais.
  17. 17. DISPONIBILIDADE DE ÓLEO DE SOJA (CENÁRIO HIPOTÉTICO PARA CRESCIMENTO DO BIODIESEL) B10 B10 Realizado Estimativa B9 B8 B8 B7 B7 B6 B6Fonte: ANP & ABIOVE. Elaboração MME.
  18. 18. DISPONIBILIDADE DE ÓLEO DE SOJA (CENÁRIO HIPOTÉTICO PARA CRESCIMENTO DO BIODIESEL) 4,3 mi ha B10 B10 B9 Previsão 2019: B8 B8 Área de SOJA p/ Biodiesel = 4,3 + 9,7 = 14 milhões ha 9,7 mi ha B7 bilhões de litros 8,4 B7 B6 B6 Para ter a mesma produção:  Área de PALMA p/ Biodiesel = 2,1 milhões ha (6 vezes menos área) 7,2 mi ha Área de CANA p/ Etanol = 7 milhões ha  52,4 bilhões de litrosFonte: ANP & ABIOVE. Elaboração MME.
  19. 19. CONSIDERAÇÕES FINAIS: O CAMINHO PARA O “ALÉM B5” Foco no consumidor: preço, qualidade e disponibilidade Preocupações estratégicas (segurança energética) Necessidade de envolver agricultura familiar nova Regionalização ainda está distante Testes e negociação com fabricantes de veículos Diversificação e redução da dependência brasileira de óleosvegetais
  20. 20. Boletim Mensal dos Combustíveis Renováveis  Publicação mensal destinada a consolidar informações conjunturais sobre os combustíveis renováveis.  Destina-se a público em geral e é distribuído em meio eletrônico para lista de e-mails cadastrados. Para nova inclusão: dcr@mme.gov.br
  21. 21. Muito Obrigado!

×