O slideshow foi denunciado.
Sondagem
Prof. Fábio Faria
Exames do terreno
a)  Visitar o local da obra, detectando a eventual
existencia de alagados, afloramento de rochas etc.;̂
...
Métodos de ensaio: direto,
indireto e semi-direto
Sondagem SPT
A so n d a g e m m a is e x e c u t a d a e m s o lo s p e n e t r á v e is é a so n d a g e m g e o t é c n ...
Método direto: SPT
Perfuração com lavagem
Amostradores Bipartidos -
SPT
Finalidades do ensaio SPT
• a determinacao dos tipos de solo em suas respectivaş ̃
profundidades de ocorrencia;̂
• a posi...
Definições
• SPT (standard penetration test): Abreviatura do nome do
ensaio pelo qual se determina o indice de resistência...
Critérios para avaliação do
ensaio SPT
• Locacao do furo e quantidades;̧ ̃
• Processos de perfuracão;
• Amostragem e SPT;
...
Critérios para avaliação do
ensaio SPT
• Observação do nível de lençol freático;
• Identificação das amostras e elaboração...
Amostragem
• Deve ser coletada, para exame posterior, uma parte representativa do solo colhido
pelo trado-concha durante a...
Número mínimo de
sondagens
• Nº mínimo = 2 furos
• 1 furo para cada 200 m2
de edificação em planta, até
1200 m2
• 1 furo p...
Número mínimo de
sondagens
• Mínimo de 3 furos para áreas entre 200 e 400 m2
• 1 furo para cada 200 m2
de edificação em pl...
Localização dos furos
• Distância máxima de 100 m;
• Normalmente entre 15 a 20 m;
• Priorizar posições relevantes na obra ...
Localização dos furos
• Sondagens não devem estar alinhadas;
• Realizar furos próximos aos extremos da área;
• Distância m...
Profundidade
• Normalmente até a camada impenetrável, a partir de
ensaios de campo mais usuais;
ou
• Consultar o projetist...
Planta de locação dos furos
de sondagem
R u a X
8 0 0
1 0 0 0
1480
1950
1 2 0 0
770
4500
2 6 0 0
S P 0 1
S P 0 2
S P 0 3
3...
Critérios para encerrar a
sondagem
O processo de perfuracao por circulacao de agua, associado aos ensaios penetrometricos,...
Método Semi-direto: CPT
Comparativo entre os
métodos de sondagem
Exemplo de laudo de
sondagem
6
R u a X
8 0 0
1 0 0 0
1480
1950
1 2 0 0
4500
2 6 0 0
S P 0 1
S P 0 2
S P 0 3
3 5 0 0
RuaY
C...
PRINCIPIOS GERAIS DA APTIDAO DÉ ̃
SUPORTE DE UM SOLO RESISTENTE
m p l o m o s t r a d o n o e s q u e m a n a p r ó x i m...
PRINCIPIOS GERAIS DA APTIDAO DÉ ̃
SUPORTE DE UM SOLO RESISTENTE
• Se os solos A=B=C tem caracteristicas iguais dê ́
resi...
Tabela dos estados de compacidade e de
consistencia –̂
NBR 6484/2001
Perfil estratigráfico
4.5.1 Perfil estimado do terreno
Com base na investigação geotécnica realizada no terreno, represent...
Exercício de fixação
• Elabore um roteiro de atividades de como o estudo de
sondagem deverá ser realizado para o empreendi...
Anexo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sondagem

2.335 visualizações

Publicada em

Breve Resumo sobre Técnicas de Sondagem para realização de obras de engenharia.

Publicada em: Engenharia
  • Seja o primeiro a comentar

Sondagem

  1. 1. Sondagem Prof. Fábio Faria
  2. 2. Exames do terreno a)  Visitar o local da obra, detectando a eventual existencia de alagados, afloramento de rochas etc.;̂ b)  Visitar obras em andamento nas proximidades, verificando as solucoes adotadas;̧ ̃ c)  Fazer sondagem a trado (broca) com diametro de 2”̂ ou 4”, recolhendo amostras das camadas do solo até atingir a camada resistente; d)  Mandar fazer sondagem geotecnica.́
  3. 3. Métodos de ensaio: direto, indireto e semi-direto
  4. 4. Sondagem SPT A so n d a g e m m a is e x e c u t a d a e m s o lo s p e n e t r á v e is é a so n d a g e m g e o t é c n ic a a p e r c u ss ã o , d e s i m p l e s r e c o n h e c im e n t o , e x e c u t a d a c o m a c r a v a ç ã o d e u m b a r r il e t e a m o s t r a d o r , p e ç a t u b u l a r m e t á l i c a r o b u s t a , o c a , d e p o n t a b i z e l a d a , q u e p e n e t r a n d o n o s o l o , r e t ir a a m o s t r a s s e q ü e n t e s , q u e s ã o a n a l is a d a s v is u a l m e n t e e e m l a b o r a t ó r io p a r a a c la s s if i c a ç ã o d o s o l o e d e t e r m in a o S P T ( S t a n d a r d P e n e t r a t i o n T e s t ) , q u e é o r e g is t r o d a s o m a t ó r ia d o n ú m e r o d e g o l p e s p a r a v e n c e r o s d o i s ú l t i m o s t e r ç o s d e c a d a m e t r o , p a r a a p e n e t r a ç ã o d e 1 5 c m . N a s p r ó x im a s f ig u r a s s ã o m o s t r a d o s u m e s q u e m a d o e q u i p a m e n t o d e s o n d a g e m g e o t é c n ic a d e p e r c u s s ã o , a p l a n t a d e l o c a ç ã o d o s f u r o s e u m l a u d o d e s o n d a g e m . 1 - c o n ju n to m o t o r- b o m b a 2 - re s e rv a tó rio d e á g u a 3 - t rip é tu b o s m e tá lic o s 4 - ro ld a n a 5 - t u b o - g u ia 5 0 m m 6 - e n g a te 7 - g u in c h o 8 - p e s o p a d rã o 6 0 k g 9 - c a b e ç a d e c ra v a ç ã o 1 2 3 4 5 6 9 8 7 E q u i p a m e n t o d e s o n d a g e m a p e r c u s s ã o
  5. 5. Método direto: SPT
  6. 6. Perfuração com lavagem
  7. 7. Amostradores Bipartidos - SPT
  8. 8. Finalidades do ensaio SPT • a determinacao dos tipos de solo em suas respectivaş ̃ profundidades de ocorrencia;̂ • a posicao do nivel-d’agua;̧ ̃ ́ ́ • os indices de resistencia a penetracao (N) a cadá ̂ ̧ ̃ metro.
  9. 9. Definições • SPT (standard penetration test): Abreviatura do nome do ensaio pelo qual se determina o indice de resistência á ̀ penetracao (N) com amostragem de solo;̧ ̃ • CPT (cone penetration test): indica a resistência e a compressibilidade do solo, mas não é possível retirar amostras; • N: Abreviatura do índice de resistencia a penetracao dô ̀ ̧ ̃ SPT, cuja determinacao se da pelo numero de golpeş ̃ ́ ́ correspondente a cravacao de 30 cm do amostrador-̀ ̧ ̃ padrao, apos a cravacao inicial de 15 cm, utilizando-sẽ ́ ̧ ̃ corda de sisal para levantamento do martelo padronizado.
  10. 10. Critérios para avaliação do ensaio SPT • Locacao do furo e quantidades;̧ ̃ • Processos de perfuracão; • Amostragem e SPT; • Criterios de paralisacao;́ ̧ ̃
  11. 11. Critérios para avaliação do ensaio SPT • Observação do nível de lençol freático; • Identificação das amostras e elaboração do perfil geológico-geotécnico; • Apresentação do relatório de sondagem.
  12. 12. Amostragem • Deve ser coletada, para exame posterior, uma parte representativa do solo colhido pelo trado-concha durante a perfuracao, ate 1 m de profundidade.̧ ̃ ́ • A cada metro de perfuracao, a partir de 1 m de profundidade, devem ser colhidaş ̃ amostras dos solos por meio do amostrador-padrao, com execucao de SPT.̃ ̧ ̃ • O amostrador-padrao, conectado a composicao de cravacao, deve descer livrementẽ ̀ ̧ ̃ ̧ ̃ no furo de sondagem ate ser apoiado suavemente no fundo, devendo-se cotejar á profundidade correspondente com a que foi medida na operacao anterior.̧ ̃ • Caso haja discrepancia entre as duas medidas supra-referidas (ficando o amostrador̂ mais de 2 cm acima da cota de fundo, atingida no estagio precedente), a composicaó ̧ ̃ deve ser retirada, repetindo-se a operacao de limpeza do furo.̧ ̃ • Apos o posicionamento do amostrador-padrao conectado a composicao de cravacao,́ ̃ ̀ ̧ ̃ ̧ ̃ coloca-se a cabeca de bater e, utilizando-se o tubo de revestimento como referencia,̧ ̂ marca-se na haste, com giz, um segmento de 45 cm dividido em tres trechos iguaiŝ de 15 cm.
  13. 13. Número mínimo de sondagens • Nº mínimo = 2 furos • 1 furo para cada 200 m2 de edificação em planta, até 1200 m2 • 1 furo para cada 400 m2 de edificação em planta, para áreas entre 1200 m2 e 2400 m2 • Para áreas superiores à 2400 m2 , deve ser realizado plano específico • Mínimo de 2 furos para áreas < 200 m2
  14. 14. Número mínimo de sondagens • Mínimo de 3 furos para áreas entre 200 e 400 m2 • 1 furo para cada 200 m2 de edificação em planta, até 1200 m2 • 1 furo para cada 400 m2 de edificação em planta, para áreas entre 1200 m2 e 2400 m2 • Para áreas superiores à 2400 m2 , deve ser realizado plano específico • Mínimo de 2 furos para áreas < 200 m2 • Mínimo de 3 furos para áreas entre 200 e 400 m2
  15. 15. Localização dos furos • Distância máxima de 100 m; • Normalmente entre 15 a 20 m; • Priorizar posições relevantes na obra : pontos de maior carga – escadas, elevadores, reservatórios, etc.
  16. 16. Localização dos furos • Sondagens não devem estar alinhadas; • Realizar furos próximos aos extremos da área; • Distância máxima de 100 m.
  17. 17. Profundidade • Normalmente até a camada impenetrável, a partir de ensaios de campo mais usuais; ou • Consultar o projetista de fundações para definir a profundidade de interrupção, utilizando-se nestes casos de sondagens do tipo rotativa • Normalmente até a camada impenetrável, a partir de ensaios de campo mais usuais.
  18. 18. Planta de locação dos furos de sondagem R u a X 8 0 0 1 0 0 0 1480 1950 1 2 0 0 770 4500 2 6 0 0 S P 0 1 S P 0 2 S P 0 3 3 5 0 0 RuaY C e n t ra l t e le f ô n ic a C a s a d e f o r ç a N P l a n t a d e l o c a ç ã o d o s f u r o s d e s o n d a g e m P E R F IL D E S O N D A G E M G E O L Ó G IC A - E n s a io d e p e n e t ra ç ã o p a d rã o S P T
  19. 19. Critérios para encerrar a sondagem O processo de perfuracao por circulacao de agua, associado aos ensaios penetrometricos,̧ ̃ ̧ ̃ ́ ́ deve ser utilizado ate onde se obtiver, nesses ensaios, uma das seguintes condicoes:́ ̧ ̃ a) quando, em 3 m sucessivos, se obtiver 30 golpes para penetracao dos 15 cm iniciais do̧ ̃ amostrador-padrao;̃ b) quando, em 4 m sucessivos, se obtiver 50 golpes para penetracao dos 30 cm iniciais do̧ ̃ amostrador-padrao;̃ c)quando,em 5 sucessivos,se obtiver 50 golpes para a penetracao dos 45cm do̧ ̃ amostrador-padraõ Dependendo do tipo de obra, das cargas a serem transmitidas as fundacoes e da naturezà ̧ ̃ do subsolo, admite-se a paralisacao da sondagem em solos de menor resistencia a̧ ̃ ̂ ̀ penetracao do que aquela discriminada anteriormente, desde que haja uma justificativa̧ ̃ geotecnica ou solicitacao do cliente.́ ̧ ̃
  20. 20. Método Semi-direto: CPT
  21. 21. Comparativo entre os métodos de sondagem
  22. 22. Exemplo de laudo de sondagem 6 R u a X 8 0 0 1 0 0 0 1480 1950 1 2 0 0 4500 2 6 0 0 S P 0 1 S P 0 2 S P 0 3 3 5 0 0 RuaY C e n t r a l t e le f ô n ic a C a s a d e f o r ç a N P l a n t a d e l o c a ç ã o d o s f u r o s d e s o n d a g e m P e n e t r a ç ã o G o lp e s / 3 0 c m C o t a ( R N ) N ív e l d a á g u a Amostra D ia g r a m a d a s p e n e t r a ç õ e s 1 0 2 0 3 0 4 0 Profundidade emmetros C la s s if ic a ç ã o d o m a t e r ia l 0 , 1 0 1 , 0 0 1 , 8 0 3 , 0 0 5 , 0 0 1 8 ,0 0 2 0 ,4 5 S o lo s u p e rfic ia l A r g ila s ilt o s a , v a rie g a d a id e m , m o le A r g ila s ilt o s a p o u c o a r e n o s a , m a rr o n , d u r a id e m , r ija id e m , d u ra A r g ila s ilt o s a , d u ra lim it e d e s o n d a g e m 4 1 4 9 1 1 2 2 2 7 2 8 2 9 3 0 3 1 5 2 0 1 3 1 5 3 5 3 7 3 8 3 9 4 3 4 7 P E R F IL D E S O N D A G E M G E O L Ó G IC A - E n s a io d e p e n e t ra ç ã o p a d rã o S P T C L IE N T E : L o c a l: R u a X 2 , 3 R e s p o n s á v e l T é c n ic o : S P 0 1 LO G O0 7 / 0 4 / 9 9 1 : 1 0 0 0 O b s : n ã o s e v e rif ic o u p r e s s ã o d ’ á g u a P e r f i l d e s o n d a g e m g e o ló g ic a ( p a r t e d o l a u d o t é c n i c o )
  23. 23. PRINCIPIOS GERAIS DA APTIDAO DÉ ̃ SUPORTE DE UM SOLO RESISTENTE m p l o m o s t r a d o n o e s q u e m a n a p r ó x i m a f i g u r a . s e g u in t e é m o s t r a d o o d e t a l h e d e u m e n s a io p r á t ic o d e c a ã o d a t e n s ã o a d m is s í v e l d o s o l o . N . A .A B C C a m a d a s r e s i s t e n t e s e t ip o s d e f u n d a ç ã o i n d ic a d a s
  24. 24. PRINCIPIOS GERAIS DA APTIDAO DÉ ̃ SUPORTE DE UM SOLO RESISTENTE • Se os solos A=B=C tem caracteristicas iguais dê ́ resistencia, e possivel implantar a fundacao em̂ ́ ́ ̧ ̃ A; • Se só A e resistente, devem-se apoiar fundacoes dé ̧ ̃ estruturas leves, cuja carga limite deve ser determinada por analise de recalque;́ • Se A e solo fraco é B e resistente, a fundacao e do tipó ̧ ̃ ́ profunda, atendendo-se para a carga limite em funcao da̧ ̃ resistencia dê C; • Se A=B sao solos fracos ẽ C e resistente, o apoio dá fundacao deverá ser em̧ ̃ C.
  25. 25. Tabela dos estados de compacidade e de consistencia –̂ NBR 6484/2001
  26. 26. Perfil estratigráfico 4.5.1 Perfil estimado do terreno Com base na investigação geotécnica realizada no terreno, representada na Figura 19, e nos perfis individuais, Anexo D, pode-se elaborar o perfil estratigráfico estimado do subsolo, identificando as camadas que o compõem e também o nível do lençol freático. Como foi visto no item 4.5, para montagem do perfil estratigráfico foram considerados apenas os furos que pertencentes ao perímetro edificado. Figura 19 – Perfil estratigráfico estimado da área em estudo Analisando o perfil estratigráfico pode-se observar que o solo que constitui as camadas do terreno apresenta-se de forma bem definido dividido em duas camadas, argila arenosa e área média argilosa, a sondagem foi paralisada logo após a camada de área média
  27. 27. Exercício de fixação • Elabore um roteiro de atividades de como o estudo de sondagem deverá ser realizado para o empreendimento (em anexo). A partir, do roteiro identifique: a) Número de furos para definição do perfil do terreno, segundo a norma. b) Qual método poderia ser utilizado na avaliação geotécnica? c) Quais os indicativos que o ensaio SPT chegou ao final? d) Em quais situações seria indicada outro método diferente do SPT?
  28. 28. Anexo

×