A sementinha

388 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A sementinha

  1. 1. “A SEMENTINHA” História infantil Fabinho Lima
  2. 2. APRESENTAÇÃO Esta história tem, mais ou menos, 8 anos. Nasceu quando pediram-me para falar num culto infantil na Igreja Batista Filadélfia, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Disseram que eu tinha 6 minutos e que o público eram crianças de 3-6 anos. Eu contei esta história, mas de outra forma, usando sementes de mamão, dois copos e uma caixa de papelão... Mas esta é uma outra história. Resolvi criar uma história simples que os pais e quem gosta de crianças pudesse contar e as crianças pudessem entender, sobretudo, o grande amor que Deus tem por elas. Meus pais nunca leram um livro para mim. Não que eu me lembre... E você? Honesta e humildemente, acredito que A Sementinha tenha ficado bom, pois coloquei o coração neste trabalho. Algumas semanas depois de ter contado esta história na Igreja no Mato Grosso do Sul - nem me lembrava mais de tê-lo feito -, enquanto conversava com os pais de uma das crianças presentes sobre outro assunto seu filho chegou e disse: “Esse foi o tio que contou a história da sementinha”. Eu perguntei se ele lembrava e, para minha surpresa, ele contou tudo. Compartilhe esta história. Deus te abençoe. Fabinho
  3. 3. U me io as a a m nn p se v d mã sd d sc m e o aa o op iO s l lg a a a. o ae rv an a io as i. id mas p seo
  4. 4. O me io vu u nn i ma áv r b m g a d roe e rn e ep r u tu eg no : -P p i e t áv r a a, s roe a j n se g a d á ac u rn e as si m? - ã ,i ih . N o fhn o l O p ip g u o me io e a eo nn m s u b a o e o lv no o e s rç s e a tu mas l q ep da dse iat u o i e i : o s -U da v c v is r to m i oê a e ã g a d e fr c mo e t rn e ot o e s a áv r. roe - , a a? i eome io É p p iD s s nn . - i fh . a ss na ai Sm,i o V mo e tr l l q eop p i a t c na u u a a v ie o tr ma hs r h . i oi a t n
  5. 5. B m aiih u me ei e lt a ma x r n q er. O p i a a h u ui a a pno u , e o as me t e ma p g u e ne c me o a i r o ç u dz : e - s v n o so fhn o E t e d i , lih ? á s i Éu ma s me t h .B m e ni a e n p q e iih . e u nnn a Et s a áv r,u da fiu roe m i, o ma s me t h c moe t. e ni a o n s a - ? P r u tu me io É ? eg no o nn , tna d i gn r c mo e tn o ma ia o ag to p q e o s lo ã e un e tro tog a d . on u ã rn e V c sb o u é ma e ne o ê a e q e u s me t? P ç p r ag é mo t r p r e a aa lu m s a aa r v c u s me t d fi o p r o ê ma e ne e ej , o ã e e l. A o tc i o c m x mpo c ne e s t o td s e ne : o a s me ts
  6. 6. - P p i oc u fhn o c O a a d é ,i ih , o l lc u e t s me t h n oo s a e ni a a n trae td o q e eap e er uo u l rcsv p a ce c r e f a i a r rse a ir c fr d u ea D u s l e ot e a l. e o o, u e d ac u a td ,u o Ma n o h v ,u o td . s ã fiá ip a l f a a,a i? o fcl r ea i r ísba c - o q êp p i P r u , a a? -P r u ea j fip q e oq e l á o e u nnn a as c mo v c . iih , si o m oê S baq eeap so df ua i u l as u ic l i dds a e? - ? É? -i . Sm. .
  7. 7. . Eatv q ea u na fmeo v no fr s u . l e e u g e tri . r s e ts ot q e e q eim arn a ea a u. tna o t s oss . ur a ra c r l d q iE a ts ur c i . a a. Ma ea s a, rn e fr eb nt, ã éfh ? s l e t íg a d ,ot á e o i no i o a l - ,i p p i És m, a a. U u Ea é mut b nt. a! l i o oi a
  8. 8. -io Fl , h v c éc mou s me t h . oê o ma e ni a n O me iooh up r aáv r es ri. e s u nn lo aa roe or P n o u c mos r f a g a d c moa roe o ei i r rn e o ac áv r.
  9. 9. - P p i oc u d u s s O a a d é me e e t e a me t h ,q e é v c ,p a e ni a u n oê r u c ia, s o eec io d ud rma c mo l ud u a áv r ( an ac ia,a é roe e id ud )tmb m c ia d v c . u tmb m fi ud e o ê E a é u u s me t h , i eop iO ma e ni a ds n s a. me iof o d p edse nn i u e é i : c s - g r éq en m a roe A oa u e áv r! E to s ri m es a rç rm. nã ,or a r e b a aa
  10. 10. -E s mp e v u e trc m u e r o s a o v c . P p i oc utmb m. o ê O a ad é a é Ees mp ec iad n sed l e r ud e ó , a ma e e d td mu d , mã , e o o n o e d spa t h s d sbc ih s a lni a, o ihn o n ed td oq ee i e e u o u xs . t S u dav c s s ni c m me o d e m i oê e e t o r d, e q aq e c i , e lmb e d c ia o u lu r os s e r o ud d a q e P p i o é tv c m e t áv r. u o a a d c u e e o s roe a Eae t a h mut tmp . l s mp e l s í á i e o Ee e r á o c io d l e v ic niu rc ia d , ud u ea a o t a ud n o n e to oq edzr o r asavdn a nã , u i s b e u iih , e q eétop e is p a l? u ã rco a r ee
  11. 11. -V c v i e c mo e t o ê a sr o s a áv r, b m g a d o e roe e rn ã b nt. oi o - uv u? E o ? - a s fhn o V ii i ih . m, l - P p i oc uélg l O aa d é e a, n oé p p i Eev iae ã , a a? l a fzr e f a to g a d c mo u i r ã rn e o c v c é Eéc moe q eo oê ; o u ur sr e!
  12. 12. Ee s a rç rm,c u aa a me eia e ls e b a aa h p rm xr c v l rm p r c s. me ioi rda t,ei ot a aa aa O a nn a a ine fl , z p ru ooq ea rn e . o td u pe d u - u ooq eeea rn e a u, u c mas r Td u l p e d u q in n a i i á e q e e - e s uop ic m oc rç omut s u c r p no a, o oa ã i o ae r. lg e
  13. 13. P p i oc udse a ad é i : s - ex m vr mi a cin ih s D ie ia m s r cn a. a Mae s 91 tu 1 .4 N q eemo noo dsíuo c e aa p r aul me t s i p ls h g rm et c o d Jss p r u trm: Qu m éomasmp r e e u e eg naa — e ii otnen R iod C u Jss h mo u cin a t o en o é ? e u c a u ma r a ç , oo o - n f ned ls dse — E ai a c lc ua a r t ee e i : u fmo e s r av c sq ei oév r a e s v c sn omu a oê u s t ed d : e o ê ã drm d vd e n o f ae iu i à cin a, e e ia ã i rm g as s r ç s c a n n a nrron R iod C u u c e t ã o en o é . a Mae s 8 13 tu 1 . -
  14. 14. A SEMENTINHA Contatos: contatoboasnoticias@uol.com.br @fa_binholima fabinholima1977 www.issuu.com/fabinholima

×