SlideShare uma empresa Scribd logo
Slides baseados no livro: Design e Avaliação de Interfaces Humano Computador Heloísa Vieira da Rocha M.Cecília C. Baranauskas
Princípios O primeiro princípio do design de interfaces, tanto para uma maçaneta quanto para um computador, é manter em mente o  ser humano  que quer usá-la.  A tecnologia é subserviente àquele objetivo . … .menos ênfase em “interfaces” e mais em  ferramentas apropriadas para a tarefa . Mais ênfase em design centrado no usuário.  Menos em tecnologia; mais nas pessoas, e grupos, e interações sociais. E tarefas. (Norman, D) DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Objetivos de IHC Produzir sistemas usáveis, seguros e funcionais Desenvolver ou melhorar a segurança, utilidade, efetividade e  USABILIDADE  de sistemas computacionais DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Aceitabilidade de um Sistema DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS Fatores Organizacionais treinamento, políticas, organização do trabalho, etc. Fatores Ambientais barulho, aquecimento, ventilação, luminosidade, etc. Saúde e Segurança estresse, dores de cabeça, perturbações musculares, etc . capacidades e processos cognitivos O Usuário motivação,  satisfação, personalidade, experiência, etc . Conforto posição física, layout do equipamento, etc.   Interface do Usuário dispositivos de entrada e saída, estrutura do diálogo, uso de cores, ícones, comandos, gráficos, linguagem natural, 3-D, materiais de suporte ao usuário, multimídia, etc . Tarefa fácil, complexa, nova, alocação de tarefas, repetitiva, monitoramento, habilidades, componentes, etc. Restrições custos, orçamentos, equipe, equipamento, estrutura do local de trabalho, etc. Funcionalidade do Sistema hardware, software, aplicação Produtividade aumento da qualidade, diminuição de custos, diminuição de erros, diminuição de trabalho, diminuição do tempo de produção, aumento da criatividade , oportunidades para idéias criativas em direção a novos produtos, etc.
Disciplinas Envolvidas DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Princípios de Design Visibilidade e Affordances Bom modelo conceitual Bons mapeamentos Feedback DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Princípios de Design Partindo dos objetos que nos cercam:        Visibilidade e  Affordances   O usuário necessita ajuda.  Apenas as coisas necessárias têm que estar visíveis  para indicar quais as partes podem ser operadas e como. Ex: portas  Visibilidade indica o mapeamento entre ações pretendidas e as ações reais.  indica também distinções importantes  diferenciar a vasilha do sal da do açúcar.  Visibilidade do efeito das operações   A falta de visibilidade é que torna muitos dispositivos controlados por computadores tão difíceis de serem operados.   DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Visibilidade – Editores Gráficos DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Visibilidade DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Princípios de Design Visibilidade e  Affordances Affordances o termo definido para se referir às propriedades percebidas e propriedades reais de um objeto, que deveriam determinar como ele pode ser usado.  Botões são para girar, teclas para pressionar, tesouras para cortar, etc.   Quando se tem a predominância da  affordance  o usuário sabe o que fazer somente olhando, não sendo preciso figuras, rótulos ou instruções DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Princípios de Design Bom modelo conceitual Um bom modelo conceitual permite prever o efeito de ações.  Sem um bom modelo conceitual opera-se sob comando, cegamente Ex.: uma tesoura Contra-ex: relógio digital com dois e até quatro botões no mostrador  DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Princípios de Design Bons mapeamentos termo técnico para denotar o relacionamento entre duas entidades.  em interfaces, indica o relacionamento entre os controles e seus movimentos e os resultados no mundo. Mapeamentos naturais Aproveitam analogias físicas e padrões culturais DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Princípios de Design Feedback Retornar ao usuário informação sobre as ações que foram feitas, quais os resultados obtidos, é um conceito conhecido da teoria da informação e controle ? Falar com uma pessoa sem ouvir sua voz!! Carros X Telefones   DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Paradoxo da Tecnologia A tecnologia oferece potencial para tornar nossa vida mais simples e agradável, e cada nova tecnologia traz mais benefícios. E ao mesmo tempo adiciona tamanha complexidade que faz aumentar nossa dificuldade e frustação.   DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Paradoxo da Tecnologia Sempre que o número de funções excede o número de controles, o design torna-se arbitrário e não natural, e complicado.  A mesma tecnologia que simplifica a vida provendo um maior número de funcionalidades em um objeto, também a complica tornando-a muito mais difícil aprender, e usar DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Ciclo de Vida da Tecnologia Inovadores Entusiastas Pragmáticos Conservadores Céticos tempo usuários  DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
USABILIDADE  DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS S  Nielsen explicita seus princípios de design a partir de alguns  slogans, que ele define como slogans de usabilidade. A seguir apresentamos alguns deles: DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Slogans  de Usabilidade Sua melhor tentativa não é suficientemente boa O usuário sempre está certo O usuário nem sempre está certo Usuários não são  designers Designers  não são usuários Menos é mais ( less is more ) Help doesn´t DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Slogans  de Usabilidade Sua melhor tentativa não é boa o suficiente É impossível fazer o design de uma interface ótima simplesmente baseado emnossas melhores idéias. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Slogans  de Usabilidade Usuário está sempre certo  A atitude do designer quando verifica que o usuário tem problemas de interação com um determinado aspecto da interface, não deve ser a de julgar que o usuário é ignorante ou então, que ele não tentou o suficiente ou ainda, deixar passar que um dia o usuário aprende. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Slogans  de Usabilidade Usuário não está sempre certo  Também não se deve ir ao extremo de construir uma interface somente a partir do que os usuários gostariam. Usuários freqüentemente não sabem o que é bom para eles. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Slogans  de Usabilidade Usuário não está sempre certo  Também não se deve ir ao extremo de construir uma interface somente a partir do que os usuários gostariam. Usuários freqüentemente não sabem o que é bom para eles. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Slogans  de Usabilidade Usuários não são designers  Uma solução simples para atender a diversidade de usuários seria a de prover interfaces flexíveis que pudessem ser amplamente customizadas e aí cada usuário teria exatamente a interface que melhor lhe satisfizesse (análogo aos  bancos de carros modernos mencionados anteriormente). Estudos demonstram que usuários novatos não customizam suas interfaces, mesmo quando essas facilidades estão disponíveis (Jorgensen e Sauer, 1990). DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Slogans  de Usabilidade Designers não são usuários  Designers são humanos e certamente usam computadores, mas são diferentes de usuários em diversos aspectos básicos: a experiência computacional e o conhecimento dos fundamentos conceituais do design do sistema. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Slogans  de Usabilidade Menos é mais ( less is more)  Uma das frequentes soluções de design que têm sido adotadas é colocar no sistema todas as opções e características imagináveis, pois se tudo está disponível então todos ficarão satisfeitos. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Slogans  de Usabilidade Help não ajuda (help doesn´t)  Muitas vezes, senão na maioria delas, vemos usuários perdidos tentando encontrar informação na enorme quantidade de material de  help que acompanha  um sistema, e quando a encontra não consegue entendê-la. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Definição de Usabilidade Atributos de usabilidade facilidade de aprendizagem ( learnability) eficiência facilidade de rememorar ( memorability ) erros : poucos e não catastróficos satisfação subjetiva Como medir usabilidade ? DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Definição de Usabilidade Facilidade de aprendizagem ( learnability)  O sistema precisa ser fácil de aprender de forma que o usuário possa rapidamente começar a interagir. Segundo Nielsen, é o mais importante atributo de usabilidade, por ser a primeira experiência que qualquer usuário tem com um sistema. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Definição de Usabilidade Eficiência   O sistema precisa ser eficiente no uso, de forma que uma vez aprendido o usuário tenha um elevado nível de produtividade. Portanto, eficiência refere-se a usuários experientes, após um certo tempo de uso. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Definição de Usabilidade Facilidade de relembrar ( memorability)  O sistema precisa ser facilmente relembrado, de forma que o usuário ao voltar a usá-lo depois de um certo tempo não tenha novamente que aprendê-lo. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Definição de Usabilidade Erros  Neste contexto, erro é definido como uma ação que não leva ao resultado esperado, um "engano" portanto. O sistema precisa ter uma pequena taxa de erros, ou seja, o usuário não pode cometer muitos erros durante o seu uso e, em errando, deve ser fácil a recuperaração, sem perda de trabalho. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Definição de Usabilidade Satisfação subjetiva  Os usuários devem gostar do sistema, ou seja, deve ser agrádável de forma que o usuário fique satisfeito ao usá-lo. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Definição de Usabilidade Atributos de usabilidade facilidade de aprendizagem ( learnability) eficiência facilidade de rememorar ( memorability ) erros : poucos e não catastróficos satisfação subjetiva Como medir usabilidade ? DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Medidas de Satisfação Subjetiva Questionário Por favor indique o grau com o qual você concorda ou não com as seguintes afirmações sobre o sistema: É muito fácil aprender como se usa esse sistema Usar este sistema foi uma experiência muito frustante Eu sinto que esse sistema irá me permitir conseguir uma alta produtividade Eu me preocupo que muitas das coisas que faço com esse sistema podem  estar erradas Este sistema pode fazer todas as coisas que eu poderia precisar É muito agradável trabalhar com esse sistema DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Medidas de Satisfação Subjetiva Escala semântica Diferencial Por favor marque as posições que melhor refletem suas impressões sobre o sistema Agradável ------- Irritante Completo ------- Incompleto Cooperativo ------- Não Cooperativo Simples ------- Complicado Rápido de Usar ------- Lento para usar Seguro ------- Inseguro DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade de Ícones DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade de Ícones DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade de Ícones DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade de Ícones DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Categorias de Usuários  e Diferenças Individuais DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
WEB em janeiro de 2000 - 10 milhões de sites  1,6 bilhão de páginas 72 milhões de servidores 275 milhões de usuários navegando a cada 24hs  3,3 milhões de novas páginas  123 000 novos usuários dezembro de 2000 - 25 milhões de sites previsão para fim de 2002 - 100 milhões de sites DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
WEB em 1998 cerca de 3 bilhões de dólares deixaram de ser ganhos na WEB norte- americana por causa de designs mal feitos com a enorme oferta de alternativas usuários tem uma notável impaciência e insistência em gratificação imediata DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
WEB usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet: no design de produtos e de software tradicionais, usuários pagam antes e experimentam a usabilidade depois na WEB experimentam a usabilidade antes e pagam depois DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade na WEB- Ex.: IBM DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
O caso IBM recurso mais popular em seu site função de busca as pessoas não conseguiam descobrir como navegar segundo recurso mais popular botão de ajuda.  solução  amplo processo de redesign, envolvendo centenas de pessoas e milhões de dólares.  Resultado na primeira semana depois do redesign em fevereiro de 1999  o uso do botão de ajuda caiu 84%  as vendas aumentaram 400%. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade na WEB Clareza na arquitetura da informação essencial que o usuário consiga discernir o que é prioritário e o que é secundário no site. Um bom arranjo da informação usuários sempre terão dificuldades em encontrar o que procuram devem ser ajudados  prover um senso de como a informação está estruturada e localizada.  uma das alternativas adotadas em alguns sites, é prover um mapa do site DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade na WEB Facilidade de navegação Uma máxima é que o usuário deveria conseguir acessar a informação desejada no máximo em três cliques Simplicidade Quem navega quer encontrar o mais rapidamente possível o objetivo da busca. a pirotecnia deve ser evitada, dando ao usuário paz e tranquilidade para que possa analisar a informação DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Simplicidade Onde estou ? O que este site faz ? DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Simplicidade DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade na WEB A relevância do conteúdo Sempre que questionados sobre sites, usuários se referem a qualidade e relevância do conteúdo Um bom texto para essa mídia  o mais conciso e objetivo possível não promocional ou publicitário leitores  online  imprimem textos necessitam páginas bem curtas informação secundária deixada para páginas de suporte DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade na WEB Manter a consistência Quando as coisas acontecem sempre do mesmo jeito, os usuários não precisam se preocupar a respeito do que irá acontecer um Website deve ser gerenciado como um projeto único de interface com o usuário DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade na WEB Tempo suportável tempo de carga das páginas deve ser curto 10 segundos é o máximo de tempo antes que as pessoas percam o interesse na Web os usuários já têm uma baixa expectativa limite pode aumentar para 15 segundos Foco nos usuários 'sair do caminho'  para que o usuário possa fazer o que quer da maneira mais rápida possível. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Usabilidade na WEB - resumo Clareza na arquitetura da informação Facilidade de navegação Simplicidade A relevância do conteúdo Manter a consistência Tempo suportável Foco nos usuários DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Amazon (1995)  DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
Amazon (2000) DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
UOL 1995 A Folha Web, site da Folha de S. Paulo, no ar em 1995, trazia reportagens  selecionadas do jornal impresso e a charge do dia   DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
UOL Futuro Barra de navegação principal verticalizada à esquerda  Barra superior de ajuste do navegador Nomes das estações no miolo da página  Um dos estudos para a homepage do futuro Universo Online, ainda com o nome de trabalho para preservar o sigilo   DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
UOL – 28.04.1996 DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
UOL -  agosto de 1996 DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
UOL ( junção com Abril) Em dezembro de 1996, a home page ficou mais quente: foi aberto espaço para imagens   DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
UOL – 04.1999 No aniversário de 3 anos do UOL, em abril de 1999, a home page do UOL mudou para espelhar o crescimento do site. Os assinantes votaram e ajudaram a escolher a nova cara do UOL   DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
UOL - 1999 Em outubro de 1999, entra no ar a nova home com a cor escolhida pelo público.   DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
UOL 2002 DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
USP 2002 DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
UNICAMP - 2002 DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
INTERFACES INTERNACIONAIS Exportar software é vital para qualquer indústria produtora de software. Interfaces internacionais são aquelas projetadas para serem usadas em mais de um país. Fato mais que definitivo é que não basta um produto traduzido em muitas outras línguas. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
INTERFACES INTERNACIONAIS Fazer o design de uma interface internacional pode ou não envolver tradução de linguagem, mas certamente deve envolver conhecimento sobre as necessidades e cultura de outros países. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
INTERFACES INTERNACIONAIS Usuários desejam um produto que seja adequado às suas características culturais e práticas de trabalho e, algumas vezes, isso não implica necessariamente em uma tradução. Equipes de design de software têm então pela frente o desafio de garantir a usabilidade de seus produtos para todo o mercado global. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
INTERFACES INTERNACIONAIS Do ponto de vista dos usuários, temos que bem mais da metade de usuários de software usam atualmente interfaces cujo design foi feito em um país estrangeiro. Usabilidade para esse grande número de usuários irá depender da maior consciência da necessidade de se ter design direcionado à internacionalização (Nielsen, 1993). DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
INTERFACES INTERNACIONAIS Internacionalização e Localização DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
INTERFACES INTERNACIONAIS Podemos classificar os símbolos gráficos em três categorias distintas (Rogers, 1989): Símbolos de semelhança ou ícones retratam o objeto que representam. Por exemplo, a figura de uma impressora para indicar a função imprimir, a de uma tesoura para a cortar, etc. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
INTERFACES INTERNACIONAIS Símbolos de referência retratam algum objeto que por referência ou analogia pode representar o conceito que o símbolo está querendo representar. DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
INTERFACES INTERNACIONAIS Símbolos arbitrários formas arbitrárias que somente tem significado por convenção. Por exemplo, todos os sinais de trânsito (que têm sido fonte de inspiração para muitos designers dada a sua característica de padrão internacional). DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
INTERFACES INTERNACIONAIS Símbolos arbitrários formas arbitrárias que somente tem significado por convenção. Por exemplo, todos os sinais de trânsito (que têm sido fonte de inspiração para muitos designers dada a sua característica de padrão internacional). DESIGN E AVALIAÇÃO DE  INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR  HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA -  MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Cris Fidelix
 
Introducao à Informatica Aplicada
Introducao à Informatica AplicadaIntroducao à Informatica Aplicada
Introducao à Informatica Aplicada
Clausia Antoneli
 
Metodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de SoftwareMetodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de Software
Álvaro Farias Pinheiro
 
Power point 2010
Power point 2010Power point 2010
Armazenamento em nuvem
Armazenamento em nuvemArmazenamento em nuvem
Armazenamento em nuvem
Tuesla Santos
 
Redes aula 1
Redes   aula 1Redes   aula 1
Estrutura de Dados - Aula 01
Estrutura de Dados - Aula 01Estrutura de Dados - Aula 01
Estrutura de Dados - Aula 01
thomasdacosta
 
Power Point 2007
Power Point 2007Power Point 2007
Power Point 2007
Andrea Bruzaca
 
Redes de computadores 1 - Conceitos Gerais
Redes de computadores 1 - Conceitos GeraisRedes de computadores 1 - Conceitos Gerais
Redes de computadores 1 - Conceitos Gerais
José Ronaldo Trajano
 
Computação em Nuvem
Computação em NuvemComputação em Nuvem
Computação em Nuvem
Ricardo Martins ☁
 
Sistemas operacionais mobile
Sistemas operacionais mobileSistemas operacionais mobile
Sistemas operacionais mobile
Daniel Brandão
 
Introdução a Linguagem de Programação PHP
Introdução a Linguagem de Programação PHPIntrodução a Linguagem de Programação PHP
Introdução a Linguagem de Programação PHP
Clayton de Almeida Souza
 
ATIVIDADE HARDWARE E SOFTWARE
ATIVIDADE HARDWARE E SOFTWAREATIVIDADE HARDWARE E SOFTWARE
ATIVIDADE HARDWARE E SOFTWARE
amilson ramos
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
Ana Julia F Alves Ferreira
 
Módulo-6-7-ip-com-sockets
Módulo-6-7-ip-com-socketsMódulo-6-7-ip-com-sockets
Módulo-6-7-ip-com-sockets
diogoa21
 
Camadas osi redes
Camadas osi   redesCamadas osi   redes
Camadas osi redes
Carlos Pereira
 
Socket Programming TCP:IP PPT.pdf
Socket Programming TCP:IP PPT.pdfSocket Programming TCP:IP PPT.pdf
Socket Programming TCP:IP PPT.pdf
PraveenKumar187040
 
Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)
Ferramentas Didáticas
 
Aula 4 - Teste de mesa
Aula 4 - Teste de mesaAula 4 - Teste de mesa
Aula 4 - Teste de mesa
Pacc UAB
 
Introdução ao Web Design: Aula 1 - Imersão ao Web Design
Introdução ao Web Design: Aula 1 - Imersão ao Web DesignIntrodução ao Web Design: Aula 1 - Imersão ao Web Design
Introdução ao Web Design: Aula 1 - Imersão ao Web Design
Gustavo Zimmermann
 

Mais procurados (20)

Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane FidelixAula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
Aula 01 - Conceitos de IHC - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Introducao à Informatica Aplicada
Introducao à Informatica AplicadaIntroducao à Informatica Aplicada
Introducao à Informatica Aplicada
 
Metodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de SoftwareMetodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de Software
 
Power point 2010
Power point 2010Power point 2010
Power point 2010
 
Armazenamento em nuvem
Armazenamento em nuvemArmazenamento em nuvem
Armazenamento em nuvem
 
Redes aula 1
Redes   aula 1Redes   aula 1
Redes aula 1
 
Estrutura de Dados - Aula 01
Estrutura de Dados - Aula 01Estrutura de Dados - Aula 01
Estrutura de Dados - Aula 01
 
Power Point 2007
Power Point 2007Power Point 2007
Power Point 2007
 
Redes de computadores 1 - Conceitos Gerais
Redes de computadores 1 - Conceitos GeraisRedes de computadores 1 - Conceitos Gerais
Redes de computadores 1 - Conceitos Gerais
 
Computação em Nuvem
Computação em NuvemComputação em Nuvem
Computação em Nuvem
 
Sistemas operacionais mobile
Sistemas operacionais mobileSistemas operacionais mobile
Sistemas operacionais mobile
 
Introdução a Linguagem de Programação PHP
Introdução a Linguagem de Programação PHPIntrodução a Linguagem de Programação PHP
Introdução a Linguagem de Programação PHP
 
ATIVIDADE HARDWARE E SOFTWARE
ATIVIDADE HARDWARE E SOFTWAREATIVIDADE HARDWARE E SOFTWARE
ATIVIDADE HARDWARE E SOFTWARE
 
Arquitetura de Redes de Computadores
 Arquitetura de Redes de Computadores Arquitetura de Redes de Computadores
Arquitetura de Redes de Computadores
 
Módulo-6-7-ip-com-sockets
Módulo-6-7-ip-com-socketsMódulo-6-7-ip-com-sockets
Módulo-6-7-ip-com-sockets
 
Camadas osi redes
Camadas osi   redesCamadas osi   redes
Camadas osi redes
 
Socket Programming TCP:IP PPT.pdf
Socket Programming TCP:IP PPT.pdfSocket Programming TCP:IP PPT.pdf
Socket Programming TCP:IP PPT.pdf
 
Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)Projeto de Rede Local (LAN)
Projeto de Rede Local (LAN)
 
Aula 4 - Teste de mesa
Aula 4 - Teste de mesaAula 4 - Teste de mesa
Aula 4 - Teste de mesa
 
Introdução ao Web Design: Aula 1 - Imersão ao Web Design
Introdução ao Web Design: Aula 1 - Imersão ao Web DesignIntrodução ao Web Design: Aula 1 - Imersão ao Web Design
Introdução ao Web Design: Aula 1 - Imersão ao Web Design
 

Semelhante a Ihc Aula4 A

TDC2017 | Florianopolis - Trilha DevOps How we figured out we had a SRE team ...
TDC2017 | Florianopolis - Trilha DevOps How we figured out we had a SRE team ...TDC2017 | Florianopolis - Trilha DevOps How we figured out we had a SRE team ...
TDC2017 | Florianopolis - Trilha DevOps How we figured out we had a SRE team ...
tdc-globalcode
 
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
Andreza Godoy
 
Palestra UX Etec - 22_04
Palestra UX Etec - 22_04Palestra UX Etec - 22_04
Palestra UX Etec - 22_04
danilopinheirosan
 
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Catarinas Design de Interação
 
UX Design
UX DesignUX Design
UX Design
Vitor Garcia
 
Introdução a experiência do usuário
Introdução a experiência do usuárioIntrodução a experiência do usuário
Introdução a experiência do usuário
Bruno Biagioni Neto
 
TDC2017 | São Paulo - Trilha Design Thinking How we figured out we had a SRE ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Design Thinking How we figured out we had a SRE ...TDC2017 | São Paulo - Trilha Design Thinking How we figured out we had a SRE ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Design Thinking How we figured out we had a SRE ...
tdc-globalcode
 
Design Centrado no Usuário para Interface Digital
Design Centrado no Usuário para Interface DigitalDesign Centrado no Usuário para Interface Digital
Design Centrado no Usuário para Interface Digital
Marconi Pacheco
 
Design Antecipatório para projetos zero interface - 2017 Campus Party -
Design Antecipatório para projetos zero interface - 2017 Campus Party -Design Antecipatório para projetos zero interface - 2017 Campus Party -
Design Antecipatório para projetos zero interface - 2017 Campus Party -
Catarinas Design de Interação
 
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
Catarinas Design de Interação
 
Pesquisa com usuários - O que é e por que você deveria estar fazendo
Pesquisa com usuários - O que é e por que você deveria estar fazendoPesquisa com usuários - O que é e por que você deveria estar fazendo
Pesquisa com usuários - O que é e por que você deveria estar fazendo
Mellina
 
UX Design para Desenvolvedores
UX Design para DesenvolvedoresUX Design para Desenvolvedores
UX Design para Desenvolvedores
Rian Dutra, MSc.
 
Chega de "tapa na UX" - Agile trends 2016
Chega de "tapa na UX" - Agile trends 2016Chega de "tapa na UX" - Agile trends 2016
Chega de "tapa na UX" - Agile trends 2016
Tiago Silva da Silva
 
CRP-5215-0420-2014-09
CRP-5215-0420-2014-09CRP-5215-0420-2014-09
TDC2016POA | Trilha UX Design - Design antecipatório para projetos de "zero i...
TDC2016POA | Trilha UX Design - Design antecipatório para projetos de "zero i...TDC2016POA | Trilha UX Design - Design antecipatório para projetos de "zero i...
TDC2016POA | Trilha UX Design - Design antecipatório para projetos de "zero i...
tdc-globalcode
 
User experiense
User experienseUser experiense
User experiense
Gabriela Silva
 
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
Catarinas Design de Interação
 
User experience
User experienceUser experience
User experience
Rafael Souza
 
User Experience - Por que não projetar com foco no usuário pode ser fatal
User Experience - Por que não projetar com foco no usuário pode ser fatalUser Experience - Por que não projetar com foco no usuário pode ser fatal
User Experience - Por que não projetar com foco no usuário pode ser fatal
Rafael Burity
 
User Experience - Por que NÃO projetar com foco no usuário pode ser fatal
User Experience - Por que NÃO projetar com foco no usuário pode ser fatalUser Experience - Por que NÃO projetar com foco no usuário pode ser fatal
User Experience - Por que NÃO projetar com foco no usuário pode ser fatal
Atech S.A. | Embraer Group
 

Semelhante a Ihc Aula4 A (20)

TDC2017 | Florianopolis - Trilha DevOps How we figured out we had a SRE team ...
TDC2017 | Florianopolis - Trilha DevOps How we figured out we had a SRE team ...TDC2017 | Florianopolis - Trilha DevOps How we figured out we had a SRE team ...
TDC2017 | Florianopolis - Trilha DevOps How we figured out we had a SRE team ...
 
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
[Palestra UNICAP] UX Design - Projetando Soluções e Experiências
 
Palestra UX Etec - 22_04
Palestra UX Etec - 22_04Palestra UX Etec - 22_04
Palestra UX Etec - 22_04
 
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
Como melhorar as chances de sucesso da minha startup investindo em User Exper...
 
UX Design
UX DesignUX Design
UX Design
 
Introdução a experiência do usuário
Introdução a experiência do usuárioIntrodução a experiência do usuário
Introdução a experiência do usuário
 
TDC2017 | São Paulo - Trilha Design Thinking How we figured out we had a SRE ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Design Thinking How we figured out we had a SRE ...TDC2017 | São Paulo - Trilha Design Thinking How we figured out we had a SRE ...
TDC2017 | São Paulo - Trilha Design Thinking How we figured out we had a SRE ...
 
Design Centrado no Usuário para Interface Digital
Design Centrado no Usuário para Interface DigitalDesign Centrado no Usuário para Interface Digital
Design Centrado no Usuário para Interface Digital
 
Design Antecipatório para projetos zero interface - 2017 Campus Party -
Design Antecipatório para projetos zero interface - 2017 Campus Party -Design Antecipatório para projetos zero interface - 2017 Campus Party -
Design Antecipatório para projetos zero interface - 2017 Campus Party -
 
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
Design antecipatório para projetos zero interface - Campus Party 2017
 
Pesquisa com usuários - O que é e por que você deveria estar fazendo
Pesquisa com usuários - O que é e por que você deveria estar fazendoPesquisa com usuários - O que é e por que você deveria estar fazendo
Pesquisa com usuários - O que é e por que você deveria estar fazendo
 
UX Design para Desenvolvedores
UX Design para DesenvolvedoresUX Design para Desenvolvedores
UX Design para Desenvolvedores
 
Chega de "tapa na UX" - Agile trends 2016
Chega de "tapa na UX" - Agile trends 2016Chega de "tapa na UX" - Agile trends 2016
Chega de "tapa na UX" - Agile trends 2016
 
CRP-5215-0420-2014-09
CRP-5215-0420-2014-09CRP-5215-0420-2014-09
CRP-5215-0420-2014-09
 
TDC2016POA | Trilha UX Design - Design antecipatório para projetos de "zero i...
TDC2016POA | Trilha UX Design - Design antecipatório para projetos de "zero i...TDC2016POA | Trilha UX Design - Design antecipatório para projetos de "zero i...
TDC2016POA | Trilha UX Design - Design antecipatório para projetos de "zero i...
 
User experiense
User experienseUser experiense
User experiense
 
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
User Experience: O que sua empresa pode ganhar com isso.
 
User experience
User experienceUser experience
User experience
 
User Experience - Por que não projetar com foco no usuário pode ser fatal
User Experience - Por que não projetar com foco no usuário pode ser fatalUser Experience - Por que não projetar com foco no usuário pode ser fatal
User Experience - Por que não projetar com foco no usuário pode ser fatal
 
User Experience - Por que NÃO projetar com foco no usuário pode ser fatal
User Experience - Por que NÃO projetar com foco no usuário pode ser fatalUser Experience - Por que NÃO projetar com foco no usuário pode ser fatal
User Experience - Por que NÃO projetar com foco no usuário pode ser fatal
 

Mais de Fabiano Damiati

Certificado atividades complementares 01
Certificado atividades complementares 01Certificado atividades complementares 01
Certificado atividades complementares 01
Fabiano Damiati
 
Herr Strom - Ediction 2012 Buenos Aires
Herr Strom - Ediction 2012 Buenos AiresHerr Strom - Ediction 2012 Buenos Aires
Herr Strom - Ediction 2012 Buenos Aires
Fabiano Damiati
 
Vintage
VintageVintage
Vintage
 Vintage Vintage
Vintage
Fabiano Damiati
 
Das Pinturas Rupestres à Hipermídia
Das Pinturas Rupestres à HipermídiaDas Pinturas Rupestres à Hipermídia
Das Pinturas Rupestres à Hipermídia
Fabiano Damiati
 
PsicodinâMica Das Cores Em ComunicaçãO
PsicodinâMica Das Cores Em ComunicaçãOPsicodinâMica Das Cores Em ComunicaçãO
PsicodinâMica Das Cores Em ComunicaçãO
Fabiano Damiati
 
O consumidor no processo de compra
O consumidor no processo de compraO consumidor no processo de compra
O consumidor no processo de compra
Fabiano Damiati
 
Marketing B2B
Marketing B2BMarketing B2B
Marketing B2B
Fabiano Damiati
 
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva   Estudo Do ConsumidorO Consumidor No Diva   Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
Fabiano Damiati
 
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
Fabiano Damiati
 
Ihc Aula8 M I Avaliacao Heuristica
Ihc Aula8 M I Avaliacao HeuristicaIhc Aula8 M I Avaliacao Heuristica
Ihc Aula8 M I Avaliacao Heuristica
Fabiano Damiati
 
Ihc Aula7
Ihc Aula7Ihc Aula7
Ihc Aula7
Fabiano Damiati
 
Ihc Aula6
Ihc Aula6Ihc Aula6
Ihc Aula6
Fabiano Damiati
 
ICH - Aula5
ICH - Aula5ICH - Aula5
ICH - Aula5
Fabiano Damiati
 
Ihc Aula4 B
Ihc Aula4 BIhc Aula4 B
Ihc Aula4 B
Fabiano Damiati
 
O Que E Interacao Cap1 Ihc
O Que E Interacao Cap1 IhcO Que E Interacao Cap1 Ihc
O Que E Interacao Cap1 Ihc
Fabiano Damiati
 
Das Pinturas Rupestres à Hipermídia
Das Pinturas Rupestres à HipermídiaDas Pinturas Rupestres à Hipermídia
Das Pinturas Rupestres à Hipermídia
Fabiano Damiati
 
Lycra 2000
Lycra 2000Lycra 2000
Lycra 2000
Fabiano Damiati
 
Pesquisa De Marketing F.N. Mattar Cap 2
Pesquisa De Marketing   F.N. Mattar   Cap 2Pesquisa De Marketing   F.N. Mattar   Cap 2
Pesquisa De Marketing F.N. Mattar Cap 2
Fabiano Damiati
 
Pesquisa De Marketing F.N. Mattar Cap 1
Pesquisa De Marketing   F.N. Mattar   Cap 1Pesquisa De Marketing   F.N. Mattar   Cap 1
Pesquisa De Marketing F.N. Mattar Cap 1
Fabiano Damiati
 

Mais de Fabiano Damiati (20)

Certificado atividades complementares 01
Certificado atividades complementares 01Certificado atividades complementares 01
Certificado atividades complementares 01
 
Herr Strom - Ediction 2012 Buenos Aires
Herr Strom - Ediction 2012 Buenos AiresHerr Strom - Ediction 2012 Buenos Aires
Herr Strom - Ediction 2012 Buenos Aires
 
Vintage
VintageVintage
Vintage
 
Vintage
 Vintage Vintage
Vintage
 
Das Pinturas Rupestres à Hipermídia
Das Pinturas Rupestres à HipermídiaDas Pinturas Rupestres à Hipermídia
Das Pinturas Rupestres à Hipermídia
 
PsicodinâMica Das Cores Em ComunicaçãO
PsicodinâMica Das Cores Em ComunicaçãOPsicodinâMica Das Cores Em ComunicaçãO
PsicodinâMica Das Cores Em ComunicaçãO
 
O consumidor no processo de compra
O consumidor no processo de compraO consumidor no processo de compra
O consumidor no processo de compra
 
Marketing B2B
Marketing B2BMarketing B2B
Marketing B2B
 
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva   Estudo Do ConsumidorO Consumidor No Diva   Estudo Do Consumidor
O Consumidor No Diva Estudo Do Consumidor
 
Ihc Aula.15
Ihc Aula.15Ihc Aula.15
Ihc Aula.15
 
Ihc Aula8 M I Avaliacao Heuristica
Ihc Aula8 M I Avaliacao HeuristicaIhc Aula8 M I Avaliacao Heuristica
Ihc Aula8 M I Avaliacao Heuristica
 
Ihc Aula7
Ihc Aula7Ihc Aula7
Ihc Aula7
 
Ihc Aula6
Ihc Aula6Ihc Aula6
Ihc Aula6
 
ICH - Aula5
ICH - Aula5ICH - Aula5
ICH - Aula5
 
Ihc Aula4 B
Ihc Aula4 BIhc Aula4 B
Ihc Aula4 B
 
O Que E Interacao Cap1 Ihc
O Que E Interacao Cap1 IhcO Que E Interacao Cap1 Ihc
O Que E Interacao Cap1 Ihc
 
Das Pinturas Rupestres à Hipermídia
Das Pinturas Rupestres à HipermídiaDas Pinturas Rupestres à Hipermídia
Das Pinturas Rupestres à Hipermídia
 
Lycra 2000
Lycra 2000Lycra 2000
Lycra 2000
 
Pesquisa De Marketing F.N. Mattar Cap 2
Pesquisa De Marketing   F.N. Mattar   Cap 2Pesquisa De Marketing   F.N. Mattar   Cap 2
Pesquisa De Marketing F.N. Mattar Cap 2
 
Pesquisa De Marketing F.N. Mattar Cap 1
Pesquisa De Marketing   F.N. Mattar   Cap 1Pesquisa De Marketing   F.N. Mattar   Cap 1
Pesquisa De Marketing F.N. Mattar Cap 1
 

Ihc Aula4 A

  • 1. Slides baseados no livro: Design e Avaliação de Interfaces Humano Computador Heloísa Vieira da Rocha M.Cecília C. Baranauskas
  • 2. Princípios O primeiro princípio do design de interfaces, tanto para uma maçaneta quanto para um computador, é manter em mente o ser humano que quer usá-la. A tecnologia é subserviente àquele objetivo . … .menos ênfase em “interfaces” e mais em ferramentas apropriadas para a tarefa . Mais ênfase em design centrado no usuário. Menos em tecnologia; mais nas pessoas, e grupos, e interações sociais. E tarefas. (Norman, D) DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 3. Objetivos de IHC Produzir sistemas usáveis, seguros e funcionais Desenvolver ou melhorar a segurança, utilidade, efetividade e USABILIDADE de sistemas computacionais DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 4. Aceitabilidade de um Sistema DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 5. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS Fatores Organizacionais treinamento, políticas, organização do trabalho, etc. Fatores Ambientais barulho, aquecimento, ventilação, luminosidade, etc. Saúde e Segurança estresse, dores de cabeça, perturbações musculares, etc . capacidades e processos cognitivos O Usuário motivação, satisfação, personalidade, experiência, etc . Conforto posição física, layout do equipamento, etc.   Interface do Usuário dispositivos de entrada e saída, estrutura do diálogo, uso de cores, ícones, comandos, gráficos, linguagem natural, 3-D, materiais de suporte ao usuário, multimídia, etc . Tarefa fácil, complexa, nova, alocação de tarefas, repetitiva, monitoramento, habilidades, componentes, etc. Restrições custos, orçamentos, equipe, equipamento, estrutura do local de trabalho, etc. Funcionalidade do Sistema hardware, software, aplicação Produtividade aumento da qualidade, diminuição de custos, diminuição de erros, diminuição de trabalho, diminuição do tempo de produção, aumento da criatividade , oportunidades para idéias criativas em direção a novos produtos, etc.
  • 6. Disciplinas Envolvidas DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 7. Princípios de Design Visibilidade e Affordances Bom modelo conceitual Bons mapeamentos Feedback DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 8. Princípios de Design Partindo dos objetos que nos cercam:        Visibilidade e Affordances O usuário necessita ajuda. Apenas as coisas necessárias têm que estar visíveis para indicar quais as partes podem ser operadas e como. Ex: portas Visibilidade indica o mapeamento entre ações pretendidas e as ações reais. indica também distinções importantes diferenciar a vasilha do sal da do açúcar. Visibilidade do efeito das operações A falta de visibilidade é que torna muitos dispositivos controlados por computadores tão difíceis de serem operados. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 9. Visibilidade – Editores Gráficos DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 10. Visibilidade DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 11. Princípios de Design Visibilidade e Affordances Affordances o termo definido para se referir às propriedades percebidas e propriedades reais de um objeto, que deveriam determinar como ele pode ser usado. Botões são para girar, teclas para pressionar, tesouras para cortar, etc. Quando se tem a predominância da affordance o usuário sabe o que fazer somente olhando, não sendo preciso figuras, rótulos ou instruções DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 12. Princípios de Design Bom modelo conceitual Um bom modelo conceitual permite prever o efeito de ações. Sem um bom modelo conceitual opera-se sob comando, cegamente Ex.: uma tesoura Contra-ex: relógio digital com dois e até quatro botões no mostrador DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 13. Princípios de Design Bons mapeamentos termo técnico para denotar o relacionamento entre duas entidades. em interfaces, indica o relacionamento entre os controles e seus movimentos e os resultados no mundo. Mapeamentos naturais Aproveitam analogias físicas e padrões culturais DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 14. Princípios de Design Feedback Retornar ao usuário informação sobre as ações que foram feitas, quais os resultados obtidos, é um conceito conhecido da teoria da informação e controle ? Falar com uma pessoa sem ouvir sua voz!! Carros X Telefones DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 15. Paradoxo da Tecnologia A tecnologia oferece potencial para tornar nossa vida mais simples e agradável, e cada nova tecnologia traz mais benefícios. E ao mesmo tempo adiciona tamanha complexidade que faz aumentar nossa dificuldade e frustação. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 16. Paradoxo da Tecnologia Sempre que o número de funções excede o número de controles, o design torna-se arbitrário e não natural, e complicado. A mesma tecnologia que simplifica a vida provendo um maior número de funcionalidades em um objeto, também a complica tornando-a muito mais difícil aprender, e usar DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 17. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 18. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 19. Ciclo de Vida da Tecnologia Inovadores Entusiastas Pragmáticos Conservadores Céticos tempo usuários DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 20. USABILIDADE DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS S Nielsen explicita seus princípios de design a partir de alguns slogans, que ele define como slogans de usabilidade. A seguir apresentamos alguns deles: DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 21. Slogans de Usabilidade Sua melhor tentativa não é suficientemente boa O usuário sempre está certo O usuário nem sempre está certo Usuários não são designers Designers não são usuários Menos é mais ( less is more ) Help doesn´t DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 22. Slogans de Usabilidade Sua melhor tentativa não é boa o suficiente É impossível fazer o design de uma interface ótima simplesmente baseado emnossas melhores idéias. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 23. Slogans de Usabilidade Usuário está sempre certo A atitude do designer quando verifica que o usuário tem problemas de interação com um determinado aspecto da interface, não deve ser a de julgar que o usuário é ignorante ou então, que ele não tentou o suficiente ou ainda, deixar passar que um dia o usuário aprende. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 24. Slogans de Usabilidade Usuário não está sempre certo Também não se deve ir ao extremo de construir uma interface somente a partir do que os usuários gostariam. Usuários freqüentemente não sabem o que é bom para eles. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 25. Slogans de Usabilidade Usuário não está sempre certo Também não se deve ir ao extremo de construir uma interface somente a partir do que os usuários gostariam. Usuários freqüentemente não sabem o que é bom para eles. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 26. Slogans de Usabilidade Usuários não são designers Uma solução simples para atender a diversidade de usuários seria a de prover interfaces flexíveis que pudessem ser amplamente customizadas e aí cada usuário teria exatamente a interface que melhor lhe satisfizesse (análogo aos bancos de carros modernos mencionados anteriormente). Estudos demonstram que usuários novatos não customizam suas interfaces, mesmo quando essas facilidades estão disponíveis (Jorgensen e Sauer, 1990). DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 27. Slogans de Usabilidade Designers não são usuários Designers são humanos e certamente usam computadores, mas são diferentes de usuários em diversos aspectos básicos: a experiência computacional e o conhecimento dos fundamentos conceituais do design do sistema. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 28. Slogans de Usabilidade Menos é mais ( less is more) Uma das frequentes soluções de design que têm sido adotadas é colocar no sistema todas as opções e características imagináveis, pois se tudo está disponível então todos ficarão satisfeitos. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 29. Slogans de Usabilidade Help não ajuda (help doesn´t) Muitas vezes, senão na maioria delas, vemos usuários perdidos tentando encontrar informação na enorme quantidade de material de help que acompanha um sistema, e quando a encontra não consegue entendê-la. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 30. Definição de Usabilidade Atributos de usabilidade facilidade de aprendizagem ( learnability) eficiência facilidade de rememorar ( memorability ) erros : poucos e não catastróficos satisfação subjetiva Como medir usabilidade ? DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 31. Definição de Usabilidade Facilidade de aprendizagem ( learnability) O sistema precisa ser fácil de aprender de forma que o usuário possa rapidamente começar a interagir. Segundo Nielsen, é o mais importante atributo de usabilidade, por ser a primeira experiência que qualquer usuário tem com um sistema. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 32. Definição de Usabilidade Eficiência O sistema precisa ser eficiente no uso, de forma que uma vez aprendido o usuário tenha um elevado nível de produtividade. Portanto, eficiência refere-se a usuários experientes, após um certo tempo de uso. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 33. Definição de Usabilidade Facilidade de relembrar ( memorability) O sistema precisa ser facilmente relembrado, de forma que o usuário ao voltar a usá-lo depois de um certo tempo não tenha novamente que aprendê-lo. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 34. Definição de Usabilidade Erros Neste contexto, erro é definido como uma ação que não leva ao resultado esperado, um "engano" portanto. O sistema precisa ter uma pequena taxa de erros, ou seja, o usuário não pode cometer muitos erros durante o seu uso e, em errando, deve ser fácil a recuperaração, sem perda de trabalho. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 35. Definição de Usabilidade Satisfação subjetiva Os usuários devem gostar do sistema, ou seja, deve ser agrádável de forma que o usuário fique satisfeito ao usá-lo. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 36. Definição de Usabilidade Atributos de usabilidade facilidade de aprendizagem ( learnability) eficiência facilidade de rememorar ( memorability ) erros : poucos e não catastróficos satisfação subjetiva Como medir usabilidade ? DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 37. Medidas de Satisfação Subjetiva Questionário Por favor indique o grau com o qual você concorda ou não com as seguintes afirmações sobre o sistema: É muito fácil aprender como se usa esse sistema Usar este sistema foi uma experiência muito frustante Eu sinto que esse sistema irá me permitir conseguir uma alta produtividade Eu me preocupo que muitas das coisas que faço com esse sistema podem estar erradas Este sistema pode fazer todas as coisas que eu poderia precisar É muito agradável trabalhar com esse sistema DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 38. Medidas de Satisfação Subjetiva Escala semântica Diferencial Por favor marque as posições que melhor refletem suas impressões sobre o sistema Agradável ------- Irritante Completo ------- Incompleto Cooperativo ------- Não Cooperativo Simples ------- Complicado Rápido de Usar ------- Lento para usar Seguro ------- Inseguro DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 39. Usabilidade de Ícones DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 40. Usabilidade de Ícones DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 41. Usabilidade de Ícones DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 42. Usabilidade de Ícones DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 43. Categorias de Usuários e Diferenças Individuais DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 44. WEB em janeiro de 2000 - 10 milhões de sites 1,6 bilhão de páginas 72 milhões de servidores 275 milhões de usuários navegando a cada 24hs 3,3 milhões de novas páginas 123 000 novos usuários dezembro de 2000 - 25 milhões de sites previsão para fim de 2002 - 100 milhões de sites DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 45. WEB em 1998 cerca de 3 bilhões de dólares deixaram de ser ganhos na WEB norte- americana por causa de designs mal feitos com a enorme oferta de alternativas usuários tem uma notável impaciência e insistência em gratificação imediata DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 46. WEB usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet: no design de produtos e de software tradicionais, usuários pagam antes e experimentam a usabilidade depois na WEB experimentam a usabilidade antes e pagam depois DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 47. Usabilidade na WEB- Ex.: IBM DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 48. O caso IBM recurso mais popular em seu site função de busca as pessoas não conseguiam descobrir como navegar segundo recurso mais popular botão de ajuda. solução amplo processo de redesign, envolvendo centenas de pessoas e milhões de dólares. Resultado na primeira semana depois do redesign em fevereiro de 1999 o uso do botão de ajuda caiu 84% as vendas aumentaram 400%. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 49. Usabilidade na WEB Clareza na arquitetura da informação essencial que o usuário consiga discernir o que é prioritário e o que é secundário no site. Um bom arranjo da informação usuários sempre terão dificuldades em encontrar o que procuram devem ser ajudados prover um senso de como a informação está estruturada e localizada. uma das alternativas adotadas em alguns sites, é prover um mapa do site DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 50. Usabilidade na WEB Facilidade de navegação Uma máxima é que o usuário deveria conseguir acessar a informação desejada no máximo em três cliques Simplicidade Quem navega quer encontrar o mais rapidamente possível o objetivo da busca. a pirotecnia deve ser evitada, dando ao usuário paz e tranquilidade para que possa analisar a informação DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 51. Simplicidade Onde estou ? O que este site faz ? DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 52. Simplicidade DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 53. Usabilidade na WEB A relevância do conteúdo Sempre que questionados sobre sites, usuários se referem a qualidade e relevância do conteúdo Um bom texto para essa mídia o mais conciso e objetivo possível não promocional ou publicitário leitores online imprimem textos necessitam páginas bem curtas informação secundária deixada para páginas de suporte DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 54. Usabilidade na WEB Manter a consistência Quando as coisas acontecem sempre do mesmo jeito, os usuários não precisam se preocupar a respeito do que irá acontecer um Website deve ser gerenciado como um projeto único de interface com o usuário DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 55. Usabilidade na WEB Tempo suportável tempo de carga das páginas deve ser curto 10 segundos é o máximo de tempo antes que as pessoas percam o interesse na Web os usuários já têm uma baixa expectativa limite pode aumentar para 15 segundos Foco nos usuários 'sair do caminho' para que o usuário possa fazer o que quer da maneira mais rápida possível. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 56. Usabilidade na WEB - resumo Clareza na arquitetura da informação Facilidade de navegação Simplicidade A relevância do conteúdo Manter a consistência Tempo suportável Foco nos usuários DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 57. Amazon (1995) DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 58. Amazon (2000) DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 59. UOL 1995 A Folha Web, site da Folha de S. Paulo, no ar em 1995, trazia reportagens selecionadas do jornal impresso e a charge do dia DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 60. UOL Futuro Barra de navegação principal verticalizada à esquerda Barra superior de ajuste do navegador Nomes das estações no miolo da página Um dos estudos para a homepage do futuro Universo Online, ainda com o nome de trabalho para preservar o sigilo DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 61. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 62. UOL – 28.04.1996 DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 63. UOL - agosto de 1996 DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 64. UOL ( junção com Abril) Em dezembro de 1996, a home page ficou mais quente: foi aberto espaço para imagens DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 65. UOL – 04.1999 No aniversário de 3 anos do UOL, em abril de 1999, a home page do UOL mudou para espelhar o crescimento do site. Os assinantes votaram e ajudaram a escolher a nova cara do UOL DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 66. UOL - 1999 Em outubro de 1999, entra no ar a nova home com a cor escolhida pelo público. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 67. UOL 2002 DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 68. USP 2002 DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 69. UNICAMP - 2002 DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 70. INTERFACES INTERNACIONAIS Exportar software é vital para qualquer indústria produtora de software. Interfaces internacionais são aquelas projetadas para serem usadas em mais de um país. Fato mais que definitivo é que não basta um produto traduzido em muitas outras línguas. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 71. INTERFACES INTERNACIONAIS Fazer o design de uma interface internacional pode ou não envolver tradução de linguagem, mas certamente deve envolver conhecimento sobre as necessidades e cultura de outros países. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 72. INTERFACES INTERNACIONAIS Usuários desejam um produto que seja adequado às suas características culturais e práticas de trabalho e, algumas vezes, isso não implica necessariamente em uma tradução. Equipes de design de software têm então pela frente o desafio de garantir a usabilidade de seus produtos para todo o mercado global. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 73. INTERFACES INTERNACIONAIS Do ponto de vista dos usuários, temos que bem mais da metade de usuários de software usam atualmente interfaces cujo design foi feito em um país estrangeiro. Usabilidade para esse grande número de usuários irá depender da maior consciência da necessidade de se ter design direcionado à internacionalização (Nielsen, 1993). DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 74. INTERFACES INTERNACIONAIS Internacionalização e Localização DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 75. INTERFACES INTERNACIONAIS Podemos classificar os símbolos gráficos em três categorias distintas (Rogers, 1989): Símbolos de semelhança ou ícones retratam o objeto que representam. Por exemplo, a figura de uma impressora para indicar a função imprimir, a de uma tesoura para a cortar, etc. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 76. INTERFACES INTERNACIONAIS Símbolos de referência retratam algum objeto que por referência ou analogia pode representar o conceito que o símbolo está querendo representar. DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 77. INTERFACES INTERNACIONAIS Símbolos arbitrários formas arbitrárias que somente tem significado por convenção. Por exemplo, todos os sinais de trânsito (que têm sido fonte de inspiração para muitos designers dada a sua característica de padrão internacional). DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS
  • 78. INTERFACES INTERNACIONAIS Símbolos arbitrários formas arbitrárias que somente tem significado por convenção. Por exemplo, todos os sinais de trânsito (que têm sido fonte de inspiração para muitos designers dada a sua característica de padrão internacional). DESIGN E AVALIAÇÃO DE INTERFACES HUMANO-COMPUTADOR HELOÍSA VIEIRA DA ROCHA - MARIA CECÍLIA CALANI BARANAUSKAS

Notas do Editor

  1. The first principle of interface design, whether for a doorknob or a computer, is to keep in mind the human being who wants to use it. The technology is subservient to that goal In the future , I want less emphasis on “interfaces” and more on appropriate tools for the task . More on user-centered-design. Less emphasis on technology ; more on people, and groups, and social interactions. And tasks .