Quando a Abordagem Históricadeve ser usada no Ensinode Ciências?                                                          ...
Ciências,  conceme   às                    que não eramusados época,para                                                  ...
quese baseia      na          porque abordar Ciência                                                            náo       ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

História da ciencia no ensino de ciências

2.684 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.684
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.168
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da ciencia no ensino de ciências

  1. 1. Quando a Abordagem Históricadeve ser usada no Ensinode Ciências? Osvaldo Jr. Pessoa pintando quadro queé ser um do 1 . C o n c e p ç õ e s b r eo E n s i n o e so d cientista.Neste caso,parece claroSemdúvida a história Ciências quea história um papelbastante temda ciênciatorna o curso A abordagem historica deveser importante.inÍeressante, masalém usada ensino Ciências? no de lV) Podemos conceber Física que éde ajudarno Sempre? vezes? queforma? Às De Cultura,seguindo JoãoZanetic, e São essas questões as que que o nossoobjetivo formarno éaprendizado, podeela exploramos aqui. aluno umavisão de mundo" coerenteajudar os alunos a Umaprimeira consideraçãoser a da natureza, fazê-loadotar umaentenderpara que feitaé que essaresposta vai atitudecientífica relação em aosestudarciências depender concepção se Íem da que problemas mundo do (nãose de Ensino Ciências. de Paraquedar deixando iludirporrelatos de um curso Mecânica, ex.?Qual de p. experiências parapsicológicas, por nosso objetivo? questão se a A de exemplo). Neste caso,Precisamos história deveserensinada como) (e olharparaa História Filosoíia e da depende resposta estaquestão. da a Ciência paraentendermos comoque Vejamos algumas razões pelas a Física insere cotidiano, se no como quaisensinamos áreade Física: uma geratecnologia,comose relaciona e l) Parao alunoconhecer leisda as com outras atividades humanas. ârea, saber e resolver equações. V) Podemos complementar quaisquer por Quero, exemplo, o aluno que dasconcepções anteriores uma com saiba qualé a lei queregeo choque atitude transmitir aluno de ao idéias e de doiscorpos, quesejacapaz ou de métodos Física da contemPorânea, derivar estalei se preciso, quero e enquanto ministramos conteúdos de que também elesaibamanipular a da FísicaClássica. estudo História O equação associada pararesolver o da Ciência da C) poderá (H lrazer problema questão. em Tradicional- gratassurpresas nesse sentido. Por mente,esteobjetivo acabasendoo exemplo, possível é ensinar lei do a úrrico Íato adotado ensino de no de choque partir um princíPio a de de Fisica, com poucoênfase nas relatividade, conforme Huygens fez aplicações práticas dessas leis.lsso em 1700. por Íoi salientado Feynman no Na prática, ensinar, ao Podemos pitoresco relatode sua experiência nãoter um objetivo claroem mente: comoprofessor Brasil. no *damos aulaporque fomos ll) Poroutrolado,podemos uma ter contratados isso"- nãose atua para concepção maisprática ensino do de racionalmente o temPo todolMasse Física. Quero queo aluno sejacapaz quisermos responder questão se à de de resolver problemas prática, na a abordagem histórica deveser comoconsertar televisor, um um ou usada ensino Ciências, no de temos problema engenharia. de queter bemclaroqualé a nossa Paraesses doistiposde concepção ensino ao de e OsvaldoPessoa . Jr-é finalidades racionais ensino do de pesquisador assocrado do argumentar favorda incorPorato a Ciências, talvez história tenha a não da H da C na salade aula,deixar CNPq, áreade Ensino, no um papelimportante. Professores claroqueobjetivos podem Passar a lnstituto Física USP. de da quetenham essas concepções talvez Pesquisador também no ser alcançados. estejam justiÍìcados nãoquerer em Centrode Lógica,Epistemologiaensinar Física um pontode vista a de 2. História quê,paraquem,e do e Históriada Ciência,UNICAMP histórico. Existem porémoutras quanto? c.P.613s, 13081-970, concepções ensino Ciências. de de Umasegunda com consideração, Camprnas, SP. lll) Podemos ensinar FÍsica paraque relação questão se a abordagem à de osvaldo@t ng.u nic p.br uri am o alunoaprenda comose faz Ciência, deveserusada ensino histórica no de
  2. 2. Ciências, conceme às que não eramusados época,para napadicuhrtdades curso.Por do explicarcomoqueas concepçõesexemplo: físicasevoluíram longodo tempo. aoa) Qualé a áreada Física sendo É uma maneiraefiazde usara H daensinada? Talvezo ensino de C paraensinar Física,apesar não deHistória encaixe se bemem algumas ser muitofiel às orígens.áreasde Físicae não em outras.O 2) Existem outras maneiras se deZanetic mostrou comousara H da C incorporar História. exemplo, a Porde maneira muitofrutÍfera ensino no fazendoum pertil epistemológico deintrodutório Gravitaçãoz. de Com algunsgrandescienfisfas. Nesterelaçáo FísicaQuântica à caso,o professor alguns focalizariaintrodutória, porém, creio(talvezpara cientistas importantes, comoKepler,polemizar deÍensores com da e examinaria comocadaum partiudeabordagem que histórica!) a certasidéias, comoque aos poucosabordagem tradicional partede que foi elaborando novateoriaou umaum relatohistórico experimentos de equa$o,comoqueeledescobriu sejadecisivos menos didática que do algonovoou resolveu problema, tal queumaabordagem façausode comquemeledialogou, quais foramexperimentos recentes maissimples. os enosquecometeu, Em etc.b) Quafê o níveldo aluno? Quantas relação casoanterior, ao ondeovezeselejá viu a matéria? Considere professorfalsiÍìca poucoas um (nao ensino Mecânica Físíca). de coisas parater maior fluidez, essaéTalvezparao alunode 2egrauseja uma maneira maisprofunda fazer demelhor ignorar detalhes os históricos, HdaC.ao passo que a níveluniversitário 3) O professor talvezquisesse fazerintrodutório parece bastante ser umahistóriaerternalista socialda oufrutíferofazerum relatohistórico, Ciência. Nesse caso,explicaria como queenquanto a níveluniversitário era a sociedade época, na quaisavançado ensino Mecânica o de eramas necessidades tecnológicas,Analítica talveznãodevaser porque paísera o centrocientíÍico, talhistórico. etc.,seguindo livroscomoo dec) Quanta ênfase deveserdadaà H J. Bemal. distin$o entre A históriasda C? Parao alunode 2egrau, intemalista "extemalista e nãoprovavelmente melhor uma seja dar agrada alguns a historiadores, comoênfase parcial; colocar poucode um a profa. SílviaFigueroa Depto. do deH da C, masnão muito. outro Em Ensino Instituto Geociências do de daconte>.to talvezse queirafazerum Unicamp. Seriainteressantegente acurso totalmente fundado H da C. em entender porque essadistinção éd) PorÍìm,devemos considerar tipo o critícada (nãofaremos issoaqui).de abordagem histórica usarnos a 4) Outrapossibilidade ensinar énossos cursos. Vejamos... Históriaa partir da leiturade originais. Em um cursode Físicao professor3. Tiposde Abordagem Histórica dariatraduções te).tos de originais de1) Consideremos livrodidático um Copémico, Huygens Faraday ou paraqueincorpore poucoda H da C, um os alunos lerem. Estaatividade emcomo,porexemplo, Mechanical The geralreservaboassurpresas paraoUniverse, Olenick, de Apostol & leitor, detalhes relatos nos dosGoodstein, qualse baseia no o estudados, existe mas umafaltadeexcelente cursoem vídeocomo traduções parao português.mesmo A que nome. história eles 5) Em contraste com a históriaapresentam a genteé o que para extemalista descrita acima,époderia chamada história ser de possível fazerum tipo de históriainternalista longoprazo."Primeiro de que intemalista ?econstrói" H da CaOresme isso,depois íez Galileufez a partirde teoriasde dinâmicaaquilo, depois tentaram isso,atéque científica. outraspalavras, Emii.rúon chegou a e..."Utiliza-se pegaríamos teoria evolução uma de . irJuaQem modema, comgráficos dasteorias científicascomoa de
  3. 3. quese baseia na porque abordar Ciência náo a em Thomas Kuhn, noção de paradigma, a de lmre ou satade aula a Partir umadas de "histórias possíveis"? Porque nos, Lakatos, se baseia noção que na de "programa de Pesquisa", e prendermos somente àquela história descreveríamos ePisódios H da C da que por acasoaconteceu? usando modelos. tais Comoa 4. Conclusão realidade sempre nem batecoma da Qualquer ProPosta inserção de teoria,o que ocorreé que muitas H da C no ensino envolve muita vezestais reconstruções falsificam a Assim, bomPensarmos é discussão. história, alteram detalhes sobre que o em maneiras concretas incentivar de de fatoaconteceu. Mesmo assim, a inserção conteúdos de históricos - essaabordagem talvez tenha também Filosofia Ciência da da e de vantagens didáticas, o aluno Pois outras áreasmetacientíficas - no adquire umavisãogeralde como Ensino Ciências. de funciona ciência. a UmaProPostaestabelecer é um 6) Outracoisaque Pode ser arquivo tedos de e materiais serem a enfatizada salade aulaé a historia usados salade aula.Assim, na em uma dos insÍrum entoscientíflcos. Quando proÍessora queiratomarmais que pensamos aPlicar H da C no em a interessante aulade Optica, uma por ensino, normalmente Pensamos nas exemplo, talvezPossa encontrar em teorias científicas, esquecendo da tal Arquivo alguma abordagem baseexPerimental da Ciência. Em historica esseassunto tenha a que salade aula,no entanto, bastanteé objetivos pedagógicos. Um ponto de instrutivo apresentar slides de partida seriam cópias dosanais dos instrumentos cientíÍicos, montar irêsencontros já mundiais realizados aparelhos simPles comoo de História e Filosofia Ciência da no eletroscópio o alunolevapara (que Ensino de Ciências, artigos e casae descobre sensível um ser a publicados revistas em comoScience monte coisas, de comoum televisor & Education que Teríamos escolher sendo ligado). Instrumentos os artigos maisrelevantes,começar e científicos antigos um potencial têm a tradúzi-los. proposta Tal talvez seja didático muitogrande. implementada Pelo gePCE, na 7) Porfim,tenho umaidéiameio UnicamP... Vamos se dá certo! ver herética, é a questão que das histórias possiveis. idéiaé maisou A I Feynman, Esfáa Brincu SrFeynman!" R.P., menos seguinte: a estudando como Gradiva. Lisboa, 1983, PP.20Ç211. um campo originou se 2 Curso paraLicencialura noInstde Flsica dado historicamente, percebemos ele que - USP(São Paulo. 199Q. poderia sidodescoberto outra ter de 3 Emumcurso atualização de realizadoem maneira. Assim, somos caPazes de março 1996 Eslação de na Ciència, SãoPaulo, em possíveis an colabcação Beatrizcqn Fagundes parlimos vislumbrar outros caminhos relalo qualilativo histórico para quechegariam mesma à descoberta. deumbrEre depcÍs considaar expaimenlos recenls ccn o Por exemPlo, FísicaQuântica a Conclulpaern, bastante interÍerômetroMachZehnda. de surgiu umamaneira de realizado Íotoelélrico, da queo expaimento eÍeilo do improvável, Partir estudos a de Quânlica. ser valia e nosprimadios Teoria da- radiação corPos de aquecidos, modanos apresenlado dosexpeimentos antes dependeu genialidade Max da de As nolas auladesleutso.lntrúução de Planck de seuantecessor, e Ludwig Quêntica, podem obtidas ser Catceitud Flsica à Boltzmann. a civilização Se surgisse escrevendese o aulor. Para dezvezesnaTena,talvezem revista apenas umaou duasdessas historias Nota Editor: é umalranscrição do Esta nascer da peloaulor suaparlicipação Seminário. de no veríamos FísicaQuântica a Historia Ciència da e aquecidos. Na aganizado gepCE pelo sobre radiaSo doscorPos Fac. Educação, Ensino (norernbro 1995, de maioria delas, talvez, veríamos a debatedqes Íaarn:João Unicamp). demais Os surgir esPectroscoPia, da como (inst. USP) Pedro Cunha e da Pinto Zanetic FÍsica, argúmentam alguns autores, até ou Neto (Dpto Qulmica, U.FUbalândia). poroutros caminhos. Sendo assim,

×