SlideShare uma empresa Scribd logo
São Paulo, 22/06/2013
CONTRIBUIÇÕES
Fabiana Del Padre Tomé
Mestre e Doutora PUC/SP
Professora PUC/SP e IBET
Fabiana Del Padre Tomé – fabiana@barroscarvalho.com.br
Fabiana Del Padre Tomé
Classificação tripartida
- Ponto de partida: regra-matriz de incidência (h.i/b.c)
D (F S’RS”)
- Critério: vinculação da hipótese de incidência à
atuação estatal (não confundir com vinculação do
produto da arrecadação)
• Tributo não-vinculado: imposto
• Tributo vinculado: - diretamente: taxa
- indiretamente: contribuição de
melhoria/contribuições
Fabiana Del Padre Tomé
Destinação legal e
previsão de restituição
- Relevância
- Argumentos contrários: dados posteriores à extinção
do liame tributário/ afetação das receitas públicas
não interfere na natureza jurídica / art. 4º, II, CTN
- Art. 167, IV, da CF: “São vedados a vinculação de
receita de impostos a órgão, fundo ou despesa…”
- Arts. 148, 149 e 195, da CF: exigem determinada
previsão legal de destinação/restituição
Fabiana Del Padre Tomé
Classificação em 5 espécies
- Imposto
- Taxa
- Contribuição de melhoria
- Empréstimo compulsório
- Contribuição
- Ponto de partida: normas constitucionais de
competência
- Critérios: vinculação da h.i. à atuação estatal /
destinação legal / previsão legal de restituição
Fabiana Del Padre Tomé
1) sociais – 1.1) gerais
1.2) para a seguridade social (195, CF)
2) de intervenção no domínio econômico
3) de interesse das categorias profissionais ou
econômicas
4) para custeio da iluminação pública (EC 39/02)
- competência: União, exceto previdenciárias dos
servidores públicos e para custeio da iluminação
Espécies de contribuições
Contribuições de intervenção no
domínio econômico – CIDES
Atuações do Estado na Economia
• Ação normativa (art. 174, CF)
1.1. Fomento
1.1.1. planejamento (não remunerado)
1.1.2. incentivo (CIDE)
2. Ação participativa
2.1. exploração direta da atividade econômica (art. 173
– preço público)
2.2. prestação de serviços públicos (art. 175 – taxa)
Fabiana Del Padre Tomé
• intervenção criada por lei;
• feita num setor específico da economia;
• sendo o produto da arrecadação totalmente destinado ao
custeio da intervenção;
• União como sujeito interveniente;
• respeito aos princípios gerais da atividade econômica (art.
170, CF).
• sujeito passivo: pessoa que explora, sob regime de
direito privado, a atividade econômica objeto de regulação
estatal. Só é sujeito passivo a pessoa envolvida com a
exploração da atividade econômica que se pretende
disciplinar.
Requisitos para instituição de CIDE
Fabiana Del Padre Tomé
Contribuição para o Financiamento do Programa
de Estímulo à Interação Universidade-Empresa
• Instituída pela Lei nº 10.168/2000, alterada pela Lei
nº 10.332/01.
• Materialidade: deter licença de uso, adquirir
conhecimentos tecnológicos, ser signatário de
contratos que impliquem transferência de tecnologia.
• As licenças de uso de software deixaram de ser
tributadas pela CIDE – Lei nº 11.452/07.
Fabiana Del Padre Tomé
CIDE Tecnologia ou CIDE dos Royalties
• Destinam-se ao custeio de entidades que fiscalizam
e regulam o exercício de determinadas atividades
profissionais ou econômicas, bem como representem
e defendam interesses dessa categorias
profissionais.
• Sujeição passiva: restrita à categoria profissional ou
econômica.
Contribuições de interesse das categorias
profissionais ou econômicas
Fabiana Del Padre Tomé
1) Gerais – art. 149, CF
2) Destinadas ao financiamento da seguridade social.
Art. 195, CF/88:
- devidas pelo empregador ou empresa: salário e
demais rendimentos do trabalho; receita ou
faturamento; e lucro; (Lei 9.718/98 e EC 20/98)
- devidas pelo trabalhador.
- devidas pelo importador de bens e serviços
Contribuições sociais
Fabiana Del Padre Tomé
Art. 195. A seguridade
social será financiada por
toda a sociedade, (...) e das
seguintes contribuições
sociais:
I – dos empregadores,
incidente sobre a folha de
salários, o faturamento e o
lucro;
Art. 195. A seguridade social
será financiada por toda a
sociedade, (...) e das seguintes
contribuições sociais:
I – do empregador, da empresa
e da entidade a ela equiparada
na forma da lei, incidentes sobre:
a) a folha de salários e demais
rendimentos do trabalho pagos
ou creditados, a qualquer título, à
pessoa física que lhe preste
serviço, mesmo sem vínculo
empregatício;
Evolução legislativa constitucional
Fabiana Del Padre Tomé
• O vocábulo “salário” abrange a remuneração da
categoria de trabalhadores formada pelos empregados.
Decorre da existência de vínculo empregatício, onde a
prestação do serviço é realizada de forma não eventual,
em relação de subordinação (art. 3º da CLT).
• “Demais rendimentos do trabalho pagos ou
creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe
preste serviço” = remuneração pelo serviço prestado
sem vínculo empregatício
• Em ambos os casos exige-se pagamento que configure
contraprestação do trabalho
Fabiana Del Padre Tomé
Não tributação das verbas indenizatórias
REsp. 746.858/RS
“TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA.
VERBAS INDENIZATÓRIAS. NÃO INCIDÊNCIA. Esta
Corte já decidiu que as verbas rescisórias especiais
recebidas pelo trabalhador a título de indenização por
férias transformadas em pecúnia, licença prêmio não
gozada, ausência permitida ao trabalho ou extinção do
contrato de trabalho por dispensa incentivada possuem
caráter indenizatório, pelo que não é possível a
incidência de contribuição previdenciária.”
Fabiana Del Padre Tomé
Aviso prévio indenizado
O Decreto 6.727/09 revogou dispositivo do Regulamento
da Previdência Social que determinava que o valor do
aviso prévio indenizado não integrava a base de cálculo
das contribuições previdenciárias.
IN SRFB nº 925/09 determinou a tributação do aviso
prévio indenizado
Fabiana Del Padre Tomé
• 1. Antes da EC 20/98: aviso prévio indenizado é salário?
Não.
• 2.Depois da EC 20/98 e antes do Dec. 6.727: aviso
prévio indenizado é salário ou rendimento do trabalho da
pessoa física que presta serviço? Não.
• Depois do Dec. 6.727: aviso prévio indenizado é salário
ou rendimento do trabalho da pessoa física que presta
serviço? Não.
Fabiana Del Padre Tomé
Auxílio doença
Pago pela empresa durante os 15 primeiros dias do
afastamento do empregado por motivo de doença
Remunera o trabalho?
Qual?
O empregado não está afastado?
Então é indenização e não remuneração pelo
trabalho prestado.
Fabiana Del Padre Tomé
Lei 8.212/91 – art. 28, § 9º.
Não integram o salário de contribuição:
A parcela recebida a título de vale-transporte, na
forma da legislação própria
E se pago em dinheiro?
• RE 478410: isso não altera a obrigação e não
descaracteriza a natureza do instituto.
• A parcela "in natura" recebida de acordo com os
programas de alimentação aprovados pelo Ministério do
Trabalho e da Previdência Social
E se pago em dinheiro? Mesmo raciocínio.
Fabiana Del Padre Tomé
Incra
Contribuição pra o Instituto Nacional de Colonização
e Reforma Agrária – Lei 2.613/55
Decisão do STJ até 2006:
- é contribuição previdenciária:
- revogada pela Lei 8.212/91
- devida apenas pelas empresas rurais
Decisão do STJ a partir de 2006:
- é CIDE
- está em vigor
- devida também pelas empresas urbanas
Art. 149, § 2º, III, a, da CF (EC 33/01): veda CIDE sobre
folha de salários
Fabiana Del Padre Tomé
SEBRAE
• Discussão: falta de referibilidade na exigência de
empresas de médio e grande porte
• Decisão do STJ:
- é CIDE
- é devida por todas empresas
• Art. 149, § 2º, III, a, da CF (EC 33/01): veda CIDE sobre
folha de salários
Fabiana Del Padre Tomé
• LC 70/91 – COFINS sobre faturamento, assim
considerado a receita bruta das vendas de
mercadorias, de mercadorias e serviços e de serviço
de qualquer natureza.
• PIS – já existia no ordenamento (LC 7/70) e foi
recepcionada pelo art. 239 da CF/88.
• O STF, na ADC-1/DF, considerou admissível a dupla
incidência sobre o faturamento.
Qual o fundamento para a coexistência
de PIS e de COFINS, duas contribuições
sobre o faturamento (ou receita)?
Fabiana Del Padre Tomé
• Lei nº 9.718/98, de 27/11/98: elegeu como base de
cálculo o faturamento, mas o equiparou à totalidade das
receitas auferidas.
• EC nº 20, de 16/12/98: alterou a redação do art. 195, CF,
autorizando tributação da receita.
• STF – RE 357.950/RS: O sistema jurídico não contempla
a figura da constitucionalidade superveniente.
Faturamento restringe-se ao resultado da venda de
mercadorias, de serviços ou de mercadorias e serviços.
Fabiana Del Padre Tomé
Ingresso X Receita
• Ingressos: não integram o patrimônio do contribuinte
• Receitas: incorporam-se ao patrimônio do contribuinte
• Receitas de terceiros: são meros ingressos para o
contribuinte (ex: agências de viagens)
• O problema das receitas auferidas, mas não recebidas.
Fabiana Del Padre Tomé
Cooperado
(produtor da
cana-de-
açúcar)
Cooperativa
(intermediário;
produtor do
álcool)
Terceiros
(adquirentes
do álcool)
Fabiana Del Padre Tomé
Tributação dos atos cooperativos
• As cooperativas não praticam ato de mercado.
• As atividades de produção, comercialização do bem,
prestação de serviços ou operações de crédito são
praticadas pelas cooperativas, porém em nome dos
cooperados, que são os beneficiados pelos atos
praticados por aquelas.
• Ato cooperado não gera faturamento – STJ, REsp
591.298/MG.
Fabiana Del Padre Tomé
Exclusão do ICMS da base de cálculo
• RE 240.785: 6 dos 11 ministros que compõem o pleno
manifestaram-se favoravelmente à tese dos contribuintes,
pela não-incidência da COFINS sobre o valor do ICMS
que compõe as notas fiscais de venda.
• O valor recebido a título de ICMS não se harmoniza com o
conceito de faturamento (é mera entrada).
• ADC nº 18 - proposta pela Fazenda Nacional.
Fabiana Del Padre Tomé
Não-cumulatividade do PIS e COFINS
Lei 10.637/02, que elevou a alíquota da contribuição
ao PIS de 0,65% para 1,65% e permitiu a
compensação, pelo sujeito passivo da contribuição,
de certos créditos calculados sobre seus custos e
despesas.
Lei 10.833/03, prevendo a não-cumulatividade da
COFINS, mediante elevação de sua alíquota de 3%
para 7,6% e permitindo a compensação, pelo sujeito
passivo da contribuição, de certos créditos
calculados sobre seus custos e despesas.
Fabiana Del Padre Tomé
Não-cumulatividade do PIS e COFINS
• O princípio da não-cumulatividade
• A técnica da não cumulatividade
• Delimitação dos elementos/despesas que geram créditos
• Não-cumulatividade e os setores de atividade econômica
• PIS-COFINS não-cumulativos: incomunicabilidade com PIS-
COFINS cumulativos
Fabiana Del Padre Tomé
PIS e da COFINS-importação
Lei nº 10.865/04
Fundamento de validade: art. 195, IV, da CF
CF: “Art. 149. §2º. As contribuições sociais e de intervenção
do domínio econômico de que trata o caput deste artigo: (...)
III - poderão ter alíquotas: a) ad valorem, tendo por base o
faturamento, a receita bruta ou o valor da operação e, no
caso de importação, o valor aduaneiro;
Fabiana Del Padre Tomé
Questões de Plenário
Fabiana Del Padre Tomé
1) A efetiva destinação da receita arrecadada a título de
contribuição é relevante para se caracterizar a
legiimidade da cobrança?
Se os valores arrecadados a título de contribuição não
forem aplicados na destinação prescrita em lei, pode
o contribuinte requerer a restituição do ributo
pago? Sob qual fundamento?
Fabiana Del Padre Tomé
2) Sobre as contribuições de intervenção no domínio
econômico, pergunta-se:
• Que se entende por intervenção no domínio econômico?
As causas de intervenção estão restritas aos artigos 170
a 181 da Constituição Federal?
• O produto da arrecadação da CIDE deve ser legalmente
destinado à intervenção no setor econômico de que trata
a contribuição (intervenção positiva), ou pode ser
instituída com finalidade de desestimular determinada
atividade, ou seja, com caráter extrafiscal (intervenção
negativa)?
• A sua materialidade e o sujeito passivo devem estar
relacionados com a destinação escolhida pelo legislador
como forma de intervenção no domínio econômico?
Fabiana Del Padre Tomé
3) Com base no artigo 31 da Lei Federal nº 8.212/1991, com a
redação que lhe foi dada pela Lei Federal no 9.711/1998, que
instituiu a regra de retenção da contribuição previdenciária
prevista no artigo:
“Art. 31. A empresa contratante de serviços executados
mediante cessão de mão-de-obra, inclusive em regime de
trabalho temporário, deverá reter 11% (onze por cento) do
valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços e
recolher a importância retida até o dia 10 (dez) do mês
subseqüente ao da emissão da respectiva nota fiscal ou
fatura em nome da empresa cedente da mão-de-obra,
observado o disposto no § 5o do art. 33 desta Lei.”
Pergunta-se:
• Trata-se de nova contribuição ou mera técnica de
arrecadação?
Fabiana Del Padre Tomé
• Retenção na fonte: forma de substituição tributária.
• Finalidade: centralizar fiscalização e arrecadação
• Base de cálculo da contribuição previdenciária: folha de
salários
• Base de cálculo da retenção: faturamento
• Tipologia tributária: h.i/b.c.
• Presunção relativa
Fabiana Del Padre Tomé
• Na hipótese de não haver a retenção dos 11% pela
empresa tomadora de serviços, mas durante a
fiscalização for apresentada prova de que a empresa
prestadora dos serviços recolheu aos cofres públicos a
contribuição por ela devida, a fiscalização deve lançar o
auto de infração?
- Exigência de contribuição previdenciária?
- Multa por descumprimento de dever instrumental?
Fabiana Del Padre Tomé
fabiana@barroscarvalho.com.br
www.parasaber.com.br
Fabiana Del Padre Tomé

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula dra. aurora tomazini 20-09-14
Aula dra. aurora tomazini   20-09-14Aula dra. aurora tomazini   20-09-14
Aula dra. aurora tomazini 20-09-14
Fernanda Moreira
 
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPIImposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Fabiana Del Padre Tomé
 
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVAREGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
Fernanda Moreira
 
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Isenções 2012 ibet pr   sem questõesIsenções 2012 ibet pr   sem questões
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Tacio Lacerda Gama
 
Direito Tributário e o Conceito de Tributo
Direito Tributário e o Conceito de TributoDireito Tributário e o Conceito de Tributo
Direito Tributário e o Conceito de Tributo
Fabiana Del Padre Tomé
 
Aula PIS e COFINS
Aula PIS e COFINSAula PIS e COFINS
Aula PIS e COFINS
Julia De Menezes Nogueira
 
Espécies Tributárias
Espécies TributáriasEspécies Tributárias
Espécies Tributárias
Betânia Costa
 
Suspensão da exigibilidade do crédito tributário ibet
Suspensão da exigibilidade do crédito tributário   ibetSuspensão da exigibilidade do crédito tributário   ibet
Suspensão da exigibilidade do crédito tributário ibet
Rosangela Garcia
 
Icms mercadorias - aula ibet
Icms   mercadorias - aula ibetIcms   mercadorias - aula ibet
Icms mercadorias - aula ibet
Brunno Guerra Rezende
 
Regra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicadaRegra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicada
Betânia Costa
 
IBET - Interpretação, validade, vigência e eficácia das normas tributárias
IBET - Interpretação, validade, vigência e eficácia das normas tributáriasIBET - Interpretação, validade, vigência e eficácia das normas tributárias
IBET - Interpretação, validade, vigência e eficácia das normas tributárias
Tacio Lacerda Gama
 
Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções
Betânia Costa
 
Icms.serviços.ibet
Icms.serviços.ibetIcms.serviços.ibet
Icms.serviços.ibet
Betânia Costa
 
Iptu
IptuIptu
Aula 05 04-14 - dra. lúcia paoliello
Aula 05 04-14 - dra. lúcia paolielloAula 05 04-14 - dra. lúcia paoliello
Aula 05 04-14 - dra. lúcia paoliello
Fernanda Moreira
 
Iptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmdIptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmd
Jean Simei
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Rosangela Garcia
 
Aula RMIT faap
Aula RMIT faapAula RMIT faap
Aula RMIT faap
marina589
 
Palestra fontes do direito tributário
Palestra   fontes do direito tributárioPalestra   fontes do direito tributário
Palestra fontes do direito tributário
Brunno Guerra Rezende
 
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
Fernanda Moreira
 

Mais procurados (20)

Aula dra. aurora tomazini 20-09-14
Aula dra. aurora tomazini   20-09-14Aula dra. aurora tomazini   20-09-14
Aula dra. aurora tomazini 20-09-14
 
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPIImposto sobre Produtos Industrializados - IPI
Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI
 
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVAREGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
REGRA-MATRIZ DE INCIDÊNCIA OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA E SUJEIÇÃO PASSIVA
 
Isenções 2012 ibet pr sem questões
Isenções 2012 ibet pr   sem questõesIsenções 2012 ibet pr   sem questões
Isenções 2012 ibet pr sem questões
 
Direito Tributário e o Conceito de Tributo
Direito Tributário e o Conceito de TributoDireito Tributário e o Conceito de Tributo
Direito Tributário e o Conceito de Tributo
 
Aula PIS e COFINS
Aula PIS e COFINSAula PIS e COFINS
Aula PIS e COFINS
 
Espécies Tributárias
Espécies TributáriasEspécies Tributárias
Espécies Tributárias
 
Suspensão da exigibilidade do crédito tributário ibet
Suspensão da exigibilidade do crédito tributário   ibetSuspensão da exigibilidade do crédito tributário   ibet
Suspensão da exigibilidade do crédito tributário ibet
 
Icms mercadorias - aula ibet
Icms   mercadorias - aula ibetIcms   mercadorias - aula ibet
Icms mercadorias - aula ibet
 
Regra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicadaRegra matriz de incidência tributária aplicada
Regra matriz de incidência tributária aplicada
 
IBET - Interpretação, validade, vigência e eficácia das normas tributárias
IBET - Interpretação, validade, vigência e eficácia das normas tributáriasIBET - Interpretação, validade, vigência e eficácia das normas tributárias
IBET - Interpretação, validade, vigência e eficácia das normas tributárias
 
Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções Aula ibet sanções, crimes e presunções
Aula ibet sanções, crimes e presunções
 
Icms.serviços.ibet
Icms.serviços.ibetIcms.serviços.ibet
Icms.serviços.ibet
 
Iptu
IptuIptu
Iptu
 
Aula 05 04-14 - dra. lúcia paoliello
Aula 05 04-14 - dra. lúcia paolielloAula 05 04-14 - dra. lúcia paoliello
Aula 05 04-14 - dra. lúcia paoliello
 
Iptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmdIptu itbi-itcmd
Iptu itbi-itcmd
 
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
Aula ibet compensação e repetiçao outubro 2011
 
Aula RMIT faap
Aula RMIT faapAula RMIT faap
Aula RMIT faap
 
Palestra fontes do direito tributário
Palestra   fontes do direito tributárioPalestra   fontes do direito tributário
Palestra fontes do direito tributário
 
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
AÇÕES TRIBUTÁRIAS: DECLARATÓRIA,
 

Semelhante a Contribuições ibet - 2013-1

Contribuições ibet - 2011-2
Contribuições   ibet - 2011-2Contribuições   ibet - 2011-2
Contribuições ibet - 2011-2
Rosangela Garcia
 
Contribuições sociais epd - 2011.1
Contribuições sociais   epd - 2011.1Contribuições sociais   epd - 2011.1
Contribuições sociais epd - 2011.1
Fabiana Del Padre Tomé
 
Apresentação incidência contribuição previdênciária
Apresentação   incidência contribuição previdênciáriaApresentação   incidência contribuição previdênciária
Apresentação incidência contribuição previdênciária
Sacha Calmon Misabel Derzi - Consultores e Advogados
 
Xi congresso campo grande 2013 fabiana tomé
Xi congresso campo grande 2013   fabiana toméXi congresso campo grande 2013   fabiana tomé
Xi congresso campo grande 2013 fabiana tomé
Fabiana Del Padre Tomé
 
Aula tf 6 contribuições
Aula tf 6   contribuiçõesAula tf 6   contribuições
Aula tf 6 contribuições
Fernandinhaparisi
 
Aula 16
Aula 16Aula 16
Contribuições previdenciárias: diretrizes para a elaboração de um plano de PL...
Contribuições previdenciárias: diretrizes para a elaboração de um plano de PL...Contribuições previdenciárias: diretrizes para a elaboração de um plano de PL...
Contribuições previdenciárias: diretrizes para a elaboração de um plano de PL...
Sacha Calmon Misabel Derzi - Consultores e Advogados
 
PIS e COFINS - Receita, Faturamento e Créditos
PIS e COFINS - Receita, Faturamento e CréditosPIS e COFINS - Receita, Faturamento e Créditos
PIS e COFINS - Receita, Faturamento e Créditos
Fabio Rodrigues de Oliveira
 
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
Aula dr. argos campos simões   10-11-14Aula dr. argos campos simões   10-11-14
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
Fernanda Moreira
 
Epd 30 06
Epd 30 06Epd 30 06
Epd 30 06
Jean Simei
 
Introdução a folha de pagamento
Introdução a folha de pagamentoIntrodução a folha de pagamento
Introdução a folha de pagamento
Socorro Vasconcelos
 
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
Maria Betania Alves
 
Projeto pune com prisão quem deixar de repassar contribuições ao fgts
Projeto pune com prisão quem deixar de repassar contribuições ao fgtsProjeto pune com prisão quem deixar de repassar contribuições ao fgts
Projeto pune com prisão quem deixar de repassar contribuições ao fgts
José Ripardo
 
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueiraViii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Julia De Menezes Nogueira
 
Rafael pandolfo 26-05-14- planejamento
Rafael pandolfo   26-05-14- planejamentoRafael pandolfo   26-05-14- planejamento
Rafael pandolfo 26-05-14- planejamento
Fernanda Moreira
 
Principais Medidas Emergenciais Anunciadas Covid-19
Principais Medidas Emergenciais Anunciadas Covid-19Principais Medidas Emergenciais Anunciadas Covid-19
Principais Medidas Emergenciais Anunciadas Covid-19
LuizaHelenaTrajano
 
3 w rt plr
3 w rt   plr3 w rt   plr
3 w rt plr
Silvia Martins
 
Desoneração da folha de pagamentos
Desoneração da folha de pagamentos  Desoneração da folha de pagamentos
Desoneração da folha de pagamentos
Tacio Lacerda Gama
 
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Tania Gurgel
 
Apresentação BenefÃ_cios Fiscais - Mateial de apoio.pdf
Apresentação BenefÃ_cios Fiscais - Mateial de apoio.pdfApresentação BenefÃ_cios Fiscais - Mateial de apoio.pdf
Apresentação BenefÃ_cios Fiscais - Mateial de apoio.pdf
ssuser3dfbd8
 

Semelhante a Contribuições ibet - 2013-1 (20)

Contribuições ibet - 2011-2
Contribuições   ibet - 2011-2Contribuições   ibet - 2011-2
Contribuições ibet - 2011-2
 
Contribuições sociais epd - 2011.1
Contribuições sociais   epd - 2011.1Contribuições sociais   epd - 2011.1
Contribuições sociais epd - 2011.1
 
Apresentação incidência contribuição previdênciária
Apresentação   incidência contribuição previdênciáriaApresentação   incidência contribuição previdênciária
Apresentação incidência contribuição previdênciária
 
Xi congresso campo grande 2013 fabiana tomé
Xi congresso campo grande 2013   fabiana toméXi congresso campo grande 2013   fabiana tomé
Xi congresso campo grande 2013 fabiana tomé
 
Aula tf 6 contribuições
Aula tf 6   contribuiçõesAula tf 6   contribuições
Aula tf 6 contribuições
 
Aula 16
Aula 16Aula 16
Aula 16
 
Contribuições previdenciárias: diretrizes para a elaboração de um plano de PL...
Contribuições previdenciárias: diretrizes para a elaboração de um plano de PL...Contribuições previdenciárias: diretrizes para a elaboração de um plano de PL...
Contribuições previdenciárias: diretrizes para a elaboração de um plano de PL...
 
PIS e COFINS - Receita, Faturamento e Créditos
PIS e COFINS - Receita, Faturamento e CréditosPIS e COFINS - Receita, Faturamento e Créditos
PIS e COFINS - Receita, Faturamento e Créditos
 
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
Aula dr. argos campos simões   10-11-14Aula dr. argos campos simões   10-11-14
Aula dr. argos campos simões 10-11-14
 
Epd 30 06
Epd 30 06Epd 30 06
Epd 30 06
 
Introdução a folha de pagamento
Introdução a folha de pagamentoIntrodução a folha de pagamento
Introdução a folha de pagamento
 
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
WORKSHOP " Pequenas Empresas – Riscos e Cuidados Tributários, Contábeis e a R...
 
Projeto pune com prisão quem deixar de repassar contribuições ao fgts
Projeto pune com prisão quem deixar de repassar contribuições ao fgtsProjeto pune com prisão quem deixar de repassar contribuições ao fgts
Projeto pune com prisão quem deixar de repassar contribuições ao fgts
 
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueiraViii congresso ibet   palestra julia de menezes nogueira
Viii congresso ibet palestra julia de menezes nogueira
 
Rafael pandolfo 26-05-14- planejamento
Rafael pandolfo   26-05-14- planejamentoRafael pandolfo   26-05-14- planejamento
Rafael pandolfo 26-05-14- planejamento
 
Principais Medidas Emergenciais Anunciadas Covid-19
Principais Medidas Emergenciais Anunciadas Covid-19Principais Medidas Emergenciais Anunciadas Covid-19
Principais Medidas Emergenciais Anunciadas Covid-19
 
3 w rt plr
3 w rt   plr3 w rt   plr
3 w rt plr
 
Desoneração da folha de pagamentos
Desoneração da folha de pagamentos  Desoneração da folha de pagamentos
Desoneração da folha de pagamentos
 
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
Apresentação III - Fórum ABAT - SPED - Pis e Cofins - Receitas e Créditos - F...
 
Apresentação BenefÃ_cios Fiscais - Mateial de apoio.pdf
Apresentação BenefÃ_cios Fiscais - Mateial de apoio.pdfApresentação BenefÃ_cios Fiscais - Mateial de apoio.pdf
Apresentação BenefÃ_cios Fiscais - Mateial de apoio.pdf
 

Mais de Fabiana Del Padre Tomé

Responsabilidade tributária e a prova dos atos praticados com excesso de pode...
Responsabilidade tributária e a prova dos atos praticados com excesso de pode...Responsabilidade tributária e a prova dos atos praticados com excesso de pode...
Responsabilidade tributária e a prova dos atos praticados com excesso de pode...
Fabiana Del Padre Tomé
 
PIS/COFINS - Conceito de "insumo" e o Parecer Normativo COSIT nº 05/2018
PIS/COFINS - Conceito de "insumo" e o Parecer Normativo COSIT nº 05/2018PIS/COFINS - Conceito de "insumo" e o Parecer Normativo COSIT nº 05/2018
PIS/COFINS - Conceito de "insumo" e o Parecer Normativo COSIT nº 05/2018
Fabiana Del Padre Tomé
 
Contribuições, fundos setoriais e vinculação de receita
Contribuições, fundos setoriais e vinculação de receitaContribuições, fundos setoriais e vinculação de receita
Contribuições, fundos setoriais e vinculação de receita
Fabiana Del Padre Tomé
 
Aplicação de entendimentos consolidados pelos Tribunais Superiores quanto ao ...
Aplicação de entendimentos consolidados pelos Tribunais Superiores quanto ao ...Aplicação de entendimentos consolidados pelos Tribunais Superiores quanto ao ...
Aplicação de entendimentos consolidados pelos Tribunais Superiores quanto ao ...
Fabiana Del Padre Tomé
 
Fiscalização tributária: entre a transparência e o sigilo fiscal
Fiscalização tributária: entre a transparência e o sigilo fiscalFiscalização tributária: entre a transparência e o sigilo fiscal
Fiscalização tributária: entre a transparência e o sigilo fiscal
Fabiana Del Padre Tomé
 
PIS/COFINS, Receita e CPC 47
PIS/COFINS, Receita e CPC 47PIS/COFINS, Receita e CPC 47
PIS/COFINS, Receita e CPC 47
Fabiana Del Padre Tomé
 
Processo Administrativo Tributário - PUC/SP
Processo Administrativo Tributário - PUC/SPProcesso Administrativo Tributário - PUC/SP
Processo Administrativo Tributário - PUC/SP
Fabiana Del Padre Tomé
 
Súmula 7 do STJ - Reexame vs. revaloração da prova
Súmula 7 do STJ - Reexame vs. revaloração da provaSúmula 7 do STJ - Reexame vs. revaloração da prova
Súmula 7 do STJ - Reexame vs. revaloração da prova
Fabiana Del Padre Tomé
 
Rio preto 2017
Rio preto 2017Rio preto 2017
Rio preto 2017
Fabiana Del Padre Tomé
 
Recife tate2017-fabiana
Recife tate2017-fabianaRecife tate2017-fabiana
Recife tate2017-fabiana
Fabiana Del Padre Tomé
 
Iss na construção civil fabiana tomé - 2014-2
Iss na construção civil   fabiana tomé - 2014-2Iss na construção civil   fabiana tomé - 2014-2
Iss na construção civil fabiana tomé - 2014-2
Fabiana Del Padre Tomé
 
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Fabiana Del Padre Tomé
 
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
Fabiana Del Padre Tomé
 
Processo Administrativo Tributário Federal - Prof. Gustavo Minatel - aula Cog...
Processo Administrativo Tributário Federal - Prof. Gustavo Minatel - aula Cog...Processo Administrativo Tributário Federal - Prof. Gustavo Minatel - aula Cog...
Processo Administrativo Tributário Federal - Prof. Gustavo Minatel - aula Cog...
Fabiana Del Padre Tomé
 
Contribuições ibet - 2013-1
Contribuições   ibet - 2013-1Contribuições   ibet - 2013-1
Contribuições ibet - 2013-1
Fabiana Del Padre Tomé
 
Garantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributáriaGarantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributária
Fabiana Del Padre Tomé
 
Fabiana tomé iv workshop
Fabiana tomé   iv workshopFabiana tomé   iv workshop
Fabiana tomé iv workshop
Fabiana Del Padre Tomé
 
Teoria do fato jurídico 2013-1
Teoria do fato jurídico   2013-1Teoria do fato jurídico   2013-1
Teoria do fato jurídico 2013-1
Fabiana Del Padre Tomé
 
Teoria do fato jurídico 2013-1
Teoria do fato jurídico   2013-1Teoria do fato jurídico   2013-1
Teoria do fato jurídico 2013-1
Fabiana Del Padre Tomé
 
Iv cbet floripa 2013 fabiana tomé - provas
Iv cbet floripa 2013   fabiana tomé - provasIv cbet floripa 2013   fabiana tomé - provas
Iv cbet floripa 2013 fabiana tomé - provas
Fabiana Del Padre Tomé
 

Mais de Fabiana Del Padre Tomé (20)

Responsabilidade tributária e a prova dos atos praticados com excesso de pode...
Responsabilidade tributária e a prova dos atos praticados com excesso de pode...Responsabilidade tributária e a prova dos atos praticados com excesso de pode...
Responsabilidade tributária e a prova dos atos praticados com excesso de pode...
 
PIS/COFINS - Conceito de "insumo" e o Parecer Normativo COSIT nº 05/2018
PIS/COFINS - Conceito de "insumo" e o Parecer Normativo COSIT nº 05/2018PIS/COFINS - Conceito de "insumo" e o Parecer Normativo COSIT nº 05/2018
PIS/COFINS - Conceito de "insumo" e o Parecer Normativo COSIT nº 05/2018
 
Contribuições, fundos setoriais e vinculação de receita
Contribuições, fundos setoriais e vinculação de receitaContribuições, fundos setoriais e vinculação de receita
Contribuições, fundos setoriais e vinculação de receita
 
Aplicação de entendimentos consolidados pelos Tribunais Superiores quanto ao ...
Aplicação de entendimentos consolidados pelos Tribunais Superiores quanto ao ...Aplicação de entendimentos consolidados pelos Tribunais Superiores quanto ao ...
Aplicação de entendimentos consolidados pelos Tribunais Superiores quanto ao ...
 
Fiscalização tributária: entre a transparência e o sigilo fiscal
Fiscalização tributária: entre a transparência e o sigilo fiscalFiscalização tributária: entre a transparência e o sigilo fiscal
Fiscalização tributária: entre a transparência e o sigilo fiscal
 
PIS/COFINS, Receita e CPC 47
PIS/COFINS, Receita e CPC 47PIS/COFINS, Receita e CPC 47
PIS/COFINS, Receita e CPC 47
 
Processo Administrativo Tributário - PUC/SP
Processo Administrativo Tributário - PUC/SPProcesso Administrativo Tributário - PUC/SP
Processo Administrativo Tributário - PUC/SP
 
Súmula 7 do STJ - Reexame vs. revaloração da prova
Súmula 7 do STJ - Reexame vs. revaloração da provaSúmula 7 do STJ - Reexame vs. revaloração da prova
Súmula 7 do STJ - Reexame vs. revaloração da prova
 
Rio preto 2017
Rio preto 2017Rio preto 2017
Rio preto 2017
 
Recife tate2017-fabiana
Recife tate2017-fabianaRecife tate2017-fabiana
Recife tate2017-fabiana
 
Iss na construção civil fabiana tomé - 2014-2
Iss na construção civil   fabiana tomé - 2014-2Iss na construção civil   fabiana tomé - 2014-2
Iss na construção civil fabiana tomé - 2014-2
 
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
 
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
Processo Administrativo Tributário Federal - aula Cogeae 2013 - Profa. Andrea...
 
Processo Administrativo Tributário Federal - Prof. Gustavo Minatel - aula Cog...
Processo Administrativo Tributário Federal - Prof. Gustavo Minatel - aula Cog...Processo Administrativo Tributário Federal - Prof. Gustavo Minatel - aula Cog...
Processo Administrativo Tributário Federal - Prof. Gustavo Minatel - aula Cog...
 
Contribuições ibet - 2013-1
Contribuições   ibet - 2013-1Contribuições   ibet - 2013-1
Contribuições ibet - 2013-1
 
Garantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributáriaGarantias privilégios e administração tributária
Garantias privilégios e administração tributária
 
Fabiana tomé iv workshop
Fabiana tomé   iv workshopFabiana tomé   iv workshop
Fabiana tomé iv workshop
 
Teoria do fato jurídico 2013-1
Teoria do fato jurídico   2013-1Teoria do fato jurídico   2013-1
Teoria do fato jurídico 2013-1
 
Teoria do fato jurídico 2013-1
Teoria do fato jurídico   2013-1Teoria do fato jurídico   2013-1
Teoria do fato jurídico 2013-1
 
Iv cbet floripa 2013 fabiana tomé - provas
Iv cbet floripa 2013   fabiana tomé - provasIv cbet floripa 2013   fabiana tomé - provas
Iv cbet floripa 2013 fabiana tomé - provas
 

Contribuições ibet - 2013-1

  • 1. São Paulo, 22/06/2013 CONTRIBUIÇÕES Fabiana Del Padre Tomé Mestre e Doutora PUC/SP Professora PUC/SP e IBET Fabiana Del Padre Tomé – fabiana@barroscarvalho.com.br
  • 2. Fabiana Del Padre Tomé Classificação tripartida - Ponto de partida: regra-matriz de incidência (h.i/b.c) D (F S’RS”) - Critério: vinculação da hipótese de incidência à atuação estatal (não confundir com vinculação do produto da arrecadação) • Tributo não-vinculado: imposto • Tributo vinculado: - diretamente: taxa - indiretamente: contribuição de melhoria/contribuições
  • 3. Fabiana Del Padre Tomé Destinação legal e previsão de restituição - Relevância - Argumentos contrários: dados posteriores à extinção do liame tributário/ afetação das receitas públicas não interfere na natureza jurídica / art. 4º, II, CTN - Art. 167, IV, da CF: “São vedados a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa…” - Arts. 148, 149 e 195, da CF: exigem determinada previsão legal de destinação/restituição
  • 4. Fabiana Del Padre Tomé Classificação em 5 espécies - Imposto - Taxa - Contribuição de melhoria - Empréstimo compulsório - Contribuição - Ponto de partida: normas constitucionais de competência - Critérios: vinculação da h.i. à atuação estatal / destinação legal / previsão legal de restituição
  • 5. Fabiana Del Padre Tomé 1) sociais – 1.1) gerais 1.2) para a seguridade social (195, CF) 2) de intervenção no domínio econômico 3) de interesse das categorias profissionais ou econômicas 4) para custeio da iluminação pública (EC 39/02) - competência: União, exceto previdenciárias dos servidores públicos e para custeio da iluminação Espécies de contribuições
  • 6. Contribuições de intervenção no domínio econômico – CIDES Atuações do Estado na Economia • Ação normativa (art. 174, CF) 1.1. Fomento 1.1.1. planejamento (não remunerado) 1.1.2. incentivo (CIDE) 2. Ação participativa 2.1. exploração direta da atividade econômica (art. 173 – preço público) 2.2. prestação de serviços públicos (art. 175 – taxa) Fabiana Del Padre Tomé
  • 7. • intervenção criada por lei; • feita num setor específico da economia; • sendo o produto da arrecadação totalmente destinado ao custeio da intervenção; • União como sujeito interveniente; • respeito aos princípios gerais da atividade econômica (art. 170, CF). • sujeito passivo: pessoa que explora, sob regime de direito privado, a atividade econômica objeto de regulação estatal. Só é sujeito passivo a pessoa envolvida com a exploração da atividade econômica que se pretende disciplinar. Requisitos para instituição de CIDE Fabiana Del Padre Tomé
  • 8. Contribuição para o Financiamento do Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa • Instituída pela Lei nº 10.168/2000, alterada pela Lei nº 10.332/01. • Materialidade: deter licença de uso, adquirir conhecimentos tecnológicos, ser signatário de contratos que impliquem transferência de tecnologia. • As licenças de uso de software deixaram de ser tributadas pela CIDE – Lei nº 11.452/07. Fabiana Del Padre Tomé CIDE Tecnologia ou CIDE dos Royalties
  • 9. • Destinam-se ao custeio de entidades que fiscalizam e regulam o exercício de determinadas atividades profissionais ou econômicas, bem como representem e defendam interesses dessa categorias profissionais. • Sujeição passiva: restrita à categoria profissional ou econômica. Contribuições de interesse das categorias profissionais ou econômicas Fabiana Del Padre Tomé
  • 10. 1) Gerais – art. 149, CF 2) Destinadas ao financiamento da seguridade social. Art. 195, CF/88: - devidas pelo empregador ou empresa: salário e demais rendimentos do trabalho; receita ou faturamento; e lucro; (Lei 9.718/98 e EC 20/98) - devidas pelo trabalhador. - devidas pelo importador de bens e serviços Contribuições sociais Fabiana Del Padre Tomé
  • 11. Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, (...) e das seguintes contribuições sociais: I – dos empregadores, incidente sobre a folha de salários, o faturamento e o lucro; Art. 195. A seguridade social será financiada por toda a sociedade, (...) e das seguintes contribuições sociais: I – do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes sobre: a) a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício; Evolução legislativa constitucional Fabiana Del Padre Tomé
  • 12. • O vocábulo “salário” abrange a remuneração da categoria de trabalhadores formada pelos empregados. Decorre da existência de vínculo empregatício, onde a prestação do serviço é realizada de forma não eventual, em relação de subordinação (art. 3º da CLT). • “Demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço” = remuneração pelo serviço prestado sem vínculo empregatício • Em ambos os casos exige-se pagamento que configure contraprestação do trabalho Fabiana Del Padre Tomé
  • 13. Não tributação das verbas indenizatórias REsp. 746.858/RS “TRIBUTÁRIO. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. VERBAS INDENIZATÓRIAS. NÃO INCIDÊNCIA. Esta Corte já decidiu que as verbas rescisórias especiais recebidas pelo trabalhador a título de indenização por férias transformadas em pecúnia, licença prêmio não gozada, ausência permitida ao trabalho ou extinção do contrato de trabalho por dispensa incentivada possuem caráter indenizatório, pelo que não é possível a incidência de contribuição previdenciária.” Fabiana Del Padre Tomé
  • 14. Aviso prévio indenizado O Decreto 6.727/09 revogou dispositivo do Regulamento da Previdência Social que determinava que o valor do aviso prévio indenizado não integrava a base de cálculo das contribuições previdenciárias. IN SRFB nº 925/09 determinou a tributação do aviso prévio indenizado Fabiana Del Padre Tomé
  • 15. • 1. Antes da EC 20/98: aviso prévio indenizado é salário? Não. • 2.Depois da EC 20/98 e antes do Dec. 6.727: aviso prévio indenizado é salário ou rendimento do trabalho da pessoa física que presta serviço? Não. • Depois do Dec. 6.727: aviso prévio indenizado é salário ou rendimento do trabalho da pessoa física que presta serviço? Não. Fabiana Del Padre Tomé
  • 16. Auxílio doença Pago pela empresa durante os 15 primeiros dias do afastamento do empregado por motivo de doença Remunera o trabalho? Qual? O empregado não está afastado? Então é indenização e não remuneração pelo trabalho prestado. Fabiana Del Padre Tomé
  • 17. Lei 8.212/91 – art. 28, § 9º. Não integram o salário de contribuição: A parcela recebida a título de vale-transporte, na forma da legislação própria E se pago em dinheiro? • RE 478410: isso não altera a obrigação e não descaracteriza a natureza do instituto. • A parcela "in natura" recebida de acordo com os programas de alimentação aprovados pelo Ministério do Trabalho e da Previdência Social E se pago em dinheiro? Mesmo raciocínio. Fabiana Del Padre Tomé
  • 18. Incra Contribuição pra o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Lei 2.613/55 Decisão do STJ até 2006: - é contribuição previdenciária: - revogada pela Lei 8.212/91 - devida apenas pelas empresas rurais Decisão do STJ a partir de 2006: - é CIDE - está em vigor - devida também pelas empresas urbanas Art. 149, § 2º, III, a, da CF (EC 33/01): veda CIDE sobre folha de salários Fabiana Del Padre Tomé
  • 19. SEBRAE • Discussão: falta de referibilidade na exigência de empresas de médio e grande porte • Decisão do STJ: - é CIDE - é devida por todas empresas • Art. 149, § 2º, III, a, da CF (EC 33/01): veda CIDE sobre folha de salários Fabiana Del Padre Tomé
  • 20. • LC 70/91 – COFINS sobre faturamento, assim considerado a receita bruta das vendas de mercadorias, de mercadorias e serviços e de serviço de qualquer natureza. • PIS – já existia no ordenamento (LC 7/70) e foi recepcionada pelo art. 239 da CF/88. • O STF, na ADC-1/DF, considerou admissível a dupla incidência sobre o faturamento. Qual o fundamento para a coexistência de PIS e de COFINS, duas contribuições sobre o faturamento (ou receita)? Fabiana Del Padre Tomé
  • 21. • Lei nº 9.718/98, de 27/11/98: elegeu como base de cálculo o faturamento, mas o equiparou à totalidade das receitas auferidas. • EC nº 20, de 16/12/98: alterou a redação do art. 195, CF, autorizando tributação da receita. • STF – RE 357.950/RS: O sistema jurídico não contempla a figura da constitucionalidade superveniente. Faturamento restringe-se ao resultado da venda de mercadorias, de serviços ou de mercadorias e serviços. Fabiana Del Padre Tomé
  • 22. Ingresso X Receita • Ingressos: não integram o patrimônio do contribuinte • Receitas: incorporam-se ao patrimônio do contribuinte • Receitas de terceiros: são meros ingressos para o contribuinte (ex: agências de viagens) • O problema das receitas auferidas, mas não recebidas. Fabiana Del Padre Tomé
  • 24. Tributação dos atos cooperativos • As cooperativas não praticam ato de mercado. • As atividades de produção, comercialização do bem, prestação de serviços ou operações de crédito são praticadas pelas cooperativas, porém em nome dos cooperados, que são os beneficiados pelos atos praticados por aquelas. • Ato cooperado não gera faturamento – STJ, REsp 591.298/MG. Fabiana Del Padre Tomé
  • 25. Exclusão do ICMS da base de cálculo • RE 240.785: 6 dos 11 ministros que compõem o pleno manifestaram-se favoravelmente à tese dos contribuintes, pela não-incidência da COFINS sobre o valor do ICMS que compõe as notas fiscais de venda. • O valor recebido a título de ICMS não se harmoniza com o conceito de faturamento (é mera entrada). • ADC nº 18 - proposta pela Fazenda Nacional. Fabiana Del Padre Tomé
  • 26. Não-cumulatividade do PIS e COFINS Lei 10.637/02, que elevou a alíquota da contribuição ao PIS de 0,65% para 1,65% e permitiu a compensação, pelo sujeito passivo da contribuição, de certos créditos calculados sobre seus custos e despesas. Lei 10.833/03, prevendo a não-cumulatividade da COFINS, mediante elevação de sua alíquota de 3% para 7,6% e permitindo a compensação, pelo sujeito passivo da contribuição, de certos créditos calculados sobre seus custos e despesas. Fabiana Del Padre Tomé
  • 27. Não-cumulatividade do PIS e COFINS • O princípio da não-cumulatividade • A técnica da não cumulatividade • Delimitação dos elementos/despesas que geram créditos • Não-cumulatividade e os setores de atividade econômica • PIS-COFINS não-cumulativos: incomunicabilidade com PIS- COFINS cumulativos Fabiana Del Padre Tomé
  • 28. PIS e da COFINS-importação Lei nº 10.865/04 Fundamento de validade: art. 195, IV, da CF CF: “Art. 149. §2º. As contribuições sociais e de intervenção do domínio econômico de que trata o caput deste artigo: (...) III - poderão ter alíquotas: a) ad valorem, tendo por base o faturamento, a receita bruta ou o valor da operação e, no caso de importação, o valor aduaneiro; Fabiana Del Padre Tomé
  • 30. 1) A efetiva destinação da receita arrecadada a título de contribuição é relevante para se caracterizar a legiimidade da cobrança? Se os valores arrecadados a título de contribuição não forem aplicados na destinação prescrita em lei, pode o contribuinte requerer a restituição do ributo pago? Sob qual fundamento? Fabiana Del Padre Tomé
  • 31. 2) Sobre as contribuições de intervenção no domínio econômico, pergunta-se: • Que se entende por intervenção no domínio econômico? As causas de intervenção estão restritas aos artigos 170 a 181 da Constituição Federal? • O produto da arrecadação da CIDE deve ser legalmente destinado à intervenção no setor econômico de que trata a contribuição (intervenção positiva), ou pode ser instituída com finalidade de desestimular determinada atividade, ou seja, com caráter extrafiscal (intervenção negativa)? • A sua materialidade e o sujeito passivo devem estar relacionados com a destinação escolhida pelo legislador como forma de intervenção no domínio econômico? Fabiana Del Padre Tomé
  • 32. 3) Com base no artigo 31 da Lei Federal nº 8.212/1991, com a redação que lhe foi dada pela Lei Federal no 9.711/1998, que instituiu a regra de retenção da contribuição previdenciária prevista no artigo: “Art. 31. A empresa contratante de serviços executados mediante cessão de mão-de-obra, inclusive em regime de trabalho temporário, deverá reter 11% (onze por cento) do valor bruto da nota fiscal ou fatura de prestação de serviços e recolher a importância retida até o dia 10 (dez) do mês subseqüente ao da emissão da respectiva nota fiscal ou fatura em nome da empresa cedente da mão-de-obra, observado o disposto no § 5o do art. 33 desta Lei.” Pergunta-se: • Trata-se de nova contribuição ou mera técnica de arrecadação? Fabiana Del Padre Tomé
  • 33. • Retenção na fonte: forma de substituição tributária. • Finalidade: centralizar fiscalização e arrecadação • Base de cálculo da contribuição previdenciária: folha de salários • Base de cálculo da retenção: faturamento • Tipologia tributária: h.i/b.c. • Presunção relativa Fabiana Del Padre Tomé
  • 34. • Na hipótese de não haver a retenção dos 11% pela empresa tomadora de serviços, mas durante a fiscalização for apresentada prova de que a empresa prestadora dos serviços recolheu aos cofres públicos a contribuição por ela devida, a fiscalização deve lançar o auto de infração? - Exigência de contribuição previdenciária? - Multa por descumprimento de dever instrumental? Fabiana Del Padre Tomé