Slides 19 de outubro

5.385 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.385
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.262
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides 19 de outubro

  1. 1. Pacto pela Alfabetização na Idade Cer ta 7º Encontro 19 de outubro de 2013 Duque de Caxias
  2. 2. Agenda da Manhã  Acolhida: Trecho do filme “A menina no país das maravilhas”  Leitura literária: Trecho da peça “A aurora da minha vida” – Naum Alves de Souza  Resgate do trabalho pessoal  Apresentação do relato sobre o projeto “Brincadeiras”  Discussão dos textos e do vídeo  Em grupos: Leitura teórica  Vídeo: “Somos todos diferentes” (Como estrelas na Terra – resumido)  Debate  Em grupos: Leitura do texto “Depoimento da professora Marly”  Em grupos: Atividade prática: Criar atividades para atender os diferentes grupos a partir de um mesmo texto  Apresentação dos grupos  Escrita docente
  3. 3. Leitura teórica  Ano 1: Heterogeneidade e direitos de aprendizagem na alfabetização: os diferentes percursos dos estudantes;  Ano 2: A heterogeneidade no processo de alfabetização: diferentes conhecimentos, diferentes atendimentos;  Ano 3: Atendendo à diversidade: o trabalho com todas as crianças no dia a dia, usando diferentes recursos didáticos (até a pág.23)
  4. 4. Heterogeneidade: diferentes percursos, direitos iguais  Importância do diagnóstico como ponto de partida do planejamento (não só no início, mas em todo o processo)  Situações de aprendizagem (atividade + intervenções + agrupamentos)  Atividades desafiadoras (difíceis, mas possíveis)  Equilibrar os momentos de atividades diversificadas - Todos realizam a mesma proposta; - Todos utilizam o mesmo material com adaptações para cada grupo; - Propostas diferenciadas para cada grupo.
  5. 5. Organização social da classe  Atividades individuais – desenvolvimento da autonomia / diagnóstico  Agrupamentos produtivos – duplas e pequenos grupos:  Plano de atendimento às duplas e grupos, para que não se abandone as intervenções - Contraste de pontos de vista moderadamente divergentes - Coordenação de papéis - Regulação mútua do trabalho - Oferecimento e recepção de ajuda
  6. 6. Apoio pedagógico  Essencial no regime de progressão continuada  Atendimento em pequenos grupos (máximo de 12 alunos, sempre trabalhando em duplas)  Precisa ser adequada aos alunos que apresentam dificuldades de aprendizagem: atividades coletivas normalmente não são produtivas, eles precisam de intervenção direta, inclusive que as instruções sejam transmitidas para cada um  Utilizar de preferência atividades lúdicas. Ex: forca em equipes/ leitura de parlenda/escrita de lista com alfabeto móvel (jogo com o alfabeto/atividade de leitura/atividade de escrita)  Planejamento centrado no Sistema de Escrita Alfabética  Tempo estimado: 1 h e 30 min a 2 h, no mínimo duas vezes na semana.
  7. 7. Planejamento  Construção de grade semanal fixa, definindo os focos de cada atividade permanente  Definir para que grupo específico cada atividade foi planejada  Contemplar os eixos presentes nos direitos de aprendizagem (leitura / produção de textos / análise linguística / oralidade)  Não esquecer que uma atividade única pode mobilizar diferentes conhecimentos nos alunos
  8. 8. Atividade prática  Selecionar um gênero textual e criar atividades diversificadas atendendo os diferentes níveis utilizando o mesmo texto.  Cada grupo deverá preparar três atividades:  a) Uma atividade que contemple toda a turma.  b) Uma mesma atividade que contemple o grupo específico (com adaptações) e o restante da turma.  c) Uma atividade que contemple cada grupo específico. (diferenciadas)
  9. 9. Escrita docente   Como você acompanha os conhecimentos sobre o SEA que os seus alunos constroem ao longo do ano letivo? Que estratégias você utiliza para atender aos alunos com defasagem de aprendizagem na alfabetização?
  10. 10. Agenda da tarde  Leitura literária: mais um trecho da peça “A aurora da minha vida” – Naum Alves de Souza  Texto: “ Depois do Esquecimento” de Rubem Alves  Discussão: Qual é o papel da avaliação atualmente em contraponto com o ideal?  Em grupos: Leitura teórica  Debate  Abertura da cápsula do tempo  Avaliação do curso: criação de esquetes ( o que mudou na sua sala de aula?)  Confraternização
  11. 11.    Depois do esquecimento Rubem Alves Quando um professor tenta ensinar alguma coisa tem de pressupor que aquilo é importante e vai fazer uma diferença na vida do seu aluno. Caso contrário, seu trabalho não terá sentido. Assim, deve ter a curiosidade de saber sobre o destino das informações e habilidades que tentou ensinar. O que aconteceu com elas? Quero sugerir um método, valendo-me para isso de uma metáfora. Imagine que você resolveu se dedicar ao negócio de fabricação de salsichas. Para transformar carne em salsichas há uma máquina. Numa das extremidades da máquina coloca-se a carne. Aperta-se um botão. A máquina se põe a funcionar. Na outra extremidade, saem as salsichas, prontinhas. Para avaliar se a máquina é comercialmente vantajosa basta comparar o peso da carne que foi colocada no funil de entrada com o peso das salsichas produzidas. Se 100 quilos de carne foram colocados na entrada e saíram 95 quilos de salsicha, a máquina é ótima. Mas se só saírem 10 quilos de salsicha, a máquina não presta. Imaginei que se poderia avaliar o desempenho das escolas - uma alternativa ao Enem - por meio de um exame elaborado segundo o modelo da máquina de salsichas. O objetivo seria comparar o que entrou com o que ficou. Frequentei escolas por 17 anos: quatro anos no curso primário, um no curso de admissão, quatro no ginásio, três no curso científico e cinco no curso superior. Multipliquei o número de meses, pelo número de dias, pelo número de horas, pelo número de anos: cheguei ao número 16.320 - o número de horas que passei sentado em carteiras ouvindo as coisas que os professores tentavam me ensinar. É claro que esse número deve estar errado. Seja. De qualquer forma, é muito tempo de vida nos bancos escolares. O que sobrou? O exame seria assim:
  12. 12.      Primeiro: o programa seria constituído de tudo, absolutamente tudo que se pretendeu ensinar nesses 17 anos, do primeiro ao último ano. Segundo: aqueles que farão o exame não assinarão os seus nomes porque o que se procura não é o desempenho individual, mas o desempenho da máquina escolar. Terceiro: será proibido haver cursos preparatórios para tais exames. Será proibido também recordar a matéria. O propósito do exame seria abortado porque o aprendido é aquilo que fica depois que o esquecimento fez o seu trabalho. O exame que proponho quer saber o que sobrou depois do esquecimento. Eu me sairia muito mal. Não me lembro das classificações das rochas. Lembro-me dos nomes "dolomitas" e "piroclásticas", mas não sei o que significam. Esqueci-me do "crivo de Erastóstenes". Não sei fazer raiz quadrada. Não sei onde se encontra a serra da Mata da Corda. Também me esqueci das dinastias dos faraós e dos nomes dos imperadores romanos. Lembro-me do princípio de Arquimedes, mas não sei a lei de Avogadro. Não aprendi latim. E tudo isso era matéria de classe... Acho que dos 100% de saberes que as escolas tentaram enfiar dentro de mim só sobrariam uns 10%. Você depositaria suas economias mensalmente, num fundo de investimento, por dezessete anos, se você soubesse que depois desses 17 anos receberia só 10% do que você depositou? Alguns concluirão que a culpa é dos professores. Outros que é dos alunos. Não creio que a culpa seja dos professores ou dos alunos. Acho mesmo é que a culpa é da carne que se põe na máquina: ela está estragada. As salsichas cheiram mal. O nariz as reprova. Concluo: a performance das escolas melhorará se a carne estragada for substituída por uma carne que produza salsichas apetitosas...
  13. 13. Leitura teórica  Ano 1: Avaliação e organização do trabalho docente: a importância dos registros;  Ano 2: Reflexão sobre a prática do professor alfabetizador: o registro das experiências docentes na dimensão formativa e organizativa dos saberes;  Ano 3: Progressão escolar no ciclo de alfabetização: avaliação e continuidade das aprendizagens na escolarização  Focar a leitura nas seguintes questões:  Como garantir a progressão das aprendizagens das crianças ao longo do ciclo de alfabetização?  Que maneiras de avaliar podem ser utilizadas por você visando dar subsídios para um melhor acompanhamento do processo de aprendizagem dos alunos?
  14. 14. Regime de ciclos:  possibilita a elaboração de uma estrutura curricular que favorece a continuidade, a interdisciplinaridade e a participação;  pode colaborar para a negação de uma lógica excludente e competitiva (quem vai chegar primeiro?), rumo a uma lógica da inclusão e da solidariedade (partilha de saberes e de pensares);  possibilita-nos negar a perspectiva conteudista de “quanto já se sabe sobre” para uma perspectiva multicultural da diversidade de saberes, práticas e valores construídos pelo grupo;  pode promover a negação de uma busca de homogeneização para uma prática de reconhecimento da heterogeneidade e da diversidade cultural e de percursos individuais de vida.
  15. 15. Ciclos ≠ Aprovação automática  PROGRESSÃO AUTOMÁTICA - geralmente há supressão da avaliação ao longo do processo e, no final, visa-se a não retenção de um ano ao outro; não há ações efetivas por meio de estudos de promoção de aprendizagem para alunos de baixo rendimento a cada ano e o aluno passa de um ano ao outro, sem necessariamente ter efetuado aprendizagens.  CICLOS - não se defende a aprovação automática dos alunos, mas o compromisso com as aprendizagens e a construção de conhecimentos dos educando de modo a garantir que, ao longo do ano escolar e do ciclo, eles progridam em seus conhecimentos.
  16. 16. Progressão...  ...ESCOLAR - é o avanço formal no processo de escolarização, havendo reconhecimento de que o indivíduo passou de uma etapa de escolarização a outra.  ... DO ENSINO - implica no planejamento de situações que sejam gradativamente mais complexas quanto aos conhecimentos e capacidades exigidos.  ... DAS APRENDIZAGENS - diz respeito ao fato de que os estudantes agregam conhecimentos e desenvolvem capacidades durante a escolarização.
  17. 17. A importância do registro  O registro das experiências docentes, nesse sentido, pode contribuir para a formação do professor alfabetizador. Para que o registro da atividade docente sirva como alternativa para reflexão sobre o fazer didático e pedagógico, em uma perspectiva formativa e organizativa, estes precisam retratar as discussões críticas da turma, apresentar observações sobre o processo de ensino e aprendizagem, reproduzir frases e reunir exemplos da produção das crianças, possibilitando o planejamento, a realização, a documentação, a análise e o replanejamento pelo docente
  18. 18. Registro como instrumento de autoanálise  Faz-se necessário, portanto, registrar também sua própria atividade e, com base na autoanálise, desenvolver parâmetros para um maior controle da situação de ensino, tais como: o tempo necessário para o ensino de cada conhecimento, especificidades sobre o conhecimento a ser ensinado, tarefas necessárias ao ensino, possibilidades de regulação das atividades e da atenção dos alunos na aprendizagem, dentre outros. O uso desses parâmetros pode aumentar a competência profissional do professor de controlar sua própria atividade ao lidar com os alunos em situações novas ou imprevistas na sala de aula.
  19. 19. Abertura da Cápsula do Tempo  Leitura das expectativas em grupos, refletindo se foram contempladas ou não.    Registro individual: Que expectativas foram alcançadas? O que espera do curso para o próximo ano?

×