ENTRE NA RODA - INTRODUÇÃO

593 visualizações

Publicada em

PLATAFORMA DO LETRAMENTO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
593
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
128
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ENTRE NA RODA - INTRODUÇÃO

  1. 1. Leitura na escola e na comunidade Introdução De livros, leituras e leitores Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 1 29/01/2010 17:27:56
  2. 2. Agradecemos à Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro por ter gentilmente cedido o direito de uso de imagens do seu acervo neste módulo. E também a todos os educadores que nos cederam suas “histórias de leitura”. Fundação Volkswagen Via Anchieta, km 23,5 – CPI 1394 – Bairro Demarchi 09823-901 – São Bernardo do Campo – SP http://www.vw.com.br/fundacaovw Presidente do Conselho de Curadores Holger Rust Diretor Superintendente Eduardo de A. Barros Diretora de Administração e Relações Institucionais Conceição Mirandola e-mail: fundacao@volkswagen.com.br CENPEC – Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Rua Minas Gerais, 228 – Consolação 01244-010 – São Paulo – SP http://www.cenpec.org.br Presidente do Conselho de Administração Maria Alice Setubal Superintendente Anna Helena Altenfelder Coordenadora Técnica Maria Amábile Mansutti Gerente de Projetos Locais Claudia Petri Líder do Projeto Maria Alice Mendes de Oliveira Armelin Autoria do Módulo América dos Anjos Costa Marinho Maria Alice Mendes de Oliveira Armelin Revisão Sandra Miguel Projeto gráfico Rabiscos & Grafismos Editoração eletrônica Alba Amaral Gurgel Cerdeira Rodrigues Fotografias Acervo da Biblioteca Nacional www.dominiopublico.gov.br Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 2 29/01/2010 17:27:57 São Paulo, fevereiro de 2011 Tiragem: 500
  3. 3. Sumário O PROJETO ENTRE NA RODA E O PROGRAMA TERRITÓRIO ESCOLA 4 DE LIVROS, LEITURAS E LEITORES 7 O Livro e a leitura no Brasil 15 LEITURA, UMA PRÁTICA SOCIAL 27 Concepção de leitura 27 A formação do leitor 33 O texto literário como isca de leitura 35 HISTÓRIAS DE LEITORES 41 REFERÊNCIAS E SUGESTÕES DE LEITURA 49 CRÉDITOS DAS FIGURAS 51 Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 3 29/01/2010 17:27:57
  4. 4. O Projeto Entre na Roda e o Programa Território Escola (. . .) Ingressar, estar, permanecer, por um tempo, nas escolas - em qualquer tipo de instituição escolar - é uma experiência tão natural e cotidiana que nem sequer tomamos consciência da razão de ser de sua existência, da sua contingência, de sua possível provisoriedade no tempo, das funções que cumpriu, cumpre ou poderia cumprir, dos significados que tem nas vidas das pessoas, nas sociedades e nas culturas(...)É como o ar, de cuja importância e presença só nos damos conta quando ele nos falta para respirar. GIMENO SACRISTÁN. 4 Entre na roda - Introdução E sta coleção é um material de apoio do Projeto Entre na Roda, destinado à formação de leitores. Entre na Roda faz parte do Programa Território Escola, fruto da par- ceria entre a Fundação Volkswagen e o Cenpec. Em 2002, a Fundação Volkswagen e o Cenpec iniciaram um trabalho conjunto para oferecer apoio pedagógico às esco- las públicas de municípios que sediam unidades fabris e de serviços da marca Volkswagen, implementando, em um pri- meiro momento, os projetos Estudar pra Valer! Língua Portuguesa e Entre na Roda, que têm o letramento como ponto comum do trabalho de formação de educadores. Posteriormente, outros projetos fo- ram implementados: Brincar, Estudar pra Valer! Matemática e Leitura e Escrita: desafio de todos, este último destinado às séries finais do ensino fundamental. Além disso, introduziu-se o projeto Ações em Rede visando alargar e potencializar os espaços de aprendizagem na comu- nidade para crianças e adolescentes. Em 2005 esses projetos foram reunidos no Programa Território Escola. O Programa Território Escola é mais que um conjunto de projetos; é uma con- cepção de educação, de escola e de pro- cesso de ensino e de aprendizagem. Parte do princípio de que todos são capazes de aprender e considera que o acesso aos bens culturais é mediação necessária para a apropriação do conhecimento universal. A denominação Território Escola foi intencionalmente escolhida por sugerir uma reflexão sobre as concepções que consideram escola e comunidade como um território onde pulsam relações hu- manas e onde podem-se estabelecer vín- culos de pertinência entre instituições e Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 4 29/01/2010 17:27:57
  5. 5. Os projetos que integram o Programa seguem os mesmos princípios e têm a mesma intenção educacional, articulando teoria e prática no processo de formação dos educadores. Todos preveem forma- ção continuada com momentos presen- ciais e a distância, bem como acompa- nhamento e avaliação, ambos pautados por um processo de gestão compartilha- da entre os envolvidos. Ao mesmo tempo, destinam-se a públicos específicos e uti- lizam estratégias diferenciadas que lhes conferem um caráter próprio, único. Valoriza-se, em cada um deles, o regis- tro das ações desenvolvidas como instru- mento de produção de conhecimentos e de divulgação de resultados, dando-lhes visibi- lidade e contribuindo para sua irradiação. Território Escola é a concepção de esco- la que defendemos: uma escola viva, enrai- zada e crítica que se relaciona com o mun- do e na qual o conhecimento faz sentido. serviços públicos de atendimento a crian- ças e adolescentes. Assim, é muito importante o prota- gonismo dos agentes da escola e da co- munidade, pois a escola só potencializa o seu fazer articulando-se e complemen- tando-se com outros recursos, espaços e sujeitos presentes no território. O Programa Território Escola tem três propostas-chave: ● articular a atuação da escola às práticas culturais do território em que está inserida, buscando dar sentido às aprendizagens dos alunos; ● ampliar o letramento como ferramenta de base para o acesso ao conhecimento e à cidadania. ●somar esforços com outros espaços educativos da comunidade na perspectiva da educação e da proteção integral de crianças e de adolescentes. 5Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 5 29/01/2010 17:27:58
  6. 6. BÍBLIA. Latim. Mogúncia. 1462. Trata-se da primeira obra impressa na qual aparecem data, lugar e nomes dos impressores, Fust e Schoeffer (ex-sócios de Gutenberg), no colofão. É o incunábulo mais antigo da Biblioteca Nacional. Impressa sobre pergaminho, sendo as iniciais dos capítulos feitas à mão com tinta azul e vermelha. Figura 1 - Encadernação da Bíblia da Mogúncia Figura 2 - Bíblia da Mogúncia - página em pergaminho com a marca do impressor Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 6 29/01/2010 17:27:58
  7. 7. 7Entre na roda - Introdução Até o século XVIII, o livro era feito artesanalmente – por isso cada exemplar tinha características próprias, que manifestavam a criatividade e o es- mero do artista que o produzia, sendo apreciado não só pelo conteúdo, mas também por seus aspectos estéticos. Enquanto obra de arte, seu preço era ele- vado e sua circulação, restrita. Nas sociedades modernas, a função da escrita se modificou devido ao progresso tecnológico, ao acúmulo de conhecimen- tos e à necessidade de circulação de in- formações. O livro então passou de objeto de arte a produto de consumo e deixou de ser o principal suporte da escrita, pois esta passou a se valer de cartazes, jornais, fo- lhetins, revistas, meio eletrônico e outros. Da mesma forma, o leitor deixou de ser aquele que usufruía esteticamente do texto e do aspecto gráfico de uma obra, lendo- -a integralmente da primeira à última linha, para tornar-se um leitor mais rápido e flexí- vel, em face da diversidade de situações de leitura ao mesmo tempo impostas e propor- cionadas a ele pela vida moderna. Dada a transformação profunda ocor- rida ao longo dos séculos, é quase impos- De livros, leituras e leitores sível imaginar como seria a leitura – e o leitor – nas épocas precedentes, embora estudos feitos a partir de suportes, regis- tros e obras que sobreviveram ao tempo nos permitam visualizar um pouco a tra- jetória dessa relação sempre algo impre- visível entre o homem e o texto escrito. Ainda que os sumérios, há 4 mil anos a.C., já utilizassem a escrita e, nas anti- gas Grécia e Roma, parte da população tivesse acesso a ela, todo o conhecimento acumulado até a Idade Média era basica- mente transmitido de forma oral. Apesar de pensadores como Sócrates, Platão e Pitágoras valorizarem mais o pensamento vivo e o diálogo com os pares e com os discípulos como forma de transmissão e de construção do saber, parte desse co- nhecimento só chegou até nós porque foi registrado por escrito. Pode-se dizer que, na Antiguidade, o leitor, antes de tudo, era um ouvinte, já que a prática habitual eram as leituras públicas – realizadas ou pelo próprio autor, ou por um profissional da leitura. Essa era a forma pela qual leitores e não leitores entravam em contato com as diferentes obras produ- zidas, em função das dificuldades e da pre- Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 7 29/01/2010 17:27:59
  8. 8. 8 Entre na roda - Introdução cariedade das técnicas de registro manual. O escrito era visto como mero substituto do oral e, por isso, pouco valorizado. No entanto, descontadas as dificulda- des de registro, a reprodução de obras co- piadas dos originais fez aumentar o número de bibliotecas, fossem elas particulares ou públicas. O exemplo mais significativo des- se processo foi a criação da Biblioteca de Alexandria, no século III a.C., com um acer- vo de 500 mil obras da Antiguidade e a ins- crição na entrada: “Lugar de cura da alma”. Inicialmente as obras eram registradas sobre papiro (folha feita com fibras de uma planta originária do Egito) nos volumina – rolos sobre os quais o texto era escrito em estreitas colunas, sem espaço em branco entre as palavras. A leitura era dificultada pelo fato de que o leitor deveria segurar o vo- lumen com as duas mãos, desenrolando-o com uma delas e enrolando-o com a outra. Esse processo não permitia que ele anteci- passe o que vinha pela frente ou retornasse a trechos anteriores do texto como é possível fazer hoje. A leitura completa de uma obra era traduzida pela expressão latina “ad um- bilicum adducere”, que significa “ir de fora até o ‘umbigo’ (eixo/centro)” do volumen. Posteriormente, passou-se a utilizar o pergaminho (pele de animal, macera- da em cal, raspada e polida com pedra- -pomes), material mais flexível, menos raro e, portanto, mais barato. Além disso, per- mitia a escrita nos dois lados das folhas, que depois podiam ser dobradas e unidas em cadernos, constituindo um códice, o primeiro livro portátil. As invasões bárbaras, nos séculos V e VI d.C., acabaram por destruir o Império Romano e, com ele, os grandes centros de formação e concentração da cultura antiga. O mundo ocidental mergulhou num período em que a cultura letrada praticamente desa- pareceu, restringindo-se aos monastérios. A censura exercida pela Igreja Católica ao longo da Idade Média, aliada ao mono- pólio que detinha sobre a escrita, fez com que o livro se sacralizasse. Também a instrução passou para a tu- tela da Igreja. Dessa forma, o aprendizado da leitura, em latim, acabou se restringin- do aos jovens destinados à vida religiosa. Aos sete anos, esses meninos iam para a escola e recebiam ensinamentos, sobretu- do orais. Cabia à criança ouvir o mestre e memorizar o que a ela era ensinado, pois saber era “saber de cor”. Nos mosteiros, as obras aprovadas pela Igreja para reprodução eram manuscritas, num trabalho longo e paciente, por monges instalados no scriptorium, sala ampla e ilu- minada, com mesas sobre as quais ficavam todos os instrumentos necessários para có- pia e ilustração (iluminuras) dos textos. Nesse ambiente, pairava o murmúrio constante dos monges que necessitavam Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 8 29/01/2010 17:28:00
  9. 9. 9 Figura 3 - Livro de Horas em latim, 1588. Em pergaminho, um valioso livro medieval iluminado. Cena bíblica Figura 4 - Bíblia em latim, Veneza, 1480 - Capitular iluminada a ouro 9Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 9 29/01/2010 17:28:02
  10. 10. 10 Entre na roda - Introdução ler em voz alta os textos que copiavam, já que neles a escrita dirigia-se mais aos ou- vidos que aos olhos: não havia separação entre as palavras, e a pontuação e a or- tografia ainda não estavam normatizadas. Portanto, só pela oralização o leitor podia chegar ao significado do texto. Era raro encontrar um leitor silencioso e, em função disso, nos mosteiros havia ainda um aposento especial, destinado à leitura, para que o texto lido em voz alta não prejudi- casse a paz e o recolhimento dos religiosos. Somente no século X, a leitura silen- ciosa passou a ser usual no Ocidente. Santo Agostinho relata, espantado, a maneira extraordinária como San- to Ambrósio lia: “Quando ele lia, seus olhos perscrutavam a página e seu co- ração buscava o sentido, mas sua voz ficava em silêncio e sua língua quieta” (MANGUEL, 1997). Todavia, aos poucos, alterações técni- cas na diagramação do texto manuscrito foram sendo conquistadas. A adoção de um novo tipo de letra (carolina), mais le- gível que a gótica, a separação entre as palavras, a pontuação e a normatização da ortografia latina permitiram a criação de estratégias de leitura mais eficazes. A leitura visual, silenciosa, primeiro difun- dida nos mosteiros, foi ganhando as universi- dades e finalmente alcançou a aristocracia. Essairradiaçãodeumanovaformadeler demorou séculos para se efetivar e resultou de um grande processo de transformações econômicas e sociais, que conduziram a Europa de um sistema feudal para outro, mercantilista. A Igreja foi perdendo sua su- premacia espiritual e temporal; a educação ganhou um caráter laico; o ensino deixou de ser exclusivamente oral para contar com o apoio do livro como instrumento didático; e os intelectuais tornaram-se mais críticos e contestadores, à medida que foram tendo acesso a autores gregos e árabes. Cresceu a demanda por livros e, pa- ralelamente, aumentou a produção edi- torial, os livros ficaram mais acessíveis, passaram a ter uma nova configuração, apresentando paginação, sumário e lista- gem de abreviaturas, que facilitavam seu manuseio e compreensão. Esse cenário favoreceu o surgimento da imprensa na Europa. Na década de 1440, Gutenberg inventou uma técnica de impres- são com tipos móveis, utilizando-se de outras recentes conquistas – a fundição do chum- bo, a criação de tintas mais aderentes, a xilo- gravura, a impressão em tecido e o papel de origem chinesa. Na verdade, Gutenberg não foi o pri- meiro a utilizar o tipo móvel para im- pressão. Esse processo já era conhecido na Ásia bem antes de sua descoberta no Ocidente. Desde o século XI, a China utilizava o tipo móvel em terracota. A partir do século XIII, passou a utilizar caracteres de madeira, enquanto na Coreia os textos eram impressos com caracteres de metal. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 10 29/01/2010 17:28:03
  11. 11. 11Entre na roda - Introdução A partir da Bíblia de Gutenberg, a Igreja perdeu a função de intermediá- ria da palavra sagrada, já que se tornou possível ter acesso diretamente à palavra de Deus por meio da página impressa. Lutero e a Reforma Protestante surgiram no bojo dessa situação e apontaram para a necessidade de escolarização, que per- mitisse a todos ler a Bíblia. Mesmo depois da invenção de Guten- berg, as cópias manuscritas continua- ram tendo importância na circulação de vários gêneros, como panfletos po- líticos e informativos, trabalhos proibi- dos, composições poéticas e trabalhos eruditos, cujo acesso deveria ficar res- trito a um número limitado de leitores. Figura 5 - Mesa de trabalho do gravador – Oficina da Casa Literária do Arco do Cego, depois denominada Tipografia Calcográfica e Literária do Arco do Cego, criada em 1799 por D. Rodrigo Souza Coutinho com o objetivo de difundir as Luzes da Ciência e da Ilustração portuguesas. A tipografia publicou 83 títulos. A Oficina aglutinava várias funções ligadas a artes gráficas, tipografia, calcografia, com corpo próprio de gravadores. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 11 29/01/2010 17:28:03
  12. 12. 12 Entre na roda - Introdução Cresceu então o entusiasmo pela aprendizagem da leitura e, em alguns países, para superar a falta de escolas, aqueles que sabiam ler ensinavam aos que não sabiam. A partir do século XVII, a relação do leitor com o livro, antes centrada na Bíblia e em outras obras sacras, alterou- -se profundamente com a publicação de grande quantidade de obras profanas. Almanaques, calendários e contos popu- lares e amorosos faziam grande sucesso entre os mais pobres. Segundo José Juvêncio Barbosa (1990), nessa sociedade em mudança coexistiam dois tipos de leitores, que representavam duas concepções de leitura. Havia o leitor ainda preso à tradição oral, para quem o li- vro e a leitura eram instrumentos para man- ter unida a família em torno de mensagens religiosas e moralizantes. A essa leitura oral e coletiva contrapunha-se a do leitor solitário e silencioso, que lia todo e qualquer texto, e tratava a escrita como uma linguagem para os olhos, apreendendo de forma mais efi- ciente porções maiores de texto. O século XVIII representou um salto na di- reção da formação de um público leitor. A re- volução econômica, política e cultural da épo- ca, promovida pelo avanço tecnológico e pelo pensamento crítico e racional de filósofos do Iluminismo, resultou numa crescente amplia- ção das oportunidades de acesso ao saber. A partir da invenção da imprensa, as técnicas de reprodução gráfica se desenvolveram ra- pidamente, tornando possível publicar obras dos mais diferentes gêneros, escritas por au- tores de todos os segmentos sociais. Houve, também, uma disseminação da habilidade de ler, graças à ampliação da escolaridade para uma faixa maior da população. Até a metade do século XVIII, as publi- cações de caráter romanesco, que mais circulavam socialmente, não costumavam trazer o nome dos autores estampado na página de rosto. Isso se devia em parte à má fama dos romances – vistos como uma forma inferior de literatura e como capazes de corromper moralmente, so- bretudo as leitoras –, em parte ao caráter passageiro da maioria dessas obras. Os escritores viviam sob a proteção de um aristocrata ou acabavam se envolven- do em atividades ilegais, como o contra- bando de livros. Não existia, portanto, a “profissão” de escritor. Esses costumavam vender seus originais a um editor, que muitas vezes lhes pagava parte em dinhei- ro, parte em livros, que os autores podiam comercializar por conta própria. Não havia “direitos autorais” – os lucros ficavam com o editor. Só mais tarde, em 21 de julho de 1793, a França revolucionária promulgaria uma lei que reconhecia a noção de pro- priedade literária, conferindo certidão de batismo ao autor moderno. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 12 29/01/2010 17:28:05
  13. 13. 13Entre na roda - Introdução Outro tipo de obra que também fez su- cesso nesse período foi a literatura peda- gógica e infantil, voltada para a formação moral e a educação das crianças. Essas obras, carregadas das ideias de Rousseau – de que o homem é naturalmente bom e a sociedade é que o corrompe –, preocu- pavam-se em orientar os pais para educar a mente e o coração dos pequenos, tendo em vista torná-los cidadãos úteis e felizes. Ainda no século XVIII, consolidou-se em alguns países da Europa uma nova forma de circulação de textos, que atendia a duas ne- cessidades básicas: oferecer conteúdos mais leves, menoseruditos, epropiciarinformações sobreosacontecimentoscotidianos.Osjornais ganharam espaço enquanto suporte de dife- rentes gêneros discursivos: notícias, anúncios publicitários, curiosidades, fofocas etc. O primeiro “jornal” de que se tem no- tícia – a Acta diurna – surgiu em Roma, em 59 a.C., por inspiração de Júlio Cé- sar. Desejando tornar públicos os mais importantes eventos e acontecimen- tos sociais e políticos, César ordenou que esses fatos fossem divulgados nas principais cidades por meio das Acta. Escritas sobre placas brancas coloca- das em lugares públicos, como as ter- mas, as Acta informavam os cidadãos sobre campanhas militares, escândalos no governo, julgamentos e execuções, casamentos, óbitos e nascimentos. As informações que constavam das Acta eram colhidas por “repórteres” nomea- dos pelo Estado, chamados de “actuarii”. Em 1761, Rousseau lançava Julie ou La nouvelle Héloïse, o grande best-seller do século. Pelo sucesso alcançado pelo romance, pode-se atribuir a seu autor o surgimento do culto ao escritor. Esse romance, que já antecipava o Romantismo, foi responsável por uma enxurrada de lágrimas, desmaios e sui- cídios entre os(as) leitores(as) da época. Nele, Rousseau retoma a situação vi- vida por Abelardo e Heloísa, um casal de amantes da Idade Média que teve seu amor violentamente combatido pelo tio da moça e pelos preconceitos da época, para construir personagens porta-vozes de suas ideias. Escrito na forma de cartas – 163 ao todo –, o romance conta a história de uma jovem nobre, Julie d’Étanges, que se enamora de seu preceptor, o jovem e pobre Saint-Preux. A diferença social é o grande obstáculo ao amor dos dois, mas, mesmo separados, o sentimento entre eles se mantém. O sucesso de La nouvelle Héloïse foi tão grande que a quantidade de livros impressos não foi suficiente para aten- der à demanda de tantos leitores inte- ressados. Isso fez com que os livreiros passassem a alugar os livros por dia e até por hora. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 13 29/01/2010 17:28:10
  14. 14. Figura 6 - Tradução guarani, feita no século XVIII, da 1ª catequese dos índios selvagens pelos padres da Companhia de Jesus, 1733 14 Entre na roda - Introdução Do século XVIII, palco de tantas trans- formações, até nossos dias, a função da escrita na sociedade se alterou profunda- mente e, em consequência disso, o ato de ler assumiu novas dimensões. O novo leitor lê apenas pequenas porções de tex- tos que lhe são ofertados. Como aponta BARBOSA (1990, p. 109), “grande parte da leitura diária das pessoas é constituída de atos exploratórios onde o leitor desta- ca os segmentos relevantes para obter a informação que deseja”. Trata-se, nesse caso, de uma leitura seletiva. A palavra escrita se popularizou cada vez mais e acabou se tornando um meio co- mum de comunicação a distância entre as pessoas. O modo como se lia também mu- dou. Se até a metade do século XVIII a lei- tura era mais intensiva – poucos textos lidos repetidas vezes, com profundidade, e parti- lhados em família e em reuniões sociais –, a partir de 1750 ela se tornou mais extensiva, resultando no ato de ler voltado para grande quantidade de matéria impressa – fato que elegeu os romances e jornais como mate- riais privilegiados e mais consumidos. Dessa forma, os textos passaram a ser lidos uma única vez, com o objetivo de obter entretenimento e informação. O Romantismo, movi- mento literário do século XIX, ao afirmar o texto li- terário como algo original, resultado da criatividade e da expressão íntima de um indivíduo, difundiu definitivamente a ideia de autoria. Assim, rompeu- -se com a visão da tradi- ção medieval e clássica, que via os atos de escrita – literários ou não – como reescrita pela retomada ou imitação de textos já consagrados. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 14 29/01/2010 17:28:10
  15. 15. 15Entre na roda - Introdução O Livro e a leitura no Brasil A descoberta do Brasil pelos portu- gueses e sua consequente colonização transportaram para nosso país a língua e a cultura de um povo que, bem ou mal, já se inseria em todo um processo que impul- sionava a Europa na direção de uma nova ordem social e econômica. Dada a extensão da nova terra, a coloni- zação se fez de forma lenta, restringindo-se, sobretudo, a pontos do litoral, onde se forma- ram, durante o século XVI, algumas poucas vilas destinadas a receber os governantes que Portugal enviava para garantir a posse da terra. Com eles, aqui aportaram os que vinham povoar a colônia; cuidar da conver- são do gentio; cumprir pena de desterro, por crimes cometidos na metrópole; ou simples- mente se aventurar em busca de riquezas. As condições que cercaram os primeiros séculos de nossa vida colonial foram respon- sáveis pela fragilidade na constituição de prá- ticas culturais que levassem à formação de leitores. Os poucos escritos que circularam aqui–vindosdePortugal–vinculavam-se,so- bretudo, a questões práticas: a administração da nova terra e a catequização dos nativos. E o que aqui foi produzido não teve impacto na formação de uma cultura letrada, pois ficou restrito a pequenos grupos e só alguns desses textos foram publicados na Europa. Esse é o caso dos relatos de viajantes, dos poemas de elogio à terra recém-descoberta e das crôni- cas de acontecimentos memoráveis e de de- fesa da terra contra as invasões estrangeiras. Como marco dessa época, pode-se citar José de Anchieta, um dos poucos a criar uma obra de real valor literário, como só acontece- ria mais tarde, já no século XVII, com autores como o padre Antônio Vieira e Gregório de Matos. Este último, apesar da qualidade de sua obra poética, só teve seus poemas im- pressos em meados do século XIX. Até então, eles circularam em manuscritos feitos pelo autor ou em cópias transcritas por terceiros. Gregório de Matos, poeta baiano nas- cido em 1636, viveu muitos anos em Portugal, onde se formou em Leis. Vol- tando à Bahia, levou uma vida irregu- lar, pontuada por escândalos, prisão e até exílio na África. Escreveu poemas líricos, religiosos e satíricos, mas nun- ca conseguiu imprimi-los; tornou-os públicos declamando-os ou oferecendo seus manuscritos a amigos e admirado- res. Os ataques impiedosos à sociedade baiana, ao clero e às altas autoridades da época – tratados com ironia e debo- che em seus versos satíricos – rende- ram-lhe o apelido de “Boca do Inferno”. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 15 29/01/2010 17:28:10
  16. 16. Figura 7 - Carimbo da Biblioteca Nacional 16 Entre na roda - Introdução No século XVIII, a descoberta de ouro e diamantes, principalmente na região de Minas Gerais, provocou o deslocamento do eixo político-econômico para o sul. A capital do Brasil foi transferida para o Rio de Janeiro e o governador-geral tornou-se vice-rei. Com isso, tanto a vida urbana teve grande impulso, como se criaram condi- ções para que florescessem, sobretudo na capitania de Minas Gerais, importan- tes manifestações culturais na arquite- tura, pintura, escultura, música e litera- tura. Foi nesse contexto que um grupo de intelectuais ligados ao movimento da Conjuração Mineira veio a produzir um conjunto de obras reveladoras de uma maturidade que caminhava para a afir- mação de nossa autonomia literária e para a crescente conquista de um público leitor ainda bastante incipiente. Basílio da Gama, Silva Alvarenga, Alvarenga Peixoto, Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga são alguns dos poetas que mar- caram esse momento. Tomás Antônio Gonzaga, autor de li- ras dedicadas a sua amada Marília, foi o primeiro a representar em seus poe- mas a relação entre a mulher e o livro, entre a leitora e a literatura. LIRA III (...) Enquanto revolver os meus consultos, Tu me farás gostosa companhia, Lendo os fatos da sábia mestra História E os cantos da poesia. Lerás em alta voz a imagem bela, Eu, vendo que lhe dás o justo apreço, Gostoso tornarei a ler de novo O cansado processo. (...) A Lira III (trecho acima) insere-se na terceira parte da obra Marília de Dirceu, escrita quando Gonzaga já se achava preso e aguardava a sentença pela par- ticipação na Conjuração Mineira. Nela, o poeta inclui a leitura no cotidiano do- méstico, numa cena – nunca realizada – em que projeta a futura vida ao lado da amada. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 16 29/01/2010 17:28:11
  17. 17. Figura 8 - Ex-libris da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro 17Entre na roda - Introdução Em 1747, contrariando as autoridades portuguesas, Isidoro da Fonseca, um dos principais tipógrafos de Lisboa,veio para o Brasil, a convite do governador do Rio de Janeiro e de Minas Gerais – Gomes Freire de Andrade –, para instalar uma oficina de impressão no Rio. A experi- ência durou pouco. Assim que as auto- ridades portuguesas souberam do fato, Fonseca foi obrigado a fechá-la. Rompendo com essa tradição, o ano de 1808 teve fundamental importância para a história da leitura no Brasil. Com a chegada da família real portuguesa, a então colônia começou a conquistar gra- dativamente condições para sua inserção no mundo das letras. Logo que chegou ao Rio de Janeiro, o príncipe regente D. João VI tomou uma sé- rie de medidas visando aparelhar a cidade para torná-la compatível com a nova função de sede da corte portuguesa. Entre essas medidas, aquelas que mais diretamente afetaram o processo de for- mação de leitores no Brasil foram: a cria- ção de escolas superiores, a fundação da Biblioteca Real e a autorização para o fun- cionamento da imprensa no Brasil. Antes da chegada de D. João VI, os jovens das famílias ricas, após os estudos iniciais aqui realizados, costumavam ir a Portugal para frequentar a universidade e, de lá, retornavam formados principal- É certo que, nos três primeiros sécu- los de colonização, a imprensa inexistiu no Brasil, fato que acabou dificultando bastante a difusão de práticas de leitura mais intensas e consistentes entre nós. Qualquer escrito produzido na colônia deveria obter autoriza- ção real para ser publicado na metrópole ou permanecer sob a forma de manuscrito. A restrição à impressão de obras na co- lônia deveu-se ao conservadorismo adminis- trativo, que julgava perigosa a circulação de textosquepudessemdespertarideiascontrá- rias aos interesses da metrópole. Condicionar a publicação de uma obra à aprovação da censura eclesiástica e régia era uma forma de conter qualquer ímpeto libertário. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 17 29/01/2010 17:28:12
  18. 18. 18 Entre na roda - Introdução blioteca foi aberta ao público em 1814, com 50 mil livros impressos em línguas antigas e modernas, preciosos manuscritos, cópias de estampas, mapas e curiosidades biblio- gráficas. Todavia, cronistas estrangeiros da época relatam que o acervo, composto por obras predominantemente clássicas, era de- satualizado e, embora o atendimento fosse primoroso, o público frequentador era ainda muito reduzido. Com o passar do tempo, o acervo foi se atualizando e ampliando, mas nunca chegou a contar com uma frequência expressiva, o que denotava pouca intimida- de dos brasileiros com os livros. A terceira medida tomada por D. João VI talvez tenha sido a mais importante para a nossa história de leitura: a carta régia que autorizava a impressão no Brasil e a con- sequente criação da Imprensa Real rom- peram com três séculos de proibição e de controle autoritário sobre a publicação dos escritos aqui produzidos. O primeiro prelo foi trazido ao Brasil por acaso. Tudo se deveu à fuga precipi- tada da corte portuguesa para o Rio de Janeiro, em função do avanço das tropas de Napoleão. Pouco antes, Portugal en- comendara à Inglaterra uma tipografia completa,queseriainstaladanaSecreta- ria de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra. Esta se achava ainda encaixo- tada na Alfândega de Lisboa. Quando se deu o embarque da família real, o prelo foi colocado nos porões da fragata Medu- sa, um dos navios da esquadra régia. mente em Leis ou em Medicina. Com as invasões napoleônicas e a fuga da família real, essa possibilidade estava descartada. Havia, portanto, necessidade de es- colas aqui que pudessem formar esses jovens. Assim, D. João VI criou duas es- colas de Medicina (uma no Rio e outra na Bahia); a Real Academia Militar para o ensino de Ciências Matemáticas, Militares e Naturais; e transferiu para a corte a Real Academia Naval, onde se estudavam Ciências Matemáticas e Físico-Matemáticas, Artilharia, Navegação e Desenho. Dessa forma, D. João VI procurava evitar o êxodo de futuros intelectuais, médicos e cientistas e garantir também quadros que pudessem compor o exército e a armada, forças que deveriam manter a segurança do território brasileiro e da família real. Além dessa medida, o príncipe regente tratou de oferecer à cidade uma biblioteca comparável às europeias. Nas 55 embarca- ções da esquadra portuguesa que trouxe a família real ao Brasil, acomodaram-se, sem nenhum conforto, as figuras mais ilustres da corte portuguesa com seus respectivos bens. Entre os pertences da família real vie- ram livros do vasto e raro acervo de D. João VI, que aqui foram instalados no Hospital da Ordem Terceira do Carmo, onde passou a funcionar a Biblioteca Real. Organizada por dois intelectuais da épo- ca, Joaquim Damaso e José Viegas, a bi- Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 18 29/01/2010 17:28:15
  19. 19. 19Entre na roda - Introdução Mesmo assim, a imprensa continuou a ser monopólio da coroa; somente a Bahia teve licença para instalar outro prelo; os de- mais, surgidos no Rio de Janeiro, foram con- siderados ilegais e apreendidos pela polícia. Além da publicação de atos e procla- mações do Estado, a Imprensa Régia pa- trocinou jornais como a Gazeta do Rio de Janeiro, criada em 1808, espécie de diário oficial da época, e O patriota, jornal literário que contou com a colaboração dos intelec- tuais mais ilustres de então. Publicou tam- bém sermões, folhetos contra a França, que invadira Portugal, e obras literárias. Com a criação da Real Academia Militar e a fundação das escolas de Medicina, além datransferênciaparaoRiodeJaneirodaReal Academia Naval, surgiu a demanda por livros didáticos, que, quantitativamente, passaram a constituir a parte mais importante do catálo- go de publicações da Imprensa Régia. Apesar do número crescente de pu- blicações, a Imprensa Régia vivia em di- ficuldades financeiras. Para superá-las, D. João VI autorizou que a ela se ane- xasse, em 1811, uma fábrica de bara- lhos e procurou criar mecanismos para impedir a concorrência de material es- trangeiro contrabandeado. Como a cidade crescia, graças à pre- sença da corte e à intensificação de negó- cios com outros países, especialmente a Inglaterra, aumentou a procura por livros. Como a Imprensa Régia, sozinha, não dava conta de produzi-los, houve necessidade de se recorrer à importação, o que fez surgirem novas livrarias, que, de duas (1808), passa- ram a doze (1816). O Brasil e mais especificamente o Rio de Janeiro, sede da monarquia, lentamen- te começavam a apresentar as condições mínimas necessárias para a formação e o fortalecimento de uma sociedade leitora. De 1808 a 1840, em que pese a todas as dificuldades, percebiam-se avanços: já se contava com tipografias, livrarias e bibliotecas, ainda que poucas; a escola- rização, embora precária, expandia-se; a cafeicultura começava a despontar como uma fonte segura de riqueza econômica; e o Brasil, estimulado pelos investimentos britânicos, inseria-se lentamente no pro- cesso capitalista. Paralelamente a esse desenvolvimen- to, ocorria a afirmação progressiva da literatura brasileira, por meio de movi- mentos como o Romantismo, o Realismo, o Naturalismo, o Parnasianismo e o Simbolismo, que reuniram um conjunto expressivo de poetas e escritores. Porém, o surgimento de condições estruturais para que as obras desses autores fossem editadas de forma a atingir um público significativo foi um processo longo e len- to. Poucos eram os editores e, muitas ve- zes, a edição de uma obra dependia das Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 19 29/01/2010 17:28:18
  20. 20. 20 Entre na roda - Introdução benesses do Estado e de apadrinhamen- tos. Além disso, o número de leitores era muito pequeno – o censo de 1890 apon- tava mais de 70% de analfabetos. Parte dos que sabiam ler preferia romances de caráter folhetinesco traduzidos principal- mente do francês e que circulavam em jornais e revistas ou em edições baratas. Na falta de livrarias onde pudessem expor suas obras para a venda, muitos autores as anunciavam pelos jornais, ou as colocavam para vender em lojas e boticas. Segundo depoimentos, Joaquim Ma- nuel de Macedo e José de Alencar man- davam vender suas obras, de porta em porta,por um escravo que as transporta- va num balaio, como se fossem frutas. Para garantir a sobrevivência, restava aos escritores da época empregarem-se como funcionários públicos, jornalistas, tradutores ou professores. Publicar suas obras em jor- nais era outra forma de se tornar conhecido e de atingir um número maior de leitores. Aliás, muitos autores de renome, como Manuel Antônio de Almeida, Machado de Assis e Lima Barreto, antes de verem suas obras edi- tadas em livros, tiveram de publicar muitas delas, capítulo a capítulo, em folhetins. Não raro os escritores apelavam também para a produção de livros didáticos, que, ten- do destino certo, eram economicamente mui- to mais rentáveis, já que, entre os problemas estruturais que exigiam solução urgente, esta- va a escolarização de crianças e jovens. Apesar da preocupação de D. João VI em criar escolas de ensino superior, o sistema educacional no Brasil estava desmantelado desde 1759, quando, por ordem do mar- quês de Pombal, os jesuítas foram expulsos do Brasil, ficando a educação ao deus-dará. As aulas eram frequentemente parti- culares e avulsas, abordando, sobretudo, Latim e Português; o ensino era esparso e sem direção. Em 1821, um decreto real permitiu a qualquer cidadão, mesmo sem se licenciar, ministrar ensino e abrir escolas primárias. Tal medida, se por um lado pos- sibilitou o aumento do número de escolas, por outro trouxe para a educação uma sé- rie de pessoas despreparadas, alheias aos Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 20 29/01/2010 17:28:19
  21. 21. 21Entre na roda - Introdução A realidade da escola brasileira da época é descrita com tintas carregadas por muitos escritores nacionais, como Manuel Antônio de Almeida, em Me- mórias de um sargento de milícias: “Foi o barbeiro recebido na sala que era mobiliada por quatro ou cinco longos bancos de pinho sujos já pelo uso, uma mesa pequena que pertencia ao mestre, e outra maior onde escreviam os discípulos, toda cheia de pequenos buracos para os tinteiros; nas paredes e no teto havia penduradas uma porção enorme de gaiolas de todos os tamanhos e feitios, dentro das quais pulavam e cantavam passarinhos de diversas qualidades: era a paixão predileta do pedagogo. Era este um homem todo em proporções infinitesimais, baixinho, magrinho, de carinha estreita e chupada, excessivamente calvo; usava de óculos, tinha pretensões de latinista, e dava bolos nos discípulos por dá cá aquela palha. Por isso era um dos mais acreditados da cidade. (...) chegaram os dois exatamente na hora da tabuada cantada. Era uma espécie de ladainha de números que se usava então nos colégios, cantada todos os sábados em uma espécie de cantochão monótono e insuportável, mas de que os meninos gostavam muito. (...) o mestre, acostumado àquilo, escutava impassível, com uma enorme palmatória na mão, e o menor erro que algum dos discípulos cometia não lhe escapava no meio de todo o barulho; fazia parar o canto, chamava o infeliz, emendava cantando o erro cometido, e cascava-lhe pelo menos seis puxados bolos. ” avanços pedagógicos e novos métodos, já utilizados com sucesso em outros países, e sem recursos materiais que lhes permi- tissem adquirir livros, em função de sua raridade e preço elevado. Como consequência disso, o projeto bur- guês de tornar a leitura universal foi, mais uma vez, adiado entre nós. Isso foi tão mais grave quando se pensa que a escola, nesse projeto, era o espaço de iniciação à leitura e de seu desenvolvimento. Embora a Constituição de 1824, outor- gada por D. Pedro I, anunciasse instrução primária gratuita a todos os cidadãos, na prática pouco se realizou no sentido de al- cançar esse objetivo. O próprio imperador, pouco depois, passou às províncias a res- ponsabilidade pelo ensino primário e se- cundário, ficando a coroa responsável pelo ensino superior em todo o território e pelo ensino inicial e secundário na capital. Como as províncias não dispunham de orçamento que garantisse o cumprimento da lei, a edu- cação acabou atravessando o império na mesma situação de precariedade que havia na época colonial. Poucos foram os avanços no sentido de garantir educação básica às camadas popu- lares. E durante muito tempo a escola conti- nuaria a ser um lugar desagradável, em que a aprendizagem, fundamentada na memori- zação e permeada por castigos, era uma ver- dadeira tortura. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 21 29/01/2010 17:28:20
  22. 22. 22 Entre na roda - Introdução Na segunda metade do século XIX, para fazer frente ao despreparo dos que se dis- punham a dar aulas e à falta de material didático que os subsidiasse nessa tarefa, a educação de crianças e jovens teve de se valer de livros e métodos importados de Portugal, como os dos poetas Antônio Feliciano de Castilho e João de Deus. Em ambos, a proposta pedagógica procurava valorizar o envolvimento do educando, a afetividade e a empatia como estratégias para alfabetizar, de forma lúdica e eficien- te. Tanto um como outro fizeram grande sucesso, em parte graças ao próprio valor pedagógico da obra – por ser inovadora e atender às necessidades de um mercado carente –, em parte devido à utilização de influências políticas que lhes renderam grande publicidade. Castilho preconizava que o mestre tivesse uma postura gentil e toleran- te, permitindo aos educandos partici- parem das aulas de forma prazerosa, rindo, comentando e até mesmo gra- cejando (sem excessos), pois isso lhes garantiria tomar gosto pelo estudo e os predisporia a produzir mais. Já João de Deus, com sua Cartilha ma- ternal, defendia o ensino de palavras contextualizadas – em oposição ao en- sino do abecedário –, alertando os mes- tres e as famílias, sobretudo as mães, de que o ensino tradicional constituía uma violência contra os cérebros infan- tis, podendo prejudicá-los para o resto da vida. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 22 29/01/2010 17:28:20
  23. 23. Figura 9 - Província do Brasil - mapa manuscrito e aquarelado por João Teixeira Albernaz, 1666 (finalidade estratégica das cartas geográficas) 23Entre na roda - Introdução ses por outros, de autores nacionais, como modelos de boa escrita. Mas, sem dúvida, a grande revolução no mercado editorial foi provocada por Monteiro Lobato, já no início do século XX, ao perceber precocemente de que maneira se daria a profissionalização do escritor no mundo moderno. Monteiro Lobato, em 1918, imprimiu na gráfica do Estado seu primeiro volume de contos – Urupês –, que foi um sucesso comercial, vendendo mil exemplares em um mês e atingindo, até 1923, 30 mil vo- lumes vendidos. Essa obra se contrapunha à literatura parnasiana, em voga na época, apresentando a vida interiorana de forma crítica e sem idealismos, chamando o País a despertar para a própria realidade. Urupês representou para Lobato a desco- berta da publicidade como valor que impul- sionava o mercado editorial. Seu Jeca Tatu, citado por Rui Barbosa em um discurso na campanha presidencial, tornou-se nacional- mente conhecido. Mais tarde, reconhecendo que a preguiça de Jeca se devia aos parasitas que o infestavam, lançou, em parceria com a empresa Fontoura & Serpe, um livrinho que orientava sobre a prevenção de doenças pa- rasitológicas. A tiragem desse livreto, distribu- ído gratuitamente pelo laboratório, alcançou mais de 6 milhões de exemplares, um núme- ro astronômico para a época. Além de criar editoras e valorizar novos autores, Lobato tinha percepção de mer- O êxito de Castilho e de João de Deus acendeu ainda mais o ânimo dos nossos escritores que reivindicavam havia muito tempo livros didáticos nacionais, compos- tos com textos de autores brasileiros. Por um lado, essa defesa era justa, se vista pelo prisma de uma nação que, acaban- do de se tornar independente, desejava afirmar seus valores e criticava nos livros escolares importados a distância entre seu conteúdo e a realidade vivida pelas crianças e jovens brasileiros que os uti- lizavam. Por outro lado, o mercado edi- torial voltado para a escola era um filão importante e poderia garantir a muitos de nossos autores, além da sobrevivência, a fama e o reconhecimento. Nesse sentido, Abílio César Borges, o barão de Macaúbas, inaugurou, já no final do século XIX, a presença do autor brasilei- ro no mercado do livro didático, ao compor obras destinadas a todas as séries do ensi- no primário e secundário. Grandes escrito- res brasileiros estudaram nesses compên- dios e lembram-se deles de forma negativa, como Graciliano Ramos. Outros tomaram o autor como referência obrigatória em ter- mos de educação: Raul Pompeia inspirou- se no pedagogo Macaúbas para criar o per- sonagem Aristarco, diretor do Ateneu. A partir de então, o livro didático brasilei- ro foi gradativamente substituindo, em anto- logias e seletas, os textos clássicos portugue- Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 23 29/01/2010 17:28:22
  24. 24. 24 Entre na roda - Introdução Emília comunista! Em plena ditadura do Estado Novo, e aos 59 anos, Lobato foi preso. Não só pela campanha em defesa do petró- leo, como também por ter despertado a simpatia das crianças por uma per- sonagem irreverente e “subversiva”: a boneca Emília. O padre Sales Brasil lançou alguns anos depois um livro chamado A litera- tura infantil de Monteiro Lobato ou co- munismo para crianças. Segundo o au- tor, Lobato negava a hierarquia social, a independência da pátria, o respeito aos pais e o direito à propriedade, além de contestar a existência e as leis de Deus, por meio dos personagens do Sítio do Picapau Amarelo. Mas o maior de todos os pecados era Emília ser apresentada às crianças como uma “divorciada”, e isso de forma muito natural! Apesar de toda a repercussão das obras de Monteiro Lobato e da relativa disseminação da leitura enquanto práti- ca social, a escola não acompanhou esse movimento, já que se perdeu na cons- tante discussão de métodos de ensino e planos nacionais de educação que, des- de sempre, estiveram voltados mais para o ensino da elite, ignorando a educação das classes populares. Basta lembrar que, chegando ao Brasil, D. João VI in- vestiu em cursos superiores quando a educação básica estava totalmente des- mantelada e assim permaneceu ao longo de todo o império e de boa parte do pe- ríodo republicano. Apesar de os grandes debates em torno da democratização da cado e inovou superando o problema da distribuição – em 1918, havia apenas 30 livrarias concentradas nas capitais –, ao colocar seus livros em consignação em bancas de jornal, papelarias, farmácias e armazéns em todo o País, conseguindo assim estabelecer 2 mil pontos de venda. Segundo ele, editar era fazer “psico- logia comercial”. Por isso, preocupava-se com a aparência do livro (a diagramação, a cor da capa, ilustrações de boa qualida- de, tipos de letra mais legíveis etc.), com títulos mais instigantes e com a divulga- ção, chegando a publicar anúncios de página inteira em jornais da época. Em 1920, Lobato conquistou outra vi- tória, quando se lançou na literatura infan- til com A menina do narizinho arrebitado, numa tiragem de mais de 50 mil exem- plares. Distribuiu 500 exemplares pelas escolas públicas de São Paulo e o livro fez tanto sucesso entre as crianças que logo o presidente do estado, Washington Luís, encomendou mais 30 mil exemplares. Com Monteiro Lobato, a literatura infan- til ganhou a marca da brasilidade e passou a ser considerada no País. Abriu caminho para se firmar enquanto gênero comercial- mente viável, capaz de seduzir e encantar um público até então relegado a segundo plano: em fins de 1925, já circulavam 250 mil exemplares da obra infantil de Lobato. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 24 29/01/2010 17:28:22
  25. 25. 25Entre na roda - Introdução escola resultarem em projetos e leis, na prática eles não se efetivaram. Na sociedade burguesa, a escola é um dos pilares de sustentação para a universalização da leitura. No caso do Brasil, a democratização do acesso à escola é bastante recente. A partir da década de 1980, as discussões e ações no sentido de estender a escolarização a todos ganham maior impulso. Mas se por um lado a escola se abre como pos- sibilidade de elevação sociocultural para muitos, por outro ela continua ainda a ex- cluir parcelas significativas de seus usu- ários, seja pela evasão, seja pela reten- ção. Qualitativamente, a escola até hoje não conseguiu se organizar para oferecer uma educação cidadã, atendendo a toda a população em igualdade de condições. Do ponto de vista do acesso à leitura e da formação de leitores, é inegável que houve progressos nesses cinco séculos de Brasil. Contudo, o espessamento das prá- ticas de leitura tem ocorrido num processo sinuoso de avanços e recuos constantes, o que nos coloca sempre em defasagem em relação a países que, desde o século XVIII, assumiram a escolarização como condição de progresso material, social e humano. Falta-nos a formulação de políticas educacionais que efetivamente promo- vam o ensino da leitura e da escrita, o que passa pela existência e expansão de uma rede escolar eficiente, pela criação e apoio a instituições que democratizem o acesso aos livros, bem como pela funda- ção e fortalecimento de organismos que disseminem e defendam essa política. Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 25 29/01/2010 17:28:25
  26. 26. 26 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 26 29/01/2010 17:28:26
  27. 27. N Figura 10 - Sobre alfabetos e a escrita - Pierre Vander Aa, 1659-1733 27Entre na roda - Introdução as sociedades letradas, qual- quer que seja o campo de atua- ção do indivíduo, a necessidade da leitura e da escrita é cada vez maior. Essa exigência é ainda mais contundente no que diz respeito à leitura, já que estamos imersos num universo de mensagens escri- tas: os letreiros de ônibus, as placas de rua, os folhetos de propaganda, os cartazes, os impostos e demais contas – com que nos defrontamos a todo o momento –, os jor- nais, os manuais de instrução, a internet, os textos dos livros didáticos etc. Saber ler, portanto, é indispensável para a efetiva in- serção do indivíduo na sociedade. Mas não se trata de qualquer leitura, nem de qualquer leitor. De que leitura es- tamos falando? Concepção de leitura Consideramos que ler não se refere ao simples ato de decifrar o código escrito, nem de apenas saber localizar e repetir conteúdos específicos de um texto, numa leitura linear e literal. É importante desta- car essa ideia, pois durante muito tempo se acreditou que bastava estar alfabetiza- do ou ser capaz de repetir o que estava escrito para se compreender qualquer texto. Hoje sabemos que um bom leitor é aquele que sabe utilizar procedimentos de leitura, de modo a reconstruir os senti- dos do texto, dialogar com ele, concordar, discordar etc. Um texto é sempre o resultado das experiências do autor à época de sua Leitura, uma prática social Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 27 29/01/2010 17:28:31
  28. 28. produção, isto é, de sua maneira de ver o mundo, de suas expectativas, crenças, valores, dos conhecimentos de que dis- punha naquele momento, das influências que recebeu. A leitura desse texto também é fruto das experiências e conhecimentos de que dispõe o leitor e do momento histórico em que ocor- re a leitura. Portanto, nem sempre ao sentido pretendido pelo autor correspondem os senti- dos atribuídos por seus possíveis leitores, ain- da que autor e leitores dominem uma mesma língua e vivam num mesmo tempo. Ler não é um processo linear; e um mesmo texto possibilita diferentes leituras, ainda que lido por pessoas que comparti- lhem um mesmo momento histórico. Por mais modeladas que sejam as várias for- mas de discurso, a história de leitura de cada um está presente na sua manifesta- ção individual, fazendo parte da história de leitura do mundo. Quando um sujeito interage verbal- mente com outro, o discurso se organiza a partir das finalidades e intenções desse locutor, das apreciações que faz de seu interlocutor e de seu tema, por exemplo, dos conhecimentos ou crenças/valo- res que acredita que o interlocutor pos- sua, do que supõe serem suas opiniões e convicções, simpatias e antipatias, da relação de afinidade e do grau de familia- ridade que ambos têm, da posição social e hierárquica que ocupam. Vale assinalar aqui que o discurso, quando produzido, manifesta-se lingüisticamente por meio de gêneros orais ou escritos, motivados justamente por esses condicionantes. Segundo BAKHTIN 1 (1929/1990), os textos que produzimos, orais ou escritos, são formas de dizer que se originam das necessidades criadas em diferentes esfe- ras da comunicação humana. Essas for- mas de dizer (oralmente ou por escrito) não são inventadas a cada vez que nos comunicamos, mas estão à nossa dis- posição, circulam nos diferentes meios sociais, tenhamos ou não consciência delas. Quando nos comunicamos, nas mais diversas situações, utilizamos essas formas, que possuem características pró- prias e relativamente estáveis. Essas ca- racterísticas configuram diferentes gêne- ros discursivos que podem ser definidos por três aspectos básicos coexistentes: seus temas (o que é dizível ou pode se tornar dizível, por meio do gênero), sua construção composicional (forma parti- cular dos textos pertencentes ao gênero) e seu estilo (seleção feita pelo autor de recursos da língua – de vocabulário e gra- maticais –, tendo em vista o gênero). 1 Mikhail Mikhailovitch Bakhtin (1895-1975), teórico russo, desen- volveu, entre outras, pesquisas na área de Língua. Construiu uma nova concepção de linguagem, rompendo com as correntes que tratavam a língua como um fenômeno separado do universo social e histórico. Considerava que a linguagem resulta de um esforço histórico coletivo de caráter dialógico e interacional. 28 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 28 29/01/2010 17:28:32
  29. 29. Gêneros são formas de enunciados produzidos historicamente, que se encontram disponíveis na cultura. Fa- zemos uso de gêneros discursivos que nos foram transmitidos histórica e so- cialmente, o que não quer dizer que não seja possível transformar esses gê- neros, ou que outros não sejam criados, de acordo com as novas necessidades culturais de interação verbal que sur- gem historicamente. O estudo dos diversos gêneros discur- sivos que circulam socialmente entre nós não somente amplia as capacida- des linguísticas e discursivas dos leito- res, mas também aponta-lhes inúme- ras formas de participação social que eles podem ter como cidadãos, usando a linguagem. O gênero discursivo é um instrumen- to com o qual é possível exercer uma ação linguística sobre a realidade, am- pliando as capacidades do usuário e o próprio conhecimento sobre o gênero – carta de reclamação, carta familiar, ar- tigo de opinião, conto da tradição oral, notícia etc. Figura 11 - Folhinha do Povo - capa 29Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 29 29/01/2010 17:28:33
  30. 30. e começa a ler. Trata-se de um instigante romance policial, sua leitura favorita. Ela envolve-se de tal forma na leitura que qua- se perde a estação onde deveria descer. Na sala de aula, várias crianças, reu- nidas em pequenos grupos, conversam sobre um conto de fadas que a professo- ra acabou de ler. Em suas mãos, outras versões da mesma história que elas vão comparar com o original. Um empresário chega ao escritório, senta-se ao computador e lê o relatório preparado por seus auxiliares. Faz algu- mas correções e dirige-se à sala de reuni- ões, onde o lê em voz alta para o grupo de acionistas; depois discute as planilhas de custo apresentadas pelo setor financeiro. Numa feira, no Nordeste, uma senhora ouve atentamente os versos cantados por um cordelista; a história a emociona e ela adquire um folheto de cordel, para retomar a história que tanto a encantou. Uma mãe recorre ao livro de receitas, pois quer preparar um prato saboroso e rápido para o almoço dos filhos que logo vão chegar da escola. Um grupo de amigos dirige-se a um restaurante; lá consultam o cardápio para decidir que pratos serão pedidos. De vol- ta ao trabalho, um deles passa pelo ban- co para retirar um extrato – constata que o saldo está baixíssimo e isso o deixa mal- -humorado. Assim, a leitura como prática social é pro- fundamente marcada pelo ambiente em que circula o texto, pela época em que foi produ- zido, pelos objetivos do autor, pela finalidade da leitura. Veja os exemplos a seguir: Ao acordar, um indivíduo folheia o jor- nal, atendo-se inicialmente à primeira pá- gina, para ter uma visão geral dos acon- tecimentos do dia. Se algo lhe chama a atenção, localiza a notícia no interior de um caderno e obtém maiores informa- ções sobre o fato que lhe interessa. Lê a previsão do tempo e descobre que deve- rá levar consigo um agasalho, pois uma frente fria se aproxima. À mesa do café, uma garota saboreia uma bebida láctea, cuja embalagem indi- ca tratar-se de um produto “light”: ime- diatamente, ela confere o número de ca- lorias, pois não quer engordar. No supermercado, uma dona de casa observa atenta as embalagens dos pro- dutos que deseja comprar, verificando os prazos de validade. Um homem sai para o trabalho e, ao observar o letreiro e a placa com o itinerá- rio do ônibus que se aproxima, apressa o passo para tomá-lo. Durante o percurso, observa placas com os nomes das lojas, faixas com ofertas do dia, outdoors e pla- cas de rua. No metrô, como vários outros passa- geiros, uma jovem pega um livro de bolso 30 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 30 29/01/2010 17:28:34
  31. 31. Numa igreja, os fiéis participam do culto religioso, acompanhando num fo- lheto os vários momentos em que respon- derão às palavras do padre. Em sua sala, uma advogada consulta a agenda para verificar os compromissos da tarde e descobre que, infelizmente, terá de desmarcar um encontro com amigos, pois deverá atender um cliente às 19 horas. Ao chegar em casa, um menino lê o bilhete deixado pela mãe: “Filho, tem comida na geladeira. É só esquentar! À noite a gente se vê. Chego mais tarde, porque vou passar as roupas da Dona Celita. Beijos”. O carteiro deixa a correspondência numa casa. A dona da casa abre a correspondência e separa as contas a pagar. Com o apoio de um manual de instru- ções, um senhor tenta instalar o aparelho telefônico que acabou de comprar. Um casal de namorados consulta um guia de entretenimento encartado no jornal para descobrir um filme interessante a que possam assistir após o jantar. Ao longo do dia, essas pessoas entraram em contato com vários gêneros discursivos e sua leitura obedeceu a diferentes finalida- des. Leram: silenciosamente, para informar- -se, orientar-se, distrair-se, entreter-se e, em voz alta, para partilhar informações com ou- tros ou participar de um ritual. Todos esses atos de leitura constituem práticas sociais porque estão presentes no cotidiano de boa parte das pessoas que vi- vem atualmente em sociedades letradas. Certamente, 50 ou 100 anos atrás havia outras práticas de leitura vinculadas ao modo de vida e de organização das socie- dades de então. A literatura brasileira é pródiga em exemplos que ilustram como se davam entre nós as práticas de leitura nos sécu- los anteriores. Em Quincas Borba, Machado de Assis retrata uma situação em que a leitura de uma revista da moda é vista como status, capaz de aproximar a personagem Sofia do círculo social ao qual quer pertencer. “Afinal, deixou a vista da chuva e do nevoeiro; estava cansada, e para repousar, foi abrir as folhas do último número da Revista dos Dois Mundos. Um dia, no melhor dos trabalhos da comissão das Alagoas, perguntara-lhe uma das elegantes do tempo, casada com um senador: – Está lendo o romance de Feuillet, na Revista dos Dois Mundos? – Estou, acudiu Sofia; é muito interessante. Não estava lendo, nem conhecia a Revista; mas, no dia seguinte, pediu ao marido que a assinasse; leu o romance, leu os que saíram depois e falava de todos os que lera ou ia lendo. ”(ASSIS, Machado de. Obras completas de Machado de Assis – Quincas Borba. Rio de Janeiro: W.M. Jackson Inc., 1970.) 31Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 31 29/01/2010 17:28:35
  32. 32. Nesse instante assomava à porta um parente nosso, o Reverendo Padre Carlos Peixoto de Alencar, já assustado com o choro que ouvira ao entrar. (...) – Que aconteceu? Alguma desgraça? Perguntou arrebatadamente. (...) – Foi o pai de Amanda que morreu! Disse, mostrando-lhe o livro aberto. ”(ALENCAR, José de. Como e por que sou romancista. Campinas: Pontes, 1990.) José de Alencar, por sua vez, relata uma situação em que a leitura de um romance envolve toda a família, uma prática social co- mum, não só no Brasil, mas em vários países, quando a leitura começou a se popularizar: “Era eu quem lia para minha boa mãe não somente as cartas e os jornais, como os volumes de uma diminuta livraria romântica formada ao gosto do tempo. (...) Não havendo visitas de cerimônia, sentava- -se minha boa mãe e sua irmã d. Florinda com os amigos que apareciam, ao redor de uma mesa redonda de jacarandá, no centro da qual havia um candeeiro. Minha mãe e minha tia ocupavam-se com trabalhos de costura, e as amigas para não ficarem ociosas as ajudavam. Dados os primeiros momentos à conversação, passava-se à leitura e eu era chamado ao lugar de honra. (...) Lia-se até a hora do chá, e tópicos havia tão interessantes que eu era obrigado à repetição. Compensavam esse excesso as pausas para dar lugar às expansões do auditório, o qual desfazia- -se em recriminações contra algum mau personagem, ou acompanhava de seus votos e simpatias o herói perseguido. Uma noite, daquelas em que eu estava mais possuído do livro, lia com expressão uma das páginas mais comoventes da nossa biblioteca. As senhoras, de cabeça baixa, levavam o lenço ao rosto, e poucos momentos depois não puderam conter os soluços que rompiam-lhes o seio. (...) 32 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 32 29/01/2010 17:28:35
  33. 33. A formação do leitor O processo de formação do leitor é longo, ocorrendo pela mediação de leitores mais ex- perientes e pela interação com diferentes su- portes e gêneros discursivos. Hoje sabemos que, muito antes de ser capaz de compreen- der o funcionamento do sistema alfabético, o sujeito imerso numa sociedade letrada busca entender o que significam os escritos presen- tes no mundo em que vive e pode entrar no mundo da escrita pela mão, pelo olhar e pela voz de outras pessoas, evidentemente valori- zando e elegendo a sua. Todas as tentativas que ele faz para atribuir sentido a um texto são leituras. Nesse sentido, mesmo os não al- fabetizados são capazes de ler, apoiados em ilustrações e em outras marcas do texto, bem como em sua memória. Para alguns, essa experiência começa muito antes de entrar na escola, quando presenciam atos de leitura praticados pe- las pessoas que os rodeiam ou participam deles. Entretanto, muitos dependem exclu- sivamente da escola para se tornar leitores. Assim, na escola e na comunidade, é pre- ciso criar momentos ou situações para que os leitores iniciantes construam e ampliem experiências de leitura, oferecendo-lhes diferentes suportes e gêneros discursivos, lendo para eles com frequência, colocan- do-os no papel de leitores. O contato com diferentes suportes e tex- tos e com leitores mais experientes é funda- mental para desenvolver o gosto pela leitura e formar leitores competentes. Essa compe- tência – que se forma com o manuseio e a leitura de muitos suportes e textos – inclui saberes diversos. No que se refere ao livro, por exem- plo, saber segurá-lo e manuseá-lo corre- tamente; saber que a capa apresenta em geral o nome do autor, o título do livro e a editora; perceber que livros com muitas histórias ou poemas comumente trazem um índice; descobrir que no verso da fo- lha de rosto há uma ficha catalográfica com informações sobre a edição da obra; e, principalmente, reconhecer obras de boa qualidade, apontar autores e ilustra- dores que admira e comentar um texto lido, justificando suas opiniões, sem con- tar os modos de “sentir” a realidade física do material escrito, que vão do olhar ao toque, do olfato ao próprio poder gustati- vo imaginário ou não, tornando o livro um particular fetiche. Se o suporte de leitura for um jornal, saber como se organiza a primeira página, como se localizam as notícias dentro do jor- nal, qual é a diferença entre um editorial, um artigo de opinião assinado e uma reporta- gem; descobrir a função das manchetes; ser capaz de comparar diferentes jornais etc. Figura 12 - Almanak Laemmert - Folha de rosto 33Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 33 29/01/2010 17:28:36
  34. 34. Já a leitura de uma propaganda re- quer outras capacidades, como relacio- nar a mensagem escrita com a imagem, compreender a linguagem figurada etc. Embora o foco do Projeto Entre na Roda seja a fruição e o prazer da leitura, acreditamos que para o leitor desfrutar desse prazer é necessário que desenvol- va algumas competências leitoras, tais como: ● Definir as finalidades da leitura: saber com que objetivo se vai ler – por prazer, para conhecer determinado assunto, para atualizar- -se, para comunicar algo, para executar uma ação, para viver ou reviver uma experiência pouco ou bem conhecida etc. ● Recuperar o contexto de produção: quem é o autor, que posição social ocupa(ou), em que época vive(eu), em que situação escreveu, com que finalidade, onde seu texto circula, a quem se destina, de onde foi retirado etc. ● Relacionar temas e conteúdos abordados em diferentes textos, mesmo porque cada texto sempre dialoga com um outro de um modo sutil ou consideravelmente aproximado. (Intertextualidade) ● Relacionar diferentes versões de um mesmo tema ou assunto. (Interdiscursividade) ● Fazer apreciações estética, afetiva e ética: gostar ou não, concordar, discordar, criticar, levando em conta que a leitura atenta, prazerosa ou não, é sempre motivação e ponto de partida de um outro texto. ● Localizar informações importantes para a compreensão do texto ou para fins de estudo ou trabalho. ● Antecipar ou predizer conteúdos a partir do título, do tema abordado, dos conhecimentos prévios sobre o tema ou sobre o autor. ● Inferir, isto é, tirar conclusões que não estão explicitadas, com base em outras leituras, experiências de vida, crenças, valores. ● Extrapolar: projetar o sentido do texto para outras vivências e outras realidades; ir além do texto. ● Perceber outras linguagens: relacionar texto escrito com imagens, imagens em movimento, diagramas, gráficos, mapas, sons, números etc. 34 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 34 29/01/2010 17:28:36
  35. 35. Ao longo das oficinas, propomos ativida- des em que são explorados diferentes su- portes e gêneros discursivos – na Oficina 2, histórias da tradição oral (“causos”, contos de encantamento, fábulas), apólogo e crôni- cas; na 3 e na 4, contos, romance, novela e texto teatral; na 5, poemas; na 6, textos jornalísticos; e na 7, textos de divulga- ção científica. Em cada uma de- las, analisamos e dis- cutimos aspectos dis- cursivos (condições de produção) e formais (es- trutura textual, recursos linguísticos e expressi- vos), bem como procu- ramos orientar para que se identifiquem dificul- dades de leitura que o texto possa acarretar, se- jam relativas ao contex- to de produção, sejam referentes a conteúdos semânticos e sintáticos. O texto literário como isca de leitura A literatura é matéria privilegiada para motivar e formar leitores, por ser lingua- gem que se oferece a múltiplas inter- pretações. Ela funde harmoniosamente realidade e fantasia – sendo um material inestimável na formação do indivíduo em sociedade –, toca primeiro a emoção e depois leva à reflexão, à análise, à inter- pretação e até mesmo à produção de ou- tros textos. Por essa especificidade da lin- guagem literária, as oficinas deste projeto dão especial destaque aos gêneros da literatura na formação do leitor, tentando aproximar conhecimento e prazer, casa- mento esse que nem sempre faz parte do cotidiano das escolas e de outros espaços de aprendizagem. Comumente a leitura- -prazer é proposta como uma atividade menor, para ocupar o tempo – depois que os alunos acabaram de fazer atividades “sérias”, podem pegar livros para ler, até que todos terminem as tarefas. O texto literário é matéria criativa e “reveladora”, capaz de inquietar prazero- samente os educadores para o gosto da leitura, experiência essa que naturalmen- te eles podem promover junto aos alunos e à comunidade, acentuando que a lei- tura de textos literários permeia todas as formas de conhecimento: a literatura está Figura 13 - Homem escrevendo a bico de pena, cercado de livros e outros instrumentos, c. 1550 35Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 35 29/01/2010 17:28:37
  36. 36. sempre voltada para a condição humana e a serviço da vida. Por isso, o primeiro passo para desen- volver o gosto dos leitores iniciantes é co- locá-los em contato com muitos textos de boa qualidade. Isso significa oferecer-lhes um acervo contendo diversidade de gêne- ros, temas, autores, ilustradores, estilos, tratamento gráfico, para atender às expec- tativas mais variadas, revelando a eles a maravilhosa e inestimável aventura de ler. Identificar uma obra como sendo de boa qualidade significa também levar em conta: os valores estéticos da obra (linguagem criativa, sugestiva, fluente, temas interessantes ou intrigantes, inven- tividade no jogo das palavras, potencial lúdico e outros), o respaldo da crítica e, sobretudo, a receptividade dos leitores a quem a obra se destina. Livros bons são aqueles de que os leito- res gostam e que têm prazer de ler – e não aqueles considerados capazes de ensinar lições de moral ou de alfabetizar (como os de cunho cartilhesco) ou ainda aque- les em que a voz do narrador macaqueia uma fala infantil ou débil, desqualificando a capacidade de compreensão do leitor. Bons livros atravessam gerações, manten- do-se sempre novos. Tornam-se inesque- cíveis, porque a cada releitura têm sempre algo a nos dizer. Permitem a quem os lê viver simbolicamente outras vidas, com experiências diferentes do seu cotidiano. Despertam nele o gosto pela exploração da diversidade e pelo conhecimento do outro; possibilitam ao leitor reconhecer-se nos personagens e, pelo distanciamento da ficção, compreender melhor as pró- prias experiências. Como afirma Ana Maria Machado (MACHADO, 2002): “O que interessa mesmo a esses jovens leitores que se aproximam da grande tradição literária é ficar conhecendo as histórias empolgan- tes de que somos feitos”. Quando o(a) orientador(a) oferece bons livros aos participantes das rodas, seu papel de formador(a) de leitores já está parcialmente cumprido, porque as múltiplas experiências de leitura, sobre- tudo aquelas que são críticas e prazero- sas, depuram o gosto. Além disso, um(a) leitor(a) mais experiente pode ajudar os demais a apreciar melhor as obras, au- xiliando-os a desenvolver suas capacida- des leitoras. Cabe ao(à) orientador(a) das rodas de leitura estar atento(a) a aspectos rele- vantes que garantam o envolvimento dos participantes e a plena compreensão do texto. Por isso, sugerimos que: 36 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 36 29/01/2010 17:28:37
  37. 37. Antes da leitura ● Escolha textos de boa qualidade. ● Prepare-se para esse momento, estudando o texto antes. ● Procure criar um clima de magia e envolvimento. Se possível, peça aos participantes que se sentem em círculo, próximos de você. ● Diga o nome do(a) autor(a) e pergunte se já o(a) conhecem, se já leram algum livro ou texto dele(a). ● Fale sobre a época e o lugar em que o texto foi escrito, caso tenha essa informação. ● Mostre-lhes a capa e pergunte sobre o que seria o texto. ●Aponte o nome do(a) autor(a), o título do livro, leia a orelha e o texto da quarta capa ou contracapa (se houver). Se o livro contiver muitos textos, mostre a eles como localizar o que vão ler pelo índice, ou simplesmente deixe o livro sobre a mesa para aguçar a curiosidade. Durante a leitura ● Se os ouvintes se dispersarem, utilize alguns recursos para resgatar a atenção, fazendo algum tipo de suspense e perguntando, por exemplo: O que será que vai acontecer agora? Será que os heróis da história vão conseguir superar o problema? E o par amoroso, vai conseguir ficar junto? Como o personagem X vai se livrar da enrascada em que se meteu? ●Faça algumas interrupções também se notar que a compreensão está difícil, dando algumas pistas para ajudar, mas sem se alongar em explicações, evitando fragmentar a narrativa e propiciando a expressão individual ou do grupo. ●Se os participantes interromperem com perguntas, responda o estritamente necessário e retome o texto rapidamente, para não perder o encanto. 37Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 37 29/01/2010 17:28:37
  38. 38. Após a leitura ● Caso perceba que não compreenderam o texto apresentado, ajude-os dando pistas, fazendo perguntas e respondendo às deles. ● Oralmente, recupere com eles belas passagens ou aquelas que causaram entraves à compreensão. ● Proponha eventualmente que representem o que leram por meio de dramatizações ou desenhos, já que essas estratégias permitem um mergulho no texto e, portanto, uma compreensão maior. ● Inverta alguns papéis ou dê algumas sugestões e motive a recriação do texto. ● Estimule comentários e discussões a respeito de usos e costumes de outras épocas e povos, bem como sobre as características dos personagens. ● Desafie-os a ir além do texto, relacionando-o com as próprias experiências. ● Incentive os participantes a exercitar a imaginação, o raciocínio lógico e a coerência, questionando sobre o que aconteceria se determinado fato fosse alterado: ●E se Fulano tivesse agido assim? ●O que mudaria na história se Beltrano tivesse respondido...? ●O que havia por trás da atitude do personagem Y? ● Chame a atenção para: o estilo do(a) autor(a), os recursos que ele(a) utiliza para prender a atenção do leitor, a riqueza de expressões, as frases bem construídas, as expressões regionais, gírias, linguagem figurada etc. ● Abra espaço para que manifestem seus sentimentos e opiniões e ajude-os a ir além do “é legal” ou do “gostei”, pedindo que justifiquem suas opiniões sobre: a história, as ilustrações, o estilo do(a) autor(a) – o jeito de contar/escrever – etc. ● Crie também situações em que os próprios participantes escolham livros para ler, sejam alfabetizados ou não. Organize uma rotina para que a leitura livre se torne uma prática no grupo. ● Todos podem e devem ler, ainda que não o façam convencionalmente. Portanto, organize estratégias para que leitores mais experientes possam auxiliar os menos experientes. ● Estimule a reflexão, a partir do(s) ponto(s) de vista do(a) autor(a) do texto, abrindo perspectivas para a busca de soluções para problemas individuais ou coletivos. 38 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 38 29/01/2010 17:28:37
  39. 39. jornalísticos, nos quais o leitor pode encontrar, sobretudo, informação e reflexão sobre os acontecimentos que interferem diretamente em sua vida. Da mesma forma, propomos o trabalho com textos de divulgação científica, que aproximam o leitor do conhecimento pro- duzido em várias áreas do saber. Contudo, qualquer que seja o gênero en- focado nas oficinas, tivemos sempre o cui- dado de oferecer atividades que têm como principal finalidade a fruição e a reflexão. Apesar de o projeto dar maior destaque aos textos literários, acreditamos que a fami- liaridade com outros gêneros discursivos que circulam numa sociedade letrada também é fundamental para a formação do leitor, tendo em vista que a todo o momento ele é solicita- do a ler com diferentes finalidades, para fazer frente a todos os desafios que a vida moderna lhe impõe. Isso nos levou a propor oficinas em que sugerimos que o(a) orientador(a) das ro- das de leitura aborde, por exemplo, os textosFigura 14 - Encadernações preciosas - artesanais 39Entre na roda - Introdução 39Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 39 29/01/2010 17:28:39
  40. 40. Figura 15 - Gramática João de Barros Figura 16 - Conhecendo a língua pátria. Luiz Figueira. Arte da Gramática da Língua do Brasil, 1795 40 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 40 29/01/2010 17:28:39
  41. 41. Rodeado de tantos livros, dos mais variados gêneros, lendo e incentivando a ler, como profissão, hoje estou num lugar escolhido. Não sei se por mim ou para mim. Não me imaginava nessa situação quando tudo me parecia maior, com cheiro de terra molhada, galinhas empoleiradas nos galhos da mangueira e, no final da tarde, realmente o Boitatá corria pelo fundo do quintal, à beira do taquaral. Não imaginava que aprendia a ler. Subia pelas árvores, goiabeiras, abacateiros, ameixeiras, e a preferida amoreira, com braços acolhedores, dos quais muitas vezes saíamos manchados de sumo avermelhado. Fugia do Brasinha, o irritado cachorro de minha avó, driblando os arbustos de buchinha. Fazia bois de chuchu e naves espaciais de caroço de abacate e brincava com o que, parece hoje, era meu único brinquedo formal: o cavalinho de plástico. O meu era o preto. Passava horas acompanhando carreiras de formigas saúvas. A paciência já era uma característica. Talvez fruto da relativa liberdade e quase anonimato em meio a tantos irmãos, numa casa que não era nossa. Às vezes ajudava minha mãe a rachar lenha, tirar água do poço ou capinar o canteiro de batata-doce. A roça na periferia, tão perto da cidade. O cheiro de pão assando, envolto em folha de bananeira, no forno de barro, ainda traz saudade. Até mesmo o coqueiro que tanto dava coquinhos amarelos como lagartas. O canudinho das bolinhas de sabão eram folhas de cebolinha. A lata cheia de bolinhas de gude tinha os mais variados tipos. Algumas revelavam universos inteiros quando olhadas à luz do Sol. E a coleção de tampinhas de garrafa me fazia olhar para o chão sempre que saía de casa. Demorei a aprender a rodar pião direito e aprendi a andar de bicicleta numa enorme Peugeot cinza, de adulto. A tampa de manteiga pregada num cabo era mais fácil de manobrar. Os quadrados cortados com faca de cozinha nem sempre saíam bem, mas nem por isso deixava de tentar fazê-los. Às vezes me rendia às capuchetas de papel de pão que, apesar da barriga na linha, sempre eram mais fáceis de empinar em dia de vento forte. Toda semana a família se reunia e quase sempre resultava em brincadeiras de roda, com adultos e crianças. O grande butiá era presença constante. Uma palmeira de tronco bastante largo para meu tamanho, que dava para se esconder atrás, correr em volta, contar pique de lberto Manguel, em seu livro Uma história da leitura, diz que “uma história da leitura é a história de leitura de cada um dos leitores”. O Projeto Entre na Roda compartilha dessa ideia; por isso, apresenta agora histórias de leitura de alguns de seus participantes. Histórias de leitores A 41Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 41 29/01/2010 17:28:42
  42. 42. esconde-esconde – “bater cara” como se dizia – e imaginar a possibilidade de escavar uma casa. E eu que pensava que só estava aprendendo a ler quando ia ao grupo escolar, caminhando uma longa distância, às vezes atirando folhas de certo capim para o ar, como se fossem foguetes. Já havia muitos livros de autores consagrados em casa, em edições populares, que minhas irmãs liam para a escola. Uma riqueza em meio à nossa pobreza material. O folclore de que minha mãe havia enterrado livros “perigosos” de meu pai, naqueles tempos difíceis da política, não sei se é verdade. Se bem que só encontrei, mais tarde, um único livro remanescente, de filosofia, que estudei na faculdade. De qualquer forma, não os lia. A leitura mais misteriosa que me atraía estava num livro didático, em formato pequeno, que falava algo sobre “subir a bainha”. A ilustração da menina na ladeira não deixava dúvidas de que era ela quem tinha que subir a bainha. Ficava imaginando como seria essa bainha.Talvez uma encosta ou uma ladeira estreita por entre árvores. Era fascinante. Perdeu-se no tempo o conteúdo do texto. Não tinha ainda habilidade suficiente para decifrá-lo. Quando me encontrei com o desenho animado e os quadrinhos, estava selado meu futuro. Meu “carma” a pagar seria entre livros. Conheci Tintin e Asterix na adolescência, em exemplares encadernados da biblioteca, já na “civilização”, num bairro mais central de São Paulo. Compartilhava com meu irmão mais novo o hábito de trocar gibis numa banca, dois por um. Fiz pilhas de desenhos e criei inúmeros personagens de quadrinhos, que ficaram restritos ao conhecimento da família. Nunca fui um grande leitor, sempre muito lento, precisando forçar a concentração. Mas me emocionei quando voltei à escola em que iniciei minha vida escolar, para contar histórias de livros que ilustrei às crianças atentas e curiosas das turmas superlotadas. Engraçado como tudo pareceu bem menor. Fiz questão de descer pelas escadas por onde andava naquele tempo e imaginar os fantasmas de minhas lembranças correndo ao redor. Por isso sinto pena que a atividade que exerço esteja subordinada ao bel-prazer das políticas governamentais. Marcelino Tristan Vargas ● A primeira parte de minha infância foi numa fazenda, rodeada de árvores frutíferas e bichos. Livros não havia por lá. Passava os dias em cima de mangueiras e goiabeiras ou desenhando na terra do porão de casa com palitos de fósforo usados. Histórias, só os causos de caipira ou de assombração contados pelo meu pai ou as lembranças de minha mãe sobre a Itália. Uma vez por ano vinha um tio de São Paulo e trazia a revista “O Cruzeiro”. Eu me deleitava com as fotos, principalmente com as das “misses”, e tentava copiá-las com todos os detalhes, até um aviãozinho (eu acho) que havia no maiô. Certa vez chegou um tio com uns livros estranhos. Um deles tinha o seguinte título: “Eles possuirão a terra”. Não tinha figuras, só escrita. E eu ficava imaginando o que podia estar escrito ali. Mais tarde soube que o tal tio andava metido em política e que até já fora preso. Do primeiro ano da escola, lembro-me 42 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 42 29/01/2010 17:28:47
  43. 43. apenas dos belos desenhos, copiados da cartilha, que a professora fazia na lousa com giz colorido. Não me lembro do momento em que aprendi a ler. Mas me lembro de que aguardava ansiosamente o dia do exame de leitura. O diretor do grupo escolar chamava um de cada vez à sua sala para ler, primeiro silenciosamente e depois em voz alta. Nem o medo do exame tirava de mim o prazer de ter nas mãos um livro diferente da cartilha! Aos dez anos minha família mudou-se para a cidade de São Paulo. No Instituto de Educação onde fui fazer o ginásio havia uma grande biblioteca com livros variados. Os meus preferidos eram os de Monteiro Lobato. Passei, então, a devorar livros e torcia para que os professores faltassem, pois quando isso acontecia eu corria para a biblioteca. Às vezes até “cabulava” aula e dizia para a bibliotecária que o professor havia faltado. Alguns livros eram proibidos, o que aguçava ainda mais o meu desejo de lê-los. Nessa época, para minha alegria, minha mãe comprou, de um vendedor de livros, a prestação, uma coleção do Malba Tahan, toda encadernada de vermelho. Mas a influência de um professor de Português foi decisiva para fortalecer em mim o gosto pela leitura. Suas aulas consistiam tão somente em recitar poemas de Paulo Bonfim, Guilherme de Almeida e outros e em comentar livros que havia lido. Até hoje sua voz ecoa nos meus ouvidos: “Iracema, a virgem dos lábios de mel”; “Rosinha, minha canoa”... Por sua influência, convenci minha mãe a ficar sócia do Clube do Livro. Pagávamos uma pequena mensalidade e recebíamos um livro mensalmente. O jornal entrou mais tarde, também por influência de professores, então do magistério. Nessa época eu já trabalhava, mas como o dinheiro era curto, fiz um acordo com o dono de uma banca de jornal para pagar por mês e assim mesmo só o jornal de domingo. A parte preferida era o suplemento literário, que li, reli e guardei durante vários anos, como um tesouro. Zoraide Inês Faustinoni da Silva ● Minha família sempre leu muito, meu pai sempre trazia livros para casa e minha mãe sempre gostou de ler para nós. Comecei a ler aos cinco anos em casa e sozinha e minha mãe foi a primeira a perceber que estava lendo e ficou muito emocionada. A partir daquela data comecei a ganhar livros de presente e a ler em voz alta para todas as visitas. Regina Helena Botteon de Souza ● De uma família muito grande – dez irmãos – fui a caçula e desde muito cedo convivi com livros e gibis de meus irmãos mais velhos. Inicialmente via as figuras, mas as letras me encantavam, parecia que existia um outro mundo e a vontade, junto com a curiosidade, me incentivaram a fazer perguntas aos meus irmãos e, com isso, aos 5 anos e meio já conseguia decifrar algumas palavras dos gibis que folheava. A leitura para mim era essencial. Sempre que podia já estava com gibis na mão. Mas minha grande alegria foi quando li meu primeiro livro, 43Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 43 29/01/2010 17:28:48
  44. 44. que foi “Meu Pé de Laranja Lima”. Acho que fiquei tão feliz que reli diversas vezes. Depois deste foi “Pollyana”, “O Menino do Dedo Verde” e outros. Carmita de Freitas Dino ● Nasci em uma família pobre. Meu pai e minha mãe eram analfabetos. Quando falo de meu pai, me emociono ao lembrar que tinha discernimento para resolver tudo e ajudar todos que o procuravam. Não tínhamos livros, nem mesmo televisão. Nosso jantar geralmente era por volta das 18h. Logo estávamos todos deitados e meu pai contava-nos histórias maravilhosas. Era um momento mágico; eu e meus irmãos ouvíamos a história “Fogo no céu” onde ele imitava as vozes dos animais.A rotina era variada, pois quando meu pai não queria contar histórias de animais, ele nos contava causos ocorridos no Nordeste, envolvendo caçadores e pescarias. Mas o que eu mais gostava era da história “Fogo no céu” e sempre solicitava que a recontasse. Eram momentos que me permitiam viajar no mundo da fantasia, deparando-me com desafios constantes. Hoje avalio que não tive livros como suporte, mas esses momentos contribuíram muito para minha formação de leitora, levando-me a descobrir o fantástico mundo dos livros. Por volta dos 6 anos, mudou-se para perto de minha casa um casal que morava em São Paulo e só vinha aos finais de semana. Eu auxiliava a mulher nas tarefas da casa. E qual não foi minha surpresa no dia em que ela me presenteou com um livro de histórias intitulado “Os filhotes”. Recordo como se fosse hoje a história dos seis cachorrinhos brancos e um preto que faziam arruaças pela casa. Aquele livro para mim era uma relíquia, da qual eu cuidava com muito carinho. Reli várias vezes e guardei como um tesouro raríssimo. Mantive bons laços de amizade com essa família. Quando eles chegavam no final de semana, já passavam buzinando, me alertando que tinham chegado. Durante minha vida na escola primária não consigo me lembrar de momentos prazerosos de leitura. Recordo de um texto que citava cometas no universo, mas não conseguia fazer analogias, pois o único cometa que conhecia era o ônibus que passava naVia Anhanguera. O único momento que me recordo da leitura com prazer na escola foi quando a professora contou uma história do coelho da Páscoa, utilizando fantoches. (...) Hoje, meu momento de contato com os livros é quando me deito e aos finais de semana. Vou lendo os capítulos, sempre ficando com o gostinho de quero mais. Reflito muito sobre meu contato com a leitura e, após 10 anos sem meu pai, sinto saudades do meu tempo de criança. Na realidade ele era um ótimo contador de histórias. Em minhas memórias, verifico o quanto ele contribuiu para minha formação de leitora. Até hoje me recordo com muita saudade da entonação de sua voz narrando as histórias, que jamais esquecerei. Maria de Lourdes de Moura Santos ● 44 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 44 29/01/2010 17:28:49
  45. 45. Com seis anos de idade costumava ficar no bar de meu pai em Caçapava. No bar havia revistinhas e eu adorava ver os gibis do Tio Patinhas e do Pato Donald, principalmente as histórias que envolviam as peripécias dos três sobrinhos de Donald: Huguinho, Zezinho e Luizinho. Devido a suas travessuras, ficava doida para saber o que estava escrito nos balõezinhos, sendo este o motivo pelo qual me interessei em ler com autonomia. Lembro-me também de um dos primeiros livros que li: “Os sobrinhos do capitão”, que eram danados e só aprontavam confusão. Mercedes Pons Garcia ● (...) quem me fez ter o gosto pela leitura, pelos livros, foi minha primeira professora. No final do meu 1º ano de escola, quando comecei a ler, essa professora presenteou-me com dois livros: “Chapeuzinho Vermelho” e “Ali Babá e os Quarenta Ladrões”. Lembro- -me de que passei as férias lendo e relendo esses dois livros. Depois vieram “Soldadinho de Chumbo” e muitos gibis. Helena A.Y. Yamane ● O primeiro livro que li foi “Caminho Suave”, após ter passado por experiências constrangedoras com a professora da primeira série porque não soube ler a lição da jarra. O castigo? Ah!... esse castigo era 45Entre na roda - IntroduçãoEntre na roda - Desde muito pequenina lembro-me de meu avô ouvindo em sua vitrola Chopin,Vivaldi, Strauss comigo em seu colo.Adorava ouvir suas histórias de palácio, de viagens e principalmente histórias de nossa árvore genealógica. Uma das lembranças que trago (nasce meu interesse por ler) é a leitura de poesias e cartas escritas pelo vovô, que reunia todos os familiares: vovó, filhos, netos e primos em volta da mesa do almoço para lê-las e recitá-las. Às vezes, aliás quase sempre, tio Meco, seu filho, se emocionava e deixava ver que chorava. Caso raro entre homens. Passar os fins de semana na casa de meus avós era como entrar nos livros de contos onde tudo era possível e as tristezas deixadas de lado. Antes de dormir, era a vez de vovó Alba, que me deixava deitar a seu lado para ouvir histórias de princesas, príncipes e plebeus. Eu também amava ouvir suas histórias com as irmãs, quando tiveram que morar na fazenda e perderam todas as riquezas por causa da crise de 29. Eram histórias tristes, mas percebia em vovó o orgulho de contá-las, pois com sua perseverança conseguiu vencer, casar, ter filhos e naquele momento ter seus netinhos para curtir e contar histórias de sua tradição. Meus pais também foram muito influentes na minha formação cultural. Motivaram a mim e meus irmãos a participarmos de eventos organizados na escola. Faziam parte ativamente da Associação de Pais e Mestres. Além disso, também nos levavam ao teatro e cinema quando podiam. Quanto à leitura, papai nunca teve costume, sempre preferiu os esportes. De mamãe lembro dela lendo em sua cama e sofá. Ela participava do Clube do Livro com as amigas que compravam livros para trocar entre elas. Stella Campos Mendes Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 45 29/01/2010 17:28:51
  46. 46. vergonhoso! Pelo menos para mim que era muito tímida e não conversava com meninos porque “menina não conversa com menino”. Então, como não soube ler, fiquei sem recreio. Eu e o Jeremias, o filho do sapateiro, o menino mais danado da turma. A partir daí, outras experiências de leitura soaram como negativas e positivas.A do primeiro livro foi inesquecível.Acariciava-o como algo muito precioso, me deleitava em ver o Fábio, tão bonito e limpo, estudioso... Enfim um “primor”, que nada tinha a ver com o danado do Jeremias. Dona Cecília, a mãe de Fábio, então... Era uma maravilha vê-la dando sinal para o táxi...Achava-a linda, e até hoje conservo na memória sua saia branca evasê, sua blusa azul-claro, uns sapatos de salto lindíssimos (Penso que o meu interesse compulsivo por sapatos tenha partido dessa figura, talvez...!). Cheirava o primeiro livro, só meu, de preferência sozinha, quando todos iam dormir, para conservar e respeitar a nossa intimidade.Até hoje, gosto de ler num ambiente tranquilo e sozinha, de preferência à noite, quando todos estão dormindo, onde só ouço o barulho da própria noite e dos personagens do livro. Só que rapidamente me desinteressei por ele. Então ficava mais feliz por ouvir histórias da minha mãe, e vê-la lendo jornais que embrulhavam as carnes do açougue. Isso foi o porto seguro para que eu não fugisse da importância de ler. Então, apareceu em casa, por indicação da professora da quinta série do meu irmão mais velho, o maravilhoso e inesquecível “A ilha perdida”. Esperei, ansiosamente, que meu irmão o lesse para fazer prova, para que posteriormente eu o lesse por prazer. Ah! Como fui mais feliz que ele! Ainda conservo na memória cenas do livro, como por exemplo Simão com a Jaguatirica, a cobra... Imagino, ainda, Maria José Dupré, a autora, com a mesma feição que a conheci quando li, pela primeira vez, uma obra sua, embora nunca tenha visto uma foto dela sequer. O Ilha Perdida foi a minha porta para o mundo fantástico da Leitura. Infelizmente não me recordo de ter ouvido sequer um conto de fadas – não pelo menos na época certa! Descobri, embora soubesse de sua existência, ao ser convidada a fazer um curso de histórias relacionadas aos Contos de Fadas, quando fui professora de Educação Infantil. Me apaixonei pelas histórias de Mamãe Ganso, senti a pobreza do Andersen, viajei com os Grimm, sofri na neve com a Pequena vendedora de fósforos, mas a minha grande paixão, ainda, é “A bela e a fera”. Essa história mexe profundamente com o meu lado emocional, me fazendo encontrar, apaixonadamente, algo que acredito nunca ter perdido, embora não tenha lido esses contos quando criança.Ao contrário, descobri sua existência e importância.Assim, os encontrei e desavergonhadamente leio e os saboreio, dando-lhes um delicioso gostinho de chocolate!! Osana B. A. P. Oliveira ● Mesmo estudando na capital nas primeiras séries do antigo primário e parte do ginásio, passei a ter contato com a leitura de forma significativa apenas na 6a série, quando uma professora de Língua Portuguesa leu pra toda a sala uma história. Não me recordo do título, porém sou capaz de lembrar com bastante clareza que o texto fazia parte da coleção Para Gostar de Ler. 46 Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 46 29/01/2010 17:28:53
  47. 47. Identifiquei mais tarde que se tratava de uma crônica e aquela história, da forma como a professora leu, não poderia ter provocado nada menos que um grande início na minha jornada no mundo dos livros. Procurei primeiramente histórias dentro da mesma coleção... Com certeza o prazer de ler veio anos mais tarde devido à profissão de professor, que exige muita leitura da nossa parte. O bom é que a leitura não veio na forma de obrigação, mas sim por prazer e hoje afirmo com todas as letras que sou um fanático pela leitura. José Paulo da Silva ● Lembro dos meus primeiros contatos com os livros, quando ainda era pequena e não sabia ler. Em minha casa havia um armário com muitos livros da Coleção Saraiva, que me fascinava. Achava o máximo o fato de meu pai ter lido muitos daqueles livros. Para mim parecia algo inatingível, sagrado até. Quando ainda não sabia ler, ganhei de meu pai uma revista em quadrinhos da Branca de Neve. Cada vez que a folheava, inventava a história de um jeito diferente. Amava as gravuras e a própria história (que meu pai havia contado), ficava imaginando o que ao certo aquelas letras queriam dizer. Quando aprendi a ler, foi minha primeira leitura. Depois disso, uma série de outros textos permitiu-me viajar pelo mundo da imaginação, rir, chorar, aprender... Houve um período de férias em que li muitos livros, entre eles “Éramos Seis” – acabei por me apaixonar pelo filho mais velho. Após o almoço, sentava-me no quintal e ia lendo, não querendo que as páginas acabassem (sensação que ainda sinto quando estou lendo um livro que me encanta). Foi com esse texto que descobri a magia maravilhosa que a leitura nos proporciona, o transporte a um mundo de sonhos; o prazer que tenho de entrar nesse mundo e de não querer sair mais, de protelar o final para que a mágica não acabe. Selene Coletti ● Minha lembrança mais antiga de leitura remonta à coleção de Monteiro Lobato, que minha mãe ganhou quando ainda era menina. Eu sou uma daquelas pessoas que seguem o dito popular, que diz que o exemplo é o melhor meio de se ensinar algo. Meus pais estavam sempre com um livro ou dois na cabeceira da cama e eu achava isso o máximo, muito adulto e, portanto, eu deveria ser igual (afinal eu era muito amadurecida, há!, há!, há!). De qualquer forma, gostei muito de ler as histórias do Sítio do Picapau Amarelo, e segui lendo tudo o que me caía nas mãos, o que nem sempre significou alta literatura. Márcia Cintra Camargo Rodrigues ● Nasci no interior de Minas Gerais, em uma fazenda dessas bem distantes da cidade, e fiquei por lá até meus seis anos de idade. Lembro-me como se fosse hoje: papai chegava da lida e à noitinha reunia a 47Entre na roda - Introdução Entre_na_roda_módulo Introdutorio_revisado.indd 47 29/01/2010 17:28:53

×