SlideShare uma empresa Scribd logo
“Você, no centro do sucesso.”
Direito Administrativo
coletânea de provas de concursos
Parte 2 – Atos Administrativos
(CESPE – Agente de Polícia – PCRR - 18/5/2003)
Demétrio, policial civil do estado de Roraima, conduzindo
viatura policial em alta velocidade, na perseguição bandidos,
perdeu o controle do veículo, vindo a atingir senhora que esta-
va em uma parada de ônibus. Do acidente, resultou a morte
da vítima. Com base nessa situação hipotética e considerando
os direitos garantias fundamentais, bem como a responsabili-
dade Estado e dos seus agentes públicos, julgue os itens a
seguir.
17. O ato não pode ser anulado pela administração públi-
ca, porque gerou direito adquirido.
18. O ato não pode ser anulado pela administração públi-
ca, porque decorreu o prazo de um ano.
19. O ato pode ser anulado judicialmente.
20. No caso, cabe revogação pela administração pública.
21. O ato pode ser revogado judicialmente.
Determinado fiscal de vigilância sanitária da prefeitura fechou
temporariamente, com fundamento em lei municipal, restau-
rante que vendia comida estragada. Considerando essa situa-
ção hipotética, julgue os itens seguintes.
22. O ato do fiscal decorreu do poder de polícia da administra-
ção pública.
23. O ato do fiscal foi inválido, porque o fechamento de
restaurante, ainda que temporariamente, depende de au-
torização judicial.
24. O ato do fiscal foi válido, mas o auto de infração deve
ser encaminhado ao juízo competente.
25. O ato do fiscal foi dotado de presunção de legitimidade.
26. Contra o ato do fiscal, pode o dono do restaurante insurgir-
se administrativamente.
27. O ato do fiscal configurou abuso de poder.
28. Na situação em apreço, somente a polícia judiciária
poderia ter tomado a providência adotada pelo fiscal.
CESPE – PETROBRAS – Advogado Júnior – 28/9/2003
Com fundamento na Constituição de 1988 e na doutrina do
direito administrativo brasileiro, julgue os itens que se seguem.
54. Atos administrativos praticados por ocupantes de
cargos públicos de empresa pública e sociedade de eco-
nomia mista não estão vinculados ao controle do Tribunal
de Contas da União.
55. Governador que edita decreto declarando propriedade
rural como de interesse social para fins de reforma agrária
terá plenos poderes para propor ação de desapropriação
em caso de resistência dos antigos proprietários.
56. Segundo a doutrina majoritária do direito administrativo
brasileiro, a discricionariedade é um dos atributos do poder de
polícia, podendo ser observada na concessão de autorização
para porte de arma.
Em relação à Constituição da República, à doutrina do direito
administrativo brasileiro e à jurisprudência do Supremo Tribu-
nal Federal (STF), julgue os itens a seguir.
57. Segundo a doutrina majoritária do direito administrativo
brasileiro sobre o controle da administração pública, o ato
administrativo praticado por sociedade de economia mista
está sujeito ao controle popular.
58. Sociedade de economia mista constituída após a
Constituição de 1988 não poderá declarar a nulidade de
ato administrativo por ela praticado pois cabe ao Poder
Judiciário a exclusividade dessa atribuição.
CESPE – Defensor Público - Amazonas - 5/10/2003
Acerca da disciplina que rege os concursos públicos, julgue os
itens a seguir.
Considerando que Reinaldo foi nomeado para o cargo de
defensor público do estado do Amazonas, julgue os itens
subseqüentes.
62. O ato de nomeação de Reinaldo não é vinculado, mas
discricionário.
63. O ato de nomeação de Reinaldo não pode ser revogado
pela administração pública.
64. Após ser nomeado, e antes de entrar em exercício,
Reinaldo deve assinar o termo de posse, que é um contra-
to administrativo de adesão em que são definidas as re-
gras que regerão a prestação das atividades legalmente
definidas para o seu cargo.
65. A partir da data de sua posse, Reinaldo tem responsa-
bilidade civil objetiva pelos atos que praticar no estrito
cumprimento de seus deveres funcionais.
A administração direta do estado do Amazonas multou Cristi-
ano por imputar a ele uma determinada infração ambiental.
Inconformado, Cristiano realizou pedido administrativo de
anulação da multa, por considerá-la ilegal, mas sua solicitação
foi indeferida. Irresignado, ele recorreu dessa decisão indeferi-
tória, mas ingressou com o recurso fora do prazo. Acerca da
situação hipotética apresentada, julgue os itens a seguir.
70. Embora a intempestividade obste o conhecimento do re-
curso, nada impede que a autoridade administrativa compe-
tente reconheça a procedência da argumentação de Cristiano
e anule, de ofício, a penalidade.
71. Para que tenha direito a postular judicialmente a anu-
lação da referida multa, Cristiano precisa comprovar que
exauriu todos os recursos administrativos possíveis.
SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho
www.cathedranet.com.br
SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho
2
72. O ato administrativo que estabeleceu a multa impugnada
por Cristiano caracteriza exercício de poder de polícia.
CESPE – Agente de Trânsito – DETRAN - DF – 12/10/2003
O poder de polícia está intimamente relacionado, de um lado,
com as prerrogativas da administração pública para garantia
do bem-estar coletivo, e, de outro, com as liberdades individu-
ais dos cidadãos. Acerca desse tema, julgue os itens subse-
qüentes.
84. A licença para dirigir veículo automotor é ato administrativo
vinculado, decorrente do poder de polícia.
90. A multa administrativa, mesmo depois de aplicada,
comporta revogação.
(CESPE – Téc de NM/Classificação III – Min. do Meio Am-
biente - 18/10/2003)
Acerca do direito administrativo, julgue os itens que se se-
guem.
137. A validade dos atos administrativos discricionários
não é sujeita a controle judicial, mas apenas a controles
administrativo e legislativo.
138. Considere a seguinte situação hipotética. Um cidadão
foi multado pela prática de um ilícito administrativo e re-
correu da multa sob o argumento de que não havia prati-
cado o ato. O agente público responsável pelo julgamento
do recurso, apesar de não acatar as alegações do recor-
rente, verificou que houve equívoco nos cálculos realiza-
dos pela autoridade que aplicou a multa, o que acabou
resultando na determinação de uma multa maior que a
legalmente devida. Nessa situação, a autoridade que julga
o recurso não pode, de ofício, reduzir o valor da multa,
pois a diminuição de penalidades somente pode ocorrer
em resposta a pedido expresso formulado pelo recorren-
te.
CESPE – Téc. de NS: Administrador - SEAD/ADEPARÁ -
25/1/2004
No que se refere aos atos e contratos administrativos, julgue
os itens subseqüentes.
217. Os atos administrativos são dotados de presunção de
legitimidade.
218. Considerando que Arnaldo é um servidor público que
praticou um ato administrativo e, posteriormente, verifi-
cou que o ato era ilegal, é correto afirmar que ele não
deverá anular o ato ilegal, mas revogá-lo.
219. Se uma fundação pública federal estabelecer contrato
de locação com um particular, com o objetivo de alugar
um imóvel para servir-lhe como sede, esse contrato deve
ser qualificado como contrato administrativo, pois uma de
suas partes é uma pessoa jurídica de direito público.
220. Considere a seguinte situação hipotética. Um administra-
dor encontra-se frente a uma situação em que a lei permite
realizar licitação tanto do tipo técnica e preço quanto do tipo
melhor técnica. Nessa situação, será discricionário o ato me-
diante o qual o referido administrador define o tipo de licitação
que será realizada.
A respeito do regime dos servidores públicos federais, julgue
os itens que se seguem.
230. Trata-se de ato vinculado o que concede licença para
atividade política a um servidor escolhido em convenção parti-
dária para concorrer a cargo de deputado estadual.
CESPE – Téc. de NS: Advogado - SEAD/ADEPARÁ -
25/1/2004
246. Configura ato vinculado o que denega pedido de transfe-
rência a servidor que se encontra em estágio probatório.
No que se refere aos atos administrativos, julgue os itens
subseqüentes.
247. Administradores não podem anular, com base em crité-
rios de conveniência e oportunidade, atos por eles praticados.
248. É nulo um ato praticado com desvio de finalidade.
249. Tem efeitos ex nunc a revogação de um ato administrati-
vo normativo.
CESPE – Juiz Substituto - TJBA – 1º/2/2004
258. Julgue os itens abaixo relativos ao ato administrativo.
A. A nulidade de um ato administrativo pode ser decretada
de ofício pelo juiz, tendo o pronunciamento de invalidade
eficácia ex tunc, o que impede que ele gere quaisquer
efeitos, em face do princípio da supremacia do interesse
público.
262. Quanto a contratos de gestão e a processo administrati-
vo, julgue os itens seguintes.
B. Segundo jurisprudência do STJ, há nulidade do pro-
cesso administrativo disciplinar, por cerceamento de
defesa, quando a sua portaria de instauração faz referên-
cias genéricas aos fatos imputados ao servidor, deixando
de expô-los minuciosamente.
CESPE – Advogado – DESO - Sergipe – 1º/2/2004
Acerca do direito administrativo, julgue os seguintes itens.
281. Configura exercício de poder hierárquico o ato pelo
qual a administração pública pune um servidor pela práti-
ca de infração administrativa.
282. A revogação de um ato administrativo configura exercício
de poder discricionário.
283. A anulação de um ato normativo tem efeitos ex tunc.
284. Não é nulo, mas apenas anulável, o ato administrati-
vo praticado com desvio de finalidade.
Julgue os itens a seguir, relativos à desapropriação.
289. O ato que determina a desapropriação configura
exercício de poder de polícia.
290. A desapropriação é um ato personalíssimo das pes-
soas jurídicas de direito público e, portanto, seria nula
uma cláusula de contrato de concessão de serviço públi-
co que atribuísse à empresa concessionária competência
para promover desapropriações de bens declarados de
utilidade pública pelo poder concedente.
CESPE – Procurador – PGE-CE - 15/2/2004
297. Com relação aos atos administrativos, assinale a opção
correta.
A - A administração pública, ao praticar atos regulados
pelo direito civil, embora se iguale ao particular, preserva,
em razão da supremacia do interesse público, a possibili-
dade de anular unilateralmente esses atos.
B - É sempre possível à administração pública revogar
atos administrativos contrários ao interesse público, des-
de que não tenha ocorrido a preclusão ou a prescrição.
www.cathedranet.com.br
SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho
3
C - Em todos os atos administrativos discricionários, o requisi-
to objeto relaciona-se com o mérito administrativo.
D - Embora intransferível, a competência para a prática de
um ato administrativo sempre poderá ser objeto de dele-
gação ou avocação.
E - A auto-executoriedade é atributo de todos os atos
administrativos, uma vez que eles têm por finalidade a
realização do bem comum.
302. Com referência aos poderes da administração, a s sinale
a opção correta.
A - Os poderes administrativos são instrumentais, sendo utili-
zados pela administração pública para cumprir suas finalida-
des.
B - A inexistência de vinculação absoluta permite à admi-
nistração pública apreciar aspectos de conveniência,
interesse público e de forma, quando no uso do seu poder
vinculado.
C - A discricionariedade da administração pública aplica-
se apenas aos aspectos de conteúdo e de oportunidade d
o ato administrativo.
D - Com o uso do poder hierárquico, é sempre possível a
invalidação, pela autoridade superior, dos atos praticados
por seus subordinados.
E - Caso o Poder Executivo exorbite na utilização de seu
poder regulamentar, o Poder Legislativo poderá anular o
ato normativo editado.
303. Assinale a opção correta com relação ao poder de polícia
da administração.
A - O poder de polícia administrativo incide sobre bens ,
direitos, atividades e pessoas.
B - A vinculação é, na maioria dos casos, um dos atribu-
tos do poder de polícia administrativo, uma vez que, no
uso desse poder, a administração pública atua nos estri-
tos limites da lei e dos direitos fundamentais previstos na
Constituição Federal.
C - A previsão legal confere o atributo de auto-
executoriedade às multas aplicadas com o uso do poder
de polícia administrativo.
D - A exigibilidade está presente em todos os atos praticados
no exercício do poder de polícia.
E - O alvará de licença, concedido no uso d o poder de
polícia ad mi n i s t r a t i v o , é precário, podendo ser
revogado sumariamente a qualquer tempo.
CESPE – Administrador – SEAD/PRODEPA - 29/2/2004
312. As decisões do Tribunal de Contas da União, relati-
vas aplicação de normas gerais de licitação, sobre as
quais cabe privativamente à União legislar, não precisam
ser acatadas pelos administradores dos poderes dos
estados, do Distrito Federal e dos municípios, que estão
jurisdicionados, nesse caso, apenas ao tribunal de contas
a cuja jurisdição pertençam.
CESPE – Ag. de Tributos Estaduais – SEFAZ-MT - 7/3/2004
Um determinado órgão público estadual celebrou, com dis-
pensa de licitação, um contrato administrativo cujo objeto é a
realização de obras de contenção de encostas de morros. As
obras contratadas são executáveis em 150 dias. Como justifi-
cativa para a contratação sem licitação, foi alegado estado
emergencial, em razão da urgência de conclusão das obras
com o fim de evitar desmoronamento de encostas sobre áreas
habitadas, devido às
fortes chuvas que assolam o estado. Com relação à situação
hipotética apresentada acima, julgue os itens a seguir.
326 Caso os fatos indicados pela autoridade administrati-
va como sendo os motivos da prática desse ato adminis-
trativo sejam falsos ou inexistentes, o Poder Judiciário
poderá revogar o ato praticado com base na teoria dos
motivos determinantes.
Gustavo, servidor público do estado de Mato Grosso — agen-
te de trânsito —, autuou determinado motorista por conduzir
seu automóvel 10 km/h acima da velocidade máxima permiti-
da. No dia seguinte, Gustavo percebeu que o instrumento de
medição de velocidade por ele utilizado não estava devida-
mente calibrado, pois acusava velocidades 10 km/h superiores
às velocidades reais. Considerando a situação hipotética des-
crita, julgue os itens a seguir.
348. A expedição do auto de infração é um ato administrativo
vinculado.
349. Após constatar a falha do instrumento, Gustavo não deve
revogar, mas anular o referido auto de infração.
CESPE – Procurador do MP/TCU – 7/3/2004
Com relação aos atos da administração, julgue os seguintes
itens.
364 Todo ato administrativo exige motivação, sob pena de
invalidade, podendo esta ser declarada pela autoridade
hierárquica superior.
365 A auto-executoriedade, atributo inerente aos atos
administrativos, só não está presente quando vedada
expressamente por lei.
366 Um decreto que produza efeitos gerais somente pode
ser editado em caráter regulamentar.
367 A anulação de ato administrativo, por mais evidente que
seja o vício, quando afeta direito de terceiro, deve ser precedi-
da de contraditório.
368 Atos administrativos ilegais estão sujeitos à convali-
dação quando não acarretarem lesão ao interesse público
nem prejuízo a terceiros, ainda quando inexistente o moti-
vo do ato.
A respeito dos princípios administrativos, julgue os itens sub-
seqüentes.
372 A revogabilidade dos atos administrativos, derivada do
princípio da autotutela, comporta hipóteses em que a revoga-
ção não é possível.
O processo administrativo federal em geral restou regulado
pela Lei n.º 9.784/1999. No que concerne ao processo admi-
nistrativo, julgue os itens a seguir.
382 Os atos do processo administrativo independem de forma
determinada, a menos que a lei expressamente o exija.
383 O direito de a administração anular os atos adminis-
trativos de que decorram efeitos favoráveis aos destinatá-
rios decai em três anos, contados da data em que foram
praticados, salvo comprovada má-fé. No caso de efeitos
patrimoniais contínuos, esse prazo é contado da percep-
ção do último pagamento.
CESPE – Consultor Jurídico – SETEPS/PA - 14/3/2004
Considerando a SPA como sendo uma sociedade de econo-
mia mista do estado do Pará, julgue os seguintes itens.
415. O ato que concede licença-paternidade a um servidor da
SEAD que adota um filho caracteriza exercício de poder admi-
nistrativo vinculado.
www.cathedranet.com.br
SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho
4
427. A declaração de nulidade do contrato administrativo ope-
ra retroativamente, impedindo os efeitos jurídicos que ele,
ordinariamente, deveria produzir, além de desconstituir os
já.produzidos, mas a administração não se exonera do dever
de indenizar o contratado pelo que este houver executado até
a data em que ela for declarada e por outros prejuízos regu-
larmente comprovados, contanto que não lhe seja imputável.
CESPE – Analista de Controle Externo - TCU – 21/3/2004
Julgue os itens subseqüentes, relativos aos atos administrati-
vos.
456 Ato complexo é o ato que se aperfeiçoa pela manifes-
tação da vontade de dois órgãos, sendo a vontade de um
instrumental em relação à vontade do outro, que edita o
ato principal.
457 A discricionariedade do ato administrativo decorre da
possibilidade legal de a administração pública poder escolher
entre mais de um comportamento, desde que avaliados os
aspectos de conveniência e oportunidade.
CESPE – Advogado – CER/RR - 4/4/2004
Com relação ao ato administrativo e à responsabilidade civil
da administração pública, julgue os itens subseqüentes.
498. A revogação do ato administrativo tem como pressu-
posto o interesse público, sendo suscetíveis de revoga-
ção os atos discricionários e os vinculados.
499. A prática de um ato administrativo por autoridade
superior à autoridade à qual a lei confere expressamente
competência para praticá-lo não o torna anulável por vício
de competência.
500. A invalidade do ato administrativo por vício quanto ao
motivo ocorre quando não há fundamento para o ato ou quan-
do o fundamento desse ato é falso ou desconexo com o obje-
tivo da administração.
CESGRANRIO- BNDES - Advogado - 18/4/2004
518 - O chamado desvio de poder é vício do ato administrativo
que deriva do(a):
(A) defeito do fim.
(B) defeito de motivo.
(C) defeito de forma.
(D) ilegalidade do objeto.
(E) incompetência.
ESAF – Procurador do GDF – 18/4/2004
521- O ato administrativo:
a) pode ser anulado pela Administração, por motivo de
conveniência, a qualquer tempo.
b) só pode ser anulado por meio de ação popular.
c) pode ser anulado, no prazo de cinco anos, quando viciado
por ilegalidade.
d) pode ser revogado, em cinco anos, sem que as partes
possam invocar direito adquirido.
e) uma vez praticado, não pode ser revogado.
522- O Secretário da Defesa Civil contrata, após licitação, a
compra de uma frota de veículos especializados em retirar
neve das estradas. Esse contrato é:
a) irrevogável, porque obedeceu ao princípio da licitação.
b) revogável, porque o estado não está obrigado a cumprir
os contratos que celebra com particulares.
c) só pode ser desfeito por determinação legislativa.
d) só pode ser desconstituído, por ordem judicial.
e) é nulo por inexistência de motivos.
CESPE – Procurador Federal – AGU - 25/4/2004
A inexistência do motivo para a retomada, expresso no ato,
determina sua invalidade. Um servidor público de nível médio
da administração direta, selecionado por meio de processo
seletivo, teve seu ato de nomeação e sua posse em cargo
público efetivo anulados, tendo em vista nulidade posterior
declarada de seu processo de seleção, em face de procedên-
cia, com trânsito em julgado, de ação popular movida por
sindicato da categoria que o representaria. Constatado tal fato,
administrado que tivera pretensão indeferida pelo servidor
pediu a declaração de nulidade do ato indeferitório, sob o
argumento de que o mesmo estava viciado por incompetência.
Ao examinar o pedido, a administração pública negou-o, sob o
fundamento de que o indeferimento derivava do não-
atendimento pelo administrado de requisitos expressos em lei.
Com o indeferimento, ademais, convalidou o ato praticado
pelo servidor cuja nomeação e posse foram anuladas. Acerca
dessa situação hipotética, julgue os itens subseqüentes.
565. A ação popular foi movida por parte ilegítima.
566. Os atos praticados pelo servidor são nulos, pois a
investidura decorreu de mero processo seletivo.
567. A convalidação dos atos administrativos praticados
pelo servidor não se fazia possível, uma vez que o vício
noticiado era de competência.
568. A convalidação do ato praticado pelo servidor cujos
atos de nomeação e posse foram anulados era ato discri-
cionário da administração.
CESPE – Analista Judiciário/Administrativa - STJ –
9/5/2004
Quanto a atos administrativos, licitação e contratos administra-
tivos, julgue os itens a seguir.
606. Enquanto os atos administrativos são passíveis de
anulação e revogação, de acordo com a ordem jurídica, os
fatos da administração gozam de presunção de legitimi-
dade e se enquadram nos ditames da discricionariedade.
607. O motivo e a motivação do ato administrativo são o
móvel ou a intenção do agente que praticou o ato subjeti-
vo e internamente.
608. Qualquer ato licitatório deve ser editado, habilitado,
julgado, classificado, homologado, adjudicado e avaliado
por uma comissão de três membros.
CESPE – ANALISTA Municipal - Administrador – PM de
Boa Vista/RR - 16/5/2004
A exteriorização dos atos administrativos dá-se por meio de
atos instrumentais. Quanto a esse assunto, julgue os itens que
se seguem.
637. Decreto é a fórmula pela qual o chefe do Poder Executivo
expede atos de sua competência privativa.
638. Portaria é a fórmula pela qual autoridades de nível inferi-
or ao chefe do Poder Executivo expedem atos de conteúdo
amplo, dirigidos a subordinados e transmitindo decisões de
efeito interno.
639. Alvará é a fórmula utilizada para expedição de autoriza-
ções e licenças.
640. Resolução é a fórmula de expedição de normas ge-
rais de orientação interna das repartições.
641. Despachos são decisões finais ou intermediárias de
autoridades acerca da matéria submetida a sua aprecia-
ção, de utilização restrita aos ministérios militares.
www.cathedranet.com.br
SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho
5
646. Ato da administração pode ser definido como decla-
ração do Estado — ou de quem em seu nome atue —, no
exercício de prerrogativas públicas, expressada por pro-
vidências jurídicas complementares da lei a título de lhe
dar cumprimento, e sujeitas ao controle de legitimidade
por órgão jurisdicional.
647. A revogação de um ato administrativo é providência ex-
clusiva da administração pública, não se admitindo sua deter-
minação pelo Poder Judiciário. Por outro lado, a administração
deve respeitar os efeitos já produzidos pelo ato, por ser este
juridicamente válido, e por não poder revogar atos que já
exauriram seus efeitos.
648. Motivação contraditória ou insuficiente, discordância dos
motivos com o ato praticado, falta ou excesso de motivação e
camuflagem dos fatos são indícios que podem apontar vício
de finalidade no ato administrativo, configurando desvio de
poder — violação moral da lei.
CESPE – Advogado – COHAB-Bauru - 23/5/2004
Quanto ao ato administrativo, julgue os itens subseqüentes.
679. Os atos administrativos irrevogáveis são os que não
podem ser revistos pela administração pública por motivo de
oportunidade ou conveniência, uma vez que já produziram
seus efeitos ou geraram um direito subjetivo para o beneficiá-
rio ou resultam de coisa julgada administrativa.
680. A competência é um requisito do ato administrativo
que admite a transferência ou a derrogação por acordo
entre as partes ou por assentimento do agente da admi-
nistração pública.
681. O ato administrativo pode ser revogado pelo Poder
Judiciário com base na teoria dos motivos determinantes.
682. A administração pública pode anular seus próprios atos
mediante uso de seu poder de autotutela, quando constatar
que eles estão eivados por vício de ilegalidade, salvo se tiver
incidido, no caso concreto, prazo prescricional previsto em lei.
683. A anulação do ato administrativo opera ex tunc, des-
fazendo todas as relações jurídicas e todos os efeitos que
dele se originaram.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito Administrativo - Aula 1 - Princípios
Direito Administrativo - Aula 1 - PrincípiosDireito Administrativo - Aula 1 - Princípios
Direito Administrativo - Aula 1 - Princípios
Daniel Oliveira
 
Direito Administrativo - Poderes e Atos
Direito Administrativo - Poderes e AtosDireito Administrativo - Poderes e Atos
Direito Administrativo - Poderes e Atos
Amanda Almozara
 
Questoes atos administrativos
Questoes atos administrativosQuestoes atos administrativos
Questoes atos administrativos
Mg Informaticarj
 
Poderes administrativos 28_07_2010_20100728180854
Poderes administrativos 28_07_2010_20100728180854Poderes administrativos 28_07_2010_20100728180854
Poderes administrativos 28_07_2010_20100728180854
Fabiana Adaice
 
Direito administrativo Macetes
Direito administrativo MacetesDireito administrativo Macetes
Direito administrativo Macetes
Yara Souto Maior
 
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre MazzaResumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
Jamile Silva
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
Adeildo Caboclo
 
Poderes administrativos parte ii adm i
Poderes administrativos parte ii adm iPoderes administrativos parte ii adm i
Poderes administrativos parte ii adm i
Ana Cristina Freitas
 
Questoes de-direito-administrativo-separado-por-assunto
Questoes de-direito-administrativo-separado-por-assuntoQuestoes de-direito-administrativo-separado-por-assunto
Questoes de-direito-administrativo-separado-por-assunto
rodrigocp1986
 
Poderes Administrativos
Poderes AdministrativosPoderes Administrativos
Poderes Administrativos
Junior Ozono
 
Atos Administrativos Cespe Unb
Atos Administrativos Cespe UnbAtos Administrativos Cespe Unb
Atos Administrativos Cespe Unb
DEUS É FIEL ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE CRISTÃ
 
Caderno teoria e_exercicios-poderes-administrativos_esaf-
Caderno teoria e_exercicios-poderes-administrativos_esaf-Caderno teoria e_exercicios-poderes-administrativos_esaf-
Caderno teoria e_exercicios-poderes-administrativos_esaf-
Débora Andrade
 
QUESTÕES GABARITADAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV)
QUESTÕES GABARITADAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV)QUESTÕES GABARITADAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV)
QUESTÕES GABARITADAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV)
William Gonçalves
 
Exercicios resolvidos adm
Exercicios resolvidos admExercicios resolvidos adm
Exercicios resolvidos adm
simuladocontabil
 
Direito Administrativo - Controle Administrativo
Direito Administrativo - Controle AdministrativoDireito Administrativo - Controle Administrativo
Direito Administrativo - Controle Administrativo
Mentor Concursos
 
Slide tce - controle da administração publica
Slide   tce - controle da administração publicaSlide   tce - controle da administração publica
Slide tce - controle da administração publica
Manoel Amaral do Nascimento
 
Direito administrativo pf - ponto 8
Direito administrativo   pf - ponto 8Direito administrativo   pf - ponto 8
Direito administrativo pf - ponto 8
Neon Online
 
Cola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativoCola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativo
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
Superprovas Software
 
Caderno de exercicios de jurisdição constitucional
Caderno de exercicios de jurisdição constitucionalCaderno de exercicios de jurisdição constitucional
Caderno de exercicios de jurisdição constitucional
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 

Mais procurados (20)

Direito Administrativo - Aula 1 - Princípios
Direito Administrativo - Aula 1 - PrincípiosDireito Administrativo - Aula 1 - Princípios
Direito Administrativo - Aula 1 - Princípios
 
Direito Administrativo - Poderes e Atos
Direito Administrativo - Poderes e AtosDireito Administrativo - Poderes e Atos
Direito Administrativo - Poderes e Atos
 
Questoes atos administrativos
Questoes atos administrativosQuestoes atos administrativos
Questoes atos administrativos
 
Poderes administrativos 28_07_2010_20100728180854
Poderes administrativos 28_07_2010_20100728180854Poderes administrativos 28_07_2010_20100728180854
Poderes administrativos 28_07_2010_20100728180854
 
Direito administrativo Macetes
Direito administrativo MacetesDireito administrativo Macetes
Direito administrativo Macetes
 
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre MazzaResumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
Resumo de Direito administrativo do livro de Alexandre Mazza
 
Direito Administrativo
Direito AdministrativoDireito Administrativo
Direito Administrativo
 
Poderes administrativos parte ii adm i
Poderes administrativos parte ii adm iPoderes administrativos parte ii adm i
Poderes administrativos parte ii adm i
 
Questoes de-direito-administrativo-separado-por-assunto
Questoes de-direito-administrativo-separado-por-assuntoQuestoes de-direito-administrativo-separado-por-assunto
Questoes de-direito-administrativo-separado-por-assunto
 
Poderes Administrativos
Poderes AdministrativosPoderes Administrativos
Poderes Administrativos
 
Atos Administrativos Cespe Unb
Atos Administrativos Cespe UnbAtos Administrativos Cespe Unb
Atos Administrativos Cespe Unb
 
Caderno teoria e_exercicios-poderes-administrativos_esaf-
Caderno teoria e_exercicios-poderes-administrativos_esaf-Caderno teoria e_exercicios-poderes-administrativos_esaf-
Caderno teoria e_exercicios-poderes-administrativos_esaf-
 
QUESTÕES GABARITADAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV)
QUESTÕES GABARITADAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV)QUESTÕES GABARITADAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV)
QUESTÕES GABARITADAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (FGV)
 
Exercicios resolvidos adm
Exercicios resolvidos admExercicios resolvidos adm
Exercicios resolvidos adm
 
Direito Administrativo - Controle Administrativo
Direito Administrativo - Controle AdministrativoDireito Administrativo - Controle Administrativo
Direito Administrativo - Controle Administrativo
 
Slide tce - controle da administração publica
Slide   tce - controle da administração publicaSlide   tce - controle da administração publica
Slide tce - controle da administração publica
 
Direito administrativo pf - ponto 8
Direito administrativo   pf - ponto 8Direito administrativo   pf - ponto 8
Direito administrativo pf - ponto 8
 
Cola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativoCola direitoadministrativo
Cola direitoadministrativo
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Caderno de exercicios de jurisdição constitucional
Caderno de exercicios de jurisdição constitucionalCaderno de exercicios de jurisdição constitucional
Caderno de exercicios de jurisdição constitucional
 

Semelhante a Exerc cespe cathedra dir admin_ atos administrativos

Legislação extravagante pf - ponto 6 lei 8429-92
Legislação extravagante   pf - ponto 6 lei 8429-92Legislação extravagante   pf - ponto 6 lei 8429-92
Legislação extravagante pf - ponto 6 lei 8429-92
Neon Online
 
Direito administrativo -_cespe
Direito administrativo -_cespeDireito administrativo -_cespe
Direito administrativo -_cespe
Carmen Lucia Silva Araujo
 
Rodada de questões.atos administrativos, responsabilidade civil e serviços pú...
Rodada de questões.atos administrativos, responsabilidade civil e serviços pú...Rodada de questões.atos administrativos, responsabilidade civil e serviços pú...
Rodada de questões.atos administrativos, responsabilidade civil e serviços pú...
Jully Oliver
 
Direito administrativo pf - ponto 8
Direito administrativo   pf - ponto 8Direito administrativo   pf - ponto 8
Direito administrativo pf - ponto 8
Neon Online
 
Casos concretos direito administrativo i (2)
Casos concretos direito administrativo i (2)Casos concretos direito administrativo i (2)
Casos concretos direito administrativo i (2)
Allessandro Oliveira
 
41 questões atos administrativos - lfg
41 questões   atos administrativos - lfg41 questões   atos administrativos - lfg
41 questões atos administrativos - lfg
ihagoG3
 
Caderno delegado.PDF
Caderno delegado.PDFCaderno delegado.PDF
Caderno delegado.PDF
Jeferson S. J.
 
Intervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômicoIntervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômico
Rodrigo Santos Masset Lacombe
 
Ms13 001 01
Ms13 001 01Ms13 001 01
Ms13 001 01
Fabricio Francisco
 
Apostila de_exercicios
 Apostila de_exercicios Apostila de_exercicios
Apostila de_exercicios
EXATA2012
 
QUESTÕES DIVERSAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - REVISÃO PARA CONCURSOS
QUESTÕES DIVERSAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - REVISÃO PARA CONCURSOSQUESTÕES DIVERSAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - REVISÃO PARA CONCURSOS
QUESTÕES DIVERSAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - REVISÃO PARA CONCURSOS
William Gonçalves
 
Simulado Lei 8112 E 8666
Simulado Lei 8112 E 8666Simulado Lei 8112 E 8666
Direito administrativo prof. rafael mafini
Direito administrativo   prof. rafael mafiniDireito administrativo   prof. rafael mafini
Direito administrativo prof. rafael mafini
Deivid Alex
 
Machadinho
MachadinhoMachadinho
89309 slides aulao_trt_alexandre_prado
89309 slides aulao_trt_alexandre_prado89309 slides aulao_trt_alexandre_prado
89309 slides aulao_trt_alexandre_prado
Sandra Dória
 
Revisão II
Revisão II Revisão II
F agu10 001-1
F   agu10 001-1F   agu10 001-1
F agu10 001-1
Igornoliveira
 
Questões Semana Especial AGU
Questões Semana Especial AGUQuestões Semana Especial AGU
Questões Semana Especial AGU
omelhordodireito
 
Exercícios de administrativo i
Exercícios de administrativo iExercícios de administrativo i
Exercícios de administrativo i
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
Aula 8 revisão
Aula 8   revisãoAula 8   revisão

Semelhante a Exerc cespe cathedra dir admin_ atos administrativos (20)

Legislação extravagante pf - ponto 6 lei 8429-92
Legislação extravagante   pf - ponto 6 lei 8429-92Legislação extravagante   pf - ponto 6 lei 8429-92
Legislação extravagante pf - ponto 6 lei 8429-92
 
Direito administrativo -_cespe
Direito administrativo -_cespeDireito administrativo -_cespe
Direito administrativo -_cespe
 
Rodada de questões.atos administrativos, responsabilidade civil e serviços pú...
Rodada de questões.atos administrativos, responsabilidade civil e serviços pú...Rodada de questões.atos administrativos, responsabilidade civil e serviços pú...
Rodada de questões.atos administrativos, responsabilidade civil e serviços pú...
 
Direito administrativo pf - ponto 8
Direito administrativo   pf - ponto 8Direito administrativo   pf - ponto 8
Direito administrativo pf - ponto 8
 
Casos concretos direito administrativo i (2)
Casos concretos direito administrativo i (2)Casos concretos direito administrativo i (2)
Casos concretos direito administrativo i (2)
 
41 questões atos administrativos - lfg
41 questões   atos administrativos - lfg41 questões   atos administrativos - lfg
41 questões atos administrativos - lfg
 
Caderno delegado.PDF
Caderno delegado.PDFCaderno delegado.PDF
Caderno delegado.PDF
 
Intervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômicoIntervenção no domínio econômico
Intervenção no domínio econômico
 
Ms13 001 01
Ms13 001 01Ms13 001 01
Ms13 001 01
 
Apostila de_exercicios
 Apostila de_exercicios Apostila de_exercicios
Apostila de_exercicios
 
QUESTÕES DIVERSAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - REVISÃO PARA CONCURSOS
QUESTÕES DIVERSAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - REVISÃO PARA CONCURSOSQUESTÕES DIVERSAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - REVISÃO PARA CONCURSOS
QUESTÕES DIVERSAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO - REVISÃO PARA CONCURSOS
 
Simulado Lei 8112 E 8666
Simulado Lei 8112 E 8666Simulado Lei 8112 E 8666
Simulado Lei 8112 E 8666
 
Direito administrativo prof. rafael mafini
Direito administrativo   prof. rafael mafiniDireito administrativo   prof. rafael mafini
Direito administrativo prof. rafael mafini
 
Machadinho
MachadinhoMachadinho
Machadinho
 
89309 slides aulao_trt_alexandre_prado
89309 slides aulao_trt_alexandre_prado89309 slides aulao_trt_alexandre_prado
89309 slides aulao_trt_alexandre_prado
 
Revisão II
Revisão II Revisão II
Revisão II
 
F agu10 001-1
F   agu10 001-1F   agu10 001-1
F agu10 001-1
 
Questões Semana Especial AGU
Questões Semana Especial AGUQuestões Semana Especial AGU
Questões Semana Especial AGU
 
Exercícios de administrativo i
Exercícios de administrativo iExercícios de administrativo i
Exercícios de administrativo i
 
Aula 8 revisão
Aula 8   revisãoAula 8   revisão
Aula 8 revisão
 

Mais de Fabiana Adaice

Vários órgãos
Vários órgãosVários órgãos
Vários órgãos
Fabiana Adaice
 
Serviços 2009
Serviços 2009Serviços 2009
Serviços 2009
Fabiana Adaice
 
Roteiro de direito_administrativo
Roteiro de direito_administrativoRoteiro de direito_administrativo
Roteiro de direito_administrativo
Fabiana Adaice
 
Quadro organização administrativa
Quadro organização administrativaQuadro organização administrativa
Quadro organização administrativa
Fabiana Adaice
 
Programa das aulas_de_direito_administrativo
Programa das aulas_de_direito_administrativoPrograma das aulas_de_direito_administrativo
Programa das aulas_de_direito_administrativo
Fabiana Adaice
 
Exerc cespe cathedra dir admin_ licitações e contratos
Exerc cespe cathedra dir admin_ licitações e contratosExerc cespe cathedra dir admin_ licitações e contratos
Exerc cespe cathedra dir admin_ licitações e contratos
Fabiana Adaice
 
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativosExerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Fabiana Adaice
 
Cathedra slides sobre_administração_pública
Cathedra slides sobre_administração_públicaCathedra slides sobre_administração_pública
Cathedra slides sobre_administração_pública
Fabiana Adaice
 
Atos quadro resumo
Atos quadro resumoAtos quadro resumo
Atos quadro resumo
Fabiana Adaice
 
Atos administrativos
Atos administrativosAtos administrativos
Atos administrativos
Fabiana Adaice
 
Anotações de direito_administrativo_-_parte_1
Anotações de direito_administrativo_-_parte_1Anotações de direito_administrativo_-_parte_1
Anotações de direito_administrativo_-_parte_1
Fabiana Adaice
 
Agentes públicos
Agentes públicosAgentes públicos
Agentes públicos
Fabiana Adaice
 
Adm materias aula4
Adm materias aula4Adm materias aula4
Adm materias aula4
Fabiana Adaice
 
Administracao materiais 07_08_2010_20100805104957
Administracao materiais 07_08_2010_20100805104957Administracao materiais 07_08_2010_20100805104957
Administracao materiais 07_08_2010_20100805104957
Fabiana Adaice
 
Plano Nacional de Convivência Familiar
Plano Nacional de Convivência FamiliarPlano Nacional de Convivência Familiar
Plano Nacional de Convivência Familiar
Fabiana Adaice
 
Serviço social, trabalhadores e proletariado
Serviço social, trabalhadores e proletariadoServiço social, trabalhadores e proletariado
Serviço social, trabalhadores e proletariado
Fabiana Adaice
 
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Fabiana Adaice
 
Estado de bem estar origem modelos e terminologias
Estado de bem estar origem modelos e terminologiasEstado de bem estar origem modelos e terminologias
Estado de bem estar origem modelos e terminologias
Fabiana Adaice
 

Mais de Fabiana Adaice (18)

Vários órgãos
Vários órgãosVários órgãos
Vários órgãos
 
Serviços 2009
Serviços 2009Serviços 2009
Serviços 2009
 
Roteiro de direito_administrativo
Roteiro de direito_administrativoRoteiro de direito_administrativo
Roteiro de direito_administrativo
 
Quadro organização administrativa
Quadro organização administrativaQuadro organização administrativa
Quadro organização administrativa
 
Programa das aulas_de_direito_administrativo
Programa das aulas_de_direito_administrativoPrograma das aulas_de_direito_administrativo
Programa das aulas_de_direito_administrativo
 
Exerc cespe cathedra dir admin_ licitações e contratos
Exerc cespe cathedra dir admin_ licitações e contratosExerc cespe cathedra dir admin_ licitações e contratos
Exerc cespe cathedra dir admin_ licitações e contratos
 
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativosExerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
Exerc cespe cathedra dir admin_ contratos administrativos
 
Cathedra slides sobre_administração_pública
Cathedra slides sobre_administração_públicaCathedra slides sobre_administração_pública
Cathedra slides sobre_administração_pública
 
Atos quadro resumo
Atos quadro resumoAtos quadro resumo
Atos quadro resumo
 
Atos administrativos
Atos administrativosAtos administrativos
Atos administrativos
 
Anotações de direito_administrativo_-_parte_1
Anotações de direito_administrativo_-_parte_1Anotações de direito_administrativo_-_parte_1
Anotações de direito_administrativo_-_parte_1
 
Agentes públicos
Agentes públicosAgentes públicos
Agentes públicos
 
Adm materias aula4
Adm materias aula4Adm materias aula4
Adm materias aula4
 
Administracao materiais 07_08_2010_20100805104957
Administracao materiais 07_08_2010_20100805104957Administracao materiais 07_08_2010_20100805104957
Administracao materiais 07_08_2010_20100805104957
 
Plano Nacional de Convivência Familiar
Plano Nacional de Convivência FamiliarPlano Nacional de Convivência Familiar
Plano Nacional de Convivência Familiar
 
Serviço social, trabalhadores e proletariado
Serviço social, trabalhadores e proletariadoServiço social, trabalhadores e proletariado
Serviço social, trabalhadores e proletariado
 
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
Empoderamento e participação da comunidade em políticas sociais, maria da glo...
 
Estado de bem estar origem modelos e terminologias
Estado de bem estar origem modelos e terminologiasEstado de bem estar origem modelos e terminologias
Estado de bem estar origem modelos e terminologias
 

Exerc cespe cathedra dir admin_ atos administrativos

  • 1. “Você, no centro do sucesso.” Direito Administrativo coletânea de provas de concursos Parte 2 – Atos Administrativos (CESPE – Agente de Polícia – PCRR - 18/5/2003) Demétrio, policial civil do estado de Roraima, conduzindo viatura policial em alta velocidade, na perseguição bandidos, perdeu o controle do veículo, vindo a atingir senhora que esta- va em uma parada de ônibus. Do acidente, resultou a morte da vítima. Com base nessa situação hipotética e considerando os direitos garantias fundamentais, bem como a responsabili- dade Estado e dos seus agentes públicos, julgue os itens a seguir. 17. O ato não pode ser anulado pela administração públi- ca, porque gerou direito adquirido. 18. O ato não pode ser anulado pela administração públi- ca, porque decorreu o prazo de um ano. 19. O ato pode ser anulado judicialmente. 20. No caso, cabe revogação pela administração pública. 21. O ato pode ser revogado judicialmente. Determinado fiscal de vigilância sanitária da prefeitura fechou temporariamente, com fundamento em lei municipal, restau- rante que vendia comida estragada. Considerando essa situa- ção hipotética, julgue os itens seguintes. 22. O ato do fiscal decorreu do poder de polícia da administra- ção pública. 23. O ato do fiscal foi inválido, porque o fechamento de restaurante, ainda que temporariamente, depende de au- torização judicial. 24. O ato do fiscal foi válido, mas o auto de infração deve ser encaminhado ao juízo competente. 25. O ato do fiscal foi dotado de presunção de legitimidade. 26. Contra o ato do fiscal, pode o dono do restaurante insurgir- se administrativamente. 27. O ato do fiscal configurou abuso de poder. 28. Na situação em apreço, somente a polícia judiciária poderia ter tomado a providência adotada pelo fiscal. CESPE – PETROBRAS – Advogado Júnior – 28/9/2003 Com fundamento na Constituição de 1988 e na doutrina do direito administrativo brasileiro, julgue os itens que se seguem. 54. Atos administrativos praticados por ocupantes de cargos públicos de empresa pública e sociedade de eco- nomia mista não estão vinculados ao controle do Tribunal de Contas da União. 55. Governador que edita decreto declarando propriedade rural como de interesse social para fins de reforma agrária terá plenos poderes para propor ação de desapropriação em caso de resistência dos antigos proprietários. 56. Segundo a doutrina majoritária do direito administrativo brasileiro, a discricionariedade é um dos atributos do poder de polícia, podendo ser observada na concessão de autorização para porte de arma. Em relação à Constituição da República, à doutrina do direito administrativo brasileiro e à jurisprudência do Supremo Tribu- nal Federal (STF), julgue os itens a seguir. 57. Segundo a doutrina majoritária do direito administrativo brasileiro sobre o controle da administração pública, o ato administrativo praticado por sociedade de economia mista está sujeito ao controle popular. 58. Sociedade de economia mista constituída após a Constituição de 1988 não poderá declarar a nulidade de ato administrativo por ela praticado pois cabe ao Poder Judiciário a exclusividade dessa atribuição. CESPE – Defensor Público - Amazonas - 5/10/2003 Acerca da disciplina que rege os concursos públicos, julgue os itens a seguir. Considerando que Reinaldo foi nomeado para o cargo de defensor público do estado do Amazonas, julgue os itens subseqüentes. 62. O ato de nomeação de Reinaldo não é vinculado, mas discricionário. 63. O ato de nomeação de Reinaldo não pode ser revogado pela administração pública. 64. Após ser nomeado, e antes de entrar em exercício, Reinaldo deve assinar o termo de posse, que é um contra- to administrativo de adesão em que são definidas as re- gras que regerão a prestação das atividades legalmente definidas para o seu cargo. 65. A partir da data de sua posse, Reinaldo tem responsa- bilidade civil objetiva pelos atos que praticar no estrito cumprimento de seus deveres funcionais. A administração direta do estado do Amazonas multou Cristi- ano por imputar a ele uma determinada infração ambiental. Inconformado, Cristiano realizou pedido administrativo de anulação da multa, por considerá-la ilegal, mas sua solicitação foi indeferida. Irresignado, ele recorreu dessa decisão indeferi- tória, mas ingressou com o recurso fora do prazo. Acerca da situação hipotética apresentada, julgue os itens a seguir. 70. Embora a intempestividade obste o conhecimento do re- curso, nada impede que a autoridade administrativa compe- tente reconheça a procedência da argumentação de Cristiano e anule, de ofício, a penalidade. 71. Para que tenha direito a postular judicialmente a anu- lação da referida multa, Cristiano precisa comprovar que exauriu todos os recursos administrativos possíveis. SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho
  • 2. www.cathedranet.com.br SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho 2 72. O ato administrativo que estabeleceu a multa impugnada por Cristiano caracteriza exercício de poder de polícia. CESPE – Agente de Trânsito – DETRAN - DF – 12/10/2003 O poder de polícia está intimamente relacionado, de um lado, com as prerrogativas da administração pública para garantia do bem-estar coletivo, e, de outro, com as liberdades individu- ais dos cidadãos. Acerca desse tema, julgue os itens subse- qüentes. 84. A licença para dirigir veículo automotor é ato administrativo vinculado, decorrente do poder de polícia. 90. A multa administrativa, mesmo depois de aplicada, comporta revogação. (CESPE – Téc de NM/Classificação III – Min. do Meio Am- biente - 18/10/2003) Acerca do direito administrativo, julgue os itens que se se- guem. 137. A validade dos atos administrativos discricionários não é sujeita a controle judicial, mas apenas a controles administrativo e legislativo. 138. Considere a seguinte situação hipotética. Um cidadão foi multado pela prática de um ilícito administrativo e re- correu da multa sob o argumento de que não havia prati- cado o ato. O agente público responsável pelo julgamento do recurso, apesar de não acatar as alegações do recor- rente, verificou que houve equívoco nos cálculos realiza- dos pela autoridade que aplicou a multa, o que acabou resultando na determinação de uma multa maior que a legalmente devida. Nessa situação, a autoridade que julga o recurso não pode, de ofício, reduzir o valor da multa, pois a diminuição de penalidades somente pode ocorrer em resposta a pedido expresso formulado pelo recorren- te. CESPE – Téc. de NS: Administrador - SEAD/ADEPARÁ - 25/1/2004 No que se refere aos atos e contratos administrativos, julgue os itens subseqüentes. 217. Os atos administrativos são dotados de presunção de legitimidade. 218. Considerando que Arnaldo é um servidor público que praticou um ato administrativo e, posteriormente, verifi- cou que o ato era ilegal, é correto afirmar que ele não deverá anular o ato ilegal, mas revogá-lo. 219. Se uma fundação pública federal estabelecer contrato de locação com um particular, com o objetivo de alugar um imóvel para servir-lhe como sede, esse contrato deve ser qualificado como contrato administrativo, pois uma de suas partes é uma pessoa jurídica de direito público. 220. Considere a seguinte situação hipotética. Um administra- dor encontra-se frente a uma situação em que a lei permite realizar licitação tanto do tipo técnica e preço quanto do tipo melhor técnica. Nessa situação, será discricionário o ato me- diante o qual o referido administrador define o tipo de licitação que será realizada. A respeito do regime dos servidores públicos federais, julgue os itens que se seguem. 230. Trata-se de ato vinculado o que concede licença para atividade política a um servidor escolhido em convenção parti- dária para concorrer a cargo de deputado estadual. CESPE – Téc. de NS: Advogado - SEAD/ADEPARÁ - 25/1/2004 246. Configura ato vinculado o que denega pedido de transfe- rência a servidor que se encontra em estágio probatório. No que se refere aos atos administrativos, julgue os itens subseqüentes. 247. Administradores não podem anular, com base em crité- rios de conveniência e oportunidade, atos por eles praticados. 248. É nulo um ato praticado com desvio de finalidade. 249. Tem efeitos ex nunc a revogação de um ato administrati- vo normativo. CESPE – Juiz Substituto - TJBA – 1º/2/2004 258. Julgue os itens abaixo relativos ao ato administrativo. A. A nulidade de um ato administrativo pode ser decretada de ofício pelo juiz, tendo o pronunciamento de invalidade eficácia ex tunc, o que impede que ele gere quaisquer efeitos, em face do princípio da supremacia do interesse público. 262. Quanto a contratos de gestão e a processo administrati- vo, julgue os itens seguintes. B. Segundo jurisprudência do STJ, há nulidade do pro- cesso administrativo disciplinar, por cerceamento de defesa, quando a sua portaria de instauração faz referên- cias genéricas aos fatos imputados ao servidor, deixando de expô-los minuciosamente. CESPE – Advogado – DESO - Sergipe – 1º/2/2004 Acerca do direito administrativo, julgue os seguintes itens. 281. Configura exercício de poder hierárquico o ato pelo qual a administração pública pune um servidor pela práti- ca de infração administrativa. 282. A revogação de um ato administrativo configura exercício de poder discricionário. 283. A anulação de um ato normativo tem efeitos ex tunc. 284. Não é nulo, mas apenas anulável, o ato administrati- vo praticado com desvio de finalidade. Julgue os itens a seguir, relativos à desapropriação. 289. O ato que determina a desapropriação configura exercício de poder de polícia. 290. A desapropriação é um ato personalíssimo das pes- soas jurídicas de direito público e, portanto, seria nula uma cláusula de contrato de concessão de serviço públi- co que atribuísse à empresa concessionária competência para promover desapropriações de bens declarados de utilidade pública pelo poder concedente. CESPE – Procurador – PGE-CE - 15/2/2004 297. Com relação aos atos administrativos, assinale a opção correta. A - A administração pública, ao praticar atos regulados pelo direito civil, embora se iguale ao particular, preserva, em razão da supremacia do interesse público, a possibili- dade de anular unilateralmente esses atos. B - É sempre possível à administração pública revogar atos administrativos contrários ao interesse público, des- de que não tenha ocorrido a preclusão ou a prescrição.
  • 3. www.cathedranet.com.br SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho 3 C - Em todos os atos administrativos discricionários, o requisi- to objeto relaciona-se com o mérito administrativo. D - Embora intransferível, a competência para a prática de um ato administrativo sempre poderá ser objeto de dele- gação ou avocação. E - A auto-executoriedade é atributo de todos os atos administrativos, uma vez que eles têm por finalidade a realização do bem comum. 302. Com referência aos poderes da administração, a s sinale a opção correta. A - Os poderes administrativos são instrumentais, sendo utili- zados pela administração pública para cumprir suas finalida- des. B - A inexistência de vinculação absoluta permite à admi- nistração pública apreciar aspectos de conveniência, interesse público e de forma, quando no uso do seu poder vinculado. C - A discricionariedade da administração pública aplica- se apenas aos aspectos de conteúdo e de oportunidade d o ato administrativo. D - Com o uso do poder hierárquico, é sempre possível a invalidação, pela autoridade superior, dos atos praticados por seus subordinados. E - Caso o Poder Executivo exorbite na utilização de seu poder regulamentar, o Poder Legislativo poderá anular o ato normativo editado. 303. Assinale a opção correta com relação ao poder de polícia da administração. A - O poder de polícia administrativo incide sobre bens , direitos, atividades e pessoas. B - A vinculação é, na maioria dos casos, um dos atribu- tos do poder de polícia administrativo, uma vez que, no uso desse poder, a administração pública atua nos estri- tos limites da lei e dos direitos fundamentais previstos na Constituição Federal. C - A previsão legal confere o atributo de auto- executoriedade às multas aplicadas com o uso do poder de polícia administrativo. D - A exigibilidade está presente em todos os atos praticados no exercício do poder de polícia. E - O alvará de licença, concedido no uso d o poder de polícia ad mi n i s t r a t i v o , é precário, podendo ser revogado sumariamente a qualquer tempo. CESPE – Administrador – SEAD/PRODEPA - 29/2/2004 312. As decisões do Tribunal de Contas da União, relati- vas aplicação de normas gerais de licitação, sobre as quais cabe privativamente à União legislar, não precisam ser acatadas pelos administradores dos poderes dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, que estão jurisdicionados, nesse caso, apenas ao tribunal de contas a cuja jurisdição pertençam. CESPE – Ag. de Tributos Estaduais – SEFAZ-MT - 7/3/2004 Um determinado órgão público estadual celebrou, com dis- pensa de licitação, um contrato administrativo cujo objeto é a realização de obras de contenção de encostas de morros. As obras contratadas são executáveis em 150 dias. Como justifi- cativa para a contratação sem licitação, foi alegado estado emergencial, em razão da urgência de conclusão das obras com o fim de evitar desmoronamento de encostas sobre áreas habitadas, devido às fortes chuvas que assolam o estado. Com relação à situação hipotética apresentada acima, julgue os itens a seguir. 326 Caso os fatos indicados pela autoridade administrati- va como sendo os motivos da prática desse ato adminis- trativo sejam falsos ou inexistentes, o Poder Judiciário poderá revogar o ato praticado com base na teoria dos motivos determinantes. Gustavo, servidor público do estado de Mato Grosso — agen- te de trânsito —, autuou determinado motorista por conduzir seu automóvel 10 km/h acima da velocidade máxima permiti- da. No dia seguinte, Gustavo percebeu que o instrumento de medição de velocidade por ele utilizado não estava devida- mente calibrado, pois acusava velocidades 10 km/h superiores às velocidades reais. Considerando a situação hipotética des- crita, julgue os itens a seguir. 348. A expedição do auto de infração é um ato administrativo vinculado. 349. Após constatar a falha do instrumento, Gustavo não deve revogar, mas anular o referido auto de infração. CESPE – Procurador do MP/TCU – 7/3/2004 Com relação aos atos da administração, julgue os seguintes itens. 364 Todo ato administrativo exige motivação, sob pena de invalidade, podendo esta ser declarada pela autoridade hierárquica superior. 365 A auto-executoriedade, atributo inerente aos atos administrativos, só não está presente quando vedada expressamente por lei. 366 Um decreto que produza efeitos gerais somente pode ser editado em caráter regulamentar. 367 A anulação de ato administrativo, por mais evidente que seja o vício, quando afeta direito de terceiro, deve ser precedi- da de contraditório. 368 Atos administrativos ilegais estão sujeitos à convali- dação quando não acarretarem lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, ainda quando inexistente o moti- vo do ato. A respeito dos princípios administrativos, julgue os itens sub- seqüentes. 372 A revogabilidade dos atos administrativos, derivada do princípio da autotutela, comporta hipóteses em que a revoga- ção não é possível. O processo administrativo federal em geral restou regulado pela Lei n.º 9.784/1999. No que concerne ao processo admi- nistrativo, julgue os itens a seguir. 382 Os atos do processo administrativo independem de forma determinada, a menos que a lei expressamente o exija. 383 O direito de a administração anular os atos adminis- trativos de que decorram efeitos favoráveis aos destinatá- rios decai em três anos, contados da data em que foram praticados, salvo comprovada má-fé. No caso de efeitos patrimoniais contínuos, esse prazo é contado da percep- ção do último pagamento. CESPE – Consultor Jurídico – SETEPS/PA - 14/3/2004 Considerando a SPA como sendo uma sociedade de econo- mia mista do estado do Pará, julgue os seguintes itens. 415. O ato que concede licença-paternidade a um servidor da SEAD que adota um filho caracteriza exercício de poder admi- nistrativo vinculado.
  • 4. www.cathedranet.com.br SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho 4 427. A declaração de nulidade do contrato administrativo ope- ra retroativamente, impedindo os efeitos jurídicos que ele, ordinariamente, deveria produzir, além de desconstituir os já.produzidos, mas a administração não se exonera do dever de indenizar o contratado pelo que este houver executado até a data em que ela for declarada e por outros prejuízos regu- larmente comprovados, contanto que não lhe seja imputável. CESPE – Analista de Controle Externo - TCU – 21/3/2004 Julgue os itens subseqüentes, relativos aos atos administrati- vos. 456 Ato complexo é o ato que se aperfeiçoa pela manifes- tação da vontade de dois órgãos, sendo a vontade de um instrumental em relação à vontade do outro, que edita o ato principal. 457 A discricionariedade do ato administrativo decorre da possibilidade legal de a administração pública poder escolher entre mais de um comportamento, desde que avaliados os aspectos de conveniência e oportunidade. CESPE – Advogado – CER/RR - 4/4/2004 Com relação ao ato administrativo e à responsabilidade civil da administração pública, julgue os itens subseqüentes. 498. A revogação do ato administrativo tem como pressu- posto o interesse público, sendo suscetíveis de revoga- ção os atos discricionários e os vinculados. 499. A prática de um ato administrativo por autoridade superior à autoridade à qual a lei confere expressamente competência para praticá-lo não o torna anulável por vício de competência. 500. A invalidade do ato administrativo por vício quanto ao motivo ocorre quando não há fundamento para o ato ou quan- do o fundamento desse ato é falso ou desconexo com o obje- tivo da administração. CESGRANRIO- BNDES - Advogado - 18/4/2004 518 - O chamado desvio de poder é vício do ato administrativo que deriva do(a): (A) defeito do fim. (B) defeito de motivo. (C) defeito de forma. (D) ilegalidade do objeto. (E) incompetência. ESAF – Procurador do GDF – 18/4/2004 521- O ato administrativo: a) pode ser anulado pela Administração, por motivo de conveniência, a qualquer tempo. b) só pode ser anulado por meio de ação popular. c) pode ser anulado, no prazo de cinco anos, quando viciado por ilegalidade. d) pode ser revogado, em cinco anos, sem que as partes possam invocar direito adquirido. e) uma vez praticado, não pode ser revogado. 522- O Secretário da Defesa Civil contrata, após licitação, a compra de uma frota de veículos especializados em retirar neve das estradas. Esse contrato é: a) irrevogável, porque obedeceu ao princípio da licitação. b) revogável, porque o estado não está obrigado a cumprir os contratos que celebra com particulares. c) só pode ser desfeito por determinação legislativa. d) só pode ser desconstituído, por ordem judicial. e) é nulo por inexistência de motivos. CESPE – Procurador Federal – AGU - 25/4/2004 A inexistência do motivo para a retomada, expresso no ato, determina sua invalidade. Um servidor público de nível médio da administração direta, selecionado por meio de processo seletivo, teve seu ato de nomeação e sua posse em cargo público efetivo anulados, tendo em vista nulidade posterior declarada de seu processo de seleção, em face de procedên- cia, com trânsito em julgado, de ação popular movida por sindicato da categoria que o representaria. Constatado tal fato, administrado que tivera pretensão indeferida pelo servidor pediu a declaração de nulidade do ato indeferitório, sob o argumento de que o mesmo estava viciado por incompetência. Ao examinar o pedido, a administração pública negou-o, sob o fundamento de que o indeferimento derivava do não- atendimento pelo administrado de requisitos expressos em lei. Com o indeferimento, ademais, convalidou o ato praticado pelo servidor cuja nomeação e posse foram anuladas. Acerca dessa situação hipotética, julgue os itens subseqüentes. 565. A ação popular foi movida por parte ilegítima. 566. Os atos praticados pelo servidor são nulos, pois a investidura decorreu de mero processo seletivo. 567. A convalidação dos atos administrativos praticados pelo servidor não se fazia possível, uma vez que o vício noticiado era de competência. 568. A convalidação do ato praticado pelo servidor cujos atos de nomeação e posse foram anulados era ato discri- cionário da administração. CESPE – Analista Judiciário/Administrativa - STJ – 9/5/2004 Quanto a atos administrativos, licitação e contratos administra- tivos, julgue os itens a seguir. 606. Enquanto os atos administrativos são passíveis de anulação e revogação, de acordo com a ordem jurídica, os fatos da administração gozam de presunção de legitimi- dade e se enquadram nos ditames da discricionariedade. 607. O motivo e a motivação do ato administrativo são o móvel ou a intenção do agente que praticou o ato subjeti- vo e internamente. 608. Qualquer ato licitatório deve ser editado, habilitado, julgado, classificado, homologado, adjudicado e avaliado por uma comissão de três membros. CESPE – ANALISTA Municipal - Administrador – PM de Boa Vista/RR - 16/5/2004 A exteriorização dos atos administrativos dá-se por meio de atos instrumentais. Quanto a esse assunto, julgue os itens que se seguem. 637. Decreto é a fórmula pela qual o chefe do Poder Executivo expede atos de sua competência privativa. 638. Portaria é a fórmula pela qual autoridades de nível inferi- or ao chefe do Poder Executivo expedem atos de conteúdo amplo, dirigidos a subordinados e transmitindo decisões de efeito interno. 639. Alvará é a fórmula utilizada para expedição de autoriza- ções e licenças. 640. Resolução é a fórmula de expedição de normas ge- rais de orientação interna das repartições. 641. Despachos são decisões finais ou intermediárias de autoridades acerca da matéria submetida a sua aprecia- ção, de utilização restrita aos ministérios militares.
  • 5. www.cathedranet.com.br SCRN 706/707, bloco A, entrada 42 - Brasília – DF (61) 3274-2401 Prof. André Luís de Carvalho 5 646. Ato da administração pode ser definido como decla- ração do Estado — ou de quem em seu nome atue —, no exercício de prerrogativas públicas, expressada por pro- vidências jurídicas complementares da lei a título de lhe dar cumprimento, e sujeitas ao controle de legitimidade por órgão jurisdicional. 647. A revogação de um ato administrativo é providência ex- clusiva da administração pública, não se admitindo sua deter- minação pelo Poder Judiciário. Por outro lado, a administração deve respeitar os efeitos já produzidos pelo ato, por ser este juridicamente válido, e por não poder revogar atos que já exauriram seus efeitos. 648. Motivação contraditória ou insuficiente, discordância dos motivos com o ato praticado, falta ou excesso de motivação e camuflagem dos fatos são indícios que podem apontar vício de finalidade no ato administrativo, configurando desvio de poder — violação moral da lei. CESPE – Advogado – COHAB-Bauru - 23/5/2004 Quanto ao ato administrativo, julgue os itens subseqüentes. 679. Os atos administrativos irrevogáveis são os que não podem ser revistos pela administração pública por motivo de oportunidade ou conveniência, uma vez que já produziram seus efeitos ou geraram um direito subjetivo para o beneficiá- rio ou resultam de coisa julgada administrativa. 680. A competência é um requisito do ato administrativo que admite a transferência ou a derrogação por acordo entre as partes ou por assentimento do agente da admi- nistração pública. 681. O ato administrativo pode ser revogado pelo Poder Judiciário com base na teoria dos motivos determinantes. 682. A administração pública pode anular seus próprios atos mediante uso de seu poder de autotutela, quando constatar que eles estão eivados por vício de ilegalidade, salvo se tiver incidido, no caso concreto, prazo prescricional previsto em lei. 683. A anulação do ato administrativo opera ex tunc, des- fazendo todas as relações jurídicas e todos os efeitos que dele se originaram.