Cenários - Eduardo Miras

475 visualizações

Publicada em

ExpoGestão 2015

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
475
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cenários - Eduardo Miras

  1. 1. MS_Brazil_Overview_May15_v13.pptx18 MAY 201511:09 PM1 Cenários: Economia & Negócios Maio de 2015
  2. 2. 1 Morgan Stanley: Plataforma Líder Global $Bn 2014A 1 Fusões e Aquisições 2 3 4 Produtos Estruturados Morgan Stanley Banco do Ano Administração de Recursos ($2.7 Bn) 8% Banco de Investimento/ Sales & Trading ($16.9 Bn) 49% Administração de Fortunas ($14.9 Bn) 43% U$1,181 Bi em Ativos Receitas Diversificadas Prêmios Produtos Oferecidos Pela Franquia Local 556 599 649 782 527 645 756 759 889 1.065 '04 '05 '06 '07 '08 '09 '10 '11 '12 '13  Fundado em 1935  Uma das maiores instituições financeiras do mundo  Mais de 1200 escritórios em 43 países  Líder em serviços financeiros e assessoraria de operações estruturadas  Presente em São Paulo desde 1997 Destaques Presença Global do Morgan Stanley São Paulo Buenos Aires Johannesburg Sydney Melbourne Singapore Mumbai Dubai Bangkok Taipei Hong Kong Shanghai Beijing Tokyo Seoul Tel Aviv Stockholm Dublin London Paris Lisbon Madrid Moscow Budapest Milan Geneva Luxembourg Frankfurt Zurich Amsterdam San Francisco Menlo Park Los Angeles Cidade do México Houston Austin Toronto Atlanta Oriando Chicago Denver Montreal Boston New York Philadelphia Hamilton Calgary Glasgow Riyadh Zhuhai Cairo Doha Bogota Lima Financiamentos (Renda Fixa) Levantamento de Capital: Ações
  3. 3. 2 Liderança em Diversos Produtos e Setores Investment Banking Division Fusões e Aquisições (IBD) Mercado de Ações(GCM) Mercado de Renda Fixa (GCM) Principais Produtos:  Assessoria de Fusões e Aquisições na compra e venda de empresas  Fairness Opinion  Spin-off  Reestruturação Principais Produtos :  Oferta Inicial de Ações  Ofertas Subsequentes  Block trade  Emissões Privadas  Derivativos Principais Produtos :  Bonds Internacionais  Debêntures  Empréstimos  Produtos Estruturados  Liability Management  Financiamento de Projetos e Aquisições  Derivativos Transações Recentes Transações Recentes Transações Recentes Exclusive financial advisor to Warburg Pincus on the acquisition of San. Brasil's custody business 2014 – US$385MM Financial advisor to Telefónica Brasil on the acquisition of GVT 2014 – US$9.9Bn Financial advisor to ArcellorMittal and Gerdau on sale of 50% stake in Gallatin Steel to Nucor 2014 – US$770MM Financial Advisor to Orteng on it’s sale to VINCI 2015 – Undisclosed Advisor to NovaAgri on the sale to Toyota Tsusho Corporation 2015 – Undisclosed Financial advisor to the shareholders of Simpress on the sale to Samsung 2015 – Undisclosed Exclusive financial advisor to Altice in the acquisition of Portugal Telecom from Oi 2014 – US$9.6Bn Financial advisor to TIM on the sale of 6,481 towers to American Tower 2014 – US$1.2Bn Exclusive financial advisor to GNF on the merger of its gas distribution operations in Brazil with CEMIG 2014 – Undisclosed Joint Bookrunner IPO 2013 – US$402MM Placement Agent Private Placement 2013 – US$101MM Global Lead-Left Bookrunner and Stabilization Agent IPO 2013 – US$235MM Global Coordinator and Stabilization Agent ABO of Vale’s interest on Norsk 2013 – US$1.8Bn Joint Bookrunner Follow-On 2014 – US$6.0Bn Lead-Left Bookrunner IPO 2014 – Ongoing Global Coordinator and Joint Bookrunner Follow-on 2015 – US$5.5 Bn Lead-Left Bookrunner IPO 2014 – US$188MM Lead-Left Bookrunner IPO 2014 – Ongoing Joint Bookrunner 2014 – US$750MM Joint Bookrunner 2014 – US$135MM Joint Bookrunner 2014 – US$400MM Joint Bookrunner 2014 – US$500MM Joint Bookrunner 2014 – US$400MM Joint Bookrunner 2014 – US$850MM Joint Bookrunner 2014 – US$350MM Joint Bookrunner 2014 – US$325MM Joint Bookrunner 2014 – US$1.0Bn
  4. 4. 3 Brasil: Grande Demais para Ser Ignorado Principais fatos e dados sobre a economia brasileira Sétima Maior Economia do Mundo1 Referência Mundial na Produção de Commodities2 Abundância de Recursos Naturais3 Indústria Diversificada4 Mercado Consumidor Robusto5 Sólido Sistema Financeiro6  O Brasil é um país de grandes proporções e relevância dentro do contexto global  A economia possui fundamentos de lingo prazo sólidos e atrativo potencial de crescimento  Gargalos em infraestrutura e educação e o atual ambiente político tem sido os principais fatores para a desaceleração do crescimento 7a Demografia Favorável7
  5. 5. 4 Posição de Destaque Entre as Maiores Economias do Mundo O Brasil esta entre os maiores países em termos econômicos e demográficos Sétima Maior Economia do Mundo 16,8 9,2 4,9 3,7 2,8 2,7 2,2 2,1 2,1 1,9 Fonte: Banco Mundial Fonte: FMI 1.368 1.267 320 255 203 189 184 156 146 127 País Populoso de Dimensão Continental PIB 2013 US$Tn Ranking 2013 - bilhões de habitantes Ranking 2013 – milhões de km2 17,1 10,0 9,7 9,6 8,5 7,7 3,2 2,8 2,7 2,4 5a 5a 7a
  6. 6. 5 Referência Mundial em Produção de Commodities Ranking na Produção e Exportação de Produtos Selecionados Produção Exportação Café #1 #1 Laranja #1 #1 Etanol #2 #1 Carne #2 #1 Tabaco #2 #1 Frango #3 #1 Soja #2 #2 Milho #4 #3 Carne de Porco #4 #4 156,2 155,1 119,8 105,9 72,6 Terra Arável Milhões de hectares Reservas e Produção de Metais Reservas Produção Nióbio #1 #1 Minério de Ferro #2 #5 Estanho #3 #5 Bauxita #5 #3 Manganês #6 #2 Zinco #6 #12 Ouro #9 #12 Cobre #13 #5 O Brasil ocupa lugar de destaque nos rankings de produção de commodities Fonte: Wood Mackenzie, Banco Mundial, MDIC - Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior
  7. 7. 6 Abundância de Recursos Naturais Favorece o Desenvolvimento Econômico do País O Brasil tem grande potencial energético ainda a ser explorado Potencial de Expansão da Matriz Energética 16 17 19 20 22 23 25 33 42 43 52 53 56 72 81 113 136 137 145 193 248 317 332 373 Azerbaijão Brasil Antes do Pré-Sal Egito Noruega Malásia Austrália Indonésia China Argélia Canadá Turcomenistão Cazaquistão Líbia Nigéria EUA Kuait Iraque UAE Brasil Após Pré-Sal Qatar Venezuela Arábia Saudita Iran Rússia Reservas de Petróleo e Gás Natural Bn boe  135 GW de capacidade instalada  78.1% de energia renovável Em GW Potencial Capacidade Instalada Potencial Realizado Eólica 350 3.8 1% SHPP 17.5 5.0 29% Biomassa 17.2 9.3 54% Fontes: ANEEL, Abeeólica, BP Statistical Review (2013)
  8. 8. 7 19 17 16 16 16 15 15 14 14 14 Mercado Consumidor Robusto e Um Sólido Sistema Financeiro Impulsionam a Economia Crescimento da classe média e disponibilidade de crédito impulsionaram o consumo nos últimos anos 2005 2023 28MM (15%) 71MM (31%) 64MM (34%) 105MM (46%) 96MM (51%) 50MM (22%) A+B C D+E +154% +64% -48% A+B C D+E 188MM 226MM Fonte: FMI Sólido Sistema Financeiro Ranking por Índice de Basileia – 2013 Mercado Consumidor Robusto 2a Expansão da Classe Média 70 95 120 '08 '09 '10 '11 '12 '13 '14 '15 Vendas de Bens Duráveis no Varejo (2011=100) Fonte: IBGE, Research do Morgan Stanley
  9. 9. 8 Principais Fatores que Contribuíram para o Crescimento na Última Década Mercado Interno: Mercado Externo: Redução de desemprego Aumento de renda per capita Boom de Consumo das famílias Gastos do Governo Crescimento China e países emergentes Resultado: Crescimento na última década
  10. 10. 9 Baixa Taxa de Poupança e Pouco Investimento Impediram o Crescimento de Forma Sustentável Fonte: IBGE A baixa taxa de investimento e poupança inviabilizaram o crescimento de forma sustentável nos últimos anos 15,9 16,4 17,4 19,1 18,1 19,5 19,3 18,2 18,2 17,317,3 17,6 18,1 18,8 15,9 17,5 17,2 14,6 13,8 12,8 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Taxa de Investimento Taxa de Poupança Taxa de Poupança e Investimento no Brasil Em % do PIB
  11. 11. 10 A Economia em 2015 e os Fatores que Contribuíram para a Desaceleração do Crescimento Desaceleração dos principais componentes do PIB deve causar um encolhimento da economia em 2015 Desaceleração do Consumo das Famílias • Aumento do desemprego • Queda nas vendas do comércio varejista • Maior comprometimento da renda das famílias - alta dos juros bancários compromete uma maior parcela da renda disponível com o pagamento de dívidas bancárias Contratação dos Investimentos • Aumento dos juros • Desaceleração do crédito do BNDES e aumento da taxa de juros • Ajuste Fiscal Redução do crescimento do Consumo do Governo • Aperto fiscal  O crescimento do consumo do governo será reduzido pelo ajuste fiscal Menor Contribuição do Setor Externo • Diminuição dos preços de commodities:  A relação dos termos de troca permanecerá desfavorável devido à recente queda nos preços de commodities
  12. 12. 11 A Retomada do Crescimento de Forma Sustentável Exige Grandes Mudanças Confiança do mercado consumidor, empresários e investidores Retomada do crescimento econômico de economias importadoras Recuperação dos termos de troca Retomada do crescimento da China Desaceleração Inflacionária Ajustes na política fiscal Volta de confiança Infraestrutura Abertura Comercial Demografia Instituições Qualificação da força de trabalho Melhoria interna e externa na credibilidade das instituições Foco do Governo na redução do déficit em infraestrutura Acordos com países mais significativos na escala de comércio global Retomada do crescimento econômico
  13. 13. 12 O Investimento em Infraestrutura Ainda é Muito Baixo no Brasil Fonte: BNDES Investimentos em infraestrutura no mundo Em % do PIB, média de 1992 a 2001 1,8 2,1 2,6 2,6 3,3 3,6 3,9 4,7 5,0 8,5 América Latina Brasil EUA Uniao Europeia Leste Europeu África e Oriente Médio Outros industrializados Índia Japão China Água Energia Aeroportos Portos Ferrovias Rodovias Telecom
  14. 14. 13 E os Gastos Com Educação Ainda São Pouco Eficientes O investimento em educação, no longo prazo, melhora a produtividade do país 375 425 475 525 575 15 20 25 30 35 Desempenho no exame do PISA e gastos com educação por país Gasto por estudante (% do PIB per capita) AvaliaçãonoPISA Fonte: OCDE, Banco Mundial Média da classificação no PISA Média de gastos por estudante
  15. 15. 14 Ambiente de Negócios Ainda é Pouco Favorável no Brasil Baixa qualidade institucional desfavorece o investimento no Brasil América Latina: Ranking dos Indicadores de Qualidade Institucional Liberalismo econômico Competitividade global Índice de abertura Chile 4 34 33 Colômbia 34 69 52 Uruguai 38 85 60 Peru 47 61 43 Costa Rica 53 54 - México 55 55 54 Paraguai 78 119 - Brasil 114 56 67 Bolívia 158 98 - Equador 159 71 - Argentina 166 104 63 Venezuela 175 134 70 Total 178 148 75  Baixa eficiência em comparação com países latino- americanos  Abertura comercial  Sistema tributário  Burocracia Fontes: Fórum Econômico Mundial, Câmara de Comércio International (CCI)
  16. 16. 15 A Melhora no Panorama Global Deve Contribuir para a Retomada do Crescimento no Brasil Fonte: FMI Recuperação na atividade econômica nas principais economias mundiais deve ajudar na recuperação da atividade no Brasil a partir de 2016 2,2 0,8 0,9 7,3 1,6 4,1 2,6 3,1 1,1 0,6 6,8 2,0 4,2 2,9 EUA Zona do Euro Japão China Desenvolvidos Emergentes Mundo 2014e 2015e Crescimento do PIB nas principais economias mundiais em 2015 (%)  A perspectiva de crescimento dos países desenvolvidos deve puxar as vendas no comércio internacional  A desaceleração da China e Japão devem ser compensadas por um crescimento da Economia americana e europeia
  17. 17. 16 Crescimento do PIB (%) Perspectivas de Retomada do Crescimento no Brasil e Convergência da Inflação % 8,1 6,7 6,0 5,5 5,4 4,8 5,9 6,7 6,9 4 5 6 7 8 9 '09 '10 '11 '12 '13 '14 '15 '16 '17 (0,2) 7,6 3,9 1,8 2,7 0,1 (1,0) 1,1 2,0 2,5 2,1 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015E 2016e 2017E 2018E 2019E 2,0 4,0 6,0 8,0 '06 '07 '08 '09 '10 '11 '12 '13 '14 '15 '16 '17 '18 '19 IPCA Meta de Inflação Meta: Limite Superior / Inferior Expectativa de Aumento do Desemprego Taxa de Desemprego Expectativa de Recuperação do Crescimento Econômico Expectativa de Desaceleração Inflacionária Após 2015… … com Taxas de Juros mais Baixas IPCA (% YoY) Selic (% a.a.) 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 '09 '10 '11 '13 '14 '15 '16 '17 '18 '19 Fonte: Banco Central do Brasil, Consenso das Expectativas – Relatório FOCUS
  18. 18. 17 86 180 194 239 289 352 373 359 364 '06 '07 '08 '09 '10 '11 '12 '13 '14 Reservas do Banco Central ElevadasEstabilidade na Dívida Líquida Apesar de Aumento da Dívida Bruta O Ajuste Fiscal é Essencial para a Estabilidade da Dívida e Retomada da Confiança no País 2,0 2,7 3,1 2,4 1,9 -0,6 0,9 1,7 2,0 2,0 2,0 '09 '10 '11 '12 '13 '14 '15e '16e '17e '18e '19e 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 '09 '10 '11 '12 '13 '14 '15 '16 '17 '18 '19 60,9 53,4 54,2 58,8 56,7 63,5 42,1 39,1 36,4 35,3 33,6 36,8 '09 '10 '11 '12 '13 '14 '15 '16 '17 '18 '19 Medidas de Ajuste Fiscal Melhoras Expectativas Já Para 2015 Superávit Primário (% do PIB) Estabilidade do Câmbio Prevista pelo Mercado Taxa de Câmbio (US$ / Reais) Dívida Pública (% do PIB) US$ Bi Fonte: Banco Central do Brasil, Consenso das Expectativas – Relatório FOCUS
  19. 19. 18  Contingenciamento de R$70 Bi no orçamento (contra R$44 Bi em 2014)  Mudança da TJLP  Ajuste nas taxas do PSI  Suspensão do repasse para o CDE  Revisão das condições de benefícios de pensão e seguro-desemprego  Aumento do IOF no crédito para pessoas físicas  Recomposição da CIDE  Elevação do PIS/Cofins sobre importados  Equiparação do IPI sobre cosméticos  Reversão das desonerações na folha de pagamento  Novos parâmetros para o Reintegra Principais Medidas Fiscais Adotadas Até o Momento Devem Melhorar o Cenário nos os Próximos Anos
  20. 20. 19 A Importância do Grau de Investimento A inclusão do Brasil como Grau de Investimento foi fundamental para elevar o fluxo de investimento direto no país Investimento Estrangeiro Direto (IED) 17 10 18 15 19 35 45 26 49 67 65 64 62 '02 '03 '04 '05 '06 '07 '08 '09 '10 '11 '12 '13 '14 Fonte: BACEN Principais Pontos Levantados pelas Acgencias de RatingUS$ bilhões US$ bilhõesGrau de Investimento Economia diversificada com base em exportações Altas reservas internacionais Economia pouco dolarizada  Longo período de baixo crescimento do PIB  Alto necessidade de refinanciamento e dívida maior que 60% do PIB  Cenário político-econômico desafiador para a Presidente  Deterioração fiscal Fonte: Relatórios de Crédito, Moody’s, S&P e Fitch
  21. 21. 20 2,3 1,2 0,8 0,5 -0,3 -2,4 0,0 0,8 1,9 0,4 0,2 -0,1 -0,4 0,5 1,3 0,9 2,5 0,6 1,6 0,8 1,8 -0,4 0,7 -0,8 0,6 1,6 1,2 2,4 0,7 -10.000 0 10.000 20.000 30.000 40.000 50.000 60.000 -3,0 -2,0 -1,0 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 jan-09 abr-09 jul-09 out-09 jan-10 abr-10 jul-10 out-10 jan-11 abr-11 Com perspectiva de retomada do crescimento e melhora do cenário internacional, o IBOVESPA deve voltar para o patamar de 65 mil pontos em 2016 O Mercado de Ações Deve Voltar aos Patamares Pré-Crise de 2008 Fonte: Bloomberg Ibovespa: Desempenho e Fluxos FluxosEstrangeirosaoIbovespa(U$Bi) ÍndiceIbovespa(milpontos) Protestos Corte de estímulos do FED Período pós- eleições e Lava-Jato
  22. 22. 21 Investidores de Ações Estão Mais Seletivos para Novas Emissões Fonte: BM&F Bovespa, Capital IQ 1,4 7,6 2,2 11,6 3,7 3,9 5,5 5,54,1 3,3 4,7 4,7 16,7 3,8 8,6 3,3 17,7 5,4 10,9 5,1 6,9 28,3 3,8 12,3 3,3 2,1 21,6 0,5 5,5 5,9 1Q13 2Q13 3Q13 4Q13 2013 1Q14 2Q14 3Q14 4Q14 2014 1Q15 2Q15 2015 Brazil Others Emissões de Ações na América Latina Em US$ Bi FO IPO 5 4 9 5 6 3 8 5 28 17 6 0 6 2 21 8 Total 9 14 9 13 45 6 8 29 6 2 8 3 4 7 5 0 5 4 0 4 1 0 1 Abaixo 11% Na Faixa 89% Preço da Oferta vs. Faixa  Apenas 11% das ofertas continuam abaixo do preço de lançamento no IPO A deterioração do cenário econômico e maior cautela dos investidores contribuiu para uma redução no volume de ofertas de ações na América Latina
  23. 23. 22 O Mercado de Ações no Brasil Ainda é o Mais Relevante Entre os Países da América Latina A Bovespa ainda concentra a maior parte do volume entre as bolsas da América Latina, sendo quase 2.7x maior do que a bolsa Mexicana  O volume médio de negociação no mercado Brasileiro caiu em termos absolutos recentemente, mas o volume na Bovespa continua 3x maior do que o comparável mais próximo (México) 0 1,592 3,541 4,016 2,373 900 1,800 2,700 3,600 4,500 2003 2005 2007 2009 2011 2013 2015 81% 69% 50% 60% 70% 80% 90% 2003 2005 2007 2009 2011 2013 2015 2,4 0,9 0,1 0,1 0,0 69% 26% 3% 2% 1% AV/EBITDA NTM Volume médio últimos 6 meses em USD MM P/E NTM Volume médio últimos 6 meses em USD MM % do volume total negociado na América Latina P/BV NTM Dividend Yield NTM Fonte: Bloomberg
  24. 24. 23 Empresas Brasileiras Reduziram as Emissões de Dívida nos Últimos Anos O mercado de dívida para emissores latino-americanos continua aberto, mas emissores brasileiros estão menos ativos em 2015 Emissões Latino-americanas no Mercado Internacional Fonte: Bond Radar Fonte: ANBIMA 29 54 52 92 54 94 30 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Emissões de Debêntures no Brasil Em US$ Bi Em R$ Bi 26 40 39 51 39 43 37 47 43 64 82 88 46 63 87 82 115 121 131 47 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Brasil Outros
  25. 25. 24 O Mercado de Fusões e Aquisições Continua Ativo com Diversas Oportunidades de Consolidação Fonte: ANBIMA Empresas estrangeiras tem aumentado a presença no Brasil através de consolidação 84 88 74 58 71 121 36 97 69 65 94 72 119 185 143 122 165 193 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Dez Maiores Demais Volume das Operações no Brasil Perfil das Operações no Brasil Em R$ Bi 86 40 63 43 65 48 7 47 18 24 36 41 22 57 37 42 55 96 4 41 25 14 9 8 119 185 143 122 165 193 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Em R$ Bi Entre EstrangeirasDe Brasileiras por Estrangeiras De Estrangeiras por Brasileiras Entre Brasileiras Fonte: ANBIMA
  26. 26. 25 Investidores Internacionais Já Estão Construtivos sobre o Brasil para os Próximos Anos A pesar da piora da situação atual, os investidores reconhecem que as medidas adotadas devem levar a uma melhora no cenário para os próximos anos Visão Macro “Wondering if Brazil's difficult situation, if it becomes much worse to the point of calling into question fiscal sustainability and governability, could spell trouble for the broader region as its largest economy becomes increasingly uninvestable. -- European LO” “Went to Brazil last December and has been impressed by Levy’s bold measures and would like to think that things in Brazil are better they look and that would be an opportunity to pick up good quality names in the 2H when the dust settles. -- American LO” “High-income countries continue to grapple with legacies of the global financial crisis and emerging economies are less dynamic than in the past. -- American LO” Visão Setorial “The greater the sell-off in Brazil, the more bullish about the market. There are good companies trading at cheap valuations. -- Brazilian HF” “Has been looking at Utilities in Brazil and believes the probability of rationing has diminished in the last couple of weeks. However, it is difficult to be positive about a name in Brazil given the macro and political uncertainty -- Brazilian LO” “First time ever that have nothing on Brazil. Spends a lot of time looking at the consumer companies in Brazil and we are not quite there yet. -- LatAm HF”
  27. 27. 26 Brasil em Números Fonte: Morgan Stanley Research Histórico e Perspectivas para 2015 Perspectivas Econômicas Para o Brasil Morgan Stanley Research 2010 2011 2012 2013 2014 2015E 2016E PIB (% YoY) 7.5 2.7 1.0 2.5 0.1 -1.5 0.8 Consumo Privado (% YoY) 6.9 4.0 3.2 2.5 0.9 0.1 0.3 Investmento (% YoY) 20.9 4.6 -4.0 5.2 -4.5 -6.9 1.7 Inflação (CPI)* 5.9 6.5 5.8 5.9 6.4 7.7 5.5 Balança Comercial (US$ Bi) 20.1 29.8 19.4 2.4 -4.0 4.0 7.5 Déficit em Conta Corrente (US$ bn) -47.3 -52.5 -54.2 -80.1 -91.3 -63.5 -58.0 Déficit em Conta Corrente (% of GDP) -2.2 -2.1 -2.4 -3.6 -3.9 -3.6 -3.1 Budget Balance (% of GDP) -3.9 -2.9 -2.5 -3.3 -6.2 -4.3 -2.9 Taxa de Juros (Selic)* 10.75 11.0 7.25 10.0 11.75 12.5 10.0

×