SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Complementos de Mudança de fase
Maioria das substâncias
                                        A – Curva de
Pressão
                                        Sublimação
                                        B – Curva de Fusão
                  Líquido   2
                                        C – Curva de Ebulição
 Sólido       B      C
          1
                                gás

     A            Vapor

                          Temperatura
Exceções(Fe ,Bi,Sb,e H2O)
Pressão
                                      A – Curva de
                                      Sublimação
      B                 2
              Líquido
                                      B – Curva de Fusão
 Sólido             C
          1
                            gás       C – Curva de
     A          Vapor
                                      Ebulição

                        Temperatura
Ponto Tríplice(Triplo):
simultaneamente nos
três estados.

 Ponto Crítico:
 aumentando a pressão
 na fase gasosa,acima
 de uma determinada
 temperatura, esta não
 pode se condensar.
TºC              TºC            TºC
             PE
     100ºC           100ºC          100ºC
PE
                             PE
                  exceções

      0ºC             0ºC    PF      0ºC
PF
             PF


 P = 1 atm        P > 1tm         P < 1atm
Panela de pressão
Hermeticamente fechada
que não permite a saída de
vapor aumentando a
pressão em seu interior.
Com o aumento da pressão
o ponto de ebulição se
eleva e a 120ºC (2atm).
Regelo (Tyndall)
Sobrefusão ou superfusão
                Consiste em resfriar
                 um líquido abaixo
                 da sua temperatura
                 de solidificação sem
                 que ele passe para
                 o estado sólido.
LEITURA:Umidade relativa do ar
• Ouvimos falar sobre umidade diariamente
  nas notícias de meteorologia. A umidade é o
  que provoca aquela sensação estranha de ar
  pesado e úmido que sentimos em alguns dias
  de verão.
• Podemos medir a umidade de várias maneiras
  diferentes, mas a umidade relativa é a mais
  comum.
• Umidade relativa é a relação entre a pressão
  de vapor do ar e a pressão de vapor do ar
  obtida em condições de equilíbrio ou
  saturação sobre uma superfície de água
  líquida. O valor da UR varia entre 0 e 100%
  para condições até a saturação.


               pressão de vapor
    U.R. =                                x 100
           pressão máxima de vapor
• Ponto de orvalho é
  definido como o ponto
  em que o vapor de
  água presente no ar
  esta prestes a se
  condensar.


                          O ar atmosférico sempre
                          contem quantidade
                          variável de vapor de água
                          conforme a temperatura,
                          região, estação, etc.
• No frio do inverno o ar     • No verão o ar pode
  pode conter pouca             conter mais vapor
  umidade; seu ponto de         d'água; portanto seu
  orvalho é baixo.              ponto de orvalho é mais
                                alto.



     Se entende pôr umidade o conteúdo de água
     em uma substância ou material. No caso da
     umidade do ar, a água esta misturada com o
     mesmo de forma homogênea no estado
     gasoso.
• Como qualquer outra substância o ar tem um
  limite de absorção, este limite se denomina
  saturação.Abaixo do ponto de saturação
  (ponto de orvalho) o ar úmido não se
  distingue do ar seco ao simples olhar sendo
  absolutamente incolor e transparente.

• Acima do limite de saturação a quantidade
  de água em excesso se precipita em forma de
  neblina ou pequenas gotas de água (chuva).
  A quantidade de água que o ar absorve antes
  de atingir a saturação depende da
  temperatura e aumenta progressivamente
  com ela.
• Em um deserto a umidade relativa do ar pode
  chegar a 15%, sendo que a média mundial é
  de 60%.
• Quando a umidade do ar está muito baixa, ou
  mesmo, muito alta pode haver problemas,
  principalmente respiratórios. Com a umidade
  muito baixa (menos que 30%), as alergias,
  sinusites, asmas e outras doenças tendem a se
  agravar. Já, quando a umidade relativa do ar é
  muito alta, podem surgir fungos, mofos,
  bolores e ácaros.
• Um fato interessante é que o homem sente-se melhor
  em um ambiente com umidade baixa - mesmo esteja
  fazendo forte calor - do que em lugares de umidade
  relativa elevada e temperaturas menores.
• Nos ambientes de maior umidade relativa do ar, o suor
  custa mais a evaporar, razão pela qual a sudorese,
  ainda que abundante, não provoca resfriamento
  sensível. Uma sudorese muito menor em ambiente de
  ar seco permite, ao contrário, uma evaporação rápida
  do suor e uma consequente diminuição de
  temperatura.
• Se você vive num lugar em que a umidade relativa é
  baixa, você sua livremente e pode suportar
  temperaturas superiores a 37°C. Num lugar de muita
  umidade você sente calor mesmo a 25°C.
• Não é o calor, é a umidade que faz você sentir-se mal. O
  seu conforto depende da temperatura do ar como de
  sua umidade relativa.
• PROBLEMAS DECORRENTES DA BAIXA
  UMIDADE RELATIVA DO AR

 - Complicações respiratórias devido ao
 ressecamento de mucosas
 - Sangramento pelo nariz
 - Ressecamento da pele
 - Irritação dos olhos
 - Eletricidade estática nas pessoas e em
 equipamentos eletrônicos
 - Aumento do potencial de incêndios em
 pastagens e florestas.
CUIDADOS A SEREM TOMADOS
Entre 20 e 30% - Estado de atenção
Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11 e 15 horas. Umidificar o
ambiente através de vaporizadores, toalhas molhadas, recipientes com
água, molhamento de jardins etc.
Entre 12 e 20% - Estado de Alerta
Suprimir exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10 e 16 horas
Evitar aglomerações em ambientes fechados Usar soro fisiológico para
olhos e narinas

Abaixo de 12% - Estado de emergência
Interrupção de qualquer atividade ao ar livre entre 10 e 16 horas como
aulas de educação física, coleta de lixo, entrega de correspondência etc.
Suspensão de atividades que exijam aglomerações de pessoas em
recintos fechados como aulas, cinemas etc, entre 10 e 16 horas.
Manter umidificados os ambientes internos, principalmente quartos de
crianças, hospitais etc.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (10)

Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
7 climatologia
7 climatologia7 climatologia
7 climatologia
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Vaporização e condensação
Vaporização e condensaçãoVaporização e condensação
Vaporização e condensação
 
Jp jornal do poli 3ª edição
Jp jornal do poli 3ª ediçãoJp jornal do poli 3ª edição
Jp jornal do poli 3ª edição
 
Vaporização
VaporizaçãoVaporização
Vaporização
 
Meteorologia parte1
Meteorologia parte1Meteorologia parte1
Meteorologia parte1
 
Ebulição
EbuliçãoEbulição
Ebulição
 
Factores do clima
Factores do climaFactores do clima
Factores do clima
 
Apostila 4 evapotranspiração
Apostila 4 evapotranspiraçãoApostila 4 evapotranspiração
Apostila 4 evapotranspiração
 

Destaque

Espelhos esféricos
Espelhos esféricosEspelhos esféricos
Espelhos esféricosRildo Borges
 
Freudppt ppt-130704195250-phpapp02
Freudppt ppt-130704195250-phpapp02Freudppt ppt-130704195250-phpapp02
Freudppt ppt-130704195250-phpapp02L R
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonThiago de Almeida
 
Estádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonEstádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonmarco14cdc
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetManô Araújo
 

Destaque (9)

M4 teoria VF
M4 teoria VFM4 teoria VF
M4 teoria VF
 
Espelhos esféricos
Espelhos esféricosEspelhos esféricos
Espelhos esféricos
 
Freudppt ppt-130704195250-phpapp02
Freudppt ppt-130704195250-phpapp02Freudppt ppt-130704195250-phpapp02
Freudppt ppt-130704195250-phpapp02
 
M5 teoria
M5 teoriaM5 teoria
M5 teoria
 
Lentes 2020
Lentes 2020Lentes 2020
Lentes 2020
 
Sistema solar
Sistema solarSistema solar
Sistema solar
 
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik EriksonA teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
A teoria do desenvolvimento humano segundo Erik Erikson
 
Estádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonEstádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de erikson
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 

Semelhante a Complementosdemudanadeestado 120204192722-phpapp01

Complemetos de mudança de estado
Complemetos de mudança de estadoComplemetos de mudança de estado
Complemetos de mudança de estadoRildo Borges
 
Propriedades coligativas das soluções
Propriedades coligativas das soluçõesPropriedades coligativas das soluções
Propriedades coligativas das soluçõesAndré Paiva
 
Clima 6 umidade atmosférica
Clima 6   umidade atmosféricaClima 6   umidade atmosférica
Clima 6 umidade atmosféricaWalbruni
 
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie IntroduçãO QuíMica IiSESI 422 - Americana
 
Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Hidrologia UFC
 
P ropriedades coligativas pc2
P ropriedades coligativas pc2P ropriedades coligativas pc2
P ropriedades coligativas pc2redtambe
 
NR-20-02-Inflamaveis.pdf
NR-20-02-Inflamaveis.pdfNR-20-02-Inflamaveis.pdf
NR-20-02-Inflamaveis.pdfAndreLuis202744
 
Aula 06 Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
Aula 06   Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson VirgilioAula 06   Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
Aula 06 Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson VirgilioNelson Virgilio Carvalho Filho
 
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)Hidrologia UFC
 

Semelhante a Complementosdemudanadeestado 120204192722-phpapp01 (20)

Complemetos de mudança de estado
Complemetos de mudança de estadoComplemetos de mudança de estado
Complemetos de mudança de estado
 
Calorimetria 2
Calorimetria 2Calorimetria 2
Calorimetria 2
 
Calorimetria 2
Calorimetria 2Calorimetria 2
Calorimetria 2
 
Propriedades coligativas das soluções
Propriedades coligativas das soluçõesPropriedades coligativas das soluções
Propriedades coligativas das soluções
 
Revisão Coligativas.pdf
Revisão Coligativas.pdfRevisão Coligativas.pdf
Revisão Coligativas.pdf
 
Clima 6 umidade atmosférica
Clima 6   umidade atmosféricaClima 6   umidade atmosférica
Clima 6 umidade atmosférica
 
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii8a SéRie   IntroduçãO QuíMica Ii
8a SéRie IntroduçãO QuíMica Ii
 
Hidrometeorologia
Hidrometeorologia Hidrometeorologia
Hidrometeorologia
 
Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração
 
Termologia ii
Termologia iiTermologia ii
Termologia ii
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
P ropriedades coligativas pc2
P ropriedades coligativas pc2P ropriedades coligativas pc2
P ropriedades coligativas pc2
 
NR-20-02-Inflamaveis.pdf
NR-20-02-Inflamaveis.pdfNR-20-02-Inflamaveis.pdf
NR-20-02-Inflamaveis.pdf
 
Psicrometria
PsicrometriaPsicrometria
Psicrometria
 
Aula 06 Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
Aula 06   Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson VirgilioAula 06   Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
Aula 06 Estados da materia - sólidos, líquidos e gases - Prof. Nelson Virgilio
 
Enem módulo 02
Enem módulo 02Enem módulo 02
Enem módulo 02
 
Enem módulo 02
Enem módulo 02Enem módulo 02
Enem módulo 02
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
Evaporação e Evapotranspiração (Parte 1)
 
Físico-Química
Físico-QuímicaFísico-Química
Físico-Química
 

Mais de Rildo Borges (20)

Função Afim e Linear.ppt
Função Afim e Linear.pptFunção Afim e Linear.ppt
Função Afim e Linear.ppt
 
EDUCAÇÂO FINANCEIRA-8º ANO-MÓDULO 01.pptx
EDUCAÇÂO FINANCEIRA-8º ANO-MÓDULO 01.pptxEDUCAÇÂO FINANCEIRA-8º ANO-MÓDULO 01.pptx
EDUCAÇÂO FINANCEIRA-8º ANO-MÓDULO 01.pptx
 
Aulão Uemg 2018
Aulão Uemg 2018Aulão Uemg 2018
Aulão Uemg 2018
 
Aulão Piumhi
Aulão PiumhiAulão Piumhi
Aulão Piumhi
 
M4 teoria
M4 teoriaM4 teoria
M4 teoria
 
Como nascem-estrelas
Como nascem-estrelasComo nascem-estrelas
Como nascem-estrelas
 
MHS Completo
MHS CompletoMHS Completo
MHS Completo
 
M3 gabarito
M3 gabaritoM3 gabarito
M3 gabarito
 
M3 teoria
M3 teoriaM3 teoria
M3 teoria
 
M2
M2M2
M2
 
M2 teoria
M2 teoriaM2 teoria
M2 teoria
 
teoria
teoriateoria
teoria
 
Módulo 07
Módulo 07Módulo 07
Módulo 07
 
Módulo 06
Módulo 06Módulo 06
Módulo 06
 
Módulo 05
Módulo 05Módulo 05
Módulo 05
 
Módulo 04
Módulo 04Módulo 04
Módulo 04
 
Módulo 03
Módulo 03Módulo 03
Módulo 03
 
Módulo 02
Módulo 02Módulo 02
Módulo 02
 
Módulo 01
Módulo 01Módulo 01
Módulo 01
 
Leis de newton
Leis de newtonLeis de newton
Leis de newton
 

Complementosdemudanadeestado 120204192722-phpapp01

  • 2. Maioria das substâncias A – Curva de Pressão Sublimação B – Curva de Fusão Líquido 2 C – Curva de Ebulição Sólido B C 1 gás A Vapor Temperatura
  • 3. Exceções(Fe ,Bi,Sb,e H2O) Pressão A – Curva de Sublimação B 2 Líquido B – Curva de Fusão Sólido C 1 gás C – Curva de A Vapor Ebulição Temperatura
  • 4. Ponto Tríplice(Triplo): simultaneamente nos três estados. Ponto Crítico: aumentando a pressão na fase gasosa,acima de uma determinada temperatura, esta não pode se condensar.
  • 5. TºC TºC TºC PE 100ºC 100ºC 100ºC PE PE exceções 0ºC 0ºC PF 0ºC PF PF P = 1 atm P > 1tm P < 1atm
  • 6. Panela de pressão Hermeticamente fechada que não permite a saída de vapor aumentando a pressão em seu interior. Com o aumento da pressão o ponto de ebulição se eleva e a 120ºC (2atm).
  • 8. Sobrefusão ou superfusão Consiste em resfriar um líquido abaixo da sua temperatura de solidificação sem que ele passe para o estado sólido.
  • 10. • Ouvimos falar sobre umidade diariamente nas notícias de meteorologia. A umidade é o que provoca aquela sensação estranha de ar pesado e úmido que sentimos em alguns dias de verão. • Podemos medir a umidade de várias maneiras diferentes, mas a umidade relativa é a mais comum.
  • 11. • Umidade relativa é a relação entre a pressão de vapor do ar e a pressão de vapor do ar obtida em condições de equilíbrio ou saturação sobre uma superfície de água líquida. O valor da UR varia entre 0 e 100% para condições até a saturação. pressão de vapor U.R. = x 100 pressão máxima de vapor
  • 12. • Ponto de orvalho é definido como o ponto em que o vapor de água presente no ar esta prestes a se condensar. O ar atmosférico sempre contem quantidade variável de vapor de água conforme a temperatura, região, estação, etc.
  • 13. • No frio do inverno o ar • No verão o ar pode pode conter pouca conter mais vapor umidade; seu ponto de d'água; portanto seu orvalho é baixo. ponto de orvalho é mais alto. Se entende pôr umidade o conteúdo de água em uma substância ou material. No caso da umidade do ar, a água esta misturada com o mesmo de forma homogênea no estado gasoso.
  • 14. • Como qualquer outra substância o ar tem um limite de absorção, este limite se denomina saturação.Abaixo do ponto de saturação (ponto de orvalho) o ar úmido não se distingue do ar seco ao simples olhar sendo absolutamente incolor e transparente. • Acima do limite de saturação a quantidade de água em excesso se precipita em forma de neblina ou pequenas gotas de água (chuva). A quantidade de água que o ar absorve antes de atingir a saturação depende da temperatura e aumenta progressivamente com ela.
  • 15. • Em um deserto a umidade relativa do ar pode chegar a 15%, sendo que a média mundial é de 60%. • Quando a umidade do ar está muito baixa, ou mesmo, muito alta pode haver problemas, principalmente respiratórios. Com a umidade muito baixa (menos que 30%), as alergias, sinusites, asmas e outras doenças tendem a se agravar. Já, quando a umidade relativa do ar é muito alta, podem surgir fungos, mofos, bolores e ácaros.
  • 16. • Um fato interessante é que o homem sente-se melhor em um ambiente com umidade baixa - mesmo esteja fazendo forte calor - do que em lugares de umidade relativa elevada e temperaturas menores. • Nos ambientes de maior umidade relativa do ar, o suor custa mais a evaporar, razão pela qual a sudorese, ainda que abundante, não provoca resfriamento sensível. Uma sudorese muito menor em ambiente de ar seco permite, ao contrário, uma evaporação rápida do suor e uma consequente diminuição de temperatura. • Se você vive num lugar em que a umidade relativa é baixa, você sua livremente e pode suportar temperaturas superiores a 37°C. Num lugar de muita umidade você sente calor mesmo a 25°C. • Não é o calor, é a umidade que faz você sentir-se mal. O seu conforto depende da temperatura do ar como de sua umidade relativa.
  • 17. • PROBLEMAS DECORRENTES DA BAIXA UMIDADE RELATIVA DO AR - Complicações respiratórias devido ao ressecamento de mucosas - Sangramento pelo nariz - Ressecamento da pele - Irritação dos olhos - Eletricidade estática nas pessoas e em equipamentos eletrônicos - Aumento do potencial de incêndios em pastagens e florestas.
  • 18. CUIDADOS A SEREM TOMADOS Entre 20 e 30% - Estado de atenção Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11 e 15 horas. Umidificar o ambiente através de vaporizadores, toalhas molhadas, recipientes com água, molhamento de jardins etc. Entre 12 e 20% - Estado de Alerta Suprimir exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10 e 16 horas Evitar aglomerações em ambientes fechados Usar soro fisiológico para olhos e narinas Abaixo de 12% - Estado de emergência Interrupção de qualquer atividade ao ar livre entre 10 e 16 horas como aulas de educação física, coleta de lixo, entrega de correspondência etc. Suspensão de atividades que exijam aglomerações de pessoas em recintos fechados como aulas, cinemas etc, entre 10 e 16 horas. Manter umidificados os ambientes internos, principalmente quartos de crianças, hospitais etc.