O FLâNEUR, A CIDADE E A VIDA PÚBLICA VIRTUAL<br />Mike Featherstone<br />
“  Além disso podemos nos questionar sobre as novas formas de locomoção na cidade. Os novos sistemas de transporte (têm, m...
“ É a cidade descrita por Raymond Willians como cheia de excitação palpável,  com as pessoas movimentando-se por livrarias...
“ O flâneurmasculino do início do século XIX experimentava todos os prazeres e frustações de um voyeur, da pessoa que olha...
“ Essas questões podem ser relacionadas com a velha questão da ética versus estética. Os prazeres do movimento e da passag...
“ Na cidade contemporânea, temos a construção e transformação de uma variedade de locais culturais para as pessoas andarem...
“Ele é constante mente invadido por ondas de experiências novas e desenvolve novas percepções enquanto cruza a paisagem ur...
“Seus habitantes compartilham uma tradição política comúm de cidade democrática. Contudo, em contraste com a polis, essa c...
Guilherme André, Igor Soledade, José Eduardo,  Julio Hercowitz, Luiz Carlos e Ricardo Muller. 1º RPC <br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O flâneur, a cidade e a vida pública virtual

367 visualizações

Publicada em

Vídeo sobre o texto 'O flâneur, a cidade e a vida pública virtual'.

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
367
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O flâneur, a cidade e a vida pública virtual

  1. 1. O FLâNEUR, A CIDADE E A VIDA PÚBLICA VIRTUAL<br />Mike Featherstone<br />
  2. 2. “ Além disso podemos nos questionar sobre as novas formas de locomoção na cidade. Os novos sistemas de transporte (têm, metrô, onibus, carros) que passaram a dominar a paisagem urbana [...} “ <br />
  3. 3. “ É a cidade descrita por Raymond Willians como cheia de excitação palpável, com as pessoas movimentando-se por livrarias, praças, teatros, ruas e encontrando-se em incontáveis lugares de reunião para compartilhar experiências e debater as questões do momento [...]”<br />
  4. 4. “ O flâneurmasculino do início do século XIX experimentava todos os prazeres e frustações de um voyeur, da pessoa que olhava, mas não podia se apropiar das experiências que passavam diante dele e consumi-las. [...]”<br />
  5. 5. “ Essas questões podem ser relacionadas com a velha questão da ética versus estética. Os prazeres do movimento e da passagem, em que se é invadido por sensações e experiências novas. [...]” <br />“[...] Ou será possível ver novas formas de cidadania e responsabilidade sobre os outros[...]?” <br />
  6. 6. “ Na cidade contemporânea, temos a construção e transformação de uma variedade de locais culturais para as pessoas andarem na cidade: Os centros restaurados e renovados, com seus lugares de turismo, os novos shopping centers, monumentos, museus e exposições, parques temáticos e zonas de diversão. Tendo em vista a importância crescente das indústrias culturais, da cultura de consumo e do turismo cultural dentro das cidades [...] “<br />
  7. 7. “Ele é constante mente invadido por ondas de experiências novas e desenvolve novas percepções enquanto cruza a paisagem urbana e as multidões [...] “ <br />
  8. 8. “Seus habitantes compartilham uma tradição política comúm de cidade democrática. Contudo, em contraste com a polis, essa cosmopolispossuí tolerância para a diversidade [...] “<br />
  9. 9.
  10. 10. Guilherme André, Igor Soledade, José Eduardo, Julio Hercowitz, Luiz Carlos e Ricardo Muller. 1º RPC <br />

×