SlideShare uma empresa Scribd logo

Qualidade energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante

Um conteúdo incrível sobre Qualidade de Energia. Você vai se surpreender....

1 de 105
Baixar para ler offline
QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA 
Eng. Edson Martinho
•Conceito energia 
•Conceito QEE 
•Distúrbios
ELETRICIDADE
QUALIDADE
PERTURBAÇÕES
FALANDO EM NORMAS.... 
•Qualquer atividade ligada a eletricidade deve seguir as normas técnicas pertinentes, as normas das concessionárias e também as normas de segurança do MTE como por exemplo a NR-10
Anúncio

Recomendados

Geração, transmissão e distribuição de energia
Geração, transmissão e distribuição de energiaGeração, transmissão e distribuição de energia
Geração, transmissão e distribuição de energiaDiegoAugusto86
 
Qualidade de Energia Elétrica
Qualidade de Energia ElétricaQualidade de Energia Elétrica
Qualidade de Energia ElétricaJim Naturesa
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTEAdão manuel Gonga
 
Aula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternadaAula 3 corrente contínua e corrente alternada
Aula 3 corrente contínua e corrente alternadaVander Bernardi
 
Módulo 8 – qualidade da energia elétrica
Módulo 8 – qualidade da energia elétricaMódulo 8 – qualidade da energia elétrica
Módulo 8 – qualidade da energia elétricarenan_correa_moura
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis cerejn
 
Princípios da corrente Alternada
Princípios da corrente AlternadaPrincípios da corrente Alternada
Princípios da corrente AlternadaOdair Soares
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoMoisés Gomes de Lima
 
M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energéticaconfidencial
 
Apostila eletricidade senai
Apostila eletricidade senaiApostila eletricidade senai
Apostila eletricidade senaicomentada
 
Eletronica basica-1
Eletronica basica-1Eletronica basica-1
Eletronica basica-1elianeac
 
transformadores elétricos
transformadores elétricostransformadores elétricos
transformadores elétricosAnanda Medeiros
 
Equipamento de transformação - Transformador de Força e de Instrumento. Equip...
Equipamento de transformação - Transformador de Força e de Instrumento. Equip...Equipamento de transformação - Transformador de Força e de Instrumento. Equip...
Equipamento de transformação - Transformador de Força e de Instrumento. Equip...Rafael Silveira
 
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas AtmosféricasSistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas AtmosféricasEdhy Torres
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestaçãoRafael Silveira
 
Eletricidade básica(residencial)
Eletricidade básica(residencial)Eletricidade básica(residencial)
Eletricidade básica(residencial)Rafael Flores
 
Conceitos básicos de eletricidade
Conceitos básicos de eletricidadeConceitos básicos de eletricidade
Conceitos básicos de eletricidadeFernando Pereira
 

Mais procurados (20)

Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis
 
Princípios da corrente Alternada
Princípios da corrente AlternadaPrincípios da corrente Alternada
Princípios da corrente Alternada
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
 
M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energética
 
02 multimetro
02 multimetro02 multimetro
02 multimetro
 
Aula 1(1)
Aula 1(1)Aula 1(1)
Aula 1(1)
 
Apostila eletricidade senai
Apostila eletricidade senaiApostila eletricidade senai
Apostila eletricidade senai
 
Multimetro
MultimetroMultimetro
Multimetro
 
Eletronica basica-1
Eletronica basica-1Eletronica basica-1
Eletronica basica-1
 
transformadores elétricos
transformadores elétricostransformadores elétricos
transformadores elétricos
 
Equipamento de transformação - Transformador de Força e de Instrumento. Equip...
Equipamento de transformação - Transformador de Força e de Instrumento. Equip...Equipamento de transformação - Transformador de Força e de Instrumento. Equip...
Equipamento de transformação - Transformador de Força e de Instrumento. Equip...
 
01 cabines primárias parte 1
01 cabines primárias   parte 101 cabines primárias   parte 1
01 cabines primárias parte 1
 
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas AtmosféricasSistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
Sistemas de Proteção Contra Descargas Atmosféricas
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestação
 
Eletricidade básica(residencial)
Eletricidade básica(residencial)Eletricidade básica(residencial)
Eletricidade básica(residencial)
 
Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
 
Corrente alternada
Corrente alternadaCorrente alternada
Corrente alternada
 
Conceitos básicos de eletricidade
Conceitos básicos de eletricidadeConceitos básicos de eletricidade
Conceitos básicos de eletricidade
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 

Destaque

E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia ElétricaE-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia ElétricaCarlos Carvalho
 
Tcc qualidade de energia
Tcc   qualidade de energiaTcc   qualidade de energia
Tcc qualidade de energiaVinicius Reis
 
Qualidade da energia elétrica
Qualidade da energia elétricaQualidade da energia elétrica
Qualidade da energia elétricaclovisbosco
 
Qualidade da energia elétrica
Qualidade da energia elétricaQualidade da energia elétrica
Qualidade da energia elétricaclovisbosco
 
Diagramas complexos exemplo n°1
Diagramas complexos exemplo n°1Diagramas complexos exemplo n°1
Diagramas complexos exemplo n°1Sala da Elétrica
 
Impacto de Sistemas Eólicos na Qualidade de Energia_Apresentação
Impacto de Sistemas Eólicos na Qualidade de Energia_ApresentaçãoImpacto de Sistemas Eólicos na Qualidade de Energia_Apresentação
Impacto de Sistemas Eólicos na Qualidade de Energia_ApresentaçãoMarcos
 
Material de-apoio-lide
Material de-apoio-lideMaterial de-apoio-lide
Material de-apoio-lideandydurdem
 
A Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidadesA Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidadesSala da Elétrica
 
Circuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternadaCircuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternadaRammon Carvalho
 
Projetos elétricos residenciais parte 3
Projetos elétricos residenciais   parte 3Projetos elétricos residenciais   parte 3
Projetos elétricos residenciais parte 3Sala da Elétrica
 
Projetos elétricos residenciais - Completo
Projetos elétricos residenciais  - CompletoProjetos elétricos residenciais  - Completo
Projetos elétricos residenciais - CompletoSala da Elétrica
 
Preço da Energia, Derivativos e Gestão de Excedentes
Preço da Energia, Derivativos e Gestão de ExcedentesPreço da Energia, Derivativos e Gestão de Excedentes
Preço da Energia, Derivativos e Gestão de ExcedentesInformaGroup
 
Distorção harmônica em_redes_elétricas
Distorção harmônica em_redes_elétricasDistorção harmônica em_redes_elétricas
Distorção harmônica em_redes_elétricasMarcio Oliani
 
Conversão Referenciais Motor CA 3F
Conversão Referenciais Motor CA 3FConversão Referenciais Motor CA 3F
Conversão Referenciais Motor CA 3FGerson Sena
 
Eletricidade básica (1)
Eletricidade básica (1)Eletricidade básica (1)
Eletricidade básica (1)zeu1507
 

Destaque (20)

E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia ElétricaE-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
E-poti: Análise e Monitoramento da Qualidade da Energia Elétrica
 
Tcc qualidade de energia
Tcc   qualidade de energiaTcc   qualidade de energia
Tcc qualidade de energia
 
Qualidade da energia elétrica
Qualidade da energia elétricaQualidade da energia elétrica
Qualidade da energia elétrica
 
Qualidade da energia elétrica
Qualidade da energia elétricaQualidade da energia elétrica
Qualidade da energia elétrica
 
Eletricidade capítulo 04
Eletricidade capítulo 04Eletricidade capítulo 04
Eletricidade capítulo 04
 
Diagramas complexos exemplo n°1
Diagramas complexos exemplo n°1Diagramas complexos exemplo n°1
Diagramas complexos exemplo n°1
 
Impacto de Sistemas Eólicos na Qualidade de Energia_Apresentação
Impacto de Sistemas Eólicos na Qualidade de Energia_ApresentaçãoImpacto de Sistemas Eólicos na Qualidade de Energia_Apresentação
Impacto de Sistemas Eólicos na Qualidade de Energia_Apresentação
 
Material de-apoio-lide
Material de-apoio-lideMaterial de-apoio-lide
Material de-apoio-lide
 
A Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidadesA Importância do Aterramento e suas particularidades
A Importância do Aterramento e suas particularidades
 
Circuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternadaCircuitos de corrente alternada
Circuitos de corrente alternada
 
Projetos elétricos residenciais parte 3
Projetos elétricos residenciais   parte 3Projetos elétricos residenciais   parte 3
Projetos elétricos residenciais parte 3
 
Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
 
Projetos elétricos residenciais - Completo
Projetos elétricos residenciais  - CompletoProjetos elétricos residenciais  - Completo
Projetos elétricos residenciais - Completo
 
Preço da Energia, Derivativos e Gestão de Excedentes
Preço da Energia, Derivativos e Gestão de ExcedentesPreço da Energia, Derivativos e Gestão de Excedentes
Preço da Energia, Derivativos e Gestão de Excedentes
 
Interharmonics
Interharmonics Interharmonics
Interharmonics
 
Distorção harmônica em_redes_elétricas
Distorção harmônica em_redes_elétricasDistorção harmônica em_redes_elétricas
Distorção harmônica em_redes_elétricas
 
Conversão Referenciais Motor CA 3F
Conversão Referenciais Motor CA 3FConversão Referenciais Motor CA 3F
Conversão Referenciais Motor CA 3F
 
03 eletricidade geral
03  eletricidade geral03  eletricidade geral
03 eletricidade geral
 
Qualidade energia
Qualidade energiaQualidade energia
Qualidade energia
 
Eletricidade básica (1)
Eletricidade básica (1)Eletricidade básica (1)
Eletricidade básica (1)
 

Semelhante a Qualidade energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante

04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdfOlney joner
 
Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1sergiomart
 
1 Introdução a segurança com eletricidade.ppt
1 Introdução a segurança com eletricidade.ppt1 Introdução a segurança com eletricidade.ppt
1 Introdução a segurança com eletricidade.pptruy vicente Santos
 
ARTIGO: IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES ...
ARTIGO: IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES ...ARTIGO: IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES ...
ARTIGO: IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES ...Vera Azevedo
 
Apostila de Atualização NR10 Básico 16 H Sest Prev.doc.docx
Apostila de Atualização NR10 Básico 16 H Sest Prev.doc.docxApostila de Atualização NR10 Básico 16 H Sest Prev.doc.docx
Apostila de Atualização NR10 Básico 16 H Sest Prev.doc.docxFinanceiroSSTMED
 
1 introdução a segurança com eletricidade
1 introdução a segurança com eletricidade1 introdução a segurança com eletricidade
1 introdução a segurança com eletricidadeJonas Fernando Reis
 
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletricaManutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletricaMarcos Basilio
 
Geração eólica curto circuito em aerogeradores
Geração eólica   curto circuito em aerogeradoresGeração eólica   curto circuito em aerogeradores
Geração eólica curto circuito em aerogeradoresWilson Braga Júnior
 
Norma regulamentadora Nº 10 - Segurança em instalações e serviços em eletrici...
Norma regulamentadora Nº 10 - Segurança em instalações e serviços em eletrici...Norma regulamentadora Nº 10 - Segurança em instalações e serviços em eletrici...
Norma regulamentadora Nº 10 - Segurança em instalações e serviços em eletrici...Lara Pantaleão
 
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdfnbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdfWendellCampos5
 
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoNbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoSFQ Albuquerque
 
Nbr14039 comentada instalações-elétricademédiatensão
Nbr14039 comentada instalações-elétricademédiatensãoNbr14039 comentada instalações-elétricademédiatensão
Nbr14039 comentada instalações-elétricademédiatensãoLicério Martins
 
Estabilizador eletrônico de tensão
Estabilizador eletrônico de tensãoEstabilizador eletrônico de tensão
Estabilizador eletrônico de tensãoMARCDOCS
 
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoNbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoJonas Vasconcelos
 
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)mjmcreatore
 
Aula 3 - Circuito Eletrico (1).pptx
Aula 3 - Circuito Eletrico (1).pptxAula 3 - Circuito Eletrico (1).pptx
Aula 3 - Circuito Eletrico (1).pptxLeandroRiosLeo1
 
Aula 3 - Circuito Eletrico.pptx
Aula 3 - Circuito Eletrico.pptxAula 3 - Circuito Eletrico.pptx
Aula 3 - Circuito Eletrico.pptxJakedouabe
 

Semelhante a Qualidade energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante (20)

04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
04_elementosdesubestao-130123052021-phpapp01.pdf
 
Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1Teórica resumo PIEL 1
Teórica resumo PIEL 1
 
7 tipos de problemas
7 tipos de problemas7 tipos de problemas
7 tipos de problemas
 
1 Introdução a segurança com eletricidade.ppt
1 Introdução a segurança com eletricidade.ppt1 Introdução a segurança com eletricidade.ppt
1 Introdução a segurança com eletricidade.ppt
 
ARTIGO: IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES ...
ARTIGO: IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES ...ARTIGO: IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES ...
ARTIGO: IMPACTO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO AFUNDAMENTO DE TENSÃO EM REDES ...
 
Apostila de Atualização NR10 Básico 16 H Sest Prev.doc.docx
Apostila de Atualização NR10 Básico 16 H Sest Prev.doc.docxApostila de Atualização NR10 Básico 16 H Sest Prev.doc.docx
Apostila de Atualização NR10 Básico 16 H Sest Prev.doc.docx
 
1 introdução a segurança com eletricidade
1 introdução a segurança com eletricidade1 introdução a segurança com eletricidade
1 introdução a segurança com eletricidade
 
3612 puc automação_parte5
3612 puc automação_parte53612 puc automação_parte5
3612 puc automação_parte5
 
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletricaManutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletrica
 
Geração eólica curto circuito em aerogeradores
Geração eólica   curto circuito em aerogeradoresGeração eólica   curto circuito em aerogeradores
Geração eólica curto circuito em aerogeradores
 
Norma regulamentadora Nº 10 - Segurança em instalações e serviços em eletrici...
Norma regulamentadora Nº 10 - Segurança em instalações e serviços em eletrici...Norma regulamentadora Nº 10 - Segurança em instalações e serviços em eletrici...
Norma regulamentadora Nº 10 - Segurança em instalações e serviços em eletrici...
 
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdfnbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
 
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoNbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
 
Nbr14039 comentada instalações-elétricademédiatensão
Nbr14039 comentada instalações-elétricademédiatensãoNbr14039 comentada instalações-elétricademédiatensão
Nbr14039 comentada instalações-elétricademédiatensão
 
Estabilizador eletrônico de tensão
Estabilizador eletrônico de tensãoEstabilizador eletrônico de tensão
Estabilizador eletrônico de tensão
 
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoNbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
 
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
 
MEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdf
MEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdfMEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdf
MEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdf
 
Aula 3 - Circuito Eletrico (1).pptx
Aula 3 - Circuito Eletrico (1).pptxAula 3 - Circuito Eletrico (1).pptx
Aula 3 - Circuito Eletrico (1).pptx
 
Aula 3 - Circuito Eletrico.pptx
Aula 3 - Circuito Eletrico.pptxAula 3 - Circuito Eletrico.pptx
Aula 3 - Circuito Eletrico.pptx
 

Mais de Sala da Elétrica

Culture Code - Sala da Elétrica
Culture Code - Sala da ElétricaCulture Code - Sala da Elétrica
Culture Code - Sala da ElétricaSala da Elétrica
 
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)Sala da Elétrica
 
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos Sala da Elétrica
 
A importancia do clp na automação industrial + botões sem fio
A importancia do clp na automação industrial + botões sem fioA importancia do clp na automação industrial + botões sem fio
A importancia do clp na automação industrial + botões sem fioSala da Elétrica
 
Conceitos de automação + programação zelio logic
Conceitos de automação + programação zelio logicConceitos de automação + programação zelio logic
Conceitos de automação + programação zelio logicSala da Elétrica
 
Como fazer um orçamento de instalações elétricas por everton moraes
Como fazer um orçamento de instalações elétricas por everton moraesComo fazer um orçamento de instalações elétricas por everton moraes
Como fazer um orçamento de instalações elétricas por everton moraesSala da Elétrica
 
Diagramas complexos exemplo n°4
Diagramas complexos exemplo n°4Diagramas complexos exemplo n°4
Diagramas complexos exemplo n°4Sala da Elétrica
 
Diagramas complexos exemplo N°2
Diagramas complexos exemplo N°2Diagramas complexos exemplo N°2
Diagramas complexos exemplo N°2Sala da Elétrica
 
2ª Palestra - Projetos elétricos residenciais parte 2
2ª Palestra - Projetos elétricos residenciais   parte 22ª Palestra - Projetos elétricos residenciais   parte 2
2ª Palestra - Projetos elétricos residenciais parte 2Sala da Elétrica
 
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4Sala da Elétrica
 
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosCurso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosSala da Elétrica
 
Introdução a Sistemas Fotovoltaicos
Introdução a Sistemas FotovoltaicosIntrodução a Sistemas Fotovoltaicos
Introdução a Sistemas FotovoltaicosSala da Elétrica
 

Mais de Sala da Elétrica (13)

Culture Code - Sala da Elétrica
Culture Code - Sala da ElétricaCulture Code - Sala da Elétrica
Culture Code - Sala da Elétrica
 
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
 
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
Tudo que você precisa saber sobre Servo Motores + Servoacionamentos
 
A importancia do clp na automação industrial + botões sem fio
A importancia do clp na automação industrial + botões sem fioA importancia do clp na automação industrial + botões sem fio
A importancia do clp na automação industrial + botões sem fio
 
Conceitos de automação + programação zelio logic
Conceitos de automação + programação zelio logicConceitos de automação + programação zelio logic
Conceitos de automação + programação zelio logic
 
Tabela grau de protecao
Tabela grau de protecaoTabela grau de protecao
Tabela grau de protecao
 
Como fazer um orçamento de instalações elétricas por everton moraes
Como fazer um orçamento de instalações elétricas por everton moraesComo fazer um orçamento de instalações elétricas por everton moraes
Como fazer um orçamento de instalações elétricas por everton moraes
 
Diagramas complexos exemplo n°4
Diagramas complexos exemplo n°4Diagramas complexos exemplo n°4
Diagramas complexos exemplo n°4
 
Diagramas complexos exemplo N°2
Diagramas complexos exemplo N°2Diagramas complexos exemplo N°2
Diagramas complexos exemplo N°2
 
2ª Palestra - Projetos elétricos residenciais parte 2
2ª Palestra - Projetos elétricos residenciais   parte 22ª Palestra - Projetos elétricos residenciais   parte 2
2ª Palestra - Projetos elétricos residenciais parte 2
 
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
Projetos elétricos residenciais - Palestra 1 de 4
 
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosCurso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
 
Introdução a Sistemas Fotovoltaicos
Introdução a Sistemas FotovoltaicosIntrodução a Sistemas Fotovoltaicos
Introdução a Sistemas Fotovoltaicos
 

Último

(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docxdaimonkonicz6
 
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...AcademicaDlaUnicesum
 
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.pptJefersonCavalcante10
 
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...Unicesumar
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...AaAssessoriadll
 
Como base teórica para a realização desta atividade, além dos conteúdos estud...
Como base teórica para a realização desta atividade, além dos conteúdos estud...Como base teórica para a realização desta atividade, além dos conteúdos estud...
Como base teórica para a realização desta atividade, além dos conteúdos estud...pauladiasuni
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - ACIONAMENTOS ELÉTRICOS - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - ACIONAMENTOS ELÉTRICOS - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - ACIONAMENTOS ELÉTRICOS - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - ACIONAMENTOS ELÉTRICOS - 51 2024.docxdaimonkonicz6
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docxdaimonkonicz6
 
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvRenandantas16
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - VIBRAÇÕES MECÂNICAS E ACÚSTICAS - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - VIBRAÇÕES MECÂNICAS E ACÚSTICAS - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - VIBRAÇÕES MECÂNICAS E ACÚSTICAS - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - VIBRAÇÕES MECÂNICAS E ACÚSTICAS - 51 2024.docxdaimonkonicz6
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024dl assessoria 8
 
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...Unicesumar
 
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024Unicesumar
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docxdaimonkonicz6
 
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...Unicesumar
 
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfB600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfPedroRocha294899
 
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...AaAssessoriadll
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...daimonkonicz6
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...daimonkonicz6
 

Último (20)

(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS II - 51 2024.docx
 
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
O DESAFIO DE ENGAJAR FUNCIONÁRIOS NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO Qual ...
 
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
75172524-rolamentos-especificacao-falhas.ppt
 
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
Considerando as especificações e o nível de experiência de Aline (Perfil 2), ...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
Considerando a importância da gestão de riscos no cenário empresarial brasile...
 
Como base teórica para a realização desta atividade, além dos conteúdos estud...
Como base teórica para a realização desta atividade, além dos conteúdos estud...Como base teórica para a realização desta atividade, além dos conteúdos estud...
Como base teórica para a realização desta atividade, além dos conteúdos estud...
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - ACIONAMENTOS ELÉTRICOS - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - ACIONAMENTOS ELÉTRICOS - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - ACIONAMENTOS ELÉTRICOS - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - ACIONAMENTOS ELÉTRICOS - 51 2024.docx
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 51 2024.docx
 
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
vvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvvv
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - VIBRAÇÕES MECÂNICAS E ACÚSTICAS - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - VIBRAÇÕES MECÂNICAS E ACÚSTICAS - 51 2024.docx(43)98816 5388 ASSESSORIA  MAPA - VIBRAÇÕES MECÂNICAS E ACÚSTICAS - 51 2024.docx
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - VIBRAÇÕES MECÂNICAS E ACÚSTICAS - 51 2024.docx
 
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
MAPA - BEDU - ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA - 51/2024
 
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
Após uma detalhada e desafiadora verificação da situação e da empresa, você d...
 
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
MAPA - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 51/2024
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA - FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I - 51 2024.docx
 
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
Comente sobre a importância da análise da margem de contribuição para maximiz...
 
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdfB600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
B600005060130-Manual-Eco-Garden-Inverter-12.02.2020-V12.pdf
 
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
A atividade proposta corresponde a Atividade de Estudo 1 UM BREVE RESUMO SOBR...
 
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
(43)99668 6495 ASSESSORIA MAPA ECIV - MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 2024 5...
 
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
(43)98816 5388 ASSESSORIA MAPA - MENTALIDADE CRIATIVA E EMPREENDEDORA - 51 20...
 

Qualidade energia - 105 Slides de conteúdo verdadeiramente relevante

  • 1. QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA Eng. Edson Martinho
  • 2. •Conceito energia •Conceito QEE •Distúrbios
  • 6. FALANDO EM NORMAS.... •Qualquer atividade ligada a eletricidade deve seguir as normas técnicas pertinentes, as normas das concessionárias e também as normas de segurança do MTE como por exemplo a NR-10
  • 7.  Qualidade de fornecimento de energia elétrica é uma função de sua compatibilidade enquanto fonte de energia, com o equipamento elétrico.  É função do uso da energia.  É função da percepção do usuário
  • 8. O que é qualidade de energia para você?
  • 9. Exemplo 1 •Percepção de qualidade de energia para uma padaria com forno elétrico em um bairro da periferia da cidade, que produz pão desde as 5 horas da manha, até as 9 horas da manha, quando passa a se dedicar a outras coisas.
  • 10. Exemplo 2 •Uma pequena indústria de injeção de plástico, que trabalha de segunda a sexta das 7:30 as 18:00 hs
  • 11. Exemplo 3 •Uma industria de Bebidas de grande porte, onde uma das áreas possui equipamentos que são sensíveis à afundamento de tensão maior que 20% desligando o equipamento e efetuando um procedimento de check list antes de voltar a trabalhar (30 segundos)
  • 12. QUAL É O PADRÃO IDEAL DE ENERGIA ELÉTRICA? Tensões e correntes senoidais (THDv=0 e THDi=0) Freqüência constante (Df=0) Tensão constante em seu valor nominal (DV=0) Continuidade de serviço (DEC, FEC=0) Sem fenômenos transitórios
  • 13. Qualidade de Energia Variação de freqüência Variação de tensão Fator de Potência Harmônica e inter- harmônicas Surto / Transitórios Notching / Ruídos / Interferências eletromagnéticas Desequilíbrio de tensão
  • 15. •A preocupação com a qualidade da energia é algo que deve ser estudado de forma integrada entre gerador e fornecedor de energia, fabricante de equipamentos, projetista das instalações e o usuário da energia elétrica.
  • 16. •Outra tendência é a necessidade de se estudar os distúrbios de forma correlata e não mais isoladas.
  • 17. QUALIDADE DA ENERGIA •É medida e controlada na geração, na transmissão, na distribuição e no uso.
  • 18. PRODIST ANEEL Estão sujeitos ao PRODIST: •a) concessionárias, permissionárias e autorizadas dos serviços de geração distribuída e de distribuição de energia elétrica (denominadas neste documento como distribuidoras); •b) consumidores de energia elétrica conectados ao sistema de distribuição, em qualquer classe de tensão (BT, MT e AT), inclusive consumidor ou conjunto de consumidores reunidos por comunhão de interesses de fato, ou de direito; •c) cooperativas de eletrificação rural; •d) importador e exportador de energia elétrica conectados ao sistema de distribuição. Fonte: ANEEL – Prodist – Modulo I 02/2008 Os índices de qualidade da energia, que são alvo de fiscalização estão definidos no modulo 8 do mesmo PRODIST , citado acima, e abrangem os seguintes setores: •a) unidades consumidoras com instalações conectadas em qualquer classe de tensão de distribuição; •b) produtores de energia; •c) distribuidoras; •d) agentes importadores ou exportadores de energia elétrica. Os procedimentos de qualidade de energia elétrica definidos neste módulo se aplicam aos Sistemas Individuais de Geração de Energia Elétrica com Fontes Intermitentes – SIGFI, exceto o que estiver disposto em Resolução específica.
  • 19. QUALIDADE NO USO •Este sim é um grande desafio O usuário entende, na maioria dos casos que gerenciar energia é controlar a demanda e o FP (facultativo à concessionária de energia a cobrança) Esta realidade está mudando e nos próximos anos a qualidade de energia passará a ser item muito importante para o funcionamento e produtividade.
  • 20. CONCEITUANDO OS PRINCIPAIS DISTURBIOS DA ENERGIA 1
  • 21. VARIAÇÃO TENSÃO •Já vimos que a tensão deve ser mantido dentro de determinados padrões, para o bom funcionamento dos equipamentos. Portanto o fenômeno variação de tensão pode ser para mais ou para menos. A duração pode interferir ou não em um equipamento e quanto maior a duração, maior a probabilidade dos equipamentos serem afetados
  • 23. Um estudo realizado pela EPRI (Electric Power Research Institute), com alguns equipamentos industriais, apresenta os níveis de sensibilidade quanto ao afundamento de tensão destes equipamentos, vejamos: •Controlador de resfriamento: Apresentam uma sensibilidade a subtensões quando estes valores caem 20%, ou seja, a menos de 80% da tensão nominal. •Equipamento de teste de chip (componente eletrônico) – Estes equipamentos tem sensibilidade a partir de valores abaixo de 85% da tensão nominal e podem ter seu tempo de reinicialização em até 30 minutos o que acarreta uma perda inestimável de produção. •Acionadores de corrente contínua: Um equipamento utilizado em larga escala nas industrias e também em ambientes comerciais e até residenciais, como é o caso de elevadores, os acionadores CC (conhecidos como inversores), possuem uma sensibilidade muito grande a variação de tensão. Principalmente no afundamento, pois neste estudo realizado pela EPRI, apresentou sensibilidade a partir de 88% da tensão nominal. A presença de valores abaixo desta tensão podem causar funcionamento errôneo dos equipamentos e pode causar inclusive acidentes de grande natureza. •Controladores lógicos programáveis (PLC ou CLP): Os equipamentos mais antigos e portanto mis robustos, porém mais lentos até podem suportar interrupções de alguns ciclos, porém com o avança da tecnologia e da velocidade a tensão de alimentação é muito importante e os equipamentos mais recentes consideram valores de afundamento de curta duração em até 50% da tensão nominal, porém nem todos tem esta baixa sensibilidade. •Robôs: Estes equipamentos são eletro-mecânicos, porém necessitam de precisões muito grande de funcionamento, e por isso os circuitos de controle eletrônico são imprescindíveis. Neste caso afundamentos de tensões a níveis menores que 90% podem fornecer informações errôneas e conseqüentemente causar danos ou acidentes com este tipo de equipamento. •Computadores: Estes equipamentos, são hoje o principal dispositivo de controle de todas as organizações. É raro entrar em uma indústria e não encontrar pelo menos um computador controlando várias atividades. Preocupado com esta situação e também com as variações de tensão, a Associação de fabricantes de computadores CBEMA desenvolveu um estudo e definiu as tolerâncias mínimas de variação de tensão que computadores suportam. (figura abaixo).
  • 25. Elevação de corrente x queda de tensão Motor de indução de 5CV SUBTENSÃO
  • 26. Custo estimado para interrupção de até 1 minuto INTERRUPÇÃO
  • 27. SOLUÇÃO •Condicionadores de energia; •Separação de circuitos; •Redimensionamento de rede e circuitos; SUBTENSÃO
  • 28.  FLICKER, flutuação de tensão em baixa freqüência que se propagam pela rede e cujo efeito mais conhecido é a cintilação em lâmpadas fluorescentes ou de descarga.  Parâmetros de identificação:  Pst (Probability Short Term) Indica Severidade dos níveis de cintilação associados à flutuação de tensão verificada em um período contínuo de 10 minutos  Plt (Probabvility long term): Indica a severidade dos níveis de cintilação associados à flutuação de tensão num período contínuo de 2 horas, obtidos a partir dos resgistros de Pst Os indicadores de Pst e Plt são tratados estatisticamente e comparados com os indices globais de limite para adequaçao do sistema
  • 30. TRANSIENTE OU TRANSITÓRIO •O transiente ou transitório como são conhecidos, é caracterizado por um distúrbio de curta duração que ocorre na forma de onda e pode ser classificado por: –Transiente impulsivo –Transiente Oscilatório que é divido em •Baixa freqüência •Média freqüência •Alta freqüência
  • 32. TRANSIENTE IMPULSIVO •Caracterizado por um impulso rápido em uma única direcão com frequencias acima de 5KHz e duração de 30 a 200 micro segundos
  • 33. TRANSIENTE OSCILATÓRIO BAIXA FREQUENCIA •Caracterizado por disturbios de rápida variação na tensão e / ou corrente com freqüências menores que 500Hz, e duração de menos de 30 ciclos e incluem variações de polaridade positiva e negativa.
  • 34. TRANSIENTE OSCILATÓRIO MÉDIA FREQUENCIA •Caracterizado por disturbios de rápida variação na tensão e / ou corrente com freqüências entre 500Hz e 2 KHz, com duração de menos de 3 ciclos e incluem variações de polaridade positiva e negativa.
  • 35. TRANSIENTE OSCILATÓRIO ALTA FREQUENCIA •Caracterizado por disturbios de rápida variação na tensão e / ou corrente com freqüências maiores que 2 KHz, com duração de menos de 0,5 ciclo e incluem variações de polaridade positiva e negativa.
  • 36. SURTO DE TENSAO OU SPIKE •O surto de tensão - Spike é caracterizado pelo drástico aumento instantâneo da tensão da rede elétrica.
  • 37. CAUSA Surto induzido ou indireto - Caracterizado pela incidência de descargas atmosféricas que atingem as linhas de transmissão ou distribuição de energia, ou através da indução da ocorrência da descarga em elementos próximos da rede, como arvores, estruturas metálicas, onde as ondas eletromagnéticas originadas pelas descargas circulam pelos condutores chegando às cargas nelas instaladas. Estes efeitos são causados indiretamente por acoplamentos capacitivos ou indutivos colocando em risco a instalação elétrica. Manobras na rede, como chaveamentos de circuitos de transmissão e distribuição também podem ser considerados surtos e devem ser tratados como tais. Surto conduzido ou direto - Acontece quando a descarga atmosférica incide diretamente sobre a instalação, ou em pontos muito próximos da edificação. Nesta situação os eletrodos e os elementos metálicos existentes sofrem uma elevação de potencial por frações de segundos o que gera circulação de correntes de surto pela instalação elétrica principalmente. Outra forma de existir surto conduzido esta na diferença de potencial entre diversos eletrodos de aterramento como o eletrodo da edificação e do serviço publico (concessionária de energia, tv a cabo, etc).
  • 38. SOLUÇÃO •Dispositivos de proteção contra surto •Separação de condutos entre rede elétrica e rede de dados •Equipotencialização •Redução de percursos fechados ou loops entre linhas de baixa corrente e linhas de potencia. SURTO
  • 39. VARIAÇÃO DE FREQUENCIA •É definida como sendo desvios no valor da freqüência fundamental deste sistema (50 ou 60Hz). A freqüência do sistema de potência está diretamente associada à velocidade de rotação dos geradores que suprem o sistema. Pequenas variações de freqüência podem ser observadas como resultado do balanço dinâmico entre carga e geração no caso de alguma alteração (variações na faixa de 60 ± 0,5Hz). Em sistemas isolados, entretanto, como é o caso da geração própria nas indústrias, na eventualidade de um distúrbio, a magnitude e o tempo de permanência das máquinas operando fora da velocidade, resultam em desvios da freqüência em proporções mais significativas.
  • 40. DESEQUILÍBRIO DE TENSÃO O desequilíbrio de tensão em um sistema elétrico trifásico é uma condição na qual as fases apresentam tensão com módulos diferentes entre si, ou defasagem angular entre as fases diferentes de 120° elétricos ou, ainda, as duas condições simultaneamente. Sabe-se que a presença de cargas trifásicas desequilibradas conectadas a um sistema trifásico causa um desequilíbrio de tensão, uma vez que as correntes absorvidas nas três fases não são simétricas, isto é, não são iguais em módulo nem tão pouco defasadas de 120°. Normalmente, em sistemas de alta tensão não existem grandes desequilíbrios, exceto quando alimentam instalações com cargas monofásicas de grande porte, tais como trens com tração elétrica ou fornos elétricos monofásicos.
  • 42. CAUSA •Fornos de Indução; •Fornos a Arco; •Linhas com Parâmetros Desequilibrados ; •Cargas Monofásicas distribuídas de forma não linear; •Existência de linhas de transmissão mal transpostas, pois as características elétricas destas linhas não serão uniformes no seu percurso. DESEQUILIBRIO DE TENSÃO
  • 43. • Para um fator de desequilíbrio de 1% em motores de indução trifásico, a perda de vida útil pode chegar a meio ano para motores pequenos e 1,2 anos para motores maiores DESEQUILIBRIO DE TENSÃO Estudo realizado pela UFES – Kleyser C.Machado
  • 44. Efeito do desequilibrio de tensao na corrente e temperatura em um motor trifásico de indução DESEQUILIBRIO DE TENSÃO
  • 45. REDUÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA •É o aumento do ângulo de defasagem entre a potência ativa e aparente 2D
  • 46.   cos kVA kW FP É a relação entre a potência ativa e a potência aparente Potência que realiza trabalho útil Potência total entregue FATOR de POTÊNCIA FATOR de EFICIÊNCIA ENERGÉTICA
  • 47. I = P (kW) V3 . Vn . cos . TRIÂNGULO DAS POTÊNCIAS P = V3 . V . I . cos . Ativa ( kW ) Q = v3 . V . I . sen  Reativa ( kVAr ) 
  • 48. Para visualizar melhor o que é o fator de potência, imagine a espuma em um copo de chope. A espuma não é "consumida", embora você pague por ela. Se tiver muita espuma você sai perdendo. O melhor seria se o seu copo só tivesse o líquido (cerveja). No caso do sistema elétrico, a "espuma" é a energia que não produz trabalho, mas que produz perdas. O fator de potência mede a quantidade de "espuma" existente no sistema. O melhor seria que ela não existisse. É importante ressaltar que o fator de potência foi definido para sistemas elétricos com formas de onda senoidais. Por definição, o fator de potência é um número adimensional entre 0 e 1. A ANEEL recomenda que o FP seja mantido o mais próximo possível de 1, mas permite um valor mínimo de 0,92. Se o FP estiver abaixo do mínimo, a conta sofre um reajuste em reais com base na Resolução ANEEL 456/2000. Um baixo fator de potência indica que a energia está sendo mal aproveitada. Nesse caso, podem ocorrer as seguintes situações: 1.Aumento das perdas elétricas internas da instalação. 2.Queda de tensão na instalação. 3.Redução do aproveitamento da capacidade de energia instalada. 4.Condutores aquecidos. 5.Poluição do sistema elétrico (harmônicos). Carga não linear + harmônicos= Baixo fator de potência ou muita energia reativa Harmônicos e fator de potência tem forte relação em uma instalação com cargas não lineares, ou seja, quase tudo hoje e tudo no futuro próximo. Energia ativa Energia reativa
  • 50. 1 Q = v3 . V . I . sen  Reativa ( kVAr ) P = V3 . V . I . cos . Ativa ( kW ) Qc=Capacitor 2 Correção do FP
  • 52. E quando existe harmônicos na instalação ?
  • 53. kW (P) FP = --------- = COS kVA (S)
  • 54. FP = Fator de potência CosF1 = Potência Reativa THD(i)2 = Taxa de distorção harmônica em corrente
  • 55. kVAr Quando há distorção harmônica na rede, o triângulo de potências sofre uma alteração, recebendo uma terceira dimensão, que representa a carga imposta pela distorção, DkVA. Representação das potências: cargas não lineares O transformador deve fornecer a potência extra (DkVA) 222DkVAkWkVArkVA
  • 56. EMI – INTERFERENCIA ELETROMAGNÉTICA •Caracterizado por alterações funcionais nos equipamentos eletroeletrônicos por degradação no desempenho, resposta indesejada ou ainda mau funcionamento devido a exposição aos campos eletromagnéticos. •Distúrbio capaz de propagar tanto por meios físicos quanto no vácuo
  • 57. RFI – INTERFERENCIA POR RADIO FREQUENCIA •Refere-se à energia contida dentro do espectro das transmissões das ondas de rádio •Pode ser conduzida ou irradiada •De alguns KHz até 30 MHz é mais fácil encontrar conduzida •Acima de 30KHz é mais facil encontrar irradiada
  • 58. Nível CC •É a presença de uma tensão ou corrente contínua (CC) em um sinal de corrente alternada. Sua ocorrência esta associada a distúrbios geomagnéticos ou assimetria de conversores de eletrônica de potencia. A presença de corrente contínua em sistemas alternados apresenta o efeito de saturar o núcleo de transformadores, causam aquecimento extra e redução de vida útil dos transformadores. Além disso a corrente contínua pode causar corrosão eletrolítica em eletrodos de aterramento e outros conectores. Também são responsáveis por componentes harmônicas de ordens pares.
  • 59. EFEITO NOTCHING distúrbio de tensão causado pela operação normal de equipamentos de eletrônica de potência quando a corrente é comutada de uma fase para outra. Este fenômeno pode ser detectado através do conteúdo harmônico da tensão afetada. As componentes de freqüência associadas com os "notchings" são de alto valor e, desta forma, não podem ser medidas pelos equipamentos normalmente utilizados para análise harmônica.
  • 60. RUIDO (Noise) O ruído é caracterizado por um sinal elétrico com freqüência menor que 200 Khz superposto no sinal de potência (tensão ou corrente) nos condutores fase, ou também encontrados no neutro ou linhas de sinal O ruído pode ser classificado quanto ao modo de propagação, ao tipo e quanto à duração
  • 61. MODO DE PROPAGAÇÃO •Quanto ao modo de propagação, os ruídos se classificam em irradiados e conduzidos: •Ruídos irradiados - São campos magnéticos e elétricos que se propagam pelo ar, semelhantes às ondas de rádio. Eles são gerados em algum ponto do sistema e acoplados eletromagneticamente a algum trecho de circuito no qual interferem. Esse trecho de circuito acaba funcionando como uma antena para esse tipo de ruído. Afetam com maior intensidade os aparelhos de áudio e de medição e em redes de computadores apresentam uma importância menor. •Ruídos conduzidos - Os ruídos que se propagam por condução, utilizam algum meio físico para atingir o circuito que interferem (cabeamento, conduítes, etc). Geralmente, o meio físico inicial é a linha de distribuição de energia, que recebe toda sorte de interferência devido à complexidade e tamanho da malha elétrica e porque alimenta diversos tipos de equipamentos. O ruído aí presente se propaga facilmente pelas linhas de fase e neutro até o aparelho no qual interfere.
  • 62. TIPO •Quanto ao tipo, os ruídos se classificam em ruídos de modo comum e ruídos de modo diferencial. •Ruídos de modo comum - São aqueles que se propagam pelas linhas de fase e neutro simultaneamente, fechando o circuito pelo plano de terra. É este o principal tipo de ruído, responsável por cerca de 80% dos problemas em equipamentos de redes de computadores. •Ruídos de modo diferencial - Este tipo de ruído se propaga apenas pela linha de fase, fechando o circuito pelo neutro ou pelo plano de terra. Em computação, é o que menos afeta os equipamentos.
  • 63. DURAÇÃO •Quanto à duração, os ruídos são classificados em: •Permanentes (causados por indução), •Semipermanentes (curto-circuito e partida de motores elétricos) e •Transitórios (descarga atmosférica, lâmpadas fluorescentes).
  • 64. Freqüências e fontes principais de ruídos elétricos Baixa freqüência 10 à 150 Khz Luzes fluorescentes, aquecedores Média freqüência 150 à 100 KHz Aparelhos de rádio, dispositivo eletrônico, esterilizador de ar Alta freqüência 16 à 1000 KHz Aparelhos de radio e TV, computadores, sensores de movimento, radares Impulso 10 à 10 KHz Motores, comutadores, maquinas de solda e ignições automáticas
  • 66. DEFINIÇÃO DE HARMÔNICAS  Deformação de uma senóide fundamental, por meio de outras senóides com freqüência e amplitude diferentes e divididas em ordens: 2ª, 3ª, 4ª, 5ª etc.
  • 67. ANEEL- PRODIST- MÓDULO 8 •4 HARMÔNICOS •4.1 As distorções harmônicas são fenômenos associados com deformações nas formas de onda das tensões e correntes em relação à onda senoidal da freqüência fundamental. •4.2 Abaixo são estabelecidas a terminologia, a metodologia de medição, a instrumentação e os valores de referência para as distorções harmônicas. •4.3 Terminologia. •4.3.1 A tabela a seguir sintetiza a terminologia aplicável às formulações do cálculo de valores de referência para as distorções harmônicas
  • 70.  Harmônicas Pares - Existem devido a presença de componente contínuo causando assimetria do sinal.  Harmônicas Ímpares - Existem em todas as instalações elétricas e são as causadoras de problemas na energia. HARMONICAS
  • 71. HARMÔNICAS DE CORRENTE Fonte de Tensão CC Monofásica I V + - Dispositivo Não Linear Causa da Não Linearidade HARMONICAS
  • 72. HARMÔNICAS DE TENSÃO ~ Fonte de Tensão CC Monofásica CC V L1 r1 x 2 r L2 x CA V 1 E 2 E Transformador CAh V Demais Cargas h I Queda de tensão h in eq V V  I Z A magnitude das distorções dependem da impedancia da fonte e da grandeza das tensões harmõnicas produzidas. HARMONICAS
  • 73. Sinal senoidal Sinal com harmônicas
  • 74. EXEMPLO DE SINAL COM FORTE INFLUÊNCIA DA 3.a HARMÔNICA Tensão de EntradaCorrente da CargaTensão no Barramento
  • 75. Tensão de Entrada Corrente da Carga Tensão no Barramento EXEMPLO DE SINAL COM FORTE INFLUÊNCIA DA 5.a HARMÔNICA
  • 76.  VALOR EFICAZ  VALOR DE PICO  FATOR DE CRISTA  FATOR DE POTÊNCIA E COSØ  VALOR MÉDIO GRANDEZAS CARACTERÍSTICAS HARMONICAS
  • 77. Vamos supor um sinal senoidal de 280Aef com a presença de 65% de THDi de 3ª harmônica, 35% de THDi de 5ª harmônica e 21% de THDi de 7ª Harmônica. HARMONICAS
  • 78. IefT = I12 + I22 + I32 + … + In2 IefT = (280)2 + (182)2 + (98)2 + (58,8)2 = 352 A VALOR EFICAZ DE UM SINAL HARMÔNICO Ief sem harmônica 280 A Ief com harmônica 352 A
  • 79. VALOR MÉDIO VALOR EFICAZ VM = _______________ b  SENÓIDE COMPLETA  VM = 0  ½ SENÓIDE  b = 1,11  OUTROS SINAIS (COM HARMÔNICAS)  b = 1,11 APARELHO CONVENCIONAL × APARELHO TRUE-RMS HARMONICAS
  • 81. True RMS TRUE RMS RMS Forma de onda da corrente em umaLâmpada fluorecente com Reator eletrônico Diferença de leitura entre os multímetros MULTÍMETROS TRUE RMS HARMONICAS
  • 82. QUEM GERA AS HARMÔNICAS? CARGAS NÃO-LINEARES
  • 84. AQUECIMENTO E QUEDA DE TENSÃO NOS CONDUTORES • Cada corrente harmônica numa dada ordem possui um valor eficaz próprio que aquece cada condutor individualmente e também provoca uma queda de tensão. Há portanto um efeito cumulativo resultante da ação conjunta de todos os harmônicos e que deve ser considerado no dimensionamento da rede elétrica HARMONICAS
  • 85. EFEITO VÍTIMA (EXEMPLO) AQUECIMENTOS EXCESSIVOS (aumento do valor eficaz, efeito pelicular e correntes parasitas) CONDUTORES FASES CONDUTORES NEUTROS MOTORES TRANSFORMADORES GERADORES DISPARO DE PROTEÇÕES CONTRA SOBRECORRENTES (valor de pico) DISJUNTORES FUSÍVEIS DRs EFEITOS & VÍTIMAS DAS HARMÔNICAS
  • 86. EFEITO VÍTIMA (EXEMPLO) VIBRAÇÕES & RUÍDOS QUADROS TRANSFORMADORES MOTORES INTERFERÊNCIAS ELETROMAGNÉTICAS REDES TELEFÔNICAS REDES DE DADOS ACHATAMENTO DA TENSÃO FONTES DE ALIMENTAÇÃO CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EFEITOS & VÍTIMAS DAS HARMÔNICAS
  • 87. PRINCIPAIS PERDAS NAS MÁQUINAS ELÉTRICAS Histerese; Correntes de Foucault; Efeito Pelicular; Harmônicas de Seqüência Negativa
  • 88. PERDAS POR EFEITO PELICULAR Em freqüências elevadas a parte central do condutor praticamente não conduz nenhuma corrente. - - - - - - - Baixa Freqüência Alta Freqüência
  • 89. SEQÜÊNCIA NEGATIVA E POSITIVA Vibrações; Aquecimento. + 120 120 120 IB IA IC _ 120 120 120 IC IA IB
  • 90. EFEITO VÍTIMA (EXEMPLO) TENSÃO ENTRE NEUTRO E TERRA  EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS  ALIMENTADORES 3F+N EFEITOS & VÍTIMAS DAS HARMÔNICAS EFEITO VÍTIMA (EXEMPLO) REDUÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA INSTALAÇÃO COMO UM TODO BOLSO DO CONSUMIDOR EFEITO VÍTIMA (EXEMPLO) AUMENTO DA QUEDA DE TENSÃO INSTALAÇÃO COMO UM TODO
  • 91. Vida útil de condutor na presença de harmônica HARMONICAS
  • 92. O efeito das harmônicas como aumento de temperatura e redutor de vida útil de um transformador, chegando em alguns casos reduzir em 50% a vida útil do transformador. HARMONICAS
  • 93. Modos de reduzir as harmônicas:  REDUZIR AS HARMÔNICAS NA SUA ORIGEM (EQUIPAMENTOS)  FABRICANTES/NORMALIZAÇÃO  REDUZIR SUA PRESENÇA / EFEITOS NA INSTALAÇÃO  PROJETISTAS / INSTALADORES / MANUTENÇÃO / FABRICANTES
  • 94. TRANSFORMADORES  Fator de desclassificação (K)   trafos existentes  K-factor (UL)  trafos novos HARMONICAS
  • 95. I1 I3 I5 I7 QD IB = I1 2 + I2 2 + I3 2 + I4 2 + … + In 2 DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DE FASE IB HARMONICAS
  • 96. IN = HARMÔNICAS DE ORDEM 3 E SUAS MÚLTIPLAS (HOMOPOLARES) SE SOMAM ALGEBRICAMENTE + CORRENTES DE DESEQUILÍBRIO DE CARGAS MONOFÁSICAS. DIMENSIONAMENTO DO CONDUTOR NEUTRO IB IN QD IB IB HARMONICAS
  • 97. Redução da distorção de tensão pela separação dos circuitos HARMONICAS
  • 98. CONFINAMENTO DAS HARMÔNICAS TRANSFORMADORES DE SEPARAÇÃO HARMONICAS
  • 100. F L FA FILTRO ATIVO HARMONICAS
  • 101. INTER HARMONICAS •é caracterizado pela presença de formas de ondas de tensão ou corrente com valores que não são múltiplos da freqüência fundamental (no caso Brasil 60Hz). Estas freqüências podem aparecer de forma discreta ou com uma larga faixa espectral, em diferentes classes de tensão. Apesar de serem distúrbios pouco conhecidos e estudados, é sabido que podem afetar os sinais de portadoras dos sinais, (carriers) e também afetar a visualização em sinais de display como tvs de raios catódicos, induzindo os conhecidos Flickers, já estudado. Os estudos mostram que os interharmonicos são produzidos por equipamentos a arco, motores de indução, inversores e conversores estáticos entre outros. 2
  • 103. LITERATURA Infra-Estrutura Elétrica para Rede de Computadores : Jose Mauricio Pinheiro Editora Ciência Moderna HARMÔNICAS EM SISTEMAS INDUSTRIAIS : Guilherme Alfredo Dentzien Dias Editora EdipucRS QUALIDADE NA ENERGIA ELÉTRICA : Ricardo Aldabo Editora Artliber
  • 105. OBRIGADO Edson Martinho curta minha fan page www.facebook.com/engedsonmartinho ou www.facebook.com/lambdacursos