Manganismo e hidrargirismo

11.789 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.789
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
273
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manganismo e hidrargirismo

  1. 1. DOENÇAS OCUPACIONAIS MANGANISMO
  2. 2. MANGANÊS• Elemento mais abundante na crosta terrestre• Encontra-se largamente distribuído em: – Solos – Sedimentos – Rochas – Água e materiais biológicos• É importante para o *crescimento das plantas e em funções vitais dos animais *superiores• Também *aplicações industriais relevantes .
  3. 3. MANGANÊS• As exposições ocupacionais mais significativas ocorrem pelos fumos e poeiras do manganês• Sendo o sistema respiratório a principal via de introdução e absorção• O manganês também pode ser absorvido ao longo de todo o intestino delgado quando veiculado na alimentação. Manganês em estado natural
  4. 4. MANGANÊS • SISTEMA DIGESTIVO• O Managanês em • A vitamina B1, não pode ser metabolizada sem sua presença pequenas quantidades, é essencial para o *ser humano: – Sistema digestivo • SISTEMA ESQUELÉTICO • Juntamente com o cálcio, atua no – Sistema esquelético processo de ossificação, – Sistema nervoso produzindo ossos mais fortes central – Sistema reprodutivo
  5. 5. MANGANÊS• SISTEMA NERVOSO • SISTEMA REPRODUTIVO CENTRAL (SNC) – Papel principal na produção• Necessário para que ocorram de hormônios sexuais e na as sinápses entre SNC e produção dos músculo (vice-versa) espermatozóides – Sua quantidade é elevada nos tecidos e líquidos corporais – E no sangue, esta ligado aos eritrócitos (glob. Vermelho)
  6. 6. MANGANÊS • No entanto, quando presente noorganismo em elevadas quantidades pode causar efeitos tóxicos a diferentes níveis, sendo os mais preocupantes a nível do Sistema Nervoso Central (SNC).
  7. 7. NO AMBIENTE• Como metal, o manganês é similar ao ferro nas suas propriedades físico-químicas• Apresenta-se como um mineral, óxidos, carbonatos, fosfatos e silicatos• De entre o grande número de compostos de manganês destacam-se os sais: manganatos e permanganatos – Permanganatos: muito usado pelas suas propriedades oxidantes e desinfectantes
  8. 8. NAS INDÚSTRIAS• 95% do manganês utilizado industrialmente é consumido na indústria metalúrgica, sobretudo na redução do aço• Produção e uso de fertilizantes, fungicidas, como secantes em tintas e vernizes• Fabricação de pilhas secas• Na produção de vidros, cerâmica e• Produtos farmacêuticos.
  9. 9. ETIOLOGIA• A absorção do manganês no corpo humano ocorre por duas vias: – Via Respiratória (maior incidência) – Via Digestiva• No entanto, à maior exposição ao manganês pela dieta• A via digestiva tem uma importância acrescida na maioria das pessoas
  10. 10. ETIOLOGIA• Via Respiratória – Absorção e depósito das partículas na porção superior e porção inferior, conforme o tamanho das partículas• Via Digestiva – Através da ingestão de alimentos. – Sua absorção e deposição irão depender do *nível de ferro no organismo – Baixos níveis de ferro, implicam no aumento da absorção do manganês
  11. 11. FISIOPATOLOGIA• Após absorção, este encontra-se mais concentrado nos pulmões, seguido do fígado, rins e baço• Independente da via e dose administrada• A via digestiva, apresenta maior quantidade devido a homeostase, para manter o equilíbrio no organismo• No SNC, não excede 1% de todo total inalado
  12. 12. FISIOPATOLOGIA• Quando ocorre ingestão, o fígado atua retirando rapidamente o manganês do sangue• Excretando-o para a bílis e posteriormente eliminando-o pelas fezes• O restante que fica retido no fígado e na via respiratória, retorna para corrente sanguínea, se liga aos eritrócitos; segue para os outros tecidos, inclusive para o SNC que é o órgão alvo• No SNC, o mecanismo de retirada (clearance/limpeza) do produto é lenta, implicando no depósito do manganês nas vias nervosas
  13. 13. FISIOPATOLOGIA NO SNC• Após instalada a partícula de manganês• Ocorre uma *oxidação do manganês na *substância negra• Implicando na distribuição da dopamina• DOPAMINA: *neurotransmissor da *adrenalina e *noradrenalina• Com a diminuição da dopamina, pode causar *toxidade como sintomas que se comparam com mal de *Parkinson• *Sintomas Parkinsonianos ou Parkinsonismo
  14. 14. PARKINSONISMO• O Parkinsonismo pode ser causado por diversas outras doenças idiopática (causa descolnhecida)• Secundária à outras manifestações• Acometendo pessoas de todas as idades e sexos• Caracterizada por tremor de intenção, hipocinesia, rigidez e instabilidade postural• Reversível se a exposição terminar após esta primeira fase (sintomas iniciais)
  15. 15. DOENÇA DE PARKINSON• Ou mal de Parkinson é • Os neurônios cessam a caracterizada por uma liberação de dopamina desordem progressiva do • Envolvendo outras estruturas movimento devido à disfunção produtoras de *serotonina, dos neurônios *noradrenalina e *acetilcolina• Seu surgimento irá depender • A pessoa com Parkinson pode degeneração dos neurônios apresentar tremores, rigidez dos (substância negra) músculos, dificuldade de caminhar, dificuldade de se equilibrae e de engolir. Como esses neurônios morrem lentamente, esses sintomas são progressivos no decorrer de anos. • Tremor de repouso, *bradicinesia e rigidez, *micrografia e *acinesia
  16. 16. SINAIS E SINTOMAS INICIAIS• Que podem durar por até 3 meses – *Excitação psicomotora – Irritabilidade – Déficit de memória e dificuldade de concentreação – Insônia – *Anorexia – Salivação – *Perturbações do discurso – Diminuição da libido e – Comportamentos compulsivos
  17. 17. SINAIS E SINTOMAS TARDIOS• *Dermatite• Infertilidade• Diminuição do crescimento e distúrbios ao nível do esqueleto (no caso das crianças)• *Aterosclerose• Disfunção pancreática• Aumento da pressão sanguínea Aterosclerose (placa de ateroma)
  18. 18. SINAIS E SINTOMAS TARDIOS• Redução da função imune• *Ataxia• *Distonias• *Hipertonia muscular• Perda das expressões faciais• Anormalidades nas *mitocôndrias
  19. 19. SINAIS E SINTOMAS• Os episódios mais frequentes entre os trabalhadores mineiros do que em indivíduos afetados pelo envenenamento industrial – Alucinações – Delírios e – Comportamento compulsivo
  20. 20. PREVENÇÃO• Reduzir a exposição ao mineral• Uso de EPIs• Após detectado os primeiros sinais, prevenção é feita por exames neurológicos específicos e por meio de dosagem de manganês na urina• A incidência de trabalhadores apresentando os sintomas, requer uma reavaliação do ambiente de trabalho e reavaliação do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA)
  21. 21. DOENÇA OCUPACIONAL HIDRARGIRISMO
  22. 22. MERCÚRIO• A jazida mais importante de mercúrio é o *cinábrio• E também com jazidas de carvão mineral• Existe na forma líquida à temperatura ambiente, é volátil e liberta um gás – o vapor de mercúrio• Podendo permanecer na atmosfera por um longo período de tempo, onde sofre oxidação e origina os compostos inorgânicos (mercurosos e mercúricos)
  23. 23. MERCÚRIO• O mercúrio é obtido pela combustão do seu sulfeto ao ar livre• Seu uso industrial é bastante amplo podendo ser usado em: – Termômetros – Barômetros – Lâmpadas – Medicamenteos – Corantes, entre outros.
  24. 24. HIDRARGIRISMO• É uma intoxicação mais severa e aguda pelo mercúrio• Após exposição intensa ou prolongada dos vapores de no processo de trabalho• Apesar de menos pronunciada do que as alterações causadas pelo chumbo, alterações significativas têm sido observadas em casos de exposição ocupacional ao mercúrio, por causar uma desordem neurológica
  25. 25. ETIOLOGIA• O trabalhador que lida com o mercúrio metálico é o mais exposto aos vapores invisíveis despreendidos pelo produto• São aspirados sem que a pessoa perceba e entra no organismo através do sangue, instalando-se nos órgãos ou por ingestão
  26. 26. FISIOPATOLOGIA• Uma vez absorvido, o mercúrio é passando ao sangue, é oxidado e forma compostos solúveis, os quais se combinam com as proteínas sais e *álcalis dos tecidos• Os compostos solúveis são absorvidos pelas mucosas• Os vapores por via respiratória e• Os insolúveis pela pele e pelas glândulas sebáceas• Interferindo no metabolismo e função celular pela sua capacidade de inativar as enzimas, deprimindo o mecanismo enzimático celular
  27. 27. FISIOPATOLOGIA• A medida que o • Rins (oligúria) mercúrio passa ao • Fígado e sangue sangue, liga-se as • Medula óssea proteínas do plasma e nos *eritrócitos • Parede intestinal distribuindo-se pelos • Parte superior do tecidos aparelhos respiratório• Agindo como veneno mucosa bucal• Provocando • Glândulas salivares desintegração de • Cérebro tecidos • Ossos e Pulmões
  28. 28. SINAIS E SINTOMAS• Os sinais e sintomas de acordo com o nível de intoxicação, aguda e crônica• Os danos causados pelo mercúrio são graves e em grande parte dos casos permanentes
  29. 29. SIANIS E SINTOMAS• Intoxicação aguda -- Dor intensa – Vômitos (podem ser até sanguinolentos) – Sangramento nas gengivas – Sabor metálico na boca – Ardência no aparelho digestivo – Diarréia grave ou sanguinolenta – *Estomatite – *Glossite – Tumefação da mucosa da gengiva – Nefrose nos rins – Problemas hepáticos graves – Pode causar até morte rápida (1 ou 2 dias)
  30. 30. SINAISGlossite ESTOMATITE
  31. 31. SINAIS E SINTOMAS• Intoxicação Crônica – Transtornos digestivos – Transtornos nervosos(irritação, cefaléia) – *Caquexia – Salivação – Mau hálito – Inapetência – Anemia – Hipertensão – Afrouxamento dos dentes e queda – Problemas no sistema nervoso central – Transtornos renais leves – Possibilidade de alteração cromossômica
  32. 32. PREVENÇÃO E TRATAMENTO AGUDO• Lavagem gástrica, usando-se água albuminosa ou leite de magnésia. Dar laxante e eméticos. Pode-se usar água morna com fármacos para induzir ao vômito• Ou antídoto específico
  33. 33. PREVENÇÃO E TRATAMENTO CRÔNICO• Afastar o paciente do local ou fonte de intoxicação• Manter nutrição por via endovenosa ou oral• Tratar a oligúria• Fazer terapia de sustentação e substâncias queladoras• A incidência de trabalhadores apresentando os sintomas, requer uma reavaliação do ambiente de trabalho e reavaliação do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA)

×