SlideShare uma empresa Scribd logo

USO PROGRESSIVO DA FORÇA - TORRES.pptx

E
evanil2

USO PROGRESSIVO DA FORÇA ,

1 de 49
Baixar para ler offline
USO PROGRESSIVO DA FORÇA - TORRES.pptx
USO PROGRESSIVO DA
FORÇA
CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE
FACILITADOR: LUCIANO TORRES
USO PROGRESSIVO DA FORÇA
PRINCIPAIS
CONCEITOS
TODA INTERVENÇÃO COMPULSÓRIA SOBRE
O INDIVÍDUO OU GRUPOS DE INDIVÍDUOS,
REDUZINDO OU ELIMINANDO SUA
CAPACIDADE DE AUTODECISÃO.
USO PROGRESSIVO DA FORÇA
FORÇA
•É ENTENDIDO COMO A VARIAÇÃO DISPOSTAS
PARA A APLICAÇÃO DA FORÇA E VARIA DESDE A
SIMPLES PRESENÇA DO VIGILANTE EM UMA
INTERVENÇÃO, ATÉ A UTILIZAÇÃO DA ARMA DE
FOGO, EM SEU USO EXTREMO (LETAL);
NÍVEL DO USO DA FORÇA
USO PROGRESSIVO DA FORÇA
• CONSISTE NA SELEÇÃO ADEQUADA DE OPÇÕES DE FORÇA
PELO VIGILANTE EM RESPOSTA AO NÍVEL DE AGRESSÃO DO
INDIVÍDUO SUSPEITO OU INFRATOR A SER CONTROLADO.
• MODERAÇÃO X PROPORÇÃO
USO PROGRESSIVO DA FORÇA
USO PROGRESSIVO DA FORÇA
Anúncio

Recomendados

Curso Gerenciamento de Crise Vigilante
Curso Gerenciamento de Crise VigilanteCurso Gerenciamento de Crise Vigilante
Curso Gerenciamento de Crise VigilanteFábio Nascimento
 
GERENCIAMENTO DE CRISES - TORRES.pptx
GERENCIAMENTO DE CRISES - TORRES.pptxGERENCIAMENTO DE CRISES - TORRES.pptx
GERENCIAMENTO DE CRISES - TORRES.pptxevanil2
 
Instrutor André Uso Diferenciado da Força
Instrutor André Uso Diferenciado da ForçaInstrutor André Uso Diferenciado da Força
Instrutor André Uso Diferenciado da ForçaFábio Nascimento
 
Conseg - Uso Progressivo Da Forca
Conseg - Uso Progressivo Da ForcaConseg - Uso Progressivo Da Forca
Conseg - Uso Progressivo Da Forcacipasap
 
Gerenciamento crises completo
Gerenciamento crises completoGerenciamento crises completo
Gerenciamento crises completomarcelinhanet
 
Apostila gerenciamento de_crises
Apostila gerenciamento de_crisesApostila gerenciamento de_crises
Apostila gerenciamento de_crisesLouene Saríah
 
Spray Incapacitante e Arma de Choque Elétrico-GMRIO-RAIO/GGM
Spray Incapacitante e Arma de Choque Elétrico-GMRIO-RAIO/GGMSpray Incapacitante e Arma de Choque Elétrico-GMRIO-RAIO/GGM
Spray Incapacitante e Arma de Choque Elétrico-GMRIO-RAIO/GGMFábio Nascimento
 
Curso Armamentos não letais completo
Curso Armamentos não letais completoCurso Armamentos não letais completo
Curso Armamentos não letais completoVagner Cores
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Treinamento operador de empilhadeira
Treinamento operador de empilhadeiraTreinamento operador de empilhadeira
Treinamento operador de empilhadeiraJailton Cavallini
 
TREINAMENTO - Segurança Pessoal
TREINAMENTO - Segurança PessoalTREINAMENTO - Segurança Pessoal
TREINAMENTO - Segurança PessoalErivan Andrade
 
Manual do Vigilante atualizado 2ª Edição - (2013)
Manual do Vigilante atualizado 2ª Edição - (2013)Manual do Vigilante atualizado 2ª Edição - (2013)
Manual do Vigilante atualizado 2ª Edição - (2013)Everaldo Mariz
 
Crimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaCrimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaIgor Porto
 
BRIGADA de Incêndio
BRIGADA de IncêndioBRIGADA de Incêndio
BRIGADA de IncêndioLeontina Lima
 
22 -policiamento_de_choque
22  -policiamento_de_choque22  -policiamento_de_choque
22 -policiamento_de_choqueJAIR Reis
 
Manual cqb shadow
Manual cqb shadow Manual cqb shadow
Manual cqb shadow Vss Sales
 
ESCOLTAS PROFESIONALES .Identificacion de sospechosos
ESCOLTAS PROFESIONALES .Identificacion  de sospechososESCOLTAS PROFESIONALES .Identificacion  de sospechosos
ESCOLTAS PROFESIONALES .Identificacion de sospechosososwaldo chomba
 
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizadaLei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizadaMarcos Girão
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura   nr 35Trabalho em altura   nr 35
Trabalho em altura nr 35Joaogc
 
177500253 lista-de-presenca-nr35
177500253 lista-de-presenca-nr35177500253 lista-de-presenca-nr35
177500253 lista-de-presenca-nr35Fabio Prado
 
Certificado Treinamento NR-23 v1.ppt
Certificado Treinamento NR-23  v1.pptCertificado Treinamento NR-23  v1.ppt
Certificado Treinamento NR-23 v1.pptvitinhoesteves
 
Como se Defender de Armas Menos Letais 1.0
Como se Defender de Armas Menos Letais 1.0Como se Defender de Armas Menos Letais 1.0
Como se Defender de Armas Menos Letais 1.0BlackBlocRJ
 
Brigada de incendio
Brigada de incendioBrigada de incendio
Brigada de incendioCleber Silva
 

Mais procurados (20)

Armas Não Letais
Armas Não LetaisArmas Não Letais
Armas Não Letais
 
Treinamento operador de empilhadeira
Treinamento operador de empilhadeiraTreinamento operador de empilhadeira
Treinamento operador de empilhadeira
 
TREINAMENTO - Segurança Pessoal
TREINAMENTO - Segurança PessoalTREINAMENTO - Segurança Pessoal
TREINAMENTO - Segurança Pessoal
 
Manual do Vigilante atualizado 2ª Edição - (2013)
Manual do Vigilante atualizado 2ª Edição - (2013)Manual do Vigilante atualizado 2ª Edição - (2013)
Manual do Vigilante atualizado 2ª Edição - (2013)
 
Agente de seguranca de dignitarios
Agente de seguranca de dignitariosAgente de seguranca de dignitarios
Agente de seguranca de dignitarios
 
Treinamento cipa
Treinamento cipa Treinamento cipa
Treinamento cipa
 
Crimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaCrimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vida
 
BRIGADA de Incêndio
BRIGADA de IncêndioBRIGADA de Incêndio
BRIGADA de Incêndio
 
235275613 manual-spark-condor
235275613 manual-spark-condor235275613 manual-spark-condor
235275613 manual-spark-condor
 
Apostila segurança
Apostila segurançaApostila segurança
Apostila segurança
 
22 -policiamento_de_choque
22  -policiamento_de_choque22  -policiamento_de_choque
22 -policiamento_de_choque
 
Manual cqb shadow
Manual cqb shadow Manual cqb shadow
Manual cqb shadow
 
ESCOLTAS PROFESIONALES .Identificacion de sospechosos
ESCOLTAS PROFESIONALES .Identificacion  de sospechososESCOLTAS PROFESIONALES .Identificacion  de sospechosos
ESCOLTAS PROFESIONALES .Identificacion de sospechosos
 
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizadaLei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
Lei nº 12.850 - lei de combate às organizações criminosas esquematizada
 
Trabalho em altura nr 35
Trabalho em altura   nr 35Trabalho em altura   nr 35
Trabalho em altura nr 35
 
177500253 lista-de-presenca-nr35
177500253 lista-de-presenca-nr35177500253 lista-de-presenca-nr35
177500253 lista-de-presenca-nr35
 
Certificado Treinamento NR-23 v1.ppt
Certificado Treinamento NR-23  v1.pptCertificado Treinamento NR-23  v1.ppt
Certificado Treinamento NR-23 v1.ppt
 
Como se Defender de Armas Menos Letais 1.0
Como se Defender de Armas Menos Letais 1.0Como se Defender de Armas Menos Letais 1.0
Como se Defender de Armas Menos Letais 1.0
 
Certificado nr 35 cd max 2019
Certificado nr 35 cd max 2019Certificado nr 35 cd max 2019
Certificado nr 35 cd max 2019
 
Brigada de incendio
Brigada de incendioBrigada de incendio
Brigada de incendio
 

Semelhante a USO PROGRESSIVO DA FORÇA - TORRES.pptx

Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL ICurso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL INilton Anjos
 
Caderno didatico cenl i
Caderno didatico cenl iCaderno didatico cenl i
Caderno didatico cenl iPaulo Mello
 
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL ICurso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL INilton Anjos
 
Caderno didatico cenl ii
Caderno didatico cenl iiCaderno didatico cenl ii
Caderno didatico cenl iiPaulo Mello
 
Curso de extensão em equipamentos não letais 2
Curso de extensão em equipamentos não letais 2Curso de extensão em equipamentos não letais 2
Curso de extensão em equipamentos não letais 2Rio Vigilante
 
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do LojistaFiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do LojistaTatiana Figliuolo Jucá
 
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do LojistaFiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do LojistaTorres e Pires Advogados Associados
 
SLIDES - QSMS - ELT - Aula 03.pptx
SLIDES - QSMS - ELT - Aula 03.pptxSLIDES - QSMS - ELT - Aula 03.pptx
SLIDES - QSMS - ELT - Aula 03.pptxDiogo477133
 

Semelhante a USO PROGRESSIVO DA FORÇA - TORRES.pptx (12)

Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL ICurso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
 
Caderno didatico cenl i
Caderno didatico cenl iCaderno didatico cenl i
Caderno didatico cenl i
 
Caderno didatico cenl i
Caderno didatico cenl iCaderno didatico cenl i
Caderno didatico cenl i
 
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL ICurso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
Curso De Extensão Em Equipamentos Não Letais-CENL I
 
Caderno didatico cenl ii
Caderno didatico cenl iiCaderno didatico cenl ii
Caderno didatico cenl ii
 
Caderno didatico cenl ii
Caderno didatico cenl iiCaderno didatico cenl ii
Caderno didatico cenl ii
 
UDF - CFS 2020 v 4.2.pdf
UDF - CFS 2020 v 4.2.pdfUDF - CFS 2020 v 4.2.pdf
UDF - CFS 2020 v 4.2.pdf
 
Caderno didatico cenl ii
Caderno didatico cenl iiCaderno didatico cenl ii
Caderno didatico cenl ii
 
Curso de extensão em equipamentos não letais 2
Curso de extensão em equipamentos não letais 2Curso de extensão em equipamentos não letais 2
Curso de extensão em equipamentos não letais 2
 
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do LojistaFiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
 
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do LojistaFiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
Fiscalização dos Órgãos de Defesa do Consumidor sob a Ótica do Lojista
 
SLIDES - QSMS - ELT - Aula 03.pptx
SLIDES - QSMS - ELT - Aula 03.pptxSLIDES - QSMS - ELT - Aula 03.pptx
SLIDES - QSMS - ELT - Aula 03.pptx
 

Mais de evanil2

PS MIRANTES.pptx
PS MIRANTES.pptxPS MIRANTES.pptx
PS MIRANTES.pptxevanil2
 
RSE SUPERVISOR.pptx
RSE SUPERVISOR.pptxRSE SUPERVISOR.pptx
RSE SUPERVISOR.pptxevanil2
 
SUPERVISOR NSP.pptx
SUPERVISOR NSP.pptxSUPERVISOR NSP.pptx
SUPERVISOR NSP.pptxevanil2
 
vigilancia_toxicologica_ocupacional.ppt
vigilancia_toxicologica_ocupacional.pptvigilancia_toxicologica_ocupacional.ppt
vigilancia_toxicologica_ocupacional.pptevanil2
 
SHOPPING E SEG PATRIMONUAL TORRES - Cópia.pptx
SHOPPING E SEG PATRIMONUAL  TORRES - Cópia.pptxSHOPPING E SEG PATRIMONUAL  TORRES - Cópia.pptx
SHOPPING E SEG PATRIMONUAL TORRES - Cópia.pptxevanil2
 
TRANSPORTE DE VALORES - TORRES.ppt
TRANSPORTE DE VALORES - TORRES.pptTRANSPORTE DE VALORES - TORRES.ppt
TRANSPORTE DE VALORES - TORRES.pptevanil2
 
Curso GRO - Aula 5 - Identificacao de perigos e avaliacao de riscos.pdf
Curso GRO - Aula 5 - Identificacao de perigos e avaliacao de riscos.pdfCurso GRO - Aula 5 - Identificacao de perigos e avaliacao de riscos.pdf
Curso GRO - Aula 5 - Identificacao de perigos e avaliacao de riscos.pdfevanil2
 
Curso GRO - Aula 3 - Estrategias para implementacao do gerenciamento de risc...
Curso GRO - Aula 3 -  Estrategias para implementacao do gerenciamento de risc...Curso GRO - Aula 3 -  Estrategias para implementacao do gerenciamento de risc...
Curso GRO - Aula 3 - Estrategias para implementacao do gerenciamento de risc...evanil2
 
01-APH-ATENDIMENTO-PRE-HOSPITALAR-PRIMEIROS-SOCORROS-1.pdf
01-APH-ATENDIMENTO-PRE-HOSPITALAR-PRIMEIROS-SOCORROS-1.pdf01-APH-ATENDIMENTO-PRE-HOSPITALAR-PRIMEIROS-SOCORROS-1.pdf
01-APH-ATENDIMENTO-PRE-HOSPITALAR-PRIMEIROS-SOCORROS-1.pdfevanil2
 
chek list empilhadeira (2).pdf
chek list empilhadeira (2).pdfchek list empilhadeira (2).pdf
chek list empilhadeira (2).pdfevanil2
 
CURSO-PARA-NOVOS-CONVERTIDOS.pdf
CURSO-PARA-NOVOS-CONVERTIDOS.pdfCURSO-PARA-NOVOS-CONVERTIDOS.pdf
CURSO-PARA-NOVOS-CONVERTIDOS.pdfevanil2
 
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdfAPOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdfevanil2
 
CURSO COMPLETO DE CAPELANIA.pdf
CURSO COMPLETO DE CAPELANIA.pdfCURSO COMPLETO DE CAPELANIA.pdf
CURSO COMPLETO DE CAPELANIA.pdfevanil2
 
Valorizando_o_Ministerio_em_Tempos_de_Crise.pdf
Valorizando_o_Ministerio_em_Tempos_de_Crise.pdfValorizando_o_Ministerio_em_Tempos_de_Crise.pdf
Valorizando_o_Ministerio_em_Tempos_de_Crise.pdfevanil2
 

Mais de evanil2 (14)

PS MIRANTES.pptx
PS MIRANTES.pptxPS MIRANTES.pptx
PS MIRANTES.pptx
 
RSE SUPERVISOR.pptx
RSE SUPERVISOR.pptxRSE SUPERVISOR.pptx
RSE SUPERVISOR.pptx
 
SUPERVISOR NSP.pptx
SUPERVISOR NSP.pptxSUPERVISOR NSP.pptx
SUPERVISOR NSP.pptx
 
vigilancia_toxicologica_ocupacional.ppt
vigilancia_toxicologica_ocupacional.pptvigilancia_toxicologica_ocupacional.ppt
vigilancia_toxicologica_ocupacional.ppt
 
SHOPPING E SEG PATRIMONUAL TORRES - Cópia.pptx
SHOPPING E SEG PATRIMONUAL  TORRES - Cópia.pptxSHOPPING E SEG PATRIMONUAL  TORRES - Cópia.pptx
SHOPPING E SEG PATRIMONUAL TORRES - Cópia.pptx
 
TRANSPORTE DE VALORES - TORRES.ppt
TRANSPORTE DE VALORES - TORRES.pptTRANSPORTE DE VALORES - TORRES.ppt
TRANSPORTE DE VALORES - TORRES.ppt
 
Curso GRO - Aula 5 - Identificacao de perigos e avaliacao de riscos.pdf
Curso GRO - Aula 5 - Identificacao de perigos e avaliacao de riscos.pdfCurso GRO - Aula 5 - Identificacao de perigos e avaliacao de riscos.pdf
Curso GRO - Aula 5 - Identificacao de perigos e avaliacao de riscos.pdf
 
Curso GRO - Aula 3 - Estrategias para implementacao do gerenciamento de risc...
Curso GRO - Aula 3 -  Estrategias para implementacao do gerenciamento de risc...Curso GRO - Aula 3 -  Estrategias para implementacao do gerenciamento de risc...
Curso GRO - Aula 3 - Estrategias para implementacao do gerenciamento de risc...
 
01-APH-ATENDIMENTO-PRE-HOSPITALAR-PRIMEIROS-SOCORROS-1.pdf
01-APH-ATENDIMENTO-PRE-HOSPITALAR-PRIMEIROS-SOCORROS-1.pdf01-APH-ATENDIMENTO-PRE-HOSPITALAR-PRIMEIROS-SOCORROS-1.pdf
01-APH-ATENDIMENTO-PRE-HOSPITALAR-PRIMEIROS-SOCORROS-1.pdf
 
chek list empilhadeira (2).pdf
chek list empilhadeira (2).pdfchek list empilhadeira (2).pdf
chek list empilhadeira (2).pdf
 
CURSO-PARA-NOVOS-CONVERTIDOS.pdf
CURSO-PARA-NOVOS-CONVERTIDOS.pdfCURSO-PARA-NOVOS-CONVERTIDOS.pdf
CURSO-PARA-NOVOS-CONVERTIDOS.pdf
 
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdfAPOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
APOSTILA DE GESTÃO ECLESIÁSTICA 2012.pdf
 
CURSO COMPLETO DE CAPELANIA.pdf
CURSO COMPLETO DE CAPELANIA.pdfCURSO COMPLETO DE CAPELANIA.pdf
CURSO COMPLETO DE CAPELANIA.pdf
 
Valorizando_o_Ministerio_em_Tempos_de_Crise.pdf
Valorizando_o_Ministerio_em_Tempos_de_Crise.pdfValorizando_o_Ministerio_em_Tempos_de_Crise.pdf
Valorizando_o_Ministerio_em_Tempos_de_Crise.pdf
 

USO PROGRESSIVO DA FORÇA - TORRES.pptx

  • 2. USO PROGRESSIVO DA FORÇA CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE FACILITADOR: LUCIANO TORRES
  • 3. USO PROGRESSIVO DA FORÇA PRINCIPAIS CONCEITOS
  • 4. TODA INTERVENÇÃO COMPULSÓRIA SOBRE O INDIVÍDUO OU GRUPOS DE INDIVÍDUOS, REDUZINDO OU ELIMINANDO SUA CAPACIDADE DE AUTODECISÃO. USO PROGRESSIVO DA FORÇA FORÇA
  • 5. •É ENTENDIDO COMO A VARIAÇÃO DISPOSTAS PARA A APLICAÇÃO DA FORÇA E VARIA DESDE A SIMPLES PRESENÇA DO VIGILANTE EM UMA INTERVENÇÃO, ATÉ A UTILIZAÇÃO DA ARMA DE FOGO, EM SEU USO EXTREMO (LETAL); NÍVEL DO USO DA FORÇA USO PROGRESSIVO DA FORÇA
  • 6. • CONSISTE NA SELEÇÃO ADEQUADA DE OPÇÕES DE FORÇA PELO VIGILANTE EM RESPOSTA AO NÍVEL DE AGRESSÃO DO INDIVÍDUO SUSPEITO OU INFRATOR A SER CONTROLADO. • MODERAÇÃO X PROPORÇÃO USO PROGRESSIVO DA FORÇA USO PROGRESSIVO DA FORÇA
  • 7. USO PROGRESSIVO DA FORÇA BASE LEGAL PARA O USO PROGRESSIV O DA FORÇA
  • 8. • CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988. • CÓDIGO PENAL BRASILEIRO. • CÓDIGO DE CONDUTA PARA ENCARREGADOS DA APLICAÇÃO DA LEI – CCEAL- RESOLUÇÃO 34/169 ONU/79 • PRINCÍPIOS BÁSICOS SOBRE O USO DA FORÇA E ARMAS DE FOGO –PBUFAF- 8º CONGRESSO CUBA/90 • PORTARIA Nº 387/2006 - DG/DPF, DE 28 DE AGOSTO DE 2006 QUE REGULA E CONSOLIDA AS NORMAS APLICADAS SOBRE SEGURANÇA PRIVADA. • PORTARIA Nº 001 – D LOG/EB, DE 05 DE JANEIRO DE 2009 USO PROGRESSIVO DA FORÇA BASE LEGAL
  • 9. PODEMOS ENCONTRAR NA CONSTITUIÇÃO DE 1988, ARTIGO 5º, QUE: “TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI, SEM DISTINÇÃO DE QUALQUER NATUREZA, GARANTINDO-SE AOS BRASILEIROS E AOS ESTRANGEIROS RESIDENTES NO PAÍS A INVIOLABILIDADE DO DIREITO À VIDA, À LIBERDADE, À IGUALDADE, À SEGURANÇA E À PROPRIEDADE...” USO PROGRESSIVO DA FORÇA PRINCÍPIO DA IGUALDADE
  • 10. • OS PRINCÍPIOS BÁSICOS SOBRE O USO DA FORÇA FÍSICA E ARMAS DE FOGO, NAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA PRIVADA, SÓ SE JUSTIFICAM SE VOLTADOS PARA A GARANTIA DA PAZ SOCIAL E DO EXERCÍCIO DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS DO CIDADÃO E NÃO DEVE, DE MANEIRA ALGUMA, VIOLAR, AGREDIR OU NEGAR A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA • O USO IMPRÓPRIO DA FORÇA FÍSICA E ARMAS DE FOGO NAS ATIVIDADES DA SEGURANÇA PRIVADA PODE RESULTAR EM VIOLAÇÕES DO DIREITO À VIDA, LIBERDADE E SEGURANÇA. USO PROGRESSIVO DA FORÇA PRINCÍPIO DA IGUALDADE
  • 11. • O CÓDIGO PENAL CONTÉM JUSTIFICATIVAS OU CAUSAS DE EXCLUSÃO DA ANTIJURIDICIDADE QUE AMPARAM LEGALMENTE O USO DA FORÇA: • ART. 23 - NÃO HÁ CRIME QUANDO O AGENTE PRATICA O FATO: • I - EM ESTADO DE NECESSIDADE; • II - EM LEGÍTIMA DEFESA; • III - EM ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL OU NO EXERCÍCIO EXERCÍCIO REGULAR DE DIREITO. • ASSIM, SENDO NECESSÁRIO O USO DE FORÇA, NESTAS CIRCUNSTÂNCIAS HAVERÁ AMPARO LEGAL, DESDE QUE NÃO SE EXCEDA ALÉM DO SUFICIENTE. USO PROGRESSIVO DA FORÇA CÓDIGO PENAL BRASILEIRO
  • 12. USO PROGRESSIVO DA FORÇA PRINCÍPIOS BÁSICOS DO USO PROGRESSIV O DA FORÇA
  • 13. • QUATRO PRINCÍPIOS BÁSICOS NORTEIAM A NECESSIDADE DO USO DA FORÇA POR PARTE DO VIGILANTE, SEMPRE COM O OBJETIVO DE ATENDER ALEGITIMIDADE DA APLICAÇÃO DA LEI E A MANUTENÇÃO DA ORDEM PÚBLICA, DEVENDO SER SEMPRE AVALIADOS ANTES DE QUALQUER INICIATIVA DE AÇÃO: • LEGALIDADE • NECESSIDADE • PROPORCIONALIDADE • CONVENIÊNCIA USO PROGRESSIVO DA FORÇA PRINCÍPIOS BÁSICOS
  • 14. O EMPREGO DA FORÇA É LEGAL? O VIGILANTE DETÉM OS MEIOS MATERIAIS E OS CONHECIMENTOS PARA EMPREGAR A TÉCNICA? USO PROGRESSIVO DA FORÇA PRINCÍPIO 01: LEGALIDADE O VIGILANTE DEVE AMPARAR LEGALMENTE SUA AÇÃO, DEVENDO TER CONHECIMENTO DA LEI E ESTAR PREPARADO TECNICAMENTE, ATRAVÉS DA SUA FORMAÇÃO E DO TREINAMENTO RECEBIDOS
  • 15. A APLICAÇÃO DA FORÇA É NECESSÁRIA? USO PROGRESSIVO DA FORÇA PRINCÍPIO 02: NECESSIDADE PARA RESPONDER A ESTA INDAGAÇÃO PRECISAMOS IDENTIFICAR O OBJETIVO A SER ATINGIDO, OU SEJA, SE A AÇÃO ATENDE AOS LIMITES CONSIDERADOS MÍNIMOS PARA QUE SE TORNE JUSTA E LEGAL SUA INTERVENÇÃO. SUGERE-SE AINDA VERIFICAR SE TODAS AS OPÇÕES ESTÃO SENDO CONSIDERADAS E SE EXISTEM OUTROS MEIOS MENOS DANOSOS PARA SE ATINGIR O OBJETIVO.
  • 16. O NÍVEL DE FORÇA A SER UTILIZADO É PROPORCIONAL AO NÍVEL DE RESISTÊNCIA OFERECIDA? USO PROGRESSIVO DA FORÇA PRINCÍPIO 03: PROPORCIONALIDADE • SEMPRE SE DEVE VERIFICAR A PROPORCIONALIDADE DO USO DA FORÇA. CASO NÃO HAJA PROPORCIONALIDADE, ESTARÁ CARACTERIZADO O ABUSO DE PODER. • NA MAIORIA DAS VEZES SÓ A PRESENÇA DO VIGILANTE OU A VERBALIZAÇÃO JÁ FAZ CESSAR OU ATÉ MESMO INIBIR A AÇÃO.
  • 17. O USO DA FORÇA É CONVENIENTE? USO PROGRESSIVO DA FORÇA PRINCÍPIO 04: CONVENIENCIA O ASPECTO REFERENTE À CONVENIÊNCIA DO USO DA FORÇA DIZ RESPEITO AO MOMENTO E AO LOCAL DA INTERVENÇÃO. É PRECISO AVALIAR AS CIRCUNSTANCIAS DA APLICAÇÃO DA AÇÃO PARA QUE A MESMA NÃO POSSA VIR A OCASIONAR MAIORES PROBLEMAS. AS VEZES, O USO DA FORÇA É LEGAL, NECESSÁRIA, PROPORCIONAL, MAS NÃO É CONVENIENTE.
  • 18. USO PROGRESSIVO DA FORÇA ELEMENTOS PRINCIPAIS DE AÇÃO
  • 19. INSTRUMENTOS USO PROGRESSIVO DA FORÇA ELEMENTOS PRINCIPAIS DE AÇÃO OS INSTRUMENTOS INCLUEM OS TÓPICOS DISPONÍVEIS NO CURRÍCULO DOS PROGRAMAS DE TREINAMENTO DA ORGANIZAÇÃO, TAIS COMO AS ARMAS E EQUIPAMENTOS DISPONÍVEIS, OS PROCEDIMENTOS, PERSPECTIVAS COMPORTAMENTAIS, DENTRE OUTROS.
  • 20. TÁTICAS USO PROGRESSIVO DA FORÇA ELEMENTOS PRINCIPAIS DE AÇÃO • AS TÁTICAS SE REFEREM ÀS ESTRATÉGIAS DE UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS, CONSIDERADAS NECESSÁRIAS E VIÁVEIS NO CONTEXTO DA INICIATIVA DE REPRESSÃO, E QUE PERMITAM AO VIGILANTE UM MELHOR DESEMPENHO, TAIS COMO: QUANDO IRÁ USAR, EM QUE DIREÇÃO IRÁ USAR, A QUE DISTÂNCIA USAR, EM QUEM IRÁ USAR, QUAL A QUANTIDADE USAR, QUAL O AMBIENTE A SER USADO ETC.
  • 21. USO DO TEMPO USO PROGRESSIVO DA FORÇA ELEMENTOS PRINCIPAIS DE AÇÃO • O TEMPO É DEMONSTRADO PELA PRESTEZA DA RESPOSTA DO VIGILANTE ÀS AÇÕES DO INDIVÍDUO, MEDIDA EM TERMOS DA INSTANTANEIDADE E DA NECESSIDADE. • SEMPRE QUE HOUVER A NECESSIDADE DE SE FAZER UMA INTERVENÇÃO COM O USO DA FORÇA, PRINCIPALMENTE EM SEU USO EXTREMO, QUE É O USO LETAL DE ARMAS DE FOGO, DEVE HAVER UMA PRIORIDADE EM TERMOS DE SEGURANÇA: EM PRIMEIRO LUGAR A SEGURANÇA DO PÚBLICO; EM SEGUNDO A SEGURANÇA PESSOAL; E EM TERCEIRO LUGAR A DO INDIVÍDUO SUSPEITO OU AGRESSOR
  • 22. USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEIS DO USO PROGRESSIV O DA FORÇA
  • 23. NÍVEIS DO USO PROGRESSIVO DA FORÇA I – PRESENÇA FÍSICA II – VERBALIZAÇÃO III – CONTROLE DE CONTATO OU CONTROLE DE MÃOS LIVRES IV – SUBMISSÃO V – TÉCNICAS DEFENSIVAS NÃO LETAIS OU MENOS QUE LETAIS VI – FORÇA LETAL USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEIS DO USO PROGRESSIVO DA FORÇA
  • 24. A PRESENÇA FÍSICA DO VIGILANTE NO SEU POSTO DE SERVIÇO, DEVE INIBIR OU COIBIR A INTENÇÃO DE AÇÃO CONTRA ELE E CONTRA SEU POSTO DE SERVIÇO. ELEMENTOS: - OBSERVAÇÃO SELETIVA; - CONTROLE DE ACESSO; - POSTURA; - POSICIONAMENTO USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEIS DO USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEL 01: PRESENÇA FÍSICA A mera presença do vigilante uniformizado pode ser na maioria dos casos o bastante para conter um crime ou ainda prevenir um futuro crime, bem como evitar ações de pessoas mal intencionadas.
  • 25. QUANDO A PRESENÇA FÍSICA DO VIGILANTE NÃO É CAPAZ DE INIBIR O COMPORTAMENTO INADEQUADO DO SUJEITO, PARTE-SE PARA UMA INTERVENÇÃO BASEADA NA COMUNICAÇÃO. ELEMENTOS: - NEGOCIAÇÃO; - PERSUASÃO; - LINGUAGEM; - CONHECIMENTO USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEIS DO USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEL 02: VERBALIZAÇÃO Aproximadamente, 80% dos problemas de conflitos em postos são resolvidos nesse nível Baseia – se na ampla variedade de habilidades de comunicação por parte do vigilante, capitalizando a aceitação geral que a população tem da autoridade.
  • 26. USO DAS TÉCNICAS DE IMOBILIZAÇÃO E DEFESA PESSOAL QUE O VIGILANTE DEVE DOMINAR. ESSE CONHECIMENTO TÉCNICO É FUNDAMENTAL PARA O DESEMPENHO DAS ATIVIDADES DO VIGILANTE. ELEMENTOS: - RESERVA DE SEGURANÇA - CONHECIMENTO TÉCNICO - CONDIÇÕES FÍSICAS USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEIS DO USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEL 03: CONTROLE DE CONTATO Trata – se do emprego de habilidades de contato físico por parte do vigilante, para atingir o controle da situação. Havendo a necessidade de dominar o suspeito fisicamente utiliza-se neste nível apenas as mãos livres, compreendendo–se técnicas de imobilizações e condução.
  • 27. CONTROLE DE CONTATO COM USO DE GASES FORTES, A EXEMPLO DO GÁS LACRIMOGÊNIO E O SPRAY DE PIMENTA. ELEMENTOS: - RESERVA DE SEGURANÇA - CONHECIMENTO TÉCNICO - CONDIÇÕES FÍSICAS - ARMAS MENOS LETAIS USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEIS DO USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEL 04: TÉCNICAS DE SUBMISÃO É o emprego da força suficiente para superar a resistência ativa do indivíduo, permanecendo vigilante em relação aos sinais de um comportamento mais agressivo que exija uso de níveis superiores de resposta, a partir da utilização de técnicas de mãos livres adequadas e agentes químicos.
  • 28. CONSISTE NO USO DE EQUIPAMENTOS DE CONTROLE MAIS FORTES QUE O GÁS, EM APLICAÇÕES DE CARATÉR MENOS LETAL. ELEMENTOS: - DISPOSITIVOS ELÉTRICOS INCAPACITANTES - MUNIÇÃO DE BORRACHA - TIRO NÃO LETAL USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEIS DO USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEL 05: TÉCNICAS DEFENSIVAS MENOS LETAIS Aqui ainda se enquadram as situações de utilização das armas de fogo, desde que excluídos os casos de disparo com intenção letal.
  • 29. CONSISTE NO USO DA FORÇA LETAL, OU SEJA, NA APLICAÇÃO DE UMA FORÇA QUE LEVE O SUJEITO À MORTE. ELEMENTOS: - PROPORCIONALIDADE - LEGÍTIMA DEFESA USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEIS DO USO PROGRESSIVO DA FORÇA NÍVEL 06: FORÇA LETAL
  • 30. É UM MODELO DE TOMADA DE DECISÃO DESIGNADO PARA DESENVOLVER SUA HABILIDADE PARA RESPONDER A ENCONTROS DE FORÇA, PERMANECENDO DENTRO DA LEGALIDADE E DE PARÂMETROS ACEITÁVEIS. USO PROGRESSIVO DA FORÇA FORÇA LETAL TRIÂNGULO DA FORÇA LETAL HABILIDADE RISCO OPORTUNIDADE
  • 31. • É A CAPACIDADE FÍSICA DO SUSPEITO DE CAUSAR DANO NO VIGILANTE OU EM OUTRA PESSOA INOCENTE. ISTO SIGNIFICA, EM OUTRAS PALAVRAS, QUE O SUSPEITO POSSUI UMA ARMA CAPAZ DE PROVOCAR MORTE OU LESÃO GRAVE, COMO POR EXEMPLO, UMA ARMA DE FOGO OU UMA FACA. TAMBÉM PODE SER INCLUÍDA A CAPACIDADE FÍSICA, ATRAVÉS DE ARTE MARCIAL OU DE FORÇA FÍSICA, SIGNIFICATIVAMENTE SUPERIOR À DO VIGILANTE. USO PROGRESSIVO DA FORÇA FORÇA LETAL HABILIDADE
  • 32. • DIZ RESPEITO AO POTENCIAL DO SUSPEITO EM USAR SUA HABILIDADE PARA MATAR OU FERIR GRAVEMENTE. ESTA OPORTUNIDADE NÃO EXISTE SE O SUSPEITO ESTÁ FORA DE ALCANCE, A EXEMPLO, UM SUSPEITO ARMADO COM UMA FACA TEM HABILIDADE PARA MATAR OU FERIR SERIAMENTE, MAS PODE FALTAR OPORTUNIDADE SE VOCÊ AUMENTAR A DISTÂNCIA. USO PROGRESSIVO DA FORÇA FORÇA LETAL OPORTUNIDADE
  • 33. • EXISTE QUANDO UM SUSPEITO TOMA VANTAGEM DE SUA HABILIDADE E OPORTUNIDADE PARA COLOCAR UM VIGILANTE OU OUTRA PESSOA INOCENTE EM UM IMINENTE PERIGO FÍSICO. UMA SITUAÇÃO ONDE UM SUSPEITO DE ROUBO RECUSA – SE A SOLTAR A ARMA ACUADO APÓS UMA PERSEGUIÇÃO A PÉ PODE SE CONSTITUIR EM RISCO. USO PROGRESSIVO DA FORÇA FORÇA LETAL RISCO
  • 34. USO PROGRESSIVO DA FORÇA LEMBRE-SE: • O USO PROGRESSIVO DA FORÇA É: • PROPORCIONAL • SELETIVO • DIFERENCIADO • TEMPORÁRIO
  • 35. USO PROGRESSIVO DA FORÇA ARMAS NÃO LETAIS E LETAIS
  • 36. • ARMAS NÃO-LETAIS - SÃO ARMAS ESPECIFICAMENTE PROJETADAS E EMPREGADAS PARA INCAPACITAR PESSOAL OU MATERIAL, AO MESMO TEMPO EM QUE MINIMIZAM MORTES, FERIMENTOS PERMANENTES NO PESSOAL, DANOS INDESEJÁVEIS À PROPRIEDADE E COMPROMETIMENTO DO MEIO-AMBIENTE. • ARMAS LETAIS - SÃO ARMAS, QUE DESTROEM, PRINCIPALMENTE POR MEIO DE EXPLOSÃO, PENETRAÇÃO E FRAGMENTAÇÃO. USO PROGRESSIVO DA FORÇA ARMAS LETAIS X ARMAS NÃO LETAIS
  • 37. • O LEQUE DE RECURSOS NÃO-LETAIS É EXTENSO E PARA OTIMIZAR O NOSSO ESTUDO SEPARAMOS COMO EXEMPLO AS PRINCIPAIS ARMAS UTILIZADAS, TAIS COMO: • – ARMAS CONTUNDENTES: CASSETETES, BASTÕES E TONFAS; • – MUNIÇÕES DE ELASTÔMERO MACIO: SÃO MUNIÇÕES DE BORRACHA EMPREGADAS ATRAVÉS DE ARMAS E PROJETORES DOS MESMOS CALIBRES; • – ESPARGIDORES OU SPRAY DE AGENTE LACRIMOGÊNEO: SÃO RECIPIENTES DE CORPO CILÍNDRICO EM ALUMÍNIO CONTENDO AGENTE QUÍMICO PRESSURIZADO; • – GRANADAS DE AGENTE LACRIMOGÊNEO: GRANADAS EXPLOSIVAS E GRANADAS DE EMISSÃO FUMÍGENAS; • – ARMAS DE CHOQUE ELÉTRICO: SÃO EQUIPAMENTOS QUE EMITEM IMPULSOS ELÉTRICOS EM CONTATO DIRETO NA PESSOA OU ATRAVÉS DE PROJEÇÃO DE DARDOS ENERGIZADOS.. USO PROGRESSIVO DA FORÇA TIPOS DE ARMAS NÃO LETAIS
  • 38. GRANADA DE GÁS LACRIMOGÊNEO, APELIDADA DE BAILARINA, PROTÓTIPO COM TECNOLOGIA 100% BRASILEIRA. DEPOIS DE “BAILARINA” SALTA ALEATORIAMENTE, ASSIM, FICA IMPOSSÍVEL GRANADA E JOGA-LA DE VOLTA. O EFEITO INICIA DE 3 A 10 APÓS O CONTATO INICIAL, CAUSAM LACRIMEJAMENTO INTENSO, ESPIRROS, IRRITAÇÃO NA PELE, DAS MUCOSAS E DO SISTEMA RESPIRATÓRIO. É MAIS UTILIZADA NO COMBATE A CONTROLE DE DISTÚRBIOS. LOCAIS AREJADOS. USO PROGRESSIVO DA FORÇA TIPOS DE ARMAS NÃO LETAIS GRANADA DE GÁS
  • 39. USO PROGRESSIVO DA FORÇA TIPOS DE ARMAS NÃO LETAIS GRANADA DE GÁS
  • 40. USO PROGRESSIVO DA FORÇA TIPOS DE ARMAS NÃO LETAIS SPARGIDOR DE PIMENTA • OS ESPARGIDORES DE AGENTE QUÍMICO FORAM DESENVOLVIDOS PARA UTILIZAÇÃO EM AÇÕES DE AUTO DEFESA, CONTROLE DE PEQUENOS DISTÚRBIOS E SATURAÇÃO DE AMBIENTES ABERTOS. VALE LEMBRAR QUE SEU EMPREGO DEVE SER PAUTADO NA LEGALIDADE, EVITANDO-SE ABUSOS E LESÕES INDESEJÁVEIS.
  • 41. USO PROGRESSIVO DA FORÇA TIPOS DE ARMAS NÃO LETAIS ESPARGIDOR DE PIMENTA
  • 42. USO PROGRESSIVO DA FORÇA TIPOS DE ARMAS NÃO LETAIS PROJÉTIL DE BORRACHA • PROJÉTIL DE BORRACHA OU MAIS CONHECIDA COMO MUNIÇÃO DE BORRACHA, É UTILIZADA NO CONTROLE DE GRANDES DISTÚRBIOS E COMBATE A CRIMINALIDADE QUE PODE SER DISPARADO CONTRA UMA OU MAIS PESSOAS, COM A FINALIDADE DE DETER OU DISPERSAR INFRATORES. PROVOCAM HEMATOMAS E FORTES DORES..
  • 43. USO PROGRESSIVO DA FORÇA TIPOS DE ARMAS NÃO LETAIS PROJÉTIL DE BORRACHA
  • 44. USO PROGRESSIVO DA FORÇA TIPOS DE ARMAS NÃO LETAIS ARMAS DE CHOQUE • ARMA DE CHOQUE ELÉTRICO, TAMBÉM CONHECIDA PELO NOME COMERCIAL TASER, QUE NADA MAIS É QUE UM FABRICANTE CUJO NOME POPULARIZOU O PRODUTO, É UMA ARMA NÃO-LETAL QUE DESCARREGA ENERGIA ELÉTRICA (ARMAZENADA EM FORMA DE BATERIA) EM UM ORGANISMO VIVO COM O PROPÓSITO DE PARALISAR SEU CORPO. NESTE MEIO TEMPO, O AUTOR DO DISPARO PODE DOMINAR O ALVO.
  • 45. USO PROGRESSIVO DA FORÇA TIPOS DE ARMAS NÃO LETAIS ARMAS DE CHOQUE
  • 46. USO PROGRESSIVO DA FORÇA CONSIDERAÇÕES FINAIS OS EQUIPAMENTOS AUTORIZADOS PARA A SEGURANÇA PRIVADA TAMBÉM SÃO CONSIDERADOS ARMAS PELA POLÍCIA FEDERAL, RECEBENDO O MESMO TRATAMENTO E CUIDADOS DISPENSADOS ÀS ARMAS DE FOGO. DESTA FORMA, NUNCA É DEMAIS MENCIONAR QUE É ILEGAL A SUA UTILIZAÇÃO BANALIZADA, COMO MEIO DE PUNIÇÃO OU PARA INTIMIDAR, HUMILHAR OU FAZER FALAR A UM INDIVÍDUO JÁ DOMINADO.
  • 47. USO PROGRESSIVO DA FORÇA CONSIDERAÇÕES FINAIS AS PESSOAS ENCARREGADAS DA UTILIZAÇÃO DE TAIS EQUIPAMENTOS DEVEM ESTAR SEMPRE CIENTES DE QUE, APESAR DA CLASSIFICAÇÃO DE “ARMAS NÃO LETAIS”, A MÁ UTILIZAÇÃO DESTES EQUIPAMENTOS PODE CAUSAR SÉRIAS LESÕES E INCLUSIVE LEVAR A ÓBITO AS PESSOAS A ELAS SUBMETIDAS. .
  • 48. USO PROGRESSIVO DA FORÇA CONSIDERAÇÕES FINAIS AS UTILIZAÇÃO DE ARMAS, MUNIÇÕES E DEMAIS EQUIPAMENTOS NÃO LETAIS REPRESENTA UM GRANDE AVANÇO PARA AS EMPRESAS E PESSOAS EMPENHADAS NAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA PRIVADA, POIS O VIGILANTE PASSA A DISPOR DE OUTROS ELEMENTOS INTERMEDIÁRIOS ENTRE A VERBALIZAÇÃO E O USO DE FORÇA LETAL PARA O DESEMPENHO DE SUA FUNÇÃO, AUMENTANDO EM MUITO O NÍVEL DE EFICIÊNCIA E O GRAU DE PRESERVAÇÃO DE SUA PRÓPRIA SEGURANÇA, AGREGANDO VALOR AO SEU TRABALHO E ELEVANDO O NÍVEL DO SERVIÇO OFERECIDO PELA EMPRESA DE SEGURANÇA.
  • 49. Para refletir: CRÉDITOS “Um dia me disseram que eu não era capaz. Foi, então, que eu aprendi a não acreditar em tudo que me dizem” Magalhães Lourenço