SlideShare uma empresa Scribd logo
Leonardo Esteves Ramos
Thiago dos Santos Batista
Orientadora: Luciana Sugai
Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS)/SES/DF
www.paulomargotto.com.br
06/10/2008
Anamnese
VPS, masculino, 2 anos e 11 meses, branco, natural e
procedente do Gama – DF
Admissão: 18/09/2008
QP: “Febre há 5 dias”
HDA:
Paciente apresenta há 5 dias febre contínua,
de 39-40 °C, diária, que cede parcialmente com
uso de anti-térmico.
Apresenta exantema, há 4 dias em genitália,
e posteriormente, surgiram em membros
inferiores e superiores há 3 e 2 dias,
respectivamente.
Apresentou 2 episódios de vômitos/dia pós-
prandiais há 3 dias, que persistem até a admissão,
Apresentou diarréia líquida pastosa há 1 dia.
Revisão de Sistemas:
Ap. Respiratório: Apresentou “forte gripe” há 1 mês
(coriza, febre e adinamia).
Ap. Gastrointestinal: Apresenta obstipação crônica
desde o nascimento, apresentando tenesmo
Antecedentes Pessoais:
Mãe GIII PIII A0. Não fez pré-natal na
gestação do paciente. Sem intercorrências na
gestação e no parto.
Criança nasceu de parto normal a termo. Peso
ao Nascer: 3000g. Chorou ao nascer.
Aleitamento materno exclusivo até o 6º mês.
Desmame com 1 ano e 6 meses.
Desenvolvimento Neuropsicomotor preservado.
Antecedentes Patológicos:
Sem história de internação prévia, cirurgias,
transfusões ou trauma
Nega alergias. Cartão Vacinal completo
Antecedentes Familiares
Irmãos saudáveis (primogênito: 4 anos e caçula:
11 meses). Pais são saudáveis, não
consangüíneos e não tabagistas
Hábitos de vida
Dieta atual: 4 refeições/dia, alimentação da
casa, completa. Come verduras e legumes.Faz
uso de leite de vaca desde o 7º mês de vida
Moradia: Casa de alvenaria, 4 cômodos, com
saneamento básico completo, energia elétrica.
Moram 4 pessoas. Possui 1 cão de estimação
EXAME FÍSICO
REG, choroso , normocorado, hidratado, eupnéico,
febril (38°C), acianótico e anictérico
Pele: Lesões eritemo-maculosas, hiperemiadas em
face, genitália e membros superiores e inferiores
Linfonodos: palpáveis, com aumento discreto, em
cadeia cervical posterior bilateralmente
Olhos: hiperemia conjuntival bilateral
Oroscopia: hiperemia e fissuras labiais, língua
hiperemiada . Dentes com bom estado de conservação
AR: simétrico, sem retrações, boa expansibilidade.
MVF presentes com roncos bilaterais. FR:
28irpm
ACV: Precórdio calmo, Ictus cordis invisível e
impalpável. R.C.R em 2T, B.N.F sem sopros. FC:
100bpm
Abdome: Globoso, RHA +, normotenso, indolor a
palpação, s/ VMG e/ou massas palpáveis
Extremidades: Edema de mãos e pés (++/4+)
SNC: sem sinais de irritação meníngea
EXAMES COMPLEMENTARES19/0919/09
HmHm 4,54,5
HgHg 12,612,6
HtHt 36,336,3
VCMVCM
HCMHCM
CHCMCHCM
Leuc.Leuc. 10.200010.2000
Seg%Seg% 6666
Bast%Bast% 0101
Linf%Linf% 3131
Mono%Mono% 0101
Eos%Eos% 0101
Plaquet.Plaquet. 486.000486.000
19/0919/09
CreatininaCreatinina 0,70,7
UréiaUréia 1515
BTBT
BDBD
NaNa 136136
KK 4,14,1
ClCl 109109
TGOTGO 2020
TGPTGP 1818
VHSVHS 5252
Radiografia de
Tórax: 19/09
Normal
Resumo
2 anos de idade
Febre há 5 dias
Exantema há 4 dias
2 episódios de Vômitos
Diarréia há 1 dia
Linfonodos cervicais palpáveis
Fissuras Labiais e Língua hiperemiada
Edema em Mãos e Pés (++/4+)
HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS ???
HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS
Escarlatina
Sarampo
Enterovirose
Eritema Infeccioso
Síndrome de Steven-Johnson
Síndrome do Choque Tóxico
Doença de Kawasaki
HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS
 Escarlatina
 Rash cutâneo
 Língua em framboesa/ morango
 Foco estreptocóccico
 Sinal de Filatov
 ASLO positiva ??
 Responde bem a antibióticos ??
 Sarampo
 Enterovirose
 Eritema Infeccioso
 Síndrome de Steven-Johnson
 Síndrome do Choque Tóxico
 Doença de Kawasaki
HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS
 Escarlatina
 Sarampo
 Exantema febril
 Hiperemia conjuntival
 Conjuntivite exsudativa
 Sinal de Koplik
 Vacina prévia ausente
 Enterovirose
 Eritema Infeccioso
 Síndrome de Steven-Johnson
 Síndrome do Choque Tóxico
 Doença de Kawasaki
HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS Escarlatina
 Sarampo
 Enterovirose
 Febre e exantema
 Lesões vesiculares
 Síndrome Mão-Pé-Boca
 Eritema Infeccioso
 Síndrome de Steven-Johnson
 Síndrome do Choque Tóxico
 Doença de Kawasaki
HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS
 Escarlatina
 Sarampo
 Enterovirose
 Eritema Infeccioso
• Febre
• Exantema desaparece e reaparece
• Exantema em fácie
 Síndrome de Steven-Johnson
 Síndrome do Choque Tóxico
 Doença de Kawasaki
HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS
 Escarlatina
 Sarampo
 Enterovirose
 Eritema Infeccioso
 Síndrome de Steven-Johnson
 Lesões em mucosa oral
 Rash cutâneo
 Mucosa genital afetada
 Lesões bolhosas
 Síndrome do Choque Tóxico
 Doença de Kawasaki
HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS
 Escarlatina
 Sarampo
 Enterovirose
 Eritema Infeccioso
 Síndrome de Steven-Johnson
 Síndrome do Choque Tóxico
 Hipotensão ????
 Rash cutâneo
 Hiperemia conjuntival
 Foco infeccioso
 Toxemia
 Doença de Kawasaki
HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS
 Escarlatina
 Sarampo
 Enterovirose
 Eritema Infeccioso
 Síndrome de Steven-Johnson
 Síndrome do Choque Tóxico
 Doença de Kawasaki
 Rash cutâneo
 Edema de extremidades
 Hiperemia conjuntival bilateral
 Lesões em cavidade oral
 Febre persistente
 Linfonodomegalia cervical
 VHS alto
Doença de Kawasaki
É uma doença multissistêmica de etiologia
DESCONHECIDA, caracterizada por vasculite de
pequenos e médios vasos.
Pode associar-se ao comprometimento das artérias
CORONÁRIAS, que pode ser assintomático ou levar à
morte súbita ou IAM
Epidemiologia
•Mundialmente distribuída
•Predileção pela raça amarela
•Crianças < 5 anos, rara em <
3 meses
•Meses frios
•3 a 4% de recaídas
•Masculino > Feminino (2,2/1)
Etiologia
Agente etiológico desconhecido.
Forte suspeita de etiologia INFECCIOSA.
Presença de forte estimulação do sistema imune.
Predisposição genética
Semelhança com choque tóxico -> superantígenos ?
Patologia
 Vasculite grave dos vasos sanguíneos, predileção pelas
artérias de médio calibre, em especial as coronárias;
Maior complicação;
 Histopatológico:
 Edema de células endoteliais e da musculatura lisa;
 Infiltrado inflamatório
 (PMN, macrófagos, linfócitos (T-CD8) e plasmócitos (IgA).
 Vasos mais afetados: destruição lâmina interna;
↓ integridade Aneurisma
 Recuperação: cicatrização fibrose estenose vaso
 Infiltrado em tecidos não vasculares na fase aguda (miocárdio,
trato respiratório superior, pâncreas, rins, vias biliares);
Fases da Doença
 Fase febril aguda: 1 a 2 semanas
 Febre e outros sinais agudos da doença;
 Fase subaguda: até a 4ª semana;
 Febre e outros sinais agudos desaparecem, permanecem
irritabilidade, anorexia, irritação conjuntival;
 Descamação, trombocitose, desenvolvimento aneurismas,
↑risco morte súbita;
 Fase de convalescença: 6 a 8 semanas;
 Sinais da doença desaparecem e VHS retorna ao normal;
Quadro Clínico
Principais sintomas:
Febre
Congestão ocular
Alteração dos lábios e cavidade oral
Exantema polimorfo
Alteração nas extremidades
Linfadenopatia
Febre
• Etiologia desconhecida
• Persiste por 5 ou mais dias
• PRINCIPAL sinal (95 a 99%)
• Abrupta, alta, remitente; oscilante (38 a 40°C) e sem
defervescência completa
• Com ou sem rinorréia
• Dura > 30 dias se não tratada a doença
• Preditor de coronariopatia (se > 14 dias, risco maior)
Congestão Ocular•BILATERAL
•Presente em 88% dos
casos
•Aparece de 2 a 4 dias após
início do quadro
•Hiperemia; raramente
exsudativa
•Ausência de prurido e dor
•Pode haver uveíte anterior
•Regride de 1 a 2 semanas
Alteração dos
Lábios e Cavidade
Oral•Presente em 90% dos
casos
•Hiperemia,
ressecamento, fissuras,
crostas sanguinolentas,
descamação e
hemorragias dos
LÁBIOS
•LÍNGUA com
hiperemia e com
proeminência de papilas
- “Língua em framboesa
ou morango”
Exantema Polimorfo•Presente em 92% dos casos
•Surge entre 1°e 2° dia de febre
•Inicialmente no tronco e
posteriormente nas
extremidades
•Maculopapilar, morbiforme,
urticariforme e
escarlatiniforme
•Presença de vesículas e
bolhas torna o diagnóstico
POUCO PROVÁVEL
Alterações nas
extremidades
•Presente em 88 a 94% dos casos
•Eritema e edema endurado
palmoplantar
•Aparece dentro de 5 dias da
doença
•Descamação periungueal APÓS
10 a 15 dias do início do quadro
•Bastante CARACTERÍSTICO da
doença
Linfadenopatia
Cervical aguda não-supurativa
Presente em 50 a 75% dos casos
Uni ou bilateral
Varia de 1,5 a 7 cm de diâmetro
Gânglio firme, doloroso e não flutua
Desde o início da doença
Acompanha torcicolo e rigidez de nuca
Outros Sistemas
• GASTROINTESTINAIS: diarréia, vômito, dor
abdominal, íleo paralítico, disfunção hepática com
icterícia, hidropsia de vesícula biliar, pancreatite
• MUSCULOESQUELÉTICO: artrite, miosite, artralgia
• RESPIRATÓRIO: rinorréia, dispnéia, tosse, faringite
necrosante, otite média, pneumonia, efusão pleural
SNC: irritabilidade (lactentes), meningite asséptica,
paralisia facial, convulsão, hemiplegia, pleocitose do
LCR (25%)
URINÁRIO: piúria estéril, nefrite, IRA
OUTROS: uveíte, iridodociclite, hipoacusia, alopécia,
reativação do BCG, gangrena de extremidades,
necrose de supra-renal, orquite, hidrocele
Diagnóstico
•Febre por cinco
dias ou mais e
quatro dos demais
itens
Achados Laboratoriais Leucometria: normal ou ;↑
 VHS, PCR e proteínas de fase aguda ;↑
 Anemia normocítica;
 Plaquetas: Normal na 1ª semana e na 2ª-3ª↑
semana;
 FAN e FR-;
 Piúria estéril, discreta elevação das enzimas
hepáticas e pleocitose do LCR podem estar
presentes;
 Ecocardiograma: ao diagnóstico e após 2-3
semanas de doença Coronárias.
Se 2 primeiros exames normais: repetir ECO após 6-8 semanas;
Se 3 exames normais: repetir após um ano;
Tratamento
 Fase Aguda:
 Imunoglobulina EV 2g/kg por 10-12h;
 AAS em altas doses (80-100mg/kg/24h)
de 6/6h VO até o 14° dia de doença;
 Fase de Convalescença (14° dia ou 3-4 dias afebril):
 AAS 3-5mg/kg/dia até 6-8 semanas após início da doença;
 Terapia longo prazo no caso de anormalidades
Coronarianas:
 AAS (3-5mg/kg/dia) + Dipiridamol 4-6mg/kg/dia
 Alguns preferem usar warfarin em pacientes com risco potencial
para trombose;
 Trombose Coronariana Aguda:
 Fibrinolíticos (supervisão de especialista);
•Resposta rápida;
•↓ Prevalência de
doença coronariana;
Complicações e Prognostico
Complicações:
 IAM (geralmente letal - 2%);
 Doença coronariana (20%);
 Artrite grave (30%);
Ausência de doença coronariana: recuperação
completa;
Doença coronariana: prognóstico variável;
 50% dos aneurismas das artérias coronarianas têm resolução
ecocardiográfica 1 a 2 anos após a doença;
Obrigado!!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hanseníase do conceito ao tratamento SLIDS
Hanseníase do conceito ao tratamento SLIDSHanseníase do conceito ao tratamento SLIDS
Hanseníase do conceito ao tratamento SLIDS
sara moura
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Professor Robson
 
Patologia genital masculina benigna
Patologia genital masculina benignaPatologia genital masculina benigna
Patologia genital masculina benigna
Fortunato Barros
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Laped Ufrn
 
Uretrite
UretriteUretrite
Uretrite
DominikSantos1
 
Terapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonalTerapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonal
Alfredo Filho
 
Infe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioInfe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato Urinário
Urovideo.org
 
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Tdah tela
Tdah telaTdah tela
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
blogped1
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
Natália Rodrigues
 
Hemorragia digestiva alta
Hemorragia digestiva altaHemorragia digestiva alta
Hemorragia digestiva alta
Karoline Pereira
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
resenfe2013
 
Dermatomiosite
DermatomiositeDermatomiosite
Dermatomiosite
pauloalambert
 
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renalCuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
roberta55dantas
 
Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinário  Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinário
Cristine Maia
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
Laped Ufrn
 
Hemorroidas
HemorroidasHemorroidas
Hemorroidas
Cintia Liberato
 

Mais procurados (20)

Hanseníase do conceito ao tratamento SLIDS
Hanseníase do conceito ao tratamento SLIDSHanseníase do conceito ao tratamento SLIDS
Hanseníase do conceito ao tratamento SLIDS
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
 
Patologia genital masculina benigna
Patologia genital masculina benignaPatologia genital masculina benigna
Patologia genital masculina benigna
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 
Uretrite
UretriteUretrite
Uretrite
 
Terapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonalTerapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonal
 
Infe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioInfe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato Urinário
 
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
Amenorréias: o que está por trás da ausência de menstruação?
 
Tdah tela
Tdah telaTdah tela
Tdah tela
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
 
Hemorragia digestiva alta
Hemorragia digestiva altaHemorragia digestiva alta
Hemorragia digestiva alta
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Dermatomiosite
DermatomiositeDermatomiosite
Dermatomiosite
 
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renalCuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
Cuidados aos pacientes com distúbios urinários e renal
 
Doenças mão pé boca
Doenças mão pé bocaDoenças mão pé boca
Doenças mão pé boca
 
Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinário  Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinário
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
 
Hemorroidas
HemorroidasHemorroidas
Hemorroidas
 

Semelhante a Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008

PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
blogped1
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
marioaugusto
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
thiagoroberto
 
tcc-e-learn
tcc-e-learntcc-e-learn
tcc-e-learn
maurohs
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
Felipe Ribeiro
 
Apresentação mi definitivo
Apresentação mi   definitivoApresentação mi   definitivo
Apresentação mi definitivo
Túlio Teixeira
 
Doencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosasDoencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosas
Valéria Teixeira
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Dario Hart
 
Diarreia
DiarreiaDiarreia
Diarreia
leomacedo18
 
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
blogped1
 
Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)
 Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)  Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)
Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)
Hospital de Câncer de Barretos
 
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.pptProtocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
LeonardoFicoto
 
Sessão de raciocínio clínico
Sessão de raciocínio clínicoSessão de raciocínio clínico
Sessão de raciocínio clínico
janinemagalhaes
 
helmintos.pptx
helmintos.pptxhelmintos.pptx
helmintos.pptx
Valeria146201
 
Apresentação dengue- enf° alidemberg
Apresentação   dengue-  enf° alidembergApresentação   dengue-  enf° alidemberg
Apresentação dengue- enf° alidemberg
Alidemberg Loiola
 
Protocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatriaProtocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatria
Marisa Caixeta
 
European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps 2012
European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps 2012European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps 2012
European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps 2012
Natacha Santos
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
Dario Hart
 
1. orientacao de_atendimento_para_casos_suspeitos_de_dzc
1. orientacao de_atendimento_para_casos_suspeitos_de_dzc1. orientacao de_atendimento_para_casos_suspeitos_de_dzc
1. orientacao de_atendimento_para_casos_suspeitos_de_dzc
BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação
 
Orientação de atendimento para casos suspeitos de Dengue, Chikungunya e Zika
Orientação de atendimento para casos suspeitos de Dengue, Chikungunya e ZikaOrientação de atendimento para casos suspeitos de Dengue, Chikungunya e Zika
Orientação de atendimento para casos suspeitos de Dengue, Chikungunya e Zika
BVS Rede de Informação e Conhecimento – SES/SP Centro de Documentação
 

Semelhante a Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008 (20)

PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Em Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue IIEm Tempos De Dengue II
Em Tempos De Dengue II
 
Em Tempos De Dengue
Em Tempos De DengueEm Tempos De Dengue
Em Tempos De Dengue
 
tcc-e-learn
tcc-e-learntcc-e-learn
tcc-e-learn
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
 
Apresentação mi definitivo
Apresentação mi   definitivoApresentação mi   definitivo
Apresentação mi definitivo
 
Doencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosasDoencas infetocontagiosas
Doencas infetocontagiosas
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
 
Diarreia
DiarreiaDiarreia
Diarreia
 
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
 
Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)
 Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)  Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)
Aula 10: Dr. Mário de Paula (Oncologista Pediátrico)
 
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.pptProtocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
Protocolo-ijuuhhjhjhuuuuuuuuuuuuuuuuuuh.ppt
 
Sessão de raciocínio clínico
Sessão de raciocínio clínicoSessão de raciocínio clínico
Sessão de raciocínio clínico
 
helmintos.pptx
helmintos.pptxhelmintos.pptx
helmintos.pptx
 
Apresentação dengue- enf° alidemberg
Apresentação   dengue-  enf° alidembergApresentação   dengue-  enf° alidemberg
Apresentação dengue- enf° alidemberg
 
Protocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatriaProtocolos rotinas.pdfpediatria
Protocolos rotinas.pdfpediatria
 
European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps 2012
European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps 2012European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps 2012
European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps 2012
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
1. orientacao de_atendimento_para_casos_suspeitos_de_dzc
1. orientacao de_atendimento_para_casos_suspeitos_de_dzc1. orientacao de_atendimento_para_casos_suspeitos_de_dzc
1. orientacao de_atendimento_para_casos_suspeitos_de_dzc
 
Orientação de atendimento para casos suspeitos de Dengue, Chikungunya e Zika
Orientação de atendimento para casos suspeitos de Dengue, Chikungunya e ZikaOrientação de atendimento para casos suspeitos de Dengue, Chikungunya e Zika
Orientação de atendimento para casos suspeitos de Dengue, Chikungunya e Zika
 

Mais de Euripedes Barbosa

Criptococose e Histoplasmose
Criptococose e Histoplasmose Criptococose e Histoplasmose
Criptococose e Histoplasmose
Euripedes Barbosa
 
Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
Euripedes Barbosa
 
Atlas de urinalise
Atlas de urinaliseAtlas de urinalise
Atlas de urinalise
Euripedes Barbosa
 
Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012
Euripedes Barbosa
 
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Euripedes Barbosa
 
Hipertensão intracraniana
Hipertensão intracranianaHipertensão intracraniana
Hipertensão intracraniana
Euripedes Barbosa
 
Anemias hereditarias
Anemias hereditariasAnemias hereditarias
Anemias hereditarias
Euripedes Barbosa
 
Conceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Conceitos em Patologia - Juarez QuaresmaConceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Conceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Euripedes Barbosa
 
Microbiologia parte1
Microbiologia parte1Microbiologia parte1
Microbiologia parte1
Euripedes Barbosa
 
Calcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicasCalcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicas
Euripedes Barbosa
 
Abcesso cerebral
Abcesso cerebralAbcesso cerebral
Abcesso cerebral
Euripedes Barbosa
 
Susan Boyle enfrentou o juri
Susan Boyle enfrentou o juriSusan Boyle enfrentou o juri
Susan Boyle enfrentou o juri
Euripedes Barbosa
 
Toquinho
ToquinhoToquinho
O Mundo sem as mulheres
O Mundo sem as mulheresO Mundo sem as mulheres
O Mundo sem as mulheres
Euripedes Barbosa
 
Wonderfull Word - Louis Armnstrong
Wonderfull Word - Louis ArmnstrongWonderfull Word - Louis Armnstrong
Wonderfull Word - Louis Armnstrong
Euripedes Barbosa
 
Onassis
OnassisOnassis
Pedras e Cristais
Pedras e CristaisPedras e Cristais
Pedras e Cristais
Euripedes Barbosa
 

Mais de Euripedes Barbosa (20)

Criptococose e Histoplasmose
Criptococose e Histoplasmose Criptococose e Histoplasmose
Criptococose e Histoplasmose
 
Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
 
Holanda - Hollande
Holanda - Hollande Holanda - Hollande
Holanda - Hollande
 
Atlas de urinalise
Atlas de urinaliseAtlas de urinalise
Atlas de urinalise
 
Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012Biosseguranca 2012
Biosseguranca 2012
 
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
Capacitacao de Laboratorios - VISA Parana (CQI e CQE)
 
Hipertensão intracraniana
Hipertensão intracranianaHipertensão intracraniana
Hipertensão intracraniana
 
Anemias hereditarias
Anemias hereditariasAnemias hereditarias
Anemias hereditarias
 
The Beatles
The BeatlesThe Beatles
The Beatles
 
Conceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Conceitos em Patologia - Juarez QuaresmaConceitos em Patologia - Juarez Quaresma
Conceitos em Patologia - Juarez Quaresma
 
Microbiologia parte1
Microbiologia parte1Microbiologia parte1
Microbiologia parte1
 
Calcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicasCalcificacão e pigmentacão patológicas
Calcificacão e pigmentacão patológicas
 
Abcesso cerebral
Abcesso cerebralAbcesso cerebral
Abcesso cerebral
 
Susan Boyle enfrentou o juri
Susan Boyle enfrentou o juriSusan Boyle enfrentou o juri
Susan Boyle enfrentou o juri
 
Toquinho
ToquinhoToquinho
Toquinho
 
O Mundo sem as mulheres
O Mundo sem as mulheresO Mundo sem as mulheres
O Mundo sem as mulheres
 
Wonderfull Word - Louis Armnstrong
Wonderfull Word - Louis ArmnstrongWonderfull Word - Louis Armnstrong
Wonderfull Word - Louis Armnstrong
 
Onassis
OnassisOnassis
Onassis
 
Pedras e Cristais
Pedras e CristaisPedras e Cristais
Pedras e Cristais
 
Mulheres Encalhadas
Mulheres EncalhadasMulheres Encalhadas
Mulheres Encalhadas
 

Doença de Kawasaki - Caso Clínico 2008

  • 1. Leonardo Esteves Ramos Thiago dos Santos Batista Orientadora: Luciana Sugai Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS)/SES/DF www.paulomargotto.com.br 06/10/2008
  • 2. Anamnese VPS, masculino, 2 anos e 11 meses, branco, natural e procedente do Gama – DF Admissão: 18/09/2008 QP: “Febre há 5 dias”
  • 3. HDA: Paciente apresenta há 5 dias febre contínua, de 39-40 °C, diária, que cede parcialmente com uso de anti-térmico. Apresenta exantema, há 4 dias em genitália, e posteriormente, surgiram em membros inferiores e superiores há 3 e 2 dias, respectivamente. Apresentou 2 episódios de vômitos/dia pós- prandiais há 3 dias, que persistem até a admissão, Apresentou diarréia líquida pastosa há 1 dia.
  • 4. Revisão de Sistemas: Ap. Respiratório: Apresentou “forte gripe” há 1 mês (coriza, febre e adinamia). Ap. Gastrointestinal: Apresenta obstipação crônica desde o nascimento, apresentando tenesmo
  • 5. Antecedentes Pessoais: Mãe GIII PIII A0. Não fez pré-natal na gestação do paciente. Sem intercorrências na gestação e no parto. Criança nasceu de parto normal a termo. Peso ao Nascer: 3000g. Chorou ao nascer. Aleitamento materno exclusivo até o 6º mês. Desmame com 1 ano e 6 meses. Desenvolvimento Neuropsicomotor preservado.
  • 6. Antecedentes Patológicos: Sem história de internação prévia, cirurgias, transfusões ou trauma Nega alergias. Cartão Vacinal completo Antecedentes Familiares Irmãos saudáveis (primogênito: 4 anos e caçula: 11 meses). Pais são saudáveis, não consangüíneos e não tabagistas
  • 7. Hábitos de vida Dieta atual: 4 refeições/dia, alimentação da casa, completa. Come verduras e legumes.Faz uso de leite de vaca desde o 7º mês de vida Moradia: Casa de alvenaria, 4 cômodos, com saneamento básico completo, energia elétrica. Moram 4 pessoas. Possui 1 cão de estimação
  • 8. EXAME FÍSICO REG, choroso , normocorado, hidratado, eupnéico, febril (38°C), acianótico e anictérico Pele: Lesões eritemo-maculosas, hiperemiadas em face, genitália e membros superiores e inferiores Linfonodos: palpáveis, com aumento discreto, em cadeia cervical posterior bilateralmente Olhos: hiperemia conjuntival bilateral Oroscopia: hiperemia e fissuras labiais, língua hiperemiada . Dentes com bom estado de conservação
  • 9. AR: simétrico, sem retrações, boa expansibilidade. MVF presentes com roncos bilaterais. FR: 28irpm ACV: Precórdio calmo, Ictus cordis invisível e impalpável. R.C.R em 2T, B.N.F sem sopros. FC: 100bpm Abdome: Globoso, RHA +, normotenso, indolor a palpação, s/ VMG e/ou massas palpáveis Extremidades: Edema de mãos e pés (++/4+) SNC: sem sinais de irritação meníngea
  • 10. EXAMES COMPLEMENTARES19/0919/09 HmHm 4,54,5 HgHg 12,612,6 HtHt 36,336,3 VCMVCM HCMHCM CHCMCHCM Leuc.Leuc. 10.200010.2000 Seg%Seg% 6666 Bast%Bast% 0101 Linf%Linf% 3131 Mono%Mono% 0101 Eos%Eos% 0101 Plaquet.Plaquet. 486.000486.000 19/0919/09 CreatininaCreatinina 0,70,7 UréiaUréia 1515 BTBT BDBD NaNa 136136 KK 4,14,1 ClCl 109109 TGOTGO 2020 TGPTGP 1818 VHSVHS 5252 Radiografia de Tórax: 19/09 Normal
  • 11. Resumo 2 anos de idade Febre há 5 dias Exantema há 4 dias 2 episódios de Vômitos Diarréia há 1 dia Linfonodos cervicais palpáveis Fissuras Labiais e Língua hiperemiada Edema em Mãos e Pés (++/4+)
  • 13. HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS Escarlatina Sarampo Enterovirose Eritema Infeccioso Síndrome de Steven-Johnson Síndrome do Choque Tóxico Doença de Kawasaki
  • 14. HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS  Escarlatina  Rash cutâneo  Língua em framboesa/ morango  Foco estreptocóccico  Sinal de Filatov  ASLO positiva ??  Responde bem a antibióticos ??  Sarampo  Enterovirose  Eritema Infeccioso  Síndrome de Steven-Johnson  Síndrome do Choque Tóxico  Doença de Kawasaki
  • 15. HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS  Escarlatina  Sarampo  Exantema febril  Hiperemia conjuntival  Conjuntivite exsudativa  Sinal de Koplik  Vacina prévia ausente  Enterovirose  Eritema Infeccioso  Síndrome de Steven-Johnson  Síndrome do Choque Tóxico  Doença de Kawasaki
  • 16. HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS Escarlatina  Sarampo  Enterovirose  Febre e exantema  Lesões vesiculares  Síndrome Mão-Pé-Boca  Eritema Infeccioso  Síndrome de Steven-Johnson  Síndrome do Choque Tóxico  Doença de Kawasaki
  • 17. HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS  Escarlatina  Sarampo  Enterovirose  Eritema Infeccioso • Febre • Exantema desaparece e reaparece • Exantema em fácie  Síndrome de Steven-Johnson  Síndrome do Choque Tóxico  Doença de Kawasaki
  • 18. HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS  Escarlatina  Sarampo  Enterovirose  Eritema Infeccioso  Síndrome de Steven-Johnson  Lesões em mucosa oral  Rash cutâneo  Mucosa genital afetada  Lesões bolhosas  Síndrome do Choque Tóxico  Doença de Kawasaki
  • 19. HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS  Escarlatina  Sarampo  Enterovirose  Eritema Infeccioso  Síndrome de Steven-Johnson  Síndrome do Choque Tóxico  Hipotensão ????  Rash cutâneo  Hiperemia conjuntival  Foco infeccioso  Toxemia  Doença de Kawasaki
  • 20. HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS  Escarlatina  Sarampo  Enterovirose  Eritema Infeccioso  Síndrome de Steven-Johnson  Síndrome do Choque Tóxico  Doença de Kawasaki  Rash cutâneo  Edema de extremidades  Hiperemia conjuntival bilateral  Lesões em cavidade oral  Febre persistente  Linfonodomegalia cervical  VHS alto
  • 21. Doença de Kawasaki É uma doença multissistêmica de etiologia DESCONHECIDA, caracterizada por vasculite de pequenos e médios vasos. Pode associar-se ao comprometimento das artérias CORONÁRIAS, que pode ser assintomático ou levar à morte súbita ou IAM
  • 22. Epidemiologia •Mundialmente distribuída •Predileção pela raça amarela •Crianças < 5 anos, rara em < 3 meses •Meses frios •3 a 4% de recaídas •Masculino > Feminino (2,2/1)
  • 23. Etiologia Agente etiológico desconhecido. Forte suspeita de etiologia INFECCIOSA. Presença de forte estimulação do sistema imune. Predisposição genética Semelhança com choque tóxico -> superantígenos ?
  • 24. Patologia  Vasculite grave dos vasos sanguíneos, predileção pelas artérias de médio calibre, em especial as coronárias; Maior complicação;  Histopatológico:  Edema de células endoteliais e da musculatura lisa;  Infiltrado inflamatório  (PMN, macrófagos, linfócitos (T-CD8) e plasmócitos (IgA).  Vasos mais afetados: destruição lâmina interna; ↓ integridade Aneurisma  Recuperação: cicatrização fibrose estenose vaso  Infiltrado em tecidos não vasculares na fase aguda (miocárdio, trato respiratório superior, pâncreas, rins, vias biliares);
  • 25. Fases da Doença  Fase febril aguda: 1 a 2 semanas  Febre e outros sinais agudos da doença;  Fase subaguda: até a 4ª semana;  Febre e outros sinais agudos desaparecem, permanecem irritabilidade, anorexia, irritação conjuntival;  Descamação, trombocitose, desenvolvimento aneurismas, ↑risco morte súbita;  Fase de convalescença: 6 a 8 semanas;  Sinais da doença desaparecem e VHS retorna ao normal;
  • 26. Quadro Clínico Principais sintomas: Febre Congestão ocular Alteração dos lábios e cavidade oral Exantema polimorfo Alteração nas extremidades Linfadenopatia
  • 27. Febre • Etiologia desconhecida • Persiste por 5 ou mais dias • PRINCIPAL sinal (95 a 99%) • Abrupta, alta, remitente; oscilante (38 a 40°C) e sem defervescência completa • Com ou sem rinorréia • Dura > 30 dias se não tratada a doença • Preditor de coronariopatia (se > 14 dias, risco maior)
  • 28. Congestão Ocular•BILATERAL •Presente em 88% dos casos •Aparece de 2 a 4 dias após início do quadro •Hiperemia; raramente exsudativa •Ausência de prurido e dor •Pode haver uveíte anterior •Regride de 1 a 2 semanas
  • 29. Alteração dos Lábios e Cavidade Oral•Presente em 90% dos casos •Hiperemia, ressecamento, fissuras, crostas sanguinolentas, descamação e hemorragias dos LÁBIOS •LÍNGUA com hiperemia e com proeminência de papilas - “Língua em framboesa ou morango”
  • 30. Exantema Polimorfo•Presente em 92% dos casos •Surge entre 1°e 2° dia de febre •Inicialmente no tronco e posteriormente nas extremidades •Maculopapilar, morbiforme, urticariforme e escarlatiniforme •Presença de vesículas e bolhas torna o diagnóstico POUCO PROVÁVEL
  • 31. Alterações nas extremidades •Presente em 88 a 94% dos casos •Eritema e edema endurado palmoplantar •Aparece dentro de 5 dias da doença •Descamação periungueal APÓS 10 a 15 dias do início do quadro •Bastante CARACTERÍSTICO da doença
  • 32. Linfadenopatia Cervical aguda não-supurativa Presente em 50 a 75% dos casos Uni ou bilateral Varia de 1,5 a 7 cm de diâmetro Gânglio firme, doloroso e não flutua Desde o início da doença Acompanha torcicolo e rigidez de nuca
  • 33. Outros Sistemas • GASTROINTESTINAIS: diarréia, vômito, dor abdominal, íleo paralítico, disfunção hepática com icterícia, hidropsia de vesícula biliar, pancreatite • MUSCULOESQUELÉTICO: artrite, miosite, artralgia • RESPIRATÓRIO: rinorréia, dispnéia, tosse, faringite necrosante, otite média, pneumonia, efusão pleural
  • 34. SNC: irritabilidade (lactentes), meningite asséptica, paralisia facial, convulsão, hemiplegia, pleocitose do LCR (25%) URINÁRIO: piúria estéril, nefrite, IRA OUTROS: uveíte, iridodociclite, hipoacusia, alopécia, reativação do BCG, gangrena de extremidades, necrose de supra-renal, orquite, hidrocele
  • 35. Diagnóstico •Febre por cinco dias ou mais e quatro dos demais itens
  • 36. Achados Laboratoriais Leucometria: normal ou ;↑  VHS, PCR e proteínas de fase aguda ;↑  Anemia normocítica;  Plaquetas: Normal na 1ª semana e na 2ª-3ª↑ semana;  FAN e FR-;  Piúria estéril, discreta elevação das enzimas hepáticas e pleocitose do LCR podem estar presentes;  Ecocardiograma: ao diagnóstico e após 2-3 semanas de doença Coronárias. Se 2 primeiros exames normais: repetir ECO após 6-8 semanas; Se 3 exames normais: repetir após um ano;
  • 37. Tratamento  Fase Aguda:  Imunoglobulina EV 2g/kg por 10-12h;  AAS em altas doses (80-100mg/kg/24h) de 6/6h VO até o 14° dia de doença;  Fase de Convalescença (14° dia ou 3-4 dias afebril):  AAS 3-5mg/kg/dia até 6-8 semanas após início da doença;  Terapia longo prazo no caso de anormalidades Coronarianas:  AAS (3-5mg/kg/dia) + Dipiridamol 4-6mg/kg/dia  Alguns preferem usar warfarin em pacientes com risco potencial para trombose;  Trombose Coronariana Aguda:  Fibrinolíticos (supervisão de especialista); •Resposta rápida; •↓ Prevalência de doença coronariana;
  • 38. Complicações e Prognostico Complicações:  IAM (geralmente letal - 2%);  Doença coronariana (20%);  Artrite grave (30%); Ausência de doença coronariana: recuperação completa; Doença coronariana: prognóstico variável;  50% dos aneurismas das artérias coronarianas têm resolução ecocardiográfica 1 a 2 anos após a doença;