Plano Director do Turismo de Angola

15.181 visualizações

Publicada em

Directive Tourism Plan for Angola - restoring tourism to it's greatness. Presentation by Carlos Borges - Fórum Empresarial sobre o Turismo

Publicada em: Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.181
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6.467
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
323
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano Director do Turismo de Angola

  1. 1. Linhas de Orientação doPlano Director do Turismo de Angola Fórum Empresarial sobre o Turismo Luanda, 11 de Maio de 2011
  2. 2. AGENDA 1. A Indústria do Turismo 2. O Programa PARTENON 3. O Turismo em Angola 4. A Visão Estratégica para Angola 5. Os Eixos de Desenvolvimento 2
  3. 3. A MUDANÇA … 3
  4. 4. 1. A Indústria do TurismoO Turismo é uma indústria que gerou 852BUSD de receitas em 2009, entre Jan. e Jun.de 2010 cresceu 7%. Em 2020 as chegadas deverão atingir 1,6 biliões de turistascontra os actuais 935 milhões a nível mundial• Reforça o sentido de pertença e a identidade nacional de uma nação;• Tem um papel determinante na inclusão e consolidação social de um País;• É o sector que vive e potencia outras actividades (Cultura, Ambiente, Comércio, Transportes);• É a imagem de um País, tanto: - A nível interno, contribuindo para a sua auto-estima e auto-confiança; - Como a nível externo, contribuindo para o ser conhecimento e reconhecimento. A aposta no Turismo como um sector diversificador da actividade é uma aposta no desenvolvimento sustentado e equilibrado de um País. 4
  5. 5. 1. A Indústria do TurismoO enfoque na experiência e diversidade, o desenho de programas de férias pelopróprio turista e a importância do value for money têm vindo a acentuar-se• Cliente no driver seat• Value for money• Diversificação e especialização• Enfoque na experiência• Alterações demográficas e individualização• Turismo sustentável O serviço tornou-se mais complexo, sofisticado e costumizado, valorizando a experiência como factor e recorrência futura. 5
  6. 6. 1. A Indústria do TurismoTurismo Inbound - Entrada de Turistas Estrangeiros (Outbond - Emissão de Turistas) Fonte: UNWTO, World Tourism Barometer 6
  7. 7. 1. A Indústria do TurismoO Turismo é uma actividade predominantemente regional. África capta somente 4%do Turismo mundial. Na África Subsaariana mais de 90% dos Turistas vêem dospaíses vizinhosFonte: UNWTO, World Tourism Barometer 7
  8. 8. 1. A Indústria do TurismoA África do Sul recebe quase tantos turistas como os restantes 9 maiores mercadosda África Subsaariana – os 10 maiores mercados emissores não africanos enviamapenas 5 milhões de turistasFonte: UNWTO, World Tourism Barometer 8
  9. 9. 1. A Indústria do TurismoOs casos de sucesso reflectem estratégias de posicionamento e apostas no TurismoInterno ou Externo de forma distinta. O transporte aéreo é um meio determinante 9
  10. 10. 1. A Indústria do TurismoA importânciaa do Turismo mede-se pelo seu peso PIB e é função da estratégia dedesenvolvimento do sector e do grau de estabilidade dos mercados 10
  11. 11. AGENDA 1. A Indústria do Turismo 2. O Programa PARTENON 3. O Turismo em Angola 4. A Visão Estratégica para Angola 5. Os Eixos de Desenvolvimento 11
  12. 12. 2. O Programa PARTENONEstratégia 2011-2020 para o Cluster do Turismo: equilibrada, sustentável, transversale integrada com os demais sectores que compõem o Cluster do Turismo Ponto de partida: O Turismo de Angola apresenta um défice de oferta a vários níveis mas dispõe de um conjunto de recursos turísticos e de um enquadramento favorável ao seu desenvolvimento Aspectos relevantes a realçar: 1. Mão-de-obra pouco qualificada e preparada 2. Quadro legal desactualizado 3. Necessidade de meios da trabalho eficientes e da gestão das entidades do sector 4. Necessidade de sistematização dos activos turísticos (inventariação e caracterização) 5. Oportunidade de criar uma visão e de potenciar um dinâmica integrada do Turismo 12
  13. 13. 2. O Programa PARTENON 13
  14. 14. AGENDA 1. A Indústria do Turismo 2. O Programa PARTENON 3. O Turismo em Angola 4. A Visão Estratégica para Angola 5. Os Eixos de Desenvolvimento 14
  15. 15. 3. O Turismo em AngolaOs angolanos representam dois terços do turismo do país. Três mercados chave quehoje alavancam o Turismo em Angola, em muito alicerçado nas relações económicose no Turismo de Negócios – Portugal, China e BrasilFonte: MINHOTUR 15
  16. 16. 3. O Turismo em AngolaLuanda destaca-se na oferta de alojamento - gerando cerca de 84% da receita - seguida deHuíla e Benguela. As províncias interiores têm uma oferta reduzida e consequentementereceitas menores 16
  17. 17. 3. O Turismo em AngolaLuanda destaca-se na oferta de alojamento - gerando cerca de 84% da receita - seguida deHuíla e Benguela. As províncias interiores têm uma oferta reduzida e consequentementereceitas menores 17
  18. 18. 1. Onde estamos? A CULTURA 18
  19. 19. 1. Onde estamos? A NATUREZA 19
  20. 20. A DIVERSIDADE
  21. 21. 3. O Turismo em AngolaInventariar e elaborar o cadastro os Recursos Turísticos 21
  22. 22. AGENDA 1. A Indústria do Turismo 2. O Programa PARTENON 3. O Turismo em Angola 4. A Visão Estratégica para Angola 5. Os Eixos de Desenvolvimento 22
  23. 23. 4. A Visão Estratégica do SectorA estratégia de mercados assenta no enfoque inicial no mercado doméstico, seguidodos países da SADC e a posterior inclusão na rota turística internacional 23
  24. 24. 4. A Visão Estratégica do SectorExiste a necessidade de diversificar e captar novos mercados, através da Promoçãode Ofertas consistentes e ajustas às etapas de desenvolvimento recomendadasFonte: Análise Equipa de Projecto 24
  25. 25. 4. A Visão Estratégica do SectorA maioria dos mercados que mais viajam para a África Subsaariana são da região –Portugal, Brasil, Reino Unido, França e África do Sul estão entre os países que maisturistas enviam para Angola 25
  26. 26. 4. A Visão Estratégica do SectorExcluindo as viagens transfronteiriças, observa-se que o Reino Unido, a França, osE.U.A, a Alemanha e a África do Sul são os 5 maiores mercados emissores para aÁfrica Subsaariana 26
  27. 27. 4. A Visão Estratégica do SectorAngola deverá começar por enfocar no mercado doméstico, priorizando os restantesmercados com elevado potencial em função da proximidade física e cultural… 27
  28. 28. 4. A Visão Estratégica do SectorA escolha das Ofertas Turísticas deve considerar a qualidade dos activos turísticosdo País, a aposta na diferenciação e apostar numa lógica de complementaridaderegional 28
  29. 29. 4. A Visão Estratégica do SectorAjustar a solução à realidade o País assegurando a maximização dos seus principaisactivos – Juventude, História, Cultura e Tradição, Costa Marítima e os RecursosNaturais Natureza Sol & Mar História, Cultura e Tradição Juventude, Diversão , Desporto e Dinamismo 29
  30. 30. 4. A Visão Estratégica do Sector… Angola poderá potenciar-se como o destino de diversão e animação em África,alavancando o seu património cultural, natural, de praias e desportivo 30
  31. 31. 4. A Visão Estratégica do SectorTendo em conta a evolução da economia Angola e os volumes de emissão de turistas a partirdos principais países emissores de turistas para Angola perspectiva-se que em 2020 sejapossível captar aproximadamente 4,7 milhões de turistas. 31
  32. 32. 4. A Visão Estratégica do SectorDa análise do peso do sector do Turismo no PIB, concluímos que o seu peso émarginal, havendo um potencial muito elevado de crescimento. Se o sector evoluirde acordo dentro dos standards internacionais constituirá uma indústria de 5,5BUSD x10 Receitas : 5,5 BUSD 7% 5% Objectivo: Atrair entre 4,5 a 5 Milhões de Turistas em 2020 32
  33. 33. AGENDA 1. A Indústria do Turismo 2. O Programa PARTENON 3. O Turismo em Angola 4. A Visão Estratégica para Angola 5. Os Eixos de Desenvolvimento 33
  34. 34. O FUTURO COMEÇA AQUI …
  35. 35. 5. Os Eixos de Desenvolvimento 35
  36. 36. 5. Os Eixos de DesenvolvimentoA capacitação do sector do turismo em Angola deverá focar-se no desenvolvimentointegrado e faseado e coerente de 6 eixos estratégicos, a saber: 36
  37. 37. Obrigado Luanda
  38. 38. Perguntas & Respostas OBRIGADO! CARLOS BORGES (CONSULTOR DO MINHOTUR) 38

×