Espondilite anquilosante

4.369 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.369
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
111
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espondilite anquilosante

  1. 1. Tatiane Apª Antunes Nascimento Enfermagem/ 8º semestre
  2. 2. (EA)  Doença inflamatória crônica de disfunção auto-imune, multissistémica, de evolução prolongada e progressiva que afeta principalmente as articulações da coluna vertebral.
  3. 3. (E A) CAUSA  Fator desconhecido.  Predisposição do Antígeno HLA-B27* * Antígeno presente em pessoas saudáveis ou que sofrem de outras doenças.  Histórico familiar.
  4. 4. (E A) SINAIS E SINTOMAS  Os primeiros sintomas surgem no final da infância ou na adolescência.  Dor lombar;  Dor na face posterior da coxas, até os joelhos;  Dor na nuca;  Dor e rigidez na região torácica;  Acometimento das grandes articulações periféricas;  Uveíte.
  5. 5. (E A) MANIFESTAÇÕES  Anquiliose
  6. 6. (E A) MANIFESTAÇÕES  Cifose.
  7. 7. (E A) MANIFESTAÇÕES  Uveíte  Sintomas:  Dor  Fotofobia  visão turva.
  8. 8. (E A) PREVALÊNCIA  Atinge, pelo menos, um adulto em cada duzentos (aproximadamente 0,5%).  Em geral inicia-se entre os 15 e 30 anos de idade.  É duas a três vezes mais frequente nos homens do que nas mulheres, podendo atingir também crianças.
  9. 9. (E A) DIAGNOSTICO  É baseado na coleta de dados e história clínica e realização de exames laboratoriais e radiológicos.  Análise do sangue para pesquisa do antígeno HLA- B27*.
  10. 10. (EVOLUÇÃO) 1 - Mostra a condução eficaz da evolução de um caso muito agressivo de espondilite. 2 - Perda da mobilidade do tronco mas com alinhamento, órgãos torácicos e abdominais, não sofre insuficiência respiratória. 3 - É a associação de um caso muito agressivo deixado em desastrosa evolução espontânea.
  11. 11. (E A) TRATAMENTO  Exercício físico;  Fisioterapia;  Medicamentoso;  Psicológico;  Cirúrgico.
  12. 12. (E A) PROGNÓSTICO  Se o programa de exercícios for iniciado precocemente e os medicamentos tomados quando necessários. A rigidez vertebral será dificilmente incapacitante.
  13. 13. (E A) Referências bibliográficas Rev. bras.. reumatol, 2003 Rev. bras. Reumatol, 1989
  14. 14. (E A) DOENÇAS RARAS OBRIGADA!!! Tatiane Apª Antunes Nascimento E-mail: tatianeantunes@yahoo.com.br
  15. 15. Agradecimentos www.guida.com.br

×