TECIDO CONJUNTIVO
Os tecidos conjuntivos são responsáveis pelo estabelecimento e manutenção da forma
do corpo. Este papel ...
Células do Tecido Conjuntivo
As células do tecido conjuntivo são produzidas localmente e permanecem no tecido
conjuntivo o...
Os fibrócitos são menores e mais delgados do que os fibroblastos e tendem a um
aspecto fusiforme. Possuem poucos prolongam...
Ao microscópio eletrônico os macrófagos são caracterizados por apresentar uma
superfície irregular com protrusões e reentr...
Os macrófagos derivam de células precursoras da medula óssea que se dividem
produzindo os monócitos, os quais circulam no ...
Tabela 2 – Distribuição e principais funções das células do sistema fagocitário mononuclear
Tipo Celular Localização Princ...
Os mastócitos colaboram com as reações imunes e têm papel fundamental na
inflamação, nas reações alérgicas e na expulsão d...
Plasmócitos
Os plasmócitos são células grandes e ovóides com citoplasma basófilo que reflete sua
riqueza em retículo endop...
O núcleo dos plasmócitos é esférico e excêntrico e contém grumos de cromatina que
se alteram regularmente com áreas claras...
Leucócitos
Os leucócitos ou glóbulos brancos são constituintes normais dos tecidos conjuntivos,
vindos do sangue por migra...
Existem cerca de 20 tipos geneticamente diferentes de colágenos, que constituem uma
família. De acordo com a estrutura e f...
Fibras Reticulares
As fibras reticulares são extremamente finas e formadas predominantemente por um
tipo de colágeno e for...
As fibras oxitalânicas não possuem elasticidade, mas são altamente resistentes a forças
de tração, enquanto as fibras elás...
histológicas, seus componentes se agregam e precipitam nos tecidos com um material granular
que pode ser identificado em m...
Tipos de Tecidos Conjuntivos
A divisão dos tipos de tecido conjuntivo é feita conforme a predominância de
determinados com...
O tecido conjuntivo frouxo suporta estruturas normalmente sujeitas a pressão e atritos
pequenos. É um tecido conjuntivo mu...
O tecido conjuntivo frouxo é caracterizado por ser flexível, vascularizado e pouco
resistente a trações e mecânicas. Possu...
flexível e mais resistente à tensão que o tecido conjuntivo frouxo. As fibras colágenas são
organizadas em feixes sem uma ...
Tecido Elástico
O tecido elástico é composto por feixes espessos e paralelos de fibras elásticas. O
espaço entre as fibras...
Tecido conjuntivo propriamente dito humano. Histologia básica
Tecido conjuntivo propriamente dito humano. Histologia básica
Tecido conjuntivo propriamente dito humano. Histologia básica
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tecido conjuntivo propriamente dito humano. Histologia básica

2.939 visualizações

Publicada em

Histologia básica, resumo do tecido conjuntivo humano propriamente dito

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.939
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
33
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tecido conjuntivo propriamente dito humano. Histologia básica

  1. 1. TECIDO CONJUNTIVO Os tecidos conjuntivos são responsáveis pelo estabelecimento e manutenção da forma do corpo. Este papel mecânico é dado por um conjunto de moléculas (matriz extracelular) que conecta e liga as células e órgãos, dando, suporte ao corpo. Desempenham também importantes papéis biológicos, como de reserva para muitos fatores de crescimento que controlam a proliferação e diferenciação celular, papel de meio de troca de nutrientes entre células e seu suprimento sanguíneo. A matriz extracelular consiste em diferentes combinações de proteínas fibrosas e de substância fundamental e é o principal constituinte do tecido conjuntivo. Essas fibras são predominantemente compostas de colágeno. As fibras também constituem as trabéculas e paredes que existem dentro de vários órgãos, formando o componente mais resistente do estroma (tecido de sustentação) dos órgãos. A substância fundamental é um complexo viscoso e altamente hidrofílico de macromoléculas aniônicas e glicoproteínas multiadesivas (laminina, fibronectina, entre outras) que se ligam a proteínas receptoras presentes na superfície de células em como a outros componentes da matriz, fornecendo, desse modo, força tênsil e rigidez á matriz. A diversidade na estrutura, na função e nas doenças dos tecidos conjuntivos é consequente da grande diversidade na composição e quantidade de seus três componentes (células, fibras e substância fundamental). Os tecidos conjuntivos se originam do mesênquima, que é um tecido embrionário formado por células alongadas, as células mesenquimais, as quais têm núcleo oval, com cromatina fina e nucleólo proeminete. Estas células possuem muitos prolongamentos citoplasmáticos e são imersas em uma matriz extracelular abundante e viscosa com poucas fibras. O mesênquima se origina principalmente a partir do folheto embrionário intermediário, o mesoderma. As células mesenquimais migram de seu sítio de origem e envolvem e penetram nos órgãos em desenvolvimento. As células mesenquimais dão origem também ás células do sangue, dos vasos sanguíneos e dos tecidos musculares.
  2. 2. Células do Tecido Conjuntivo As células do tecido conjuntivo são produzidas localmente e permanecem no tecido conjuntivo ou podem vir de outros tecidos e podem habitar temporariamente o tecido conjuntivo. Veja a tabela a seguir com os tipos de célula e suas funções: Tabela 1 – Células do Tecido Conjuntivo e suas Funções Tipo de Célula Funções Fibroblastos, condrócitos osteócitos Produção de moléculas da matriz extracelular (fibras e substância fundamental) Plasmócito Produção de anticorpos Linfócitos (diversos tipos) Participação na resposta imunológica Eosinófilo Participação em reações alérgicas; destruição de parasitas; modulação da atividade dos mastócitos Neutrófilo Fagocitose de substâncias e organismos estranhos (bactéria) Macrófago Fagocitose de substâncias estranhas e bactérias; processadora e aprsentadora de antígenos; secreção de citosinas e fatores quimiotáticos que participam da inflamação Mastócitos e basófilos Liberação de moléculas farmacologicamente ativas; participação em reações alérgicas Célula adiposa Estocagem de gordura neutra; reserva de energia, produção de calor Fibroblastos Os fibroblastos sintetizam as proteínas colágeno e elastina, além dos que fazem parte da matriz extracelular. Essas células estão também envolvidas na produção de fatores de crescimento, que controlam a proliferação e a diferenciação celular. Os fibroblastos são as células mais comuns do tecido conjuntivo e são capazes de modular sua capacidade metabólica, a qual vai se refletir na sua morfologia. As células co intensa atividade de síntese são denominadas de fibroblastos, enquanto as células metabolicamente quiescentes são conhecidas como fibrócitos. Os fibroblastos possuem citoplasma abundante, com muitos prolongamentos. Seu núcleo é ovóide, grande e fracamente corado, com cromatina fina e nucléolo proeminente. O citoplasma é basófilo e rico em retículo endoplasmático rugoso, e o aparelho de Golgi é bem desenvolvido.
  3. 3. Os fibrócitos são menores e mais delgados do que os fibroblastos e tendem a um aspecto fusiforme. Possuem poucos prolongamentos citoplasmáticos e o núcleo é menor, mais escuro e mais alongado do que o do fibroblasto. Seu citoplasma possui pouca quantidade de retículo endoplasmático rugoso. Os fibroblastos raramente se dividem em pessoas adultas, exceto quando o organismo requer fibroblastos adicionais. Macrófagos e o Sistema Fagocitário Mononuclear Os macrófagos possuem grande capacidade de fagocitose. Sua morfologia depende muito do tecido em que se localizam e da atividade funcional. Possuem núcleo oval ou em formato de um grão de feijão excentricamente no citoplasma. Quando o corante é injetado em animais, os macrófagos fagocitam e acumulam o corante em grânulos ou vacúolos citoplasmáticos visíveis ao microscópio de luz.
  4. 4. Ao microscópio eletrônico os macrófagos são caracterizados por apresentar uma superfície irregular com protrusões e reentrâncias que caracterizam sua grande atividade de pinocitose e fagocitose. Geralmente possuem um aparelho de Golgi bem desenvolvido, muitos lisossomos e retículo endoplasmático rugoso proeminente.
  5. 5. Os macrófagos derivam de células precursoras da medula óssea que se dividem produzindo os monócitos, os quais circulam no sangue. Em uma segunda etapa, estas células cruzam as paredes de vênulas pericítas (pequenos estruturas que fazem parte do sistema circulatório que participam de processos inflamatórios) e capilares e penetram no tecido conjuntivo, onde amadurecem e adquirem as características morfológicas e funcionais de macrófagos. Desta maneira, monócitos e macrófagos são a mesma célula em diferentes estágios de maturação. Os macrófagos dos tecidos podem proliferar localmente produzindo novas células. Os macrófagos estão distribuídos na maioria dos órgãos e constituem o sistema fagocitário mononuclear, conforme mostra a tabela abaixo, sendo que podem receber nomes especiais. São células de vida longa que podem sobreviver por meses. O processo de transformação de monócito-macrófago resulta em um aumento no tamanho da célula e em um aumento na síntese de proteína. Durante o processo, aumentam o aparelho de Golgi, bem como o número de lisossomos, microtúbulos e microfilamentos.
  6. 6. Tabela 2 – Distribuição e principais funções das células do sistema fagocitário mononuclear Tipo Celular Localização Principal Função Monócito Sangue Precursor dos macrófagos Macrófago Tecido conjuntivo, órgãos linfóides Fagocitose de substâncias estranhas e bactérias; processadora e apresentadora de antígenos;secreção de citosinas e fatores quimiotáticos que participam da inflamação Célula de Kupffer Fígado Igual aos macrófagos Microglia Sistema nervoso central e periférico Igual aos macrófagos Célula de Langerhans Pele Processamento e apresentação de antígeno Célula Dendrítica Linfonodo Processamento e apresentação de antígeno Osteoclasto Osso (fusão de vários macrófagos) Digestão do osso Célula Gigante Multinucleada Tecido conjuntivo (fusão de vários macrófagos) Segregação e digestão de corpos estranhos Mastócitos O mastócito maduro é uma célula globosa, grande e com citoplasma repleto de grânulos. O núcleo é pequeno, esférico e central e de difícil observação por estar frequentemente encoberto pelos grânulos citoplasmático.
  7. 7. Os mastócitos colaboram com as reações imunes e têm papel fundamental na inflamação, nas reações alérgicas e na expulsão de parasitas. Possuem na constituição dos grânulos a histamina, a qual promove um amento da permeabilidade vascular, importante na inflamação, as proteases neutras e o fator quimiotático dos eosinófilos na anafilaxia. Os mastócitos secretam também alguns leucotrienos, porém estas substâncias não existem pré- formadas na célula. Elas são sintetizadas a partir dos fosfolipídios da membrana plasmática e imediatamente liberadas para o meio extracelular quando o mastócito recebe sinais apropriados, como, por eemplo, por meio da interação com fibroblastos. As moléculas produzidas pelos mastócitos atuam principalmente como secreções. Embora sejam morfologicamente semelhantes, existem pelo menos duas populações de mastócitos. Um tipo é denominado de mastócito do tecido conjuntivo, encontrado na pele e cavidade peritoneal, cujos grânulos contêm uma substância anticoagulante, a heparina. O segundo tipo é denominado de mastócito da mucosa e está presente na mucosa intestinal e pulmões e seus grânulos contêm condroitim sulfatado e vez de heparina. Os mastócitos se originam de células precursoras hepatopoéticas (produtoras de sangue) situadas na medula óssea. Estes mastócitos imaturos circulam no sangue, cruzam a parede de vênuas e capilares e penetram nos tecidos, onde vão proliferar e se diferenciar. Embora sejam, em muitos aspectos, semelhante aos leucócitos basófilos, os mastócitos se originam de uma célula-tronco diferente.
  8. 8. Plasmócitos Os plasmócitos são células grandes e ovóides com citoplasma basófilo que reflete sua riqueza em retículo endoplasmático rugoso. O aparelho de Golgi e os centríolos se localizam em uma região próxima do núcleo, a qual aparece pouco corada nas preparações histológicas.
  9. 9. O núcleo dos plasmócitos é esférico e excêntrico e contém grumos de cromatina que se alteram regularmente com áreas claras. Os plasmócitos são pouco numerosos no tecido conjuntivo normal, exceto nos locais sujeitos à penetração de bactérias e proteínas estranhas, como a mucosa intestinal, sendo abundantes nas inflamações crônicas (onde predominam plasmócitos, linfócitos e macrófagos).
  10. 10. Leucócitos Os leucócitos ou glóbulos brancos são constituintes normais dos tecidos conjuntivos, vindos do sangue por migração (diapedese) através da parede de capilares e vênulas. A diapedese aumenta muito durante as invasões locais de microorganismos, uma vez que os leucócitos são células especializadas na defesa contra microrganismos agressores. A inflamação é uma reação celular e vascular contra substâncias estranhas, na maioria dos casos bactérias ou substâncias químicas irritantes. A inflamação se inicia com uma liberação local de mediadores químicos da inflamação, substâncias de diferentes origens (principalmente de células e proteínas o plasma sanguíneo) que induzem alguns dos eventos característicos da inflamação. Células Adiposas São células especializadas no armazenamento de energia na forma de triglicerídeos (gorduras neutras).Elas podem ser encontradas em células do tecido conjuntivo frouxo, mas também formam agregados que constituem o tecido adiposo. Fibras As fibras do tecido conjuntivo são formadas por proteínas que se polimerizam formando estruturas muito alongadas. Os três tipos de fibras do tecido conjuntivo são as colágenas, as reticulares e as elásticas. As fibras colágenas e as fibras reticulares são formadas pela proteína colágeno e as fibras elásticas são compostas principalmente pela proteína elastina. A distribuição destes três tipos de fibras varia nos diferentes tipos de tecidos conjuntivos. Na realidade existem dois sistemas de fibras: o sistema colágeno, constituído por fibras colágenas e reticulares, e o sistema elástico, formado pelas fibras elásticas, elaunínicas e oxitalânicas. Muitas vezes a propriedade do tecido é dada pelo tipo predominante de fibra, como é o caso do tecido elástico, variedade de tecido conjuntivo dotado de grande elasticidade, graças á sua riqueza em fibras elásticas.  Colágeno O colágeno constitui um tipo de família de proteínas selecionadas durante a evolução para exercer diferentes funções (principalmente estruturais). Durante o processo de evolução dos organismos, a família de um grupo de proteínas estruturais influenciada pelo meio ambiente e pelas necessidades funcionais do organismo dos animais mudou e adquiriu variáveis graus de rigidez, elasticidade e força de tensão. Estas proteínas são conhecidas coletivamente como colágeno, e os principais exemplos dos vários tipos de colágenos são encontrados na pele, osso, cartilagem, músculo liso e lâmina basal. O colágeno representa cerca de 30 % do peso seco do organismo, sendo então a proteína mais abundante no corpo. Os colágenos dos vertebrados constituem uma família de proteínas produzidas por diferentes tipos de células e se distinguem pela sua composição química, características morfológicas, distribuição, funções e patologias.
  11. 11. Existem cerca de 20 tipos geneticamente diferentes de colágenos, que constituem uma família. De acordo com a estrutura e função eles são classificados em grupos. A síntese de colágeno foi inicialmente associada a um grupo restrito de células do conjuntivo como os fibroblastos, condroblastos e osteoblastos. Porém, atualmente , existem provas suficientes de que outros tipos de células produzem esta proteína. Os principais aminoácidos que constituem o colágeno são a glicina, a prolina e a hidroxiprolina. Em suma, as fibras colágenas são grossas, flexíveis e resistentes.
  12. 12. Fibras Reticulares As fibras reticulares são extremamente finas e formadas predominantemente por um tipo de colágeno e formam um rede extensa em certos órgãos. Ao microscópio eletrônico exibem estriação transversal típica de fibras colágenas. São formadas por finas fibrilas frouxamente arranjadas, unidas por pontes. No microscópio de polarização ele se cora em verde. As fibras reticulares são particularmente abundantes em músculo liso, baço, nódulos linfáticos, medula óssea vermelha. O pequeno diâmetro e a disposição frouxa das fibras reticulares criam uma rede flexível em órgãos sujeitos a mudanças de volume ou forma, como artérias, fígado, útero, baço e camadas musculares do intestino. O Sistema Elástico O sistema elástico é composto por três tipos de fibras: oxitalânica, elaunínica e elástica. A estrutura do sistema de fibras se desenvolve através de três estágios sucessivos. Estas estruturas são encontradas ao redor de glândulas sudoríparas e na derme.
  13. 13. As fibras oxitalânicas não possuem elasticidade, mas são altamente resistentes a forças de tração, enquanto as fibras elásticas, ricas em proteína elastina. Por usar diferentes proporções de elastina e micofibrilas, o sistema elástico constitui uma família de fibras com características funcionais variáveis capazes de se modificarem conforme a necessidade do organismo. A elastina é rica em glicina e prolina. E possui dois aminoácidos incomuns a desmosina e a isodesmosina. As ligações desses aminoácidos fazem com que a elastina tenha consistência elática. Substância Fundamental Formada de água e glicoproteínas essa é uma substância de aspecto gelatinoso e transparente, é sintetizada pelo próprio tecido. Através dela é que o epitélio é nutrido. A substância fundamental preenche os espaços entre as células e fibras do tecido conjuntivo e, sendo viscosa, atua simultaneamente como lubrificante e como barreira á penetração de microorganismos invasores. Quando adequadamente fixada para análises
  14. 14. histológicas, seus componentes se agregam e precipitam nos tecidos com um material granular que pode ser identificado em micrografias eletrônicas.
  15. 15. Tipos de Tecidos Conjuntivos A divisão dos tipos de tecido conjuntivo é feita conforme a predominância de determinados componentes ou a organização estrutural do tecido. Encontramos no organismo os seguintes tipos: Tecido Conjuntivo Propriamente Dito O tecido conjuntivo propriamente dito pode ser subdividido em dois tipos o frouxo e o denso.
  16. 16. O tecido conjuntivo frouxo suporta estruturas normalmente sujeitas a pressão e atritos pequenos. É um tecido conjuntivo muito comum que preenche espaços entre grupos de células musculares, suporta células epiteliais e forma camadas em torno de vasos sanguíneos. É também encontrado nas papilas da derme, na hipoderme, nas membranas serosas que revestem as cavidades peritonais e pleurais e nas glândulas. O tecido conjuntivo frouxo contém todos os elementos estruturais comuns ao tecido conjuntivo propriamente dito, logo, não existe predominância de nenhum componente, mas encontramos células mais comuns como fibroblastos e macrófagos, mas existem também os outros tipos de células.
  17. 17. O tecido conjuntivo frouxo é caracterizado por ser flexível, vascularizado e pouco resistente a trações e mecânicas. Possui pouca matriz extracelular e poucas fibras. Presente nas vilosidades intestinais (prolongamentos da mucosa intestinal revestida por epitélio). O tecido conjuntivo frouxo suporta o de epitélio das vilosidades intestinais. Garante flexibilidade ás vilosidades por ter poucas fibras. Já o tecido conjuntivo propriamente dito denso é adaptado para oferecer resistência e proteção aos tecidos. É formado pelos mesmos componentes encontrados no tecido conjuntivo frouxo, entretanto, existem menos células e uma clara predominância de fibras colágenas. Ele possui muita matriz extracelular, composta principalmente de fibras colágenas de diferentes espessuras,predomínio das células fibroblastos e fibrócitos. O tecido conjuntivo denso é menos
  18. 18. flexível e mais resistente à tensão que o tecido conjuntivo frouxo. As fibras colágenas são organizadas em feixes sem uma orientação definida, o tecido é denominado denso não modelado. Esse tecido, devido a sua organização, pode sofrer trações em qualquer direção. Ele pode ser encontrado na derme profunda da pele. O tecido denso modelado apresenta feixes de colágeno paralelos uns aos outros e alinhados aos fibroblastos. Trata-se de um conjuntivo que formou suas fibras colágenas em resposta ás forças de tração exercidas num determinado sentido. Os fibroblastos se organizam para responder a esses estímulos da melhor forma possível, com muita resistência. É encontrado nos tendões, por exemplo. Em suma, o tecido conjuntivo propriamente dito denso modelado possui muita matriz extracelular, representadas principalmente por espessas fibras colágenas e poucas células organizadas.
  19. 19. Tecido Elástico O tecido elástico é composto por feixes espessos e paralelos de fibras elásticas. O espaço entre as fibras é ocupado por fibras delgadas de colágeno fibroblastos achatados. A abundância de fibras elásticas neste tecido lhe confere uma cor amarelada típica e grande elasticidade. Está presente nos ligamentos da coluna e no ligamento suspensor do pênis. Tecido Reticular O tecido reticular é muito delicado e forma uma rede tridimensional que suporta as células de alguns órgãos. É constituído por fibras reticulares intimamente associadas com fibroblastos especializados chamados de células reticulares. O tecido reticular provê uma estrutura arquitetônica tal que cria um ambiente especial para órgãos linfóides e hematopoéticos (medula óssea, linfonodos e nódulos linfáticos e baço). As células reticulares estão dispersas ao longo da matriz e cobrem principalmente, com seus prolongamentos citoplasmáticos, as fibras reticulares e a substância fundamental. Com esta estrutural, os fluidos se movem livremente. Podendo também monitorar o fluxo de materiais removendo organismos invasores por fagocitose.

×