Enterobactérias

297 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Enterobactérias

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS COLÉGIO TÉCNICO PATOLOGIA CLÍNICA PROFA: MARIANA COSTA RELATÓRIO DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA Nome: Esther Iolanda Silva Frois Turma: P3A Data: 16 Mai. 2014 Identificação laboratorial de Enterobactérias. BACTERIA USADA: N°4 INTRODUÇÃO Enterobactérias são as bactérias da família Enterobacteriaceae, que incluem 42 gêneros e centenas de espécies. As Enterobactérias apresentam as seguintes características em comum: são bastonetes Gram negativos, são fermentadores de glicose, são oxidase negativa e catalase positiva, não formam esporos, reduzem nitrato e crescem bem em meios comuns. Algumas bactérias desse grupo podem ser imóveis ou móveis e podem ser aeróbios ou anaeróbios facultativos. Devido ao fato de serem Gram negativas, as Enterobactérias possuem Lipopolissacarídeo central (LPS), uma endotoxina indutora de febre no hospedeiro, possuem cápsula na parte externa da parede celular, impedindo a fagocitose, e são naturalmente resistentes à medicações antimicrobianas. São os principais componentes da flora intestinal normal humana, mas são frequentemente vistas em laboratório pois muitas espécies de Enterobactérias são patogênicas para o homem, causando vários tipos de doenças. Essas incluem doenças diarreicas, infecções em feridas e queimaduras, infecção no trato urinário e respiratório, septicemia e meningite, sendo responsáveis por cerca de 70% das infecções urinárias e 50% das septicemias. Algumas espécies são consideradas enteropatogênicas, por causarem preferencialmente infecções gastrointestinais, gerando DTA’s (Doenças Transmitidas por Alimento), em surtos ou casos isolados e em infecções nasocomiais (hospitalares), normalmente transmitidas por água ou alimentos contaminados. São considerados enteropatógenos clássicos: Salmonella, Shigella spp, categorias diarreiogênicas de E. coli e Yersinia enterocolitica. Alguns desses podem, ainda, estar associados a infecções extraintestinais. Em casos de infecções extra-intestinais, acometem o ambiente hospitalar e comunidade no geral. Os patógenos frequentes são Enterobactérias de qualquer gênero, principalmente: E. coli, Klebsiella pneumoniae, Klebsiela oxytoca, Proteus mirabilis, Enterobacter spp., Salmonella, Serratia mascescens, Citrobacter spp. e Providência spp.. São identificadas através de provas microbiológicas bioquímicas, com uma série de testes cujos resultados orientam o profissional à identificar corretamente a bactéria analisada (tabela de identificação em anexo). As provas bioquímicas mais utilizadas são: Indol, Simmons Citrato, Motilidade, Fermentação da lactose, produção de H2S, produção de gás de D-glucose, Malonato, Urease e Lisina descarboxilase.
  2. 2. OBJETIVOS  Aprender a realizar provas microbiológicas bioquímicas para a identificação de bacilos Gram negativos, as Enterobactérias.  Identificar a bactéria disponibilizada pela professora, a bactéria n° 4. METODOLOGIA Todo o procedimento foi realizado em área limpa com Álcool 70°, em torno do bico de Bunsen.  Ágar SIM Detecta a capacidade da bactéria de liberar Enxofre na forma de H2S a partir de compostos que contenham Enxofre. Permite o estudo da motilidade da bactéria. Detecta a capacidade da bactéria de produzir o Indol, que é o produto do metabolismo de degradação do aminoácido Triptofano. o Plantio e cultivo da bactéria em Ágar SIM.  Teste Simmons Citrato. Avalia se a bactéria tem a capacidade de utilizar citrato de sódio como única fonte de carbono para metabolismo e crescimento. o Plantio e cultivo da bactéria em Ágar Citrato.  Prova da Urease Determina se a bactéria produz a enzima Urease, hidrolisando a ureia em amônia. o Plantio e cultivo da bactéria em Ágar Urease.  Prova da Lisina descarboxilase Detecta a ação de enzimas descarboxilases sobre aminoácidos, gerando produtos aminados específicos. o Plantio e cultivo da bactéria em Ágar Lisina.  Prova do gás de D-Glucose o Plantio e cultivo da bactéria em Ágar Lisina com óleo.  Prova Malonato Determina a capacidade da bactéria de utilizar Malonato como única fonte de carbono para metabolismo e crescimento. o Plantio e cultivo da bactéria em Caldo Malonato. Os meios foram incubados a 37°, por no mínimo 24 hs.
  3. 3. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS A análise dos resultados partiu de algumas informações disponibilizadas pela professora e dos resultados das provas realizadas.  Coloração de Gram: Bastonetes Gram-negativos  Prova do Indol: positiva  Fermentação: positiva  Teste Simmons Citrato: negativa.  Prova da Urease: negativa  Prova da Lisina descarboxilase: positiva  Prova do gás de D-Glucose: positiva  Prova da fermentação da lactose: positiva.  Prova Malonato: negativa  Produção de H2S: negativa.  Motilidade: negativa, mas apresentou crescimento entorno da picada após 48 horas de incubação. CONCLUSÃO Com o auxílio da tabela de identificação disponibilizada na aula, foi possível concluir que a bactéria analisada é a Escherichia coli (E. coli).

×