SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda – Univ. Aveiro




                         Cuidados Paliativos – Morrer
                               com Dignidade

Manuel Luís Capelas
Mestre em Cuidados Paliativos
Doutorando em Ciências da Saúde
Professor no Inst. Ciências da Saúde - Universidade Católica Portuguesa
Grupo de Investigação em Cuidados Paliativos
Presidente da Direcção da APCP
EAPC Task Force for Palliative Care in Long-Term Care Settings for Older People
A pessoa em fim de vida

   Responde-se às suas necessidades?




           Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   2
A pessoa em fim de vida

   Responde-se às suas necessidades?
       Não
           “Family Perspectives on enf-of-life care at
            the last place of care” (JAMA, 7 Jan 2004)

           “No time for dying: a study of the care of
            dying patients in 2 acute care australian
            hospitals” (JPC, 2003)

           “The SUPPORT study” (JAMA, 1995)


                Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)        3
A pessoa em fim de vida: respostas
      Comum
          Preservar a vida a qualquer custo

      Alternativa
          Equilíbrio certo entre lutar pela vida e
           aceitar a inevitabilidade da morte




                 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)    4
Cuidados Paliativos: Definição
“Cuidados activos e totais dos doentes e
 suas     famílias,        prestados                   por   uma
 equipa     multidisciplinar,                         quando      a
 doença       já         não              responde              ao
 tratamento           curativo                    e     a      sua
 expectativa de vida é relativamente
 curta”
                                                         R. Twycross

              Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)                        5
Cuidados Paliativos: Definição
“Cuidados que melhoram a qualidade de
 vida dos doentes afectados por problemas
 de saúde que ameaçam a vida, e sua
 família, através da prevenção e alívio do
 sofrimento             pela            compreensão        e
 identificação precoce, avaliação e controlo
 da   dor      e      outros           problemas   físicos,
 psicológicos, sociais e espirituais”
                                                O. M. S. 2002
            Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)               6
Critérios de doença terminal

   Presença      de    doença                     avançada,
    progressiva, incurável
   Ausência de possibilidades minimamente
    realistas de resposta ao tratamento
    específico
   Presença de inúmeros problemas ou
    sintomatologia      intensa, múltipla,
    multifactorial e em evolução

               Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)          7
Critérios de doença terminal


   Grande impacto emocional no doente,
    família e equipa terapêutica, muito
    relacionado com a presença explícita,
    ou não, da morte

   Prognóstico de vida inferior a 6 meses




                Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   8
População-Alvo
   Pessoas com malformações congénitas ou outras situações que
    dependam de terapêutica de suporte de vida e/ou apoio de longa
    duração para as AVD

   Pessoas com qualquer doença aguda, grave e ameaçadora da vida
    (traumatismos graves, leucemias, AVC agudo) onde a cura ou
    reversibilidade é um objetivo realista mas a situação/terapêutica
    gera sofrimento/baixa qualidade de vida

   Pessoas com doença crónica progressiva (doença vascular periférica,
    neoplasias, insuficiência renal ou hepática, SIDA, AVC com
    incapacidade funcional, doença cardíaca ou pulmonar avançada,
    fragilidade, doenças neurovegetativas e demências)

   Pessoas com lesões crónicas e limitativas resultantes de acidentes ou
    outras formas de trauma

   Pessoas seriamente doentes ou em fase terminal (demência em
    estadio final, cancro terminal, SIDA, AVC gravemente incapacitante)
    que não têm possibilidade de recuperação ou estabilização e para os
    quais os CP intensivos são o focus


                       Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)                    9
Princípios
   Proporcionam o alívio da dor e outros
    sintomas geradores de sofrimento
   Afirmam a vida e consideram a morte
    como processo natural
   Não atrasam nem antecipam a morte
   Integram as componentes psicológicas,
    sociais e espirituais nos cuidados ao doente
    e família

                 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   10
Princípios

   Proporcionam um sistema de suporte para
    ajudar os doentes a viver o mais
    activamente possível até à morte

   Proporcionam um sistema de suporte, de
    ajuda à família para que esta consiga lidar
    com a doença do seu ente e com o seu
    próprio luto

                 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   11
Princípios
   Utilizam o trabalho de equipa para
    abordar as necessidades do doente e
    família, incluindo o apoio no luto

   Proporcionam a melhoria da qualidade de
    vida, podendo influenciar positivamente o
    curso da doença

   Devem alocar racionalmente os recursos


                Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   12
Princípios
   Devem ser implementados precocemente
    no curso da doença, em conjugação com
    outras terapias vocacionadas para o
    aumento do tempo de vida

   A investigação é a base da compreensão e
    controlo     de     sintomas/complicações
    geradoras de sofrimento


                Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   13
Componentes fundamentais
   Controlo dos sintomas
   Comunicação afectiva
   Reabilitação
   Continuidade dos cuidados
   Cuidados na agonia
   Apoio no luto
   Formação
   Investigação

              Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   14
Filosofia
   Dirigem-se mais ao doente do que à doença
   Aceitam a morte, mas também melhoram a
    vida
   Constituem uma aliança entre o doente e os
    prestadores de cuidados
   Preocupam-se mais com a reconciliação do
    que com a cura
                                                        Robert Twycross


                    Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)                15
Objectivos

   Prevenir e tratar sintomas
    indesejáveis
   Reduzir o sofrimento
   Promover a dignidade e qualidade
    de vida
   Respeitar de forma inquestionável o
    valor da Vida Humana
   Permitir morrer mas não matar

           Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   16
Níveis de diferenciação
                Centros de
                Excelência


         Cuidados Paliativos
           Especializados


      Cuidados Paliativos Gerais



        Abordagem Paliativa



        Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   17
Tipologia de Recursos


  UCP                        UCP                  EIHSCP
  H. Agudos              H. Não Agudos               1/Hospital
 24-30/106 hab           56-70/106 hab            1/Hospital 250 c


 ECPD                      C.Dia                   Volunt
  1/105 hab               1/60 000 hab            1/40-80 000 hab




              Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)                   18
Realidade Portuguesa- ECPD

                                             O que
                         Estimação                              O que falta
    Distrito                                 temos

                   Min     Max     Média                  Min        Max         Média

Aveiro                 7      11         9            0          7          11         9
Beja                   2       2         2            2          0           0         0
Braga                  8      13        11            0          8          13        11
Bragança               1       2         2            1          0           1         1
Castelo Branco         2       3         3            0          2           3         3
Coimbra                4       6         5            0          4           6         5
Évora                  2       3         3            0          2           3         3
Faro                   5       7         6            1          4           6         5
Guarda                 2       2         2            0          2           2         2
Leiria                 5       7         6            0          5           7         6
Lisboa                22      34        28            2         20          32        26
Portalegre             1       2         2            0          1           2         2
Porto                 18      27        23            3         15          24        20
Santarém               5       7         6            0          5           7         6
Setúbal                8      13        11            1          7          12        10
Viana do Castelo       2       4         3            0          2           4         3
Vila Real              2       3         3            0          2           3         3
Viseu                  4       6         5            0          4           6         5
Açores                 2       4         3            0          2           4         3
Madeira                3       4         4            0          3           4         4
TOTAL                106     158       132           10         96         148       122

                     Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)                                     19
Realidade Portuguesa – EIHSCP

        Distrito            Estimação O que temos O que falta
        Aveiro                         9                  0    9
        Beja                           2                  1    1
        Braga                          5                  0    5
        Bragança                       3                  0    3
        Castelo Branco                 3                  0    3
        Coimbra                        7                  0    7
        Évora                          1                  0    1
        Faro                           4                  2    2
        Guarda                         2                  0    2
        Leiria                         5                  0    5
        Lisboa                        16                  8    8
        Portalegre                     2                  1    1
        Porto                         14                  4   10
        Santarém                       4                  0    4
        Setúbal                        5                  3    2
        Viana do Castelo               2                  0    2
        Vila Real                      3                  0    3
        Viseu                          3                  0    3
        Açores                         3                  0    3
        Madeira                        3                  0    3
        TOTAL                         96                 19   77




                     Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)             20
Realidade Portuguesa – Camas (total)

                                             O que
                         Estimação                              O que falta
    Distrito                                 temos

                   Min     Max     Média                 Min         Max         Média

Aveiro                57      71        64         0            57          71        64
Beja                  12      15        14         6             6           9         8
Braga                 68      85        76         0            68          85        76
Bragança              11      14        12         8             3           6         4
Castelo Branco        16      20        18        10             6          10         8
Coimbra               34      43        39        34             0           9         5
Évora                 13      17        15         6             7          11         9
Faro                  36      45        41        10            26          35        31
Guarda                13      16        14        11             2           5         3
Leiria                38      47        42         0            38          47        42
Lisboa               180     224       202        55           125         169       147
Portalegre            10      12        11         5             5           7         6
Porto                145     182       163        43           102         139       120
Santarém              36      45        41        10            26          35        31
Setúbal               68      85        76        16            52          69        60
Viana do Castelo      20      24        22         0            20          24        22
Vila Real             17      21        19         7            10          14        12
Viseu                 30      38        34        20            10          18        14
Açores                20      25        22         0            20          25        22
Madeira               21      27        24         0            21          27        24
TOTAL                844    1056       950       241           603         815       709

                     Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)                                     21
Realidade Portuguesa- Camas (agudos)

                                              O que
                          Estimação                               O que falta
     Distrito                                 temos

                    Min     Max     Média                  Min         Max         Média

 Aveiro                17      21        19            0          17          21        19
 Beja                   4       5         4            0           4           5         4
 Braga                 20      25        23            0          20          25        23
 Bragança               3       4         4            0           3           4         4
 Castelo Branco         5       6         5           10          -5          -4        -5
 Coimbra               10      13        12           20         -10          -7        -8
 Évora                  4       5         5            0           4           5         5
 Faro                  11      14        12            0          11          14        12
 Guarda                 4       5         4            0           4           5         4
 Leiria                11      14        13            0          11          14        13
 Lisboa                54      67        61            0          54          67        61
 Portalegre             3       4         3            0           3           4         3
 Porto                 44      54        49           20          24          34        29
 Santarém              11      14        12            0          11          14        12
 Setúbal               20      25        23            6          14          19        17
 Viana do Castelo       6       7         7            0           6           7         7
 Vila Real              5       6         6            0           5           6         6
 Viseu                  9      11        10            0           9          11        10
 Açores                 6       7         7            0           6           7         7
 Madeira                6       8         7            0           6           8         7
 TOTAL                253     317       285           56         197         261       229

                      Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)                                      22
Realidade Portuguesa – Camas (não-agudos)

                                                 O que
                             Estimação                              O que falta
        Distrito                                 temos

                       Min     Max     Média                 Min         Max         Média

    Aveiro                40      50        45         0            40          50        45
    Beja                   9      11        10         6             3           5         4
    Braga                 48      59        53         0            48          59        53
    Bragança               8      10         9         8             0           2         1
    Castelo Branco        11      14        12         0            11          14        12
    Coimbra               24      30        27        14            10          16        13
    Évora                  9      12        11         6             3           6         5
    Faro                  25      32        28        10            15          22        18
    Guarda                 9      11        10        11            -2           0        -1
    Leiria                26      33        30         0            26          33        30
    Lisboa               126     157       141        55            71         102        86
    Portalegre             7       8         7         5             2           3         2
    Porto                102     127       114        23            79         104        91
    Santarém              25      32        29        10            15          22        19
    Setúbal               48      59        54        10            38          49        44
    Viana do Castelo      14      17        15         0            14          17        15
    Vila Real             12      15        13         7             5           8         6
    Viseu                 21      26        24        20             1           6         4
    Açores                14      17        16         0            14          17        16
    Madeira               15      19        17         0            15          19        17
    TOTAL                591     739       665       185           406         554       480

                         Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)                                     23
Papel da APCP
   ser um pólo dinamizador dos cuidados paliativos no nosso
    país e um parceiro privilegiado no trabalho com as
    autoridades responsáveis pelo desenvolvimento destes
    serviços
   trabalhar em sinergia com organizações que visem o
    desenvolvimento dos CP e áreas afins em Portugal e no
    estrangeiro
   contribuir para a credibilização e garantia da qualidade
    das estruturas que prestam e/ou venham a prestar
    cuidados nesta área
   apoiar os profissionais de saúde que se queiram dedicar a
    esta área da saúde e fortalecer a investigação específica a
    desenvolver



                Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)            24
Em suma


Os cuidados paliativos são sinónimo de
 vida e qualidade


   Alívio dos sintomas                       Apoio psicossocial
                           Esperança
                          Honestidade
                           Abertura
                     Trabalho em equipa

                 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)                25
“Qualquer
                      perda, quando
                          chega,
                      vem sempre
                        cedo de
                        mais…“
                  Morrie Schwartz
                  in “As terças com Morrie” e
                  “Amar e Viver ”
Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)               26
Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012)   27

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Aroldo Gavioli
 
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mentalLorena Albuquerque Vieira
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdenaiellyrodrigues
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAroldo Gavioli
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do capsAdriana Emidio
 
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados PaliativosTerapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados PaliativosLuciana Mateus
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Cuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missãoCuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missãoeccifafe
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaAliny Lima
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesCleiton Ribeiro Alves
 
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Marcelo Palmier
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemMarco Antonio
 
0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela laiscarlini
 

Mais procurados (20)

Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
 
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
Processo histórico da psiquiatria e da saúde mental
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados PaliativosTerapias Complementares em Cuidados Paliativos
Terapias Complementares em Cuidados Paliativos
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Cuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missãoCuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missão
 
Saude mental aula 3
Saude mental aula 3Saude mental aula 3
Saude mental aula 3
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
Palestra "cuidados paliativos"
Palestra "cuidados paliativos" Palestra "cuidados paliativos"
Palestra "cuidados paliativos"
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
Cuidados Paliativos - Menos é mais, Um enfoque sobre o custo da obstinação te...
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
 
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
Gestão na Atenção Domiciliar (Home Care)
 
0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela 0506 Luto - Daniela
0506 Luto - Daniela
 

Semelhante a Cuidados paliativos 2012

Atenção integral ao portador de pé diabético
Atenção integral ao portador de pé diabéticoAtenção integral ao portador de pé diabético
Atenção integral ao portador de pé diabéticoadrianomedico
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados PaliativosMrKokamus
 
Manual do Espondilítico
Manual do EspondilíticoManual do Espondilítico
Manual do Espondilíticopepontocom
 
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita RodriguesTese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita RodriguesJoão Antônio Granzotti
 
Espondilite anquilosante x1a
Espondilite anquilosante x1aEspondilite anquilosante x1a
Espondilite anquilosante x1aPriscila Torres
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugualSantos de Castro
 
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásiaUso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásiaMônica Firmida
 
Classificação internacional de cuidados primários
Classificação internacional de cuidados primáriosClassificação internacional de cuidados primários
Classificação internacional de cuidados primáriosJoão Pedro Batista Tomaz
 
aula-cuidadospaliativosesegurancadopaciente-.pptx
aula-cuidadospaliativosesegurancadopaciente-.pptxaula-cuidadospaliativosesegurancadopaciente-.pptx
aula-cuidadospaliativosesegurancadopaciente-.pptxCarlosSpencer3
 
Manual de condutas para úlceras do ms
Manual de condutas para úlceras do msManual de condutas para úlceras do ms
Manual de condutas para úlceras do msHalley Cometa
 
Desnutrição grave tratamento
Desnutrição grave tratamentoDesnutrição grave tratamento
Desnutrição grave tratamentoHamilton Reis Reis
 
Cartilha-Direitos.pdf
Cartilha-Direitos.pdfCartilha-Direitos.pdf
Cartilha-Direitos.pdfSirlaineCruz
 

Semelhante a Cuidados paliativos 2012 (20)

Septic patient
Septic patientSeptic patient
Septic patient
 
Livro clinica medica kroton
Livro clinica medica krotonLivro clinica medica kroton
Livro clinica medica kroton
 
Despacho fibro
Despacho fibroDespacho fibro
Despacho fibro
 
Atenção integral ao portador de pé diabético
Atenção integral ao portador de pé diabéticoAtenção integral ao portador de pé diabético
Atenção integral ao portador de pé diabético
 
Manual
ManualManual
Manual
 
Cuidados Paliativos
Cuidados PaliativosCuidados Paliativos
Cuidados Paliativos
 
Manual do Espondilítico
Manual do EspondilíticoManual do Espondilítico
Manual do Espondilítico
 
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita RodriguesTese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
Tese de Doutoramento -- Viviana Rita Rodrigues
 
Espondilite anquilosante x1a
Espondilite anquilosante x1aEspondilite anquilosante x1a
Espondilite anquilosante x1a
 
Revista diabetes portugual
Revista diabetes portugualRevista diabetes portugual
Revista diabetes portugual
 
Diaphragmatic function of sepsis
Diaphragmatic function of sepsisDiaphragmatic function of sepsis
Diaphragmatic function of sepsis
 
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásiaUso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
Uso de tecnologias, cuidados paliativos e distanásia
 
19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI19th Congress of the SPMI
19th Congress of the SPMI
 
Classificação internacional de cuidados primários
Classificação internacional de cuidados primáriosClassificação internacional de cuidados primários
Classificação internacional de cuidados primários
 
O politraumatizado em UCI boas praticas
O politraumatizado em UCI   boas praticas O politraumatizado em UCI   boas praticas
O politraumatizado em UCI boas praticas
 
aula-cuidadospaliativosesegurancadopaciente-.pptx
aula-cuidadospaliativosesegurancadopaciente-.pptxaula-cuidadospaliativosesegurancadopaciente-.pptx
aula-cuidadospaliativosesegurancadopaciente-.pptx
 
Manual de condutas para úlceras do ms
Manual de condutas para úlceras do msManual de condutas para úlceras do ms
Manual de condutas para úlceras do ms
 
Desnutrição grave tratamento
Desnutrição grave tratamentoDesnutrição grave tratamento
Desnutrição grave tratamento
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
 
Cartilha-Direitos.pdf
Cartilha-Direitos.pdfCartilha-Direitos.pdf
Cartilha-Direitos.pdf
 

Mais de Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda (ESTGA)

Mais de Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda (ESTGA) (13)

Scratch - Ensinar a programar de forma divertida
Scratch - Ensinar a programar de forma divertidaScratch - Ensinar a programar de forma divertida
Scratch - Ensinar a programar de forma divertida
 
TI - Sessão de formação/divulgação no CIC
TI - Sessão de formação/divulgação no CICTI - Sessão de formação/divulgação no CIC
TI - Sessão de formação/divulgação no CIC
 
Ética em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativosÉtica em cuidados paliativos
Ética em cuidados paliativos
 
ESTGA Conferências - Qualidade no Atendimento III
ESTGA Conferências -  Qualidade no Atendimento IIIESTGA Conferências -  Qualidade no Atendimento III
ESTGA Conferências - Qualidade no Atendimento III
 
ESTGA Conferências - Qualidade no Atendimento II
ESTGA Conferências - Qualidade no Atendimento IIESTGA Conferências - Qualidade no Atendimento II
ESTGA Conferências - Qualidade no Atendimento II
 
ESTGA Conferências - Qualidade no Atendimento I
ESTGA Conferências -  Qualidade no Atendimento IESTGA Conferências -  Qualidade no Atendimento I
ESTGA Conferências - Qualidade no Atendimento I
 
Dreamlab
DreamlabDreamlab
Dreamlab
 
Pictonio
PictonioPictonio
Pictonio
 
Como elaborar um cv
Como elaborar um cvComo elaborar um cv
Como elaborar um cv
 
Estga conferencias-gestao-qualidade-I
Estga conferencias-gestao-qualidade-IEstga conferencias-gestao-qualidade-I
Estga conferencias-gestao-qualidade-I
 
Estga conferencias-gestao-qualidade-II
Estga conferencias-gestao-qualidade-IIEstga conferencias-gestao-qualidade-II
Estga conferencias-gestao-qualidade-II
 
Estga conferencias-gestao-projetos
Estga conferencias-gestao-projetosEstga conferencias-gestao-projetos
Estga conferencias-gestao-projetos
 
Estga conferencias-gestao-equipas
Estga conferencias-gestao-equipasEstga conferencias-gestao-equipas
Estga conferencias-gestao-equipas
 

Último

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 

Cuidados paliativos 2012

  • 1. Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda – Univ. Aveiro Cuidados Paliativos – Morrer com Dignidade Manuel Luís Capelas Mestre em Cuidados Paliativos Doutorando em Ciências da Saúde Professor no Inst. Ciências da Saúde - Universidade Católica Portuguesa Grupo de Investigação em Cuidados Paliativos Presidente da Direcção da APCP EAPC Task Force for Palliative Care in Long-Term Care Settings for Older People
  • 2. A pessoa em fim de vida  Responde-se às suas necessidades? Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 2
  • 3. A pessoa em fim de vida  Responde-se às suas necessidades?  Não  “Family Perspectives on enf-of-life care at the last place of care” (JAMA, 7 Jan 2004)  “No time for dying: a study of the care of dying patients in 2 acute care australian hospitals” (JPC, 2003)  “The SUPPORT study” (JAMA, 1995) Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 3
  • 4. A pessoa em fim de vida: respostas  Comum  Preservar a vida a qualquer custo  Alternativa  Equilíbrio certo entre lutar pela vida e aceitar a inevitabilidade da morte Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 4
  • 5. Cuidados Paliativos: Definição “Cuidados activos e totais dos doentes e suas famílias, prestados por uma equipa multidisciplinar, quando a doença já não responde ao tratamento curativo e a sua expectativa de vida é relativamente curta” R. Twycross Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 5
  • 6. Cuidados Paliativos: Definição “Cuidados que melhoram a qualidade de vida dos doentes afectados por problemas de saúde que ameaçam a vida, e sua família, através da prevenção e alívio do sofrimento pela compreensão e identificação precoce, avaliação e controlo da dor e outros problemas físicos, psicológicos, sociais e espirituais” O. M. S. 2002 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 6
  • 7. Critérios de doença terminal  Presença de doença avançada, progressiva, incurável  Ausência de possibilidades minimamente realistas de resposta ao tratamento específico  Presença de inúmeros problemas ou sintomatologia intensa, múltipla, multifactorial e em evolução Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 7
  • 8. Critérios de doença terminal  Grande impacto emocional no doente, família e equipa terapêutica, muito relacionado com a presença explícita, ou não, da morte  Prognóstico de vida inferior a 6 meses Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 8
  • 9. População-Alvo  Pessoas com malformações congénitas ou outras situações que dependam de terapêutica de suporte de vida e/ou apoio de longa duração para as AVD  Pessoas com qualquer doença aguda, grave e ameaçadora da vida (traumatismos graves, leucemias, AVC agudo) onde a cura ou reversibilidade é um objetivo realista mas a situação/terapêutica gera sofrimento/baixa qualidade de vida  Pessoas com doença crónica progressiva (doença vascular periférica, neoplasias, insuficiência renal ou hepática, SIDA, AVC com incapacidade funcional, doença cardíaca ou pulmonar avançada, fragilidade, doenças neurovegetativas e demências)  Pessoas com lesões crónicas e limitativas resultantes de acidentes ou outras formas de trauma  Pessoas seriamente doentes ou em fase terminal (demência em estadio final, cancro terminal, SIDA, AVC gravemente incapacitante) que não têm possibilidade de recuperação ou estabilização e para os quais os CP intensivos são o focus Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 9
  • 10. Princípios  Proporcionam o alívio da dor e outros sintomas geradores de sofrimento  Afirmam a vida e consideram a morte como processo natural  Não atrasam nem antecipam a morte  Integram as componentes psicológicas, sociais e espirituais nos cuidados ao doente e família Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 10
  • 11. Princípios  Proporcionam um sistema de suporte para ajudar os doentes a viver o mais activamente possível até à morte  Proporcionam um sistema de suporte, de ajuda à família para que esta consiga lidar com a doença do seu ente e com o seu próprio luto Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 11
  • 12. Princípios  Utilizam o trabalho de equipa para abordar as necessidades do doente e família, incluindo o apoio no luto  Proporcionam a melhoria da qualidade de vida, podendo influenciar positivamente o curso da doença  Devem alocar racionalmente os recursos Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 12
  • 13. Princípios  Devem ser implementados precocemente no curso da doença, em conjugação com outras terapias vocacionadas para o aumento do tempo de vida  A investigação é a base da compreensão e controlo de sintomas/complicações geradoras de sofrimento Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 13
  • 14. Componentes fundamentais  Controlo dos sintomas  Comunicação afectiva  Reabilitação  Continuidade dos cuidados  Cuidados na agonia  Apoio no luto  Formação  Investigação Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 14
  • 15. Filosofia  Dirigem-se mais ao doente do que à doença  Aceitam a morte, mas também melhoram a vida  Constituem uma aliança entre o doente e os prestadores de cuidados  Preocupam-se mais com a reconciliação do que com a cura Robert Twycross Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 15
  • 16. Objectivos  Prevenir e tratar sintomas indesejáveis  Reduzir o sofrimento  Promover a dignidade e qualidade de vida  Respeitar de forma inquestionável o valor da Vida Humana  Permitir morrer mas não matar Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 16
  • 17. Níveis de diferenciação Centros de Excelência Cuidados Paliativos Especializados Cuidados Paliativos Gerais Abordagem Paliativa Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 17
  • 18. Tipologia de Recursos UCP UCP EIHSCP H. Agudos H. Não Agudos 1/Hospital 24-30/106 hab 56-70/106 hab 1/Hospital 250 c ECPD C.Dia Volunt 1/105 hab 1/60 000 hab 1/40-80 000 hab Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 18
  • 19. Realidade Portuguesa- ECPD O que Estimação O que falta Distrito temos Min Max Média Min Max Média Aveiro 7 11 9 0 7 11 9 Beja 2 2 2 2 0 0 0 Braga 8 13 11 0 8 13 11 Bragança 1 2 2 1 0 1 1 Castelo Branco 2 3 3 0 2 3 3 Coimbra 4 6 5 0 4 6 5 Évora 2 3 3 0 2 3 3 Faro 5 7 6 1 4 6 5 Guarda 2 2 2 0 2 2 2 Leiria 5 7 6 0 5 7 6 Lisboa 22 34 28 2 20 32 26 Portalegre 1 2 2 0 1 2 2 Porto 18 27 23 3 15 24 20 Santarém 5 7 6 0 5 7 6 Setúbal 8 13 11 1 7 12 10 Viana do Castelo 2 4 3 0 2 4 3 Vila Real 2 3 3 0 2 3 3 Viseu 4 6 5 0 4 6 5 Açores 2 4 3 0 2 4 3 Madeira 3 4 4 0 3 4 4 TOTAL 106 158 132 10 96 148 122 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 19
  • 20. Realidade Portuguesa – EIHSCP Distrito Estimação O que temos O que falta Aveiro 9 0 9 Beja 2 1 1 Braga 5 0 5 Bragança 3 0 3 Castelo Branco 3 0 3 Coimbra 7 0 7 Évora 1 0 1 Faro 4 2 2 Guarda 2 0 2 Leiria 5 0 5 Lisboa 16 8 8 Portalegre 2 1 1 Porto 14 4 10 Santarém 4 0 4 Setúbal 5 3 2 Viana do Castelo 2 0 2 Vila Real 3 0 3 Viseu 3 0 3 Açores 3 0 3 Madeira 3 0 3 TOTAL 96 19 77 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 20
  • 21. Realidade Portuguesa – Camas (total) O que Estimação O que falta Distrito temos Min Max Média Min Max Média Aveiro 57 71 64 0 57 71 64 Beja 12 15 14 6 6 9 8 Braga 68 85 76 0 68 85 76 Bragança 11 14 12 8 3 6 4 Castelo Branco 16 20 18 10 6 10 8 Coimbra 34 43 39 34 0 9 5 Évora 13 17 15 6 7 11 9 Faro 36 45 41 10 26 35 31 Guarda 13 16 14 11 2 5 3 Leiria 38 47 42 0 38 47 42 Lisboa 180 224 202 55 125 169 147 Portalegre 10 12 11 5 5 7 6 Porto 145 182 163 43 102 139 120 Santarém 36 45 41 10 26 35 31 Setúbal 68 85 76 16 52 69 60 Viana do Castelo 20 24 22 0 20 24 22 Vila Real 17 21 19 7 10 14 12 Viseu 30 38 34 20 10 18 14 Açores 20 25 22 0 20 25 22 Madeira 21 27 24 0 21 27 24 TOTAL 844 1056 950 241 603 815 709 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 21
  • 22. Realidade Portuguesa- Camas (agudos) O que Estimação O que falta Distrito temos Min Max Média Min Max Média Aveiro 17 21 19 0 17 21 19 Beja 4 5 4 0 4 5 4 Braga 20 25 23 0 20 25 23 Bragança 3 4 4 0 3 4 4 Castelo Branco 5 6 5 10 -5 -4 -5 Coimbra 10 13 12 20 -10 -7 -8 Évora 4 5 5 0 4 5 5 Faro 11 14 12 0 11 14 12 Guarda 4 5 4 0 4 5 4 Leiria 11 14 13 0 11 14 13 Lisboa 54 67 61 0 54 67 61 Portalegre 3 4 3 0 3 4 3 Porto 44 54 49 20 24 34 29 Santarém 11 14 12 0 11 14 12 Setúbal 20 25 23 6 14 19 17 Viana do Castelo 6 7 7 0 6 7 7 Vila Real 5 6 6 0 5 6 6 Viseu 9 11 10 0 9 11 10 Açores 6 7 7 0 6 7 7 Madeira 6 8 7 0 6 8 7 TOTAL 253 317 285 56 197 261 229 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 22
  • 23. Realidade Portuguesa – Camas (não-agudos) O que Estimação O que falta Distrito temos Min Max Média Min Max Média Aveiro 40 50 45 0 40 50 45 Beja 9 11 10 6 3 5 4 Braga 48 59 53 0 48 59 53 Bragança 8 10 9 8 0 2 1 Castelo Branco 11 14 12 0 11 14 12 Coimbra 24 30 27 14 10 16 13 Évora 9 12 11 6 3 6 5 Faro 25 32 28 10 15 22 18 Guarda 9 11 10 11 -2 0 -1 Leiria 26 33 30 0 26 33 30 Lisboa 126 157 141 55 71 102 86 Portalegre 7 8 7 5 2 3 2 Porto 102 127 114 23 79 104 91 Santarém 25 32 29 10 15 22 19 Setúbal 48 59 54 10 38 49 44 Viana do Castelo 14 17 15 0 14 17 15 Vila Real 12 15 13 7 5 8 6 Viseu 21 26 24 20 1 6 4 Açores 14 17 16 0 14 17 16 Madeira 15 19 17 0 15 19 17 TOTAL 591 739 665 185 406 554 480 Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 23
  • 24. Papel da APCP  ser um pólo dinamizador dos cuidados paliativos no nosso país e um parceiro privilegiado no trabalho com as autoridades responsáveis pelo desenvolvimento destes serviços  trabalhar em sinergia com organizações que visem o desenvolvimento dos CP e áreas afins em Portugal e no estrangeiro  contribuir para a credibilização e garantia da qualidade das estruturas que prestam e/ou venham a prestar cuidados nesta área  apoiar os profissionais de saúde que se queiram dedicar a esta área da saúde e fortalecer a investigação específica a desenvolver Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 24
  • 25. Em suma Os cuidados paliativos são sinónimo de vida e qualidade Alívio dos sintomas Apoio psicossocial Esperança Honestidade Abertura Trabalho em equipa Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 25
  • 26. “Qualquer perda, quando chega, vem sempre cedo de mais…“ Morrie Schwartz in “As terças com Morrie” e “Amar e Viver ” Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 26
  • 27. Enfº Manuel Luís / ICS-UCP (2012) 27