No Pain, No Change - A Gestão Visual Apoiando a Melhoria Contínua

1.689 visualizações

Publicada em

O ser humano não muda simplesmente por mudar. Sair da "zona de conforto" não é tarefa espontânea e natural, mas a gestão visual pode ser um forte aliado para apoiar o processo de mudanças e de melhoria contínua em uma organização.

Essa é uma palestra sem receita de bolo, mas com explicações coerentes do comportamento humano que farão você perceber o caminho a seguir nesse processo de mudanças e como a gestão visual pode ajudá-lo nesse sentido.

No Pain, No Change - A Gestão Visual Apoiando a Melhoria Contínua

  1. 1. A Gestão Visual apoiando a Melhoria Contínua Ester Lima de Campos Agile Brazil 2014 No Change!
  2. 2. Moral da História?
  3. 3. A Zona de Conforto é um dos bloqueios a mudança
  4. 4. No Change!
  5. 5. O sábio conhecia o potencial das pessoas para impulsionar a mudança
  6. 6. MotivadosSede de Mudança
  7. 7. Resistênciaa mudanças
  8. 8. Por onde começar? Como promover a mudança?
  9. 9. Pessoas não mudam simplesmente porque você quer. Não é assim que o cérebro funciona.
  10. 10. -Hábito -
  11. 11. Experimentos Início dos anos 90 [1] The Power of Habit. Duhigg, Charles, Randon House, 2012.
  12. 12. Atividade Cerebral [1] The Power of Habit. Duhigg, Charles, Randon House, 2012.
  13. 13. -Hábito - “Forma que o cérebro tem de economizar energia.”[1]
  14. 14. “O hábito é uma escolhaque fizemos deliberadamenteem algum momento, e que depois deixamos de pensar sobre e continuamos fazendo com frequência.” [1]
  15. 15. “O cérebro deixa de participar integralmente do processo de decisão.”[1]
  16. 16. Organizações também possuem hábitos. Ou melhor: -Rotinas -
  17. 17. TROCARa rotinaMANTER o mesmo gatilho e recompensa
  18. 18. FrameworkIdentifique a rotinaExperimente outras recompensasIsole a pistaTenha um plano
  19. 19. Que a mudança é possível de ser realizável
  20. 20. DeterminaçãoouApoio de um grupo
  21. 21. É o suficiente?
  22. 22. “Há duas formas de se aprender: pelo AMOR ou pela DOR.” meu pai
  23. 23. O VALOR que damos a mudança é proporcionala DOR que sentimos, ou sentiremos se não mudarmos. Valor Dor
  24. 24. Transformar crises em oportunidades de desenvolver o hábito correto.
  25. 25. A solução é esperar “dar ruim”?
  26. 26. Arrumar formas de incutir a dor para motivar a mudança.
  27. 27. Associar a “não mudança” a dor. Mostrar a dor de não mudar.
  28. 28. GESTÃO VISUAL-Seu forte aliado -
  29. 29. Um Framework”zinho” básico! : )
  30. 30. Qual o meu status Quo?
  31. 31. Você tem um plano? Onde você quer chegar?
  32. 32. TransparecerEvidenciar
  33. 33. Pequenas mudançasajudam a deixar em forma para mudanças radicais
  34. 34. -Celebre pequenas vitórias-Exponha casos de sucesso-Deixe que pessoas compartilhem suas paixões, sentimentos e conhecimentos-Faça com que a mudança ative os motivadores intrínsecos das pessoas
  35. 35. -Quadro Scrum ou kanban-Quadro de sentimentos-Gráficos de métricas ou progressos-Canvas (feedback, business model, decisão, learning, etc) -Score dos times (gamification)
  36. 36. “As pessoas mudam seus comportamentos quando novos comportamentos são desejados” [2]
  37. 37. No Pain, No Change
  38. 38. Sim! É possível mudar!
  39. 39. OBRIGADA! Ester Lima de Campos @estercasadoesterlima@gpetec.com.br
  40. 40. Referências: [1] The Power of Habit. Duhigg, Charles, Randon House, 2012. [2] Management 3.0. Appelo, Jurgen, Addison-Wesley, 2011. [3] Who am I? Steven Reiss, Berkley Trade, 2002. [3] Leading Lean Software Development. Poppendieck, Mary et.al., Addison-Wesley, 2009. [4] Making Innovation Work. Davila, Tony et.al., School Pub, 2006.
  41. 41. Rocky BalboaRocky IV (1985)

×