Ministério da Saúde
Secretaria de Vigilância à Saúde
Secretaria de Atenção à Saúde
Departamento de Atenção Básica
Coordena...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

Projeto SBBrasil 2010
José Gomes Temporão
Ministro da Saúde
Alber...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

Sumário
1.

Introdução .............................................
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

1. Introdução
Os três grandes levantamentos nacionais realizados ...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

um referencial teórico-metodológico. Além disso, fornecerá subsíd...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

2.1.4.

Condição da oclusão dentária

Com base nos objetivos dest...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

Porto Velho
Rio Branco
Manaus
Boa Vista

Região
Norte

x 5 grupos...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

domínio (Capital e Interior por região) a média e o respectivo de...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

2.2.5.

Inferências

O delineamento proposto assegurará a produçã...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

c) realizar reuniões técnicas com os instrutores de calibração;
d...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

Roraima

Maranhão

Amapá

n=1

n =5

n=2

Piauí
n=2

Ceará
n=6

R...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

Tabela 1. Municípios da amostra de acordo com Centro Colaborador,...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

levantamento. Também serão convidados a enviar representantes as ...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

os manuais produzidos para o Projeto SB2010 a serem utilizados pe...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

4.2. Providenciar as informações necessárias para o
delineamento ...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

•

Escolas previamente contactadas para servirem como campo de tr...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

•

Uma pinça

•

Luvas e máscaras em quantidade suficiente para o...
Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal

7.

HOLMGREN C. CPITN: Interpretations and limitations. Int Dent ...
Sb brasil2010 manual_coordenador
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sb brasil2010 manual_coordenador

972 visualizações

Publicada em

Manual

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
972
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sb brasil2010 manual_coordenador

  1. 1. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância à Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Nacional de Saúde Bucal Manual do Coordenador Municipal Brasília, DF Setembro de 2009
  2. 2. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal Projeto SBBrasil 2010 José Gomes Temporão Ministro da Saúde Alberto Beltrame Secretário de Atenção à Saúde Claunara Schilling Mendonça Diretora do Departamento de Atenção Básica Gilberto Alfredo Pucca Jr. Coordenador de Saúde Bucal Comitê Técnico Assessor em Vigilância em Saúde Bucal Angelo Giuseppe Roncalli da Costa Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Lenildo de Moura Coordenação Geral de Doenças e Agravos Não-Transmissíveis/SVS/MS Marco Aurélio Peres Universidade Federal de Santa Catarina Maria do Carmo Matias Freire Universidade Federal de Goiás Maria Ilma de Souza Gruppioni Côrtes Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC-MG Mario Vianna Vettore Escola Nacional de Saúde Pública – ENSP-Fiocruz Paulo Capel Narvai Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo – FSP/USP Paulo Sávio Angeiras de Góes Universidade de Pernambuco – FOP-UPE Samuel Jorge Moysés Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC-PR Coordenação Executiva do SBBrasil nos Centros Colaboradores e Ministério da Saúde Cláudia Helena Soares de Morais Freitas Centro Colaborador da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN Nilcema Figueiredo Centro Colaborador da Faculdade de Odontologia da Universidade de Pernambuco – FOP-UPE Sandra Cristina Guimarães Bahia Reis Centro Colaborador da Universidade Federal de Goiás – UFG Rafaela da Silveira Pinto Centro Colaborador da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC-MG Elisete Casotti Centro Colaborador da Escola Nacional de Saúde Pública – ENSP-Fiocruz Regina Auxiliadora de Amorim Marques Centro Colaborador da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo – FSP/USP Antonio Carlos Nascimento Centro Colaborador da Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUC-PR Karen Glazer de Anselmo Peres Centro Colaborador da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC Moacir Paludetto Jr. Coordenação de Saúde Bucal/DAB/SAS/MS Lenildo de Moura Coordenação Geral de Doenças e Agravos Não-Transmissíveis/SVS/MS Coordenação Geral Angelo Giuseppe Roncalli da Costa Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN Assessoria em Amostragem Nilza Nunes da Silva Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP) 3
  3. 3. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal Sumário 1. Introdução .................................................................................................... 5 2. Características da Pesquisa .............................................................................. 5 2.1. Condições a serem pesquisadas ................................................................ 6 2.1.1. Cárie Dentária ............................................................................ 6 2.1.2. Condição Periodontal ................................................................... 6 2.1.3. Traumatismo dentário.................................................................. 6 2.1.4. Condição da oclusão dentária ........................................................ 7 2.1.5. Fluorose Dentária ........................................................................ 7 2.1.6. Edentulismo ............................................................................... 7 2.1.7. Condição socioeconômica, utilização de serviços odontológicos e autopercepção de saúde bucal ...................................................... 7 2.2. Plano Amostral ....................................................................................... 7 2.2.1. 2.2.2. Segundo estágio: sorteio dos domicílios a serem percorridos ............. 8 2.2.3. Tamanho da Amostra .................................................................. 8 2.2.4. Idades-índices e grupos etários ..................................................... 9 2.2.5. 3. Domínios e Unidades Primárias de Amostragem (UPA)...................... 7 Inferências ............................................................................... 10 Operacionalização do Projeto ......................................................................... 10 3.1. Fluxograma Operacional ........................................................................ 10 3.2. Fases da Pesquisa ................................................................................. 13 3.2.1. 3.2.2. Segunda Fase: Reuniões técnicas com os instrutores de calibração ................................................................................ 14 3.2.3. Terceira Fase: Treinamento das equipes locais .............................. 14 3.2.4. Quarta Fase: Coleta de dados ..................................................... 15 3.2.5. Quinta fase: Tabulação dos dados ............................................... 15 3.2.6. 4. Primeira Fase: Oficinas de trabalho com Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e os Centros Colaboradores ........................... 13 Sexta fase: Análise dos dados e elaboração do relatório ................. 15 O Trabalho do Coordenador Municipal.............................................................. 15 4.1. Participar da oficina de trabalho com todos os componentes envolvidos no projeto. ............................................................................................... 15 4.2. Providenciar as informações necessárias para o delineamento amostral ........ 16 4.3. Identificação e recrutamento das equipes de campo. ................................. 16 4.4. Organizar o local e infra-estrutura para realização da pesquisa .................... 16 4.4.1. Na fase de treinamento das equipes locais .................................... 16 4.4.2. Na fase de coleta de dados ......................................................... 17 4.5. Manter comunicação atualizada com a Coordenação Estadual ...................... 17 4.6. Gerenciar o uso do instrumental a ser utilizado. ........................................ 17 5. Cronograma ................................................................................................ 18 6. Referências ................................................................................................. 18 4
  4. 4. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal 1. Introdução Os três grandes levantamentos nacionais realizados em 1986, 1996 e 2003 foram de grande relevância para a construção de uma consistente base de dados relativa ao perfil epidemiológico de saúde bucal da população brasileira. Contudo, é fundamental que a realização destes estudos faça parte de uma estratégia inserida no componente de vigilância à saúde da Política de Saúde, na perspectiva da construção de uma série histórica de dados de saúde bucal com o objetivo de verificar tendências, planejar e avaliar serviços. A Política Nacional de Saúde Bucal – Brasil Sorridente – se constitui num marco na história das Políticas Públicas no Brasil na medida em que incorpora uma agenda em discussão desde o Movimento pela Reforma Sanitária Brasileira e traduz, em seus pressupostos operacionais, os princípios do Sistema Único de Saúde. Ao trabalhar os eixos da atenção à saúde bucal a partir do incremento da atenção básica por meio da Estratégia Saúde da Família, da implementação dos Centros de Especialidades Odontológicas como elemento estruturante da atenção secundária, além das ações de caráter coletivo, o Brasil Sorridente se insere no conjunto de programas estratégicos na atual Política de Saúde. Dentre os pressupostos dessa política, que visam à reorientação do modelo de atenção à saúde bucal, destacam-se: (a) “utilizar a Epidemiologia e as informações sobre o território subsidiando o planejamento” e (b) “centrar a atuação na Vigilância à Saúde, incorporando práticas contínuas de avaliação e acompanhamento dos danos, riscos e determinantes do processo saúde doença”. Tais pressupostos devem, portanto, ser postos em prática a partir de diversas estratégias, dentre elas a realização de pesquisas epidemiológicas de base nacional. Desse modo, a Pesquisa Nacional de Saúde Bucal – Projeto SBBrasil 2010 faz parte de um processo histórico que se ampliou e se aprofundou com o Projeto SBBrasil 2003, o qual proporcionou um dos mais completos diagnósticos da saúde bucal dos brasileiros. Pretende-se, com este projeto, dar continuidade a esse processo, realizando uma pesquisa em moldes semelhantes, de maneira a construir uma série histórica, contribuindo para as estratégias de avaliação e planejamento dos serviços, ao mesmo tempo em que consolida um modelo metodológico e demarca o campo de atuação do componente de vigilância à saúde da Política Nacional de Saúde Bucal. Do ponto de vista operacional, o SBBrasil 2010 possui uma lógica de organização em que os diferentes níveis de gestão do SUS (Municipal, Estadual e Federal) trabalham articuladamente, com a coordenação técnica dos Centros Colaboradores em Vigilância à Saúde e com o apoio de entidades de classe, universidades e centros de pesquisa. Este Manual do Coordenador Municipal tem a principal função de subsidiar a atuação da coordenação local da pesquisa, orientando as principais ações que devem ser tomadas, em nível do município, para o bom andamento do projeto. Deverá servir, portanto, como um guia para o trabalho do coordenador municipal e da sua equipe. Lembramos, também, que as situações eventualmente não contempladas aqui deverão ser discutidas e resolvidas com as coordenações estaduais e com a coordenação técnica do Centro Colaborador. 2. Características da Pesquisa O Projeto SBBrasil 2010 tem, como objetivo principal, conhecer as condições de saúde bucal da população brasileira em 2010, subsidiar o planejamento e a avaliação das ações e serviços junto ao Sistema Único de Saúde e manter uma base de dados eletrônica para o componente de vigilância à saúde da Política Nacional de Saúde Bucal. Como desdobramento disso, espera-se que o projeto permita subsidiar pesquisas que visem o estabelecimento de relações entre os dados encontrados e a realidade socioeconômica e demográfica da população brasileira, além de contribuir para o desenvolvimento da investigação epidemiológica a partir da construção e consolidação de 5
  5. 5. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal um referencial teórico-metodológico. Além disso, fornecerá subsídios relativos à Saúde Bucal aos profissionais da área da saúde, educação, planejamento e administração. Trata-se de uma pesquisa de base nacional, com representatividade para as capitais de estado e o distrito federal e para as cinco regiões administrativas (Norte, Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste). Do ponto de vista de sua estratégia metodológica, compõe um estudo com base em uma amostra de indivíduos residentes em 177 municípios, nos quais serão realizados exames bucais e aplicados questionários para avaliar a prevalência e a gravidade dos principais agravos bucais, assim como fatores relacionados à situação socioeconômica, acesso a serviços odontológicos e percepção de saúde. Com relação ao componente operacional, esta pesquisa se constitui em um estudo coordenado e financiado pelo Ministério da Saúde, com a participação das secretarias estaduais e municipais de saúde, entidades odontológicas, universidades e institutos de pesquisa, articulados pela Coordenação Nacional de Saúde Bucal, por intermédio do seu Comitê Técnico Assessor para Vigilância em Saúde Bucal (CTA) e dos Centros Colaboradores em Vigilância em Saúde Bucal. Os Centros Colaboradores foram criados com o intuito de dar suporte aos estados e municípios nas questões relativas ao eixo da Vigilância em Saúde Bucal da Política Nacional de Saúde. Dentre suas atribuições está a de coordenar tecnicamente o Projeto SBBrasil 2010 em articulação com as secretarias e entidades parceiras 2.1. Condições a serem pesquisadas A proposição dos índices a serem utilizados neste estudo e as devidas adequações dos mesmos, atendem às recomendações da OMS na 4a edição de seu Manual de Instruções para Levantamento Epidemiológico Básico em Saúde Bucal (WHO, 1997). Além dos índices tradicionais para aferição dos agravos bucais, será aplicado, também, um questionário aos indivíduos examinados em domicílios, o qual contém questões relativas à caracterização socioeconômica, à utilização de serviços odontológicos e morbidade bucal autoreferida e à autopercepção de saúde bucal. 2.1.1. Cárie Dentária Será utilizado o índice preconizado pela OMS (WHO, 1997), de onde se pode inferir o CPO-D médio (dentição permanente) e o ceo-d (dentição decídua). Através do registro das necessidades de tratamento, pode-se identificar, além necessidades propriamente ditas, a presença de lesões não cavitadas (mancha branca presente) e os diferentes níveis da doença ativa (cárie de esmalte, cárie de dentina e cárie próxima à polpa). Portanto, uma maior qualificação do índice pode ser proporcionada pela combinação das distintas necessidades de tratamento. 2.1.2. Condição Periodontal Será empregado do Índice CPI – que é a proposta atual da OMS onde são suprimidas as necessidades de tratamento -, complementado pelo exame da Perda de Inserção Periodontal (PIP) para população adulta e idosa. As condições relativas ao CPI deverão ser codificadas separadamente, possibilitando a observação da prevalência de cada condição especificamente (sangramento, cálculo e bolsa). 2.1.3. Traumatismo dentário É importante que o traumatismo dentário seja avaliado como uma medida específica, em separado. Para tanto serão utilizados apenas os critérios que indiquem sinais de fratura coronária e avulsão dentária. Para este exame, serão considerados os incisivos superiores e inferiores permanentes. 6
  6. 6. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal 2.1.4. Condição da oclusão dentária Com base nos objetivos deste projeto, propõe-se a aplicação dos critérios do Índice de Estética Dental (DAI), para avaliação das anormalidades dentofaciais, na idade de 12 anos e na faixa etária de 15 a 19 anos. A oclusão na dentição decídua será verificada pela aplicação do índice proposto pela OMS em sua versão anterior (3a edição), sendo, ainda, incorporados os critérios de Foster e Hamilton (1969) para a dentição decídua, baseado na avaliação da Chave de Caninos, Sobressaliência, Sobremordida e Mordida Cruzada Posterior. 2.1.5. Fluorose Dentária Para registro da ocorrência de fluorose, e seguindo as recomendações da OMS, será utilizado o Índice de Dean, com o exame dos dois dentes mais afetados e um escore a ser registrado. 2.1.6. Edentulismo Na prática, a avaliação do uso e necessidade de prótese ajuda a entender o agravo “edentulismo”, servindo, ao mesmo tempo, para estimar a gravidade do problema pela análise conjunta dos dados de uso e necessidade e para subsidiar ações de planejamento a partir da análise das necessidades. A verificação da necessidade de prótese deve incluir uma avaliação da qualidade da prótese quando a mesma está presente. Os dois índices não são excludentes, ou seja, é possível estar usando e também necessitar de uma prótese. 2.1.7. Condição socioeconômica, utilização de serviços odontológicos e autopercepção de saúde bucal Na população que será pesquisada em domicílios, será aplicado um questionário no sentido de avaliar condições subjetivas importantes que ajudarão a compreender o processo saúde-doença bucal, bem como avaliar a condição socioeconômica e de utilização de serviços, contribuindo, desse modo, para uma melhor estruturação da rede assistencial. O questionário constará de três blocos: (a) caracterização demográfica e socioeconômica; (b) utilização de serviços odontológicos e morbidade bucal referida e (c) autopercepção e impactos em saúde bucal. 2.2. Plano Amostral O Brasil, com sua dimensão territorial bastante ampla e diversificada, exige um desenho amostral de características complexas. Em se tratando de uma pesquisa de base nacional, deve-se buscar uma melhor alternativa que permita a geração de dados representativos do território nacional considerando suas diversidades. Serão descritos a seguir os procedimentos relativos à definição dos domínios e Unidades Primárias de Amostragem, bem como ao tamanho da amostra. 2.2.1. Domínios e Unidades Primárias de Amostragem (UPA) O Plano Amostral constará de domínios relativos às capitais e municípios do interior. Cada capital de Unidade da Federação (Estados e Distrito Federal) comporá um domínio e cada região um outro, representativo dos municípios do interior. Desse modo, teremos 27 domínios de capital mais 5 domínios de interior, um para cada região, num total de 32. Em cada um desses, 5 grupos etários serão analisados (veja Figura a seguir). 7
  7. 7. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal Porto Velho Rio Branco Manaus Boa Vista Região Norte x 5 grupos etários Belém Macapá Palmas São Luís Interior: 30 mun. Teresina Fortaleza Região Nordeste Natal João Pessoa Recife x 5 grupos etários Maceió Aracaju Região Centro-Oeste Salvador Interior: 30 mun. Cuiabá Belo Horizonte Goiânia x 5 grupos etários Vitória Campo Grande Região Sudeste Brasília Rio de Janeiro x 5 grupos etários São Paulo Interior: 30 mun. Interior: 30 mun. Curitiba Região Sul Florianópolis Porto Alegre x 5 grupos etários Interior: 30 mun. Figura 1. Esquema do processo de composição da amostra. Em cada domínio serão utilizadas 30 Unidades Primárias de Amostragem (UPA). No caso do domínio “capital” a UPA será o setor censitário e no domínio “interior” será o município. Neste último serão utilizados 30 UPA, portanto foram sorteados 30 municípios do interior em cada região. No caso das capitais, foram sorteados 30 setores censitários em cada município, exceto para os casos em que o número de domicílios a ser percorrido por setor passa de 25. 2.2.2. Segundo estágio: sorteio dos domicílios a serem percorridos O papel fundamental das coordenações municipais se dará a partir dessa etapa, quando ocorre o segundo estágio de sorteio e são definidos os domicílios que devem ser percorridos para a obtenção dos exames. Nas capitais e nos municípios de grande porte (de características semelhantes às capitais), cada coordenador municipal deverá receber os setores censitários sorteados, o número de domicílios que deve ser percorrido e a técnica de percurso nos setores. Para o caso de municípios do interior de menor porte populacional, as informações de mapeamento por setores censitários nem sempre estão disponíveis. Nestes casos, delineamentos específicos deverão ser elaborados. A regra geral é que se deve procurar, de algum modo, chegar a um modelo de mapeamento em que os domicílios possam ser identificados e sorteados. Em municípios com alta cobertura do Programa Saúde da Família, por exemplo, podem ser usados os mapas deste Programa para identificar os domicílios e consequentemente, realizar o sorteio, percorrê-los e examinar os indivíduos residentes. O coordenador técnico do Centro Colaborador responsável pelo município, auxiliado pela assessoria em amostragem do Projeto SBBrasil, fornecerão as orientações necessárias à coordenação municipal. 2.2.3. Tamanho da Amostra O tamanho da amostra tomou como base a gravidade da cárie dentária estimada pelo CPO-D, de acordo com os dados do SBBrasil 2003. Para cada grupo etário e cada 8
  8. 8. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal domínio (Capital e Interior por região) a média e o respectivo desvio-padrão do CPO-D (ou ceo-d para o caso de 5 anos) foi utilizado como referência para o cálculo do tamanho da amostra associado ao uma determinada margem de erro. Considerando as proporções populacionais em cada domínio, foi, então, calculado o número de domicílios a serem percorridos para a obtenção do “n” requerido. Durante a oficina de treinamento das equipes locais, cada equipe de cada município receberá a informação a respeito de quantos domicílios terá que pesquisar, o modo como deverá percorrer o setor censitário ou equivalente e quantos indivíduos deverá, aproximadamente, encontrar em cada grupo etário. 2.2.4. Idades-índices e grupos etários A Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere, para estudos de saúde bucal, a composição da amostra em determinadas idades-índice e grupos etários os quais serão utilizados na presente pesquisa com algumas modificações. As descrições colocadas a seguir foram retiradas parcialmente da 4a edição do Manual da OMS, de 1997. 5 anos. Esta idade é de interesse em relação aos níveis de doenças bucais na dentição decídua, uma vez que podem exibir mudanças em um período de tempo menor que a dentição permanente em outras idades-índice, além de ser usada internacionalmente para aferição do ataque de cárie em dentes decíduos. 12 anos. Esta idade é especialmente importante, pois foi escolhida como a idade de monitoramento global da cárie para comparações internacionais e o acompanhamento das tendências da doença. 15 a 19 anos. Considerando a possibilidade de comparação com os dados de 1986 e levando-se em conta, ainda, que, ao se trabalhar com idades restritas como 15 e 18 anos dificulta-se bastante o delineamento amostral (em função da sua proporção no conjunto da população), foi definido manter a faixa etária de 15 a 19 anos. Caso se deseje uma análise mais apurada de cada idade em particular, pertencente a este intervalo, os dados poderão ser agregados por porte ou região ou ainda outra variável que permita este nível de análise. 35 a 44 anos. Este grupo etário é o grupo padrão para avaliação das condições de saúde bucal em adultos. O efeito total da cárie dentária, o nível de gravidade do envolvimento periodontal e os efeitos gerais do tratamento prestado podem ser monitorados usando-se dados deste grupo etário. 65 a 74 anos. Este grupo etário tem se tornado mais importante com as mudanças na distribuição etária e no aumento da expectativa de vida que vem ocorrendo em muitos países. Os dados deste grupo são necessários tanto para o planejamento adequado do tratamento para os mais idosos como para o monitoramento dos efeitos gerais dos serviços odontológicos prestados a uma população. Os indivíduos de cada grupo etário e idade-índice serão avaliados com relação às doenças bucais explicitadas anteriormente e de acordo com o Quadro a seguir. Quadro 1. Condições e idades/grupos etários a serem pesquisados Idade / Grupo Etário (anos) Cárie Dentária Coroa Raiz Traumatismo Dentário Condição Periodontal CPI PIP 5 12 15 a 19 35 a 44 65 a 74 9 Fluorose Condição de oclusão dentária OMS (1987) DAI Edentulismo
  9. 9. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal 2.2.5. Inferências O delineamento proposto assegurará a produção de inferências para estimar o ataque de cárie dentária para cada uma das cinco macrorregiões e para cada capital, considerando cada idade ou grupo etário. 3. Operacionalização do Projeto 3.1. Fluxograma Operacional O modelo operacional do SBBrasil 2010 tem como base uma pesquisa em que as diversas esferas de gestão do SUS (federal, estadual e municipal) estão diretamente envolvidas, além da participação das entidades odontológicas, instâncias de pactuação, de controle social, universidades e institutos de pesquisa. A estratégia para a sua condução obedecerá ao seguinte fluxograma. Ministério de Saúde Coordenação Nacional de Saúde Bucal Comitê Técnico Assessor Centro Colaborador em Vigilância à Saúde Bucal Secretarias Estaduais de Saúde Universidades/ Institutos de Pesquisa Grupo Gestor do SB Secretarias Municipais de Saúde Relação de apoio e assessoramento Vinculação constitucional Figura 2. Fluxograma operacional do Projeto SBBrasil 2010. A Coordenação Nacional de Saúde Bucal é o gestor principal do Projeto, responsável pela sua oficialização nos Estados e Municípios e pela sua pactuação como um eixo do componente transversal da Vigilância em Saúde da Política Nacional de Saúde Bucal. Ao Comitê Técnico Assessor foi incumbida à tarefa de construir o projeto técnico e operacional da pesquisa e de dar suporte para que os Centros Colaboradores a operacionalize. A coordenação executiva do projeto se dará a partir dos 8 (oito) Centros Colaboradores espalhados em quatro regiões (Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-Oeste). Em cada um destes Centros, há um responsável pela articulação dos Estados e Municípios que lhe foram designados, a fim de executar conjuntamente as etapas previstas. Em cada Secretaria Estadual de Saúde deverá ser designado um coordenador estadual da pesquisa e, em cada Secretaria Municipal envolvida, um coordenador municipal. São atribuições: Do Centro Colaborador a) Trabalhar dando apoio às Coordenações Estaduais, Municipais e Instituições parceiras na realização da pesquisa em cada Estado; b) realizar as Oficinas de Trabalho com as Coordenações Estaduais, Municipais e Instituições parceiras; 10
  10. 10. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal c) realizar reuniões técnicas com os instrutores de calibração; d) coordenar a distribuição (para a Coordenação Estadual do Projeto) instrumental a ser utilizado na pesquisa e seu posterior recolhimento; do e) acompanhar os Planos de Trabalho Estaduais e Municipais; f) analisar os dados coletados e elaborar relatório final do Projeto - tarefa conjunta dos Centros Colaboradores. Da Coordenação Estadual da Pesquisa a) Trabalhar em conjunto com Centro Colaborador nas diferentes etapas da pesquisa no Estado; b) solicitar a identificação dos coordenadores municipais da pesquisa e convocá-los sempre que necessário; c) identificar e convidar, junto com o Centro Colaborador, os potenciais parceiros (Instituições de Ensino Superior, Associações, etc) para a primeira Oficina de Trabalho do Projeto; d) disponibilizar local e infra-estrutura para realização das etapas de trabalho com características estaduais (oficinas e reunião técnica de calibração); e) definir, junto as instituições parceiras e as coordenações municipais, os responsáveis pela etapa de calibração em cada município; f) coordenar a execução do Plano de Trabalho Estadual para realização do Projeto SBBrasil 2010, apoiando os municípios; g) manter comunicação atualizada com o Centro Colaborador informando o andamento das etapas previstas, os avanços e as dificuldades; h) coordenar a distribuição, para os municípios, do instrumental utilizado na pesquisa e seu recolhimento e envio ao Centro Colaborador de referência. Da Coordenação Municipal da Pesquisa a) Trabalhar em conjunto com a Coordenação Estadual nas diferentes etapas da pesquisa no município; b) identificar a equipe de campo (examinadores/anotadores) – preferencialmente servidores do SUS – e garantir sua liberação para participação na pesquisa; c) disponibilizar local e infra-estrutura para realização das etapas de trabalho com características municipais; d) dar suporte para a participação dos parceiros – especialmente na fase de calibração; e) coordenar a execução do Plano de Trabalho Municipal para realização do Projeto SBBrasil 2010 e realizar a supervisão de campo das equipes de exame; f) manter comunicação atualizada com a Coordenação Estadual informando o andamento das etapas previstas, os avanços e as dificuldades; g) receber o instrumental a ser utilizado na pesquisa e providenciar, ao final da coleta de dados, seu recolhimento e envio à Coordenação Estadual do Projeto; 11
  11. 11. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal Roraima Maranhão Amapá n=1 n =5 n=2 Piauí n=2 Ceará n=6 Rio G. do Norte n=3 Pará Amazonas n = 17 n=6 Paraíba n=3 Pernambuco n=6 Tocantins n=4 Mato Grosso Acre Sergipe Rondônia CC FOP-PE – Recife (23) n=2 Goiás n=4 CC UFRN – Natal (25) n=2 n = 10 n = 10 n=3 Alagoas Bahia n = 16 Minas Gerais Mato Grosso n = 11 do Sul n=7 São Paulo CC UFG – Goiânia (21) CC PUC-MG – B. Horizonte (21) n = 16 Espírito Santo n=2 Rio de Janeiro n=5 Paraná n = 12 Sta. Catarina CC Fiocruz – Rio de Janeiro (18) n=8 CC FSP-USP – São Paulo (29) Rio G. do Sul n = 13 CC PUC-PR – Curitiba (19) CC UFSC – Florianópolis (21) Figura 3. Centros Colaboradores e respectivo número de municípios e estados. Os municípios a serem pesquisados terão o número de equipes de campo (composta por um examinador e um anotador) definido em função do seu porte populacional. Municípios do primeiro estrato (até 20 mil habitantes) trabalharão com 2 equipes; os do segundo estrato (20 a 50 mil) com 3 equipes; os do terceiro estrato (de 50 a 150 mil) com 4 equipes; os do quarto estrato (mais de 150 mil) com 5 equipes e as capitais contarão com 10 equipes. Na Tabela a seguir, estão descritos os municípios da pesquisa de acordo com o porte e Estado, distribuídos pelos Centros Colaboradores, com o respectivo número de equipes. 12
  12. 12. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal Tabela 1. Municípios da amostra de acordo com Centro Colaborador, Estado, porte e número de equipes a serem utilizadas na pesquisa. Centro Colaborador RN (UFRN) UF Centro Colaborador PE (FOP-UPE) Município Até 20 mil São Francisco do Pará 2 20 a 50 mil Concórdia do Pará 3 Jacareacanga 3 Juruti PA Porte Eq. UF 3 Mãe do Rio Rondon do Pará 50 a 150 mil 3 4 Até 20 mil Cametá UF Luís Domingues 2 Cururupu Imperatriz São Luís Até 20 mil Castelo do Piauí Capital CE 10 Teresina Catunda Marco Mauriti Cafarnaum 2 Capital Palmas 10 Ibirapitanga 3 Até 20 mil Edealina 2 Serra do Ramalho 3 Mundo Novo 2 Livramento de N. Senhora 3 Campinorte 2 Uruana GO 2 2 4 2 4 3 Campos Belos 20 a 50 mil Camaçari 6 Salvador 10 Alvorada de Minas 2 3 Claro dos Poções 2 4 Grão Mogol 2 Mais de 150 mil Juazeiro do Norte Capital Fortaleza Ananindeua 6 Até 20 mil Jupi 2 Planaltina 6 20 a 50 mil Gameleira 3 Novo Gama 4 Santarém Belém 50 a 150 mil Macapá 6 Santana Capital 50 a 150 mil Abreu e Lima Alto do Rodrigues 2 Parnamirim Capital Natal Até 20 mil Alagoinha 25 10 SE 4 10 120 Viçosa 3 Maceió 10 Até 20 mil Arauá Aracaju 23 Porte RO Até 20 mil Seringueiras Aparecida de Goiânia 117 Goiânia Machadinho D'Oeste 3 Vilhena Capital Porto Velho Até 20 mil Ipixuna 20 a 50 mil Barreirinha Brasília 10 21 91 Centro Colaborador PR (PUC-PR) UF Porte PR Até 20 mil 21 87 Eq. UF Lobato 2 Porte SC Até 20 mil 2 Município Eq. Rio das Antas 2 São José do Cedro 2 2 Planalto 2 20 a 50 mil São Joaquim 3 Quatro Barras 2 50 a 150 mil Laguna 4 Capital Rio Branco Até 20 mil Bento de Abreu Engenheiro Coelho 2 20 a 50 mil Dois Córregos 3 Presidente Epitácio 3 Cosmópolis 4 SP 4 10 50 a 150 mil 10 20 a 50 mil Manaus 4 Bragança Paulista 10 Mais de 150 mil 10 4 Rio Claro MS 6 Até 20 mil Curitiba Capital Florianópolis Até 20 mil Erval Grande 2 Sinimbu 2 Blumenau RS 6 10 Santa Rita do Pardo 2 Aparecida do Taboado Ibirubá 2 Teutônia 3 Santo Antônio da Patrulha 3 50 a 150 mil Carazinho 4 3 Guarujá 6 Coxim Aquidauana 3 Alegrete 3 6 6 10 20 a 50 mil 2 Terenos 20 a 50 mil 6 6 Bauru 10 4 Itajaí 4 6 Tubarão Mais de 150 mil 4 São José dos Pinhais Londrina Capital 6 Taboão da Serra 4 Francisco Beltrão Foz do Iguaçu 4 Capital 3 3 Arapongas Mais de 150 mil 4 Ribeirão Pires 50 a 150 mil Goioerê Lapa 2 São João da Boa Vista Linhares Total 4 4 Boa Vista 10 Cruzeiro do Sul 3 Vitória 6 Belo Horizonte Manoel Urbano Tefé Capital Município Uberlândia Capital Até 20 mil Iranduba Capital 6 Centro Colaborador SC (UFSC) Vera Cruz do Oeste Eq. 50 a 150 mil 50 a 150 mil 6 Betim Município 3 ES 4 Porte 2 RR 4 UF Eq. 50 a 150 mil Parintins Curvelo Passos Sete Lagoas 10 Capital Total 2 10 50 a 150 mil Mais de 150 mil 6 Capital DF 3 6 6 3 Oliveira 4 Luziânia Anápolis 10 Centro Colaborador SP (FSP-USP) 2 20 a 50 mil RJ Trindade Mais de 150 mil Paraopeba 50 a 150 mil UF AM 4 20 a 50 mil AC Centro Colaborador RJ (Fiocruz) Município 20 a 50 mil Total AL 2 Sousa João Pessoa Total Recife Capital 6 Capital 6 Capital 10 50 a 150 mil 4 Caruaru Capital 4 Até 20 mil 50 a 150 mil Salgueiro Mais de 150 mil 10 Mais de 150 mil PB MG 4 10 4 4 Até 20 mil Goianésia Mais de 150 mil Itapetinga Teixeira de Freitas Capital Parauapebas RN 50 a 150 mil 3 3 Morrinhos 6 20 a 50 mil 2 Itapuranga Itaberaí 4 Capital Eq. Gurupi 4 PE Município Aiquara Tucuruí AP Até 20 mil Caldeirão Grande São Félix do Xingu Mais de 150 mil Porte BA 2 50 a 150 mil 3 Aracati UF 2 2 20 a 50 mil Centro Colaborador MG (PUC-MG) Eq. Brejinho de Nazaré 10 Até 20 mil Município Goiatins 2 50 a 150 mil 4 Até 20 mil 6 Capital PI TO 3 Mais de 150 mil Porte 2 4 Igarapé-Miri Centro Colaborador GO (UFG) Eq. 20 a 50 mil 4 Capitão Poço Município Trizidela do Vale 3 Breves MA 3 Oeiras do Pará Porte 4 Bagé 6 6 20 a 50 mil Pinheiral 3 Osasco 6 50 a 150 mil Corumbá 50 a 150 mil Maricá 4 Campinas 6 Capital Campo Grande 10 Pelotas 6 Mais de 150 mil Niterói 6 Santos 6 Total 19 77 Novo Hamburgo 6 Duque de Caxias 6 Capital Rio de Janeiro 10 Total 18 Capital 98 MT Até 20 mil São Paulo 10 Nova Santa Helena 2 Ribeirão Cascalheira 10 21 95 2 Mirassol d'Oeste 3 Juara 50 a 150 mil Porto Alegre Total 2 São José do Rio Claro 20 a 50 mil Capital 2 Marcelândia 4 4 Rio Grande Gravataí Mais de 150 mil 3 Alta Floresta 4 Cáceres 4 Mais de 150 mil Várzea Grande Capital Cuiabá Total 29 6 10 132 3.2. Fases da Pesquisa 3.2.1. Primeira Fase: Oficinas de trabalho com Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde e os Centros Colaboradores Num primeiro contato entre a Coordenação Nacional de Saúde Bucal e os Estados e Municípios participantes da amostra do SB2010, estes serão comunicados sobre o projeto e da importância de sua participação. Também serão solicitados a indicar coordenadores (estadual e municipal) que, vale lembrar, não necessariamente correspondem aos coordenadores estaduais e municipais de saúde bucal. Deverão ser profissionais que, de preferência, tenham alguma experiência em estudos epidemiológicos ou que se disponham a trabalhar nesta área. Ficará claro que o Estado ou o município dará todo o apoio a este profissional, liberando-o para responder pelas atividades relativas ao SB2010 em seu Estado ou município. Os coordenadores locais do Projeto (estadual e municipais) serão reunidos em oficinas de trabalho, dirigidas pelo Centro Colaborador, na sede das coordenações estaduais, ou em outro local mais apropriado, para detalhamento do processo de operacionalização do 13
  13. 13. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal levantamento. Também serão convidados a enviar representantes as faculdades de Odontologia do(s) estado(s) participante(s), as entidades de classe (ABO, CRO, Sindicatos, entre outras), FUNASA e demais parceiros loco-regionais. Estas oficinas terão a duração de 8 a 16 horas e ocorrerão em número necessário para cobrir todos os Estados e Municípios, o que pode ficar em torno de uma oficina por Estado. Na oficina que ocorrerá no Estado de Santa Catarina, por exemplo, estarão presentes o coordenador do Centro Colaborador da UFSC, o coordenador estadual do levantamento (indicado pelo coordenador estadual ou ele próprio), os coordenadores municipais de todos os municípios sorteados no Estado de Santa Catarina e representantes das Faculdades de Odontologia e das entidades. São etapas da Oficina: a) apresentar as características gerais do projeto; b) discutir as atribuições do Centro Colaborador e das Coordenações (estadual e municipal); c) definir as Instituições parceiras e detalhar as atribuições de cada uma; d) apresentar a metodologia amostral e, fundamentalmente, as peculiaridades de cada Município; e) definir Plano de Trabalho e responsabilidades para as próximas etapas. A ideia básica é que os coordenadores estaduais do projeto se capacitem a conduzir o levantamento em seus respectivos estados e os coordenadores municipais do projeto estejam aptos para trabalhar com suas equipes locais. O objetivo, portanto, dessa primeira Oficina é constituir um grupo de trabalho capaz de assumir a condução da pesquisa de forma parceira e articulada. Assim, é esperado que os coordenadores estaduais e municipais do projeto, atendendo suas atribuições, exerçam as funções de articulação das equipes loco-regionais e, junto com o Centro Colaborador, desenvolvam o cronograma pactuado. As faculdades de Odontologia e entidades de classe poderão oferecer apoio técnicocientífico colaborando, particularmente, na indicação de instrutores de calibração. Ainda que um dos objetivos do Projeto SB2010 seja capacitar os municípios nas atividades de epidemiologia em saúde bucal, em algumas situações será avaliada a necessidade de deslocamento de equipes de examinadores de municípios de maior porte até aqueles sem condições (ausência de dentista na cidade, por exemplo). 3.2.2. Segunda Fase: Reuniões técnicas com os instrutores de calibração Definidos os instrutores de calibração em cada Município, estes se reunirão novamente com o coordenador do Centro Colaborador para que seja discutido o processo de treinamento das equipes locais, buscando uma padronização do processo de calibração, incluindo todos os critérios dos índices a serem utilizados no levantamento. Este processo terá uma operacionalização semelhante ao da fase anterior, no que diz respeito aos locais e Estados participantes, sendo que, neste momento, participarão, apenas, o coordenador do Centro Colaborador e os instrutores de calibração. Será designado 1 instrutor para cada 2 municípios em média. Dependendo das características dos municípios e da logística de deslocamento entre eles, esse número pode ser alterado. 3.2.3. Terceira Fase: Treinamento das equipes locais Nesta fase, os instrutores de calibração, que, dependendo do caso, poderão ser os próprios coordenadores municipais, coordenadores estaduais ou ainda professores de faculdades de Odontologia ou profissionais de entidades de classe, conduzirão o treinamento das equipes locais ou microrregionais. O treinamento terá como referência 14
  14. 14. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal os manuais produzidos para o Projeto SB2010 a serem utilizados pela equipe de campo que fará os exames. 3.2.4. Quarta Fase: Coleta de dados Nesta fase, uma vez que as equipes locais já estão devidamente treinadas, se dará início à coleta de dados. Os exames ocorrerão, conforme detalhado no projeto, em domicílios sorteados previamente, de acordo com as características de cada município. A seqüência com que estes exames ocorrerão será definida, de acordo com a realidade local. Após o sorteio dos elementos amostrais é fundamental visitar a área para estabelecer a estratégia de abordagem, identificar os recursos e as atividades para divulgação do trabalho, a fim de obter a colaboração da população, aspecto fundamental para o êxito do estudo. 3.2.5. Quinta fase: Tabulação dos dados Um software de entrada e processamento de dados será desenvolvido nos mesmos moldes do que foi elaborado para o SBBrasil 2003. O processo de digitação ocorrerá de forma centralizada, de modo a padronizar o processo e evitar erros. 3.2.6. Sexta fase: Análise dos dados e elaboração do relatório A equipe de coordenadores dos Centros Colaboradores se responsabilizará pela análise dos dados e elaboração do relatório final. Este relatório constará dos principais dados relativos às macrorregiões brasileiras, sendo que as tabelas básicas seguirão o padrão do Projeto SBBrasil 2003. Todo o banco de dados será posteriormente disponibilizado, via internet ou por solicitação à CNSB, para que outros estudos sejam conduzidos por institutos de pesquisa, faculdades de Odontologia, secretarias estaduais e municipais e outros interessados. O relatório final será amplamente divulgado, com cópias sendo enviadas a todos os Municípios participantes da amostra, às secretarias estaduais, faculdades, entidades, como também à imprensa leiga, para divulgação em todo o território nacional. Os dados serão também enviados à Organização Mundial da Saúde para fazer parte do Global Oral Data Bank (GODB), como dado oficial do Brasil para o período 2009/2010. 4. O Trabalho do Coordenador Municipal Conforme descrito no item 3.1, a boa condução da pesquisa só ocorrerá a partir de um esforço articulado entre os diversos níveis de gestão envolvidos. Detalharemos um pouco mais a partir de agora as tarefas e produtos a serem desenvolvidas pelos coordenadores municipais. 4.1. Participar da oficina de trabalho com todos os componentes envolvidos no projeto. A participação do coordenador nesta primeira oficina é fundamental para que o mesmo tenha conhecimento das características gerais da pesquisa, entenda seu modelo operacional e se aproprie dos conhecimentos necessários para a adequada condução da pesquisa em seu município. Neste sentido, é importante a leitura dos documentos relativos à pesquisa, especialmente este manual e o projeto técnico, disponível na página do SBBrasil na Internet. Toda e qualquer dúvida de caráter técnico deverá ser dirigida ao coordenador técnico do Centro Colaborador responsável pelo município. Estes contatos também estão disponíveis na página do projeto e deverão ser, também, compartilhados por ocasião da primeira oficina. 15
  15. 15. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal 4.2. Providenciar as informações necessárias para o delineamento amostral Como discutido anteriormente, as capitais terão o seu delineamento definido e os coordenadores receberão as informações sobre quais setores percorrer e quais domicílios visitar. O papel do coordenador, nestes casos, é contribuir na organização da logística da pesquisa nos domicílios, ajudando a definir a melhor sequência para as visitas, realizando a distribuição dos setores entre as equipes e articulando parcerias locais (com equipe de Agentes Comunitários, por exemplo). Além disso, deverá procurar viabilizar estratégias de divulgação que facilitem o trabalho das equipes em locais de difícil acesso. Para o caso dos municípios do interior, particularmente aqueles de menor porte populacional, o coordenador municipal deverá coletar o maior número de informações possíveis que facilitem a organização do delineamento da pesquisa. Oportunamente, quando estes delineamentos já estiverem definidos, os coordenadores municipais receberão uma matriz com as informações a serem coletadas. 4.3. Identificação e recrutamento das equipes de campo. Em primeiro lugar, observe na Tabela 1 a quantidade de equipes de campo que serão utilizadas em seu município. Entende-se como equipe de campo, um examinador, que deve ser um Cirurgião-Dentista, e um anotador que deve ser, prefencialmente, um Auxiliar em Saúde Bucal (ASB). Em situações excepcionais, em que este profissional não esteja disponível, podem ser utilizados outros profissionais de nível elementar e médio dos serviços de saúde (como Agentes Comunitários de Saúde, por exemplo). Um aspecto importante que o coordenador municipal deve estar atento é com relação ao perfil destes profissionais. Recomenda-se que esta equipe seja, preferencialmente, formada por pessoas com alguma experiência em levantamentos epidemiológicos de saúde bucal, ou que tenham tido acesso a este tipo de conhecimento em algum momento de sua carreira, como cursos de especialização ou aperfeiçoamento. Além disso, devem ser profissionais com vínculo profissional estabelecido com a secretaria municipal, seja por concurso público, seja mediante contratação via Programa Saúde da Família. Obviamente este é um perfil preferencial e não impeditivo de realização da pesquisa, servindo apenas como um guia para o coordenador municipal. Uma vez identificados os profissionais que participarão do projeto, os mesmos devem ser convidados a se incorporarem à pesquisa e deve ser garantida a sua participação por parte da gestão local. Este é um aspecto relevante que deve ser discutido com a Secretaria Municipal de Saúde, deixando claro que estes profissionais devem estar dedicados integralmente à pesquisa por um período que pode variar de um a dois meses. 4.4. Organizar o local e infra-estrutura para realização da pesquisa 4.4.1. Na fase de treinamento das equipes locais Depois da primeira oficina, a segunda etapa da pesquisa é o treinamento das equipes locais. Em muitas situações, esse treinamento deverá ocorrer no próprio município e serão necessárias algumas providências importantes para dar suporte às atividades de treinamento e calibração: • Um local para o treinamento teórico, que pode ser uma sala com capacidade para até 25 pessoas (para o caso de municípios que exijam 10 equipes, como as capitais). A sala deverá ser equipada com computador e data-show e deve permitir escurecimento parcial, considerando a necessidade de projeção de slides. 16
  16. 16. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal • Escolas previamente contactadas para servirem como campo de treinamento para as idades de 5 e de 12 anos e outros espaços para o treinamento em adolescentes, adultos e idosos. • Condições de deslocamento das equipes para estes locais de treinamento (veículo com motorista). Maiores detalhes sobre essas providências serão acrescentados por parte do instrutor de calibração designado para o treinamento no município. 4.4.2. Na fase de coleta de dados a) Dar o suporte necessário para o trabalho das equipes Neste caso, há dois principais aspectos a serem considerados. Em primeiro lugar, para o caso de municípios de grande porte ou com grandes extensões territoriais, deve ser viabilizada uma logística de transporte para estas equipes. Um segundo aspecto diz respeito à sistemática para o uso adequado dos instrumentais. Para aqueles que exigem esterilização, como as sondas, por exemplo, deve ser estudada a melhor maneira de organizar este processo, definindo uma ou mais Unidades de Saúde onde estes ciclos de esterilização possam ser realizados, de modo a manter um fluxo de exames sem interrupções desnecessárias. Cada equipe de campo receberá instrumental suficiente para a realização de 20 exames sem necessidade de esterilização. Em geral, esse montante é suficiente para um turno de trabalho, de modo que devem ser pensadas alternativas para a realização de ciclos de esterilização entre os turnos da manhã e da tarde. b) Realizar a supervisão de campo A supervisão de campo é um aspecto extremamente importante na execução da pesquisa pois garante que os dados serão coletados de maneira padronizada em todo o país. Uma documentação específica será disponibilizada para o coordenador municipal quando da realização das oficinas de treinamento das equipes locais. 4.5. Manter comunicação atualizada com a Coordenação Estadual Esta comunicação deve ser realizada periodicamente informando o andamento das etapas previstas, os avanços e as dificuldades. Sempre que ocorrer algum imprevisto, tentar resolvê-lo junto à coordenação estadual. Nas situações em que isto não seja possível, entrar em contato com a coordenação técnica do Centro Colaborador. 4.6. Gerenciar o uso do instrumental a ser utilizado. O coordenador municipal receberá o material necessário para cada equipe de campo, composto de: • Duas bolsas para guarda do material de pesquisa • Dois jalecos ou coletes • Dois bonés • Duas garrafas plásticas para água • Dois crachás de identificação • Duas canetas esferográficas • 20 sondas para exame bucal • Espelhos bucais descartáveis em quantidade suficiente para o total de exames requerido • Uma caixa metálica para guarda de material estéril • Uma caixa plástica para guarda de material contaminado 17
  17. 17. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal • Uma pinça • Luvas e máscaras em quantidade suficiente para o total de exames requerido • Uma pasta de abas com elástico • 5 envelopes de papel pardo para acondicionamento das fichas de exame • Fichas e termos de consentimento em quantidade suficiente para o total de exames requerido Para os materiais que devem ser descartados, a coordenação municipal deverá entrar em contato com a Vigilância Sanitária local para estabelecer a melhor estratégia para o descarte destes materiais. Para os outros instrumentais, como sondas, pinças e caixas, ao final do período de coleta de dados, os mesmos deverão ser recolhidos e entregues, esterilizados, à coordenação estadual do projeto. 5. Cronograma Ano/Mês Fase 2009 Jun Jul Ago Set 2010 Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Consulta Pública e submissão ao CEP do Projeto Técnico Delineamento Amostral Oficinas de Treinamento com coordenadores locais Treinamento das equipes de campo Coleta dos dados Análise dos dados Elaboração do Relatório Impressão e divulgação do Relatório 6. Referências 1. BRASIL. Ministério da Saúde - Divisão Nacional de Saúde Epidemiológico em Saúde Bucal: Brasil, zona urbana. 1986. 137p. 2. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Coordenação Nacional de Saúde Bucal. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal. Brasília: 2004 (mimeo). 3. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Projeto SB Brasil 2003: condições de saúde bucal da população brasileira 20022003: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 68 p.: Série C. Projetos, Programas e Relatórios. 4. CONS NC, JENNY J, KOHOUT FJ, SONGPAISAN Y, JOTIKASTIRA D. Utility of the dental aesthetic index in industrialized and developing countries. J Pub Health Dent. 1989; 49(3):163-6. 5. DEAN HT. Classification of mottled enamel diagnosis. J Am Med Assoc1934;21:1421-6. . 6. FEJERSKOV O, MANJI F, BAELUM V, MÖELER IJ. Fluorose dentária: um manual para profissionais de saúde. São Paulo: Santos, 1994. 122 p. 18 Bucal. Levantamento
  18. 18. Projeto SBBrasil 2010 – Manual do Coordenador Municipal 7. HOLMGREN C. CPITN: Interpretations and limitations. Int Dent J 1994; 44(5 (Suppl 1): 533-46. 8. LWANGA SK, LEMESHOW S. Sample size determination in health studies: a practical manual. Geneva: World Health Organization. 1991. 80p. 9. BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde, Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resoluções do Conselho Nacional de Saúde sobre pesquisas envolvendo seres humanos. http://www.datasus.gov.br/conselho/comissoes/etica/Resolucoes.htm. 1999. 10. NARVAI PC, FRAZÃO P, RONCALLI AG, ANTUNES JLF. Cárie dentária no Brasil: declínio, polarização, iniqüidade e exclusão social. Rev Panam Salud Publica. 2006;19(6):385–93. 11. O’BRIEN M. Children’s dental health in the United Kingdom 1993. HMSO London; 1994. 12. PINE C, PITTS NB, NUGENT ZJ. British Association for the study of Community Dentistry (BASCD) guidance on sampling for surveys of child dental health. A BASCD coordinated dental epidemiology programme quality standard. Community Dental Health. 1997;14: (Suppl 1): 1-17. 13. RONCALLI AG. Levantamentos epidemiológicos em saúde bucal no Brasil. In: ANTUNES JLF, PERES MA. Epidemiologia da saúde bucal. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan. 2006. Cap.3, p.32-48. 14. SILVA NN. Amostragem probabilística. São Paulo: EDUSP, 1998.124p. 15. TODD JE, DODD T. Children's dental health in the United Kingdom 1983. HMSO London; 1985. 16. UNITED NATIONS, Department of Economic and Social Affairs, Statistic Division. Household Sample Surveys in Developing and Transition Countries. New York, United Nations Publications, 2005. 655p. 17. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO, Faculdade de Saúde Pública, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Levantamento das Condições de Saúde Bucal - Estado de São Paulo, 1998. Caderno de Instruções. São Paulo, 1998. [mimeo] 18. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Calibration of examiners for oral health epidemiological surveys. Geneva: ORH/EPID, 1993. 19. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Oral health surveys: basic methods. 3 ed. Geneva: ORH/EPID, 1987. 20. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Oral health surveys: basic methods. 4 ed. Geneva: ORH/EPID, 1997. 19

×