Oficina de redação
REQUISITOS BÁSICOS PARAPRODUÇÃO DE UM TEXTO Ter domínio do idioma Conhecer o assunto a ser tratado Conhecer as técnicas.
TIPOS TEXTUAIS   Narração   Descrição   Dissertação argumentativa/ expositiva   Injunção                              ...
NARRAÇÃO É o tipo de texto ( real ou ficcional) no qual é  contada uma história; É explanado um acontecimento, um fato o...
ELEMENTOS DA NARRATIVA   Narrador: é aquele que conta a história. Pode ser:    - narrador-personagem:conta na 1ª pessoa a...
DESCRIÇÃOCaracteriza lugares, pessoas, coisa, dar detalhes. Usada na redação dos termos legais, nos contratos, acordos, e...
CARACTERÍSTICAS DA            DESCRIÇÃO ausência de progressão temporal; presença de adjetivos e locuções adjetivas; pr...
TIPOS DE DESCRIÇÃODescrição objetiva:  A descrição pode ser objetiva, quando é uma fiel reprodução  da realidade, mostrand...
INJUNÇÃOInstrui o leitor, orientando-o na intenção de  transformar o comportamento. Ex: receita de  bolo, bula de remédio,...
EXEMPLO DE TEXTO            Torta Salgada Cremosa                                               Modo de preparoIngredient...
DISSERTAÇÃO   Texto que se propõe desenvolver a capacidade de    reflexão crítica no relacionamento humano. É a    defesa...
TEXTO EXPOSITIVO   O telefone celular    A história do celular é recente, mas remonta ao    passado –– e às telas de cine...
TEXTO ARGUMENTATIVOLer Cícero vale mais que aplicar Botox                                         Paulo Nogueira    O tema...
EXPOR E ARGUMENTARDiscurso expositivo:                             Discurso argumentativo: consiste na apresentação e    ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação1

131 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
131
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação1

  1. 1. Oficina de redação
  2. 2. REQUISITOS BÁSICOS PARAPRODUÇÃO DE UM TEXTO Ter domínio do idioma Conhecer o assunto a ser tratado Conhecer as técnicas.
  3. 3. TIPOS TEXTUAIS Narração Descrição Dissertação argumentativa/ expositiva Injunção Gêneros textuais Telefonema Carta ( comercial, pessoal, eletrônica) Bula de remédio Outdoors Lista de compras Bate-papo Sermão Bilhete Cardápio Edital de concurso Piada Notícias
  4. 4. NARRAÇÃO É o tipo de texto ( real ou ficcional) no qual é contada uma história; É explanado um acontecimento, um fato ocorrido; É também chamado de narrativa; É frequente seu uso em relatórios, petições de direitos, termos de audiência, atas e exposições em geral.
  5. 5. ELEMENTOS DA NARRATIVA Narrador: é aquele que conta a história. Pode ser: - narrador-personagem:conta na 1ª pessoa a história da qual participa também como personagem. - narrador-observador:conta a história do lado de fora, na 3ª pessoa, sem participar das ações - narrador-onisciente:conta a história em 3ª pessoa e, às vezes, permite certas intromissões narrando em 1ª pessoa. Personagens: atuam na narrativa. Podem ser : protagonista/ antagonista Ambiente: espaço físico e social onde é desenvolvida a ação das personagens; plano de fundo, cenário. Tempo: é o elemento fortemente ligado ao enredo, que determina a sequenciação de fatos narrados.pode ser cronológico ( tempo do relógio) ou psicológico( repercussão emocional, estética e psicológica dos personagens. Foco narrativo: diferentes formas de narrar. Pode ser :
  6. 6. DESCRIÇÃOCaracteriza lugares, pessoas, coisa, dar detalhes. Usada na redação dos termos legais, nos contratos, acordos, etc.Exemplo: A moça tinha ombros curvos como os de uma cerzideira. Aprendera em pequena a cerzir. Ela se realizaria muito mais se se desse ao delicado labor de restaurar fios, quem sabe se de seda. Ou de luxo: cetim bem brilhoso, um beijo de almas. Cerzideirinha mosquito. Carregar em costas de formiga um grão de açúcar. Era ela de leve como uma idiota, só que não o era. Não sabia que era infeliz. É porque ela acreditava. Em quê? Em vós, mas não é preciso acreditar em alguém ou em alguma coisa - basta acreditar. Isso lhe dava às vezes estado de graça. Nunca perdera a fé. (Lispector, Clarice. A Hora da Estrela)
  7. 7. CARACTERÍSTICAS DA DESCRIÇÃO ausência de progressão temporal; presença de adjetivos e locuções adjetivas; predomínio de verbos de estado; emprego de figuras de linguagem: metáfora, prosopopéia, sinestesia, antítese etc.; uso de elementos sensoriais: visão, audição, olfato, paladar, tato; emprego de frases nominais (sem verbo). 
  8. 8. TIPOS DE DESCRIÇÃODescrição objetiva: A descrição pode ser objetiva, quando é uma fiel reprodução da realidade, mostrando de forma concreta como é, por exemplo, um objeto. As palavras buscam a exatidão, sem sentimentalismos, para que a idéia precisa seja passada.  Exemplo: “Mônica tem 1,65 de altura e 50 kg. Branca, olhos claros, cabelos castanhos, compridos e lisos.”   Descrição subjetiva: Na descrição subjetiva, o texto procura sensibilizar o leitor através da percepção e da interpretação do observador- redator. A redação fica mais poética, mais lírica. Exemplo: “O sujeitão, que parecia um carro de boi cruzando com trem de ferro, já entrou soltando fogo pela folga do dente de ouro.”  (José Cândido de Carvalho)
  9. 9. INJUNÇÃOInstrui o leitor, orientando-o na intenção de transformar o comportamento. Ex: receita de bolo, bula de remédio, manual de instrução, determinados capítulos de um livro de auto ajuda, etc.1ª parte: descrição dos materiais e circunstâncias que prescindem ao ponto de partida da realização da ação2ª parte: enumeração de procedimentos
  10. 10. EXEMPLO DE TEXTO Torta Salgada Cremosa  Modo de preparoIngredientes Massa Massa 1 copo (americano) de óleo  Coloque os ingredientes no liquidificador 2 copos (americano) de leite nesta ordem: o óleo, o leite, os ovos, a 3 ovos farinha de trigo, o sal, o queijo ralado e o Exemplo de texto fermento. Bata por 3 a 5 minutos mais ou 2 copos (americano) de farinha de trigo menos, até ficar uma massa homogênea. Ela peneirada fica um pouco mais grossa que massa de Sal a gosto panqueca. 100g de queijo parmesão ralado 1 colher (sobremesa) de fermento em pó CoberturaRecheio  Misture o tomate a cebola e tempere com o 1 lata de ervilha 1 lata de milho verde azeite, o sal e o orégano. 300g de queijo cremoso 200g de mussarela cortada em cubinhos Montagem 200g de presunto cortado em cubinhos  Numa assadeira untada e enfarinhada, 100g de champignon despeje metade da massa, coloque o recheioCobertura na ordem: ervilha, milho, champignon, mussarela, presunto e por último espalhe o 3 tomates cortados em cubinhos queijo cremoso com um saco de confeiteiro. 3 cebolas cortadas em cubinhos Junte o restante da massa e por cima a Azeite, sal e orégano a gosto cobertura. Leve ao forno entre médio e alto por mais ou menos 45 minutos, até a massa ficar dourada.
  11. 11. DISSERTAÇÃO Texto que se propõe desenvolver a capacidade de reflexão crítica no relacionamento humano. É a defesa de uma tese, com objetivo de convencer quem lê.
  12. 12. TEXTO EXPOSITIVO O telefone celular A história do celular é recente, mas remonta ao passado –– e às telas de cinema. A mãe do telefone móvel é a austríaca Hedwig Kiesler (mais conhecida pelo nome artístico Hedy Lamaar), uma atriz de Hollywood que estrelou o clássico Sansão e Dalila (1949). Hedy tinha tudo para virar celebridade, mas pela inteligência. Ela foi casada com um austríaco nazista fabricante de armas. O que sobrou de uma relação desgastante foi o interesse pela tecnologia. Já nos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial, ela soube que alguns torpedos teleguiados da Marinha haviam sido interceptados por inimigos. Ela ficou intrigada com isso, e teve a ideia: um sistema no qual duas pessoas podiam se comunicar mudando o canal, para que a conversa não fosse interrompida. Era a base dos celulares, patenteada em 1940.
  13. 13. TEXTO ARGUMENTATIVOLer Cícero vale mais que aplicar Botox Paulo Nogueira O tema da velhice foi objeto de estudo de brilhantes filósofos ao longo dos tempos. Um dos melhores livros sobre o assunto foi escrito pelo pensador e orador romano Cícero: A Arte do Envelhecimento (no Brasil, há uma edição competente da Martins Fontes.) Cícero nota, primeiro, que todas as idades têm seus encantos e suas dificuldades. E depois aponta para um paradoxo da humanidade. Todos sonhamos ter uma vida longa, o que significa viver muitos anos. Quando realizamos a meta, em vez de celebrar o feito, nos atiramos a um estado de melancolia e amargura. "Todos os homens desejam alcançar a velhice, mas ao ficarem velhos se lamentam", escreveu Cícero. "Eis aí a consequência da estupidez." Ler as palavras de Cícero sobre o envelhecimento pode ajudar a aceitar melhor a passagem do tempo. "Os velhos inteligentes, agradáveis e divertidos suportam facilmente a idade, ao passo que a acrimônia, o temperamento triste e a rabugice são deploráveis em qualquer idade." ........................................... (Revista Época, 28 de abril de 2008)
  14. 14. EXPOR E ARGUMENTARDiscurso expositivo: Discurso argumentativo: consiste na apresentação e caracteriza-se por implicar discussão de uma ideia, de o debate, a discussão de um assunto ou doutrina, de uma ideia, assunto ou forma ordenada. doutrina, com o objetivo de Processo demonstrativo, influenciar, persuadir, sem o objetivo de conquistar a adesão do engajamento ou destinatário; convencimento do  Trata-se de uma exposição destinatário. acompanhada de Usa-se linguagem argumentos, provas e reflexiva, denotativa. técnicas de convencimento, de mudanças de ponto de vista.

×