SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
   Neste trabalho, vamos
    falar sobre os provérbios
    e dar a sua definição.
    Também vamos falar
    sobre                  as
    parábolas, definindo-as e
    mostrando         algumas
    delas.
Definição
O provérbio é um pensamento traduzido numa
sentença, muitas vezes expresso como uma advertência, ou
até como uma norma que ―deve‖ ser cumprida. Muitos
provérbios, entretanto, destacam-se mais pela originalidade
da sua forma ou pela maneira como foram construídos do
que pela ideia que encerram em si.
O objetivo de um provérbio é transmitir-nos uma
verdade, fruto da observação e da experiência, de forma
concisa.    Em      poucas    palavras,   condensa      um
pensamento, conselho ou orientação prática, registando
uma significativa quantidade de conhecimento.
A ambição cerra o coração - Não olhamos a meios
para atingir o fim. A ambição consegue tornar-nos
frios, cegos e sem coração.

A justiça tarda, mas não falha – A justiça pode
demorar, mas chega sempre a qualquer hora ou
momento.
   Barco parado não faz viagem – Uma pessoa
    que é preguiçosa não vai chegar longe na vida.

   Boa fama granjeia quem não diz mal da vida
    alheia – É uma pessoa que não se mete na
    vida dos outros .
   Cada macaco no seu galho – Cada pessoa
    na sua vida.

   Cada maluco com a sua mania – cada
    pessoa com a sua vida.

   Cão que ladra não morde – É uma pessoa
    que fala, fala, fala e não faz nada.
Comparação desenvolvida em pequeno
conto, no qual se encerra uma verdade, um
ensinamento.       Trata-se de uma história
curta, cujos elementos são eventos e factos da
vida quotidiana. Esses acontecimentos ilustram
uma verdade moral ou espiritual contida na
história. Os escritores gregos e latinos usaram
a parábola, mas os seus exemplos mais
perfeitos são encontrados na Bíblia.
A VERDADE E A PARÁBOLA
   Um dia, a Verdade decidiu visitar os homens, sem
roupas e sem adornos, tão nua como o seu próprio
nome.
    E todos os que a viam lhe viravam as costas de
vergonha ou de medo, e ninguém lhe dava as boas
vindas.
    Assim, a Verdade percorria os confins da
Terra, criticada, rejeitada e desprezada.
 Uma tarde, muito desconsolada e triste, encontrou a
parábola, que passeava alegremente, trajando um belo
vestido e muito elegante.
 - Verdade, por que estás tu tão abatida? – perguntou a
parábola.
Continuação
 — Porque devo ser muito feia e antipática, já que
os homens me evitam tanto! — respondeu a
amargurada Parábola.
   — Que disparate! — sorriu a Parábola. — Não é
por isso que os homens te evitam . Toma. Veste
algumas das minhas roupas e vê o que acontece.
   Então, a Verdade pôs algumas das lindas
vestes da Parábola, e, de repente, por toda parte
onde passava era bem-vinda e festejada.

Moral da história – Os seres humanos não gostam de
encarar a Verdade sem adornos. Eles preferem – na
disfarçada.
O monge mordido
 Um monge e seus discípulos iam por uma estrada
e, quando passavam por uma ponte, viram um
escorpião sendo arrastado pelas águas. O monge
correu pela margem do rio, meteu-se na água e
tomou o bichinho na mão. Quando o trazia para
fora do rio o escorpião picou-o. Devido à dor, o
monge deixou-o cair novamente no rio. Foi então à
margem, pegou um ramo de árvore, voltou outra
vez a correr pela margem, entrou no rio, resgatou o
escorpião e salvou-o. Em seguida, juntou-se aos
seus discípulos na estrada. Eles haviam assistido à
cena e receberam-no perplexos e penalizados.
Continuação
 — Mestre, o Senhor deve estar muito doente!
Porque foi salvar esse bicho ruim e venenoso?
Que se afogasse! Seria um a menos! Veja
como ele respondeu à sua ajuda: picou a mão
que o salvava! Não merecia a sua compaixão!
         O monge ouviu tranquilamente os
comentários e respondeu: — Ele agiu
conforme a sua natureza e eu de acordo com a
minha.
Moral da história – As pessoas ajudam, mas as
outras, devido à sua natureza, não conseguem
mudar a sua maneira de ser.
Conclusão

Com        este  trabalho
aprendemos que há vários
tipos de provérbios e
parábolas.      Também
aprendemos que cada
provérbio tem o seu
significado e que nas
parábolas há sempre uma
lição de moral.
Fim !!!

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Dentista bh odontologica sao jose
Dentista bh   odontologica sao joseDentista bh   odontologica sao jose
Dentista bh odontologica sao joseDentistaembh
 
Panduan am dan_faktor
Panduan am dan_faktorPanduan am dan_faktor
Panduan am dan_faktorShah Rizal
 
Presentacion final introduccion
Presentacion final introduccionPresentacion final introduccion
Presentacion final introduccionJaime Osorio
 
Painel1 - O contributo dos programas educativos do Geopark Naturtejo para a E...
Painel1 - O contributo dos programas educativos do Geopark Naturtejo para a E...Painel1 - O contributo dos programas educativos do Geopark Naturtejo para a E...
Painel1 - O contributo dos programas educativos do Geopark Naturtejo para a E...CIDAADS
 
Ensayo Anual N°4 De Psu MatemáTica 2009
Ensayo Anual N°4 De Psu MatemáTica 2009Ensayo Anual N°4 De Psu MatemáTica 2009
Ensayo Anual N°4 De Psu MatemáTica 2009henry_try
 
Публичный отчет библиотека шк 17 2013-2014
Публичный отчет библиотека шк 17 2013-2014Публичный отчет библиотека шк 17 2013-2014
Публичный отчет библиотека шк 17 2013-2014school17d
 
Miembro superior. Antebrazo
Miembro superior. AntebrazoMiembro superior. Antebrazo
Miembro superior. Antebrazoguest673fbb5c
 
Presentaciones periodo colonial 4º medio diferenciado
Presentaciones periodo colonial 4º medio diferenciadoPresentaciones periodo colonial 4º medio diferenciado
Presentaciones periodo colonial 4º medio diferenciadoramoncortes
 
ALUMNOS SELECCIONADOS TALLERES PRIMER SEMESTRE 2011
ALUMNOS SELECCIONADOS TALLERES PRIMER SEMESTRE 2011ALUMNOS SELECCIONADOS TALLERES PRIMER SEMESTRE 2011
ALUMNOS SELECCIONADOS TALLERES PRIMER SEMESTRE 2011ramoncortes
 
Apresentação luz do saber prof. kleonilza
Apresentação   luz do saber prof. kleonilzaApresentação   luz do saber prof. kleonilza
Apresentação luz do saber prof. kleonilzaERLONEIDE GOMES
 
2.forma
2.forma2.forma
2.formaakeka
 
La educación pública es posible
La educación pública es posibleLa educación pública es posible
La educación pública es posibleDiego Delso Ramos
 

Destaque (20)

Dentista bh odontologica sao jose
Dentista bh   odontologica sao joseDentista bh   odontologica sao jose
Dentista bh odontologica sao jose
 
RITA LEE
RITA LEERITA LEE
RITA LEE
 
Conecta matemática
Conecta matemáticaConecta matemática
Conecta matemática
 
Panduan am dan_faktor
Panduan am dan_faktorPanduan am dan_faktor
Panduan am dan_faktor
 
Sa mai zimbim
Sa mai zimbimSa mai zimbim
Sa mai zimbim
 
Presentacion final introduccion
Presentacion final introduccionPresentacion final introduccion
Presentacion final introduccion
 
Francisco... 7ºd
Francisco... 7ºdFrancisco... 7ºd
Francisco... 7ºd
 
Painel1 - O contributo dos programas educativos do Geopark Naturtejo para a E...
Painel1 - O contributo dos programas educativos do Geopark Naturtejo para a E...Painel1 - O contributo dos programas educativos do Geopark Naturtejo para a E...
Painel1 - O contributo dos programas educativos do Geopark Naturtejo para a E...
 
President joyce haynes
President joyce haynesPresident joyce haynes
President joyce haynes
 
Ensayo Anual N°4 De Psu MatemáTica 2009
Ensayo Anual N°4 De Psu MatemáTica 2009Ensayo Anual N°4 De Psu MatemáTica 2009
Ensayo Anual N°4 De Psu MatemáTica 2009
 
Публичный отчет библиотека шк 17 2013-2014
Публичный отчет библиотека шк 17 2013-2014Публичный отчет библиотека шк 17 2013-2014
Публичный отчет библиотека шк 17 2013-2014
 
Miembro superior. Antebrazo
Miembro superior. AntebrazoMiembro superior. Antebrazo
Miembro superior. Antebrazo
 
Presentaciones periodo colonial 4º medio diferenciado
Presentaciones periodo colonial 4º medio diferenciadoPresentaciones periodo colonial 4º medio diferenciado
Presentaciones periodo colonial 4º medio diferenciado
 
Lamparas ok
Lamparas okLamparas ok
Lamparas ok
 
ALUMNOS SELECCIONADOS TALLERES PRIMER SEMESTRE 2011
ALUMNOS SELECCIONADOS TALLERES PRIMER SEMESTRE 2011ALUMNOS SELECCIONADOS TALLERES PRIMER SEMESTRE 2011
ALUMNOS SELECCIONADOS TALLERES PRIMER SEMESTRE 2011
 
JQuery
JQueryJQuery
JQuery
 
Apresentação luz do saber prof. kleonilza
Apresentação   luz do saber prof. kleonilzaApresentação   luz do saber prof. kleonilza
Apresentação luz do saber prof. kleonilza
 
NÃO PISE NOS PATOS
NÃO PISE NOS PATOSNÃO PISE NOS PATOS
NÃO PISE NOS PATOS
 
2.forma
2.forma2.forma
2.forma
 
La educación pública es posible
La educación pública es posibleLa educación pública es posible
La educación pública es posible
 

Semelhante a Provérbios e Parábolas: Ensinamentos Condensados

Semelhante a Provérbios e Parábolas: Ensinamentos Condensados (14)

Fabulas e parábolas
Fabulas e parábolasFabulas e parábolas
Fabulas e parábolas
 
Evangelho animais 26
Evangelho animais 26Evangelho animais 26
Evangelho animais 26
 
MyBrainMagazine 12
MyBrainMagazine 12MyBrainMagazine 12
MyBrainMagazine 12
 
Aula de redaçao fabula - parabola - apologo
Aula de redaçao   fabula - parabola - apologoAula de redaçao   fabula - parabola - apologo
Aula de redaçao fabula - parabola - apologo
 
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e ApólogoRedação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
 
Respeitar as diferencas
Respeitar as diferencasRespeitar as diferencas
Respeitar as diferencas
 
D 11.pptx
D 11.pptxD 11.pptx
D 11.pptx
 
Exegese Poética
Exegese PoéticaExegese Poética
Exegese Poética
 
Historias que edificam animando vencedores
Historias que edificam   animando vencedoresHistorias que edificam   animando vencedores
Historias que edificam animando vencedores
 
Agrissênior Noticias Nº 585 - 16 de agosto 2016
Agrissênior Noticias Nº 585 - 16 de agosto 2016Agrissênior Noticias Nº 585 - 16 de agosto 2016
Agrissênior Noticias Nº 585 - 16 de agosto 2016
 
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 547 an 27 outubro_2015.ok (1)
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 547 an 27 outubro_2015.ok (1)AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 547 an 27 outubro_2015.ok (1)
AGRISSÊNIOR NOTÍCIAS - Nº 547 an 27 outubro_2015.ok (1)
 
A-Sombra-Humana-Emídio-Carvalho.pdf
A-Sombra-Humana-Emídio-Carvalho.pdfA-Sombra-Humana-Emídio-Carvalho.pdf
A-Sombra-Humana-Emídio-Carvalho.pdf
 
Exegese Poética 2
Exegese Poética 2Exegese Poética 2
Exegese Poética 2
 
Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]
Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]
Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]
 

Mais de escrevermais (20)

TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
TG
TGTG
TG
 
T.G.
T.G.T.G.
T.G.
 
T.G.
T.G.T.G.
T.G.
 
T.G.
T.G.T.G.
T.G.
 
T.G. David, Diogo, Tiago, 7ºD
T.G. David, Diogo, Tiago, 7ºDT.G. David, Diogo, Tiago, 7ºD
T.G. David, Diogo, Tiago, 7ºD
 
Francisco nº7 7ºd... provérbios
Francisco nº7 7ºd... provérbiosFrancisco nº7 7ºd... provérbios
Francisco nº7 7ºd... provérbios
 
Francisco nº7 7ºd... provérbios
Francisco nº7 7ºd... provérbiosFrancisco nº7 7ºd... provérbios
Francisco nº7 7ºd... provérbios
 
Francisco nº7 7ºd... provérbios
Francisco nº7 7ºd... provérbiosFrancisco nº7 7ºd... provérbios
Francisco nº7 7ºd... provérbios
 
Lendas...
Lendas...Lendas...
Lendas...
 
Francisco nº7 7ºd provérbios
Francisco nº7 7ºd provérbiosFrancisco nº7 7ºd provérbios
Francisco nº7 7ºd provérbios
 

Provérbios e Parábolas: Ensinamentos Condensados

  • 1.
  • 2. Neste trabalho, vamos falar sobre os provérbios e dar a sua definição. Também vamos falar sobre as parábolas, definindo-as e mostrando algumas delas.
  • 3. Definição O provérbio é um pensamento traduzido numa sentença, muitas vezes expresso como uma advertência, ou até como uma norma que ―deve‖ ser cumprida. Muitos provérbios, entretanto, destacam-se mais pela originalidade da sua forma ou pela maneira como foram construídos do que pela ideia que encerram em si. O objetivo de um provérbio é transmitir-nos uma verdade, fruto da observação e da experiência, de forma concisa. Em poucas palavras, condensa um pensamento, conselho ou orientação prática, registando uma significativa quantidade de conhecimento.
  • 4. A ambição cerra o coração - Não olhamos a meios para atingir o fim. A ambição consegue tornar-nos frios, cegos e sem coração. A justiça tarda, mas não falha – A justiça pode demorar, mas chega sempre a qualquer hora ou momento.
  • 5. Barco parado não faz viagem – Uma pessoa que é preguiçosa não vai chegar longe na vida.  Boa fama granjeia quem não diz mal da vida alheia – É uma pessoa que não se mete na vida dos outros .
  • 6. Cada macaco no seu galho – Cada pessoa na sua vida.  Cada maluco com a sua mania – cada pessoa com a sua vida.  Cão que ladra não morde – É uma pessoa que fala, fala, fala e não faz nada.
  • 7. Comparação desenvolvida em pequeno conto, no qual se encerra uma verdade, um ensinamento. Trata-se de uma história curta, cujos elementos são eventos e factos da vida quotidiana. Esses acontecimentos ilustram uma verdade moral ou espiritual contida na história. Os escritores gregos e latinos usaram a parábola, mas os seus exemplos mais perfeitos são encontrados na Bíblia.
  • 8. A VERDADE E A PARÁBOLA Um dia, a Verdade decidiu visitar os homens, sem roupas e sem adornos, tão nua como o seu próprio nome. E todos os que a viam lhe viravam as costas de vergonha ou de medo, e ninguém lhe dava as boas vindas. Assim, a Verdade percorria os confins da Terra, criticada, rejeitada e desprezada. Uma tarde, muito desconsolada e triste, encontrou a parábola, que passeava alegremente, trajando um belo vestido e muito elegante. - Verdade, por que estás tu tão abatida? – perguntou a parábola.
  • 9. Continuação — Porque devo ser muito feia e antipática, já que os homens me evitam tanto! — respondeu a amargurada Parábola. — Que disparate! — sorriu a Parábola. — Não é por isso que os homens te evitam . Toma. Veste algumas das minhas roupas e vê o que acontece. Então, a Verdade pôs algumas das lindas vestes da Parábola, e, de repente, por toda parte onde passava era bem-vinda e festejada. Moral da história – Os seres humanos não gostam de encarar a Verdade sem adornos. Eles preferem – na disfarçada.
  • 10. O monge mordido Um monge e seus discípulos iam por uma estrada e, quando passavam por uma ponte, viram um escorpião sendo arrastado pelas águas. O monge correu pela margem do rio, meteu-se na água e tomou o bichinho na mão. Quando o trazia para fora do rio o escorpião picou-o. Devido à dor, o monge deixou-o cair novamente no rio. Foi então à margem, pegou um ramo de árvore, voltou outra vez a correr pela margem, entrou no rio, resgatou o escorpião e salvou-o. Em seguida, juntou-se aos seus discípulos na estrada. Eles haviam assistido à cena e receberam-no perplexos e penalizados.
  • 11. Continuação — Mestre, o Senhor deve estar muito doente! Porque foi salvar esse bicho ruim e venenoso? Que se afogasse! Seria um a menos! Veja como ele respondeu à sua ajuda: picou a mão que o salvava! Não merecia a sua compaixão! O monge ouviu tranquilamente os comentários e respondeu: — Ele agiu conforme a sua natureza e eu de acordo com a minha. Moral da história – As pessoas ajudam, mas as outras, devido à sua natureza, não conseguem mudar a sua maneira de ser.
  • 12. Conclusão Com este trabalho aprendemos que há vários tipos de provérbios e parábolas. Também aprendemos que cada provérbio tem o seu significado e que nas parábolas há sempre uma lição de moral.