SlideShare uma empresa Scribd logo
Projeto Político-Pedagógico
EE RAMONA DA SILVA PEDROSO
PPP 2012
1 - Identificação
Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso
CNPJ: 02.585.924/0183-31
Rua: Adroaldo Pizzini nº 2750
Jardim Santo André
CEP: 79.810-100
Telefone: 67.3421.3000
Dourados – MS.
Entidade Mantenedora: Secretaria de Estado de Educação
CNPJ 02.585.924/0183-31
Parque dos Poderes
Bloco V
Campo Grande – MS.
Modalidades de Ensino:
Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação Profissional - Curso Técnico em Agronegócio –
Eixo Tecnológico: Recursos Naturais – Educação Profissional Técnica em Nível Médio.
Diretora: Vaste Leonel de Souza Contato
Diretora Adjunta: Vânia Viegas Wolff Cardoso
Secretária: Nadir Oliveira Souza
2 - Apresentação do PPP
Neste documento registramos todas as perspectivas, objetivos, planejamentos e ações do
nosso fazer pedagógico.
O desejo de todos, hoje, é a democracia participativa, sendo que isso ocorreu durante a
construção deste projeto.
Não resta dúvida de que planejar é adaptar, revolucionar, mudar, transformar, a prática
educativa, no entanto, isso só é possível com a participação coletiva.
Essa participação ocorreu através de atividades desenvolvidas pela escola, sendo
impulsionada pela Secretaria de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul.
Nessa perspectiva, o diálogo, a comunicação, a interação, foram fatores relevantes para o
intercâmbio de experiências, vivências, integrações entre os envolvidos.
Com a apresentação da Proposta Pedagógica aqui realizada, firma-se o real compromisso
de trabalhar a realidade existente com a realidade desejada.
Todas as atividades discutidas pela comunidade estão aqui elencadas, tendo a necessidade
de um acompanhamento e coordenação na sua implantação e concretização. Não é nada pronto e
acabado. Tudo é passivo da nova avaliação e redirecionamento, visando o aperfeiçoamento do
trabalho.
Parabenizamos e agradecemos todos àqueles que colaboraram e não mediram esforços para a
concretização deste documento.
Registrou - se todas as perspectivas, objetivos, planejamentos e ações do fazer pedagógico. O
desejo de todos e a marca principal da escola é a democracia participativa, inclusive na construção
do projeto político-pedagógico.
A crença que se nutre é de que planejar é adaptar, revolucionar, mudar, transformar a
prática educativa, no entanto, isso só é possível com a participação coletiva.
A participação é um valor da escola, ocorreu através de atividades desenvolvidas pela
escola, envolvendo pais, alunos, professores, funcionários administrativos, coordenação e direção
escolar sendo impulsionada pela Secretaria de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul.
A perspectiva teórica dotada defende o diálogo, a comunicação, a interação, e são fatores
relevantes para o intercâmbio de experiências, vivências, integrações entre os envolvidos.
No projeto político-pedagógico, apresenta-se o objetivo da escola que é firmar o real
compromisso de trabalhar a realidade existente com a realidade desejada.
Todas as atividades discutidas pela comunidade e elencadas, têm necessidade de
acompanhamento e coordenação na sua implantação e concretização. A missão buscada é de
perceber que nada está pronto e acabado. Tudo é passivo da nova avaliação e redirecionamento,
visando o aperfeiçoamento do trabalho.
Parabenizamos e se agradecemos a todos aqueles que colaboraram e não mediram
esforços para a concretização do projeto político-pedagógico.
A Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso, situada à Rua Adroaldo Pizzini n. 2.750, no
Jardim Santo André, município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul, tem o nome em
homenagem a uma das pioneiras da cidade.
Quando da época da construção em 1987, o Estado precisava do espaço físico para
edificação da escola, sabendo disso, a família de Dona Ramona prontificou-se imediatamente a doar
o terreno; o Estado e a comunidade homenagearam-na, intitulando a escola em Escola Estadual de
Ramona da Silva Pedroso.
A unidade já passou por um período difícil, de uma clientela de 1.200 (um mil e duzentos
alunos) chegou a ter quinhentos e poucos, pois lhe faltava planejamento e gestão participativa.
Em 2002, com a implantação da Educação de Jovens e Adultos - EJA reconquistou-se não
só a clientela, mas o prestígio. Desenvolveu-se projetos articulados com as famílias, recuperou-se a
estrutura física com releitura de obras de arte pintadas no muro, com o apoio da comunidade
calçou-se as ruas de acesso e fez-se a recuperação da pintura das salas de aula. Hoje, continua-se
com uma clientela de 855 (oitocentos e cinquenta alunos), o que deixou - se sempre atenta a
comunidade escolar, ao que se deve oferecer e com que qualidade fazê-lo.
Ao iniciar o ano letivo de 2009, já se tinha em mente o que ainda precisava melhorar na
unidade escolar tanto na questão física quanto pedagógica.
A unidade escolar no ano de 2012, de caráter público atende a uma clientela heterogênea,
formada por855 (oitocentos e cinquenta e cinco) alunos, todos regularmente matriculados. Fica
alojada numa região onde o poder aquisitivo é de classe média baixa, necessita de um grande
trabalho em equipe para superar e vencer os desafios, que são muitos.
A Escola conta com uma equipe de 39 (trinta e nove) funcionários administrativos e 52
(cinquenta e dois) professores, dos quais 33 (trinta e três) são efetivos e 19 (dezenove) convocados,
todos cheios de boa vontade e que faz a escola ser preferência por todos na região.
Nesse contexto montou-se uma equipe para coletar sugestões, traçar metas e ações
conjuntas que deem resultados positivos, seja social, pedagógico, cultural e educacional, e resultem
na melhoria do ensino e da aprendizagem durante o ano letivo de 2012.
A equipe é formada pela direção com as professoras Vaste Leonel de Souza Contato e
Vânia Viegas Wolff Cardoso, as coordenadoras pedagógicas Catarina Flor e Silva, Geisa Borges
Held Tobias e Jair Isaias Santana, , a PROGETEC, os alunos do Ensino Fundamental, Médio e
curso técnico em agronegócios bem como os pais que abraçaram o causa e foram à luta na intenção
de melhorar cada vez mais o desempenho e aprendizado de nossos alunos.
3 - Missão
Garantir a qualidade no processo de ensino aprendizagem, fortalecendo e respeitando a
diversidade de cada cidadão.
4 - Visão
Ser referência em educação pela qualidade dos serviços prestados, por meio de ações
inovadoras, da valorização, do respeito, do cumprimento dos preceitos legais e da ética.
5 - Valores
• Busca permanente da qualidade dos serviços educacionais prestados à comunidade;
• Potencialização das ações inovadoras na busca de um ensino de qualidade;
• Valorização, respeito e cumprimento dos princípios legais e da convivência;
• Valorização nos aspectos profissional e humano.
6 - Diagnóstico
6.1 - Situação socioeconômica e educacional da comunidade
Esta Unidade Escolar tem um papel de destaque social a ser descrito. Portadores
de uma comunidade escolar constituída de todos os segmentos, raças e credos
podemos, colocar em evidência a escola que realmente faz inclusão. Atendemos,
regularmente a todos que n os procuram assim especificamente da zona urbana,
da rural são 96 (noventa e seis ) alunos temos 30 (trinta) alunos com necessidade
educacional especial e para atendê-los com dignidade, a escola em parceria com
a Associação de Pais e Mestres, reformou e equipou uma sala especial contendo
uma mesa grande com 12 (doze) lugares, todos com assentos almofadados,
aparelho de som, ar condicionado adquirido com o PDDE, dois computadores,
scanner e impressora via MEC/SED e dois professores com graduação e pós-
graduação específica para lidar com a clientela do ensino fundamental do 1º ao 5º
ano. E um professor de Língua Portuguesa e um de Matemática para atender os
alunos do 6º ao 9º ano e Ensino Médio. Isto tem feito com que os alunos tenham
prazer em frequentar a sala, melhorando sua aprendizagem, e alguns inclusive,
têm recebido alta.
No aspecto cultural para melhor atendimento da comunidade escolar a escola tem
desenvolvido projetos oferecidos pela Secretaria Estadual de Educação envolvendo teoria e prática
tais como: Projeto de Xadrez. Projeto de Ginástica Rítmica (GR), caratê e Judô, Projeto de
Treinamento de Futsal e Handebol, todos realizados no contra turno do aluno e aos sábados.
Contamos também com a participação da UEMS com o Projeto do PIBID em Educação Física e
Biologia onde temos a participação dos estagiários desta conceituada universidade com apoio às
aulas dos professores Educação Física e Biologia, com apoio a organização de gincanas. Tivemos
também com os estagiários de física a observação da lua através do aparelho de observação. Foi
instituído no ano de 2012 o Currículo melhorado para o Ensino Médio diurno aumentando uma hora
aula diária (seis aulas). Temos também o PDE (Plano de Desenvolvimento Escolar) ações
pedagógicas para a melhoria de qualidade do ensino fundamental e o PJF (Plano de Ação Jovem de
Futuro) gestão escolar para resultados para alunos do ensino médio regular. Contamos ainda com a
parceria da UNIGRAN com o Projeto de Extensão de Serviço Social na Escola a partir do ano de
2011, onde são desenvolvidos atendimentos a alunos e pais e realizados encaminhamentos às redes
assistenciais com atendimento sócio assistencial. A prática profissional a ser desenvolvida pelo
Projeto de extensão na escola consiste em coletar informações, por meio de avaliação sócio-
econômica, haja vista definição de estratégias e o instrumental técnico a ser utilizado pela Equipe
do Serviço-Social. As ações possuem caráter investigativo e interventivo, em busca de uma visão
crítico-analítico na identificação das problemáticas. Contamos também com o Projeto “Trânsito na
Escola” Formação do jovem condutor tendo como objetivo a formação teórica para a prova teórica
do DETRAN. Sendo uma parceria entre o DETRAN/MS e a Secretaria de Estado de Educação. No
ano de 2012 foi feita a eleição do Grêmio Estudantil com a participação de todos os alunos do 6º ao
9º ano e Ensino Médio da escola cujo objetivo é a participação dos alunos no processo escolar, nas
festas escolares como tivemos neste mesmo ano a participação já do grêmio na colaboração da festa
das mães com o ensaio de músicas com as crianças do 1º ao 5º ano para a apresentação na festa das
mães. Na festa junina da escola também o grêmio participou com uma barraca e ensaio da quadrilha
maluca. Também contamos com a participação do grêmio estudantil na hora cívica uma vez por
semana com os alunos do ensino fundamental e médio.
Muitas são as ações executadas com o objetivo de tornar a escola eficaz, como se pode conferir a
seguir:
a – Palestra educativa, Noite de louvor e Coleta e Doação de Alimentos Para Entidades Sociais, foi
enviado para as famílias dos alunos de baixa renda;
b – o rendimento escolar é discutido e analisado pelo conselho de classe envolvendo direção,
coordenação, professor e aluno, e exposto para os pais, através de reuniões, gráficos e boletim
escolar;
a – aulas em forma de projetos com o objetivo de reforço e recuperação de aprendizagem;
as decisões importantes são discutidas e tomadas em conjunto pelo Colegiado Escolar e APM que
administram em conjunto a escola, e tudo é registrado em livro ata para apresentação à comunidade
interna e externa;
e – para aperfeiçoamento e melhoria do currículo são feitas reuniões de estudo e hora atividade
sempre com o apoio da coordenação pedagógica, também se mantém parcerias com a UEMS,
UNIGRAN, UFGD, SESC e Escola de Informática, que auxiliam no processo ensino e
aprendizagem
No aspecto físico da escola, o que já era trabalhado anteriormente à atual gestão, manteve-se. São
realizados mutirões para limpeza, reparos, calçamentos e releitura de obras de arte no muro, com o
objetivo de manter a beleza do espaço interior e exterior. A manutenção e jardinagem da escola
continuam sendo feitas pela comunidade, nos dias de mutirão muitas crianças participam,
aprendendo a mexer na terra e a cuidar das plantas. Nossa Unidade Escolar de caráter estritamente
público atende a uma clientela que conta com um número de 895 (oitocentos e noventa e cinco)
alunos, regularmente matriculados no ensino fundamental, médio, distribuídos em 14 (catorze) salas
de aula.
No período diurno atende-se 769 (setecentos e sessenta e nove alunos), sendo 592
(quinhentos e noventa e dois alunos) do ensino fundamental e 128 (cento e vinte e oito ) do ensino
médio regular; e 49 no Ensino Técnico em Agronegócios – Eixo Tecnológico: Recursos Naturais –
Educação Profissional Técnica de Nível Médio.
6.2 - Histórico da escola
A Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso, situada à Rua Adroaldo Pizzini n. 2.750, no
Jardim Santo André, município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul, tem o nome em
homenagem a uma das pioneiras da cidade, senhora Ramona da Silva Pedroso.
Na época da construção em 1987, o Estado precisava do espaço físico para edificação da escola,
sabendo disso, a família de Dona Ramona prontificou-se imediatamente a doar o terreno; o Estado e
a comunidade homenagearam-na, intitulando a escola em Escola Estadual de Ramona da Silva
Pedroso.
A unidade já passou por um período difícil, de uma clientela de 1.200 (um mil e duzentos
alunos) chegou a ter quinhentos e poucos, pois lhe faltava planejamento e gestão participativa.
Em 2002, com a implantação da Educação de Jovens e Adultos - EJA reconquistou-se não
só a clientela, mas o prestígio, desenvolveu-se projetos articulados com as famílias, recuperou-se a
estrutura física com releitura de obras de arte pintadas no muro, com o apoio da comunidade
calçou-se as ruas de acesso e fez-se a recuperação da pintura das salas de aula. Hoje, continua-se
com uma clientela de 855 (oitocentos e cinquenta alunos), o que deixou-se sempre atenta a
comunidade escolar, ao que se deve oferecer e com que qualidade fazê-lo.
Ao iniciar-se o ano letivo de 2009, já se tinha em mente o que ainda se precisava
melhorar na unidade escolar tanto na questão física quanto pedagógica.
A unidade escolar no ano de 2012, de caráter estritamente público atende a uma clientela
heterogênea, formada por 855 (oitocentos e cinquenta e cinco) alunos, todos regularmente
matriculados. Fica alojada numa região onde o poder aquisitivo é de classe média baixa, necessita
de um grande trabalho em equipe para superar e vencer os desafios, que são muitos.
Desse número de funcionários e professores, montou-se uma equipe para coletar
sugestões, traçar metas e ações conjuntas que deem resultados positivos, seja social, pedagógico,
cultural e educacional, e resultem na melhoria do ensino e da aprendizagem durante o ano letivo de
2012.
A equipe é formada pela direção com as professoras Vaste Leonel de Souza Contato e Vânia Viegas
Wolff Cardoso, as coordenadoras pedagógicas Catarina Flor e Silva, Geisa Borges Held Tobias e
Jair Isaias de Santana, Progetec, pais, alunos do Ensino Fundamental e Médio, que abraçaram o
projeto e foram à luta.
6.3 - Situação física da escola
O espaço físico da unidade escolar é limitado a 14 (quatorze) salas de aula, sendo 12
(doze) padrão que comporta 35 (trinta e cinco) alunos e 02 (duas) com no máximo 20
(vinte) alunos. Somos uma escola inclusiva, atendemos uma clientela com
necessidades educacionais especiais, porém nosso ambiente não é acessível; faltam-
nos rampas de acesso, pois o terreno é extremamente irregular, com muitas escadas
para subir e descer e isto dificulta o aluno com necessisdade especial, além ainda de
não haver sinalizações para os portadores de baixa visão ou cegos. Quanto a
iluminação faz-se necessário a substituição das janelas ou adequação do sistema
elétrico, onde possamos aumentar a capacidade de força, quanto a ventilação,
podemos dizer que os ambientes são bem ventilados, pois todas as salas de aula e
administrativas têm ar condicionado e ventiladores, as demais instalações estão
abaixo relacionadas,
01 sala para as aulas de reforço escolar
01 sala de recursos multifuncional.
01 sala adaptada para biblioteca.
01 sala para os professores.
01 sala para direção.
02 salas para coordenação
01 sala para Coordenação de Área.
01 sala para vídeo
01 sala para a secretaria
01 pátio coberto
01 sala para depósito
01 cantina
01 banheiro masculino.
01 banheiro feminino.
01 banheiro para deficiente físico
01 sala para Laboratório de Informática.
03 depósitos
04 banheiros para os alunos.
01 quadra coberta
Ainda é necessário construirmos:
01 sala ampla para arte
01 espaço adequado para biblioteca.
01 sala para material pedagógico
01 sala ampla para Laboratório de Informática.
Assim teríamos espaços perfeitos para nossas práticas pedagógicas.
6.4 - Corpo docente / pedagógico / técnico / administrativo
Nosso corpo docente é formado por 39 (trinta e nove) professores, dos quais 21(vinte e
um) são efetivos e 18 (dezoito) convocados, desse total temos: o grupo de funcionários
administrativos é constituído por 24 (vinte e quatro), onde apenas 02 (duas) não possem ensino
Médio,. A
CORPO DOCENTE
Cargo Nome Curso/Habilitação
Área de
atuação
Profª
Efetiva
Andréia Kropf
de S. Pyrrho Pedagogia
Regente
4º ano EF
Profª Efetiva
Celita Ferri
Dantas Letras – Habilitação Português, Inglês
L.Portuguesa , Inglesa e
Produção interativa
Profª Efetiva
Clóvis Augusto
Niiyama
Matemática
Matemática e
Raciocinio
lógico. E.M e E.F
Profª Efetiva Daniella
Schluchting
Ciências Biológicas – Habilitação Ciências Biológicas .
Biologia
E.M.
Profª Efetiva
Elizabete Vieira
Julio Soares
Letras – Habilitação Português e Literatura
L. Portuguesa, Literatura
e Produção i nterativa
EM.
Profª Efetiva Elis Regina Lomba Letras – Inglês L. Inglesa
Prof. Efetivo Fabio Almeida e Silva Matemática
Matemática e Raciocinio
lógico.
Profª Efetiva
Gabriela Beatriz
Cristaldo R. Rossi Letras – Habilitação Português e Literatura.
L.Portuguesa Produção
interativa
E. Fund.
Profª Efetiva Gani Aragão
Letras – Habilitação Português e Inglês.
L. Portuguesa
e Produção interativa
E.M.
Profª Efetiva
Geny Gomes de A
Oliveira
Geografia – Habilitação
Geografia
Geografia
E.Fundamental
História E.F.
Profª Efetiva
Gleice do
Carmo Bonfim
Educação Fisica Ed. Física E.F
Profª Efetiva
Lidia Maria F.
Vital
Ciências – Habilitação Ciências e Biologia
Ciências e biologia
E.Fundamental
Prof. Efetivo
Luiz Roberto Soccio
Educação Física – Hab.
Educação Física,
Ed. Física
E.Fundamental
E Médio.
Profª Efetiva
Lorene Benitez
Vilamaior Pedagogia
Regente
4º ano EF
Profª Efetiva
Luzia Gonçalves
Ribeiro
Primo
Letras – Habilitação Português
e Inglês
L.Portuguesa e Produção
interativa
E.F
Profª Efetiva
Mara Luci Dias de
Oliveira
Pedagogia – Matérias Pedagógicas 2º Grau e Supervisão
Escolar
Regente
E.Fundamental 2º ano
Prof. Efetivo
Marcos dos Santos Ed. Física – Habilitação Educação Física
Ed. Física
E.F . e E.M.
Profª Efetiva
Maria Aparecida da
Silva Estulano
Pedagogia – Matérias Pedagógicas 2º Grau e Supervisão
Escolar
Regente 1º ano
E.F
Profª Efetiva
Marilena Inês
Bortolon dos
Santos
Pedagogia
2º ano E.F
Profª Efetiva Nilva B. Lins Geografia - Habilitação Geografia E.F. e E.M
Guimarães Geografia
Profª efetiva
Odete
Henrique de A.
Bortoloni
Habilitação em pedagogia
Regente 2º ano
E.F
Profª Efetiva
Rosicleia
Gonçalves
Pinheiro
Letras – Habilitação Português
e Espanhol
L.E. Inglês E.F.
L. Portuguesa E.M.
Profª Efetiva
Tania Cristina
Gianello
Ciências Biológicas – Hab.
Ciências Biológicas
Ciências E.F.
Profª Convocada
Ana da Silva
Costa Araújo
Pedagogia – Matérias
Pedagógicas de
2º Grau e Supervisão Escolar
Sala
Multifuncional .
Profª Convocada
Ana Lucia
Bernardo
Matemática
Itinerante
domiciliar
Profª Convocada
Alexandra
Carlos Maciel
Matemática
Matemática e
Raciocinio lógico
Profª Convocada
Alessandra G.
Cardozo Letras – Habilitação Português e Literatura Itinerante
Prof. Convocada
Alessandro B. de
Oliveira Geografia
Geografia e sociologia
E.M.
Profª Convocada
Any Karina de S.
Signoretti Ed. Física Projeto Dança
Profª Convocada
Aparecida F.
Kimura Coelho História Regente 1º ano
Profª Convocada
Caroline
Libonato
Gordim
Agronomia Agronegócios
Profª Convocada
Cléia
Nascimento
Prates
Biologia Ciências E.F
Profª Convocada
Emarine Cescon Química
Sala
Multifuncional
Profª Convocada
Greiciele de
Lima Zandona
Química Química E. M
Prof. Convocada Helly Fernando C. História – Habilitação História História
Pecheka E.Médio.
Prof. Convocada
Lindinalva
Santos Souza
Libras Intérprete
Profª Convocada
Lucimaire R. Flores Pedagogia
Regente
1º ano EF
Profº convocado
Marcelo dos
Santos Barbosa
Medicina Veterinária Agronegócios
Profº convocado
Marcelo
Rigotti
Agronomia Agronegócios
Prof. Convocada
Marcos Camilo Física Física
Profª Convocada
Marilza Dias dos
Santos Neves Ed. Física – Habilitação Educação Física
Artes E.F.
Ed. Física E.F. e E.M.
Profª Convocada
Maria do C. S. G.
Lobo Pedagogia
Regente
2º ano EF
Profª Convocada
Marli de Souza
Almeida
Oliveira
Matemática
ISala de
Recursos
Multifuncional
Profª Convocada
Mirene Marim F.
Santos Pedagogia Itinerante
Profª Convocada
Rômulo
Gonçalves
Costa Junior
Zootecnia Agronegócios
Profª Convocada
Rute Gomes
Batista Pedagogia
Sala de Recursos
Multifuncional .
CORPO TÉCNICO ADMINISTRATIVO
Nº de ord. Nome Escolaridade
Curso/
Habilitação Função que exerce
01
Adenir da Silva
Silveira Ensino Superior - Agente de Limpeza
02
Ângela Maria de
Oliveira Ferreira Ensino Médio - Agente de Limpeza
03
Ana Rita
Cornacioni da Silva -
04
Cireny Pedrosa de
Souza Alencar
E.
Fundamental - Agente de Limpeza
05 Cleuza da Lima Melo
Ensino Médio - Agente de Limpeza
06
Cleuza F. da Silva Ensino Médio - Agente de Limpeza
07
Fidelina C. de Freitas
Ensino
Fundamental - Agente de Merenda
08
Guilherme Cardoso
Espídola Ensino Médio - Portaria
09
Jeferson Adriano
Siqueira Gobetti Ensino Médio - Inspetor de Aluno
11
Lays Cristina
Iapechino
Souto
Ensino
Superior
Ciências
Biológicas Inspetora de Aluno
12
Maria Lucia da Silva Ensino Médio - Agente de Limpeza
13
Maria Lucia M. Rosa
Santos Ensino Médio - Agente de Limpeza
14 Maria Urbana Lopes E.F. Incompleto -
Auxiliar de I. de
Alunos
15 Matilde Pereira da Silva Superior Normal Agente de Limpeza
16 Nadir Oliveira de Souza Ensino Médio
-
As. de At Educacionais
17
Nielci Aparecida dos
Santos Gargantini Ensino Médio - As. de At Educacionais
18
Patrícia Irala de
Almeida Superior Matemática As. de At Educacionais
19
Rosimar
Camacho da Silva Ensino Superior Matemática Gestora STE
20
Rozita de Souza Ensino Médio - Agente de Limpeza
21
Rute Raquel C.
da Silva Mota Ensino Médio - Agente de Merenda
22
Sirlei Rodirgues
Aspet E. Superior Matemática As. Secretaria.
23
Sônia Maria
Rodrigues
de Brito As. Secretaria.
24 Valmir de Souza Ensino Médio - Agente de Merenda
CORPO PEDAGÓGICO
Nº
de ord. Nome Escolaridade
Curso/
Habilitação Função que exerce
01 Catarina Flor da Silva Superior Pedagogia Coord Pedagógica.
02
Célia Kazuko de Souza Superior
Educação
Artística
Prof. Readaptada –
Aux. de Coordenação
03
Cristiane Cândia de
Oliveira E. Superior L. Portuguesa Coord. de área.
04
Edinéia Del Vigna Alencar Superior Pedagoga Plena
Profª readptada
Aux Coordenação
05 Geisa Borges Held Tobias
Superior
Pedagogia
Coord. Pedagógico
06 Jane Brandão F. de Lima Superior Pedagoga Plena Prof. Readaptada – Bibliotecária
07
Jair Isaias de Santana Superior Pedagogia Coord Pedagógica.
08 Joana Palácio Mendes Superior Matemática Coord. de área.
09 Maria Lúcia M. Lima Superior Pedagoga Plena
Profª readptada
Aux Coordenação
11 Marisabel Aguiar Pereira Martins
E. Superior Geografia
Profª readptada
Aux Coordenação
12
Mirian da Consolação
Carneiro Pereira Superior Biologia
Profª readptada
Aux Coordenação
13 Odinêz Alves Marques Superior Biologia
Profª readptada
Aux Coordenação
14 Tamiko Shiromoto Superior Pedagogia
Coord. readptada
Aux Coordenação
15
Vânia Viegas Wolff
Cardoso Superior História Diretora-Adjunta
16 Vaste Leonel de S. Contato Superior Letras/Pedagogia Diretora
6.5 - Recursos materiais e tecnológicos disponíveis e sua adequação, móveis,
equipamentos e material didático.
Contamos com um bom material pedagógico e tecnológicos de qualidade, a saber;
Dos recursos Materiais dispomos de tudo que é necessário para um bom fazer pedagógico.
Jogos pedagógicos divididos por área.
Serviço de reprografia com duas máquinas para xérox e 04 (quatro) impressoras de uso pedagógico
e 03 (três) de uso administrativo.
01 sala de TV/Vídeo bem equipada, com TV grande (51’), acervo de fitas pedagógicas com 200
fitas, Vídeo/DVD,
01 Retroprojetor;
01Telão;
18 computadores na sala de tecnologia com 36 (monitores) para uso dos alunos;
02 computadores com impressora na sala dos professores;
01 computador com impressora na sala da direção;
01 notebook com impressora para coordenação pedagógica.
01 TV 29’ no pátio para o recreio dos alunos;
01 TV 47’ na sala do 3º ano do Ensino Médio
01 Aparelho de som na sala do 3º ano do Ensino Médio
01 computador da sala do 3º ano do Ensino Médio para uso de cadeirante.
01 Prateleira tipo rack na sala do 3º ano do Ensino Médio
01 bebedouro na sala dos professores
01 Conjunto estofado na sala dos professores
07 microsistens para uso em sala de aula aula.
03 Globo terrestre, e;
30 mapas geográfico, histórico e científico
03 Mesas para jogos Dama e Xadrez
02 mesas de tênis.
6.6 - Existência de sala de recursos multifuncional.
Nesta Unidade Escolar desde o ano de 2002 ofertamos a sala de recurso multifuncional. Foi
adequado um ambiente em parceria com a Associação de Pais e Mestres, uma sala especial
contendo uma mesa grande com 12 (doze) lugares, todos com assentos almofadados, aparelho de
som, ar condicionado adquirido com o PDDE, dois computadores, scanner, impressora via
MEC/SED vários jogos pedagógicos. Temos de docentes dois professores com graduação e pós-
graduação específica para lidar com a clientela do ensino fundamental do 1º ao 5º ano. E um
professor de Língua Portuguesa e um de Matemática para atender os alunos do 6º ao 9º ano e
Ensino Médio.
A oferta do Atendimento Educacional Especializado (AEE) neste estabelecimento de ensino prevê
sua organização conforme as diretrizes operacionais para o AEE na Educação Básica, modalidade
educação especial, conforme descriminada abaixo:
- Para a frequência em Sala de Recursos Multifuncionais (SRM), o aluno deverá ser matriculado no
ensino regular da própria escola ou de outra;
- Os profissionais que atuarão atendimento educacional especializado deverão ter formação inicial
ou específica que o habilite para o exercício da docência na Educação Especial. Os profissionais
serão: docente do AEE em SRM, tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais(Libras), guia-
intérprete e outros que atuem no apoio (professor itinerante).
7 - Organização da escola
7.1 - Gestão escolar
A gestão escolar é o processo que rege o funcionamento da Unidade Escolar, sendo realizada
através do processo eleitoral a cada três anos compreendendo tomada de decisão conjunta no
planejamento, na execução, no acompanhamento e na avaliação das questões administrativas e
pedagógicas.
A comunidade escolar é o conjunto constituído pelos profissionais da educação, funcionários,
estudantes, pais ou responsáveis que protagonizam a ação educativa da Unidade Escolar.
Por este viés a gestão escolar é feita por um Colegiado Escolar de caráter deliberativo, executivo,
consultivo e avaliativo nos assuntos referentes à gestão pedagógica, administrativa e financeira da
unidade escolar, sendo assim constituído por:
Diretor e Diretor – Adjunto da Unidade Escolar, na qualidade de membros natos e secretários
executivo.
Profissionais da Educação Básica, com 50% (cinquenta por cento) das vagas, que correspondem a:
02 – dois representantes do segmento dos professores;
02 – dois representantes do segmento dos coordenadores pedagógicos;
02 – representantes do segmento dos funcionários administrativos.
Alunos e Pais ou responsáveis com 50% (cinquenta por cento) das vagas., que corresponde:
03 – três representantes do segmento dos alunos.
03 – 03 três representantes do segmento dos pais.
O Colegiado é presidido por um dos seus integrantes eleito entre ses membros, excetuando-se o
diretor ou diretor adjunto da Unidade Escolar.
Cada segmento terá um titular e o mesmo quantitativo de suplente.
7.2 - Organização do tempo e espaço
Ao todo a unidade escolar conta com um número de 895 (oitocentos e noventa e cinco) alunos,
regularmente matriculados no ensino fundamental, médio e 40 (quarenta) no curso técnico,
distribuídos em 14 (catorze) salas de aula.
No período diurno atende-se 753 (setecentos e cinquenta e três alunos), sendo 608 (seiscentos e oito
alunos) do ensino fundamental e 145 (cento e quarenta e cinco ) do ensino médio regular; no
noturno 112 ( cento e doze alunos) do ensino médio regular e 40 (quarenta) no curso técnico.
Funcionamento da biblioteca. Por não termos bibliotecários concursados, lançamos mãos dos
professores e administrativos para atender os serviços bibliotecários, porém por esta situação o
funcionamento acontece apenas no diurno. O funcionamento da secretaria escolar é das 7h às 23h
(sete às vinte e três horas ) ininterruptamente. A escola atende nos períodos matutino com início às 7
h e término às 11:25 h para o ensino fundamental e das 7h às 12:15 para o ensino médio .
Vespertino com início às 13 h e término às 17:25, noturno às 19 h às 23 h.
O Ensino Fundamental etapa inicial da Educação Básica, com duração mínima de 09 (nove) anos,
obrigatório e gratuito na escola pública tem uma organização curricular pautada nos seguintes
princípios:
I – Éticos: de Justiça, solidariedade, liberdade e autonomia: de respeito à dignidade humana e de
compromisso com a promoção do bem de todos, contribuindo para combater e eliminar quaisquer
outras forma de discriminação.
II – Políticos: de reconhecimento dos direitos e deveres de cidadania, de respeito ao bem comum e à
preservação do regime democrático e dos recursos ambientais; da busca da equidade no acesso à
educação, à saúde, ao trabalho aos bens e outros benefícios; da exigência de diversidade de
tratamento para assegurar a igualdade de direitos entre os alunos que apresentem diferentes
necessidades; da redução da pobreza e das desigualdades sociais e regionais;
III – Estéticos: do cultivo da sensibilidade juntamente com a racionalidade; do enriquecimento das
formas de expressão e do exercício da criatividade; da valorização das diferentes manifestações
culturais, especialmente a da cultura brasileira; da construção de identidades plurais e solidárias;
Mediante os princípios norteadores os objetivos previstos para o Ensino Fundamental são:
I – o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da
leitura,da escrita e do cálculo; II – a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político,
das artes, da tecnologia e dos valores em que se fundamenta a sociedade; III – a aquisição de
conhecimentos, habilidades e a formação de atitudes e valores como instrumentos para uma visão
crítica do mundo; IV – o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana
e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social; V – o cuidar e o educar, como funções
indissociáveis para assegurar a aprendizagem, o bem-estar e o desenvolvimento do estudante em
todas as suas dimensões.
O currículo do ensino fundamental, organizado em anos e com a duração de 9 (nove) anos, abrange
a população na faixa etária dos 6 (seis) aos 14 (quatorze) anos de idade e se estende, também, a
todos os que na idade própria não tiveram condições de frequentá-lo. Contém, obrigatoriamente,
uma base nacional comum e complementada por uma parte diversificada, que constituem em um
todo integrado e não podem ser considerados como dois blocos distintos, conforme o estabelecido
na Resolução CEB/CNE n. 7, de 14 de dezembro de 2010. A articulação entre a base nacional
comum e a parte diversificada do currículo do ensino fundamental possibilita a sintonia dos
interesses mais amplos de formação básica do cidadão com a realidade local, as necessidades dos
estudantes, as características regionais da sociedade, da cultura e da economia e perpassa todo o
currículo. O currículo do ensino fundamental estrutura-se em: I – anos iniciais, com 5 (cinco) anos
de duração, atendendo à faixa etária de 6 (seis) a 10 (dez) anos; II – anos finais, com 4 (quatro) anos
de duração, atendendo à faixa etária de 11 (onze) a 14 (quatorze) anos. O 1o e o 2o anos são
destinados à sistematização da alfabetização. O currículo do ensino fundamental, é organizado em 4
(quatro) áreas de conhecimento, a saber: I – Linguagens – com os componentes curriculares de
Língua Portuguesa, Arte, Educação Física, acrescida da parte diversificada com os componentes
curriculares de Língua Estrangeira Moderna e de Produções Interativas; II – Ciências da Natureza –
com o componente curricular de Ciências da Natureza; III- Matemática – com o componente
curricular de Matemática; IV – Ciências Humanas – com os componentes curriculares de História e
de Geografia; V – Ensino Religioso – componente curricular. O oferecimento do componente
curricular Produções Interativas, nos anos iniciais do ensino fundamental, objetiva proporcionar a
leitura, interpretação e produção de textos, por meio de oficinas. A carga horária anual é de 800
(oitocentas) horas para os anos iniciais e de 834 (oitocentas e trinta e quatro) horas para os anos
finais, sendo que: I – nos anos iniciais, a jornada diária é de 4 (quatro) horas, com a duração de 200
(duzentos) dias letivos; II – nos anos finais, a jornada diária é de 5 (cinco) horas-aula, com a
duração de 200 (duzentos) dias letivos. O horário escolar semanal obedece à seguinte organização: I
– anos iniciais: a) com 18 (dezoito) horas aula semanais, de 50 (cinquenta) minutos cada, para o
Professor Regente; b) com 6 (seis) horas aula semanais, de 50 (cinquenta) minutos cada, para os
profissionais que lecionam os componentes curriculares de Arte, Educação Física e Produções
Interativas; II – anos finais, com 5 (cinco) horas aulas diárias, durante os 5 (cinco) dias da semana.
Nos anos finais, o estudante que frequentar o componente curricular Ensino Religioso, cumprirá
uma carga horária anual de 867 (oitocentas e sessenta e sete) horas, e o que não frequentar cumprirá
a carga horária de 834 (oitocentas e trinta e quatro) horas. Na carga horária mínima anual, não está
incluída a carga horária destinada aos exames finais. A partir do 6º ano do ensino fundamental esta
unidade escolar oferece, uma Língua Estrangeira Moderna – Inglês - que é escolhida pela
comunidade escolar.
O Ensino Médio etapa final da Educação Básica, com duração mínima de 03 (três) anos, obrigatório
e gratuito na escola pública tem em sua organização curricular obrigatoriamente, uma Base
Nacional Comum e uma Parte Diversificada, organicamente integradas, conforme normas vigentes
pautada nos seguintes princípios e objetivos
O currículo do ensino médio é pautado em princípios, fundamentos e procedimentos observados na
proposta pedagógica, na organização pedagógica e curricular, que contribui para a promoção do
cidadão, por meio da: I - educação articulada com o mundo do trabalho; II - prática social; III -
preparação para o exercício da cidadania; IV - preparação básica para o trabalho. A organização
curricular do ensino médio é orientada pelos valores:I – fundamentais ao interesse social, aos
direitos e aos deveres dos cidadãos, de respeito ao bem comum e à ordem democrática; II –
fortalecedores dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância
recíproca. A organização curricular do ensino médio, é estruturada em 3 (três) áreas de
conhecimento, a saber:
I – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, área que contempla as disciplinas de Língua
Portuguesa, Literatura, Artes e Educação Física; II – Ciências da Natureza, Matemática e suas
Tecnologias, área que contempla as disciplinas de Física, Química, Biologia e Matemática; III –
Ciências Humanas e suas Tecnologias, área que contempla as disciplinas de História, Geografia,
Sociologia e Filosofia. A Parte Diversificada contempla as disciplinas Redação e Línguas
Estrangeiras Modernas. Nesta Unidade Escolar, nossos estudantes optaram por cursar as duas
línguas, a saber: Língua Estrangeira Moderna Inglês e Espanhol sendo a Língua Inglesa obrigatória
e a Língua Espanhola facultativa.
O componente curricular Educação Física será oferecido em conformidade com o que dispõe a Lei
nº 10.793/2003.
O currículo do ensino médio, organizado em anos e com a duração de 3 (três) anos, contém,
obrigatoriamente, uma Base Nacional Comum e uma Parte Diversificada, organicamente
integradas, conforme normas vigentes. Nesta unidade escolar temos duas cargas horárias anual no
diurno, trabalhamos com Ensino Médio Inovador e sua carga horária é de 1000 (mil horas) com 6
(seis) horas-aula diárias, e no noturno é de 834 (oitocentas e trinta e quatro horas), com 5(cinco)
horas-aula diárias, de 50 (cinquenta) minutos cada no período matutino e, 05 (cinco) horas-aula
diárias de 50 (cinquenta) minutos cada no período noturno com a duração de 200 (duzentos) dias
letivos.
Educação Profissional Técnica de Nível Médio
Quando foi instituído o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec),
pela União, com a finalidade de ampliar a oferta de educação profissional e tecnológica, por meio
de programas, projetos e ações de assistência técnica e financeira, a comunidade sabendo das
possibilidades solicitou da Secretaria de Estado de Educação a oferta de um curso técnico de nível
médio, o que nos foi prontamente atendido.
Os objetivos do Pronatec são:
I - expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de educação profissional técnica de nível
médio presencial e a distância e de cursos e programas de formação inicial e continuada ou
qualificação profissional;
II - fomentar e apoiar a expansão da rede física de atendimento da educação profissional e
tecnológica;
III - contribuir para a melhoria da qualidade do ensino médio público, por meio da articulação com
a educação profissional;
IV - ampliar as oportunidades educacionais dos trabalhadores, por meio do incremento da formação
e qualificação profissional;
V - estimular a difusão de recursos pedagógicos para apoiar a oferta de cursos de educação
profissional e tecnológica.
Nesta unidade escolar ofertamos o seguinte curso:
Curso técnico em agronegócio – Eixo tecnológico: Recursos naturais – Educação Profissional
Técnica de Nível Médio.
A educação profissional Técnica de nível médio, foi implantada a partir de 1º de agosto de 2012,
conforme ato resolutivo nº 2.561 de 25 de julho de 2012.
O curso será oferecido no contra turno, por um período de 05 anos e tem em sua especificidade o
atendimento ao aluno de 1º e 2º ano, em concomitância, contando com uma carga horária de 1.200
(mil e duzentas horas).
Atenderá aos alunos da rede pública estadual devidamente matriculados nos anos acima citados.
8 - Relações entre a escola e a comunidade
A
A relação entre a escola e a comunidade é pontuada por ações discutidas, analisadas e executadas
após ouvir cada segmento. Não temos problema de comunicação, pois as formas de contato são
vários tais como: bilhetes, convites, convocações, telefonemas e até pelas redes sociais, sempre que
o pai ou a escola precisa um do outro é atendido. Lançamos mão de um calendário de eventos para
que os pais estejam sempre bem informados, como entrega de resultados bimestrais onde todos os
pais são convidados a comparecer na escola para averiguações de rendimento de seus filhos e que
possam tem um momentos particular com cada professor. Realizamos algumas festas de
confraternização e até algumas com fim lucrativo como a “Festa Junina” que é tradição da escola e
executada pela Associação de Pais e Mestres, e ainda temos as demais atividades festivas “dia das
mães, pais, noite de talentos, ação social em pareceria com a UNIGRAN, feira cultural e natal em
família na escola, uso da quadra de esportes nos finais de semana pela comunidade. Além disso
temos as reuniões de conselho de classe que é realizado no final de cada bimestre e sempre que
necessário por turma de alunos com a presença de alunos e professores para dirimir toda e qualquer
dificuldade ou problema encontrado. Ao longo do ano a escola tem executado ações referentes ao
PDE – Plano de Desenvolvimento Escolar e Ensino Médio Inovador – Projeto Jovem de Futuro.
Quanto a relação com a Secretaria de Estado de Educação podemos dizer que não esperamos
melhor, pois tem sido ótimo. É ela nos dá todo suporte para trabalhar tanto pedagógico quanto
físico-financeiro. Os recursos oriundos do FNDE são repassados sem burocracia e os de ordem do
Estado além dos programados ainda recebemos os recursos para reparos emergenciais.
9 - Concepções teóricas
Educação
A educação que tanto almejamos e esperamos que aconteça, deve ser ampla, abrangendo todos os
segmentos da sociedade, não se restringindo apenas à Unidade Escolar.
Deve ser a educação, direcionada também à conduta do ser humano.
A família tem deixado a educação dos filhos a cargo da escola. Não se tem registro de um
movimento forte exigindo, por parte da sociedade, mudanças na educação.
Esperamos que com essa proposta realmente haja mudanças necessárias, para que surtam efeitos
positivos de que tanto necessitamos.
Motivo principal de a Escola existir, é este ser que acreditamos ser futuro, transformar nosso
mundo. É ele:
Um indivíduo em desenvolvimento, que, se orientado para viver e conviver em sociedade e em
todos os momentos deve ser levado em consideração suas experiências e potencialidades.
Segundo Gadotti (1997) todos não terão acesso à educação enquanto todos – educadores e não
educadores, Estado e Sociedade Civil – não se interessarem por ela. A educação para todos supõe
todos pela educação.
Escola
Em princípio e escola deveria se adequar à sociedade em transição, e isto mais do que nunca urge,
pois sem estas adequações sem inovações, sem coragem, a escola não levará o educando a produzir
e apropriar-se do conhecimento historicamente acumulado.
O saber, a produção, a formação cultural do indivíduo são tarefas indispensáveis que devem ser
promovidos pela escola.
Segundo Gadotti (1997) a escola deve formar para a cidadania e, para isso, ela deve dar o exemplo.
A gestão democrática da escola é um passo importante no aprendizado da democracia. A escola não
tem fim em si mesma. Ela está a serviço da comunidade. Nisso, a gestão democrática da escola está
prestando um serviço também à comunidade que a mantém.
Currículo
O currículo, na sua abordagem abrangente no interior do processo educativo pode ser definido
como a soma total de experiências dos alunos e que são planejadas pela escola enquanto instituição,
envolvendo os alunos, os professores e os processos de ensino, possibilitando o prosseguimento de
estudos.
Por esse viés, o currículo deve fundamentar-se nos seguintes princípios básicos e norteadores:
1 – A necessária integração com as necessidades e perspectivas da sociedade;
2 – a educação continuada;
3 – a educação tecnológica básica, a compreensão do significado da ciência, das letras e das artes, o
processo histórico de transformação da sociedade e da cultura, a língua portuguesa como
instrumento de comunicação, acesso ao conhecimento e o exercício da cidadania.
Ensino e aprendizagem
Segundo Gadotti (1997) o aluno aprende apenas quando ele se torna sujeito da sua aprendizagem. E
para ele tornar-se sujeito da sua aprendizagem ele precisa participar das decisões que dizem respeito
ao projeto da escola que faz parte também do projeto de sua vida. Passamos muito tempo na escola,
para sermos meros clientes dela. Não há educação e aprendizagem sem sujeito da educação e da
aprendizagem. A participação pertence à própria natureza do ato pedagógico.
10 - Critérios e formas de avaliação de aprendizagem
10 - Critérios e formas de avaliação de aprendizagem Nesta Unidade Escolar a avaliação é um
processo de análise crítica e contínua, onde o aluno será sondado e avaliado por sua participação,
interesse, criatividade, assiduidade e responsabilidade. Além disso a avaliação é feita sobre “o que
os alunos dão conta de fazer e fazem”, sem deixar no entanto, de avaliá-lo quantitativamente
através de provas e testes de verificação de aprendizagem, sempre que necessário. Usando assim a
forma somatória de todas as atividades realizadas pelo educando e traduzindo num valor numérico
que somado as atividades de valor quantitativo e qualitativo dar-se-á uma média bimestral. Por sua
vez nesta unidade escolar tem-se trabalhado com a avaliação diagnóstica que ocorre no início de
cada etapa, verificando as dificuldades dos alunos, identificando e caracterizando suas possíveis
causas. O professor usa o registro de média aritmética. Cada atividade realizada pelo educando é
atribuída uma média: assiduidade, participação das atividades diárias e trabalho extraclasse,
avaliação de caderno, blogs, debates, portfólio, seminário, relato, provas escritas, testes, teatro,
música, produção textual, exposição de trabalhos, mesa redonda mapa conceitual, confecção de
apresentação eletrônica, lista de exercícios, simulado, estórias em quadrinhos, interpretação de
imagens e gráficos, filmes, confecção de maquetes, cartazes. Tudo isso somado dar-se-á uma nota
de 0,0 a 10,0 (zero a Dez) –perfazendo uma média das atividades no total de 10,0 (dez) pontos,
permitindo-se o decimal cinco. No primeiro ano do Ensino Fundamental o aluno é avaliado através
de Parecer Descritivo, emitido pelos professores da turma. Como média de bimestre usamos a
forma aritmética, 6,0 (seis), e, como média final, após os exames finais ela é 5,0 (cinco). Para se
achar a média final aplica-se a seguinte fórmula. 1º Bim. + 2º Bim + 3º Bim + 4º Bim. ≥ 6,0 4
Após o Exame Final para saber se o aluno foi retido ou aprovado, aplica-se a seguinte tabela: MA
x 3 + EF x 2 ≥ 5,0 5 A recuperação da aprendizagem é parte integrante do processo educativo e
visa: · Oferecer oportunidade ao estudante de identificar suas necessidades e de assumir
responsabilidade pessoal com a sua própria aprendizagem; · Proporcionar ao estudante o alcance
dos requisitos considerados indispensáveis à sua aprovação; · Diminuir o índice de evasão e
repetência. Quando não há aprendizado do aluno certamente necessita de intervenção. Essa
intervenção é o processo de recuperação paralela da aprendizagem realizada à medida que forem
sendo detectadas deficiências no processo de aprendizagem e no rendimento do estudante,
realizada no horário normal das aulas, consistindo na retomada de conteúdo e na apropriação dos
conhecimentos ministrados. Nos anos iniciais onde contamos com um professor regente e os de
Arte, Educação Física e Produção Interativa onde o trabalho de recuperação torna-se mais ágil,
pois o ideal seria contar com o apoio familiar. Já nos anos finais do Ensino Fundamental e Ensino
Médio o processo é mais lento, pois sempre que o educando vai mal num determinado assunto,
este deve ser retomado e analisado para ver o percentual atingido, pois nossa meta é de 95%
(noventa e cinco por cento) de aproveitamento. Quando o aluno não consegue média superior a 6.0
(seis), o professor retoma a discussão do assunto e o reavalia. Quanto a recuperação, mesmo com
todo o processo de recuperação de aprendizagem, aconselhamento da coordenação, quando a
criança não melhora seu desempenho, convoca-se o pai ou responsável, que na maioria das vezes,
comparece à escola para traçar metas de acompanhamento de ensino do aluno em busca de
melhores resultados. Não alcançando resultado, os alunos são encaminhados para um núcleo de
acompanhamento NUESP – Núcleo de Educação Especial, o qual se faz uma triagem do aluno
através de fichas diagnósticas preenchidas pelos professores e entrevista com os pais e alunos com
a psicóloga do núcleo e a técnica e esta encaminha para os órgãos competentes (neurologista,
psiquiatra, fonoaudiólogo, oftalmologista, psicólogo). Com laudo médico em mãos estas crianças
são encaminhadas para a sala de recursos Multifuncional que atende ao aluno funciona no contra
turno da escola com um profissional competente para prestar atendimento a esse aluno, através de
aulas diferenciadas que atendam as especificidades de cada educando. O atendimento à sala de
recursos multifuncional é acompanhado pelo NUESP ( Núcleo de Educação Especial), em síntese
A recuperação da aprendizagem ocorrerá das seguintes formas: Paralela: Como parte integrante do
processo ensino – aprendizagem, realizada durante o desenvolvimento das aulas regularmente,
com a retomada do conteúdo e a apropriação dos conhecimentos ministrados conforme prevê a
Resolução/Sed 2.600. de 4 de dezembro de 2012. Processual: Desenvolvida no decorrer do
processo ensino – aprendizagem. Desenvolvemos no contra turno projetos, que auxiliam os alunos
com dificuldades de aprendizagem propondo monitorias com estagiários das Universidades locais
através do PIBID para alunos do ensino Médio e 6º ao 9º do ensino Fundamental.
11 - Acompanhamento do processo de ensino e aprendizagem
O PPP (Projeto Político Pedagógico) concebe, orienta, estrutura e implementa as ideias. Não é
estanque, sem ações, ou limitado. Por sua abrangência apresenta versatilidade, adaptabilidade e
funcionalidade.
Planejar o desenvolvimento da escola é condição imprescindível para que perspectivas sejam
traçadas, estilos de administração sejam aflorados e, intervenções responsáveis e conscientes
aconteçam.
Essa ação de planejar e intervir adequadamente garante sucessos, definem desempenhos e
responsabilidades, aliviam tensões, geram confiança, e isso tudo desencadeia a autoestima tão
necessária para que se goste do que se faz.
A partir do “gostar”, o “querer” passa a tomar conta de cada um e de todos. Propostas
institucionais ganham vida e deixam de ser embalagens técnicas, assépticas, engavetadas na
mesa da burocracia para se transformarem de verdade em propostas vivas e de eficácia, que
devem ser o compromisso de todos que trabalham na escola pública.
Toda e qualquer mudança substancial, quando detectada como necessária ao ser concebida,
estruturada e implementada, como exigência inquestionável, deve passar por um processo de
conhecimento, discussão e decisão coletiva. Sendo assim, entende-se que a formulação de uma
proposta pedagógica, para sua aceitação e consequente implementação, deve ser amplamente
debatida: professores, alunos, coordenadores e administrativos. E isto foi objeto de extrema
preocupação para efetiva consecução dos resultados.
Além dessas considerações, a escola está compromissada como propiciar da melhoria do
ensino atual que ministra. Tal responsabilidade exige com mais rigor, a melhoria de suas
instalações físicas e equipamentos atualizados, da formação e da capacitação adequada de seus
servidores. Esse conjunto de características deve estar solidamente alicerçado num referencial
pedagógico e didáticos, que fundamentem e oriente todo e qualquer caminho a ser trilhado, onde
seu objetivo é:
Desenvolver no aluno o senso reflexivo e crítico, levando-o a tornar-se um cidadão consciente,
responsável, participativo, politizado, transformador e criador da sua própria história. Nossa
Filosofia tem por princípio proporcionar integração entre escola e comunidade, considerando o
educando como centro do processo educacional, despertando-lhe o senso crítico e dando-lhe a
liberdade de autorrealização e meios para o cultivo da cidadania, tendo como concepção
considerar a realidade educacional do nosso Estado, e em particular, da nossa clientela, foi
preciso reunirmos para discutir e entender o homem, a sociedade, a educação, o mundo, a escola,
o professor, e, em especial, o aluno.
Nesta unidade escolar o hábito de planejar é uma constante, até o final do século era tudo
muito moroso, pois os recursos tecnológicos não haviam chegado na educação de forma a
auxiliar o professor na hora do registo antecipado de sua prática de sala de aula. Hoje com a
modernidade mais precisamente neste ano de 2012, nossos professores, todos, sem exceção tem
de praticá-lo “on line”, sendo que a escolha do grupo foi pela realização mensal do seu
planejamento.
Assim sendo, o primeiro acompanhamento faz-se com planejamento, e para observar os
resultados do ensino aprendizagem, lançamos mão dos serviços técnicos dos Projetos “Além das
Palavras”, através da coordenação das áreas Língua Portuguesa e Matemática, que atende a
demanda do Ensino Fundamental e, no Ensino Médio temos o Projeto Jovem de Futuro, que
articulados com a coordenação pedagógica podemos fazer as verificações do processo ensino
aprendizagem.
De acordo com o artigo 19 da resolução/SED nº 2.600 de 04 de dezembro de 2012 no âmbito
das disciplinas e permeando todo o currículo deverá ser assegurado, como tratamento transversal
e de maneira integrada, os seguintes temas: Educação Alimentar e Nutricional; Processo de
Envelhecimento, respeito e valorização do idoso; Educação Ambiental; Educação para o
Trânsito; Educação em Direitos Humanos; Saúde, Sexualidade, Gênero e vida Familiar.
Projetos
• Aulas diferenciadas no contra turno para elevar o índice de aprovação do educando,
executado pela metodologia Monitoria PJF e Estagiários da UFGD e UEMS, PIBID.
• Assistência Social em parceria com a UNIGRAN.
• Ação Social – realizada em parceria com a UNIGRAN.
Festas de confraternização e comemorações: cívicas, dias das mães, festa junina, dia da
criança, natal em família.
• Jogos internos escolares.
• Feira Cultural no mês de novembro com a finalidade de expor os projetos realizados pelos
alunos e seus professores.
• Gincana de Língua Portuguesa e Matemática,
• Concurso de Poesia.
• Projeto PROERD
• Tosco em Ação – Prevenindo a violência na Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso.
• Aula de Xadrez e Dama
• Ginástica rítmica.
Temas de Projetos realizados pelos alunos/professores:
Dengue, Meio ambiente, Trânsito, Bullying, Mato Grosso do Sul, Racismo e temas diversos
escolhidos juntamente com os professores e alunos.
Programas:
• Formação do Jovem Condutor.
• Além das Palavras.
A escola é democrática mas o ensino dos diversos conteúdos requer que cada professor tenha
uma metodologia diferenciada que contemple a avaliação processual. Nesta unidade escolar
implantou-se o ProEMI/PJF (Programa Ensino Médio Inovador - Projeto Jovem de Futuro)
desenvolvendo as metodologias Entre Jovens, Leitura e Letramento, Superando Cálculos, Agente
Jovem, Jovem Cientista. Compreende-se que a metodologia do educador permeie duas
concepções inerentes ao processo de ensino-aprendizagem:
Ação – momento da explicação do conteúdo a ser trabalhado pelo estudante.
Compreensão – o momento do entendimento da ação executada pelo professor.
Síntese - Relatório final do que foi trabalhado e assimilado pelo aluno.
Unidade Teoria – Parte dissertativa ou narrativa realizada tanto pelo professor quanto pelo
aluno.
Prática – Resultado da ação e compreensão das atividades realizadas pelos alunos e
professores.
Nossa metodologia no processo ensino-aprendizagem é diferenciada, contextualizada e
trabalhada de uma forma que agrade o nosso aluno e faça com que ele aprenda. Observamos com
frequência a falta de um posicionamento coerente e atento dos responsáveis no acompanhamento
escolar das crianças e jovens, no convívio familiar. Desta forma, a escola passa a ser o espaço
dos alunos, é nela que eles buscam amizade, atenção e voz. Esta última muitas vezes,
manifestando todas as suas necessidades, é interpretada como indisciplina, insubordinação e
desinteresse, daí o professor ter uma metodologia específica para que esse aluno tenha boas
relações, seja bem interpretado e entendido e principalmente seja ouvido sempre que necessário.

GOVERNO dO mato grosso do sul secretaria de estado de educação
SUPERINTENDêNCIA DE Planejameto e apoio a educação Coordenadoria de
desenvolvimento pedagógico EE. RAMONA DA SILVA PEDROSO
A INSERÇÃO DAS MÍDIAS NO ÂMBITO ESCOLAR Professores que elaboraram o projeto
Aparecida Fátima Kimura Coelho Ana da Silva Costa Araujo Andréia Kropf de Souza Pyrro
Adriana Souto Alessandro Bezerra de Oliveira Alessandra Gonçalves Cardozo Aurineide A. de
Freitas Oliveira Celita Ferri Dantas Claudicéia Camargo Biagi Cléia Nascimento Prates Cristiane
Candia de Oliveira Daniella Schluchting Daniel Braga Tomiati Edinéia Del Vigna Alencar Elizabeth
Vieira Julio Soares Eugênia L. G.O . Chicarino Eliane Viegas de Araujo Fábio Almeida e Silva
Geisa Borges Held Tobias Geni Aragão Geny Gomes de Andarade Oliveira Helly Fernando
Cardozo Pecheka Jair Isaias de Santana Joana Palacio Mendes Lidia Maria Fernandes Vital
Lindinalva Santos Souza Lorene Benites Vilamaior Luciana Paulino Ribeiro Luzia Gonçalves
Ribeiro Primo Maria Aparecida da Silva Estulano Marcos dos Santos Marco Antonio Monteiro
Maria Lucia Moreira de Lima Maria do Carmo Santos Gonçalves Lobo Marilene Cardozo da Silva
Marilza Dias dos Santos Neves Marcos Camilo Nilva Bezerra Lins Guimarães Paula Adriana
Crippa Brito Ramão Agedo Vieira Rosiane Leite Benites de Lima Rosicléia Gonçalves Pinheiro
Rosimar Camacho da Silva Tania Cristina Gianello Tania Cristina Capoano Vania Viegas Wolf
Cardozo Vaste Leonel de Souza Contato Viviane Steinle Piroli Dourados - 2013

GOVERNO dO mato grosso do sul secretaria de estado de educação
SUPERINTENDêNCIA DE Planejameto e apoio a educação Coordenadoria de
desenvolvimento pedagógico EE. RAMONA DA SILVA PEDROSO
A INSERÇÃO DAS MÍDIAS NO ÂMBITO ESCOLAR Professores que elaboraram o projeto
Aparecida Fátima Kimura Coelho Ana da Silva Costa Araujo Andréia Kropf de Souza Pyrro
Adriana Souto Alessandro Bezerra de Oliveira Alessandra Gonçalves Cardozo Aurineide A. de
Freitas Oliveira Celita Ferri Dantas Claudicéia Camargo Biagi Cléia Nascimento Prates Cristiane
Candia de Oliveira Daniella Schluchting Daniel Braga Tomiati Edinéia Del Vigna Alencar Elizabeth
Vieira Julio Soares Eugênia L. G.O . Chicarino Eliane Viegas de Araujo Fábio Almeida e Silva
Geisa Borges Held Tobias Geni Aragão Geny Gomes de Andarade Oliveira Helly Fernando
Cardozo Pecheka Jair Isaias de Santana Joana Palacio Mendes Lidia Maria Fernandes Vital
Lindinalva Santos Souza Lorene Benites Vilamaior Luciana Paulino Ribeiro Luzia Gonçalves
Ribeiro Primo Maria Aparecida da Silva Estulano Marcos dos Santos Marco Antonio Monteiro
Maria Lucia Moreira de Lima Maria do Carmo Santos Gonçalves Lobo Marilene Cardozo da Silva
Marilza Dias dos Santos Neves Marcos Camilo Nilva Bezerra Lins Guimarães Paula Adriana
Crippa Brito Ramão Agedo Vieira Rosiane Leite Benites de Lima Rosicléia Gonçalves Pinheiro
Rosimar Camacho da Silva Tania Cristina Gianello Tania Cristina Capoano Vania Viegas Wolf
Cardozo Vaste Leonel de Souza Contato Viviane Steinle Piroli Dourados - 2013 Apresentação A
Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso, situada à Rua Adroaldo Pizzini n. 2.750, no Jardim
Santo André, município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul, tem o nome em homenagem a
uma das pioneiras da cidade, senhora Ramona da Silva Pedroso. Na época da construção em 1987,
o Estado precisava do espaço físico para edificação da escola, sabendo disso, a família de Dona
Ramona prontificou-se imediatamente a doar o terreno; o Estado e a comunidade homenagearam-
na, intitulando a escola em Escola Estadual de Ramona da Silva Pedroso. No aspecto cultural para
melhor atendimento da comunidade escolar a escola tem desenvolvido projetos oferecidos pela
Secretaria Estadual de Educação envolvendo teoria e prática tais como: Projeto de Xadrez. Projeto
de Ginástica Rítmica (GR) e Dança, Projeto de Treinamento de Futsal e Handebol, todos realizados
no contra turno do aluno e aos sábados. Contamos também com a participação da UEMS com o
Projeto do PIBID em Educação Física e Biologia onde temos a participação dos estagiários desta
conceituada universidade com apoio às aulas dos professores Educação Física e Biologia, com
apoio a organização de gincanas. Tivemos também com os estagiários de física a observação da lua
através do aparelho de observação. Foi instituído no ano de 2012 o Currículo melhorado para o
Ensino Médio diurno aumentando uma hora aula diária (seis aulas). Temos também o PDE (Plano
de Desenvolvimento Escolar) ações pedagógicas para a melhoria de qualidade do ensino
fundamental e o PJF (Plano de Ação Jovem de Futuro) gestão escolar para resultados para alunos do
ensino médio regular. Contamos ainda com a parceria da UNIGRAN com o Projeto de Extensão de
Serviço Social na Escola a partir do ano de 2011, onde são desenvolvidos atendimentos a alunos e
pais e realizados encaminhamentos às redes assistenciais com atendimento sócio assistencial. A
prática profissional a ser desenvolvida pelo Projeto de extensão na escola consiste em coletar
informações, por meio de avaliação sócio-econômica, haja vista definição de estratégias e o
instrumental técnico a ser utilizado pela Equipe do Serviço-Social. As ações possuem caráter
investigativo e interventivo, em busca de uma visão crítico-analítico na identificação das
problemáticas. Contamos também com o Projeto “Trânsito na Escola” Formação do jovem condutor
tendo como objetivo a formação teórica para a prova teórica do DETRAN. Sendo uma parceria
entre o DETRAN/MS e a Secretaria de Estado de Educação. No ano de 2012 foi feita a eleição do
Grêmio Estudantil com a participação de todos os alunos do 6º ao 9º ano e Ensino Médio da escola
cujo objetivo é a participação dos alunos no processo escolar, nas festas escolares como tivemos
neste mesmo ano a participação já do grêmio na colaboração da festa das mães com o ensaio de
músicas com as crianças do 1º ao 5º ano para a apresentação na festa das mães. Na festa junina da
escola também o grêmio participou com uma barraca e ensaio da quadrilha maluca. Também
contamos com a participação do grêmio estudantil na hora cívica uma vez por semana com os
alunos do ensino fundamental e médio. Desde o segundo semestre do ano passado temos também
em nossa escola curso de agronegócios oferecido pelo pronatec e recentemente pela SED,
concluindo assim o perfil de nossa escola. Justificativa Vemos através dos noticiários que o índice
de violência na escola é alto e também muitas críticas em relação a aprendizagem dos alunos que as
provas institucionais[1] constatam rendimentos que não contentam a comunidade escolar e não
cumprem metas estabelecidas em detrimento ao baixo índice do IDEB – Índice de Desenvolvimento
da Educação Básica por órgãos competentes. Deparamos com noticias que causam desconforto no
ambiente educacional e isso nos deprime e nos sentimos a mercê destes acontecimentos. Em busca
de melhores condições para a educação escolar os profissionais da educação procura fomentar no
educando uma visão crítica de suas ações perante a complexidade onde está inserido, e propiciando
conhecer melhor sua realidade e assim agregar valores positivos para que resulte na formação de
um bom cidadão e nos posicionaremos de forma a interferir em mudanças que o envolve, buscando
um olhar não apenas para os problemas, mas também para suas soluções. Objetivo Geral Estimular
o educando a comportamentos que conduzam a uma vida regrada e saudável conduzindo para
reflexão de seu dia a dia e assim propiciar um ambiente de aprendizagem diversificado e
estimulante para agregar conhecimentos onde a aprendizagem seja efetiva e adotando assim
posturas e atitudes para melhoria de sua vida e também do ambiente escolar onde passa boa parte de
seu tempo. Para que tudo ocorra dentro do esperado temos uma diversidade de aparatos
tecnológicos que o corpo docente pode usufruir e assim disponibilizar ao corpo discente aulas mais
atrativas para isso temos: O sentido atribuído à idéia de integração de mídias na prática
pedagógica tem sido muitas vezes equivocado. O fato de utilizar diferentes mídias na prática
escolar nem sempre significa integração entre as mídias e a atividade pedagógica. (PRADO,2005)
Objetivos Específicos
• Adotar posturas na escola, em casa e em sua comunidade que os levem a interações
construtivas, justas e harmônicas no seu dia a dia;
• Zelar pela lei que estabelece normas e regras para o ensino;
• Observar e analisar fatos e situações problemáticas que ocorre no ensino e aprendizagem;
• Produzir textos de diferentes gêneros baseado no tema “honestidade”;
• Integrar a escola de forma lúdica no processo de ensino aprendizagem;
• Utilizar e correlacionar recursos midiáticos no cotidiano escolar;
• Compreender que a condição de um trânsito legal deve ser respeitado por todos (pedestres,
ciclistas, motociclistas e motoristas além das carroças e animais) é produzida nas relações
com as pessoas e o meio físico, econômico e sociocultural, contribuindo assim para vida
coletiva no meio em que vivem;
· Sensibilizar os educandos em relação às atitudes corretas e mais humanas; · Elaborar e executar
projetos referentes resolução/SED nº 2.600 de 4 de dezembro de 2012 Metodologia Visando
envolver e estimular o interesse dos educandos pelo bom desempenho no decorrer de sua vida
escolar, nos propomos a desenvolver atividades que despertem atenção dos mesmos e promovam
melhor rendimento na educação escolar. Considerando que, o ambiente escolar é um local ideal para
disponibilizar conteúdo para formar bom cidadão e ainda contribuir agora e no futuro um cidadão
mais consciente e harmônico. Primeiro será desenvolvido vários projetos onde foram divididos por
área de conhecimento e assim cada grupo fez opções de trabalhar com suas turmas sobre pontos
críticos da turma ou ainda oportunizando trabalhar projetos sugeridos e inseridos pela SED segundo
a resolução/SED nº 2.600 de 4 de dezembro de 2012 e elaborar e executar a gincana de língua
portuguesa oriunda do ProEMI/JF e coordenação de língua portuguesa e assim traçar metas e
verificar qual o grau de conhecimento sobre tema e verificar quais são as maiores necessidades dos
educandos em relação ao tema. Depois desse momento serão feitos em sala de aula e também em
tempo assíncrono trabalhos com os alunos fora do ambiente escolar onde apresentarão como forma
de culminar o projeto na feira de ciências faremos pesquisa na sala de tecnologia, apresentação
eletrônica elaborada pelos professores, vídeos e assim contemplando todos os tipos de recursos
tecnológicos existentes na escola bem como acervo da biblioteca que dispomos de matérias para
que o aluno agregue melhor seu aprendizado e neste propósito temos: A metodologia aplicada
fomentará a formação autônoma e independente do profissional em desenvolvimento, incentivando-
o a constantes inovações, criações e abertura para aperfeiçoamento dos conhecimentos
adquiridos. (FELDMAN, 2009) E ainda: Costuma-se dizer que as palavras “precisão”,
“esperteza”, “capacidade de raciocínio”, “memória”, e assim por diante denotam capacidades
fundamentais reais que variam de acordo com o material com o qual operam; essas aptidões
básicas são substancialmente modificadas pelo estudo de assuntos particulares e retêm essas
modificações quando são dirigidas para outras áreas. Portando, se alguém aprende a fazer o bem
uma única coisa, também será capaz de fazer bem outras coisas sem nenhuma relação, como
resultado de alguma conexão secreta. Assume-se que as capacidades mentais funcionam
independentemente do material com que elas operam e que o desenvolvimento de uma capacidade
promove o desenvolvimento de outras.(FONTES, 2010) Encerrado o estudo referido acima, para
culminar o projeto serão elaborados vídeos pelos educandos, maquetes, cartazes, teatro e danças na
feira de ciências. ...Nessa direção, o currículo deve ser refletido e analisado a partir de um conceito
que estabeleça estreita relação entre os compromissos pedagógicos e sociais da escola, e os
objetivos do trabalho pedagógico devem abranger valores éticos e sociais, que tenham o aspecto
“técnico” como consequencia de um trabalho que favoreça a formação integral do ser humano.
(MONTEIRO E JUNIOR. 2001) Para finalizar o trabalho será culminado na feira de ciências da
escola onde foi dividida em etapas distintas sendo a primeira em 7 de junho de 2013 com
apresentação do 6º ao 9º ano. A segunda etapa em 29 de setembro de 2013 com apresentações do 1º
ao 5º ano e a terceira etapa no dia 24 de outubro com o Ensino Médio. Onde serão registrados e
divulgados no blog da escola. Recursos utilizados Recursos materiais Diversos tipos de texto,
revistas, Jogos Pedagógicos, Vídeos, Internet, Câmera digital, Data Show, Blog da escola,
Apresentação eletrônica “impress”, Software Educativos, projetor proinfo, DVDs escola entre
outros. Recursos humanos Professores regentes, progetec, coordenadores de português e
matemática, coordenadores pedagógicos, direção. Concepção de ensino/aprendizagem As
concepções abordadas neste projeto foram as seguintes a vivencial/espontaneísta (ensinar =
transmitir conteúdos disciplinares e aprender = assimilar, memorizar. Já na
instrucionista/transmissiva (ensinar = deixar o estudante vivenciar experiências e aprender =
participar de atividades escolares) . E ainda sobre concepção espontaneísta: ...a própria moral
pressupõe inteligência, haja vista que as relações entre moral x inteligência têm a mesma lógica
atribuída às relações inteligência x linguagem. Quer dizer, a inteligência é uma condição
necessária, porém não suficiente ao desenvolvimento da moral. Nesse sentido, a moralidade
implica pensar o racional, em 3 dimensões: a) regras: que são formulações verbais concretas,
explícitas (como os 10 Mandamentos, por exemplo); b) princípios: que representam o espírito das
regras (amai-vos uns aos outros, por exemplo); c) valores: que dão respostas aos deveres e aos
sentidos da vida, permitindo entender de onde são derivados os princípios das regras a serem
seguidas. (TERRA,) Já na concepção tradicionalista podemos observar que, o ensino legendário é
uma das concepções contemporâneas mais antigas, e é um ensino que predomina nas escolas ate
hoje. A pedagogia tradicional fica presa a um ensino padronizado, que muitas vezes não permite a
inovação e também uma interação maior entre aluno-professor. (SANTOS,2010). Considerando
todo estudo sobre as concepções fica definido que neste projeto serão abordadas as duas
considerando que se complementam para um resultado baseado em práticas escolares reais e atuais.
Avaliação A avaliação será feita de forma processual, sistemática e contínua, contemplando
especificidades e habilidades prévias, identificando, registrando e relatando os resultados
alcançados no decorrer do projeto em questão, tomando decisões quanto aos ajustes necessários,
revisões e reorientações relacionadas à técnica e à prática pedagógica. Mas é indispensável analisar
o comprometimento de cada educando ao desenvolver as atividades propostas. Cronograma Março
a novembro de 2013 Referências bibliográficas ASSOCIAÇÃO DE NORMAS E TÉCNICAS.
NBR 6023: Referências e elaboração. Disponível em: www.habitus.ifcs.ufrj/pdf. acesso em
novembro de 2012 ASSOCIAÇÃO DE NORMAS E TÉCNICAS. NBR 10520: Informação e
documentação: citação em docuemntos. Disponível em: www.sigaa.ufrn.br. Acesso em: novembro
de 2012. Pedagogia Tradicional. http://www.webartigos.com/articles/52673/1/Pedagogia-
Tradicional/pagina1.html#ixzz1Taxl2GqD acesso: 30, jul, 2011, 10:36. TERRA.M.R. O
Desenvolvimento Humano na Teoria de Piaget. Disponível em:
http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/d00005.htm Acesso em: 30, jul, 2011,
9:52. MONTEIRO.A & JUNIOR. G. P. A Matemática e os Temas Transversais. São Paulo, Editora
Moderna, 2001. FELDMANN M.G. Formação de Professores e Escola na Contemporaneidade. São
Paulo, editora SENAC, São Paulo, 2009. Informação e documentação – Referências - Elaboração.
NBR 6023. Disponível em: www.abnt.org.br . acesso em julho de 2012. INSTITUTO NACIONAL
DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Disponível em:
www.inep.gov.br. acesso em agosto de 2012. www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9496.htm (LDB,
atualizada) Parâmetros Curriculares Nacionais – matemática. Brasília, MEC/SEF, 1997. Parâmetros
Curriculares Nacionais – Apresentação dos Temas Transversais. Brasília, MEC/SEF, 1997. PRADO
M.E.B.B. Integração de Mídias e a Reconstrução da Prática Pedagógica Brasil, 2005. Projeto
Político Pedagógico – EE. Ramona da Silva Pedroso/2012. Referencial Curricular da Rede Estadual
de Ensino – Ensino Fundamental. Estado de Mato Grosso do Sul/Secretaria de Estado de Educação.
1ª edição. Campo Grande – 2012. SANTOS.A.A. Concepções Contemporâneas de Educação:
Pedagogia Tradicional. Disponível em: http://www.webartigos.com/articles/52673/1/Pedagogia-
Tradicional/pagina1.html#ixzz1Taxl2GqD acesso: 30, jul, 2011, 10:36.
[1] [1] Prova SAEMS; Saeb (provinha Brasil); Prova Brasil; Olimpíada de matemática; Olimpíada
de Português Ampliação dos Indicadores da Escola. 1) Justificativa: o presente projeto faz
necessário visto que, os índices alcançados em avaliação aplicada pela SED-MS, apresentou
desempenho inconsistente com os parâmetros desejados, sendo assim uma intervenção deve ser
implementada visando não somente ampliação dos índices, mas também a proficiência dos
resultados. 2) Objetivo geral Melhorar o desempenho dos alunos bem como seus resultados frente
aos descritores identificados como críticos. 3) Objetivos específicos. Desenvolver habilidades para:
INSERIR OS DESCRITORES 4) Proposições de ações a serem desenvolvidas LÍNGUA
PORTUGUESAAção 1 - Trabalhar portfólio com os diferentes tipos e gêneros textuais. (reconhecer
as diferentes formas de tratar os temas, a linguagem verbal e não verbal, identificar teses, uso dos
recursos estilísticos, marcas de locutor e interlocutor e significados dos termos). Ação 2 –
Desenvolver atividades lúdicas através de leitura e exposição de fantoches. Ação 3 – Produzir a
criação de livrinhos com o gênero (fábula). Ação 4 – Desenvolver atividades (competição)
soletrando, explorando a ortografia. Ação 5 – Utilização de gravuras, figuras para estimular a
interpretação visual, explorando a linguagem não – verbal. Ação 6 – Trabalhar com tiras HQ, letras
de músicas para incentivar a leitura, compreensão e interpretação escrita. Ação 7 – Estudar e
analisar semanalmente os tipos textuais contemplando os gêneros abordados. Ação 8 – Utilizar
maletas com livro de literatura infantil para que os alunos levem para casa fazendo revezamento.
Ação 9 – Caixa surpresa para colocação de objetos sílabas, palavras e frases para incentivar a leitura
e a escrita, usar a música como objeto alfabetizador. MATEMÁTICA Ação 1 – Trabalhar com jogos
envolvendo as quatro operações e frações. Ação 2 – Gincana matemática explorando as quatro
operações. Ação 3 – Utilizar mensalmente o material Dourado e a STE para aprimorar o
desenvolvimento do ensino das quatro operações. Ação 4 - Oficina de jogos variados em parceria
com a coordenadora de matemática. Ação 5 – Pesquisa sobre a importância dos números no
cotidiano (exemplo: nº do calçado, casa, placa de carros, idade, documentos, etc) GEOGRAFIA
Ação 1 - Realizar quinzenalmente leitura de revistas e jornais, para estimular a leitura e
interpretação de textos e imagens. Ação 2 - Realizar bimestralmente a confecção de uma historia em
quadrinhos e charges, visando melhorar a interpretação de textos e imagens. Ação 3 – Contação de
história, desenvolver atividades práticas sobre o trânsito (jogo da memória) envolvendo sinalização.
HISTÓRIA Ação 1 - Realizar quinzenalmente leitura de revistas e jornais, para estimular a leitura e
interpretação de textos e imagens. Ação 2 - Realizar bimestralmente a confecção de uma historia em
quadrinhos e charges, visando melhorar a interpretação de textos e imagens. Ação 3 – Dramatização
da história “Menina Bonita do Laço de Fita”. FILOSOFIA Ação 1 - Trabalhar textos diversos,
dando ênfase às leituras dos múltiplos tipos e gêneros textuais, através dos textos dos filósofos
conforme referencial curricular. (leitura de imagens, gráficos, etc.) SOCIOLOGIAAção 1 - Realizar
quinzenalmente leitura de revistas e jornais, para estimular a leitura e interpretação de textos e
imagens. CIÊNCIAS Ação 1 – Exposição sobre alimentação e nutrição com montagem de panfletos
utilizando a STE. Ação 2 – Utilização do esqueleto humano (artificial) Ação 3 – Utilização de
gráficos e tabelas. Ação 4 – Utilização da STE. Ação 5 – Utilização de textos científicos em livros e
revistas. ARTE Ação 1 – produção de HQs, utilizando musicas, vida e obra dos artistas conforme
referencial curricular. (romantismo, expressionismo, impressionismo etc.) Ação 2 – leitura de
imagens, contextualizando artistas, movimentos e períodos artísticos utilizando os recursos da arte.
FÍSICA Ação 1 – Realizar experimentos envolvendo física; Mini vulcão submarino; climatizador
caseiro; nuvem engarrafada e outros. QUÍMICA Ação 1 – Realizar o “Show da química” com os
alunos do Ensino Médio. Ação 2 –Realizar com os alunos do 1º ano do Ensino Médio pesquisa
bibliográfica e confecção de maquetes sobre cidade sustentáveis e energia renovável. BIOLOGIA
Ação 1 – Realizar a coleta do lixo orgânico da cozinha da escola (cascas de ovos, frutas, legumes e
pó de café usado) para a composteira. Ação 2 – Realizar em parceria com o curso de Educação
Ambiental da UEMS o projeto sobre o lixo urbano com os alunos do 1º A do Ensino médio (visita à
AGECOLD, confecção de lixeiras com material reciclável – pneu, confecção de papel reciclável).
Ação 3 – Realizar em parceria com o PIBID – UFGD a orientação para a escrita de um trabalho
científico sobre o lixo urbano. Ação 4 – Inserir práticas pedagógicas lúdicas que favoreçam a
aprendizagem do educando. Ação 5 – Utilizar recursos midiáticos como meio para aquisição de
conhecimentos relacionados aos conteúdos trabalhados no decorrer do ano letivo bem como aos
aspectos sociais que permeiam o processo educativo. INGLÊS E ESPANHOL – Ação 1 – Realizar
na gincana de português a criação de uma dança de música estrangeira. Ação 2 – Realizar a
tradução de textos e cartazes referentes a lixo urbano. ED. FÍSICA - Ação 1 – Recreio direcionado
(PIBID). LITERATURA Ação 1 - Trabalhar portfólio com os diferentes tipos e gêneros textuais.
(reconhecer as diferentes formas de tratar os temas, a linguagem verbal e não verbal, identificar
teses, uso dos recursos estilísticos, marcas de locutor e interlocutor e significados dos termos). 5)
Cronograma de execução por disciplina
CRONOGRAMA MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO
LÍNGUA
PORTUGUESA
Planej.
Ação. 1
Ação.2
Ação.3
Ação.4
Ação.8
Ação. 9
Ação. 1
Ação.8
Ação. 9
Ação. 1
Ação.5
Ação.8
Ação. 9
Ação. 1
Ação.6
Ação.8 Ação.
9
Ação. 1
Ação.7
Ação.8
Ação. 9
Conclusão
Conclusão
MATEMÁTICA Planej.
Ação.1
Ação.3
Ação 4
Ação 5
Ação.2
Ação.3
Ação 4
Ação 5
Ação.3
Ação 4
Ação 5
Ação.3 Ação
4 Ação 5
Ação.3 Ação
4 Ação 5
Conclusão
GEOGRAFIA Planej. Ativ. 1
Ativ. 1
Ativ. 2
Ativ. 1
Ação. 1 Ação.
2
Ação. 1
Ação. 3
Conclusão
CIÊNCIAS Planej.
Ação.2
Ação.3
Ação.3
Ação.1
Ação.2
Ação.3
Ação.2
Ação.3
HISTÓRIA Planej. Ação.3
Ação.3
Conclusão
FILOSOFIA Planej. Conclusão
SOCIOLOGIA Planej. Conclusão
ARTE Planej. Conclusão
FÍSICA Planej. Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação 1 Conclusão
QUÍMICA Planej. Ação 2 Ação 2 Conclusão
BIOLOGIA Planej.
Ação 1
Ação 2
Ação 3
Ação 4
Ação 5
Ação 1
Ação 2
Ação 3
Ação 4
Ação 5
Ação 1
Ação 2
Ação 3
Ação 4
Ação 5
Ação 1 Ação
2 Ação 3
Ação 4 Ação
5
Ação 1 Ação
2 Ação 3
Ação 4 Ação
5
Ação 1 Ação 2
Conclusão
INGLÊS E Planej. Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação Ação 1 Ação Conclusão
ESPANHOL Ação 2 Ação 2 Ação 2 2 2
ED. FÍSICA Planej. Ação.1 Ação.1 Ação.1 Ação.1 Ação.1 Conclusão
LITERATURA Planej. Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação 1 Conclusão
6) Metas a serem alcançadas e estabelecendo prazos Em curto prazo, no primeiro semestre,
melhorar o desempenho do processo ensino aprendizagem, dos alunos nas áreas que apresentam
baixo índice de aproveitamento. Em longo prazo melhorar o desempenho nas avaliações
institucionais, e tendo como objetivo final a continuidade do processo ensino aprendizagem,
obtendo assim elevados índices de aprovação.
12 - Indicadores de qualidade
Para avaliar nosso fazer, precisamos ter um norte, seja ele partido da Secretaria de Estado,
MEC ou qualquer outro segmento.
Ao avaliar nossos alunos estamos automaticamente recebendo um resultado do processo
ensino aprendizagem.
Ao avaliar nosso aluno e mensurar uma nota a ele, recebemos essa nota do aluno como
resultado do nosso trabalho, apesar de pontuarmos significativamente ainda é preciso avançar.
Abaixo podemos verificar nosso desempenho através dos dados abaixo:
IDEB
Anos iniciais do Ensino Fundamental (2007 – 4.3); (2009 – 4.1); (2011 – 4.5)
Anos finais do Ensino Fundamental (2007 – 4.0); (2009 – 4.0); (2011 – 3.7)
SAEMS – LÍNGUA PORTUGUESA
ANO MÉDIA
1º ANO 669
2º ANO 787.3
3º ANO 572.25
SAEMS – MATEMÁTICA
ANO MÉDIA
1º ANO 777
2º ANO 768.4
3º ANO 793.85
13 - Formação continuada
Nesta Unidade Escolar trabalha com um calendário de forma que ofereça espaço para que todos os
segmentos possam passar por capacitações ou especializações. Além das capacitações oferecidas
pela SED, por Web conferência, oficinas ou minicursos presenciais, nossos professores e
funcionários usam as horas aulas de planejamentos para estudos de atualização. Assim contamos
com o seguinte quadro:
Professores: todos com graduação, sendo que 95% têm especialização Latu Sensu e 15% com
Mestrado. Nossos dirigentes têm especialização e nossos administrativos têm a seguinte
escolarização:
Ensino Fundamental Incompleto 3.3%% Ensino Fundamental 5% Ensino Médio 34% e o restante,
ou seja; Ensino Superior 54%.
Deste grande grupo 80% fizerem com conclusão o Pró Funcionário, que foi uma capacitação
bastante produtiva.
No ano de 2012 foram realizadas formações continuadas realizadas pela Secretaria de Educação
onde os profissionais que participarem das quatro etapas receberão certificado de vinte horas. Sendo
a primeira etapa da Formação Continuada realizada no mês de março com o tema sobre o
Referencial Curricular da Rede Estadual de Mato Grosso do Sul.
A segunda etapa da Formação Continuada foi realizada no dia vinte e dois de maio com o tema
“Apropriação dos Resultados do SAEMS 2011”. A terceira etapa da Formação Continuada foi
realizada no dia dez de agosto de dois mil e doze com o tema “Implementação do Projeto
Pedagógico das Unidades Escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul” e
finalizando as formações continuadas realizou-se no dia vinte e oito de novembro do ano de dois
mil e doze a quarta etapa da Formação Continuada com o tema: “Discussão e finalização do Projeto
Político Pedagógico das Unidades Escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul
Segue abaixo as formações continuadas realizadas nesta Unidade Escolar através de palestras,
estudos conforme cronograma de execução.
DISCIPLINA TEMA MINISTRANTE
Língua Portuguesa
Literatura
L.E.M. Inglês
Reforma Ortográfica
Atualização
Contação de História
Páscoa
TV Escola
Encontros Pedagógicos
UFGD
Serviço Social e Grupo de
Teatro
História Globalização da Economia Sessões de Estudo
Geografia Colonização de MS.
Fusos horários
Grêmio Estudantil
Luciano C. Amorim e
Gleiber Nascimento.
Matemática
Ciências Físicas e
Biológicas e
Programa de Saúde
Geometria
Métodos
Projetos e Execução
Ação Social de Saúde
Saúde Vocal
TDAH
Saúde Bucal
Gravidez na Adolescência
DST/AIDS
Drogas
Sexualidade
Coordenadora de Matemática.
Sessões de Estudo
TV Escola
Unigran
Dr. Ademir Baena
Dr Menegucci.
Dr. Alexandre Sevilha.
Enfermagem/Unigran
Dr. Robson (Promotoria da
Juventude).
DOF
Psicologia/Unigran
Educação Artística Téc. Releitura de tela
Tec. Danças,
Teatro, Artes
Plásticas e Música.
TV Escola
Neide Caetano
TV Escola
FORMAÇÃO CONTINUADA PERÍODO DE EXECUÇÃO
DISCIPLINA Fevereiro Maio Agosto Outubro
L. Portuguesa X X X X
L.E.M. Inglês X
Literatura X X X
LEM Espanhol X X X
Geografia X X
Matemática X X X
Biologia X X X X
Química X
Física X
Educação Física X X X X
Arte X
Filosofia X X X
Sociologia X X X
14 - Avaliação Interna
A avaliação interna é um instrumento que lançamos mão periodicamente para acompanhar o
processo ensino aprendizagem e principalmente nossas ações no decorrer do ano. São coletados
dados e informações através de questionários analisados e respondidos por todos os segmentos
sobre ações pedagógicas, administrativas e sociais. Pais, alunos, professores e funcionários
administrativos são envolvidos no processo. Depois esses dados são tabulados e tiramos um
diagnóstico a saber logo abaixo:
Pontos Fortes:
• Liberdade profissional – o professor desenvolve o seu trabalho sem interferência
administrativa.
• Equipe escolar comprometida com o trabalho.
• Participação nos programas do FNDE.
• Direção atuante e dinâmica.
• Escola bem vista pela comunidade.
• Parcerias ONGS – Instituições Governamentais e Não Governamentais.
• Professores compromissados com a educação.
• Eleição direta para diretor e diretor – adjunto.
• Recuperação Processual.
• Escolaridade dos professores.
Pontos Fracos:
• Baixo rendimento dos alunos.
• Alunos pouco motivados.
• Pouca participação dos pais ou responsáveis.
• Desestruturação familiar da clientela discente.
Problemas e causas:
• Baixo rendimento dos alunos.
• Alunos pouco motivados.
• Pouca participação dos pais ou responsáveis.
• Desestruturação familiar da clientela discente.
Metas a serem alcançadas:
1 – Melhorar o Desempenho Acadêmico dos Alunos, promovendo atividades no contra turno.
– Dinamizar a Gestão Escolar.
– Elevar o índice de Aprovação dos Alunos do Ensino Fundamental para 95% e do Médio para
98%.
– Reduzir em 10% o índice de evasão escolar no ano letivo de 2012.
– Elevar o índice de Aprovação dos Alunos do Ensino Médio para 98%.
– Promover uma atividade bimestral para envolver escola e comunidade.
– Buscar parcerias junto à sociedade para manutenção da escola.
– Buscar Recurso junto à SED para melhorar a estrutura do espaço de Ed. Física (recuperação do
piso da quadra de esportes).
15 - Avaliação do Projeto Político Pedagógico
Esperamos que este trabalho, desenvolvido por alunos, pais, professores, coordenadores
pedagógicos, funcionários administrativos e diretores, ano a ano dê bons frutos, pois alguns já estão
sendo colhidos. Para tanto temos:
não existem medidas automáticas, avaliações sem
avaliador nem avaliado; nem se pode reduzir um ao
estado de instrumento e o outro ao de objeto. Trata-se de
atores que desenvolvem determinadas estratégias, para
as quais a avaliação encerra uma aposta, sua carreira
escolar, sua formação.(...) Professor e aluno se
envolvem num jogo complexo cujas regras não estão
definidas em sua totalidade, que se estende ao longo de
um curso escolar e no qual a avaliação restringe-se a um
momento. (1990, p.18).
Que todas as ideias e objetivos mensurados aqui neste documento, não seja apenas mais um
trabalho, mas que as ideias registradas aqui sejam executadas de fato, que a prática pedagógica e
administrativa sejam contínuas, mostrando-nos uma educação de qualidade, fazendo com que
nossos estudantes – objetivo e razão do nosso trabalho, tenham todos seus horizontes ampliados,
vivendo numa sociedade mais crítica e justa. Nessa perspectiva a atualização do PPP será realizada
em março de 2013.
16 - Comissões de elaboração do Projeto Político Pedagógico
1ª Comissão de mobilização, divulgação e acervo:
Aurineide A. de F. Oliveira
Catarina Flor da Silva
2ª Comissão de Diagnóstico:
Juliana Maria da Silva Lima
Alessandra Gonçalves Cardozo
3ª Comissão de organização da escola:
Maria Aparecida da S. Estulano
Fábio Almeida e Silva
4ª Comissão de concepções teóricas:
Celita Ferri Dantas
Geny Gomes de Andrade Oliveira
5ª Comissão de correção e revisão:
Rosicléia Gonçalves Pinheiro
Elizabeth Vieira Júlio Soares
6ª Comissão de lançamento e tratamento das Informações:
Rosimar Camacho dos Santos
Vânia Viegas Wolff Cardoso
7ª Comissão Permanente:
Vaste Leonel de Souza Contato – Diretora
Geny Gomes de Andrade de Oliveira – Presidente do Colegiado Escolar
Maria Aparecida dos Santos – Supervisora de Gestão
Catarina Flor da Silva – Coordenadora Pedagógica.
17 - Equipe responsável pela aprovação do Projeto Político Pedagógico da escola
Maria Aparecida dos Santos – Supervisora de Gestão Escolar
Vaste Leonel de Souza Contato – Diretora
Geny Gomes de Andrade de Oliveira – Presidente do Colegiado Escolar
18 - Referências
Criação: Decreto n. 4.027 de 12.03.87, D.O. n. 2.023 de 13.03.87. Reconhecida pela
Deliberação/CEE/MS n. 3.270 de 20.08.92, D.O. n. 3.381 de 15.09.92.
Credenciamento e Autorização de Funcionamento do Ensino Fundamental e do Ensino Médio pela
Resolução/SED n. 1.678, de 01/12/2003, D.O. n. 6.137, de 03/12/2003.
Resolução Nº 2, de 30 de Janeiro 2012.
Resolução/SED nº 2.541, de 13 de abril de 2012.
Resolução/SED nº 2.600, de 04 de dezembro de 2012.
Resolução/SED nº 2.527, de 08 de março de 2012.
Resolução/SED nº 2491, de 8 de dezembro de 2011.
Deliberação CEE/MS 7828/05 – dispõe sobre a educação especial.
Regimento Escolar 2012. Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso.
LDB 9394/96
LUCKESI, Cipriano. Avaliação da aprendizagem na Escola.
MASUR, Jandira, Avaliação de Atitudes e Comportamentos.
GADOTTI, M. O Projeto Político Pedagógico da Escola- Na perspectiva de uma Educação para a
cidadania. São Paulo, editora Cortez, 1997.
VEIGA, I.PA. Inovações e Projeto Político-Pedagógico: Uma Relação Regulatória ou
Emancipatória?. Campinas - SP, Cedes Unicamp, 2003.
VASCONCELLOS, C.S. Planejamento: Projeto de Ensino e Aprendizagem e Projeto Político
Pedagógico. São Paulo, editora Libertad, 2004.
Parâmetros Curriculares Nacionais – Apresentação dos Temas Transversais. Brasília, MEC/SEF,
1997.
ECA. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF. Atualização: 3ª edição.Editora MS, 2006.
PERRENOUD, Philippe. La construción del éxito y del fracasso escolar. Trad. Pablo Manzano.
Madrid: Morata/La Coruña: Paidéia, 1990. Resumo: O Discurso Sobre a Avaliação Escolar do
Ponto de vista do aluno. Disponível em :http://www.scielo.br. Acesso em: 12 de dez 2012.
ASSOCIAÇÃO DE NORMAS E TÉCNICAS. NBR 6023: Referências e elaboração. Disponível
em: www.habitus.ifcs.ufrj/pdf. acesso em novembro de 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo do dossiê 2014 - prêmio escola de qualidade
Modelo do dossiê  2014 - prêmio escola de qualidadeModelo do dossiê  2014 - prêmio escola de qualidade
Modelo do dossiê 2014 - prêmio escola de qualidade
em_raimundofernandes
 
Modelo do dossiê 2014 - pronto
Modelo do dossiê  2014 - prontoModelo do dossiê  2014 - pronto
Modelo do dossiê 2014 - pronto
nayanapaula3
 
Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014 Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014
Karen Dechering
 
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco pazPPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
Veronica Mesquita
 

Mais procurados (20)

Ppp mundo de_alice
Ppp mundo de_alicePpp mundo de_alice
Ppp mundo de_alice
 
Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013 Projeto Político Pedagógico 2013
Projeto Político Pedagógico 2013
 
PPP
PPPPPP
PPP
 
Modelo do dossiê 2014 - prêmio escola de qualidade
Modelo do dossiê  2014 - prêmio escola de qualidadeModelo do dossiê  2014 - prêmio escola de qualidade
Modelo do dossiê 2014 - prêmio escola de qualidade
 
Modelo do dossiê 2014 - pronto
Modelo do dossiê  2014 - prontoModelo do dossiê  2014 - pronto
Modelo do dossiê 2014 - pronto
 
Modelo do dossiê 2013
Modelo do dossiê 2013Modelo do dossiê 2013
Modelo do dossiê 2013
 
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José SarneyProjeto Político Pedagógico (PPP)  CE Governador José Sarney
Projeto Político Pedagógico (PPP) CE Governador José Sarney
 
PPP do Ens. Fundamental
PPP do Ens. FundamentalPPP do Ens. Fundamental
PPP do Ens. Fundamental
 
Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014
 
Proposta pedagógica 2013
Proposta pedagógica 2013Proposta pedagógica 2013
Proposta pedagógica 2013
 
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de TaguatingaPPP 2011 EC 29 de Taguatinga
PPP 2011 EC 29 de Taguatinga
 
PPP Escola Soneca
PPP Escola SonecaPPP Escola Soneca
PPP Escola Soneca
 
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
P.P.P.- Projeto Político Pedagógico da EM Professora Rosa Maria Martins dos S...
 
Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014 Projeto Político Pedagógico 2014
Projeto Político Pedagógico 2014
 
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco pazPPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
PPP 2013 e 2014 da escola pr francisco paz
 
Ppp
PppPpp
Ppp
 
PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCOLA CORNÉLIA 2014-2015
PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCOLA CORNÉLIA 2014-2015PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCOLA CORNÉLIA 2014-2015
PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCOLA CORNÉLIA 2014-2015
 
Pe 2014 2015 creche
Pe 2014 2015 creche Pe 2014 2015 creche
Pe 2014 2015 creche
 
Projeto Político Pedagógico (PPP) Escola professora Dinare Feitosa
Projeto Político Pedagógico (PPP) Escola  professora Dinare Feitosa Projeto Político Pedagógico (PPP) Escola  professora Dinare Feitosa
Projeto Político Pedagógico (PPP) Escola professora Dinare Feitosa
 
Ppp 2014 cee
Ppp 2014 ceePpp 2014 cee
Ppp 2014 cee
 

Destaque (6)

Gestão Democrática Sônia_02
Gestão Democrática Sônia_02Gestão Democrática Sônia_02
Gestão Democrática Sônia_02
 
Regimento escolar 2014.
Regimento escolar 2014.Regimento escolar 2014.
Regimento escolar 2014.
 
Avaliação de Ingresso na Sala de Recursos
Avaliação de Ingresso na Sala de RecursosAvaliação de Ingresso na Sala de Recursos
Avaliação de Ingresso na Sala de Recursos
 
Parecer descritivo do maternal simone helen drumond
Parecer descritivo do maternal simone helen drumondParecer descritivo do maternal simone helen drumond
Parecer descritivo do maternal simone helen drumond
 
Proemi prc - exemplo
Proemi   prc - exemploProemi   prc - exemplo
Proemi prc - exemplo
 
10 plano-de-aula-ginastica
10 plano-de-aula-ginastica10 plano-de-aula-ginastica
10 plano-de-aula-ginastica
 

Semelhante a PPP2012

Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Marcos Lima
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
heder oliveira silva
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
heder oliveira silva
 
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGAPPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
Ana Silva
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasil
cidaslide
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao
Eduardo Lopes
 

Semelhante a PPP2012 (20)

Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
Ppp 2012   3ª versão com assinaturasPpp 2012   3ª versão com assinaturas
Ppp 2012 3ª versão com assinaturas
 
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICAPROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
PROJETO INTERDISCIPLINAR SOBRE GESTÃO DEMOCRÁTICA
 
Prêmio Escola de Qualidade - Edição 2013 - Ano Base 2012
Prêmio Escola de Qualidade - Edição 2013 - Ano Base 2012Prêmio Escola de Qualidade - Edição 2013 - Ano Base 2012
Prêmio Escola de Qualidade - Edição 2013 - Ano Base 2012
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
 
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
Atividades relativas aos livros 01, 02, 03 e 04 etapa 01
 
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal   plano quadrienalEe. santa rita do pontal   plano quadrienal
Ee. santa rita do pontal plano quadrienal
 
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGAPPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
PPP 2015 EC 29 DE TAGUATINGA
 
Pppneyder2013
Pppneyder2013Pppneyder2013
Pppneyder2013
 
PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015
PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015
PPP - Escola Frei Antonio Sinibaldi, 2015
 
I audiência de 2012
I audiência de 2012I audiência de 2012
I audiência de 2012
 
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio SinibaldiProjeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
Projeto Político Pedagógico - PPP Frei Antonio Sinibaldi
 
nada
nadanada
nada
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasil
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasil
 
Faculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasilFaculdade integrada do brasil
Faculdade integrada do brasil
 
QUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdf
QUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdfQUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdf
QUADRO DE METAS E INDICADORES Fundamental 1 - EMMRA 2023- FINAL (1).pdf
 
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
Planejamento Pedagógico - EE República do Suriname 2015
 
Caderno I - Anexo - SEEDUC
Caderno I - Anexo - SEEDUCCaderno I - Anexo - SEEDUC
Caderno I - Anexo - SEEDUC
 
83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao83539926 proposta-coordenacao
83539926 proposta-coordenacao
 
Caderno i
Caderno   iCaderno   i
Caderno i
 

Último

INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 

PPP2012

  • 1. Projeto Político-Pedagógico EE RAMONA DA SILVA PEDROSO PPP 2012 1 - Identificação Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso CNPJ: 02.585.924/0183-31 Rua: Adroaldo Pizzini nº 2750 Jardim Santo André CEP: 79.810-100 Telefone: 67.3421.3000 Dourados – MS. Entidade Mantenedora: Secretaria de Estado de Educação CNPJ 02.585.924/0183-31 Parque dos Poderes Bloco V Campo Grande – MS. Modalidades de Ensino: Ensino Fundamental, Ensino Médio e Educação Profissional - Curso Técnico em Agronegócio – Eixo Tecnológico: Recursos Naturais – Educação Profissional Técnica em Nível Médio. Diretora: Vaste Leonel de Souza Contato Diretora Adjunta: Vânia Viegas Wolff Cardoso Secretária: Nadir Oliveira Souza 2 - Apresentação do PPP Neste documento registramos todas as perspectivas, objetivos, planejamentos e ações do nosso fazer pedagógico. O desejo de todos, hoje, é a democracia participativa, sendo que isso ocorreu durante a construção deste projeto. Não resta dúvida de que planejar é adaptar, revolucionar, mudar, transformar, a prática educativa, no entanto, isso só é possível com a participação coletiva. Essa participação ocorreu através de atividades desenvolvidas pela escola, sendo impulsionada pela Secretaria de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul. Nessa perspectiva, o diálogo, a comunicação, a interação, foram fatores relevantes para o intercâmbio de experiências, vivências, integrações entre os envolvidos. Com a apresentação da Proposta Pedagógica aqui realizada, firma-se o real compromisso
  • 2. de trabalhar a realidade existente com a realidade desejada. Todas as atividades discutidas pela comunidade estão aqui elencadas, tendo a necessidade de um acompanhamento e coordenação na sua implantação e concretização. Não é nada pronto e acabado. Tudo é passivo da nova avaliação e redirecionamento, visando o aperfeiçoamento do trabalho. Parabenizamos e agradecemos todos àqueles que colaboraram e não mediram esforços para a concretização deste documento. Registrou - se todas as perspectivas, objetivos, planejamentos e ações do fazer pedagógico. O desejo de todos e a marca principal da escola é a democracia participativa, inclusive na construção do projeto político-pedagógico. A crença que se nutre é de que planejar é adaptar, revolucionar, mudar, transformar a prática educativa, no entanto, isso só é possível com a participação coletiva. A participação é um valor da escola, ocorreu através de atividades desenvolvidas pela escola, envolvendo pais, alunos, professores, funcionários administrativos, coordenação e direção escolar sendo impulsionada pela Secretaria de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul. A perspectiva teórica dotada defende o diálogo, a comunicação, a interação, e são fatores relevantes para o intercâmbio de experiências, vivências, integrações entre os envolvidos. No projeto político-pedagógico, apresenta-se o objetivo da escola que é firmar o real compromisso de trabalhar a realidade existente com a realidade desejada. Todas as atividades discutidas pela comunidade e elencadas, têm necessidade de acompanhamento e coordenação na sua implantação e concretização. A missão buscada é de perceber que nada está pronto e acabado. Tudo é passivo da nova avaliação e redirecionamento, visando o aperfeiçoamento do trabalho. Parabenizamos e se agradecemos a todos aqueles que colaboraram e não mediram esforços para a concretização do projeto político-pedagógico. A Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso, situada à Rua Adroaldo Pizzini n. 2.750, no Jardim Santo André, município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul, tem o nome em homenagem a uma das pioneiras da cidade. Quando da época da construção em 1987, o Estado precisava do espaço físico para edificação da escola, sabendo disso, a família de Dona Ramona prontificou-se imediatamente a doar o terreno; o Estado e a comunidade homenagearam-na, intitulando a escola em Escola Estadual de Ramona da Silva Pedroso.
  • 3. A unidade já passou por um período difícil, de uma clientela de 1.200 (um mil e duzentos alunos) chegou a ter quinhentos e poucos, pois lhe faltava planejamento e gestão participativa. Em 2002, com a implantação da Educação de Jovens e Adultos - EJA reconquistou-se não só a clientela, mas o prestígio. Desenvolveu-se projetos articulados com as famílias, recuperou-se a estrutura física com releitura de obras de arte pintadas no muro, com o apoio da comunidade calçou-se as ruas de acesso e fez-se a recuperação da pintura das salas de aula. Hoje, continua-se com uma clientela de 855 (oitocentos e cinquenta alunos), o que deixou - se sempre atenta a comunidade escolar, ao que se deve oferecer e com que qualidade fazê-lo. Ao iniciar o ano letivo de 2009, já se tinha em mente o que ainda precisava melhorar na unidade escolar tanto na questão física quanto pedagógica. A unidade escolar no ano de 2012, de caráter público atende a uma clientela heterogênea, formada por855 (oitocentos e cinquenta e cinco) alunos, todos regularmente matriculados. Fica alojada numa região onde o poder aquisitivo é de classe média baixa, necessita de um grande trabalho em equipe para superar e vencer os desafios, que são muitos. A Escola conta com uma equipe de 39 (trinta e nove) funcionários administrativos e 52 (cinquenta e dois) professores, dos quais 33 (trinta e três) são efetivos e 19 (dezenove) convocados, todos cheios de boa vontade e que faz a escola ser preferência por todos na região. Nesse contexto montou-se uma equipe para coletar sugestões, traçar metas e ações conjuntas que deem resultados positivos, seja social, pedagógico, cultural e educacional, e resultem na melhoria do ensino e da aprendizagem durante o ano letivo de 2012. A equipe é formada pela direção com as professoras Vaste Leonel de Souza Contato e Vânia Viegas Wolff Cardoso, as coordenadoras pedagógicas Catarina Flor e Silva, Geisa Borges Held Tobias e Jair Isaias Santana, , a PROGETEC, os alunos do Ensino Fundamental, Médio e curso técnico em agronegócios bem como os pais que abraçaram o causa e foram à luta na intenção de melhorar cada vez mais o desempenho e aprendizado de nossos alunos. 3 - Missão Garantir a qualidade no processo de ensino aprendizagem, fortalecendo e respeitando a diversidade de cada cidadão. 4 - Visão Ser referência em educação pela qualidade dos serviços prestados, por meio de ações inovadoras, da valorização, do respeito, do cumprimento dos preceitos legais e da ética. 5 - Valores • Busca permanente da qualidade dos serviços educacionais prestados à comunidade;
  • 4. • Potencialização das ações inovadoras na busca de um ensino de qualidade; • Valorização, respeito e cumprimento dos princípios legais e da convivência; • Valorização nos aspectos profissional e humano. 6 - Diagnóstico 6.1 - Situação socioeconômica e educacional da comunidade Esta Unidade Escolar tem um papel de destaque social a ser descrito. Portadores de uma comunidade escolar constituída de todos os segmentos, raças e credos podemos, colocar em evidência a escola que realmente faz inclusão. Atendemos, regularmente a todos que n os procuram assim especificamente da zona urbana, da rural são 96 (noventa e seis ) alunos temos 30 (trinta) alunos com necessidade educacional especial e para atendê-los com dignidade, a escola em parceria com a Associação de Pais e Mestres, reformou e equipou uma sala especial contendo uma mesa grande com 12 (doze) lugares, todos com assentos almofadados, aparelho de som, ar condicionado adquirido com o PDDE, dois computadores, scanner e impressora via MEC/SED e dois professores com graduação e pós- graduação específica para lidar com a clientela do ensino fundamental do 1º ao 5º ano. E um professor de Língua Portuguesa e um de Matemática para atender os alunos do 6º ao 9º ano e Ensino Médio. Isto tem feito com que os alunos tenham prazer em frequentar a sala, melhorando sua aprendizagem, e alguns inclusive, têm recebido alta. No aspecto cultural para melhor atendimento da comunidade escolar a escola tem desenvolvido projetos oferecidos pela Secretaria Estadual de Educação envolvendo teoria e prática tais como: Projeto de Xadrez. Projeto de Ginástica Rítmica (GR), caratê e Judô, Projeto de Treinamento de Futsal e Handebol, todos realizados no contra turno do aluno e aos sábados. Contamos também com a participação da UEMS com o Projeto do PIBID em Educação Física e Biologia onde temos a participação dos estagiários desta conceituada universidade com apoio às aulas dos professores Educação Física e Biologia, com apoio a organização de gincanas. Tivemos também com os estagiários de física a observação da lua através do aparelho de observação. Foi instituído no ano de 2012 o Currículo melhorado para o Ensino Médio diurno aumentando uma hora aula diária (seis aulas). Temos também o PDE (Plano de Desenvolvimento Escolar) ações pedagógicas para a melhoria de qualidade do ensino fundamental e o PJF (Plano de Ação Jovem de Futuro) gestão escolar para resultados para alunos do ensino médio regular. Contamos ainda com a parceria da UNIGRAN com o Projeto de Extensão de Serviço Social na Escola a partir do ano de 2011, onde são desenvolvidos atendimentos a alunos e pais e realizados encaminhamentos às redes
  • 5. assistenciais com atendimento sócio assistencial. A prática profissional a ser desenvolvida pelo Projeto de extensão na escola consiste em coletar informações, por meio de avaliação sócio- econômica, haja vista definição de estratégias e o instrumental técnico a ser utilizado pela Equipe do Serviço-Social. As ações possuem caráter investigativo e interventivo, em busca de uma visão crítico-analítico na identificação das problemáticas. Contamos também com o Projeto “Trânsito na Escola” Formação do jovem condutor tendo como objetivo a formação teórica para a prova teórica do DETRAN. Sendo uma parceria entre o DETRAN/MS e a Secretaria de Estado de Educação. No ano de 2012 foi feita a eleição do Grêmio Estudantil com a participação de todos os alunos do 6º ao 9º ano e Ensino Médio da escola cujo objetivo é a participação dos alunos no processo escolar, nas festas escolares como tivemos neste mesmo ano a participação já do grêmio na colaboração da festa das mães com o ensaio de músicas com as crianças do 1º ao 5º ano para a apresentação na festa das mães. Na festa junina da escola também o grêmio participou com uma barraca e ensaio da quadrilha maluca. Também contamos com a participação do grêmio estudantil na hora cívica uma vez por semana com os alunos do ensino fundamental e médio. Muitas são as ações executadas com o objetivo de tornar a escola eficaz, como se pode conferir a seguir: a – Palestra educativa, Noite de louvor e Coleta e Doação de Alimentos Para Entidades Sociais, foi enviado para as famílias dos alunos de baixa renda; b – o rendimento escolar é discutido e analisado pelo conselho de classe envolvendo direção, coordenação, professor e aluno, e exposto para os pais, através de reuniões, gráficos e boletim escolar; a – aulas em forma de projetos com o objetivo de reforço e recuperação de aprendizagem; as decisões importantes são discutidas e tomadas em conjunto pelo Colegiado Escolar e APM que administram em conjunto a escola, e tudo é registrado em livro ata para apresentação à comunidade interna e externa; e – para aperfeiçoamento e melhoria do currículo são feitas reuniões de estudo e hora atividade sempre com o apoio da coordenação pedagógica, também se mantém parcerias com a UEMS, UNIGRAN, UFGD, SESC e Escola de Informática, que auxiliam no processo ensino e aprendizagem No aspecto físico da escola, o que já era trabalhado anteriormente à atual gestão, manteve-se. São realizados mutirões para limpeza, reparos, calçamentos e releitura de obras de arte no muro, com o objetivo de manter a beleza do espaço interior e exterior. A manutenção e jardinagem da escola continuam sendo feitas pela comunidade, nos dias de mutirão muitas crianças participam,
  • 6. aprendendo a mexer na terra e a cuidar das plantas. Nossa Unidade Escolar de caráter estritamente público atende a uma clientela que conta com um número de 895 (oitocentos e noventa e cinco) alunos, regularmente matriculados no ensino fundamental, médio, distribuídos em 14 (catorze) salas de aula. No período diurno atende-se 769 (setecentos e sessenta e nove alunos), sendo 592 (quinhentos e noventa e dois alunos) do ensino fundamental e 128 (cento e vinte e oito ) do ensino médio regular; e 49 no Ensino Técnico em Agronegócios – Eixo Tecnológico: Recursos Naturais – Educação Profissional Técnica de Nível Médio. 6.2 - Histórico da escola A Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso, situada à Rua Adroaldo Pizzini n. 2.750, no Jardim Santo André, município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul, tem o nome em homenagem a uma das pioneiras da cidade, senhora Ramona da Silva Pedroso. Na época da construção em 1987, o Estado precisava do espaço físico para edificação da escola, sabendo disso, a família de Dona Ramona prontificou-se imediatamente a doar o terreno; o Estado e a comunidade homenagearam-na, intitulando a escola em Escola Estadual de Ramona da Silva Pedroso. A unidade já passou por um período difícil, de uma clientela de 1.200 (um mil e duzentos alunos) chegou a ter quinhentos e poucos, pois lhe faltava planejamento e gestão participativa. Em 2002, com a implantação da Educação de Jovens e Adultos - EJA reconquistou-se não só a clientela, mas o prestígio, desenvolveu-se projetos articulados com as famílias, recuperou-se a estrutura física com releitura de obras de arte pintadas no muro, com o apoio da comunidade calçou-se as ruas de acesso e fez-se a recuperação da pintura das salas de aula. Hoje, continua-se com uma clientela de 855 (oitocentos e cinquenta alunos), o que deixou-se sempre atenta a comunidade escolar, ao que se deve oferecer e com que qualidade fazê-lo. Ao iniciar-se o ano letivo de 2009, já se tinha em mente o que ainda se precisava melhorar na unidade escolar tanto na questão física quanto pedagógica. A unidade escolar no ano de 2012, de caráter estritamente público atende a uma clientela heterogênea, formada por 855 (oitocentos e cinquenta e cinco) alunos, todos regularmente matriculados. Fica alojada numa região onde o poder aquisitivo é de classe média baixa, necessita de um grande trabalho em equipe para superar e vencer os desafios, que são muitos. Desse número de funcionários e professores, montou-se uma equipe para coletar sugestões, traçar metas e ações conjuntas que deem resultados positivos, seja social, pedagógico, cultural e educacional, e resultem na melhoria do ensino e da aprendizagem durante o ano letivo de
  • 7. 2012. A equipe é formada pela direção com as professoras Vaste Leonel de Souza Contato e Vânia Viegas Wolff Cardoso, as coordenadoras pedagógicas Catarina Flor e Silva, Geisa Borges Held Tobias e Jair Isaias de Santana, Progetec, pais, alunos do Ensino Fundamental e Médio, que abraçaram o projeto e foram à luta. 6.3 - Situação física da escola O espaço físico da unidade escolar é limitado a 14 (quatorze) salas de aula, sendo 12 (doze) padrão que comporta 35 (trinta e cinco) alunos e 02 (duas) com no máximo 20 (vinte) alunos. Somos uma escola inclusiva, atendemos uma clientela com necessidades educacionais especiais, porém nosso ambiente não é acessível; faltam- nos rampas de acesso, pois o terreno é extremamente irregular, com muitas escadas para subir e descer e isto dificulta o aluno com necessisdade especial, além ainda de não haver sinalizações para os portadores de baixa visão ou cegos. Quanto a iluminação faz-se necessário a substituição das janelas ou adequação do sistema elétrico, onde possamos aumentar a capacidade de força, quanto a ventilação, podemos dizer que os ambientes são bem ventilados, pois todas as salas de aula e administrativas têm ar condicionado e ventiladores, as demais instalações estão abaixo relacionadas, 01 sala para as aulas de reforço escolar 01 sala de recursos multifuncional. 01 sala adaptada para biblioteca. 01 sala para os professores. 01 sala para direção. 02 salas para coordenação 01 sala para Coordenação de Área. 01 sala para vídeo 01 sala para a secretaria 01 pátio coberto 01 sala para depósito
  • 8. 01 cantina 01 banheiro masculino. 01 banheiro feminino. 01 banheiro para deficiente físico 01 sala para Laboratório de Informática. 03 depósitos 04 banheiros para os alunos. 01 quadra coberta Ainda é necessário construirmos: 01 sala ampla para arte 01 espaço adequado para biblioteca. 01 sala para material pedagógico 01 sala ampla para Laboratório de Informática. Assim teríamos espaços perfeitos para nossas práticas pedagógicas. 6.4 - Corpo docente / pedagógico / técnico / administrativo Nosso corpo docente é formado por 39 (trinta e nove) professores, dos quais 21(vinte e um) são efetivos e 18 (dezoito) convocados, desse total temos: o grupo de funcionários administrativos é constituído por 24 (vinte e quatro), onde apenas 02 (duas) não possem ensino Médio,. A CORPO DOCENTE Cargo Nome Curso/Habilitação Área de atuação Profª Efetiva Andréia Kropf de S. Pyrrho Pedagogia Regente 4º ano EF Profª Efetiva Celita Ferri Dantas Letras – Habilitação Português, Inglês L.Portuguesa , Inglesa e Produção interativa Profª Efetiva Clóvis Augusto Niiyama Matemática Matemática e Raciocinio lógico. E.M e E.F Profª Efetiva Daniella Schluchting Ciências Biológicas – Habilitação Ciências Biológicas . Biologia
  • 9. E.M. Profª Efetiva Elizabete Vieira Julio Soares Letras – Habilitação Português e Literatura L. Portuguesa, Literatura e Produção i nterativa EM. Profª Efetiva Elis Regina Lomba Letras – Inglês L. Inglesa Prof. Efetivo Fabio Almeida e Silva Matemática Matemática e Raciocinio lógico. Profª Efetiva Gabriela Beatriz Cristaldo R. Rossi Letras – Habilitação Português e Literatura. L.Portuguesa Produção interativa E. Fund. Profª Efetiva Gani Aragão Letras – Habilitação Português e Inglês. L. Portuguesa e Produção interativa E.M. Profª Efetiva Geny Gomes de A Oliveira Geografia – Habilitação Geografia Geografia E.Fundamental História E.F. Profª Efetiva Gleice do Carmo Bonfim Educação Fisica Ed. Física E.F Profª Efetiva Lidia Maria F. Vital Ciências – Habilitação Ciências e Biologia Ciências e biologia E.Fundamental Prof. Efetivo Luiz Roberto Soccio Educação Física – Hab. Educação Física, Ed. Física E.Fundamental E Médio. Profª Efetiva Lorene Benitez Vilamaior Pedagogia Regente 4º ano EF Profª Efetiva Luzia Gonçalves Ribeiro Primo Letras – Habilitação Português e Inglês L.Portuguesa e Produção interativa E.F Profª Efetiva Mara Luci Dias de Oliveira Pedagogia – Matérias Pedagógicas 2º Grau e Supervisão Escolar Regente E.Fundamental 2º ano Prof. Efetivo Marcos dos Santos Ed. Física – Habilitação Educação Física Ed. Física E.F . e E.M. Profª Efetiva Maria Aparecida da Silva Estulano Pedagogia – Matérias Pedagógicas 2º Grau e Supervisão Escolar Regente 1º ano E.F Profª Efetiva Marilena Inês Bortolon dos Santos Pedagogia 2º ano E.F Profª Efetiva Nilva B. Lins Geografia - Habilitação Geografia E.F. e E.M
  • 10. Guimarães Geografia Profª efetiva Odete Henrique de A. Bortoloni Habilitação em pedagogia Regente 2º ano E.F Profª Efetiva Rosicleia Gonçalves Pinheiro Letras – Habilitação Português e Espanhol L.E. Inglês E.F. L. Portuguesa E.M. Profª Efetiva Tania Cristina Gianello Ciências Biológicas – Hab. Ciências Biológicas Ciências E.F. Profª Convocada Ana da Silva Costa Araújo Pedagogia – Matérias Pedagógicas de 2º Grau e Supervisão Escolar Sala Multifuncional . Profª Convocada Ana Lucia Bernardo Matemática Itinerante domiciliar Profª Convocada Alexandra Carlos Maciel Matemática Matemática e Raciocinio lógico Profª Convocada Alessandra G. Cardozo Letras – Habilitação Português e Literatura Itinerante Prof. Convocada Alessandro B. de Oliveira Geografia Geografia e sociologia E.M. Profª Convocada Any Karina de S. Signoretti Ed. Física Projeto Dança Profª Convocada Aparecida F. Kimura Coelho História Regente 1º ano Profª Convocada Caroline Libonato Gordim Agronomia Agronegócios Profª Convocada Cléia Nascimento Prates Biologia Ciências E.F Profª Convocada Emarine Cescon Química Sala Multifuncional Profª Convocada Greiciele de Lima Zandona Química Química E. M Prof. Convocada Helly Fernando C. História – Habilitação História História
  • 11. Pecheka E.Médio. Prof. Convocada Lindinalva Santos Souza Libras Intérprete Profª Convocada Lucimaire R. Flores Pedagogia Regente 1º ano EF Profº convocado Marcelo dos Santos Barbosa Medicina Veterinária Agronegócios Profº convocado Marcelo Rigotti Agronomia Agronegócios Prof. Convocada Marcos Camilo Física Física Profª Convocada Marilza Dias dos Santos Neves Ed. Física – Habilitação Educação Física Artes E.F. Ed. Física E.F. e E.M. Profª Convocada Maria do C. S. G. Lobo Pedagogia Regente 2º ano EF Profª Convocada Marli de Souza Almeida Oliveira Matemática ISala de Recursos Multifuncional Profª Convocada Mirene Marim F. Santos Pedagogia Itinerante Profª Convocada Rômulo Gonçalves Costa Junior Zootecnia Agronegócios Profª Convocada Rute Gomes Batista Pedagogia Sala de Recursos Multifuncional . CORPO TÉCNICO ADMINISTRATIVO Nº de ord. Nome Escolaridade Curso/ Habilitação Função que exerce 01 Adenir da Silva Silveira Ensino Superior - Agente de Limpeza 02 Ângela Maria de Oliveira Ferreira Ensino Médio - Agente de Limpeza 03 Ana Rita Cornacioni da Silva - 04 Cireny Pedrosa de Souza Alencar E. Fundamental - Agente de Limpeza
  • 12. 05 Cleuza da Lima Melo Ensino Médio - Agente de Limpeza 06 Cleuza F. da Silva Ensino Médio - Agente de Limpeza 07 Fidelina C. de Freitas Ensino Fundamental - Agente de Merenda 08 Guilherme Cardoso Espídola Ensino Médio - Portaria 09 Jeferson Adriano Siqueira Gobetti Ensino Médio - Inspetor de Aluno 11 Lays Cristina Iapechino Souto Ensino Superior Ciências Biológicas Inspetora de Aluno 12 Maria Lucia da Silva Ensino Médio - Agente de Limpeza 13 Maria Lucia M. Rosa Santos Ensino Médio - Agente de Limpeza 14 Maria Urbana Lopes E.F. Incompleto - Auxiliar de I. de Alunos 15 Matilde Pereira da Silva Superior Normal Agente de Limpeza 16 Nadir Oliveira de Souza Ensino Médio - As. de At Educacionais 17 Nielci Aparecida dos Santos Gargantini Ensino Médio - As. de At Educacionais 18 Patrícia Irala de Almeida Superior Matemática As. de At Educacionais 19 Rosimar Camacho da Silva Ensino Superior Matemática Gestora STE 20 Rozita de Souza Ensino Médio - Agente de Limpeza 21 Rute Raquel C. da Silva Mota Ensino Médio - Agente de Merenda 22 Sirlei Rodirgues Aspet E. Superior Matemática As. Secretaria. 23 Sônia Maria Rodrigues de Brito As. Secretaria. 24 Valmir de Souza Ensino Médio - Agente de Merenda
  • 13. CORPO PEDAGÓGICO Nº de ord. Nome Escolaridade Curso/ Habilitação Função que exerce 01 Catarina Flor da Silva Superior Pedagogia Coord Pedagógica. 02 Célia Kazuko de Souza Superior Educação Artística Prof. Readaptada – Aux. de Coordenação 03 Cristiane Cândia de Oliveira E. Superior L. Portuguesa Coord. de área. 04 Edinéia Del Vigna Alencar Superior Pedagoga Plena Profª readptada Aux Coordenação 05 Geisa Borges Held Tobias Superior Pedagogia Coord. Pedagógico 06 Jane Brandão F. de Lima Superior Pedagoga Plena Prof. Readaptada – Bibliotecária 07 Jair Isaias de Santana Superior Pedagogia Coord Pedagógica. 08 Joana Palácio Mendes Superior Matemática Coord. de área. 09 Maria Lúcia M. Lima Superior Pedagoga Plena Profª readptada Aux Coordenação 11 Marisabel Aguiar Pereira Martins E. Superior Geografia Profª readptada Aux Coordenação 12 Mirian da Consolação Carneiro Pereira Superior Biologia Profª readptada Aux Coordenação 13 Odinêz Alves Marques Superior Biologia Profª readptada Aux Coordenação 14 Tamiko Shiromoto Superior Pedagogia Coord. readptada Aux Coordenação 15 Vânia Viegas Wolff Cardoso Superior História Diretora-Adjunta 16 Vaste Leonel de S. Contato Superior Letras/Pedagogia Diretora 6.5 - Recursos materiais e tecnológicos disponíveis e sua adequação, móveis, equipamentos e material didático. Contamos com um bom material pedagógico e tecnológicos de qualidade, a saber; Dos recursos Materiais dispomos de tudo que é necessário para um bom fazer pedagógico. Jogos pedagógicos divididos por área.
  • 14. Serviço de reprografia com duas máquinas para xérox e 04 (quatro) impressoras de uso pedagógico e 03 (três) de uso administrativo. 01 sala de TV/Vídeo bem equipada, com TV grande (51’), acervo de fitas pedagógicas com 200 fitas, Vídeo/DVD, 01 Retroprojetor; 01Telão; 18 computadores na sala de tecnologia com 36 (monitores) para uso dos alunos; 02 computadores com impressora na sala dos professores; 01 computador com impressora na sala da direção; 01 notebook com impressora para coordenação pedagógica. 01 TV 29’ no pátio para o recreio dos alunos; 01 TV 47’ na sala do 3º ano do Ensino Médio 01 Aparelho de som na sala do 3º ano do Ensino Médio 01 computador da sala do 3º ano do Ensino Médio para uso de cadeirante. 01 Prateleira tipo rack na sala do 3º ano do Ensino Médio 01 bebedouro na sala dos professores 01 Conjunto estofado na sala dos professores 07 microsistens para uso em sala de aula aula. 03 Globo terrestre, e; 30 mapas geográfico, histórico e científico 03 Mesas para jogos Dama e Xadrez 02 mesas de tênis. 6.6 - Existência de sala de recursos multifuncional. Nesta Unidade Escolar desde o ano de 2002 ofertamos a sala de recurso multifuncional. Foi adequado um ambiente em parceria com a Associação de Pais e Mestres, uma sala especial contendo uma mesa grande com 12 (doze) lugares, todos com assentos almofadados, aparelho de som, ar condicionado adquirido com o PDDE, dois computadores, scanner, impressora via MEC/SED vários jogos pedagógicos. Temos de docentes dois professores com graduação e pós- graduação específica para lidar com a clientela do ensino fundamental do 1º ao 5º ano. E um professor de Língua Portuguesa e um de Matemática para atender os alunos do 6º ao 9º ano e Ensino Médio. A oferta do Atendimento Educacional Especializado (AEE) neste estabelecimento de ensino prevê sua organização conforme as diretrizes operacionais para o AEE na Educação Básica, modalidade educação especial, conforme descriminada abaixo:
  • 15. - Para a frequência em Sala de Recursos Multifuncionais (SRM), o aluno deverá ser matriculado no ensino regular da própria escola ou de outra; - Os profissionais que atuarão atendimento educacional especializado deverão ter formação inicial ou específica que o habilite para o exercício da docência na Educação Especial. Os profissionais serão: docente do AEE em SRM, tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais(Libras), guia- intérprete e outros que atuem no apoio (professor itinerante). 7 - Organização da escola 7.1 - Gestão escolar A gestão escolar é o processo que rege o funcionamento da Unidade Escolar, sendo realizada através do processo eleitoral a cada três anos compreendendo tomada de decisão conjunta no planejamento, na execução, no acompanhamento e na avaliação das questões administrativas e pedagógicas. A comunidade escolar é o conjunto constituído pelos profissionais da educação, funcionários, estudantes, pais ou responsáveis que protagonizam a ação educativa da Unidade Escolar. Por este viés a gestão escolar é feita por um Colegiado Escolar de caráter deliberativo, executivo, consultivo e avaliativo nos assuntos referentes à gestão pedagógica, administrativa e financeira da unidade escolar, sendo assim constituído por: Diretor e Diretor – Adjunto da Unidade Escolar, na qualidade de membros natos e secretários executivo. Profissionais da Educação Básica, com 50% (cinquenta por cento) das vagas, que correspondem a: 02 – dois representantes do segmento dos professores; 02 – dois representantes do segmento dos coordenadores pedagógicos; 02 – representantes do segmento dos funcionários administrativos. Alunos e Pais ou responsáveis com 50% (cinquenta por cento) das vagas., que corresponde: 03 – três representantes do segmento dos alunos. 03 – 03 três representantes do segmento dos pais. O Colegiado é presidido por um dos seus integrantes eleito entre ses membros, excetuando-se o diretor ou diretor adjunto da Unidade Escolar. Cada segmento terá um titular e o mesmo quantitativo de suplente. 7.2 - Organização do tempo e espaço Ao todo a unidade escolar conta com um número de 895 (oitocentos e noventa e cinco) alunos,
  • 16. regularmente matriculados no ensino fundamental, médio e 40 (quarenta) no curso técnico, distribuídos em 14 (catorze) salas de aula. No período diurno atende-se 753 (setecentos e cinquenta e três alunos), sendo 608 (seiscentos e oito alunos) do ensino fundamental e 145 (cento e quarenta e cinco ) do ensino médio regular; no noturno 112 ( cento e doze alunos) do ensino médio regular e 40 (quarenta) no curso técnico. Funcionamento da biblioteca. Por não termos bibliotecários concursados, lançamos mãos dos professores e administrativos para atender os serviços bibliotecários, porém por esta situação o funcionamento acontece apenas no diurno. O funcionamento da secretaria escolar é das 7h às 23h (sete às vinte e três horas ) ininterruptamente. A escola atende nos períodos matutino com início às 7 h e término às 11:25 h para o ensino fundamental e das 7h às 12:15 para o ensino médio . Vespertino com início às 13 h e término às 17:25, noturno às 19 h às 23 h. O Ensino Fundamental etapa inicial da Educação Básica, com duração mínima de 09 (nove) anos, obrigatório e gratuito na escola pública tem uma organização curricular pautada nos seguintes princípios: I – Éticos: de Justiça, solidariedade, liberdade e autonomia: de respeito à dignidade humana e de compromisso com a promoção do bem de todos, contribuindo para combater e eliminar quaisquer outras forma de discriminação. II – Políticos: de reconhecimento dos direitos e deveres de cidadania, de respeito ao bem comum e à preservação do regime democrático e dos recursos ambientais; da busca da equidade no acesso à educação, à saúde, ao trabalho aos bens e outros benefícios; da exigência de diversidade de tratamento para assegurar a igualdade de direitos entre os alunos que apresentem diferentes necessidades; da redução da pobreza e das desigualdades sociais e regionais; III – Estéticos: do cultivo da sensibilidade juntamente com a racionalidade; do enriquecimento das formas de expressão e do exercício da criatividade; da valorização das diferentes manifestações culturais, especialmente a da cultura brasileira; da construção de identidades plurais e solidárias; Mediante os princípios norteadores os objetivos previstos para o Ensino Fundamental são: I – o desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como meios básicos o pleno domínio da leitura,da escrita e do cálculo; II – a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, das artes, da tecnologia e dos valores em que se fundamenta a sociedade; III – a aquisição de conhecimentos, habilidades e a formação de atitudes e valores como instrumentos para uma visão crítica do mundo; IV – o fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social; V – o cuidar e o educar, como funções indissociáveis para assegurar a aprendizagem, o bem-estar e o desenvolvimento do estudante em
  • 17. todas as suas dimensões. O currículo do ensino fundamental, organizado em anos e com a duração de 9 (nove) anos, abrange a população na faixa etária dos 6 (seis) aos 14 (quatorze) anos de idade e se estende, também, a todos os que na idade própria não tiveram condições de frequentá-lo. Contém, obrigatoriamente, uma base nacional comum e complementada por uma parte diversificada, que constituem em um todo integrado e não podem ser considerados como dois blocos distintos, conforme o estabelecido na Resolução CEB/CNE n. 7, de 14 de dezembro de 2010. A articulação entre a base nacional comum e a parte diversificada do currículo do ensino fundamental possibilita a sintonia dos interesses mais amplos de formação básica do cidadão com a realidade local, as necessidades dos estudantes, as características regionais da sociedade, da cultura e da economia e perpassa todo o currículo. O currículo do ensino fundamental estrutura-se em: I – anos iniciais, com 5 (cinco) anos de duração, atendendo à faixa etária de 6 (seis) a 10 (dez) anos; II – anos finais, com 4 (quatro) anos de duração, atendendo à faixa etária de 11 (onze) a 14 (quatorze) anos. O 1o e o 2o anos são destinados à sistematização da alfabetização. O currículo do ensino fundamental, é organizado em 4 (quatro) áreas de conhecimento, a saber: I – Linguagens – com os componentes curriculares de Língua Portuguesa, Arte, Educação Física, acrescida da parte diversificada com os componentes curriculares de Língua Estrangeira Moderna e de Produções Interativas; II – Ciências da Natureza – com o componente curricular de Ciências da Natureza; III- Matemática – com o componente curricular de Matemática; IV – Ciências Humanas – com os componentes curriculares de História e de Geografia; V – Ensino Religioso – componente curricular. O oferecimento do componente curricular Produções Interativas, nos anos iniciais do ensino fundamental, objetiva proporcionar a leitura, interpretação e produção de textos, por meio de oficinas. A carga horária anual é de 800 (oitocentas) horas para os anos iniciais e de 834 (oitocentas e trinta e quatro) horas para os anos finais, sendo que: I – nos anos iniciais, a jornada diária é de 4 (quatro) horas, com a duração de 200 (duzentos) dias letivos; II – nos anos finais, a jornada diária é de 5 (cinco) horas-aula, com a duração de 200 (duzentos) dias letivos. O horário escolar semanal obedece à seguinte organização: I – anos iniciais: a) com 18 (dezoito) horas aula semanais, de 50 (cinquenta) minutos cada, para o Professor Regente; b) com 6 (seis) horas aula semanais, de 50 (cinquenta) minutos cada, para os profissionais que lecionam os componentes curriculares de Arte, Educação Física e Produções Interativas; II – anos finais, com 5 (cinco) horas aulas diárias, durante os 5 (cinco) dias da semana. Nos anos finais, o estudante que frequentar o componente curricular Ensino Religioso, cumprirá uma carga horária anual de 867 (oitocentas e sessenta e sete) horas, e o que não frequentar cumprirá a carga horária de 834 (oitocentas e trinta e quatro) horas. Na carga horária mínima anual, não está incluída a carga horária destinada aos exames finais. A partir do 6º ano do ensino fundamental esta unidade escolar oferece, uma Língua Estrangeira Moderna – Inglês - que é escolhida pela
  • 18. comunidade escolar. O Ensino Médio etapa final da Educação Básica, com duração mínima de 03 (três) anos, obrigatório e gratuito na escola pública tem em sua organização curricular obrigatoriamente, uma Base Nacional Comum e uma Parte Diversificada, organicamente integradas, conforme normas vigentes pautada nos seguintes princípios e objetivos O currículo do ensino médio é pautado em princípios, fundamentos e procedimentos observados na proposta pedagógica, na organização pedagógica e curricular, que contribui para a promoção do cidadão, por meio da: I - educação articulada com o mundo do trabalho; II - prática social; III - preparação para o exercício da cidadania; IV - preparação básica para o trabalho. A organização curricular do ensino médio é orientada pelos valores:I – fundamentais ao interesse social, aos direitos e aos deveres dos cidadãos, de respeito ao bem comum e à ordem democrática; II – fortalecedores dos vínculos de família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca. A organização curricular do ensino médio, é estruturada em 3 (três) áreas de conhecimento, a saber: I – Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, área que contempla as disciplinas de Língua Portuguesa, Literatura, Artes e Educação Física; II – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, área que contempla as disciplinas de Física, Química, Biologia e Matemática; III – Ciências Humanas e suas Tecnologias, área que contempla as disciplinas de História, Geografia, Sociologia e Filosofia. A Parte Diversificada contempla as disciplinas Redação e Línguas Estrangeiras Modernas. Nesta Unidade Escolar, nossos estudantes optaram por cursar as duas línguas, a saber: Língua Estrangeira Moderna Inglês e Espanhol sendo a Língua Inglesa obrigatória e a Língua Espanhola facultativa. O componente curricular Educação Física será oferecido em conformidade com o que dispõe a Lei nº 10.793/2003. O currículo do ensino médio, organizado em anos e com a duração de 3 (três) anos, contém, obrigatoriamente, uma Base Nacional Comum e uma Parte Diversificada, organicamente integradas, conforme normas vigentes. Nesta unidade escolar temos duas cargas horárias anual no diurno, trabalhamos com Ensino Médio Inovador e sua carga horária é de 1000 (mil horas) com 6 (seis) horas-aula diárias, e no noturno é de 834 (oitocentas e trinta e quatro horas), com 5(cinco) horas-aula diárias, de 50 (cinquenta) minutos cada no período matutino e, 05 (cinco) horas-aula diárias de 50 (cinquenta) minutos cada no período noturno com a duração de 200 (duzentos) dias letivos. Educação Profissional Técnica de Nível Médio
  • 19. Quando foi instituído o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), pela União, com a finalidade de ampliar a oferta de educação profissional e tecnológica, por meio de programas, projetos e ações de assistência técnica e financeira, a comunidade sabendo das possibilidades solicitou da Secretaria de Estado de Educação a oferta de um curso técnico de nível médio, o que nos foi prontamente atendido. Os objetivos do Pronatec são: I - expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de educação profissional técnica de nível médio presencial e a distância e de cursos e programas de formação inicial e continuada ou qualificação profissional; II - fomentar e apoiar a expansão da rede física de atendimento da educação profissional e tecnológica; III - contribuir para a melhoria da qualidade do ensino médio público, por meio da articulação com a educação profissional; IV - ampliar as oportunidades educacionais dos trabalhadores, por meio do incremento da formação e qualificação profissional; V - estimular a difusão de recursos pedagógicos para apoiar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica. Nesta unidade escolar ofertamos o seguinte curso: Curso técnico em agronegócio – Eixo tecnológico: Recursos naturais – Educação Profissional Técnica de Nível Médio. A educação profissional Técnica de nível médio, foi implantada a partir de 1º de agosto de 2012, conforme ato resolutivo nº 2.561 de 25 de julho de 2012. O curso será oferecido no contra turno, por um período de 05 anos e tem em sua especificidade o atendimento ao aluno de 1º e 2º ano, em concomitância, contando com uma carga horária de 1.200 (mil e duzentas horas). Atenderá aos alunos da rede pública estadual devidamente matriculados nos anos acima citados. 8 - Relações entre a escola e a comunidade A A relação entre a escola e a comunidade é pontuada por ações discutidas, analisadas e executadas após ouvir cada segmento. Não temos problema de comunicação, pois as formas de contato são vários tais como: bilhetes, convites, convocações, telefonemas e até pelas redes sociais, sempre que o pai ou a escola precisa um do outro é atendido. Lançamos mão de um calendário de eventos para
  • 20. que os pais estejam sempre bem informados, como entrega de resultados bimestrais onde todos os pais são convidados a comparecer na escola para averiguações de rendimento de seus filhos e que possam tem um momentos particular com cada professor. Realizamos algumas festas de confraternização e até algumas com fim lucrativo como a “Festa Junina” que é tradição da escola e executada pela Associação de Pais e Mestres, e ainda temos as demais atividades festivas “dia das mães, pais, noite de talentos, ação social em pareceria com a UNIGRAN, feira cultural e natal em família na escola, uso da quadra de esportes nos finais de semana pela comunidade. Além disso temos as reuniões de conselho de classe que é realizado no final de cada bimestre e sempre que necessário por turma de alunos com a presença de alunos e professores para dirimir toda e qualquer dificuldade ou problema encontrado. Ao longo do ano a escola tem executado ações referentes ao PDE – Plano de Desenvolvimento Escolar e Ensino Médio Inovador – Projeto Jovem de Futuro. Quanto a relação com a Secretaria de Estado de Educação podemos dizer que não esperamos melhor, pois tem sido ótimo. É ela nos dá todo suporte para trabalhar tanto pedagógico quanto físico-financeiro. Os recursos oriundos do FNDE são repassados sem burocracia e os de ordem do Estado além dos programados ainda recebemos os recursos para reparos emergenciais. 9 - Concepções teóricas Educação A educação que tanto almejamos e esperamos que aconteça, deve ser ampla, abrangendo todos os segmentos da sociedade, não se restringindo apenas à Unidade Escolar. Deve ser a educação, direcionada também à conduta do ser humano. A família tem deixado a educação dos filhos a cargo da escola. Não se tem registro de um movimento forte exigindo, por parte da sociedade, mudanças na educação. Esperamos que com essa proposta realmente haja mudanças necessárias, para que surtam efeitos positivos de que tanto necessitamos. Motivo principal de a Escola existir, é este ser que acreditamos ser futuro, transformar nosso mundo. É ele: Um indivíduo em desenvolvimento, que, se orientado para viver e conviver em sociedade e em todos os momentos deve ser levado em consideração suas experiências e potencialidades. Segundo Gadotti (1997) todos não terão acesso à educação enquanto todos – educadores e não educadores, Estado e Sociedade Civil – não se interessarem por ela. A educação para todos supõe todos pela educação. Escola
  • 21. Em princípio e escola deveria se adequar à sociedade em transição, e isto mais do que nunca urge, pois sem estas adequações sem inovações, sem coragem, a escola não levará o educando a produzir e apropriar-se do conhecimento historicamente acumulado. O saber, a produção, a formação cultural do indivíduo são tarefas indispensáveis que devem ser promovidos pela escola. Segundo Gadotti (1997) a escola deve formar para a cidadania e, para isso, ela deve dar o exemplo. A gestão democrática da escola é um passo importante no aprendizado da democracia. A escola não tem fim em si mesma. Ela está a serviço da comunidade. Nisso, a gestão democrática da escola está prestando um serviço também à comunidade que a mantém. Currículo O currículo, na sua abordagem abrangente no interior do processo educativo pode ser definido como a soma total de experiências dos alunos e que são planejadas pela escola enquanto instituição, envolvendo os alunos, os professores e os processos de ensino, possibilitando o prosseguimento de estudos. Por esse viés, o currículo deve fundamentar-se nos seguintes princípios básicos e norteadores: 1 – A necessária integração com as necessidades e perspectivas da sociedade; 2 – a educação continuada; 3 – a educação tecnológica básica, a compreensão do significado da ciência, das letras e das artes, o processo histórico de transformação da sociedade e da cultura, a língua portuguesa como instrumento de comunicação, acesso ao conhecimento e o exercício da cidadania. Ensino e aprendizagem Segundo Gadotti (1997) o aluno aprende apenas quando ele se torna sujeito da sua aprendizagem. E para ele tornar-se sujeito da sua aprendizagem ele precisa participar das decisões que dizem respeito ao projeto da escola que faz parte também do projeto de sua vida. Passamos muito tempo na escola, para sermos meros clientes dela. Não há educação e aprendizagem sem sujeito da educação e da aprendizagem. A participação pertence à própria natureza do ato pedagógico. 10 - Critérios e formas de avaliação de aprendizagem 10 - Critérios e formas de avaliação de aprendizagem Nesta Unidade Escolar a avaliação é um processo de análise crítica e contínua, onde o aluno será sondado e avaliado por sua participação, interesse, criatividade, assiduidade e responsabilidade. Além disso a avaliação é feita sobre “o que os alunos dão conta de fazer e fazem”, sem deixar no entanto, de avaliá-lo quantitativamente através de provas e testes de verificação de aprendizagem, sempre que necessário. Usando assim a
  • 22. forma somatória de todas as atividades realizadas pelo educando e traduzindo num valor numérico que somado as atividades de valor quantitativo e qualitativo dar-se-á uma média bimestral. Por sua vez nesta unidade escolar tem-se trabalhado com a avaliação diagnóstica que ocorre no início de cada etapa, verificando as dificuldades dos alunos, identificando e caracterizando suas possíveis causas. O professor usa o registro de média aritmética. Cada atividade realizada pelo educando é atribuída uma média: assiduidade, participação das atividades diárias e trabalho extraclasse, avaliação de caderno, blogs, debates, portfólio, seminário, relato, provas escritas, testes, teatro, música, produção textual, exposição de trabalhos, mesa redonda mapa conceitual, confecção de apresentação eletrônica, lista de exercícios, simulado, estórias em quadrinhos, interpretação de imagens e gráficos, filmes, confecção de maquetes, cartazes. Tudo isso somado dar-se-á uma nota de 0,0 a 10,0 (zero a Dez) –perfazendo uma média das atividades no total de 10,0 (dez) pontos, permitindo-se o decimal cinco. No primeiro ano do Ensino Fundamental o aluno é avaliado através de Parecer Descritivo, emitido pelos professores da turma. Como média de bimestre usamos a forma aritmética, 6,0 (seis), e, como média final, após os exames finais ela é 5,0 (cinco). Para se achar a média final aplica-se a seguinte fórmula. 1º Bim. + 2º Bim + 3º Bim + 4º Bim. ≥ 6,0 4 Após o Exame Final para saber se o aluno foi retido ou aprovado, aplica-se a seguinte tabela: MA x 3 + EF x 2 ≥ 5,0 5 A recuperação da aprendizagem é parte integrante do processo educativo e visa: · Oferecer oportunidade ao estudante de identificar suas necessidades e de assumir responsabilidade pessoal com a sua própria aprendizagem; · Proporcionar ao estudante o alcance dos requisitos considerados indispensáveis à sua aprovação; · Diminuir o índice de evasão e repetência. Quando não há aprendizado do aluno certamente necessita de intervenção. Essa intervenção é o processo de recuperação paralela da aprendizagem realizada à medida que forem sendo detectadas deficiências no processo de aprendizagem e no rendimento do estudante, realizada no horário normal das aulas, consistindo na retomada de conteúdo e na apropriação dos conhecimentos ministrados. Nos anos iniciais onde contamos com um professor regente e os de Arte, Educação Física e Produção Interativa onde o trabalho de recuperação torna-se mais ágil, pois o ideal seria contar com o apoio familiar. Já nos anos finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio o processo é mais lento, pois sempre que o educando vai mal num determinado assunto, este deve ser retomado e analisado para ver o percentual atingido, pois nossa meta é de 95% (noventa e cinco por cento) de aproveitamento. Quando o aluno não consegue média superior a 6.0 (seis), o professor retoma a discussão do assunto e o reavalia. Quanto a recuperação, mesmo com todo o processo de recuperação de aprendizagem, aconselhamento da coordenação, quando a criança não melhora seu desempenho, convoca-se o pai ou responsável, que na maioria das vezes, comparece à escola para traçar metas de acompanhamento de ensino do aluno em busca de melhores resultados. Não alcançando resultado, os alunos são encaminhados para um núcleo de
  • 23. acompanhamento NUESP – Núcleo de Educação Especial, o qual se faz uma triagem do aluno através de fichas diagnósticas preenchidas pelos professores e entrevista com os pais e alunos com a psicóloga do núcleo e a técnica e esta encaminha para os órgãos competentes (neurologista, psiquiatra, fonoaudiólogo, oftalmologista, psicólogo). Com laudo médico em mãos estas crianças são encaminhadas para a sala de recursos Multifuncional que atende ao aluno funciona no contra turno da escola com um profissional competente para prestar atendimento a esse aluno, através de aulas diferenciadas que atendam as especificidades de cada educando. O atendimento à sala de recursos multifuncional é acompanhado pelo NUESP ( Núcleo de Educação Especial), em síntese A recuperação da aprendizagem ocorrerá das seguintes formas: Paralela: Como parte integrante do processo ensino – aprendizagem, realizada durante o desenvolvimento das aulas regularmente, com a retomada do conteúdo e a apropriação dos conhecimentos ministrados conforme prevê a Resolução/Sed 2.600. de 4 de dezembro de 2012. Processual: Desenvolvida no decorrer do processo ensino – aprendizagem. Desenvolvemos no contra turno projetos, que auxiliam os alunos com dificuldades de aprendizagem propondo monitorias com estagiários das Universidades locais através do PIBID para alunos do ensino Médio e 6º ao 9º do ensino Fundamental. 11 - Acompanhamento do processo de ensino e aprendizagem O PPP (Projeto Político Pedagógico) concebe, orienta, estrutura e implementa as ideias. Não é estanque, sem ações, ou limitado. Por sua abrangência apresenta versatilidade, adaptabilidade e funcionalidade. Planejar o desenvolvimento da escola é condição imprescindível para que perspectivas sejam traçadas, estilos de administração sejam aflorados e, intervenções responsáveis e conscientes aconteçam. Essa ação de planejar e intervir adequadamente garante sucessos, definem desempenhos e responsabilidades, aliviam tensões, geram confiança, e isso tudo desencadeia a autoestima tão necessária para que se goste do que se faz. A partir do “gostar”, o “querer” passa a tomar conta de cada um e de todos. Propostas institucionais ganham vida e deixam de ser embalagens técnicas, assépticas, engavetadas na mesa da burocracia para se transformarem de verdade em propostas vivas e de eficácia, que devem ser o compromisso de todos que trabalham na escola pública. Toda e qualquer mudança substancial, quando detectada como necessária ao ser concebida, estruturada e implementada, como exigência inquestionável, deve passar por um processo de conhecimento, discussão e decisão coletiva. Sendo assim, entende-se que a formulação de uma proposta pedagógica, para sua aceitação e consequente implementação, deve ser amplamente debatida: professores, alunos, coordenadores e administrativos. E isto foi objeto de extrema
  • 24. preocupação para efetiva consecução dos resultados. Além dessas considerações, a escola está compromissada como propiciar da melhoria do ensino atual que ministra. Tal responsabilidade exige com mais rigor, a melhoria de suas instalações físicas e equipamentos atualizados, da formação e da capacitação adequada de seus servidores. Esse conjunto de características deve estar solidamente alicerçado num referencial pedagógico e didáticos, que fundamentem e oriente todo e qualquer caminho a ser trilhado, onde seu objetivo é: Desenvolver no aluno o senso reflexivo e crítico, levando-o a tornar-se um cidadão consciente, responsável, participativo, politizado, transformador e criador da sua própria história. Nossa Filosofia tem por princípio proporcionar integração entre escola e comunidade, considerando o educando como centro do processo educacional, despertando-lhe o senso crítico e dando-lhe a liberdade de autorrealização e meios para o cultivo da cidadania, tendo como concepção considerar a realidade educacional do nosso Estado, e em particular, da nossa clientela, foi preciso reunirmos para discutir e entender o homem, a sociedade, a educação, o mundo, a escola, o professor, e, em especial, o aluno. Nesta unidade escolar o hábito de planejar é uma constante, até o final do século era tudo muito moroso, pois os recursos tecnológicos não haviam chegado na educação de forma a auxiliar o professor na hora do registo antecipado de sua prática de sala de aula. Hoje com a modernidade mais precisamente neste ano de 2012, nossos professores, todos, sem exceção tem de praticá-lo “on line”, sendo que a escolha do grupo foi pela realização mensal do seu planejamento. Assim sendo, o primeiro acompanhamento faz-se com planejamento, e para observar os resultados do ensino aprendizagem, lançamos mão dos serviços técnicos dos Projetos “Além das Palavras”, através da coordenação das áreas Língua Portuguesa e Matemática, que atende a demanda do Ensino Fundamental e, no Ensino Médio temos o Projeto Jovem de Futuro, que articulados com a coordenação pedagógica podemos fazer as verificações do processo ensino aprendizagem. De acordo com o artigo 19 da resolução/SED nº 2.600 de 04 de dezembro de 2012 no âmbito das disciplinas e permeando todo o currículo deverá ser assegurado, como tratamento transversal e de maneira integrada, os seguintes temas: Educação Alimentar e Nutricional; Processo de Envelhecimento, respeito e valorização do idoso; Educação Ambiental; Educação para o Trânsito; Educação em Direitos Humanos; Saúde, Sexualidade, Gênero e vida Familiar. Projetos
  • 25. • Aulas diferenciadas no contra turno para elevar o índice de aprovação do educando, executado pela metodologia Monitoria PJF e Estagiários da UFGD e UEMS, PIBID. • Assistência Social em parceria com a UNIGRAN. • Ação Social – realizada em parceria com a UNIGRAN. Festas de confraternização e comemorações: cívicas, dias das mães, festa junina, dia da criança, natal em família. • Jogos internos escolares. • Feira Cultural no mês de novembro com a finalidade de expor os projetos realizados pelos alunos e seus professores. • Gincana de Língua Portuguesa e Matemática, • Concurso de Poesia. • Projeto PROERD • Tosco em Ação – Prevenindo a violência na Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso. • Aula de Xadrez e Dama • Ginástica rítmica. Temas de Projetos realizados pelos alunos/professores: Dengue, Meio ambiente, Trânsito, Bullying, Mato Grosso do Sul, Racismo e temas diversos escolhidos juntamente com os professores e alunos. Programas: • Formação do Jovem Condutor. • Além das Palavras. A escola é democrática mas o ensino dos diversos conteúdos requer que cada professor tenha uma metodologia diferenciada que contemple a avaliação processual. Nesta unidade escolar implantou-se o ProEMI/PJF (Programa Ensino Médio Inovador - Projeto Jovem de Futuro) desenvolvendo as metodologias Entre Jovens, Leitura e Letramento, Superando Cálculos, Agente Jovem, Jovem Cientista. Compreende-se que a metodologia do educador permeie duas concepções inerentes ao processo de ensino-aprendizagem: Ação – momento da explicação do conteúdo a ser trabalhado pelo estudante. Compreensão – o momento do entendimento da ação executada pelo professor.
  • 26. Síntese - Relatório final do que foi trabalhado e assimilado pelo aluno. Unidade Teoria – Parte dissertativa ou narrativa realizada tanto pelo professor quanto pelo aluno. Prática – Resultado da ação e compreensão das atividades realizadas pelos alunos e professores. Nossa metodologia no processo ensino-aprendizagem é diferenciada, contextualizada e trabalhada de uma forma que agrade o nosso aluno e faça com que ele aprenda. Observamos com frequência a falta de um posicionamento coerente e atento dos responsáveis no acompanhamento escolar das crianças e jovens, no convívio familiar. Desta forma, a escola passa a ser o espaço dos alunos, é nela que eles buscam amizade, atenção e voz. Esta última muitas vezes, manifestando todas as suas necessidades, é interpretada como indisciplina, insubordinação e desinteresse, daí o professor ter uma metodologia específica para que esse aluno tenha boas relações, seja bem interpretado e entendido e principalmente seja ouvido sempre que necessário. GOVERNO dO mato grosso do sul secretaria de estado de educação SUPERINTENDêNCIA DE Planejameto e apoio a educação Coordenadoria de desenvolvimento pedagógico EE. RAMONA DA SILVA PEDROSO A INSERÇÃO DAS MÍDIAS NO ÂMBITO ESCOLAR Professores que elaboraram o projeto Aparecida Fátima Kimura Coelho Ana da Silva Costa Araujo Andréia Kropf de Souza Pyrro Adriana Souto Alessandro Bezerra de Oliveira Alessandra Gonçalves Cardozo Aurineide A. de Freitas Oliveira Celita Ferri Dantas Claudicéia Camargo Biagi Cléia Nascimento Prates Cristiane Candia de Oliveira Daniella Schluchting Daniel Braga Tomiati Edinéia Del Vigna Alencar Elizabeth Vieira Julio Soares Eugênia L. G.O . Chicarino Eliane Viegas de Araujo Fábio Almeida e Silva Geisa Borges Held Tobias Geni Aragão Geny Gomes de Andarade Oliveira Helly Fernando Cardozo Pecheka Jair Isaias de Santana Joana Palacio Mendes Lidia Maria Fernandes Vital Lindinalva Santos Souza Lorene Benites Vilamaior Luciana Paulino Ribeiro Luzia Gonçalves Ribeiro Primo Maria Aparecida da Silva Estulano Marcos dos Santos Marco Antonio Monteiro Maria Lucia Moreira de Lima Maria do Carmo Santos Gonçalves Lobo Marilene Cardozo da Silva Marilza Dias dos Santos Neves Marcos Camilo Nilva Bezerra Lins Guimarães Paula Adriana Crippa Brito Ramão Agedo Vieira Rosiane Leite Benites de Lima Rosicléia Gonçalves Pinheiro Rosimar Camacho da Silva Tania Cristina Gianello Tania Cristina Capoano Vania Viegas Wolf Cardozo Vaste Leonel de Souza Contato Viviane Steinle Piroli Dourados - 2013 GOVERNO dO mato grosso do sul secretaria de estado de educação SUPERINTENDêNCIA DE Planejameto e apoio a educação Coordenadoria de desenvolvimento pedagógico EE. RAMONA DA SILVA PEDROSO A INSERÇÃO DAS MÍDIAS NO ÂMBITO ESCOLAR Professores que elaboraram o projeto Aparecida Fátima Kimura Coelho Ana da Silva Costa Araujo Andréia Kropf de Souza Pyrro Adriana Souto Alessandro Bezerra de Oliveira Alessandra Gonçalves Cardozo Aurineide A. de Freitas Oliveira Celita Ferri Dantas Claudicéia Camargo Biagi Cléia Nascimento Prates Cristiane Candia de Oliveira Daniella Schluchting Daniel Braga Tomiati Edinéia Del Vigna Alencar Elizabeth Vieira Julio Soares Eugênia L. G.O . Chicarino Eliane Viegas de Araujo Fábio Almeida e Silva Geisa Borges Held Tobias Geni Aragão Geny Gomes de Andarade Oliveira Helly Fernando
  • 27. Cardozo Pecheka Jair Isaias de Santana Joana Palacio Mendes Lidia Maria Fernandes Vital Lindinalva Santos Souza Lorene Benites Vilamaior Luciana Paulino Ribeiro Luzia Gonçalves Ribeiro Primo Maria Aparecida da Silva Estulano Marcos dos Santos Marco Antonio Monteiro Maria Lucia Moreira de Lima Maria do Carmo Santos Gonçalves Lobo Marilene Cardozo da Silva Marilza Dias dos Santos Neves Marcos Camilo Nilva Bezerra Lins Guimarães Paula Adriana Crippa Brito Ramão Agedo Vieira Rosiane Leite Benites de Lima Rosicléia Gonçalves Pinheiro Rosimar Camacho da Silva Tania Cristina Gianello Tania Cristina Capoano Vania Viegas Wolf Cardozo Vaste Leonel de Souza Contato Viviane Steinle Piroli Dourados - 2013 Apresentação A Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso, situada à Rua Adroaldo Pizzini n. 2.750, no Jardim Santo André, município de Dourados, Estado de Mato Grosso do Sul, tem o nome em homenagem a uma das pioneiras da cidade, senhora Ramona da Silva Pedroso. Na época da construção em 1987, o Estado precisava do espaço físico para edificação da escola, sabendo disso, a família de Dona Ramona prontificou-se imediatamente a doar o terreno; o Estado e a comunidade homenagearam- na, intitulando a escola em Escola Estadual de Ramona da Silva Pedroso. No aspecto cultural para melhor atendimento da comunidade escolar a escola tem desenvolvido projetos oferecidos pela Secretaria Estadual de Educação envolvendo teoria e prática tais como: Projeto de Xadrez. Projeto de Ginástica Rítmica (GR) e Dança, Projeto de Treinamento de Futsal e Handebol, todos realizados no contra turno do aluno e aos sábados. Contamos também com a participação da UEMS com o Projeto do PIBID em Educação Física e Biologia onde temos a participação dos estagiários desta conceituada universidade com apoio às aulas dos professores Educação Física e Biologia, com apoio a organização de gincanas. Tivemos também com os estagiários de física a observação da lua através do aparelho de observação. Foi instituído no ano de 2012 o Currículo melhorado para o Ensino Médio diurno aumentando uma hora aula diária (seis aulas). Temos também o PDE (Plano de Desenvolvimento Escolar) ações pedagógicas para a melhoria de qualidade do ensino fundamental e o PJF (Plano de Ação Jovem de Futuro) gestão escolar para resultados para alunos do ensino médio regular. Contamos ainda com a parceria da UNIGRAN com o Projeto de Extensão de Serviço Social na Escola a partir do ano de 2011, onde são desenvolvidos atendimentos a alunos e pais e realizados encaminhamentos às redes assistenciais com atendimento sócio assistencial. A prática profissional a ser desenvolvida pelo Projeto de extensão na escola consiste em coletar informações, por meio de avaliação sócio-econômica, haja vista definição de estratégias e o instrumental técnico a ser utilizado pela Equipe do Serviço-Social. As ações possuem caráter investigativo e interventivo, em busca de uma visão crítico-analítico na identificação das problemáticas. Contamos também com o Projeto “Trânsito na Escola” Formação do jovem condutor tendo como objetivo a formação teórica para a prova teórica do DETRAN. Sendo uma parceria entre o DETRAN/MS e a Secretaria de Estado de Educação. No ano de 2012 foi feita a eleição do Grêmio Estudantil com a participação de todos os alunos do 6º ao 9º ano e Ensino Médio da escola cujo objetivo é a participação dos alunos no processo escolar, nas festas escolares como tivemos neste mesmo ano a participação já do grêmio na colaboração da festa das mães com o ensaio de músicas com as crianças do 1º ao 5º ano para a apresentação na festa das mães. Na festa junina da escola também o grêmio participou com uma barraca e ensaio da quadrilha maluca. Também contamos com a participação do grêmio estudantil na hora cívica uma vez por semana com os alunos do ensino fundamental e médio. Desde o segundo semestre do ano passado temos também em nossa escola curso de agronegócios oferecido pelo pronatec e recentemente pela SED, concluindo assim o perfil de nossa escola. Justificativa Vemos através dos noticiários que o índice de violência na escola é alto e também muitas críticas em relação a aprendizagem dos alunos que as provas institucionais[1] constatam rendimentos que não contentam a comunidade escolar e não cumprem metas estabelecidas em detrimento ao baixo índice do IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica por órgãos competentes. Deparamos com noticias que causam desconforto no ambiente educacional e isso nos deprime e nos sentimos a mercê destes acontecimentos. Em busca de melhores condições para a educação escolar os profissionais da educação procura fomentar no educando uma visão crítica de suas ações perante a complexidade onde está inserido, e propiciando conhecer melhor sua realidade e assim agregar valores positivos para que resulte na formação de
  • 28. um bom cidadão e nos posicionaremos de forma a interferir em mudanças que o envolve, buscando um olhar não apenas para os problemas, mas também para suas soluções. Objetivo Geral Estimular o educando a comportamentos que conduzam a uma vida regrada e saudável conduzindo para reflexão de seu dia a dia e assim propiciar um ambiente de aprendizagem diversificado e estimulante para agregar conhecimentos onde a aprendizagem seja efetiva e adotando assim posturas e atitudes para melhoria de sua vida e também do ambiente escolar onde passa boa parte de seu tempo. Para que tudo ocorra dentro do esperado temos uma diversidade de aparatos tecnológicos que o corpo docente pode usufruir e assim disponibilizar ao corpo discente aulas mais atrativas para isso temos: O sentido atribuído à idéia de integração de mídias na prática pedagógica tem sido muitas vezes equivocado. O fato de utilizar diferentes mídias na prática escolar nem sempre significa integração entre as mídias e a atividade pedagógica. (PRADO,2005) Objetivos Específicos • Adotar posturas na escola, em casa e em sua comunidade que os levem a interações construtivas, justas e harmônicas no seu dia a dia; • Zelar pela lei que estabelece normas e regras para o ensino; • Observar e analisar fatos e situações problemáticas que ocorre no ensino e aprendizagem; • Produzir textos de diferentes gêneros baseado no tema “honestidade”; • Integrar a escola de forma lúdica no processo de ensino aprendizagem; • Utilizar e correlacionar recursos midiáticos no cotidiano escolar; • Compreender que a condição de um trânsito legal deve ser respeitado por todos (pedestres, ciclistas, motociclistas e motoristas além das carroças e animais) é produzida nas relações com as pessoas e o meio físico, econômico e sociocultural, contribuindo assim para vida coletiva no meio em que vivem; · Sensibilizar os educandos em relação às atitudes corretas e mais humanas; · Elaborar e executar projetos referentes resolução/SED nº 2.600 de 4 de dezembro de 2012 Metodologia Visando envolver e estimular o interesse dos educandos pelo bom desempenho no decorrer de sua vida escolar, nos propomos a desenvolver atividades que despertem atenção dos mesmos e promovam melhor rendimento na educação escolar. Considerando que, o ambiente escolar é um local ideal para disponibilizar conteúdo para formar bom cidadão e ainda contribuir agora e no futuro um cidadão mais consciente e harmônico. Primeiro será desenvolvido vários projetos onde foram divididos por área de conhecimento e assim cada grupo fez opções de trabalhar com suas turmas sobre pontos críticos da turma ou ainda oportunizando trabalhar projetos sugeridos e inseridos pela SED segundo a resolução/SED nº 2.600 de 4 de dezembro de 2012 e elaborar e executar a gincana de língua portuguesa oriunda do ProEMI/JF e coordenação de língua portuguesa e assim traçar metas e verificar qual o grau de conhecimento sobre tema e verificar quais são as maiores necessidades dos educandos em relação ao tema. Depois desse momento serão feitos em sala de aula e também em tempo assíncrono trabalhos com os alunos fora do ambiente escolar onde apresentarão como forma de culminar o projeto na feira de ciências faremos pesquisa na sala de tecnologia, apresentação eletrônica elaborada pelos professores, vídeos e assim contemplando todos os tipos de recursos tecnológicos existentes na escola bem como acervo da biblioteca que dispomos de matérias para que o aluno agregue melhor seu aprendizado e neste propósito temos: A metodologia aplicada fomentará a formação autônoma e independente do profissional em desenvolvimento, incentivando- o a constantes inovações, criações e abertura para aperfeiçoamento dos conhecimentos adquiridos. (FELDMAN, 2009) E ainda: Costuma-se dizer que as palavras “precisão”, “esperteza”, “capacidade de raciocínio”, “memória”, e assim por diante denotam capacidades fundamentais reais que variam de acordo com o material com o qual operam; essas aptidões básicas são substancialmente modificadas pelo estudo de assuntos particulares e retêm essas modificações quando são dirigidas para outras áreas. Portando, se alguém aprende a fazer o bem
  • 29. uma única coisa, também será capaz de fazer bem outras coisas sem nenhuma relação, como resultado de alguma conexão secreta. Assume-se que as capacidades mentais funcionam independentemente do material com que elas operam e que o desenvolvimento de uma capacidade promove o desenvolvimento de outras.(FONTES, 2010) Encerrado o estudo referido acima, para culminar o projeto serão elaborados vídeos pelos educandos, maquetes, cartazes, teatro e danças na feira de ciências. ...Nessa direção, o currículo deve ser refletido e analisado a partir de um conceito que estabeleça estreita relação entre os compromissos pedagógicos e sociais da escola, e os objetivos do trabalho pedagógico devem abranger valores éticos e sociais, que tenham o aspecto “técnico” como consequencia de um trabalho que favoreça a formação integral do ser humano. (MONTEIRO E JUNIOR. 2001) Para finalizar o trabalho será culminado na feira de ciências da escola onde foi dividida em etapas distintas sendo a primeira em 7 de junho de 2013 com apresentação do 6º ao 9º ano. A segunda etapa em 29 de setembro de 2013 com apresentações do 1º ao 5º ano e a terceira etapa no dia 24 de outubro com o Ensino Médio. Onde serão registrados e divulgados no blog da escola. Recursos utilizados Recursos materiais Diversos tipos de texto, revistas, Jogos Pedagógicos, Vídeos, Internet, Câmera digital, Data Show, Blog da escola, Apresentação eletrônica “impress”, Software Educativos, projetor proinfo, DVDs escola entre outros. Recursos humanos Professores regentes, progetec, coordenadores de português e matemática, coordenadores pedagógicos, direção. Concepção de ensino/aprendizagem As concepções abordadas neste projeto foram as seguintes a vivencial/espontaneísta (ensinar = transmitir conteúdos disciplinares e aprender = assimilar, memorizar. Já na instrucionista/transmissiva (ensinar = deixar o estudante vivenciar experiências e aprender = participar de atividades escolares) . E ainda sobre concepção espontaneísta: ...a própria moral pressupõe inteligência, haja vista que as relações entre moral x inteligência têm a mesma lógica atribuída às relações inteligência x linguagem. Quer dizer, a inteligência é uma condição necessária, porém não suficiente ao desenvolvimento da moral. Nesse sentido, a moralidade implica pensar o racional, em 3 dimensões: a) regras: que são formulações verbais concretas, explícitas (como os 10 Mandamentos, por exemplo); b) princípios: que representam o espírito das regras (amai-vos uns aos outros, por exemplo); c) valores: que dão respostas aos deveres e aos sentidos da vida, permitindo entender de onde são derivados os princípios das regras a serem seguidas. (TERRA,) Já na concepção tradicionalista podemos observar que, o ensino legendário é uma das concepções contemporâneas mais antigas, e é um ensino que predomina nas escolas ate hoje. A pedagogia tradicional fica presa a um ensino padronizado, que muitas vezes não permite a inovação e também uma interação maior entre aluno-professor. (SANTOS,2010). Considerando todo estudo sobre as concepções fica definido que neste projeto serão abordadas as duas considerando que se complementam para um resultado baseado em práticas escolares reais e atuais. Avaliação A avaliação será feita de forma processual, sistemática e contínua, contemplando especificidades e habilidades prévias, identificando, registrando e relatando os resultados alcançados no decorrer do projeto em questão, tomando decisões quanto aos ajustes necessários, revisões e reorientações relacionadas à técnica e à prática pedagógica. Mas é indispensável analisar o comprometimento de cada educando ao desenvolver as atividades propostas. Cronograma Março a novembro de 2013 Referências bibliográficas ASSOCIAÇÃO DE NORMAS E TÉCNICAS. NBR 6023: Referências e elaboração. Disponível em: www.habitus.ifcs.ufrj/pdf. acesso em novembro de 2012 ASSOCIAÇÃO DE NORMAS E TÉCNICAS. NBR 10520: Informação e documentação: citação em docuemntos. Disponível em: www.sigaa.ufrn.br. Acesso em: novembro de 2012. Pedagogia Tradicional. http://www.webartigos.com/articles/52673/1/Pedagogia- Tradicional/pagina1.html#ixzz1Taxl2GqD acesso: 30, jul, 2011, 10:36. TERRA.M.R. O Desenvolvimento Humano na Teoria de Piaget. Disponível em: http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/d00005.htm Acesso em: 30, jul, 2011, 9:52. MONTEIRO.A & JUNIOR. G. P. A Matemática e os Temas Transversais. São Paulo, Editora Moderna, 2001. FELDMANN M.G. Formação de Professores e Escola na Contemporaneidade. São Paulo, editora SENAC, São Paulo, 2009. Informação e documentação – Referências - Elaboração. NBR 6023. Disponível em: www.abnt.org.br . acesso em julho de 2012. INSTITUTO NACIONAL
  • 30. DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Disponível em: www.inep.gov.br. acesso em agosto de 2012. www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9496.htm (LDB, atualizada) Parâmetros Curriculares Nacionais – matemática. Brasília, MEC/SEF, 1997. Parâmetros Curriculares Nacionais – Apresentação dos Temas Transversais. Brasília, MEC/SEF, 1997. PRADO M.E.B.B. Integração de Mídias e a Reconstrução da Prática Pedagógica Brasil, 2005. Projeto Político Pedagógico – EE. Ramona da Silva Pedroso/2012. Referencial Curricular da Rede Estadual de Ensino – Ensino Fundamental. Estado de Mato Grosso do Sul/Secretaria de Estado de Educação. 1ª edição. Campo Grande – 2012. SANTOS.A.A. Concepções Contemporâneas de Educação: Pedagogia Tradicional. Disponível em: http://www.webartigos.com/articles/52673/1/Pedagogia- Tradicional/pagina1.html#ixzz1Taxl2GqD acesso: 30, jul, 2011, 10:36. [1] [1] Prova SAEMS; Saeb (provinha Brasil); Prova Brasil; Olimpíada de matemática; Olimpíada de Português Ampliação dos Indicadores da Escola. 1) Justificativa: o presente projeto faz necessário visto que, os índices alcançados em avaliação aplicada pela SED-MS, apresentou desempenho inconsistente com os parâmetros desejados, sendo assim uma intervenção deve ser implementada visando não somente ampliação dos índices, mas também a proficiência dos resultados. 2) Objetivo geral Melhorar o desempenho dos alunos bem como seus resultados frente aos descritores identificados como críticos. 3) Objetivos específicos. Desenvolver habilidades para: INSERIR OS DESCRITORES 4) Proposições de ações a serem desenvolvidas LÍNGUA PORTUGUESAAção 1 - Trabalhar portfólio com os diferentes tipos e gêneros textuais. (reconhecer as diferentes formas de tratar os temas, a linguagem verbal e não verbal, identificar teses, uso dos recursos estilísticos, marcas de locutor e interlocutor e significados dos termos). Ação 2 – Desenvolver atividades lúdicas através de leitura e exposição de fantoches. Ação 3 – Produzir a criação de livrinhos com o gênero (fábula). Ação 4 – Desenvolver atividades (competição) soletrando, explorando a ortografia. Ação 5 – Utilização de gravuras, figuras para estimular a interpretação visual, explorando a linguagem não – verbal. Ação 6 – Trabalhar com tiras HQ, letras de músicas para incentivar a leitura, compreensão e interpretação escrita. Ação 7 – Estudar e analisar semanalmente os tipos textuais contemplando os gêneros abordados. Ação 8 – Utilizar maletas com livro de literatura infantil para que os alunos levem para casa fazendo revezamento. Ação 9 – Caixa surpresa para colocação de objetos sílabas, palavras e frases para incentivar a leitura e a escrita, usar a música como objeto alfabetizador. MATEMÁTICA Ação 1 – Trabalhar com jogos envolvendo as quatro operações e frações. Ação 2 – Gincana matemática explorando as quatro operações. Ação 3 – Utilizar mensalmente o material Dourado e a STE para aprimorar o desenvolvimento do ensino das quatro operações. Ação 4 - Oficina de jogos variados em parceria com a coordenadora de matemática. Ação 5 – Pesquisa sobre a importância dos números no cotidiano (exemplo: nº do calçado, casa, placa de carros, idade, documentos, etc) GEOGRAFIA Ação 1 - Realizar quinzenalmente leitura de revistas e jornais, para estimular a leitura e interpretação de textos e imagens. Ação 2 - Realizar bimestralmente a confecção de uma historia em quadrinhos e charges, visando melhorar a interpretação de textos e imagens. Ação 3 – Contação de história, desenvolver atividades práticas sobre o trânsito (jogo da memória) envolvendo sinalização. HISTÓRIA Ação 1 - Realizar quinzenalmente leitura de revistas e jornais, para estimular a leitura e interpretação de textos e imagens. Ação 2 - Realizar bimestralmente a confecção de uma historia em quadrinhos e charges, visando melhorar a interpretação de textos e imagens. Ação 3 – Dramatização da história “Menina Bonita do Laço de Fita”. FILOSOFIA Ação 1 - Trabalhar textos diversos, dando ênfase às leituras dos múltiplos tipos e gêneros textuais, através dos textos dos filósofos conforme referencial curricular. (leitura de imagens, gráficos, etc.) SOCIOLOGIAAção 1 - Realizar quinzenalmente leitura de revistas e jornais, para estimular a leitura e interpretação de textos e imagens. CIÊNCIAS Ação 1 – Exposição sobre alimentação e nutrição com montagem de panfletos utilizando a STE. Ação 2 – Utilização do esqueleto humano (artificial) Ação 3 – Utilização de gráficos e tabelas. Ação 4 – Utilização da STE. Ação 5 – Utilização de textos científicos em livros e revistas. ARTE Ação 1 – produção de HQs, utilizando musicas, vida e obra dos artistas conforme referencial curricular. (romantismo, expressionismo, impressionismo etc.) Ação 2 – leitura de
  • 31. imagens, contextualizando artistas, movimentos e períodos artísticos utilizando os recursos da arte. FÍSICA Ação 1 – Realizar experimentos envolvendo física; Mini vulcão submarino; climatizador caseiro; nuvem engarrafada e outros. QUÍMICA Ação 1 – Realizar o “Show da química” com os alunos do Ensino Médio. Ação 2 –Realizar com os alunos do 1º ano do Ensino Médio pesquisa bibliográfica e confecção de maquetes sobre cidade sustentáveis e energia renovável. BIOLOGIA Ação 1 – Realizar a coleta do lixo orgânico da cozinha da escola (cascas de ovos, frutas, legumes e pó de café usado) para a composteira. Ação 2 – Realizar em parceria com o curso de Educação Ambiental da UEMS o projeto sobre o lixo urbano com os alunos do 1º A do Ensino médio (visita à AGECOLD, confecção de lixeiras com material reciclável – pneu, confecção de papel reciclável). Ação 3 – Realizar em parceria com o PIBID – UFGD a orientação para a escrita de um trabalho científico sobre o lixo urbano. Ação 4 – Inserir práticas pedagógicas lúdicas que favoreçam a aprendizagem do educando. Ação 5 – Utilizar recursos midiáticos como meio para aquisição de conhecimentos relacionados aos conteúdos trabalhados no decorrer do ano letivo bem como aos aspectos sociais que permeiam o processo educativo. INGLÊS E ESPANHOL – Ação 1 – Realizar na gincana de português a criação de uma dança de música estrangeira. Ação 2 – Realizar a tradução de textos e cartazes referentes a lixo urbano. ED. FÍSICA - Ação 1 – Recreio direcionado (PIBID). LITERATURA Ação 1 - Trabalhar portfólio com os diferentes tipos e gêneros textuais. (reconhecer as diferentes formas de tratar os temas, a linguagem verbal e não verbal, identificar teses, uso dos recursos estilísticos, marcas de locutor e interlocutor e significados dos termos). 5) Cronograma de execução por disciplina CRONOGRAMA MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO LÍNGUA PORTUGUESA Planej. Ação. 1 Ação.2 Ação.3 Ação.4 Ação.8 Ação. 9 Ação. 1 Ação.8 Ação. 9 Ação. 1 Ação.5 Ação.8 Ação. 9 Ação. 1 Ação.6 Ação.8 Ação. 9 Ação. 1 Ação.7 Ação.8 Ação. 9 Conclusão Conclusão MATEMÁTICA Planej. Ação.1 Ação.3 Ação 4 Ação 5 Ação.2 Ação.3 Ação 4 Ação 5 Ação.3 Ação 4 Ação 5 Ação.3 Ação 4 Ação 5 Ação.3 Ação 4 Ação 5 Conclusão GEOGRAFIA Planej. Ativ. 1 Ativ. 1 Ativ. 2 Ativ. 1 Ação. 1 Ação. 2 Ação. 1 Ação. 3 Conclusão CIÊNCIAS Planej. Ação.2 Ação.3 Ação.3 Ação.1 Ação.2 Ação.3 Ação.2 Ação.3 HISTÓRIA Planej. Ação.3 Ação.3 Conclusão FILOSOFIA Planej. Conclusão SOCIOLOGIA Planej. Conclusão ARTE Planej. Conclusão FÍSICA Planej. Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação 1 Conclusão QUÍMICA Planej. Ação 2 Ação 2 Conclusão BIOLOGIA Planej. Ação 1 Ação 2 Ação 3 Ação 4 Ação 5 Ação 1 Ação 2 Ação 3 Ação 4 Ação 5 Ação 1 Ação 2 Ação 3 Ação 4 Ação 5 Ação 1 Ação 2 Ação 3 Ação 4 Ação 5 Ação 1 Ação 2 Ação 3 Ação 4 Ação 5 Ação 1 Ação 2 Conclusão INGLÊS E Planej. Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação Ação 1 Ação Conclusão
  • 32. ESPANHOL Ação 2 Ação 2 Ação 2 2 2 ED. FÍSICA Planej. Ação.1 Ação.1 Ação.1 Ação.1 Ação.1 Conclusão LITERATURA Planej. Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação 1 Ação 1 Conclusão 6) Metas a serem alcançadas e estabelecendo prazos Em curto prazo, no primeiro semestre, melhorar o desempenho do processo ensino aprendizagem, dos alunos nas áreas que apresentam baixo índice de aproveitamento. Em longo prazo melhorar o desempenho nas avaliações institucionais, e tendo como objetivo final a continuidade do processo ensino aprendizagem, obtendo assim elevados índices de aprovação. 12 - Indicadores de qualidade Para avaliar nosso fazer, precisamos ter um norte, seja ele partido da Secretaria de Estado, MEC ou qualquer outro segmento. Ao avaliar nossos alunos estamos automaticamente recebendo um resultado do processo ensino aprendizagem. Ao avaliar nosso aluno e mensurar uma nota a ele, recebemos essa nota do aluno como resultado do nosso trabalho, apesar de pontuarmos significativamente ainda é preciso avançar. Abaixo podemos verificar nosso desempenho através dos dados abaixo: IDEB Anos iniciais do Ensino Fundamental (2007 – 4.3); (2009 – 4.1); (2011 – 4.5) Anos finais do Ensino Fundamental (2007 – 4.0); (2009 – 4.0); (2011 – 3.7) SAEMS – LÍNGUA PORTUGUESA ANO MÉDIA 1º ANO 669 2º ANO 787.3 3º ANO 572.25 SAEMS – MATEMÁTICA ANO MÉDIA 1º ANO 777 2º ANO 768.4
  • 33. 3º ANO 793.85 13 - Formação continuada Nesta Unidade Escolar trabalha com um calendário de forma que ofereça espaço para que todos os segmentos possam passar por capacitações ou especializações. Além das capacitações oferecidas pela SED, por Web conferência, oficinas ou minicursos presenciais, nossos professores e funcionários usam as horas aulas de planejamentos para estudos de atualização. Assim contamos com o seguinte quadro: Professores: todos com graduação, sendo que 95% têm especialização Latu Sensu e 15% com Mestrado. Nossos dirigentes têm especialização e nossos administrativos têm a seguinte escolarização: Ensino Fundamental Incompleto 3.3%% Ensino Fundamental 5% Ensino Médio 34% e o restante, ou seja; Ensino Superior 54%. Deste grande grupo 80% fizerem com conclusão o Pró Funcionário, que foi uma capacitação bastante produtiva. No ano de 2012 foram realizadas formações continuadas realizadas pela Secretaria de Educação onde os profissionais que participarem das quatro etapas receberão certificado de vinte horas. Sendo a primeira etapa da Formação Continuada realizada no mês de março com o tema sobre o Referencial Curricular da Rede Estadual de Mato Grosso do Sul. A segunda etapa da Formação Continuada foi realizada no dia vinte e dois de maio com o tema “Apropriação dos Resultados do SAEMS 2011”. A terceira etapa da Formação Continuada foi realizada no dia dez de agosto de dois mil e doze com o tema “Implementação do Projeto Pedagógico das Unidades Escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul” e finalizando as formações continuadas realizou-se no dia vinte e oito de novembro do ano de dois mil e doze a quarta etapa da Formação Continuada com o tema: “Discussão e finalização do Projeto Político Pedagógico das Unidades Escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul Segue abaixo as formações continuadas realizadas nesta Unidade Escolar através de palestras, estudos conforme cronograma de execução. DISCIPLINA TEMA MINISTRANTE Língua Portuguesa Literatura L.E.M. Inglês Reforma Ortográfica Atualização Contação de História Páscoa TV Escola Encontros Pedagógicos UFGD Serviço Social e Grupo de Teatro História Globalização da Economia Sessões de Estudo
  • 34. Geografia Colonização de MS. Fusos horários Grêmio Estudantil Luciano C. Amorim e Gleiber Nascimento. Matemática Ciências Físicas e Biológicas e Programa de Saúde Geometria Métodos Projetos e Execução Ação Social de Saúde Saúde Vocal TDAH Saúde Bucal Gravidez na Adolescência DST/AIDS Drogas Sexualidade Coordenadora de Matemática. Sessões de Estudo TV Escola Unigran Dr. Ademir Baena Dr Menegucci. Dr. Alexandre Sevilha. Enfermagem/Unigran Dr. Robson (Promotoria da Juventude). DOF Psicologia/Unigran Educação Artística Téc. Releitura de tela Tec. Danças, Teatro, Artes Plásticas e Música. TV Escola Neide Caetano TV Escola FORMAÇÃO CONTINUADA PERÍODO DE EXECUÇÃO DISCIPLINA Fevereiro Maio Agosto Outubro L. Portuguesa X X X X L.E.M. Inglês X Literatura X X X LEM Espanhol X X X Geografia X X Matemática X X X Biologia X X X X Química X Física X Educação Física X X X X
  • 35. Arte X Filosofia X X X Sociologia X X X 14 - Avaliação Interna A avaliação interna é um instrumento que lançamos mão periodicamente para acompanhar o processo ensino aprendizagem e principalmente nossas ações no decorrer do ano. São coletados dados e informações através de questionários analisados e respondidos por todos os segmentos sobre ações pedagógicas, administrativas e sociais. Pais, alunos, professores e funcionários administrativos são envolvidos no processo. Depois esses dados são tabulados e tiramos um diagnóstico a saber logo abaixo: Pontos Fortes: • Liberdade profissional – o professor desenvolve o seu trabalho sem interferência administrativa. • Equipe escolar comprometida com o trabalho. • Participação nos programas do FNDE. • Direção atuante e dinâmica. • Escola bem vista pela comunidade. • Parcerias ONGS – Instituições Governamentais e Não Governamentais. • Professores compromissados com a educação. • Eleição direta para diretor e diretor – adjunto. • Recuperação Processual. • Escolaridade dos professores. Pontos Fracos: • Baixo rendimento dos alunos. • Alunos pouco motivados. • Pouca participação dos pais ou responsáveis. • Desestruturação familiar da clientela discente. Problemas e causas: • Baixo rendimento dos alunos. • Alunos pouco motivados. • Pouca participação dos pais ou responsáveis.
  • 36. • Desestruturação familiar da clientela discente. Metas a serem alcançadas: 1 – Melhorar o Desempenho Acadêmico dos Alunos, promovendo atividades no contra turno. – Dinamizar a Gestão Escolar. – Elevar o índice de Aprovação dos Alunos do Ensino Fundamental para 95% e do Médio para 98%. – Reduzir em 10% o índice de evasão escolar no ano letivo de 2012. – Elevar o índice de Aprovação dos Alunos do Ensino Médio para 98%. – Promover uma atividade bimestral para envolver escola e comunidade. – Buscar parcerias junto à sociedade para manutenção da escola. – Buscar Recurso junto à SED para melhorar a estrutura do espaço de Ed. Física (recuperação do piso da quadra de esportes). 15 - Avaliação do Projeto Político Pedagógico Esperamos que este trabalho, desenvolvido por alunos, pais, professores, coordenadores pedagógicos, funcionários administrativos e diretores, ano a ano dê bons frutos, pois alguns já estão sendo colhidos. Para tanto temos: não existem medidas automáticas, avaliações sem avaliador nem avaliado; nem se pode reduzir um ao estado de instrumento e o outro ao de objeto. Trata-se de atores que desenvolvem determinadas estratégias, para as quais a avaliação encerra uma aposta, sua carreira escolar, sua formação.(...) Professor e aluno se envolvem num jogo complexo cujas regras não estão definidas em sua totalidade, que se estende ao longo de um curso escolar e no qual a avaliação restringe-se a um momento. (1990, p.18). Que todas as ideias e objetivos mensurados aqui neste documento, não seja apenas mais um trabalho, mas que as ideias registradas aqui sejam executadas de fato, que a prática pedagógica e administrativa sejam contínuas, mostrando-nos uma educação de qualidade, fazendo com que nossos estudantes – objetivo e razão do nosso trabalho, tenham todos seus horizontes ampliados, vivendo numa sociedade mais crítica e justa. Nessa perspectiva a atualização do PPP será realizada em março de 2013. 16 - Comissões de elaboração do Projeto Político Pedagógico 1ª Comissão de mobilização, divulgação e acervo: Aurineide A. de F. Oliveira Catarina Flor da Silva 2ª Comissão de Diagnóstico: Juliana Maria da Silva Lima
  • 37. Alessandra Gonçalves Cardozo 3ª Comissão de organização da escola: Maria Aparecida da S. Estulano Fábio Almeida e Silva 4ª Comissão de concepções teóricas: Celita Ferri Dantas Geny Gomes de Andrade Oliveira 5ª Comissão de correção e revisão: Rosicléia Gonçalves Pinheiro Elizabeth Vieira Júlio Soares 6ª Comissão de lançamento e tratamento das Informações: Rosimar Camacho dos Santos Vânia Viegas Wolff Cardoso 7ª Comissão Permanente: Vaste Leonel de Souza Contato – Diretora Geny Gomes de Andrade de Oliveira – Presidente do Colegiado Escolar Maria Aparecida dos Santos – Supervisora de Gestão Catarina Flor da Silva – Coordenadora Pedagógica. 17 - Equipe responsável pela aprovação do Projeto Político Pedagógico da escola Maria Aparecida dos Santos – Supervisora de Gestão Escolar Vaste Leonel de Souza Contato – Diretora Geny Gomes de Andrade de Oliveira – Presidente do Colegiado Escolar 18 - Referências Criação: Decreto n. 4.027 de 12.03.87, D.O. n. 2.023 de 13.03.87. Reconhecida pela Deliberação/CEE/MS n. 3.270 de 20.08.92, D.O. n. 3.381 de 15.09.92. Credenciamento e Autorização de Funcionamento do Ensino Fundamental e do Ensino Médio pela Resolução/SED n. 1.678, de 01/12/2003, D.O. n. 6.137, de 03/12/2003. Resolução Nº 2, de 30 de Janeiro 2012. Resolução/SED nº 2.541, de 13 de abril de 2012. Resolução/SED nº 2.600, de 04 de dezembro de 2012. Resolução/SED nº 2.527, de 08 de março de 2012. Resolução/SED nº 2491, de 8 de dezembro de 2011. Deliberação CEE/MS 7828/05 – dispõe sobre a educação especial. Regimento Escolar 2012. Escola Estadual Ramona da Silva Pedroso.
  • 38. LDB 9394/96 LUCKESI, Cipriano. Avaliação da aprendizagem na Escola. MASUR, Jandira, Avaliação de Atitudes e Comportamentos. GADOTTI, M. O Projeto Político Pedagógico da Escola- Na perspectiva de uma Educação para a cidadania. São Paulo, editora Cortez, 1997. VEIGA, I.PA. Inovações e Projeto Político-Pedagógico: Uma Relação Regulatória ou Emancipatória?. Campinas - SP, Cedes Unicamp, 2003. VASCONCELLOS, C.S. Planejamento: Projeto de Ensino e Aprendizagem e Projeto Político Pedagógico. São Paulo, editora Libertad, 2004. Parâmetros Curriculares Nacionais – Apresentação dos Temas Transversais. Brasília, MEC/SEF, 1997. ECA. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF. Atualização: 3ª edição.Editora MS, 2006. PERRENOUD, Philippe. La construción del éxito y del fracasso escolar. Trad. Pablo Manzano. Madrid: Morata/La Coruña: Paidéia, 1990. Resumo: O Discurso Sobre a Avaliação Escolar do Ponto de vista do aluno. Disponível em :http://www.scielo.br. Acesso em: 12 de dez 2012. ASSOCIAÇÃO DE NORMAS E TÉCNICAS. NBR 6023: Referências e elaboração. Disponível em: www.habitus.ifcs.ufrj/pdf. acesso em novembro de 2012.