A Sociedade Senhorial Nosséc. IX a XII O clero As ordens de Cluny e Cister A nobrezaO espírito guerreiro da nobreza e ...
O Clero Após as invasões Bárbaras, a Igreja De Roma passoua ser a única força bem organizada da EuropaOcidental. Os Clero...
As ordens de Cluny e Cister Nos séc. X e XI, a Igreja viveu uma vida de ostentação e deimoralidade. Os altos cargos eram ...
A Nobreza Os Nobres, senhores de grandes propriedades eexércitos próprios, passaram a dispor de vastospoderes nos seus do...
O espírito guerreiro da nobreza eo controlo da Igreja A Igreja procurava controlar o espírito guerreiro da nobreza. Parai...
As relações entre os senhores ecamponeses Os senhores deixavam os camponesesguardar parte daprodução, garantindo-lhes ase...
O domínio senhorial No séc. IX a XII, a terra era a principal fonte de riqueza. Muitasterras, pertenciam à Igreja e à nob...
A sociedade senhorial nos séc
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A sociedade senhorial nos séc

1.816 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A sociedade senhorial nos séc

  1. 1. A Sociedade Senhorial Nosséc. IX a XII O clero As ordens de Cluny e Cister A nobrezaO espírito guerreiro da nobreza e o controloda IgrejaAs relações entre senhores e camponeses O domínio senhorial
  2. 2. O Clero Após as invasões Bárbaras, a Igreja De Roma passoua ser a única força bem organizada da EuropaOcidental. Os Clero era constituído pelo:• Clero secular – constituído por bispos epadres• Clero regular – constituído por abades emonges A Igreja tinha muita importância e prestígio emresultado de:• Exercícios das práticas religiosas, numa épocade muita fé• Posse de numerosas terras, onde retiravammuitas riquezas• Desempenhavam importantes cargos naadministração junto dos reis(dioceses, paróquias)• Dominavam a cultura, os seus membrosdirigiam as escolas, copiavam manuscritos eescreviam livros. Assim, o Clero tinha muita influência e beneficiava deprivilégios, como tribunais próprios e isenção deimpostos
  3. 3. As ordens de Cluny e Cister Nos séc. X e XI, a Igreja viveu uma vida de ostentação e deimoralidade. Os altos cargos eram comprados pelos grandessenhores da nobreza e, em muitos mosteiros, a vida de um mongeafastava-se dos ideais de pobreza e de austeridade.• Ordem de Cluny – criada em 910, por Guilherme oPiedoso, duque de Aquitânia ( França). Baseia-sesobretudo, com a oração e o culto, prestavam menos atençãoaos trabalhos agrícolas e artesanais, deixando essestrabalhos aos seus servos ou a outros trabalhadores domosteiro• Ordem de Cister – criada em 1098, por Bernardo, mongefrancês. Esta ordem baseia-se de regras de vida austera paraos monges, que se deviam dedicar aos trabalhos agrícolas, áoração e á cópia de manuscritos.
  4. 4. A Nobreza Os Nobres, senhores de grandes propriedades eexércitos próprios, passaram a dispor de vastospoderes nos seus domínios, como a aplicação dajustiça, lançamento de impostos e cunhagem damoeda. A principal ocupação da Nobreza era a guerra.Numa época de grande insegurança, a nobrezateve de defender-se dos ataques invasores, como seu próprio exército, a região onde vivia. Emmuitos lugares estratégicos, fizeram-secastelos que acolhiam as populações em caso denecessidade. A nobreza para se preparar para aguerra, realizavam torneios, que eramcompetições entre cavaleiros, justas, que eramcombates entre dois guerreiros armados comlanças, e participavam em caçadas. Pelas funções que desempenhavam e pelos bensque possuíam, a nobreza era muito poderosa naIdade Média.
  5. 5. O espírito guerreiro da nobreza eo controlo da Igreja A Igreja procurava controlar o espírito guerreiro da nobreza. Paraisso, estabeleceu:• A ” paz de Deus” – proibia ataques a indefesos, comocamponeses, mulheres e homens sem armas.• A ” trégua de Deus” – impedia os combates em certos dias dasemana e em certas épocas do ano, como a Páscoa e o Natal Com a mesma preocupação, a Igreja criou no séc. XI, aCavalaria, instituição que tinha por objetivo, proteger os fracos eservir a Igreja. A Igreja continuou a orientar o espírito guerreiro da nobreza paraas cruzadas, isto é, para a reconquista de lugares santos ocupadospor Muçulmanos na Palestina e na Península Ibérica.
  6. 6. As relações entre os senhores ecamponeses Os senhores deixavam os camponesesguardar parte daprodução, garantindo-lhes asegurança e proteção. Os camponesesdeviam aos senhores, o pagamento derendas , de corveiras (trabalhogratuito, durante um período detempo por semana) e de banalidades(utilização de fornos, moinhos elagares do senhor) Para além destas obrigações, oscamponeses estavam sujeitos aoutros encargos e ao pagamento detaxas, multas e castigos, pois odireito de justiça cabia ao senhor.
  7. 7. O domínio senhorial No séc. IX a XII, a terra era a principal fonte de riqueza. Muitasterras, pertenciam à Igreja e à nobreza. A essas grandespropriedades, chamavam-se senhorios ou domínios senhoriais. O senhorio era constituído por duas partes:• A reserva , explora diretamente pelo senhor, através de servos ecamponeses, onde se situava a casa senhorial ou o castelo e asinstalações agrícolas, como celeiros, estábulos, moinhos, etc.• Os mansos, terras arrendadas pelo senhor aos camponeses, emtroca de uma parte da produção sob a forma de rendas e detrabalho gratuito na reserva. Os domínio senhorial abrangia, para além das terras decultivo, bosques, pastagens, baldios e fornos.

×