As Cidades Invisíveis - Design e Fotografia

3.132 visualizações

Publicada em

Resultados do curso de extensão "Design e Fotografia" dado na Escola de Design Unisinos por Giulio Palmitessa e Fernando Schmitt

Publicada em: Design, Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.132
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
68
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

As Cidades Invisíveis - Design e Fotografia

  1. 1. Design e Fotografia Universidade do Vale do Rio dos Sinos Curso de Extensão Escola de Design Unisinos Realização_ 30/9/2009 a 31/10/2009
  2. 2. Organizadores_ Fernando Bohrer Schmitt e Giulio Federico Palmitessa Projeto gráfico_ Giulio Federico Palmitessa
  3. 3. INDEX As cidades invisiveis da natureza p. 5 3 Trechos da obra p. 9 Alunos Catherine Moschem Cappellari p.15 Eliza Lodi dos Santos p.21 Emilio Rodigheri Martins p.27 Fernando Teixeira Rohde p.33 Flavia Regina Silva Gomes p.41 Gustavo Guinther Passaglia p.49 Jacqueline Rodriguez Duarte p.55 Juliana Cecilia Klering p.65 Oscar Daniel Devitta Gonzalez p.73 Taiana Fernandes de Oliveira José p.85 Virginia Denisse Fernandez Chiesa p.89
  4. 4. 4
  5. 5. As cidades invisiveis da natureza O curso de Design e Fotografia é o resultado da aproximação de duas áreas que 5 desde sempre colaboram entre si nos campos da arte e do mercado profissional. Quando discutíamos a questão de como estruturar o curso, a primeira questão que se apresentou dizia respeito à semântica. Precisávamos pinçar do conjunto de ideias que se associam à fotografia e ao design aquilo que considerávamos mais relevante para definir qual seria a contribuição de cada área. Focamos nas possibilidades da fotografia como linguagem expressiva e na cultura e metodologia projetual do design. O curso foi estruturado para ser de curta duração, 35 horas, o que nos permitiria abordar conteúdos básicos da linguagem fotográfica como o funcionamento técnico da câmera e as escolhas subjetivas do fotógrafo diante da realidade a ser fotografada. De outro lado precisávamos aproximar os alunos, muitos dos quais não tinham formação alguma na área, da “cultura de projeto” do design. Trabalhamos perseguindo uma ideia objetiva daquilo que pode fazer o profissional de design, uma introdução ao ser designer. Quando pensávamos qual a maneira melhor para integrar e aproximar a metodologia de projeto do Design e a linguagem fotográfica vimos que precisávamos de um briefing, de um tema, de um ponto de partida para a criação. A literatura e suas imagens fundadas em palavras constituiu-se como um caminho sedutor. E logo veio à mente Italo Calvino, um autor que cuja imaginação nos instiga. Mais especificamente “As cidades invisíveis” uma obra globalmente reconhecida e repleta de imagens provocativas. Como primeiro exercício fotográfico pautamos os alunos para encontrarem as cidades invisíveis da natureza no microcosmo das cercanias da Escola de Design. Para o
  6. 6. desenvolvimento dos projetos nosso método partiu de uma leitura e desconstrução dos textos de Calvino. Destacamos os principais substantivos e adjetivos para que pudéssemos posteriormente reconfigurá-los em outras associações (sonho encaracolado, idade incrustada, por exemplo) de modo a criar as característcas de outras possíveis cidades imaginárias que se concretizariam nos projetos individuais. Os alunos desenvolveram então seus diferentes projetos, alguns mais comunicativos e outros realmente próximos à cultura do saber fazer de cada um deles. A fotografia foi ser usada como ferramenta projetual, ajudando a criar e documentar suas próprias cidades invisíveis. Essas cidades tomaram formas diferenciadas: filme de animação, expositor de fotografias, móbiles, imagens digitais, outdoors, colchas, portas e bolsas. Foram respostas muitos diferentes com níveis de exploração da interface fotografia/design realmente criativos. Prof. Fernando Bohrer Schmitt Prof. Giulio Federico Palmitessa 6
  7. 7. 7
  8. 8. 8
  9. 9. Trechos da obra As cidades e a memória - 1 9 Partindo dali e caminhando por três dias em direção ao levante, encontra-se Diomira, cidade com sessenta cúpulas de prata, estátuas de bronze de todos os deuses, ruas lajeadas de estanho, um teatro de cristal, um galo de ouro que canta todas as manhãs no alto de uma torre. Todas essas belezas o viajante já conhece por tê-las visto em outras cidades. Mas a peculiaridade desta é que quem chega numa noite de setembro, quando os dias se tornam mais curtos e as lâmpadas multicoloridas se acendem juntas nas portas das tabernas, e de um terraço ouve-se a voz de uma mulher que grita: uh!, é levado a invejar aqueles que imaginam ter vivido uma noite igual a esta e que na ocasião se sentiram felizes. As cidades e a memória - 2 O homem que cavalga longamente por terrenos selváticos sente o desejo de uma cidade. Finalmente, chega a Isidora, cidade onde os palácios têm escadas em caracol incrustadas de caracóis marinhos, onde se fabricam à perfeição binóculos e violinos, onde quando um estrangeiro está incerto entre duas mulheres sempre encontra uma terceira, onde as brigas de galo se degeneram em lutas sanguinosas entre os apostadores. Ele pensava em todas essas coisas quando desejava uma cidade. Isidora, portanto, é a cidade de seus sonhos: com uma diferença. A cidade sonhada o possuía jovem; em Isidora, chega em idade avançada. Na praça, há o murinho dos velhos que vêem a juventude passar; ele está sentado ao lado deles. Os desejos agora são recordações.
  10. 10. 14
  11. 11. Catherine Moschem Cappellari 15
  12. 12. 16
  13. 13. 17 As cidades invisíveis da naturaza
  14. 14. 18 Bolsa recordações prateadas de um velho multicolorido
  15. 15. 19 Bolsa recordações prateadas de um velho multicolorido
  16. 16. 20
  17. 17. Eliza Lodi dos Santos 21
  18. 18. 22 Bergamota sanguinosa
  19. 19. 23 Briga de aluminio
  20. 20. 24 Teatro rapidamente
  21. 21. 25 Desejo marinho
  22. 22. 26
  23. 23. Emilio Rodigheri Martins 27
  24. 24. 28 As cidades invisíveis da naturaza
  25. 25. 29 As cidades invisíveis da naturaza
  26. 26. 30 As cidades TRENSURB
  27. 27. 31 As cidades TRENSURB
  28. 28. 32
  29. 29. Fernando Teixeira Rohde 33
  30. 30. 34 As cidades invisíveis da naturaza
  31. 31. 35 As cidades invisíveis da naturaza
  32. 32. 36 As cidades invisíveis da naturaza
  33. 33. 37 As cidades invisíveis da naturaza
  34. 34. 38 Memoria das cidades invisíveis
  35. 35. 39 Memoria das cidades invisíveis
  36. 36. 40
  37. 37. Flavia Regina Silva Gomes 41
  38. 38. 42 As cidades invisíveis da naturaza
  39. 39. 43 As cidades invisíveis da naturaza
  40. 40. 44 As cidades invisíveis da naturaza
  41. 41. 45 As cidades invisíveis da naturaza
  42. 42. 46 Estampa colcha
  43. 43. 47 Colcha
  44. 44. 48
  45. 45. Gustavo Guinther Passaglia 49
  46. 46. 50 As cidades invisíveis da naturaza
  47. 47. 51 As cidades invisíveis da naturaza
  48. 48. 52 As cidades invisíveis da naturaza
  49. 49. 53 As cidades invisíveis da naturaza
  50. 50. 54 As cidades invisíveis
  51. 51. 55 As cidades invisíveis
  52. 52. 56 As cidades invisíveis
  53. 53. 57 As cidades invisíveis
  54. 54. 58
  55. 55. Jacqueline Rodriguez Duarte 59
  56. 56. 60 As cidades invisíveis da naturaza
  57. 57. 61 As cidades invisíveis da naturaza
  58. 58. 62 As cidades invisíveis da naturaza
  59. 59. 63 Porta retrato 01
  60. 60. 64 Porta retrato 02
  61. 61. 65 Idade incrustada
  62. 62. 66 recordação prateada
  63. 63. 67 Sonho longamente
  64. 64. 68
  65. 65. Juliana Cecilia Klering 69
  66. 66. 70 As cidades invisíveis da naturaza
  67. 67. 71 As cidades invisíveis da naturaza
  68. 68. 72 As cidades invisíveis da naturaza
  69. 69. 73 As cidades invisíveis da naturaza
  70. 70. 74 Bolsa recordações prateadas de um velho multicolorido
  71. 71. 75 Bolsa recordações prateadas de um velho multicolorido
  72. 72. 76
  73. 73. Oscar Daniel Devitta Gonzalez 77
  74. 74. 78 As cidades invisíveis da naturaza
  75. 75. 79 As cidades invisíveis da naturaza
  76. 76. 80 As cidades invisíveis da naturaza
  77. 77. 81 As cidades invisíveis da naturaza
  78. 78. 82 Torre núbil
  79. 79. 83 Desejo marinho
  80. 80. 84 Sonho encaracolado
  81. 81. 85 Idade incrustada O cubo de Calvino
  82. 82. 86 O cubo de Calvino
  83. 83. 87 O cubo de Calvino
  84. 84. 88
  85. 85. Taiana Fernandes de Oliveira José 89
  86. 86. 90 As cidades invisíveis da naturaza
  87. 87. 91 As cidades invisíveis da naturaza
  88. 88. 92
  89. 89. Virginia Denisse Fernandez Chiesa 93
  90. 90. 94 As cidades invisíveis da naturaza
  91. 91. 95 As cidades invisíveis da naturaza
  92. 92. 96 Outdoor
  93. 93. 97 Outdoor
  94. 94. 98 Outdoor
  95. 95. 99 Outdoor
  96. 96. 100
  97. 97. 101 Outdoor
  98. 98. 102
  99. 99. “Viver não é necessário. Necessário é criar” 103 Fernando, Pessoa

×