Rel.junho 2012

222 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rel.junho 2012

  1. 1. Programa Observatório da Educação/MEC/CAPES/INEP IES sede: Universidade Federal do Rio Grande do Sul / UFRGS Coordenação Institucional: Profª. Drª. Sandra Mara Corazza Núcleo: Universidade Estadual do Oeste do Paraná / UNIOESTE Coordenação do Núcleo: Ester Maria Dreher Heuser Escrileituras: um modo de ler-escrever em meio à vida Projeto N° 91 - Edital 038/2010 RELATÓRIO DE PESQUISA REFERENTE AO MÊS DE JUNHO – 2012Nome do (a) bolsista: Luciana Alves PintoModalidade da Bolsa: Educação Básica – Escola Municipal André ZenereData de ingresso: Janeiro - 2011Instituição: Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE
  2. 2. ____________________________________________Relatório de Atividades do Programa XXXXX4. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS E RESULTADOS ALCANÇADOSIndicador Objetivo da atividade Descrição sucinta da atividade (inserir início e Resultados alcançadosda período de realização)atividade 1. OsT: Ampliação dos Data: 04/06/2012 – Realizou-se a leitura da história • Escuta cuidadosa dos estudantes; Horizontes horizontes e conceitos • Reflexão acerca do que é ler? “Luas e luas” de Thurber. Através da escuta da leitura tradicionais sobre a • Clareza na exposição de ideias. ação de ler, vinculando- cuidadosa pretende-se que os estudantes enquanto os aos conceitos de ouvem a história imaginem as cenas narradas e criem tradução e criação que orientam a proposta do possibilidades de acordo com suas vivências e Projeto Escrileituras. experiências. Plano de discussão: • Quando você olha no relógio para descobrir que horas são, você lê o relógio? • Quando o tempo está meio incerto, olhamos para o céu para saber se iremos levar ou não o guarda-chuva. Isso é uma leitura do tempo? • Se você consegue falar uma palavra que está escrita em outra língua, isso é uma leitura? Mesmo não sabendo o significado da palavra? • Se o que você está olhando está em português, e você conhece cada uma das palavras, mas não consegue descobrir o significado, você está lendo? 2
  3. 3. ____________________________________________Relatório de Atividades do Programa XXXXX (Duração de aproximadamente duas horas) 2. OsT: Refletir acerca dos Data: 05/06/2012 – Dar continuidade ao plano de • Compreensão da leituraHorizontes aspectos que envolvem discussão: relacionada a dar significado aoda leitura a leitura; que esta escrito e também para • Se você fala todas as palavras que estão além do escrito. escritas num livro de história, mas não • Curiosidade, atenção, consegue descobrir o significado do que está argumentação durante as escrito, isso é uma leitura? exposições de ideias acerca do que é ler. • Seria justo dizer que ler é tentar achar significado no que está escrito, ou seria melhor dizer que ler é achar significado no que está escrito? Conversação: Quando lemos, em que situações, a leitura só pode ser realizada através da escrita, das palavras ou podemos ler de outras formas? (Duração de aproximadamente duas horas) 3. OsT: Organizar materiais Data: 06/06/2012- Reuniram-se na Unioeste/Toledo • Elaboração do roteiro da peça;Centrífuga para oficina a ser os bolsistas e oficineiros Michelle, Neuton, Rafael, eu • Levantamento do cenário e de ideias realizada na Semana (Luciana) para organizarmos os últimos detalhes da figurino dos personagens; Acadêmica; oficina “Centrífuga de ideias” que será desenvolvida • Distribuição dos papéis; Distribuir papéis entre durante a Semana Acadêmica de Filosofia. O os oficineiros para momento tambem objetivou a distribuição dos papéis apresentação do teatro. a serem representados pelos oficineiros durante a apresentação teatral inspirada no livro “História das ideias do Zé” de Renata Pereira Lima Aspis. Bem como levantamento do cenário e figurino dos personagens. (Duração de aproximadamente duas horas) 4. OsT: Ensaiar a peça teatral. Data: 09/06/2012 – Reuniram-se na Unioeste/Toledo • Ensaio geral.Centrífuga os bosistas e oficineiros Michelle, Neuton, Rafael, 3
  4. 4. ____________________________________________Relatório de Atividades do Programa XXXXX de ideias Elissiane, eu (Luciana) além de dois acadêmicos do curso de Filosofia para ensaiarmos a peça teatral inspirada no livro “História das ideias do Zé” de Renata Pereira Lima Aspis. (Duração de aproximadamente três horas) 5. XV Participação em Data: 11/06/2012 – Participação na palestra do Prof. • Ideias que surgiram durante a Semana palestra. Dr. Sílvio Gallo (Unicamp) cujo título foi “Aprender palestra : Filosofia comoAcadêmica Filosofia: os desafios de um exercício de si”. experimentação do pensamento,de Filosofia (Período da noite – duração de aproximadamente três não aprendemos filosofiada Unioeste horas.) escutando filosofia, mas quando praticamos filosofia. Precisamos ensinar filosofia nas escolas que temos, com os alunos que temos, enfrentar a realidade, esperar condições ideais é utopia. 6. XV Desenvolvimento da Data: 13/06/2012 – Desenvolvimento da OsT: • Despertar da curiosidade e Semana OsT: Centrífuga de Centrífuga de Ideias com alunos do segundo e terceiro envolvimento dos estudantes;Acadêmica Ideias. anos da Escola Municipal Amélio Dal Bosco junto • Divulgação do projetode filosofia aos colegas bolsistas e oficineiros Elissiane, Michelle, “Escrileituras: um modo de ler-da Unioeste Neuton, Rafael, Janete. Apresentação teatral, escrever em meio à vida” para conversação e dinâmica Varal de ideias, desenhe uma outros professores e estudantes. ideia.( Duração de aproximadamente três horas). 7. XV Participação em Data: 14/06/2012 – No período da manhã participação Um outro olhar para as fotografias e Semana Oficina. na oficina ministrada pelo Prof. Dr. Luciano Bedin da imagens: Studium (aquilo que faz a fotoAcadêmica Costa, cujo título foi: “De repente eu era um outro: ser recomhecida, dá um sentido globalde Filosofia fotografias, pensamento e narrativas de si”. (Duração para a imagem, nos faz espectadores dada Unioeste de aproximadamente três horas) fotografia) e Punctum (è o detalhe, o No período da noite participação na palestra seguida ponto, não se preocupa com o sentido da de debate com Prof. Dr, Luciano Bedin da Costa, cujo foto, é singular, único para cada um que título foi “Um equilibrista fora do lugar: Niilismo e vê, aquilo que puxa, é sempre algo que educação”. (Duração de aproximadamente três horas) vem de mim). 8. XV Encontro de trabalho Data: 15/06/2012 – No período da tarde nos reunimos Comunicação entre os núcleos, Semana com grupo de bolsistas- para traçar caminhos comuns para os diferentes direcionamento comum a todos os 4
  5. 5. ____________________________________________Relatório de Atividades do Programa XXXXX Acadêmica pesquisadores do núcleo núcleos em que ocorrem o projeto de pesquisa núcleos, orientação para projeto dede Filosofia de Toledo e o “Escrileituras” e também para o estudo do texto: pesquisa a ser realizado individualmenteda Unioeste coordenador do núcleo Jovens Pesquisadores. (Duração de aproximadamente pelos bolsistas do núcleo de Toledo. da UFRGS. três horas) 9. OsT: Envolver-se na leitura Data: 25/06/2012 – Assistir o curta metragem “The • Descoberta e produção de Horizontes fantastic flying books of Mr. Morris Lessmore”. utilizando-se de sentidos a partir do curta da Leitura Texto mudo. Solicitar que os estudantes escrevam processos como suas percepções, sentimentos e sensações que tiveram metragem. durante a apresentação do curta. Transformar imagens percepção, memória, • Produção de texto; em texto escrito. ( duração de aproximadamente duas inferência e dedução. horas) 10. 11. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19.Orientações Gerais 1. Descrever sucintamente os objetivos, atividades e resultados alcançados. 2. Demonstrar a relação entre as atividades desenvolvidas e os resultados alcançados. É importante explicitar, com clareza, a articulação entre atividades e resultados, de modo a explicitar o cumprimento do objeto a que se destina o programa. 3. Os resultados devem apontar para a formação do professor, o trabalho coletivo desenvolvido, as aprendizagens possíveis, a apresentação de trabalho em eventos, a manipulação de instrumentos para a docência e a investigação educacional, a produção de conhecimentos e saberes sobre a docência e a escola, dentre outros. As produções, a serem apresentadas abaixo, materizalizam-se em artigos publicados, portfólios e diários de bordo, material didático produzido (mídias, jogos, dinâmicas, etc), estratégias didáticas, relatórios de avaliação dos resultados, dentre outras). 5
  6. 6. 5. DESCRIÇÃO DA PRODUÇÃO EDUCACIONAL GERADAObs. 1: As produções deverão ser apresentadas individualmente em cada tabela e em ordem alfabética. Insira novaslinhas para o mesmo tipo de produto. Ao final, a tabela deverá apresentar a quantidade total da produção.Obs. 2: Os produtos devem ser apresentados em ANEXOS numerados, em formato digital (CD ou DVD) e, quandopossível, disponibilizado na website da IES. O link deve ser informado no campo apropriado.Obs. 3: O anexo, presente na mídia digital, deverá trazer com maiores detalhes a produção gerada.Obs.4: Os produtos estão relacionados às atividades desenvolvidas. Portanto, para cada tipo de produto, deverá serapresentado o indicador da atividade correspondente (ver quadro 4).5.1) PRODUÇÕES DIDÁTICO-PEDAGÓGICASNeste grupo enquadram-se produtos do tipo: banners e cartazes pedagógicos produzidos, criação debanco de imagens, criação de banco de sons, criação de Blogs, criação de kits de experimentação,estratégias e sequências didáticas, folders, mapas conceituais, mídias e materiais eletrônicos, planosde aula, Plataforma Moodle e outras, (Wikipédia), preparação de aulas e estratégias didáticas,preparação de estratégias e sequências didáticas para o Portal do Professor, preparação deminicursos, produção de cadernos didáticos, produção de objetos de aprendizagem, produção deroteiros experimentais, produção de softwares, projetos educacionais realizados, sínteses e análisesdidáticas; outros.1) Tipo do produto: OsT Centrífuga de ideias Indicador atividade: 6. XV Semana Acadêmica de Filosofia da Unioeste
  7. 7. ____________________________________________Relatório de Atividades do Programa XXXXXa) Descrição do produto gerado (Max. 100 palavras): Centrífuga de ideiasTema da oficina: Noções de ideia.Equipe responsável: Elissiane Aparecida Zen do Amaral; Janete Marcia do Nascimento; LucianaAlves Pinto; Michelle Silvestre Cabral; Neuton V. O. Avila.Público-alvo: Estudantes dos primeiros anos da Educação Básica (crianças).Tempo: 1h.Número de participantes: 50 estudantes.Objetivos: Estimular o exercício do pensamento em torno do conceito de ideia.Súmula: Surgiu a ideia de por a ideia em questão: O que se pode fazer com uma ideia? Há umsignificado para a ideia? Onde fica a ideia? Como surge? De onde vem? É possível guardar ideias?É possível misturá-las, recortá-las ou recordá-las? Ideia se transforma ou modifica? Uma ideia ésempre uma coisa nova? Ideia é uma coisa? Ideia tem dono? Ideia tem forma? Orientados pelaproposta do projeto Escrileituras: Um modo de ler e escrever em meio à vida, se pretendemovimentar o conceito tradicionalmente aceito de ideia. O intuito é gerar condições para umapossível agitação do pensamento em torno dos diferentes modos de se com-preender tal conceito.Para tanto, se buscará desenvolver o exercício de experimentação, expressão e variação dopensamento, a partir da contação de uma estória: História das idéias do Zé, de Camossa (2001). Talatividade dará ensejo a problematização de noções como criação, diferença, novidade, originalidade,entre outros. O registro das sensações, disposições e/ou inquietações dos participantes poderá serproduzido segundo diferentes meios: escrita, representação simbólica, representação artística oumusical, mural de palavras.Procedimentos:• Contação e representação de história (adaptação da História das idéias do Zé);• Conversação acerca do texto: o Para criar uma coisa é preciso uma ideia? o Ideia é sempre uma coisa nova? o Ideia é o mesmo que opinião? o Cada coisa tem uma ideia ou a ideia tem cada coisa? o Ideia é sempre de alguma coisa?• Confecção de um mural de palavras: Entregar às crianças um pedaço de papel (sulfite) e lápis, para que escreva com uma palavra um significado da palavra ideia, depois colar em um cartaz as palavras por associações de significados relacionáveis.• Organizar os participantes em grupos e propor que elaborem o registro das sensações, disposições e/ou inquietações que os afetaram durante a oficina segundo diferentes meios: escrita, representação simbólica, representação artística ou musical.Materiais necessários: Folhas sulfite, Lápis grafite, giz de cera, instrumentos musicais (pandeiro,flauta, violão, etc.)...Bibliografia:ASPIS, Renata Pereira Lima. Histórias das ideias do Zé: Livro de orientação para professores. São Paulo: Callis, 2001.CAMOSSA, Silvia. Ideias que contam histórias, histórias das ideias do Zé. Ilustrações de Camila 7
  8. 8. ____________________________________________Relatório de Atividades do Programa XXXXXescrileiturasunioeste@gmail.comb) Descrição do produto gerado (Max. 100 palavras):(Anexo XXXX em mídia digital e ou hiperlink) Quantidade total2) Tipo do produto:__________________________________________Indicador atividade: ______a) Descrição do produto gerado (Max. 100 palavras):(Anexo XXXX em mídia digital e ou hiperlink)b) Descrição do produto gerado (Max. 100 palavras):(Anexo XXXX em mídia digital e ou hiperlink) Quantidade totaln) Tipo do produto:________________________________________Indicador atividade: _________a) Descrição do produto gerado (Max. 100 palavras):(Anexo XXXX em mídia digital e ou hiperlink)b) Descrição do produto gerado (Max. 100 palavras):(Anexo XXXX em mídia digital e ou hiperlink) Quantidade total Luciana Alves Pinto Bolsista (Nome e Assinatura) Visto, de acordo Ester Maria Dreher Heuser Coordenadora do Núcleo UNIOESTE 8

×